Jornalismo e Web2.0

456 visualizações

Publicada em

Artigo apresentado em Questões Contemporâneas do Jornalismo

Publicada em: Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Jornalismo e Web2.0

  1. 1. Apresentação Artigo <ul><li>Jornalismo e Web 2.0 </li></ul><ul><li>Francis Pisani </li></ul><ul><ul><li>Nieman Fellow 1993 </li></ul></ul><ul><ul><li>Blogger freelance </li></ul></ul><ul><ul><li>Colunista de tecnologias informação e new media em São Francisco para diversos jornais europeus e latino-americanos </li></ul></ul><ul><ul><li>Dá aulas na Universidade da Califórnia e na Universidade de Stanford. </li></ul></ul><ul><ul><li>http://www.francispisani.net/ </li></ul></ul><ul><ul><li>http://fr.wikipedia.org/wiki/Francis_Pisani </li></ul></ul>
  2. 2. Fundamental <ul><li>“ Os potenciais leitores de amanhã estão a utilizar a Web de maneiras que dificilmente conseguimos imaginar, e se quisermos continuar a ser significantes para eles, teremos de entender como .” </li></ul>
  3. 3. YouTube.com <ul><li>Criado em Fevereiro 2005 </li></ul><ul><li>Mais de 100 milhões visualizações de vídeos em meados 2006 </li></ul><ul><li>Comprado pelo Google por $1.65 biliões (€ 1,17 biliões) 9 Outubro 2006. </li></ul>
  4. 4. Aprender com o YouTube <ul><li>Quantas pessoas com banda-larga </li></ul><ul><li>Quantas pessoas produzem e publicam &quot;conteúdos&quot; </li></ul><ul><li>Número de pessoas que preferem esta visão do mundo à dos jornalistas. </li></ul><ul><li>“ Se queremos alcançar estas mesmas pessoas, é melhor que saibamos do que se trata, entendê-lo e reagir em conformidade.” </li></ul>
  5. 5. Web 2.0? <ul><li>Conceito criado depois crash do dot-com </li></ul><ul><li>Nenhuma tecnologia nova </li></ul><ul><li>Mistura de aplicações e conteúdos </li></ul><ul><li>Housing Maps </li></ul><ul><li>“ Experiência significativamente diferente, sobre a qual os jornalistas precisam de aprender muito mais, para encontrarem formas efectivas de a utilizar no trabalho que fazem.” </li></ul>
  6. 6. Elementos da Web 2.0 <ul><li>Plataforma Web </li></ul><ul><li>Receber, publicar e modificar </li></ul><ul><li>Banda-larga </li></ul><ul><li>Partilha </li></ul><ul><li>Efeitos da rede: inteligência colectiva </li></ul>
  7. 7. Jornalismo e Web 2.0 <ul><li>Nova cultura: novo olhar sobre os media </li></ul><ul><li>Motores busca: fontes de sites noticiosos </li></ul><ul><li>Wikipedia </li></ul><ul><li>“ Utilizadores colocam no site o que têm para oferecer, utilizando se desejarem um formato multimedia e sem limitação de espaço. Softwares interactivos facilitam a criação e, em retorno, contribuem para o reconhecimento e tráfego de pessoas. “ </li></ul>
  8. 8. Desafiam os media tradicionais <ul><li>Sites mais conhecidos: </li></ul><ul><ul><li>Google News </li></ul></ul><ul><ul><li>Yahoo! News </li></ul></ul><ul><ul><li>Wikinews </li></ul></ul>
  9. 9. Também desafiam os media <ul><li>Sites menos conhecidos: </li></ul><ul><ul><li>del.icio.us , Digg.com , NewsVine.com , Wikio.com , ChicagoCrime.org , www.cnrneighbors.org , NewsTrust.net </li></ul></ul><ul><ul><li>“ Estes sites afectam profundamente o jornalismo. A apresentação multimedia substitui a utilização de apenas um meio. As questões que envolvem a selecção de estórias, a organização e a apresentação tornam-se proeminentes numa época em que o fenómeno dos blogs não pode ser ignorado.” </li></ul></ul>
  10. 10. Papel dos editores <ul><li>Os editores têm de estar atentos a: </li></ul><ul><ul><li>Sites que utilizam algoritmos para redistribuir estórias na sua home page: Google News , Le Monde.fr </li></ul></ul><ul><ul><li>Motores de busca que direccionam os leitores para artigos, ultrapassando a orientação dos editores </li></ul></ul><ul><ul><li>RSS e agregadores, onde os utilizadores “agarram” o que querem de fontes que gostam e organizam-nas em espaços personalizados como o Google Reader </li></ul></ul>
  11. 11. Jornalistas adaptam-se <ul><li>Bons exemplos: </li></ul><ul><ul><li>El País </li></ul></ul><ul><ul><li>Le Monde </li></ul></ul><ul><ul><li>Clarin.com (Buenos Aires) </li></ul></ul><ul><ul><li>BBC </li></ul></ul><ul><ul><li>Ohmynews </li></ul></ul><ul><ul><li>www.cyberjournalist.net </li></ul></ul><ul><ul><li>“ Os jornalistas terão de aprender a praticar o seu ‘comércio’ com o mesmo rigor e valores de uma forma mais modesta” </li></ul></ul>
  12. 12. Que futuro? <ul><li>Ainda não existe nenhum modelo claro para a Web como plataforma da prática do jornalismo </li></ul><ul><li>Um novo ecossistema de notícias terá de se desenvolver. As pessoas participam. Já não são meras audiências. </li></ul><ul><li>A Web 2.0 é um desafio, tal como foram inicialmente os blogs </li></ul>
  13. 13. Conclusão <ul><li>“ Em vez de assumirem uma posição defensiva face a estes desafios, os jornalistas deveriam entrar em diálogo com aqueles que não foram treinados como nós e encontrar formas que os ajudem a compreender e adquirir os valores e competências que tornem o que fazemos útil para a sociedade.” </li></ul>

×