Avaliacao De Programas

473 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
473
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Avaliacao De Programas

    1. 1. Avaliação de Programas de Conservação: uma reflexão sobre dados, métodos e procedimentos GILBERTO DE MARTINO JANNUZZI UNICAMP
    2. 2. Agenda <ul><li>Do que depende uma avaliação de programas de GLD ? </li></ul><ul><li>Tipos de avaliações </li></ul><ul><li>Equação Básica da Avaliação </li></ul><ul><li>Incertezas </li></ul><ul><li>Perspectivas da avaliação de programas no Brasil </li></ul>
    3. 3. Avaliação depende Objetivos da Avaliação Tempo Recursos Pessoal Concepção do Programa
    4. 4. Avaliação e decisores GLD Interesses comerciais Cias. Energia Consumidores Não cons./sociedade Interesses comerciais, hábitos, meio amb. Valores, etc Programas de Eficiência GLD Programas de Eficiência
    5. 5. Avaliação depende: <ul><li>quem investe em modificação da demanda (a quem interessa modificar?) </li></ul><ul><ul><li>GDL: Cias de Energia </li></ul></ul><ul><ul><li>Programas de Eficiência (Etiquetagem, Normas, etc): governos, agências públicas </li></ul></ul><ul><ul><li>Consumidores de Energia </li></ul></ul><ul><ul><li>Fabricantes de equipamentos </li></ul></ul><ul><li>Instrumentos p/ modificação da Demanda: mercado (preços) e programas (GLD, P.E.) </li></ul>
    6. 6. Perguntas Básicas <ul><li>Quantos kWh serão conservados? </li></ul><ul><li>Quantos kW serão evitados? </li></ul><ul><li>Por quanto tempo se mantém a conservação? </li></ul><ul><li>Quanto custou conservar? (para o consumidor, para a companhia elétrica, etc) </li></ul><ul><li>Como vou avaliar isso? </li></ul><ul><ul><li>Tempo, pessoal e recursos </li></ul></ul>
    7. 7. Como se avalia? <ul><li>não é mensurada </li></ul><ul><li>CONSERVAÇÃO é estimada </li></ul><ul><li>Mede-se o desempenho de um sistema </li></ul><ul><ul><li>ex: lumens/W, W/m2, </li></ul></ul><ul><li>Avalia-se a operação do programa: medindo o desempenho dos sistemas envolvidos, estimando kWh e kW conservados, avaliando a percepção dos envolvidos </li></ul>
    8. 8. Produção versus Conservação de Energia <ul><li>Mais fácil mensurar a Produção: </li></ul><ul><ul><li>instalação de medidores </li></ul></ul><ul><ul><li>custos de instalação, operação e manutenção </li></ul></ul><ul><li>heterogeneidade de usos e tecnologias de consumo </li></ul><ul><li>influência do consumidor (hábitos, comportamento, persistência), clima, fatores econômicos, etc. </li></ul>
    9. 9. Tipos de Avaliação <ul><li>Avaliação de Impacto </li></ul><ul><ul><li>levantamento de características técnicas necessárias para estimar kW e kWh evitados </li></ul></ul><ul><li>Avaliação de Processo </li></ul><ul><ul><li>como se comportaram os organizadores? </li></ul></ul><ul><ul><li>Qual a satisfação dos envolvidos com o desempenho do programa? </li></ul></ul><ul><li>Avaliação de Mercado </li></ul><ul><ul><li>vendas de produtos: antes, durante e depois (persistência) TRANSFORMAÇÃO DE MERCADO </li></ul></ul>
    10. 10. Requisitos <ul><li>Medições, coleta de informações (antes, durante e depois) </li></ul><ul><li>metodologia clara e reproduzível </li></ul><ul><li>conhecer as variáveis que podem influir no comportamento do sistema (clima, sazonalidades, etc) e saber expurgá-las </li></ul><ul><li>informações para Base de REFERÊNCIA </li></ul>
    11. 11. Incertezas na avaliação de programas <ul><li>Fontes mais importantes de erros: </li></ul><ul><li>Horas e regime de operação (influem nas economias de kWh, kW pico) </li></ul><ul><li>Instalação, remoção de equipamento </li></ul><ul><li>Problemas de O&M </li></ul><ul><li>Interações com outros equipamentos (ar condicionado e iluminação, por ex.) </li></ul><ul><li>Free riders, rebound (aumento do uso de energia) </li></ul>
    12. 12. Avaliação de programas nos EUA <ul><li>Avaliação ex-post/Avaliação ex-ante = realization rate (RR) </li></ul><ul><li>Primeiros programas (~1980): RR < 70% </li></ul><ul><li>~1990s: RR +/- 80%, alguns + 90% em anos recentes </li></ul><ul><li>A maioria dos resultados baseados em economias de kWh, resultados em kW são melhores (+ 90%) </li></ul><ul><li>Programas típicos hoje: RR de 80% com desvio padrão +/-30% </li></ul><ul><li>RR são maiores para consumidores industriais/comerciais </li></ul>
    13. 13. Qualidade/confiabilidade depende de: <ul><li>Precisão dos estudos para se determinar a BASE DE REFERÊNCIA </li></ul><ul><li>Instalação de pontos de coleta de dados e verificação das medidas de eficiência </li></ul><ul><li>Qualidade das estimativas das economias </li></ul><ul><li>Protocolos para Avaliação, Monitoramento e Verificação </li></ul>
    14. 14. Protocolos para Avaliação, Monitoramento e Verificação de Economias <ul><li>Sugiram como necessidade dos “performance contracts” (energia, água) e acordos internacionais (Mudanças Climáticas, Emissões de Carbono) </li></ul><ul><li>Cálculo do consumo: cálculo de engenharia (baseado em características técnicas) </li></ul><ul><li>Medições, análise de contas de energia </li></ul><ul><li>Simulações ( softwares ), auditorias/ surveys </li></ul><ul><li>Estipulações consensadas (descrevendo a situação antes e depois) </li></ul>
    15. 15. Protocolos <ul><li>Documentação das hipóteses e objetivos do projeto </li></ul><ul><li>Condições de instalação, O&M dos equipamentos, sistemas ou medidas </li></ul><ul><li>Elaboração de um esquema de teste de desempenho e documentação para avaliar cada medida </li></ul><ul><li>Procedimentos para estimar a situação de referência e economias (contabilidade) </li></ul>
    16. 16. EXEMPLO: Avaliação de Programa <ul><li>Programa de Troca de Lâmpadas no setor Residencial </li></ul><ul><li>Local: Fortaleza </li></ul><ul><li>Implementação: PROCEL + COELCE </li></ul><ul><li>período de implementação dez/97-fev/98 </li></ul>
    17. 17. Coleta de Dados p/ Avaliação
    18. 24. Potência da Lâmpada substituída
    19. 25. Antes Depois Economias=kWh Antes - kWh depois REFERÊNCIA IMPLEMENTAÇÃO RESULTADO
    20. 26. Conclusões <ul><li>Avaliação é importante para o progresso do uso eficiente de energia e necessária para futuros investimentos na área </li></ul><ul><li>Deve ser feita com o rigor possível </li></ul><ul><li>Deve ser feito com credibilidade e metodologias claras (Protocolos p/ AVM, são bons instrumentos) </li></ul><ul><li>Necessária para se estimar custos e vantagens/desvantagens com relação à situação anterior (ou convencional) </li></ul>
    21. 27. Exemplo: Protocolo <ul><li>International Performance Measurement and Verification Protocol </li></ul><ul><ul><li>Procedimentos para estimar economias de água, energia e emissões </li></ul></ul><ul><ul><li>http://www.ipmvp.org </li></ul></ul>

    ×