GingaMS                   Dia 1Desenvolvimento para TV Digital Interativa      Diemesleno Souza Carvalho          Campo Gr...
Sobre o palestrante.•   Tecnólogo em Sistemas para Internet.•   Pós-graduando MBA em Gestão de Projetos.•   Trabalho com T...
Sobre o GingaMS.•   Grupo novo, mas com grandes perspectivas.•   Estimular e difundir as tecnologias TVDi.•   Tendências d...
Sobre o Mini-curso.•   Nivelamento sobre TVDi.•   Entender as tecnologias envolvidas.•   Desafios do mercado.•   Principai...
Primeiro Dia•   TV Analógica.•   TV Digital.•   TV Digital Interativa.•   Padrões de TV Digital.•   Padrão Brasileiro SBTV...
TV Analógica• Telespectador passivo.
TV Analógica• Mono canal
TV Analógica• Mono canal
TV Analógica• Mono canal
TV Analógica• Baixa qualidade de som.
TV Analógica• Baixa qualidade de imagem.
TV AnalógicaChata.Sem novidades.Repetitiva.Muitas vezes apelativa.
TV Digital• Telespectador passivo.
TV Digital• Multiplos canais.
TV Digital• Qualidade de som de CD.
TV Digital• Imagem de alta definição.
TV DigitalDiversidade de dispositivos.Visualizar informações sobre os canais e programas.Equipamento caro.Poucas emissoras.
TV Digital InterativaSom com qualidade de CD.Imagem com alta definição.Diversos dispositivos.Informações sobre canais e pr...
TV Digital Interativa• Telespectador ativo.
TV Digital Interativa• Telespectador ativo.
TV Digital Interativa• Novas formas de utilizar a TV - (T-Commerce).
TV Digital Interativa• Novas formas de utilizar a TV - (T-Learning).
TV Digital Interativa• Novas formas de utilizar a TV - (T-Gov).
TV Digital Interativa• Novas formas de utilizar a TV - (T-Gov).
TV Digital Interativa• Novas formas de utilizar a TV - (T-Gov).
Padrões de TV Digital - EUA• Middleware ACAP
Padrões de TV Digital - EUA• Sistema de TVD – Americano/ATSC• Ambiente Declarativo  – Linguagem Declarativa -> ACAP-X - (X...
Padrões de TV Digital - EUROPA• Middleware MHP
Padrões de TV Digital - EUROPA• Sistema de TVD – Europeu/DVB-T• Ambiente Declarativo  – Linguagem Declarativa -> DVB-HTML ...
Padrões de TV Digital - Japão• Middleware ARIB-BML
Padrões de TV Digital - Japão• Sistema de TVD – Japonês/ISDB-T• Ambiente Declarativo  – Linguagem Declarativa -> BML - (XH...
Padrões de TV Digital - Brasil• Middleware Ginga
Padrões de TV Digital - Brasil• Sistema de TVD - Brasileiro/SBTVD• Ambiente Declarativo  – Linguagem Declarativa -> Ginga-...
Ambiente Declarativo« Ambiente projetado para navegação em informações textuais pela interação do usuário. »
Ambiente Imperativo« Ambiente projetado para trabalhar de forma dinâmica e integrada com interação do usuário ou de outros...
Padrão Brasileiro SBTVD• Decredo N. 4901 de 26 de novembro de 2006.
Premissas•   Estabelecer e aumentar a rede de competências nacional.•   Apresentar solução técnica inovadora.•   Ser flexí...
Benefícios à Nação Brasileira•   Soluções voltadas para uma sociedade bastante desigual.•   Aumento das bases de conhecime...
Características tecnológicas• Codificação de Vídeo: H.264 (MPEG-4 AVC)• Codificação de Audio: MPEG-4• Middleware Ginga  – ...
Interatividade« Trata da possibilidade do usuário telespectadorreceber uma mensagem e tratá-la da forma como              ...
Graus de Interatividade• Possibilidades dos usuários usufruírem de:   –   Votação eletrônica.   –   Serviços bancários.   ...
Graus de InteratividadeNível 1« A interatividade é apenas com o aparelho de TV, limitando-se  a fazer escolhas. O usuário ...
Graus de InteratividadeNível 2« O usuário interage com a programação, que pode ser alterada  com o simples uso do controle...
Interatividade do Ponto de Vista Técnico• Interatividade Local« É a mais básica de todas. O usuário interage com o recepto...
Interatividade do Ponto de Vista Técnico• Interatividade Remota« Existe a possibilidade de comunicação entre o telespectad...
Interatividade do Ponto de Vista Técnico• Interatividade Remota Intermitente« Neste caso, a comunicação de dados é feita d...
Interatividade do Ponto de Vista Técnico• Interatividade Remota Permanente« Permite a troca de informações entre o telespe...
Cenário Atual da interatividade no Brasil•   Conservadora.•   Tecnologia recente.•   Sem modelo de negócios definido.•   S...
BônusComunidades
Comunidades Grupo Ginga Goiaishttp://grupogingagoias.com.br/blog/
Comunidades          Ginga DFhttp://gingadf.com.br/blogGinga/
Comunidades     Ginga MShttp://www.gingams.com.br/
Comunidades Ginga Argentinahttp://comunidad.ginga.org.ar/
ComunidadesGinga Equadorhttp://www.ginga.org.ec/
Comunidades       Ginga Peruhttp://www.ginga.org.pe:8080/ginga/
Comunidades     Ginga Chilehttp://www.comunidadginga.cl/
Comunidades  Clube NCLhttp://clube.ncl.org.br/
Conclusão.•   Mercado altamente promissor.•   Diversos nichos a serem explorados.•   Hora de se capacitar.•   Levar a idei...
Referências.•   Livro: Programando em NCL 3.0•   www.itvbr.com.br•   www.ginga.org.br•   www.gingancl.org.br•   www.grupog...
Dúvidas.
Obrigado• Contato:  – www.diemesleno.com.br  – diemesleno@gmail.com  – @diemesleno
Fim do 1 dia  GingaMS
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Desenvolvimento para tv digital interativa [ dia 1]

1.781 visualizações

Publicada em

Slides do primeiro dia do mini curso de Desenvolvimento para TV Digital Interativa oferecido pelo grupo GingaMS.

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.781
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
385
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
67
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Desenvolvimento para tv digital interativa [ dia 1]

  1. 1. GingaMS Dia 1Desenvolvimento para TV Digital Interativa Diemesleno Souza Carvalho Campo Grande - MS
  2. 2. Sobre o palestrante.• Tecnólogo em Sistemas para Internet.• Pós-graduando MBA em Gestão de Projetos.• Trabalho com T.I. Desde 1998.• Palestrante em diversos eventos regionais.• Ex-estagiário TRE/MS e Dataprev/MS.• 2 anos na Sefaz/MS Analista/Programador.• Analista de Sistemas Pleno na Sanesul/MS.
  3. 3. Sobre o GingaMS.• Grupo novo, mas com grandes perspectivas.• Estimular e difundir as tecnologias TVDi.• Tendências do mercado de TVDi.• Capacitar novos membros gradativamente.• Incentivar produções independentes.• Promover eventos e divulgação do grupo.
  4. 4. Sobre o Mini-curso.• Nivelamento sobre TVDi.• Entender as tecnologias envolvidas.• Desafios do mercado.• Principais dificuldades hoje.• Montar ambiente de desenvolvimento e teste.• Criar algumas aplicações de exemplo.
  5. 5. Primeiro Dia• TV Analógica.• TV Digital.• TV Digital Interativa.• Padrões de TV Digital.• Padrão Brasileiro SBTVD.• Interatividade.• Graus de Interatividade.• Interatividade do Ponto de Vista Técnico.• Cenário Atual da Interatividade no Brasil.
  6. 6. TV Analógica• Telespectador passivo.
  7. 7. TV Analógica• Mono canal
  8. 8. TV Analógica• Mono canal
  9. 9. TV Analógica• Mono canal
  10. 10. TV Analógica• Baixa qualidade de som.
  11. 11. TV Analógica• Baixa qualidade de imagem.
  12. 12. TV AnalógicaChata.Sem novidades.Repetitiva.Muitas vezes apelativa.
  13. 13. TV Digital• Telespectador passivo.
  14. 14. TV Digital• Multiplos canais.
  15. 15. TV Digital• Qualidade de som de CD.
  16. 16. TV Digital• Imagem de alta definição.
  17. 17. TV DigitalDiversidade de dispositivos.Visualizar informações sobre os canais e programas.Equipamento caro.Poucas emissoras.
  18. 18. TV Digital InterativaSom com qualidade de CD.Imagem com alta definição.Diversos dispositivos.Informações sobre canais e programas.
  19. 19. TV Digital Interativa• Telespectador ativo.
  20. 20. TV Digital Interativa• Telespectador ativo.
  21. 21. TV Digital Interativa• Novas formas de utilizar a TV - (T-Commerce).
  22. 22. TV Digital Interativa• Novas formas de utilizar a TV - (T-Learning).
  23. 23. TV Digital Interativa• Novas formas de utilizar a TV - (T-Gov).
  24. 24. TV Digital Interativa• Novas formas de utilizar a TV - (T-Gov).
  25. 25. TV Digital Interativa• Novas formas de utilizar a TV - (T-Gov).
  26. 26. Padrões de TV Digital - EUA• Middleware ACAP
  27. 27. Padrões de TV Digital - EUA• Sistema de TVD – Americano/ATSC• Ambiente Declarativo – Linguagem Declarativa -> ACAP-X - (XHTML-Like) – Linguagem Não Declarativa -> ECMAScript• Ambiente Imperativo – Linguagem Não Declarativa -> ACAP-J - (Java)
  28. 28. Padrões de TV Digital - EUROPA• Middleware MHP
  29. 29. Padrões de TV Digital - EUROPA• Sistema de TVD – Europeu/DVB-T• Ambiente Declarativo – Linguagem Declarativa -> DVB-HTML - (XHTML-Like) – Linguagem Não Declarativa -> ECMAScript• Ambiente Imperativo – Linguagem Não Declarativa -> MHP - (Java)
  30. 30. Padrões de TV Digital - Japão• Middleware ARIB-BML
  31. 31. Padrões de TV Digital - Japão• Sistema de TVD – Japonês/ISDB-T• Ambiente Declarativo – Linguagem Declarativa -> BML - (XHTML-Like) – Linguagem Não Declarativa -> ECMAScript• Ambiente Imperativo – Não implementado.
  32. 32. Padrões de TV Digital - Brasil• Middleware Ginga
  33. 33. Padrões de TV Digital - Brasil• Sistema de TVD - Brasileiro/SBTVD• Ambiente Declarativo – Linguagem Declarativa -> Ginga-NCL - (NCL) – Linguagem Não Declarativa -> Lua• Ambiente Imperativo – Linguagem Não Declarativa -> Ginga-J - (Java)
  34. 34. Ambiente Declarativo« Ambiente projetado para navegação em informações textuais pela interação do usuário. »
  35. 35. Ambiente Imperativo« Ambiente projetado para trabalhar de forma dinâmica e integrada com interação do usuário ou de outros sistemas. »
  36. 36. Padrão Brasileiro SBTVD• Decredo N. 4901 de 26 de novembro de 2006.
  37. 37. Premissas• Estabelecer e aumentar a rede de competências nacional.• Apresentar solução técnica inovadora.• Ser flexível às condições sócio-econômicas do Brasil.• Aproveitar o parque nacional instalado de televisores.• Permitir a implantação gradual.• Ser configurável para potencial adoção por outros países.• Promover a cultura digital com a TV Interativa.
  38. 38. Benefícios à Nação Brasileira• Soluções voltadas para uma sociedade bastante desigual.• Aumento das bases de conhecimento.• Redução da dependência tecnológica.• Incentivos a produções regionais e locais.• Novas oportunidades de negócios.
  39. 39. Características tecnológicas• Codificação de Vídeo: H.264 (MPEG-4 AVC)• Codificação de Audio: MPEG-4• Middleware Ginga – FlexTV (UFPB) – MAESTRO (PUC-RJ)• Transporte (Multiplexação/Demultiplexação) – MPEG-2 Systems• Modulação: BST-OFDM/SBTVD-T• Canal de Retorno: WiMax
  40. 40. Interatividade« Trata da possibilidade do usuário telespectadorreceber uma mensagem e tratá-la da forma como desejar. »
  41. 41. Graus de Interatividade• Possibilidades dos usuários usufruírem de: – Votação eletrônica. – Serviços bancários. – Serviços de saúde. – Serviços governamentais. – Serviços de educação a distância. – Compras. – Enviar conteúdo para o transmissor. – ...
  42. 42. Graus de InteratividadeNível 1« A interatividade é apenas com o aparelho de TV, limitando-se a fazer escolhas. O usuário não interfere na programação. »
  43. 43. Graus de InteratividadeNível 2« O usuário interage com a programação, que pode ser alterada com o simples uso do controle remoto. Neste nível, seria possível escolher, por exemplo, o final de uma novela. »
  44. 44. Interatividade do Ponto de Vista Técnico• Interatividade Local« É a mais básica de todas. O usuário interage com o receptor (set-top-box) por meio do controle remoto. » OBS: Neste nível não temos canal de retorno.
  45. 45. Interatividade do Ponto de Vista Técnico• Interatividade Remota« Existe a possibilidade de comunicação entre o telespectador e o difusor. Dependendo do tipo de canal de retorno empregado, este tipo de interatividade pode ser intermitente ou permanente. »
  46. 46. Interatividade do Ponto de Vista Técnico• Interatividade Remota Intermitente« Neste caso, a comunicação de dados é feita de forma unidirecional, ou seja, só existe a possibilidade de comunicação do telespectador->emissor ou emissor->telespectador . A comunicação de dados é uni-direcional. » OBS: Canal de retorno não-dedicado.
  47. 47. Interatividade do Ponto de Vista Técnico• Interatividade Remota Permanente« Permite a troca de informações entre o telespectador e o emissor. A comunicação de dados passa a ser bidirecional. » OBS: Canal de retorno dedicado.
  48. 48. Cenário Atual da interatividade no Brasil• Conservadora.• Tecnologia recente.• Sem modelo de negócios definido.• Sem a maturidade ideal.
  49. 49. BônusComunidades
  50. 50. Comunidades Grupo Ginga Goiaishttp://grupogingagoias.com.br/blog/
  51. 51. Comunidades Ginga DFhttp://gingadf.com.br/blogGinga/
  52. 52. Comunidades Ginga MShttp://www.gingams.com.br/
  53. 53. Comunidades Ginga Argentinahttp://comunidad.ginga.org.ar/
  54. 54. ComunidadesGinga Equadorhttp://www.ginga.org.ec/
  55. 55. Comunidades Ginga Peruhttp://www.ginga.org.pe:8080/ginga/
  56. 56. Comunidades Ginga Chilehttp://www.comunidadginga.cl/
  57. 57. Comunidades Clube NCLhttp://clube.ncl.org.br/
  58. 58. Conclusão.• Mercado altamente promissor.• Diversos nichos a serem explorados.• Hora de se capacitar.• Levar a ideia para as universidades.• Promover eventos.• Se divertir.
  59. 59. Referências.• Livro: Programando em NCL 3.0• www.itvbr.com.br• www.ginga.org.br• www.gingancl.org.br• www.grupogingagoias.com.br• www.gingadf.com.br• www.google.com.br
  60. 60. Dúvidas.
  61. 61. Obrigado• Contato: – www.diemesleno.com.br – diemesleno@gmail.com – @diemesleno
  62. 62. Fim do 1 dia GingaMS

×