SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
Baixar para ler offline
Inovação & Sustentabilidade
Realização

© COPYRIGHT 2012 – SAPIENS PARQUE

Apoio
Inovação e
Empreendedorismo em
Florianópolis
•
•
•
•
•
•

550 empresas de tecnologia
3 Parques Tecnológicos
6 Incubadoras de Empresas
15 Universidades
8 Centros de Tecnologia
7 Complexos Empresariais para
Empresas de Tecnologia
• Investimentos diretos do Estado de R$
50 milhões ao longo de 25 anos
• Setor com maior arrecadação de
impostos – cerca de R$ 150 milhões
anuais
• Mudança do perfil econômico e
cultural da região
© COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
Parqtec Alfa e CELTA

Parqtec Alfa e CELTA
PARQUE TECNOLÓGICO
75 empresas de tecnologia instaladas
Mais de 3.000 postos de trabalho
Receitas anuais de R$ 400 milhões
INCUBADORA CELTA
42 empresas incubadas e 65 graduadas
Mais de 600 postos de trabalho (2500 graduadas)
Receitas anuais de R$ 45 M (R$ 600 M graduadas)

© COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
“Benchmarking Mundial”
26 países – 300 projetos

Parques Tecnológicos, Complexos Empresariais, Culturais
e Turísticos, Cidades Criativas, Projetos Ambientais ...
© COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
O que é o Sapiens Parque ...

Parque de Inovação
um lugar para aplicar conhecimentos científicos e
empíricos na geração de algo novo útil para a sociedade.
Um ambiente dotado de infraestrutura e sistemas para
atrair/formar talentos e empreendimentos capazes de
gerar ideias e conhecimentos e transformá-los em

novos produtos e serviços para a sociedade,
promovendo o desenvolvimento sustentável
sócio-econômico-ambiental da região
© COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
Um Espaço único ...

© COPYRIGHT 2012 – SAPIENS PARQUE
© COPYRIGHT 2012 – SAPIENS PARQUE
Perspectiva de implantação em 20 anos

© COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
Modelo Conceitual do Sapiens
Inovações em
mobilidade,
energia, etc
Centro de Convenções

Governo

para Eventos,
PARQUE TURÍSTICO E
Equipamentos para
COMERCIAL
Cluster de
esportes
Turismo
Jardim Botânico
Projeto de de
3 milhões
Qualificação
m2Pessoas
de área
e Formação
verde

Naturallium
PARQUE
Meio
AMBIENTAL
Ambiente

Centros Corporativos
Cluster de
COMPLEXO DE
Serviços
para Serviços
Formação eSERVIÇOS DE
empresariais
CONHECIMENTO
Qualificação
Saúde, Educação
Profissional

Academia

Infraestrutura
50Projeto depara
módulos
do Parque
“Urban de P&D
centros Lab”
e Universidades
Scientia
PARQUE
Ciência e
CIENTÍFICO
Tecnologia

Sapiens
Inovação e
Sustentabilidade

PARQUE DE
Artis
ARTEeE
Arte
Cultura
CULTURA
Projeto de
Museus, centros
Infraestrutura
Infra regional
de arte, espaços
da Região
de cultura

Investimento
público e
privado

Empresas
Energia

& Clean Tech
PARQUE
Life Sciences & Biotech
TECNOLÓGICO Mecatrônica
TIC &
Cluster de
Economia Criativa
Tecnologia

PROJETO
Gens
Comunidade
SOCIAL
Sociedade

Projetos de
Projeto de
Capital
interação c/ o
Investimento
entorno

Unidades de pesquisa e
Cluster
COMPLEXO DE
Público
inovação de órgãos de

EMPREENDIMENTOS
Melhoria do
governo (executivo,
PÚBLICOS
sist viário,
legislativo e .judiciário)
Sociedade

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL
© COPYRIGHT 2012 – SAPIENS PARQUE

saneamento,
Marco Zero

© COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
Cinema de Animação
Longa metragem de animação com
tecnologia stop motion

Produção de R$ 10 milhões em parceria com
GLOBOFILMES, FOX&WARNER e O2

© COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
© COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
InovaLab – Centro de Inovação dos
Cluster do Sapiens

© COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
Floripa Interativa – Centro de Visualização

© COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
Lagos Sustentáveis

© COPYRIGHT 2012 – SAPIENS PARQUE
Centro de Farmacologia Pré-clínica

© COPYRIGHT 2012 – SAPIENS PARQUE
INPetro – Instituto de Petróleo, Gás e Energia

© COPYRIGHT 2012 – SAPIENS PARQUE
Softplan, ACATE, Reason, PROPOSTA|
SENAI

© COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
Arena Sapiens

© COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE

Eventos, Cultura, Esportes,
Lazer e Meio Ambiente
Sapiens Parque

Centro de Fármacos –
Cluster Life – 5.200 m2

Softplan–
Cluster TIC– 20.000 m2

INPETRO – Cluster
Energia– 9.500 m2

Ed4. 9.800 m2

Ed5. 15.000m2

Acate 20mil m2

InovaLAB – Cluster de
Energia e Econ.Criativa

Reason 3mil m2

© COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
UFSC no Sapiens Parque
Instituto do Petróleo, Gás e Energia

INEP

UFSC - FLORIANÓPOLIS Universidade Federal de Santa Catarina

Bio☼Santa

CRF
© COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
Sapiens Parque – Estruturação Jurídica

Assembléia
Assembléia
Assembléia
Geral
Conselho Fiscal
Conselho

Conselho
Cons elho

Conselhos Consultivos
Conselho de
Conselho
Conselho
Administração
Administraç
de

Administraç
de

Sapiens Parque SA

1. Político-Institucional
2. Social e Ambiental;
3. Empresarial;

4. Científico

Codesc
SC-Parcerias
Fundação
CERTI
Inst.Sapientia

Diretor
Diretor
Diretor
Administrativo
Administrativ
Administrativ
Financeir
o Financeiro

o Financeir
o
o

© COPYRIGHT 2012 – SAPIENS PARQUE

tecnológico
-

Diretor
Diretor
Diretor
Presidente
President

President

Diretor
Diretor
Diretor
Executivo
President

President

Diretor de
Diretor
Diretor
Ciência
C
de iência
Ciência
de
Tecnologia e
Tecnologia
Tecnologia
Inovaçã
e Inovação

e Inovaçã
o
o

Diretor de
Diretor
Diretor
Operações
Operaçõe
de

Operaçõe
de
ss
Estimativa de Resultados - 2020
• 30 mil postos de trabalho

• 260 unidades para edificações
• 1,3 milhões de m2 construídos
• R$ 1,6 bilhões de investimentos nos Empreendimentos
• R$ 150 milhões de investimento na infra-estrutura
básica
• 400 empresas inovadoras

• R$ 2,5 bilhões/ano de receitas das empresas
• R$ 450 milhões/ano em impostos
• Entre 20 e 40 mil empregos indiretos
© COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
Sapiens Parque em 2014
Empreendimentos Empresariais
Empreendimentos de Universidades
Infra bancada pelo Sapiens em 2012
Infra bancada pelo Sapiens até 2014
Infra bancada pelo setor privado
Evolução do Sapiens Parque
240,0

Investimento no Sapiens Parque

200,0

15 mil m2 construídos
20 mil m2 em construção
50 mil m2 já contratados
85 mil m2 – 6 mil pessoas

SoftPlan

160,0

Fármacos

120,0

InovaLAB
INPETRO

80,0
40,0

Número de Colaboradores

0,0
2007

2008

$ Governo de SC

2009

2010

2011

$ Universidades

2012

2013

$ Privado

3.000

2014

2.500

$ Total

2.000
1.500

Área construída no Sapiens Parque

120

1.000
500

0

100

2007 2008 3009 2010 2011 2012 2013 2014

80

Número de Empresas e Instituições
80

60

60

40

40

20
20

0
2007

2008

2009

2010

2011

2012

2013

2014

0

2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014
Sapiens Parque – Investimentos
Investimento
Total
R$ 429,6 M

R$ 80 M

Softplan: R$ 20 M

4 Prédios: R$ 20 M

Terreno: R$ 230 M

Fármacos: R$ 8 M

R$ 47,6 M

R$ 230 M
R$ 44 M
R$ 282 M

6 Centros de Pesquisa
Desenvolv.: R$ 8 M
Implantação: R$ 7 M

INPETRO: R$ 32 M
Planejamento: R$ 1,9 M

Fármacos: R$ 4 M
Centro Eventos: R$ 25 M
Desenvolvimento: R$ 8 M
© COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE

Desenvolvimento: R$ 5,7 M
R$ 20 M
Diferenciais do Sapiens Parque
• Parque de Inovação
• Forte relação com as Universidades
• Escala e formato para crescimento no longo prazo
• Modelo Jurídico de SPE para atração de Investimentos
Privados
• Integração e contribuição para o desenvolvimento urbano
da região e cidade
• Sintonia com setores e áreas estratégicas para o país

© COPYRIGHT 2012 – SAPIENS PARQUE
Inovação & Sustentabilidade
Realização

© COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE

Apoio
O Elemento Provocador

Até quando

(Empresas e Institutos de C&T&I)
vamos sobreviver a uma competição

cada vez mais global e acirrada por
mercados e por recursos?
Etapas do Projeto
Experiência
Internacional
Módulo I - Estudo e Análise
“Experiência Internacional”
• O que o mundo está fazendo?
• Como evoluiu o movimento
internacionalmente?
• Por que os governos investem?
• Quais os modelos de PqTs?
• Qual a relação da Política de C&T&I
com PqTs?
Módulo II - Estudo e Análise
“Experiência Nacional”
• O que está sendo feito no Brasil?
• Como evoluiu e qual o Status dos
Projetos de PqTs?
• Como o Governo têm investido?
• Quais os modelos de PqTs?
• Qual o Papel dos PqTs no processo de
desenvolvimento do país?

Taxonomia
Módulo III - Proposta de
Taxonomia
• Como Classificar os PqTs?
• Quais os critérios para
“escolha” e priorização?

Módulo IV - Nova Visão de
Posicionamento
• Qual o propósito e a função
dos PqTs?
• Como atingir esta Visão de
Futuro?

Módulo V Proposição de
Políticas Públicas
• Quais as principais lições Nacionais
e Internacionais
• O que pensam os principais atores
do processo
• Quais as demandas de quem está
fazendo e quer investir?
• Como estruturar um Programa que
seja relevante para o país?

Reposicionamento
Cenário
Nacional
Premissas importantes
 Necessidade de conferir consistência e qualidade ao processo
de definição e implementação da política pública
 Estabelecer um sistema que maximize as decisões técnicas e
estratégicas, assegurando resistência às pressões políticas
 Assumir a posição de que é necessário “Fazer Escolhas”,
selecionando os projetos competentes e negando os projetos sem
qualidade ou potencial
 Assegurar a integração, descentralização e sintonia com
outras políticas públicas e com outros níveis de governança ou de
relacionamento
 Compreender que só faz sentido investir tempo e capital político
num processo desta natureza se houver firme disposição em

aplicar recursos públicos relevantes
Princípios e Diretrizes da Política Pública
 O investimento em PqTs deve se fundamentar numa estratégia que estabeleça prioridades
“econômicas-tecnológicas” e de “desenvolvimento nacional-regional”

 O investimento em PqTs deve estar aderente às diretrizes do Plano Plurianual (PPA), do
PAC, da Política Industrial no contexto do Brasil Maior e do Plano de Ação de C&T&I
 A organização e sintonia dos SLIs ao SNCT&I, norteados pelas prioridades estratégicas de
cada estado, devem promover a convergência, coesão e otimização de ações e recursos,
sejam eles financeiros, materiais ou humanos; o estabelecimento de sinergias entre os vários
atores; a racionalização, descentralização e estabelecimento de sinergias entre os vários
atores, bem como o compartilhamento de recursos, operações e responsabilidades; e permitir
o planejamento de maior fôlego (longo prazo) tanto no que diz respeito ao SNCT&I como aos
SLIs.
 O investimento público (federal, estadual, municipal) deve sempre ser acompanhado de
investimentos privados tanto na implantação do “empreendimento PqT” como no
desenvolvimento das empresas inovadoras instaladas no parque.
 Todo o planejamento/seleção/escolha e investimento/apoio/financiamento deve se basear num
processo de tomada de decisão fundamentado em:
 Plano (roadmap) “Sistêmico” Nacional&Regional integrado e
Sistema de Avaliação e Acompanhamento permanente
Programas de Apoio a PqTs
1. Linha de Apoio para o Desenvolvimento e Inovação de PqTs – aplicação em despesas de
contratação de serviços especializados, realização de estudos e pesquisas, desenvolvimento de parcerias e
criação de produtos e serviços especiais - sistemas críticos que asseguram o cumprimento do propósito do
empreendimento: projeto conceitual e técnico do PqT, “master plan”/plano urbanístico, licenciamento
ambiental, modelagem financeira e jurídica, etc.
 Modalidades de Apoio e possíveis Organismos repassadores –
• Apoio não reembolsável – operacionalizado por agentes como FINEP, CNPq e Fundações
Estaduais de Apoio à Pesquisa
• Financiamento – em condições especiais, oferecidas por agentes como FINEP, BNDES e outros
organismos do sistema financeiro.

2. Linha de Apoio à Implantação Física de PqTs –investimentos na infra-estrutura inicial dos PqTs e
na implantação das primeiras edificações essenciais do empreendimento - obras de infra-estrutura básica e
obras de urbanização, e equipamentos prediais iniciais, etc.
Modalidades de Apoio e possíveis Organismos repassadores
• Apoio não reembolsável – recursos públicos viabilizados junto ao orçamento da união, além de
programas específicos oferecidos por agentes como FINEP e BNDES
• Financiamento – linhas financiamento em condições especiais, operacionalizadas por agentes como
FINEP, BNDES
• Participação no capital de PqTs – instrumentos de participação no capital de PqTs, visando agregar
recursos e, principalmente, expertise, networking e credibilidade a partir de agentes como BNDES.
Programas de Apoio a PqTs
3. Linha Apoio a Projetos Mobilizadores “Ancoras” de C&T&I – investimentos de
desenvolvimento e implantação dos projetos de C&T&I para a estratégia de diferenciação do PqT - centros de
tecnologia, projetos mobilizadores de P&D, laboratórios de pesquisa avançados, grupos de pesquisa de
universidades ou complexos de inovação e empreendedorismo.
Modalidades de Apoio e possíveis Organismos repassadores
• Apoio não reembolsável – recursos provenientes dos instrumentos de fomento do Sistema de
C&T&I, operacionalizados por agentes como FINEP, BNDES/FUNTEC e programas de investimento
em P&D vinculados a legislações específicas tais como a Lei de Informática e Lei do Petróleo
(Petrobras e outras) e Lei de P&D em Energia (Sistema Eletrobras, Furnas, Itaipu, etc); e
• Financiamento – linhas financiamento em condições especiais, operacionalizadas por agentes como
FINEP, BNDES e outros agentes do sistema financeiro.
Programas de Apoio a Empresas instaladas em PqTs
1. Linha de Apoio para o Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação – aplicação de recursos
especiais para empresas inovadoras instaladas em parques poderem aplicar recursos em projetos de P&D de
novas tecnologias, desenvolvimento de novos produtos, implantação de laboratórios de pesquisa e criação de
novos empreendimentos.
Modalidades de Apoio e possíveis Organismos repassadores
• Subvenção econômica para P&D&I “especial” para empresas de PqTs – recursos provenientes do
Programa de Subvenção Econômica, já disponível e operado pela FINEP;
• Financiamento à P&D*I para empresas de PqTs – linhas financiamento já disponibilizadas por
agentes como FINEP (ex. Juro Zero) e BNDES (ex. Linha de Inovação) formatadas em condições
especiais para empresas de PqTs.

2. Linha de Apoio para Infra-estrutura Predial e Laboratorial de empresas de PqTs –
implantação de projetos empresariais inovadores e relevantes em PqTs por meio da cobertura de despesas
com infra-estrutura física - sedes empresariais, espaço para atividades de P&D, infra-estrutura de escritórios
e laboratorial.
Modalidades de Apoio e possíveis Organismos repassadores
• Programa especial “híbrido” de subvenção e financiamento para implantação de Centros de
P&D de empresas em PqTs – recursos provenientes do programa de Subvenção econômica e do
FNDCT, operacionalizados via FINEP, e das linhas de inovação do BNDES;
• Financiamento à Infra-estrutura predial e laboratorial de empresas de PqTs – linhas
financiamento já disponibilizadas por agentes como FINEP (ex. Juro Zero) e BNDES (ex. Linha de
Inovação) formatadas em condições especiais para empresas de PqTs.
Programas de Apoio a Empresas instaladas em PqTs
3. Linha de Apoio para estímulo ao Investimento Privado – sugestão de ação de Política Pública
para atrair a atenção e a participação do capital privado nos projetos de PqTs em todo o país. Esta linha de
apoio do Programa de Apoio a Empresas de PqTs visa criar um ambiente favorável para o investimento
privado em diversos tipos de aplicação: investimento em empresas inovadoras instaladas em PqTs, aplicação
de recursos nos próprios PqTs como opção de investimento e investimento na implantação de edificações e
infra-estruturas de serviços para empresas.
• Modalidades de Apoio e possíveis Organismos repassadores
• Instrumentos de Incentivo ao Investimento Privado em empresas de PqTs – instrumentos de
estímulo à indústria de Venture Capital e ao mercado de capitais para aplicação focada nas empresas
dos PqTs, aproveitando a experiência bem sucedida de projetos como o INOVAR/FINEP e o
CRIATEC/BNDES;
• Instrumentos de Incentivo ao Investimento Privado em PqTs – neste caso, o objetivo é criar
atrativos para a aplicação de recursos e expertise do setor imobiliário e do mercado de capitais nos
próprios PqTs;
• Instrumentos de Incentivo ao Investimento Imobiliário em PqTs – Linha de financiamento especial
para o mercado imobiliário investir na implantação de edificações em PqTs. Possíveis agentes:
BNDES, CAIXA, BB e Bancos Privados.
Parques Tecnológicos & Inovação
PAPEL DOS PARQUES TECNOLÓGICOS

• Abrigar centros de pesquisa e laboratórios avançados para
promoção de Transferência de Tecnologia Universidade
– Empresa
• Atuar como plataformas para Atração de Centros de P&D
e sedes de Empresas de Ponta nacionais e
internacionais
• Oferecer mecanismos para fortalecimento da atividade
empreendedora local como incubadoras, condomínios e
espaços qualificados para expansão das empresas
• Estimular o crescimento organizado e estratégico das
cidades/regiões atuando como projetos de
Desenvolvimento de novas Centralidades Urbanas
© COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
Inovação & Sustentabilidade
Realização

© COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE

Apoio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Guilherme Ary Plonski: Cidades Inteligentes Regiões Metropolitanas - Habitade...
Guilherme Ary Plonski: Cidades Inteligentes Regiões Metropolitanas - Habitade...Guilherme Ary Plonski: Cidades Inteligentes Regiões Metropolitanas - Habitade...
Guilherme Ary Plonski: Cidades Inteligentes Regiões Metropolitanas - Habitade...
inovaDay .
 

Mais procurados (7)

Sectec - UM OLHAR SISTÊMICO-HOLÍSTICO E HISTÓRICO
Sectec - UM OLHAR SISTÊMICO-HOLÍSTICO E HISTÓRICOSectec - UM OLHAR SISTÊMICO-HOLÍSTICO E HISTÓRICO
Sectec - UM OLHAR SISTÊMICO-HOLÍSTICO E HISTÓRICO
 
Atividades Gestão da Prospecção Tecnológica_NIT Rio
Atividades Gestão da Prospecção Tecnológica_NIT RioAtividades Gestão da Prospecção Tecnológica_NIT Rio
Atividades Gestão da Prospecção Tecnológica_NIT Rio
 
IEA - Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento de Ribeirão Preto
IEA - Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento de Ribeirão PretoIEA - Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento de Ribeirão Preto
IEA - Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento de Ribeirão Preto
 
Palestra Básica - Agosto de 2009
Palestra Básica - Agosto de 2009Palestra Básica - Agosto de 2009
Palestra Básica - Agosto de 2009
 
Guilherme Ary Plonski: Cidades Inteligentes Regiões Metropolitanas - Habitade...
Guilherme Ary Plonski: Cidades Inteligentes Regiões Metropolitanas - Habitade...Guilherme Ary Plonski: Cidades Inteligentes Regiões Metropolitanas - Habitade...
Guilherme Ary Plonski: Cidades Inteligentes Regiões Metropolitanas - Habitade...
 
Rio Info 2015 - Fomento do Governo do RJ aos Empreendedores de TI - José Robe...
Rio Info 2015 - Fomento do Governo do RJ aos Empreendedores de TI - José Robe...Rio Info 2015 - Fomento do Governo do RJ aos Empreendedores de TI - José Robe...
Rio Info 2015 - Fomento do Governo do RJ aos Empreendedores de TI - José Robe...
 
Palestra BáSica 21 07 09
Palestra BáSica 21 07 09Palestra BáSica 21 07 09
Palestra BáSica 21 07 09
 

Semelhante a Sapiens Parque Florianópolis

Portfólio Empresas UPTEC 2013
Portfólio Empresas UPTEC 2013Portfólio Empresas UPTEC 2013
Portfólio Empresas UPTEC 2013
UPTEC
 
INOVAÇÃO - A ESTRATÉGIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
INOVAÇÃO - A ESTRATÉGIA DO ESTADO DE MINAS GERAISINOVAÇÃO - A ESTRATÉGIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
INOVAÇÃO - A ESTRATÉGIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
Inovatec JF
 

Semelhante a Sapiens Parque Florianópolis (20)

Interação Universidade, Empresa e Governo
Interação Universidade, Empresa e GovernoInteração Universidade, Empresa e Governo
Interação Universidade, Empresa e Governo
 
Emergência dos parques tecnológicos em Santa Catarina
Emergência dos parques tecnológicos em Santa CatarinaEmergência dos parques tecnológicos em Santa Catarina
Emergência dos parques tecnológicos em Santa Catarina
 
Ambiente de inovação em minas gerais
Ambiente de inovação em minas geraisAmbiente de inovação em minas gerais
Ambiente de inovação em minas gerais
 
Cietec
CietecCietec
Cietec
 
Implantação do Plano de Ação de Unidade KraftGreen
Implantação do Plano de Ação de Unidade KraftGreenImplantação do Plano de Ação de Unidade KraftGreen
Implantação do Plano de Ação de Unidade KraftGreen
 
Brasiltec out/2005
Brasiltec out/2005Brasiltec out/2005
Brasiltec out/2005
 
Brasiltec 10 05
Brasiltec 10 05Brasiltec 10 05
Brasiltec 10 05
 
Cultura para Inovação
Cultura para InovaçãoCultura para Inovação
Cultura para Inovação
 
Profa. dra. geciane_porto
Profa. dra. geciane_portoProfa. dra. geciane_porto
Profa. dra. geciane_porto
 
Palestra jcc-senai-bahia
Palestra jcc-senai-bahiaPalestra jcc-senai-bahia
Palestra jcc-senai-bahia
 
Apresentação TECNOPUC
Apresentação TECNOPUCApresentação TECNOPUC
Apresentação TECNOPUC
 
Portfólio Empresas UPTEC 2013
Portfólio Empresas UPTEC 2013Portfólio Empresas UPTEC 2013
Portfólio Empresas UPTEC 2013
 
Ecossistema de Inovação
Ecossistema de InovaçãoEcossistema de Inovação
Ecossistema de Inovação
 
KraftGreen
KraftGreen KraftGreen
KraftGreen
 
Apresentação ciki
Apresentação cikiApresentação ciki
Apresentação ciki
 
INOVAÇÃO - A ESTRATÉGIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
INOVAÇÃO - A ESTRATÉGIA DO ESTADO DE MINAS GERAISINOVAÇÃO - A ESTRATÉGIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
INOVAÇÃO - A ESTRATÉGIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
 
Projeto Estruturador - RIT
Projeto Estruturador - RITProjeto Estruturador - RIT
Projeto Estruturador - RIT
 
Projeto Estruturador - RIT
Projeto Estruturador - RITProjeto Estruturador - RIT
Projeto Estruturador - RIT
 
Folder Institucional
Folder InstitucionalFolder Institucional
Folder Institucional
 
FGV / IBRE - Infraestrutura e Construção Pesada no Brasil
FGV / IBRE - Infraestrutura e Construção Pesada no BrasilFGV / IBRE - Infraestrutura e Construção Pesada no Brasil
FGV / IBRE - Infraestrutura e Construção Pesada no Brasil
 

Mais de Corretor Pimentel

Numerologia empresarial para seu negócio
Numerologia empresarial para seu negócioNumerologia empresarial para seu negócio
Numerologia empresarial para seu negócio
Corretor Pimentel
 
Manual do comprador de imóveis
Manual do comprador de imóveisManual do comprador de imóveis
Manual do comprador de imóveis
Corretor Pimentel
 
Manual de boas praticas na intermediação de compra e venda de imóveis
Manual de boas praticas na intermediação de compra e venda de imóveisManual de boas praticas na intermediação de compra e venda de imóveis
Manual de boas praticas na intermediação de compra e venda de imóveis
Corretor Pimentel
 
Floripa 2013
Floripa 2013Floripa 2013
Floripa 2013
Corretor Pimentel
 

Mais de Corretor Pimentel (10)

Revista Show-me Floripa
Revista Show-me FloripaRevista Show-me Floripa
Revista Show-me Floripa
 
A missão do administrador - Stephen Kanitz
A missão do administrador - Stephen KanitzA missão do administrador - Stephen Kanitz
A missão do administrador - Stephen Kanitz
 
Apostila Técnicas de Negociação
Apostila Técnicas de NegociaçãoApostila Técnicas de Negociação
Apostila Técnicas de Negociação
 
Numerologia empresarial para seu negócio
Numerologia empresarial para seu negócioNumerologia empresarial para seu negócio
Numerologia empresarial para seu negócio
 
Manual do comprador de imóveis
Manual do comprador de imóveisManual do comprador de imóveis
Manual do comprador de imóveis
 
Os cem erros mais comuns da língua portuguesa
Os cem erros mais comuns da língua portuguesaOs cem erros mais comuns da língua portuguesa
Os cem erros mais comuns da língua portuguesa
 
Glossario Ketchum de Midias Sociais
Glossario Ketchum de Midias SociaisGlossario Ketchum de Midias Sociais
Glossario Ketchum de Midias Sociais
 
Manual de boas praticas na intermediação de compra e venda de imóveis
Manual de boas praticas na intermediação de compra e venda de imóveisManual de boas praticas na intermediação de compra e venda de imóveis
Manual de boas praticas na intermediação de compra e venda de imóveis
 
Floripa 2030 Agenda Estratégica de Desenvovlimento Sustentável - 2 edição
Floripa 2030   Agenda Estratégica de Desenvovlimento Sustentável - 2 ediçãoFloripa 2030   Agenda Estratégica de Desenvovlimento Sustentável - 2 edição
Floripa 2030 Agenda Estratégica de Desenvovlimento Sustentável - 2 edição
 
Floripa 2013
Floripa 2013Floripa 2013
Floripa 2013
 

Último

Último (8)

Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
 
Digitalização de varejo | Importe ou morra.
Digitalização de varejo | Importe ou morra.Digitalização de varejo | Importe ou morra.
Digitalização de varejo | Importe ou morra.
 
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...
 
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
 
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptxCavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
 
Opções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdfOpções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdf
 
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
 
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
 

Sapiens Parque Florianópolis

  • 1. Inovação & Sustentabilidade Realização © COPYRIGHT 2012 – SAPIENS PARQUE Apoio
  • 2. Inovação e Empreendedorismo em Florianópolis • • • • • • 550 empresas de tecnologia 3 Parques Tecnológicos 6 Incubadoras de Empresas 15 Universidades 8 Centros de Tecnologia 7 Complexos Empresariais para Empresas de Tecnologia • Investimentos diretos do Estado de R$ 50 milhões ao longo de 25 anos • Setor com maior arrecadação de impostos – cerca de R$ 150 milhões anuais • Mudança do perfil econômico e cultural da região © COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
  • 3. Parqtec Alfa e CELTA Parqtec Alfa e CELTA PARQUE TECNOLÓGICO 75 empresas de tecnologia instaladas Mais de 3.000 postos de trabalho Receitas anuais de R$ 400 milhões INCUBADORA CELTA 42 empresas incubadas e 65 graduadas Mais de 600 postos de trabalho (2500 graduadas) Receitas anuais de R$ 45 M (R$ 600 M graduadas) © COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
  • 4. “Benchmarking Mundial” 26 países – 300 projetos Parques Tecnológicos, Complexos Empresariais, Culturais e Turísticos, Cidades Criativas, Projetos Ambientais ... © COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
  • 5. O que é o Sapiens Parque ... Parque de Inovação um lugar para aplicar conhecimentos científicos e empíricos na geração de algo novo útil para a sociedade. Um ambiente dotado de infraestrutura e sistemas para atrair/formar talentos e empreendimentos capazes de gerar ideias e conhecimentos e transformá-los em novos produtos e serviços para a sociedade, promovendo o desenvolvimento sustentável sócio-econômico-ambiental da região © COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
  • 6. Um Espaço único ... © COPYRIGHT 2012 – SAPIENS PARQUE
  • 7. © COPYRIGHT 2012 – SAPIENS PARQUE
  • 8. Perspectiva de implantação em 20 anos © COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
  • 9. Modelo Conceitual do Sapiens Inovações em mobilidade, energia, etc Centro de Convenções Governo para Eventos, PARQUE TURÍSTICO E Equipamentos para COMERCIAL Cluster de esportes Turismo Jardim Botânico Projeto de de 3 milhões Qualificação m2Pessoas de área e Formação verde Naturallium PARQUE Meio AMBIENTAL Ambiente Centros Corporativos Cluster de COMPLEXO DE Serviços para Serviços Formação eSERVIÇOS DE empresariais CONHECIMENTO Qualificação Saúde, Educação Profissional Academia Infraestrutura 50Projeto depara módulos do Parque “Urban de P&D centros Lab” e Universidades Scientia PARQUE Ciência e CIENTÍFICO Tecnologia Sapiens Inovação e Sustentabilidade PARQUE DE Artis ARTEeE Arte Cultura CULTURA Projeto de Museus, centros Infraestrutura Infra regional de arte, espaços da Região de cultura Investimento público e privado Empresas Energia & Clean Tech PARQUE Life Sciences & Biotech TECNOLÓGICO Mecatrônica TIC & Cluster de Economia Criativa Tecnologia PROJETO Gens Comunidade SOCIAL Sociedade Projetos de Projeto de Capital interação c/ o Investimento entorno Unidades de pesquisa e Cluster COMPLEXO DE Público inovação de órgãos de EMPREENDIMENTOS Melhoria do governo (executivo, PÚBLICOS sist viário, legislativo e .judiciário) Sociedade PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL © COPYRIGHT 2012 – SAPIENS PARQUE saneamento,
  • 10.
  • 11. Marco Zero © COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
  • 12. Cinema de Animação Longa metragem de animação com tecnologia stop motion Produção de R$ 10 milhões em parceria com GLOBOFILMES, FOX&WARNER e O2 © COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
  • 13. © COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
  • 14. InovaLab – Centro de Inovação dos Cluster do Sapiens © COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
  • 15. Floripa Interativa – Centro de Visualização © COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
  • 16. Lagos Sustentáveis © COPYRIGHT 2012 – SAPIENS PARQUE
  • 17. Centro de Farmacologia Pré-clínica © COPYRIGHT 2012 – SAPIENS PARQUE
  • 18. INPetro – Instituto de Petróleo, Gás e Energia © COPYRIGHT 2012 – SAPIENS PARQUE
  • 19. Softplan, ACATE, Reason, PROPOSTA| SENAI © COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
  • 20. Arena Sapiens © COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE Eventos, Cultura, Esportes, Lazer e Meio Ambiente
  • 21. Sapiens Parque Centro de Fármacos – Cluster Life – 5.200 m2 Softplan– Cluster TIC– 20.000 m2 INPETRO – Cluster Energia– 9.500 m2 Ed4. 9.800 m2 Ed5. 15.000m2 Acate 20mil m2 InovaLAB – Cluster de Energia e Econ.Criativa Reason 3mil m2 © COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
  • 22. UFSC no Sapiens Parque Instituto do Petróleo, Gás e Energia INEP UFSC - FLORIANÓPOLIS Universidade Federal de Santa Catarina Bio☼Santa CRF © COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
  • 23. Sapiens Parque – Estruturação Jurídica Assembléia Assembléia Assembléia Geral Conselho Fiscal Conselho Conselho Cons elho Conselhos Consultivos Conselho de Conselho Conselho Administração Administraç de Administraç de Sapiens Parque SA 1. Político-Institucional 2. Social e Ambiental; 3. Empresarial; 4. Científico Codesc SC-Parcerias Fundação CERTI Inst.Sapientia Diretor Diretor Diretor Administrativo Administrativ Administrativ Financeir o Financeiro o Financeir o o © COPYRIGHT 2012 – SAPIENS PARQUE tecnológico - Diretor Diretor Diretor Presidente President President Diretor Diretor Diretor Executivo President President Diretor de Diretor Diretor Ciência C de iência Ciência de Tecnologia e Tecnologia Tecnologia Inovaçã e Inovação e Inovaçã o o Diretor de Diretor Diretor Operações Operaçõe de Operaçõe de ss
  • 24. Estimativa de Resultados - 2020 • 30 mil postos de trabalho • 260 unidades para edificações • 1,3 milhões de m2 construídos • R$ 1,6 bilhões de investimentos nos Empreendimentos • R$ 150 milhões de investimento na infra-estrutura básica • 400 empresas inovadoras • R$ 2,5 bilhões/ano de receitas das empresas • R$ 450 milhões/ano em impostos • Entre 20 e 40 mil empregos indiretos © COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
  • 25. Sapiens Parque em 2014 Empreendimentos Empresariais Empreendimentos de Universidades Infra bancada pelo Sapiens em 2012 Infra bancada pelo Sapiens até 2014 Infra bancada pelo setor privado
  • 26. Evolução do Sapiens Parque 240,0 Investimento no Sapiens Parque 200,0 15 mil m2 construídos 20 mil m2 em construção 50 mil m2 já contratados 85 mil m2 – 6 mil pessoas SoftPlan 160,0 Fármacos 120,0 InovaLAB INPETRO 80,0 40,0 Número de Colaboradores 0,0 2007 2008 $ Governo de SC 2009 2010 2011 $ Universidades 2012 2013 $ Privado 3.000 2014 2.500 $ Total 2.000 1.500 Área construída no Sapiens Parque 120 1.000 500 0 100 2007 2008 3009 2010 2011 2012 2013 2014 80 Número de Empresas e Instituições 80 60 60 40 40 20 20 0 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 0 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014
  • 27. Sapiens Parque – Investimentos Investimento Total R$ 429,6 M R$ 80 M Softplan: R$ 20 M 4 Prédios: R$ 20 M Terreno: R$ 230 M Fármacos: R$ 8 M R$ 47,6 M R$ 230 M R$ 44 M R$ 282 M 6 Centros de Pesquisa Desenvolv.: R$ 8 M Implantação: R$ 7 M INPETRO: R$ 32 M Planejamento: R$ 1,9 M Fármacos: R$ 4 M Centro Eventos: R$ 25 M Desenvolvimento: R$ 8 M © COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE Desenvolvimento: R$ 5,7 M R$ 20 M
  • 28. Diferenciais do Sapiens Parque • Parque de Inovação • Forte relação com as Universidades • Escala e formato para crescimento no longo prazo • Modelo Jurídico de SPE para atração de Investimentos Privados • Integração e contribuição para o desenvolvimento urbano da região e cidade • Sintonia com setores e áreas estratégicas para o país © COPYRIGHT 2012 – SAPIENS PARQUE
  • 29. Inovação & Sustentabilidade Realização © COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE Apoio
  • 30.
  • 31. O Elemento Provocador Até quando (Empresas e Institutos de C&T&I) vamos sobreviver a uma competição cada vez mais global e acirrada por mercados e por recursos?
  • 32. Etapas do Projeto Experiência Internacional Módulo I - Estudo e Análise “Experiência Internacional” • O que o mundo está fazendo? • Como evoluiu o movimento internacionalmente? • Por que os governos investem? • Quais os modelos de PqTs? • Qual a relação da Política de C&T&I com PqTs? Módulo II - Estudo e Análise “Experiência Nacional” • O que está sendo feito no Brasil? • Como evoluiu e qual o Status dos Projetos de PqTs? • Como o Governo têm investido? • Quais os modelos de PqTs? • Qual o Papel dos PqTs no processo de desenvolvimento do país? Taxonomia Módulo III - Proposta de Taxonomia • Como Classificar os PqTs? • Quais os critérios para “escolha” e priorização? Módulo IV - Nova Visão de Posicionamento • Qual o propósito e a função dos PqTs? • Como atingir esta Visão de Futuro? Módulo V Proposição de Políticas Públicas • Quais as principais lições Nacionais e Internacionais • O que pensam os principais atores do processo • Quais as demandas de quem está fazendo e quer investir? • Como estruturar um Programa que seja relevante para o país? Reposicionamento Cenário Nacional
  • 33. Premissas importantes  Necessidade de conferir consistência e qualidade ao processo de definição e implementação da política pública  Estabelecer um sistema que maximize as decisões técnicas e estratégicas, assegurando resistência às pressões políticas  Assumir a posição de que é necessário “Fazer Escolhas”, selecionando os projetos competentes e negando os projetos sem qualidade ou potencial  Assegurar a integração, descentralização e sintonia com outras políticas públicas e com outros níveis de governança ou de relacionamento  Compreender que só faz sentido investir tempo e capital político num processo desta natureza se houver firme disposição em aplicar recursos públicos relevantes
  • 34. Princípios e Diretrizes da Política Pública  O investimento em PqTs deve se fundamentar numa estratégia que estabeleça prioridades “econômicas-tecnológicas” e de “desenvolvimento nacional-regional”  O investimento em PqTs deve estar aderente às diretrizes do Plano Plurianual (PPA), do PAC, da Política Industrial no contexto do Brasil Maior e do Plano de Ação de C&T&I  A organização e sintonia dos SLIs ao SNCT&I, norteados pelas prioridades estratégicas de cada estado, devem promover a convergência, coesão e otimização de ações e recursos, sejam eles financeiros, materiais ou humanos; o estabelecimento de sinergias entre os vários atores; a racionalização, descentralização e estabelecimento de sinergias entre os vários atores, bem como o compartilhamento de recursos, operações e responsabilidades; e permitir o planejamento de maior fôlego (longo prazo) tanto no que diz respeito ao SNCT&I como aos SLIs.  O investimento público (federal, estadual, municipal) deve sempre ser acompanhado de investimentos privados tanto na implantação do “empreendimento PqT” como no desenvolvimento das empresas inovadoras instaladas no parque.  Todo o planejamento/seleção/escolha e investimento/apoio/financiamento deve se basear num processo de tomada de decisão fundamentado em:  Plano (roadmap) “Sistêmico” Nacional&Regional integrado e Sistema de Avaliação e Acompanhamento permanente
  • 35. Programas de Apoio a PqTs 1. Linha de Apoio para o Desenvolvimento e Inovação de PqTs – aplicação em despesas de contratação de serviços especializados, realização de estudos e pesquisas, desenvolvimento de parcerias e criação de produtos e serviços especiais - sistemas críticos que asseguram o cumprimento do propósito do empreendimento: projeto conceitual e técnico do PqT, “master plan”/plano urbanístico, licenciamento ambiental, modelagem financeira e jurídica, etc.  Modalidades de Apoio e possíveis Organismos repassadores – • Apoio não reembolsável – operacionalizado por agentes como FINEP, CNPq e Fundações Estaduais de Apoio à Pesquisa • Financiamento – em condições especiais, oferecidas por agentes como FINEP, BNDES e outros organismos do sistema financeiro. 2. Linha de Apoio à Implantação Física de PqTs –investimentos na infra-estrutura inicial dos PqTs e na implantação das primeiras edificações essenciais do empreendimento - obras de infra-estrutura básica e obras de urbanização, e equipamentos prediais iniciais, etc. Modalidades de Apoio e possíveis Organismos repassadores • Apoio não reembolsável – recursos públicos viabilizados junto ao orçamento da união, além de programas específicos oferecidos por agentes como FINEP e BNDES • Financiamento – linhas financiamento em condições especiais, operacionalizadas por agentes como FINEP, BNDES • Participação no capital de PqTs – instrumentos de participação no capital de PqTs, visando agregar recursos e, principalmente, expertise, networking e credibilidade a partir de agentes como BNDES.
  • 36. Programas de Apoio a PqTs 3. Linha Apoio a Projetos Mobilizadores “Ancoras” de C&T&I – investimentos de desenvolvimento e implantação dos projetos de C&T&I para a estratégia de diferenciação do PqT - centros de tecnologia, projetos mobilizadores de P&D, laboratórios de pesquisa avançados, grupos de pesquisa de universidades ou complexos de inovação e empreendedorismo. Modalidades de Apoio e possíveis Organismos repassadores • Apoio não reembolsável – recursos provenientes dos instrumentos de fomento do Sistema de C&T&I, operacionalizados por agentes como FINEP, BNDES/FUNTEC e programas de investimento em P&D vinculados a legislações específicas tais como a Lei de Informática e Lei do Petróleo (Petrobras e outras) e Lei de P&D em Energia (Sistema Eletrobras, Furnas, Itaipu, etc); e • Financiamento – linhas financiamento em condições especiais, operacionalizadas por agentes como FINEP, BNDES e outros agentes do sistema financeiro.
  • 37. Programas de Apoio a Empresas instaladas em PqTs 1. Linha de Apoio para o Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação – aplicação de recursos especiais para empresas inovadoras instaladas em parques poderem aplicar recursos em projetos de P&D de novas tecnologias, desenvolvimento de novos produtos, implantação de laboratórios de pesquisa e criação de novos empreendimentos. Modalidades de Apoio e possíveis Organismos repassadores • Subvenção econômica para P&D&I “especial” para empresas de PqTs – recursos provenientes do Programa de Subvenção Econômica, já disponível e operado pela FINEP; • Financiamento à P&D*I para empresas de PqTs – linhas financiamento já disponibilizadas por agentes como FINEP (ex. Juro Zero) e BNDES (ex. Linha de Inovação) formatadas em condições especiais para empresas de PqTs. 2. Linha de Apoio para Infra-estrutura Predial e Laboratorial de empresas de PqTs – implantação de projetos empresariais inovadores e relevantes em PqTs por meio da cobertura de despesas com infra-estrutura física - sedes empresariais, espaço para atividades de P&D, infra-estrutura de escritórios e laboratorial. Modalidades de Apoio e possíveis Organismos repassadores • Programa especial “híbrido” de subvenção e financiamento para implantação de Centros de P&D de empresas em PqTs – recursos provenientes do programa de Subvenção econômica e do FNDCT, operacionalizados via FINEP, e das linhas de inovação do BNDES; • Financiamento à Infra-estrutura predial e laboratorial de empresas de PqTs – linhas financiamento já disponibilizadas por agentes como FINEP (ex. Juro Zero) e BNDES (ex. Linha de Inovação) formatadas em condições especiais para empresas de PqTs.
  • 38. Programas de Apoio a Empresas instaladas em PqTs 3. Linha de Apoio para estímulo ao Investimento Privado – sugestão de ação de Política Pública para atrair a atenção e a participação do capital privado nos projetos de PqTs em todo o país. Esta linha de apoio do Programa de Apoio a Empresas de PqTs visa criar um ambiente favorável para o investimento privado em diversos tipos de aplicação: investimento em empresas inovadoras instaladas em PqTs, aplicação de recursos nos próprios PqTs como opção de investimento e investimento na implantação de edificações e infra-estruturas de serviços para empresas. • Modalidades de Apoio e possíveis Organismos repassadores • Instrumentos de Incentivo ao Investimento Privado em empresas de PqTs – instrumentos de estímulo à indústria de Venture Capital e ao mercado de capitais para aplicação focada nas empresas dos PqTs, aproveitando a experiência bem sucedida de projetos como o INOVAR/FINEP e o CRIATEC/BNDES; • Instrumentos de Incentivo ao Investimento Privado em PqTs – neste caso, o objetivo é criar atrativos para a aplicação de recursos e expertise do setor imobiliário e do mercado de capitais nos próprios PqTs; • Instrumentos de Incentivo ao Investimento Imobiliário em PqTs – Linha de financiamento especial para o mercado imobiliário investir na implantação de edificações em PqTs. Possíveis agentes: BNDES, CAIXA, BB e Bancos Privados.
  • 39. Parques Tecnológicos & Inovação PAPEL DOS PARQUES TECNOLÓGICOS • Abrigar centros de pesquisa e laboratórios avançados para promoção de Transferência de Tecnologia Universidade – Empresa • Atuar como plataformas para Atração de Centros de P&D e sedes de Empresas de Ponta nacionais e internacionais • Oferecer mecanismos para fortalecimento da atividade empreendedora local como incubadoras, condomínios e espaços qualificados para expansão das empresas • Estimular o crescimento organizado e estratégico das cidades/regiões atuando como projetos de Desenvolvimento de novas Centralidades Urbanas © COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE
  • 40. Inovação & Sustentabilidade Realização © COPYRIGHT 2011 – SAPIENS PARQUE Apoio