Avaliação de Projectos e Empresas de Base Tecnológica<br />Dissertação em Engenharia Mecânica<br />Orientador: Prof. João ...
1/31<br />Conteúdo<br /><ul><li> Introdução e Motivação
 Objectivos
 Abordagens e Modelo
Aplicação e Desenvolvimento
Conclusões
 Bibliografia</li></li></ul><li>2/31<br />Introdução e Motivação<br />O que é uma empresa ou projecto de base tecnológica?...
 Electrónica;
 Microcomputação;
Biotecnologia;
Telecomunicações;
 dot.com (Google, Yahoo, facebook).</li></li></ul><li>3/31<br />Introdução e Motivação<br />Características de empresas e ...
4/31<br />Introdução e Motivação<br />Hipótese<br />
5/31<br />Introdução e Motivação<br />De que forma pode a incerteza ser uma oportunidade?<br />
6/31<br />Objectivos<br />Avaliação de uma empresa de base tecnológica<br />Avaliar uma empresa de base tecnológica atravé...
 Potenciar a utilização de ferramentas de avaliação apropriadas para tecnologia e elevados graus de incerteza.</li></li></...
8/31<br />Abordagem<br />Critérios para a escolha do tipo de abordagem <br />
9/31<br />Abordagem<br />Escolha da empresa Activision Blizzard<br /><ul><li> Faz parte dos índices de tecnologia NASDAQ e...
Desenvolve jogos de vídeo (produto de tecnologia);
Distribui os jogos por venda online por subscrição mensal para jogo em tempo real com outros subscritores;
Vende actualmente o mais jogado jogo de vídeo do mundo com mais de 12 milhões de subscritores activos;
Líder de mercado do sector dos jogos de vídeo;
Cotada no mercado da bolsa;
Os seus relatórios, demonstrações de resultados do exercício e balanços são públicos.</li></li></ul><li>10/31<br />Modelo<...
11/31<br />Modelo<br />Que fluxos estudar? De que forma?<br />Características da Activision Blizzard:<br /><ul><li> Pagame...
Estrutura de capital estável;
 Ausência de dívida;
11 anos de histórico.</li></ul>𝐶𝑎𝑠h 𝐹𝑙𝑜𝑤𝑠 𝐸𝑚𝑝𝑟𝑒𝑠𝑎=𝑅𝑒𝑠𝑢𝑙𝑡𝑎𝑑𝑜 𝑂𝑝𝑒𝑟𝑎𝑐𝑖𝑜𝑛𝑎𝑙1−𝑟+𝐷𝑒𝑝𝑟𝑒𝑐𝑖𝑎çã𝑜−𝐼𝑛𝑣𝑒𝑠𝑡𝑖𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜𝑠−∆𝐹𝑢𝑛𝑑𝑜 𝑑𝑒 𝑀𝑎𝑛𝑒𝑖𝑜<br /...
12/31<br />Modelo<br />Avaliação por dois Estágios (Damodaran, 2009)<br />Os métodos de previsão, pedem o dobro dos dados ...
13/31<br />Modelo<br />Custo de Capital (Copeland et al, 2000) <br />Custo Médio Ponderado de Capital (WACC):<br />𝐾=𝑘𝑒𝐸𝐸+...
14/31<br />Modelo<br />Opções Reais método Luehrman (1998)<br />
15/31<br />Modelo<br />Opções Reais método Black & Scholes (1973)<br />𝑉𝑎𝑙𝑜𝑟 𝑂𝑝çã𝑜 𝐶𝑜𝑚𝑝𝑟𝑎 𝐸𝑢𝑟𝑜𝑝𝑒𝑖𝑎=𝑁𝑑1∙𝑆−𝑁𝑑2∙𝐸∙𝑒−𝑟𝑓∙𝑡<br /...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Avaliação de Projectos e Empresas de Base Tecnológica

1.250 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.250
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Avaliação de Projectos e Empresas de Base Tecnológica

  1. 1. Avaliação de Projectos e Empresas de Base Tecnológica<br />Dissertação em Engenharia Mecânica<br />Orientador: Prof. João Oliveira<br />Co-orientador: Prof. Artur Barreiros <br />César Alfredo Serradas | Nº 49807<br />Email: cesarserradas@clix.pt<br />
  2. 2. 1/31<br />Conteúdo<br /><ul><li> Introdução e Motivação
  3. 3. Objectivos
  4. 4. Abordagens e Modelo
  5. 5. Aplicação e Desenvolvimento
  6. 6. Conclusões
  7. 7. Bibliografia</li></li></ul><li>2/31<br />Introdução e Motivação<br />O que é uma empresa ou projecto de base tecnológica? <br />Empresas ou projectos em que se comercializam produtos de tecnologia ou que utilizam tecnologia para os distribuir (Damodaran, 2009). Tais como:<br /><ul><li>Informática e desenvolvimento de software;
  8. 8. Electrónica;
  9. 9. Microcomputação;
  10. 10. Biotecnologia;
  11. 11. Telecomunicações;
  12. 12. dot.com (Google, Yahoo, facebook).</li></li></ul><li>3/31<br />Introdução e Motivação<br />Características de empresas e projectos de base tecnológica? <br />
  13. 13. 4/31<br />Introdução e Motivação<br />Hipótese<br />
  14. 14. 5/31<br />Introdução e Motivação<br />De que forma pode a incerteza ser uma oportunidade?<br />
  15. 15. 6/31<br />Objectivos<br />Avaliação de uma empresa de base tecnológica<br />Avaliar uma empresa de base tecnológica através de ferramentas específicas da engenharia económica que contabilizem a incerteza e considerando para isso características intrínsecas da própria empresa:<br /><ul><li> Identificar e enquadrar a empresa por forma a precisar o seu risco específico, através da quantificação de variáveis que tenham influência sobre o valor da empresa;
  16. 16. Potenciar a utilização de ferramentas de avaliação apropriadas para tecnologia e elevados graus de incerteza.</li></li></ul><li>7/31<br />Abordagem<br />Abordagens disponíveis para avaliação<br />
  17. 17. 8/31<br />Abordagem<br />Critérios para a escolha do tipo de abordagem <br />
  18. 18. 9/31<br />Abordagem<br />Escolha da empresa Activision Blizzard<br /><ul><li> Faz parte dos índices de tecnologia NASDAQ e NASDAQ 100;
  19. 19. Desenvolve jogos de vídeo (produto de tecnologia);
  20. 20. Distribui os jogos por venda online por subscrição mensal para jogo em tempo real com outros subscritores;
  21. 21. Vende actualmente o mais jogado jogo de vídeo do mundo com mais de 12 milhões de subscritores activos;
  22. 22. Líder de mercado do sector dos jogos de vídeo;
  23. 23. Cotada no mercado da bolsa;
  24. 24. Os seus relatórios, demonstrações de resultados do exercício e balanços são públicos.</li></li></ul><li>10/31<br />Modelo<br />Definição dos Modelos<br />𝑉𝑎𝑙𝑜𝑟 𝑑𝑜 𝑃𝑟𝑜𝑗𝑒𝑐𝑡𝑜 𝑜𝑢 𝐸𝑚𝑝𝑟𝑒𝑠𝑎=𝑉𝑎𝑙𝑜𝑟 𝐴𝑐𝑡𝑢𝑎𝑙 𝑑𝑜 𝑁𝑒𝑔ó𝑐𝑖𝑜 𝐸𝑥𝑖𝑠𝑡𝑒𝑛𝑡𝑒+𝑉𝑎𝑙𝑜𝑟 𝑑𝑎𝑠 𝑂𝑝𝑜𝑟𝑡𝑢𝑛𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒𝑠<br /> <br />𝑉𝑎𝑙𝑜𝑟 𝐴𝑐𝑡𝑢𝑎𝑙 𝐴𝑗𝑢𝑠𝑡𝑎𝑑𝑜=𝑉𝑎𝑙𝑜𝑟 𝐴𝑐𝑡𝑢𝑎𝑙 𝐿í𝑞𝑢𝑖𝑑𝑜+𝑉𝑎𝑙𝑜𝑟 𝑑𝑎 𝑂𝑝çã𝑜 𝑅𝑒𝑎𝑙<br /> <br />
  25. 25. 11/31<br />Modelo<br />Que fluxos estudar? De que forma?<br />Características da Activision Blizzard:<br /><ul><li> Pagamento de dividendos variável ou inexistente;
  26. 26. Estrutura de capital estável;
  27. 27. Ausência de dívida;
  28. 28. 11 anos de histórico.</li></ul>𝐶𝑎𝑠h 𝐹𝑙𝑜𝑤𝑠 𝐸𝑚𝑝𝑟𝑒𝑠𝑎=𝑅𝑒𝑠𝑢𝑙𝑡𝑎𝑑𝑜 𝑂𝑝𝑒𝑟𝑎𝑐𝑖𝑜𝑛𝑎𝑙1−𝑟+𝐷𝑒𝑝𝑟𝑒𝑐𝑖𝑎çã𝑜−𝐼𝑛𝑣𝑒𝑠𝑡𝑖𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜𝑠−∆𝐹𝑢𝑛𝑑𝑜 𝑑𝑒 𝑀𝑎𝑛𝑒𝑖𝑜<br /> <br />
  29. 29. 12/31<br />Modelo<br />Avaliação por dois Estágios (Damodaran, 2009)<br />Os métodos de previsão, pedem o dobro dos dados históricos em relação aos que são previstos. Isto é, com 11 anos de histórico, utilizou-se um período de previsão de 5 anos. A seguir aos quais assume-se que a empresa cresce numa razão semelhante à da economia em que está inserida.<br />𝑉𝑎𝑙𝑜𝑟 𝐸𝑚𝑝𝑟𝑒𝑠𝑎𝑉𝐴𝐿=𝑖=1𝑛𝐶𝐹𝐸𝑖1+𝐾𝑖+𝐶𝐹𝐸𝑛+11+𝐾𝑛𝐾−𝑔<br /> <br />𝐶𝐹𝐸𝑖:𝐶𝑎𝑠h 𝐹𝑙𝑜𝑤𝑠 para a empresa no período i; <br /> <br />K:Custo de Capital; <br /> <br />g:Crescimento Perpétuo. <br /> <br />
  30. 30. 13/31<br />Modelo<br />Custo de Capital (Copeland et al, 2000) <br />Custo Médio Ponderado de Capital (WACC):<br />𝐾=𝑘𝑒𝐸𝐸+𝐷+𝑃𝑆+𝑘𝑑𝐷𝐸+𝐷+𝑃𝑆1−𝑟+𝑘𝑝𝑠𝑃𝑆𝐸+𝐷+𝑃𝑆<=>𝐾=𝐾𝑒<br /> <br />Custo de Capital Próprio (CAPM):<br />𝑘𝑒= 𝑟𝑓+𝛽𝑟𝑚−𝑟𝑓<br /> <br />𝐾𝑒,𝐾𝑑,𝐾𝑝𝑠: Custos de Capital Próprio, Dívida e Acções Preferenciais; <br /> <br />E, D, PS: Valores de mercado de Capital, Dívida e Acções Preferenciais; <br /> <br />𝑟𝑓: Taxa de juro livre de risco; <br /> <br />𝑟𝑚: Prémio de Risco; <br /> <br />β: Beta da Empresa; <br /> <br />
  31. 31. 14/31<br />Modelo<br />Opções Reais método Luehrman (1998)<br />
  32. 32. 15/31<br />Modelo<br />Opções Reais método Black & Scholes (1973)<br />𝑉𝑎𝑙𝑜𝑟 𝑂𝑝çã𝑜 𝐶𝑜𝑚𝑝𝑟𝑎 𝐸𝑢𝑟𝑜𝑝𝑒𝑖𝑎=𝑁𝑑1∙𝑆−𝑁𝑑2∙𝐸∙𝑒−𝑟𝑓∙𝑡<br />𝑁 – distribuição normal padrão;<br />𝑑1=ln𝑆𝐸+𝑟𝑓+𝜎22𝑡𝜎𝑡;<br />𝑑2=𝑑1− 𝜎𝑡.<br /> <br />
  33. 33. 16/31<br />Modelo<br />Opções Reais método Binomial Lattice (Cox et al, 1979) <br />𝑢=𝑒𝜎∆𝑡<br /> <br />𝑑=𝑒−𝜎∆𝑡=1𝑢<br /> <br />𝑝=𝑒𝑟𝑓∙∆𝑡−𝑑𝑢−𝑑<br /> <br />
  34. 34. 17/31<br />Aplicação e Desenvolvimento<br />Análise Histórica dos Cash Flows<br />
  35. 35. 18/31<br />Aplicação e Desenvolvimento<br />Custo de Capital<br />𝛽=0,722<br />𝑟𝑚=16,911%<br />𝑟𝑓=2,250%<br />𝑲𝒆=𝟏𝟐,𝟖𝟑𝟏%<br /> <br />
  36. 36. 19/31<br />Aplicação e Desenvolvimento<br />Crescimento de segundo estágio<br />
  37. 37. 20/31<br />Aplicação e Desenvolvimento<br />Valor Actual Líquido da Empresa <br />𝑉𝑎𝑙𝑜𝑟 𝐸𝑚𝑝𝑟𝑒𝑠𝑎𝑉𝐴𝐿=𝑖=1𝑛𝐶𝐹𝐸𝑖1+𝐾𝑖+𝐶𝐹𝐸𝑛+11+𝐾𝑛𝐾−𝑔=12757,948 𝑚𝑖𝑙hõ𝑒𝑠 𝑑𝑒 𝑑ó𝑙𝑎𝑟𝑒𝑠<br /> <br /><ul><li> Resultado determinístico;
  38. 38. Não fornece uma distribuição de resultados possíveis;
  39. 39. Não contempla a volatilidade.</li></ul>Não será mais correcto que o estudo dos Cash Flows para a empresa considerem a incerteza dos mesmos? <br />
  40. 40. 21/31<br />Aplicação e Desenvolvimento<br />Estudo da volatilidade histórica (σ𝒉)<br /> <br />σ𝒉=𝟕𝟏𝟓,𝟗𝟔𝟐 𝒎𝒊𝒍𝒉õ𝒆𝒔 𝒅𝒆 𝒅ó𝒍𝒂𝒓𝒆𝒔<br /> <br />
  41. 41. 22/31<br />Aplicação e Desenvolvimento<br />Estudo da Volatilidade<br />𝜎h=715,962 𝑚𝑖𝑙hõ𝑒𝑠 𝑑𝑒 𝑑ó𝑙𝑎𝑟𝑒𝑠<br />𝜎𝑣= ?<br />𝜎𝑟= ?<br /> <br />𝐷𝑖𝑠𝑡𝑟𝑖𝑏𝑢𝑖çã𝑜 𝑑𝑒 𝑅𝑒𝑛𝑑𝑖𝑏𝑖𝑙𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒=𝑆−𝐸𝐸×100%<br /> <br />S:Distribuição de Valor da Empresa com volatilidade 𝜎𝑣;  <br />E:Valor de Mercado da Empresa;<br />𝜎𝑟:𝑉𝑜𝑙𝑎𝑡𝑖𝑙𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑑𝑎 𝑅𝑒𝑛𝑑𝑖𝑏𝑖𝑙𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒. <br /> <br />
  42. 42. 23/31<br />Aplicação e Desenvolvimento<br />Vídeo da Simulação de Monte Carlo<br />
  43. 43. 24/31<br />Aplicação e Desenvolvimento<br />Simulação de Monte Carlo (Valor da Empresa)<br />σ𝒗=𝟒𝟐𝟕𝟓,𝟒𝟎𝟎 𝒎𝒊𝒍𝒉õ𝒆𝒔 𝒅𝒆 𝒅ó𝒍𝒂𝒓𝒆𝒔<br /> <br />
  44. 44. 25/31<br />Aplicação e Desenvolvimento<br />Cálculo do valor de Opções Reais<br />
  45. 45. 26/31<br />Aplicação e Desenvolvimento<br />Valor da Empresa<br />
  46. 46. 27/31<br />Conclusão<br />Principais Conclusões (1 de 2)<br /><ul><li>O objectivo da dissertação foi plenamente atingido, empresa foi inicialmente avaliada de forma tradicional através dos Cash Flows Actualizados, e posteriormente a empresa foi avaliada utilizando a teoria das Opções Reais;
  47. 47. Em empresas de base tecnológica a incerteza e o valor das possíveis oportunidades intangíveis além dos benefícios previstos devem ser considerados;
  48. 48. Na base de tratamento dos valores de incerteza considerados, estão os métodos introduzidos por Black & Scholes (1973) e Cox et al (1979).
  49. 49. Os resultados foram robustos, sustentados pela aplicação de dois métodos.</li></li></ul><li>28/31<br />Conclusão<br />Principais Conclusões (2 de 2)<br /><ul><li> O método das Opções Reais é importante para a Engenharia de Produção na agregação de valor para a empresa na gestão de projectos e é uma forma de valorizar quantitativamente o processo contínuo de decisão associado à flexibilidade futura e à incerteza;
  50. 50. O estudo da teoria das Opções Reais vai além dos conteúdos programáticos previstos no curso de Engenharia Mecânica, e provam-se conhecimentos interessantes para aplicação futura;
  51. 51. Este trabalho contribui para o estudo do tema, fornecendo uma nova abordagem para a avaliação de empresas, utilizando o método das Opções Reais para aplicação ao carácter intrínseco da empresa. </li></li></ul><li>29/31<br />Conclusão<br />Trabalhos Futuros<br />Para uma maior crítica aos resultados do método das Opções Reais, sugere-se a avaliação conjunta da incerteza das empresas concorrentes da Activision Blizzard. Esta abordagem iria permitir verificar se diferentes níveis de volatilidade se verificavam em diferentes valores de mercado. É muitas vezes referido que a avaliação de empresas é mais uma arte do que ciência exacta (Park& Park, 2004), especialmente porque os cálculos carecem de ponderação que facilmente pode ser parcial. Luehrman (1998) tem uma abordagem muito definida e concisa em relação à maioria das considerações que faz no seu método, mas para a escolha da volatilidade (crucial para o cálculo da opção), não apresenta um método único e universal, sugerindo que se dê um palpite informado. <br />
  52. 52. 30/31<br />Bibliografia<br />Bibliografia<br />Black, F., & Scholes, M. (1973, May - Jun). The Pricing of Options and Corporate Liabilities. The Journal of Political Economy, 81, pp. 637-654.<br />Copeland, T. E., Koller, T., & Murrin, J. (2000). Valuation: Measuring and Managing the Value of Companies. McKinsey & Company.<br />Cox, J. C., Ross, S. A., & Rubinstein, M. (1979). Option Princing: A Simplified Approach. Journal of Finance, 7, pp. 229-264.<br />Damodaran, A. (2009). The Dark Side of Valuation: Valuing Young, Distressed, and Complex Businesses (Second Edition ed.). Financial Times Prentice Hall.<br />Fuller, R. J., & Hsia, C.-C. (1984). A Simplified Common Stock Valuation Model. Financial Analysts Journal, 40, pp. 49-56.<br />Park, Y., & Park, G. (2004). A new method for technology valuation in monetary value: procedure and application. Technovation, 24, pp. 387–394.<br />Williams, J. B. (1938). The Theory of Investment Value. Cambridge , Massachussets: Harvard University Press.<br />
  53. 53. 31/31<br />Obrigado pela atenção!<br />Dissertação em Engenharia Mecânica<br />Orientador: Prof. João Oliveira<br />Co-orientador: Prof. Artur Barreiros <br />César Alfredo Serradas | Nº 49807<br />Email: cesarserradas@clix.pt<br />

×