Capitulos de 11 a 22 – tratado de oração: 4 graus de oração- as 4 maneiras de regar o jardim. Sendo que o Capítulo 22 é um...
CAPITULO 17  LV. VIDA Fala dos prejuízos trazidos aqui pela imaginação e pela memória. VIRTUDES FORTES A alma não tem mais...
Nada mais espanta a alma, esta decidida a seguir... As flores expandem seu perfume, às virtudes ficam mais firmes e segura...
Teresa nos apresenta o ideal da intimidade com  Deus e ao mesmo tempo  as dificuldades mais sutis que nos impendem este ca...
As virtudes podem ser HUMANAS e TEOLOGAIS. Nós cultivamos e usamos as virtudes humanas para conviver bem com as outras pes...
VIRTUDES  TEOLOGAIS Segundo o  Compêndio do Catecismo da Igreja Católica , as  virtudes teologais  " têm como origem,...
 
Eu pedi a Deus para retirar os meus vícios .     Deus disse: Não . 
   Eles não são para eu tirar, mas para você desistir deles.
   Eu pedi a Deus para completar meu corpo.     Deus disse: Não. 
   Seu espírito é completo, seu corpo é apenas temporário
Eu pedi a Deus para  me dar paciência.     Deus disse: Não .
   Paciência é um subproduto das tribulações; Ela não é dada, é  aprendida.
Eu pedi a Deus para me dar felicidade.     Deus disse: Não.
   Eu dou bênçãos; Felicidade depende de você.
Eu pedi a Deus para me livrar da dor.     Deus disse: Não.
   Sofrer te leva para longe do mundo e te traz para perto de mim.
Eu pedi a Deus para fazer meu espírito crescer .      Deus disse: Não .
   Você deve crescer em si próprio! Mas eu te podarei para     que dês frutos .
Eu pedi a Deus todas as coisas que me fariam apreciar a vida.      Deus disse: Não .
   Eu te darei a vida, para que você aprecie todas as coisas.
Eu pedi a Deus para me ajudar a AMAR os outros, como Ele me ama .         Deus disse: .... Ahhhh, finalmente você entendeu...
A alma começa a ter  harmonia entre o seu ser Maria e Marta (lc. 10,38-42), embora não deixe de perturbar.  Deus vai toman...
Qual a novidade da experiência de Teresa ? O enforque, o ponto de partida a sustentação: DEUS. “ Sono das potências” toma ...
QUANDO VEM A CHUVA" Quarto grau de oração “ Pode-se regar com o muito chover, que o rega el Senhor sem nenhum trabalh...
O quarto grau de oração, capitulo 18 Trata a alma com o Senhor grande união com o Senhor,  embora a alma  por Vezes saia d...
A oração de união, em que Deus age, faz tudo, e a alma só resta contemplar e não por resistência nenhuma a ação de Deus. E...
<ul><li>Teresa  vai considerar a autenticidade da oração aos frutos de apostolado, amor e proveito do próximo e abertura e...
Entendemos que os fenômenos  não são arroubos do corpo, mas deslocamento da vontade na direção do Esposo, em torno de quem...
Afirma  Teresa  “Aquele que não comunica por transbordamento a graça recebida  mina a experiência da oração , porque  “ OB...
O Serviço à Igreja é crítério de discernimento da experiência mistica  (Maximiliano Garcia  Herraiz- Sinteseis Doctrinal T...
<ul><li>Capitulo 19 </li></ul><ul><li>Começa a falar dos efeitos que este grau de oração produz na alma . </li></ul><ul><l...
Cap.19.4-  ...Quem começar a ter oração não se deve desanimar pensando que, por  Voltar a ser mau, seja pior continuar na ...
9.Falando dessa água que vem do céu para, com sua abundância  regar e fartar todo o jardim, se o  Senhor nunca deixasse de...
Cuidemos o jardim da nossa alma!
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

4 grau de oração capitulo 17 a 22

2.136 visualizações

Publicada em

Formação para o Grupo de Orientadores de Itapetininga

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.136
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
22
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
32
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

4 grau de oração capitulo 17 a 22

  1. 1. Capitulos de 11 a 22 – tratado de oração: 4 graus de oração- as 4 maneiras de regar o jardim. Sendo que o Capítulo 22 é um tratado cristológico: centralidade da oração em Cristo.
  2. 2. CAPITULO 17 LV. VIDA Fala dos prejuízos trazidos aqui pela imaginação e pela memória. VIRTUDES FORTES A alma não tem mais de que se preocupar muito, é deixar Deus agir como ele quer e quando quer. Nada mais espanta a alma, esta decidida a seguir os passos de Deus onde ele quiser....
  3. 3. Nada mais espanta a alma, esta decidida a seguir... As flores expandem seu perfume, às virtudes ficam mais firmes e seguras.( lv.vida 17,3)
  4. 4. Teresa nos apresenta o ideal da intimidade com Deus e ao mesmo tempo as dificuldades mais sutis que nos impendem este caminho.
  5. 5. As virtudes podem ser HUMANAS e TEOLOGAIS. Nós cultivamos e usamos as virtudes humanas para conviver bem com as outras pessoas, no meio da nossa família, na nossa comunidade e no mundo, enfim. Também devemos cultivar as virtudes teologais no nosso relacionamento com Deus. Quando recebemos o sacramento do Batismo é infundida em nós a graça santificante, que nos torna capazes de nos relacionar com a Santíssima Trindade e nos orienta na maneira cristã de agir. O Espírito Santo se torna presente em nós, fundamentando as virtudes teologais, que são três: FÉ, ESPERANÇA E CARIDADE.
  6. 6. VIRTUDES TEOLOGAIS Segundo o Compêndio do Catecismo da Igreja Católica , as virtudes teologais &quot; têm como origem, motivo e objecto imediato o próprio Deus . São infundidas no homem com a graça santificante, tornam-nos capazes de viver em relação com a Trindade e fundamentam e animam o agir moral do cristão, vivificando as virtudes humanas. Elas são o penhor da presença e da ação do Espírito Santo nas faculdades do ser humano &quot;. [1] No excerto bíblico 1ª Coríntios 13:13, apresenta-nos a seguinte citação: &quot;Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor&quot; . Num outro excerto bíblico &quot; Gálatas 5:6&quot;, cita o seguinte: &quot; a Fé atua pelo amor &quot;. As virtudes teologais existem como complemento às virtudes cardinais e são três:
  7. 8. Eu pedi a Deus para retirar os meus vícios .    Deus disse: Não . 
  8. 9.   Eles não são para eu tirar, mas para você desistir deles.
  9. 10.   Eu pedi a Deus para completar meu corpo.   Deus disse: Não. 
  10. 11.   Seu espírito é completo, seu corpo é apenas temporário
  11. 12. Eu pedi a Deus para me dar paciência.    Deus disse: Não .
  12. 13.   Paciência é um subproduto das tribulações; Ela não é dada, é aprendida.
  13. 14. Eu pedi a Deus para me dar felicidade.    Deus disse: Não.
  14. 15.   Eu dou bênçãos; Felicidade depende de você.
  15. 16. Eu pedi a Deus para me livrar da dor.   Deus disse: Não.
  16. 17.   Sofrer te leva para longe do mundo e te traz para perto de mim.
  17. 18. Eu pedi a Deus para fazer meu espírito crescer .   Deus disse: Não .
  18. 19.   Você deve crescer em si próprio! Mas eu te podarei para   que dês frutos .
  19. 20. Eu pedi a Deus todas as coisas que me fariam apreciar a vida.   Deus disse: Não .
  20. 21.   Eu te darei a vida, para que você aprecie todas as coisas.
  21. 22. Eu pedi a Deus para me ajudar a AMAR os outros, como Ele me ama .       Deus disse: .... Ahhhh, finalmente você entendeu a idéia.. 
  22. 23. A alma começa a ter harmonia entre o seu ser Maria e Marta (lc. 10,38-42), embora não deixe de perturbar. Deus vai tomando posse das pessoas, a memoria e a imaginação continuam a não deixar quieta a alma, não deixam de perturbar como “mariposas” a nossa alma. Falta-nos caminhar com firmeza para podermos ser totalmente de Deus (V17,4)
  23. 24. Qual a novidade da experiência de Teresa ? O enforque, o ponto de partida a sustentação: DEUS. “ Sono das potências” toma conotação de um especial amparo de Deus protagoniza a intimadade . O homem, crescido no exercicio amadeurecem. Na positiva passividade pelo Sr. E que é intensifida O “sono das potências: será uma oração de quietude intensificada de uma “ante sala”.,de experiência da união. Fala-se de uma verdadeira “cristoterapia teresiana” Tal é a sua experiência e agudeza em detalhar o que acontece no homem (faculdade, potencias , afetos, emoções, psique, etc), no relacionamento com Deus. Para ela, por experiência, Cristo é a saúde do homem total, só Ele alcança e revela-se na sua profundeza, em áreas e dinaminismos desconhecidos ao próprio homem.
  24. 25. QUANDO VEM A CHUVA&quot; Quarto grau de oração “ Pode-se regar com o muito chover, que o rega el Senhor sem nenhum trabalho nosso, e é sem comparação muito melhor do que tudo o que fica dito... Falando desta água que vem do céu, para com a sua abundância encher e fartar toda esta horta de água, e se nunca deixar de dar tudo ao Senhor... nunca lhe faltarão flores e frutos...” (V. 18,9; 19-3)
  25. 26. O quarto grau de oração, capitulo 18 Trata a alma com o Senhor grande união com o Senhor, embora a alma por Vezes saia de si mesma, como se fosse um fogo que está ardendo e se Incendeia e algumas vezes esse fogo aumenta com ímpeto essa chama se eleva muito acima do fogo .2 3.Duas coisas separadas se tornam uma .
  26. 27. A oração de união, em que Deus age, faz tudo, e a alma só resta contemplar e não por resistência nenhuma a ação de Deus. Ela se sente impotente, incapaz de explicar o que Deus faz na oração de união.
  27. 28. <ul><li>Teresa vai considerar a autenticidade da oração aos frutos de apostolado, amor e proveito do próximo e abertura eclesial. </li></ul><ul><li>Ou seja: </li></ul><ul><li>A força santificante das graças místicas fazer mais do que o esforço humano . </li></ul><ul><li>O sentido global da comunicação de Deus, que alcança toda a pessoa e a transforma em nova criatura. </li></ul>A impossibilidade de suprir as graças místicas, de provocá-las com técnicas ou merecê-las com virtudes, porque são dons gratuítos de Deus. A união é assumir existencialmente a vida do esposo e não ser apenas expectador dos Seus mistérios é enamorar-se, como um fruto de um caminho de provas, pois só o amor realiza a entrega da vontade.
  28. 29. Entendemos que os fenômenos não são arroubos do corpo, mas deslocamento da vontade na direção do Esposo, em torno de quem tudo gravita. Teresa enfatiza que Deus sempre espera: “ fazer graças tão soberanas à almas que tanto vos tem ofendido” (V.18,3) .duas coisas dividas fazer-se uma (decisão divina de reintegrar o homem fragmentado, devolvê-lo à sua convivência . Teresa entende que a esponsalidade nasce da amizade, garante efeitos de pertença mais profundos, mais permanentes, mais estáveis.
  29. 30. Afirma Teresa “Aquele que não comunica por transbordamento a graça recebida mina a experiência da oração , porque “ OBRAS QUER O SENHOR”, (V18-4) Entende que a Igreja não pode ser construída por superficiais, a autêntica oração nos livra de um mero ritualismo sacramental e nos adentra existencialmente nas necessidades e na missão da Igreja . V21-5 –” Fortalecei minha Alma, preparando-a primeiro, bem de todos os bens e Jesus meu, ordenando em seguida os meios para Vos servir, pois já não suporto receber tanto e nada pagar. Custe o que custar, Senhor que não chegue diante de Vós de mãos tão vazias, pois a recompensa será dada de acordo com as obras... Tudo vos dei, Vossa sou, disponde de mim de acordo com a vossa vontade... Vós, chegando a essa fortaleza de onde se veem verdades, e não Vos afastando de mim, tudo poderei; se me afastar de vós, por menos que seja, voltarei para onde estava, o inferno.
  30. 31. O Serviço à Igreja é crítério de discernimento da experiência mistica (Maximiliano Garcia Herraiz- Sinteseis Doctrinal Teresiana) Frutos dessa experiência mística: desejo de dizer e viver a verdade, fortaleza interior, amor ao próximo, renovação interior, comunhão com a Igreja, humildade e desapego, saudade de Deus e do céu, desejo de morrer e padecer pelo Senhor, desejo de solidão, senhorio e liberdade interior, ousadia, unidade entre desejo e obras. (V.18,8 e 19)
  31. 32. <ul><li>Capitulo 19 </li></ul><ul><li>Começa a falar dos efeitos que este grau de oração produz na alma . </li></ul><ul><li>Insiste muito para que não se volte atrás, mesmo que depois dessa graça se caia outra vez, nem se deixe a oração. </li></ul><ul><li>A alma sai dessa oração e união com imensa ternura, desejando desfazer-se, não de tristeza, mas de enorme gozo, ela se sente ganhada em lágrimas , sem que as tenha percebido e sem saber quando ou como as chorou... </li></ul><ul><li>2.A alma fica animada a ponte de, se naquele momento a fizessem em pedaços por Deus ela teria isso por grande consolo. </li></ul><ul><li>..em quarto que entra luz e sol não há teia de aranha escondida” </li></ul><ul><li>Vendo com clareza que é muito indigna, e a vaidade esta longe dela. </li></ul><ul><li>Estando sozinha com Ele, que há de fazer senão amá-lo? </li></ul><ul><li>3. Esse proveito da alma permanece por algum tempo: entende que o fruto não é seu e que já pode começar a reparti-lo sem que lhe faça falta </li></ul>
  32. 33. Cap.19.4- ...Quem começar a ter oração não se deve desanimar pensando que, por Voltar a ser mau, seja pior continuar na oração. O mal seria deixar a oração e não se corrigir Mas quem não a deixar com certeza voltará à luz.
  33. 34. 9.Falando dessa água que vem do céu para, com sua abundância regar e fartar todo o jardim, se o Senhor nunca deixasse de dá-la Oportunamente, já se vê que descanso teria o jardineiro. A do céu vem muitas vezes quando o jardineiro menos espera. É verdade que no principio, sempre vem depois de uma longa oração mental ... Grande recompensa... Basta um momento para pagar todos os sofrimentos que aqui se podem ter.
  34. 35. Cuidemos o jardim da nossa alma!

×