SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
É chamado, então,outrohomempara substituirSalazar –MarcelloCaetano que defendiaosprincípiosdo
Estado Novo.
 Substitui durante umacrise académica,oministrode educação(José saraiva –VeigaSimão- coloca
gorilasnasfaculdades(membrosaoserviçodaPIDE)
 Faz reformasde educação;
 Permite oregressode algunsexiladospolíticos;
 Os sindicatosganhamumpoucomaisde liberdade;
 Faz reformasnacaixa de previdênciaparaostrabalhadoresrurais;
 A PIDE vai dar origemá D.G.S (Direçãogeral de segurança) que temcomoobjetivoseroórgão
repressivodogoverno.
 A censurapassaa exame prévio.
 SubstituiçãodaUniãoNacional coma A.N.P(açãonacional popular);
 Continuacoma guerracolonial;
 Alargao direitode voto às mulheresalfabetizadas,permiteaconsultadoscadernoseleitorais,a
fiscalizaçãodasmesasde votoe a constituiçãode gruposeleitorais;
 Incidentesinternose externoslevamáquedaoufracasso doseugoverno.
Algumas destas medidas abrem as portas para elementos mais liberais.
Grupo da Ala Liberal
Os deputados da chamada Ala Liberal constituíram uma jovem geração de
Políticos adeptos de uma forte liberalização do regime do Estado Novo.
Miller Guerra
José Pedro Pinto Leite
Joaquim Magalhães Mota
João Bosco de Mota Amaral
Francisco de Sá Carneiro
Francisco Pinto Balsemão
Muitas destasmedidassãoexplicadasaopaísatravés da televisão,porMarcello,nas Conversasem
Família,que se tornaum símboloda aberturapoliticapropostae donovoestilogovernativo,que se quer
maispróximodapopulação.
Estado Novo
Inicío/cimentar 33(ano da constituição) /± 45 1ºFASE
Estado Novo e a pressãol internacionalpor parte da ONU, EUA... com o
objectivo da descolonização ± 45/68 2º FASE
Primavera Marcelista 68/74 3ºFASE
Estrutura do AcolhimentoPopular
Crescendode oposiçãoaoregime
 Conjunturainternae externade desmembramento
Formação doMFA (movimentodasforçasarmadasque prepara o 25 de Abril) constituídoporgrupos
militaresde váriaspatentes. Objetivo:
 Resoluçãode questõespatentes(militares/carreira)
 Fimda guerra colonial (desgaste de vidase desgaste económico)
 Defesadademocracia(democratização/descolonizar/desenvolver –DDD)
O MOVIMENTO DAS FORÇAS ARMADAS E A ECLOSÃO DA REVOLUÇÃO
A necessidade de aumentar o número de oficiais pra responder á guerra leva o governo a publicar o
decreto-lei nº353/73 para formar oficiais milicianos intensivamente em apenas 2 semestres. Entre os
oficiais de quadro, formados em 4 anos, surge, assim, uma onda de protestos, pois este decreto tinha
efeitosanível de promoção.
Com isso surge o Movimento dos Capitães. Nos contactos estabelecidos para discutir o problema,
começa também a abordar-se o problema da guerra colonial. E em Junho de 1973, a realização do I
congresso dos Combatentes do Ultramar, origina um protesto dos capitães. Mesmo quando o governo
satisfazasexigênciasrelativasácarreira,o MovimentodosCapitãesnãoabranda.
A conspiração passa a uma fase da consciencialização da necessidade de se encontrar uma solução
politicaque se passe pelaindependênciadascolónias.
Assim, no final de 1973, os capitães estão convencidos da necessidade de efetuar um golpe militar para
alterar a situação política do país e devolver a dignidade às forças armadas. Elegem, então, uma comissão
coordenadoradirigidapor:VascoLourenço, Vítor Alvese Otelo Saraiva de Carvalho.
Entretanto, recusando estar presentes numa cerimónia de Marcello Caetano, a 14 de Março de 1974,os
generais Costa Gomes e António de Spínola, são exonerados dos seus cargos, aumentado o seu prestígio
juntodoscapitães.
Sendo evidente cada vez mais a urgência da aniquilação do regime, ocorre um golpe militar nas Caldas
da Rainha, a 16 de Março, que fracassa levando o governo a desvalorizá-lo. Mas os conspiradores retiram
disso lições para organizar a operação “Fim-Regime”, que será lançado na noite de 24 para 25 de Abril.
Tudo é cuidadosamente planeado.
A movimentação é sincronizada pela rádio, a fim de abranger as comunidades de todas as unidades. A
canção E Depois do Adeus é o primeiro sinal, sendo a confirmação do arranque das operações dada com a
Grândola,Vila Morena.

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Revolução republicana
Revolução republicanaRevolução republicana
Revolução republicanaAna Vilardouro
 
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30Ana Vilardouro
 
Crise do racionalismo e do positivismo
Crise do racionalismo e do positivismoCrise do racionalismo e do positivismo
Crise do racionalismo e do positivismoAna Vilardouro
 
Século xx tudo ao mesmo tempo
Século xx  tudo ao mesmo tempoSéculo xx  tudo ao mesmo tempo
Século xx tudo ao mesmo tempoalinemaiahistoria
 
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - GeografiaAna Vilardouro
 
Consequências da 2ª Guerra Mundial
Consequências da 2ª Guerra MundialConsequências da 2ª Guerra Mundial
Consequências da 2ª Guerra MundialSusana Simões
 
Historia a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoHistoria a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoEscoladocs
 

Destaque (15)

Século xx
Século xxSéculo xx
Século xx
 
Revolução republicana
Revolução republicanaRevolução republicana
Revolução republicana
 
História
HistóriaHistória
História
 
A memória
A memóriaA memória
A memória
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Françês
FrançêsFrançês
Françês
 
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
 
Geografia 11ºano
Geografia 11ºanoGeografia 11ºano
Geografia 11ºano
 
Crise do racionalismo e do positivismo
Crise do racionalismo e do positivismoCrise do racionalismo e do positivismo
Crise do racionalismo e do positivismo
 
Século xx
Século xxSéculo xx
Século xx
 
Século xx tudo ao mesmo tempo
Século xx  tudo ao mesmo tempoSéculo xx  tudo ao mesmo tempo
Século xx tudo ao mesmo tempo
 
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
 
Consequências da 2ª Guerra Mundial
Consequências da 2ª Guerra MundialConsequências da 2ª Guerra Mundial
Consequências da 2ª Guerra Mundial
 
Historia a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoHistoria a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumo
 

Semelhante a 25 de abril

marcelismo-100524162500-phpapp02.pdf
marcelismo-100524162500-phpapp02.pdfmarcelismo-100524162500-phpapp02.pdf
marcelismo-100524162500-phpapp02.pdfalexfrade
 
Principais medidas do governo costa e silva
Principais medidas do governo costa e silvaPrincipais medidas do governo costa e silva
Principais medidas do governo costa e silvaabrao souza da silva
 
Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.João Medeiros
 
Arthur da Costa e Silva - Prof. Altair Aguilar
Arthur da Costa e Silva - Prof. Altair AguilarArthur da Costa e Silva - Prof. Altair Aguilar
Arthur da Costa e Silva - Prof. Altair AguilarAltair Moisés Aguilar
 
Aula 24 da república militar à nova república
Aula 24   da república militar à nova repúblicaAula 24   da república militar à nova república
Aula 24 da república militar à nova repúblicaJonatas Carlos
 
Inconfidência nº 251
Inconfidência nº 251Inconfidência nº 251
Inconfidência nº 251Lucio Borges
 
Ditadura Militar Miinicurso
Ditadura Militar MiinicursoDitadura Militar Miinicurso
Ditadura Militar MiinicursoPIBID-H
 
Ditadura militar ( 1964 1985 )trabalho
Ditadura militar ( 1964   1985 )trabalhoDitadura militar ( 1964   1985 )trabalho
Ditadura militar ( 1964 1985 )trabalhoNilmaguimaraes
 
Ditadura militar parte 2-6
Ditadura militar   parte 2-6Ditadura militar   parte 2-6
Ditadura militar parte 2-6cemem
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militarmigueldrj
 
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da DemocraciaPortugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democraciahome
 
Escravidao republica estado novo_ditadura
Escravidao republica estado novo_ditaduraEscravidao republica estado novo_ditadura
Escravidao republica estado novo_ditaduraKatia Silva
 
A Ditadura Militar No Brasil
A Ditadura Militar No BrasilA Ditadura Militar No Brasil
A Ditadura Militar No Brasilbrunourbino
 

Semelhante a 25 de abril (20)

marcelismo-100524162500-phpapp02.pdf
marcelismo-100524162500-phpapp02.pdfmarcelismo-100524162500-phpapp02.pdf
marcelismo-100524162500-phpapp02.pdf
 
Marcelismo
MarcelismoMarcelismo
Marcelismo
 
Principais medidas do governo costa e silva
Principais medidas do governo costa e silvaPrincipais medidas do governo costa e silva
Principais medidas do governo costa e silva
 
Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.
 
Brasil ditadura militar 1964 a 1985 pdf
Brasil ditadura militar 1964 a 1985   pdfBrasil ditadura militar 1964 a 1985   pdf
Brasil ditadura militar 1964 a 1985 pdf
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
André carvalho
André carvalhoAndré carvalho
André carvalho
 
Arthur da Costa e Silva - Prof. Altair Aguilar
Arthur da Costa e Silva - Prof. Altair AguilarArthur da Costa e Silva - Prof. Altair Aguilar
Arthur da Costa e Silva - Prof. Altair Aguilar
 
Aula 24 da república militar à nova república
Aula 24   da república militar à nova repúblicaAula 24   da república militar à nova república
Aula 24 da república militar à nova república
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Inconfidência nº 251
Inconfidência nº 251Inconfidência nº 251
Inconfidência nº 251
 
Ditadura Militar 1964
Ditadura Militar 1964Ditadura Militar 1964
Ditadura Militar 1964
 
Ditadura Militar Miinicurso
Ditadura Militar MiinicursoDitadura Militar Miinicurso
Ditadura Militar Miinicurso
 
Ditadura militar ( 1964 1985 )trabalho
Ditadura militar ( 1964   1985 )trabalhoDitadura militar ( 1964   1985 )trabalho
Ditadura militar ( 1964 1985 )trabalho
 
Ditadura militar parte 2-6
Ditadura militar   parte 2-6Ditadura militar   parte 2-6
Ditadura militar parte 2-6
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da DemocraciaPortugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
 
Escravidao republica estado novo_ditadura
Escravidao republica estado novo_ditaduraEscravidao republica estado novo_ditadura
Escravidao republica estado novo_ditadura
 
A Ditadura Militar No Brasil
A Ditadura Militar No BrasilA Ditadura Militar No Brasil
A Ditadura Militar No Brasil
 
Ditadura Militar
Ditadura Militar Ditadura Militar
Ditadura Militar
 

25 de abril

  • 1. É chamado, então,outrohomempara substituirSalazar –MarcelloCaetano que defendiaosprincípiosdo Estado Novo.  Substitui durante umacrise académica,oministrode educação(José saraiva –VeigaSimão- coloca gorilasnasfaculdades(membrosaoserviçodaPIDE)  Faz reformasde educação;  Permite oregressode algunsexiladospolíticos;  Os sindicatosganhamumpoucomaisde liberdade;  Faz reformasnacaixa de previdênciaparaostrabalhadoresrurais;  A PIDE vai dar origemá D.G.S (Direçãogeral de segurança) que temcomoobjetivoseroórgão repressivodogoverno.  A censurapassaa exame prévio.  SubstituiçãodaUniãoNacional coma A.N.P(açãonacional popular);  Continuacoma guerracolonial;  Alargao direitode voto às mulheresalfabetizadas,permiteaconsultadoscadernoseleitorais,a fiscalizaçãodasmesasde votoe a constituiçãode gruposeleitorais;  Incidentesinternose externoslevamáquedaoufracasso doseugoverno. Algumas destas medidas abrem as portas para elementos mais liberais. Grupo da Ala Liberal Os deputados da chamada Ala Liberal constituíram uma jovem geração de Políticos adeptos de uma forte liberalização do regime do Estado Novo. Miller Guerra José Pedro Pinto Leite Joaquim Magalhães Mota João Bosco de Mota Amaral Francisco de Sá Carneiro Francisco Pinto Balsemão Muitas destasmedidassãoexplicadasaopaísatravés da televisão,porMarcello,nas Conversasem Família,que se tornaum símboloda aberturapoliticapropostae donovoestilogovernativo,que se quer maispróximodapopulação. Estado Novo Inicío/cimentar 33(ano da constituição) /± 45 1ºFASE Estado Novo e a pressãol internacionalpor parte da ONU, EUA... com o objectivo da descolonização ± 45/68 2º FASE Primavera Marcelista 68/74 3ºFASE
  • 2. Estrutura do AcolhimentoPopular Crescendode oposiçãoaoregime  Conjunturainternae externade desmembramento Formação doMFA (movimentodasforçasarmadasque prepara o 25 de Abril) constituídoporgrupos militaresde váriaspatentes. Objetivo:  Resoluçãode questõespatentes(militares/carreira)  Fimda guerra colonial (desgaste de vidase desgaste económico)  Defesadademocracia(democratização/descolonizar/desenvolver –DDD) O MOVIMENTO DAS FORÇAS ARMADAS E A ECLOSÃO DA REVOLUÇÃO A necessidade de aumentar o número de oficiais pra responder á guerra leva o governo a publicar o decreto-lei nº353/73 para formar oficiais milicianos intensivamente em apenas 2 semestres. Entre os oficiais de quadro, formados em 4 anos, surge, assim, uma onda de protestos, pois este decreto tinha efeitosanível de promoção. Com isso surge o Movimento dos Capitães. Nos contactos estabelecidos para discutir o problema, começa também a abordar-se o problema da guerra colonial. E em Junho de 1973, a realização do I congresso dos Combatentes do Ultramar, origina um protesto dos capitães. Mesmo quando o governo satisfazasexigênciasrelativasácarreira,o MovimentodosCapitãesnãoabranda. A conspiração passa a uma fase da consciencialização da necessidade de se encontrar uma solução politicaque se passe pelaindependênciadascolónias. Assim, no final de 1973, os capitães estão convencidos da necessidade de efetuar um golpe militar para alterar a situação política do país e devolver a dignidade às forças armadas. Elegem, então, uma comissão coordenadoradirigidapor:VascoLourenço, Vítor Alvese Otelo Saraiva de Carvalho. Entretanto, recusando estar presentes numa cerimónia de Marcello Caetano, a 14 de Março de 1974,os generais Costa Gomes e António de Spínola, são exonerados dos seus cargos, aumentado o seu prestígio juntodoscapitães. Sendo evidente cada vez mais a urgência da aniquilação do regime, ocorre um golpe militar nas Caldas da Rainha, a 16 de Março, que fracassa levando o governo a desvalorizá-lo. Mas os conspiradores retiram disso lições para organizar a operação “Fim-Regime”, que será lançado na noite de 24 para 25 de Abril. Tudo é cuidadosamente planeado. A movimentação é sincronizada pela rádio, a fim de abranger as comunidades de todas as unidades. A canção E Depois do Adeus é o primeiro sinal, sendo a confirmação do arranque das operações dada com a Grândola,Vila Morena.