D. carlo caderno didáctico

621 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
621
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
292
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

D. carlo caderno didáctico

  1. 1. Don Carlo Guia Didáctica PROGRAMA EDUCATIVO DO TEATRO NACIONAL DE SÃO CARLOS VERDI Giuseppe Fortunino Francesco Verdi nasceu em Busseto, Itália, a 10 de Outubro de 1813, filho do dono de uma estalagem. A sua família tinha poucos recursos económicos, mas Verdi teve o apoio de seu pai e de alguns mecenas para estudar música. Aos 11 anos já era o organista da sua aldeia. Casa natal de Verdi em BussetoAos 20 anos parte para Milão, a fim de se matricular no Conservatório de Música, mas a suaadmissão é recusada por já ter ultrapassado a idade regulamentar e pelo relatóriodesfavorável dos examinadores sobre as suas s capacidades artísticas.Mas Verdi não desiste e procura um professor privado para lhe dar lições de música.Anos depois regressou a Busseto onde foi maestro da banda emestre de capela.O seu amigo e mecenas Barezzi pediu-lhe para dar aulas demúsica à sua filha Margherita. A 4 de Maio de 1836, Verdi casacom Margherita Barezzi.Estreia-se como compositor dramático em 1839 com a Ópera“Oberto”, no Scala de Milão. Retrato de Margherita Barezzi
  2. 2. Nos anos seguintes escreve várias Óperas dramáticas, de forte cariz patriótico, queestimulavam os Italianos a lutar pela libertação do domínio austríaco.Como era a Itália no século XIX? Seria uma nação unida ou um conjunto reinos ou principados? Tenta descobrir... Sugestão: projecção de filme “Il Gatoparto” de Lucino Visconti.Após a morte da sua mulher e seus dois filhos, a sua actividade artística não diminui. Verdicontinua compondo Óperas que sempre revelam um componente de estímulo àindependência nacional.Passam os anos e por toda a parte se ouve o grito “Viva Verdi!” Este grito não era só um gritosaudação ao compositor, era também uma mensagem em código: Viva Vittorio Emanuele Rei De Itália! Quem era Vittorio Emanuele e porque lançavam este grito em código? Tenta descobrir...Verdi acompanha com felicidade as vitórias de Garibaldi e a constituição, em 1860, doprimeiro parlamento italiano, chegando mesmo a aceitar o cargo de deputado pela sua terranatal, Busseto.Em 1867 compõe Don Carlo, baseado no poema Don Carlos, Infant von Spanien de Friedrichvon Schiller, escrito em 1787. Conheces este poeta? Procura situá-lo no tempo e no espaço. Friedrich SchillerDon Carlo estreia no Théâtre Impérial de lOpéra, Paris, a 11 de Março de 1867 na versãooriginal com 5 actos e no Teatro alla Scala de Milão, a 10 de Janeiro de 1884, a versão em 4actos. Nos anos seguintes Verdi, apoiado pela sua segunda esposa, a cantora Giuseppina Strepponi, escreve obras que constituem o momento culminante da carreira deste compositor, como Aida, sua opera-prima, Requiem e Falstaff, uma Ópera cómica que compõe quase com 80 anos, que assombra pela sua frescura e filosofia sorridente e humanista. Verdi morre em Milão, a 27 de Janeiro de 1901.Giuseppina Strepponi
  3. 3. Palavra de Verdi …Para um artista que se apresenta em público, é um bem para ele, quando a crítica lhe écontrária. Assim, o artista encontra-se em uma posição independente e não tem que perdertempo a agradecer a um e a outro, e a seguir os conselhos de cada um; tem o espírito cheiode liberdade e o co0ração lhe dirá se pode ou não seguir a carreira.(in Carta à Condessa Maffei)Everything in this drama is false. Don Carlos was a fool, a madman. Elizabeth was never in lovewith him. Posa is an imaginary figure who could never have existed under Philips reign. Philipwasnt as soft-hearted as that. In this drama there is nothing historical, nor is there anyShakespearean truth or profundity.(sobre D. Carlo)
  4. 4. D. CARLO A História por detrás da históriaQuem foi D. Carlos? Lançamos aqui algumas pistas para descobrir a figura real de D. Carlos,sua época e algumas das pessoas que o rodeavam e que aparecem, como personagens,nesta Ópera. Carlos Lourenço de Habsburgo nasceu a 08 de Julho de 1545, filho de Filipe II de Castela e de uma infanta portuguesa. Quem era esta infanta? “O príncipe D. Carlos foi, desde criança, um desequilibrado, irrequieto e turbulento, com frequentes assomos de maus instintos. Aos 17 anos deu uma queda que lhe agravou o mal congénito. Como as explosões coléricas se repetiam (...) Filipe II, seu pai, mandou-o prender e julgar em Janeiro de 1568.” Fortunato de Almeida, História de Portugal, tomo III, pág. 370“É verdade que esteve ajustado o casamento de Isabel de Valois com o Príncipe e isso deulugar à novela que tanta fortuna alcançou por essa Europa além. Conveniências políticasfizeram que Filipe II contraísse matrimónio com a Princesa de França, mas de isso a forjar-seuma contrariedade amorosa entre dois jovens – ele com 13 anos, a princesa com 12 – écompletamente absurdo.”D. António Ballesteres y Beretta, Historia de España y su Influencia en la Historia Universal, tomo IV, págs. 123 a 127. Felipe II Rei de Espanha Isabel de ValoisNo século XVI Espanha governava parte da Europa, incluindo a região da Holanda e a Bélgica.Em 1559 o Rei Filipe II casa com a filha do Rei Henrique II da França, Isabel de Valois. Ela tinha 14anos.A Igreja católica exercia um forte poder em Espanha através do Santo Ofício, cuja função eraencontrar e converter os hereges, ou seja, todos aqueles que não aderiam à fé católica.
  5. 5. Nesta Ópera, a figura do Inquisidor, cego, aparece como exemplo do dogmatismo ecrueldade da Igreja e Felipe II é retratado como um rei incapaz de colocar o Estado acima daIgreja.Que significado terá esta forma de retratar os personagens, por parte dos autores da Ópera, no século XIX? Poderá isto ser interpretado como uma crítica dos autores a um tipo de poder? Porquê? A Princesa d’Eboli, D. Ana de Mendoza de la Cerda, nasce em 1540 e aos 15 anos casa com o Príncipe Rui Gomes da Silva, Duque de Pastrana. Era cega de um olho, diz-se que vítima de uma brincadeira na sua infância. Apesar deste acidente, a Princesa d’Eboli era conhecida pela sua beleza. Foi mãe de 10 filhos. Rodrigo, Marquês de Posa, terá existido na realidade?
  6. 6. DON CARLO A ÓPERAA acção desta Ópera gira fundamentalmente ao redor de seis personagens: Don Carlos (Tenor) Infante de Espanha, apaixonado por Isabel e atormentado pelo facto de Isabel se tornar mulher de seu pai. Isabel de Valois (Soprano) Filha do rei de França e de Catarina de Médicis, vê-se obrigada a casar com o rei de Espanha. Sofre pelo amor que sente por Carlos. Filipe II (Baixo) Rei de Espanha, sucessor de Carlo V. Rodrigo (Barítono) Grande amigo do príncipe Carlos, Rodrigo está comprometido com a causa da independência dos Países Baixos. Princesa d’Eboli (Mezzo-soprano) Dama ao serviço de Isabel, na corte espanhola. Apaixonada por D. Carlos. Manteve relações íntimas com o rei. Grande Inquisidor (Baixo) Monge quase cego, que representa o Santo Ofício.Proposta Didáctica: os alunos devem ler o resumo de cada Acto e excertos do libreto (emitaliano e em português). Após esta leitura, os alunos devem colocar-se as seguintes questões ediscuti-las em grupo. O que se passa aqui? O que move cada personagem? Como achas que Verdi traduziu esta emoção na música? Que instrumentos se destacam? Como achas que os solistas cantam/interpretam este personagem, neste momento? Esta cena será acompanhada pelo coro? Como o farias tu? Como reagirias nesta situação?Após discutir estes temas, os alunos escutam o arquivo áudio que corresponde a cadamomento analisado do libreto e assistem a distintas interpretações online. Deste modo,poderão constatar as semelhanças ou diferenças entre as distintas interpretações bem comocomparar as sugestões dos alunos referentes à intensidade da música e a proposta do própriocompositor.
  7. 7. Acto I (original)O primeiro acto da versão original, não é representado na versão que os alunos assistirão no Teatro de São Carlos. Noentanto, para uma melhor compreensão da narrativa, decidimos incluí-lo neste guia didáctico. Floresta de FointanebleauD. Carlos e Isabel encontram-se pela primeira vez na Floresta de Fointanebleau.Ele revela-lhe que é seu prometido e, apaixonados, celebram a felicidade de ter encontrado oamor.Pouco depois, descobrem que afinal Isabel está prometida a Filipe II, pai de Carlos.
  8. 8. Acto I 1.° QUADRO Convento de Yuste. Túmulo de Carlos V, avô de Don Carlos.Os frades rezam na capela. Nasce lentamente o dia.D. Carlos, pálido e aflito, escuta as vozes dos frades. Ouve-se um sino.D. Carlos, só, dá largas à sua dor. Perdeu a mulher amada, aquela com quem queriacasar, e foi o próprio pai, o rei, que a roubou. Excerto do poema de Schiller Don Carlos, Infante of Spain (traduzido para inglês por I. Towler)DON CARLOIo lho perduta! Oh potenza suprema!Un altro... ed è mio padre...Un altro... e questi è il Re.Lei che adoro mha rapita!La sposa a me promessa! Ah! quanto puroe bello fu il di senza diman, in cui ebbriDi speme, cera dato vagar, nellombra,Soli insieme,Nel dolce suol di Francia,
  9. 9. Nella foresta di Fontainebleau!Io la vidi e il suo sorrisoNuovo un ciel apriva a me!Ahi! per sempre or mha divisoDa quel core un padre, un Re!Non promette un di feliceDi mia vita il triste albor...Mhai rubato, incantatrice,Cor e speme, sogni ed amor! Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=EOf9QGD0E-w&feature=related (a partir do minuto 07:48 a 11:05)Entra Rodrigo, marquês de Posa, amigo de D. Carlos, que lhe pergunta porque estápálido, porque sofre. Chegou a hora de provar que ama o povo.D. Carlos conta-lhe que ama Isabel, sua madrasta, mas o pai não conhece o seusegredo. Rodrigo aconselha-o a obter do rei a autorização para partir para a Flandres e D.Carlos promete seguir o conselho do amigo. Chegam o rei e a rainha para rezar sobre otúmulo de Carlos V.D. Carlos mal disfarça a sua comoção ao ver Isabel. Ouvem-se as vozes dos frades.D. Carlos chora a sua desdita, Rodrigo diz-lhe que viverão ou morrerão juntos. Ambosprometem que o seu último grito será: Liberdade.DON CARLO E RODRIGODio, che nelalma infondereAmor volesti e spemeDesio nei core accendereTu déi di liberta;Giuriamo insiem di vivereE di moriré insieme;In térra, in ciel congiungereCi puó la tua bontá.Ah! Dio, che nel’alma infondere…DON CARLOS E RODRIGODeus, que na alma a infundirQuiseste amor e esperança,Que no coração acendesteO desejo de liberdade;Juramos viver juntos
  10. 10. E morrer juntos;Na terra e no céu unir-nosPode a tua bondadeAh! Deus, que a alma infundir Audição da Faixa 6 (completa) Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=7WUbjmB4R1w&feature=related (do minuto 04:43 até 06:09) Escuta a melodia deste dueto.Poderá esta melodia traduzir a emoção de uma forte amizade?Tenta descobrir onde ela se repete, muito subtilmente e depois em euforia até ao final dovídeo? (no minuto 7:40 e no final)Este é um dos mais belos duetos da história da Ópera, sobre a exaltação da amizade entre doishomens.Na realidade, a música reflecte aqui, para além da intimidade entre os dois amigo, outros doissentimentos. Quais?(A desilusão amorosa de Carlos e o fervor político de Rodrigo) 2.° QUADRO Um jardim às portas do Convento de Yuste.Pajens e damas da rainha cantam acompanhados ao alaúde. Isabel sai do convento ejunta-se a estes. Pouco depois chega Rodrigo que lhe entrega uma carta da mãe, aomesmo tempo que lhe dá, sem que ninguém veja, um bilhete de D. Carlos em que estelhe pede para confiar inteiramente em Rodrigo.Enquanto Isabel diz, para si, que voltar a ver Carlos é morrer, a princesa Eboli julga-seamada por D. Carlos e afasta-se com Rodrigo, que não desfaz aquele engano.Chega D. Carlos que vem suplicar a Isabel que obtenha o consentimento do rei para poderpartir para a Flandres.A condessa dAremberg (dama de companhia de Isabel) e outras damas afastam-se e os doisficam sós. D. Carlos dá largas à sua imensa paixão e Isabel, que tentou esconder o seu amor,acaba por confessar que também o ama.O príncipe, julgando morrer de felicidade, cai desmaiado e quando volta a si ouve, mais umavez, palavras cheias de doçura.Isabel consegue dominar-se e pergunta-lhe se ele quer assassinar o pai e depois, manchado dosangue de um parricídio, conduzir ao altar a madrasta.D. Carlos, horrorizado, foge e Isabel agradece a Deus ter velado por ela.
  11. 11. ELISABETTAOh! Carlo!DON CARLOSotto il mió pié si dischiuda la terra,II capo mio sia dal fulmin colpito.Io tamo, Elisabetta!Il mondo è a me sparito!ELISABETTA (Sostandosi con violenza)Compi lopra, a svenar corri il padreEd allor del suo sangue macchiatoAllaltar puoi menare la madre.DON CARLO (Retrocedendo atterrito e fuggendo disperato)Ah! maledetto io son!ELISABETTA (Cadendo in ginocchio)Ah! Iddio su noi vegliò!Signor! Signor!ISABELOh, Carlos!DON CARLOS (Envolve-a com os braços)Sob os meus pés se abra a terra,Seja a minha cabeça ferida pelo raio.Amo-te, Isabel!Não existe o mundo para mim!ISABEL (separando-se com horror)Cumpre a tarefa, corre para matar o pai,E então manchado com o seu sangue,Podes levar ao altar a tua mãe.DON CARLO (Foge aterrado)Ah, maldito sou!ISABEL (cai de joelhos)Ah, Deus velou por nós! Senhor, senhor! Audição da Faixa 8 (do minuto 07:57 – até final) Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=QFhvqQZVrJU&feature=related (do minuto 08:24- até final) Como acompanha a orquestra a emoção destes personagens? Que instrumentos se destacam?
  12. 12. Tebaldo, o pajem de Isabel, saindo precipitadamente do convento, anuncia que o rei vaichegar. Este, vendo Isabel só, chama a condessa dAremberg e ordena-lhe que volte paraFrança. A rainha pede á sua dama que não chore e oferece-lhe um anel para se lembrarsempre dela.O rei chama Rodrigo, diz-lhe que gostava de o recompensar pelos seus serviços e suafidelidade. Rodrigo não pede nada para si, mas implora piedade do rei para a Flandres, ondeo sangue corre e os gritos dos infelizes não deixam de se ouvir. O rei responde que só comsangue poderá levar a paz ao mundo e aconselha Rodrigo a defender-se do Grande Inquisidore depois revela-lhe um segredo: desconfia que o filho ama a rainha e que é correspondido.Encarrega Rodrigo de os espiar e aconselha-o novamente a defender-se do Grande Inquisidor.
  13. 13. II ACTO Iº QUADRO – Os jardins da rainha, em MadridD. Carlos lê um bilhete: «á meia-noite, nos jardins da rainha». Cheio de alegria espera Isabel,supondo serem dela aquelas palavras. Entra uma senhora que traz o rosto velado e a quem D.Carlos dirige palavras cheias de paixão, ouvindo em troca doces juramentos de amor. A damatira o véu e D. Carlos reconhece a princesa de Eboli que, julgando-se amada por ele,escrevera aquele bilhete. Pela exclamação de D. Carlos, ao ver-lhe o rosto, a princesacompreende a verdade e jura vingar-se: dirá tudo a Rodrigo, íntimo do rei e ao próprio rei. D.Carlos julga que o seu confidente o atraiçoou, mas Rodrigo ouve as palavras da princesa,ameaça-a de morte e diz a D. Carlos que pode confiar nele como até ali. O príncipe, louco dedor, lança-se nos braços de Rodrigo. Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=1p7-sNzvJBk&feature=related Minuto 07:00, quando tudo se complica; minuto 13:20, quando nasce a suspeita da traição entre amigos, mas logo se reafirma a confiança; minuto 14:30: Reconhecem esta melodia? 2.° QUADRO - Uma grande praça diante da igreja de Nossa Senhora da Atocha.Ouvem-se sinos festivos. O povo celebra a grandeza do seu rei. Entram frades que conduzemos condenados da Inquisição para rezarem e se arrependerem dos seus pecados.Do palácio sai o cortejo que acompanha a rainha, enquanto o povo mais urna vez louva opoder e a glória de Filipe II. Abre-se a porta da igreja, vendo-se o rei no meio dos frades.Chegam seis deputados flamengos, acompanhados de D. Carlos, que se prostram aos pés dorei suplicando piedade para a Flandres. A rainha e Rodrigo juntam-lhes as suas vozesimplorando também, enquanto o soberano e os frades dizem que os flamengos são infiéis aDeus e ao rei.D. Carlos lembra que um dia virá em que a coroa real será colocada na sua cabeça; antes,precisa de se preparar para ser um bom rei e por isso pede para salvar a Flandres e o seu povo.Filipe II pergunta se há-de entregar nas mãos do filho a arma que se voltaria contra si.D. Carlos, desembainhando a espada, diz que não são essas as suas intenções e toma Deuspor testemunha.Todos comentam o gesto do príncipe e receiam o que possa acontecer. O rei, voltando-separa os seus homens, ordena que desarmem D. Carlos mas nenhum se atreve. Rodrigoaproxima-se, pede-lhe a espada e entrega-a a Filipe II, provocando o espanto daqueles que osabiam amigo do príncipe. Filipe II, nomeando-o duque, dá ordem para começar a cerimónia.O povo celebra a glória do rei, os frades falam do castigo para os pecadores e os seisdeputados flamengos dizem que é em nome de Deus que se levanta aquela prece depunição.
  14. 14. III ACTO O gabinete do rei, em MadridFilipe II, só, chora a infelicidade de não ser amado pela rainha. Ela nunca lhe teve amor e porisso enquanto viver não encontrará repouso.FILIPE IIEla nunca me amou!Não, esse coração está fechado para mim,Não tem amor por mim!Ainda a vejo contemplar com triste rostoO meu cabelo brancoNo dia que veio de França.Não, não tem amor por mim,Não tem amor por mim!Onde estou?... Essa velaPrestes a consumir-se...A aurora clareia a minha varanda.Já desponta o dia. Vejo passarOs meus lentos os meus dias.Os sonhos, Deus meu,Desaparecem dos meus olhos desfalecidos.Só dormirei no meu manto realQuando à minha jornada chegar a noite;Dormirei só por baixo da abóbada negraAli, no sepulcro do Escorial. Audição da Faixa 10 Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=9cqf__UKIPE&feature=related Um instrumento caracteriza o personagem de Filipe II. Qual? (Violoncelo – ver frase do minuto 04:29 da faixa 10) Qual escolheriam vocês? Porquê? Recordem que o personagem é representado como queixoso e sombrio. Onde fica o “Escorial”? Qual a história deste edifício?Entra o Grande Inquisidor, cego, a quem o rei mandou chamar para saber se, condenando ofilho à morte, poderá ser absolvido. O Inquisidor responde que sim. Também Deus, para remir ospecados do mundo, sacrificou Jesus Cristo. O rei, para salvar a fé, não deve hesitar emsacrificar D. Carlos. Filipe II luta ainda entre o amor de pai e aquilo que lhe aconselham comosendo um dever.
  15. 15. O Grande Inquisidor diz ao rei que Rodrigo é infiel a Deus e pede-lhe que o entregue áInquisição, mas Filipe II recusa. Encontrou, responde, um coração leal e não quer perdê-lo.O Inquisidor diz ao rei que poderia levá-lo diante do supremo tribunal mas que o não fará. FilipeII pede-lhe que façam as pazes e confessa que mais uma vez o trono tem que se dobrar dianteda igreja.O Inquisidor sai e chega a rainha que se vem queixar de que lhe roubaram um cofre ondeguardava algumas das suas jóias. O rei entrega-lhe o cofre e diz-lhe que o abra; como Isabelhesita ele próprio abre o cofre e vê o retrato de D. Carlos. A rainha confessa que sempre amouo príncipe desde que a sua mão lhe esteve prometida; hoje ainda o ama mas é fiel ao rei. FilipeII ameaça-a de morte.Entra Rodrigo e a princesa Eboli. Foi esta que denunciou a rainha, por ciúmes.Ficando só com Isabel conta-lhe as suas culpas e pede-lhe perdão. A rainha sai e a princesaamaldiçoa a beleza que o céu lhe concedeu e tantas infelicidades lhe tem causado. Irá paraum convento o resto dos seus dias mas antes há-de salvar D. Carlos da morte que o espera.EBOLI (Rialzandosi)Ahimè! Più non vedrò,No, più mai la Regina!EBOLI (Sola)O don fatale, o don crudelChe in suo furor mi fece il cielo!Tu che ci fui si vane, altere,Ti maledico, o mia beltà.Versar, versar sol possoil pianto,Speme non ho, soffrir dovrò;il mio delitto è orribil tantoChe cancellar mai non potrò!O mia regina! Io timmolaiAl folle error di questo cor.Solo in chiostro al mondo ormaiDovrò celar il mio dolor!O ciel! E Carlo! a morte domaniandar vedrò!Ah! un di mi resta la speme marride.Sia benedetto il ciel! io salverò!(Esce precipitosa)EBOLIAh! Não voltarei a ver a rainha!
  16. 16. EBOLI (sozinha)Oh, dom fatal! Oh, dom cruel!Que em seu furor me fez o céu!A ti, que nos fazes tão vãs e altaneiras,Amaldiçoo-te, beleza minha.Verter, só posso verter lágrimas,Esperança não tenho, deverei sofrer!O meu delito é tão horrívelQue jamais o poderei apagar!Te maldigo, te maldigo, beleza minha!Oh, minha rainha, imolei-teAo louco erro deste coração.Só num claustro ao mundo agoraDeverei ocultar minha dor!Céus! E Carlos? Amanhã para a morte,Grande Deus, para a morte o verei ir!Ah, resta-me um dia,A esperança sorri-me!Ah, bendito seja o céu! Salvá-lo-ei! Audição da Faixa 12 Vídeos: http://www.youtube.com/watch?v=l1mHzX24r00&feature=related Scala, 1994, Luciana D’Intino - LUCIANA DINTINO (0:47 – até ao fim) http://www.youtube.com/watch?v=aBcLPqpSJ6g Maria Callas, 1962 http://www.youtube.com/watch?v=ku6CtnsZ6T4&feature=related Olga Borodina, 2003 http://www.youtube.com/watch?v=I7VYHFBbYcs&feature=related (a partir do minuto 3: 42) Dolora Zajick, Scala Dezembro 2008 http://www.youtube.com/watch?v=NWYo7cSDwOQ&feature=related The Nederland Opera, 2004, Violeta Urmana Reparem no palco. Move-se? Porque será que os encenadores tomaram esta decisão? http://www.youtube.com/watch?v=-0GAV15KRW8&feature=related 1971 Shirley Verrett http://www.youtube.com/watch?v=XSGLopkGGvI&feature=related Shirley Verrett 1986 (com 55 anos).
  17. 17. Notem diferenças na voz, em relação ao vídeo anterior. Notem as diferenças de cenários, figurinos, vozes e interpretação das solistas. Não há duas interpretações iguais. De qual gostam mais? Porquê? Notem também que esta cena tem três momentos: um exaltado e outro melancólico para terminar como?Lê o excerto do poema no qual se baseia a cena que precede a “don fatale” (em baixo).Se o tivesses que adaptar a português e encenar, como escreverias esta cena?(propõe o diálogo e a encenação)
  18. 18. IV ACTO 1º QUADRO A prisão de D. CarlosD. Carlos está só, entregue aos seus tristes pensamentos. Entra Rodrigo que vem despedir-sedele. O rei está convencido de que Rodrigo foi o grande agitador da Flandres para que assimCarlos pudesse um dia governar a Espanha.A vingança de Filipe II, diz Rodrigo, não deve tardar e ele quis ainda despedir-se do príncipe aquem sempre foi fiel.Sem que Rodrigo e D. Carlos vejam, aparecem dois homens que os espreitam. Um dele estávestido com o hábito da Inquisição e o nutro vem armado de um arcabuz.Ouve-se um tiro que vai atingir Rodrigo, ferindo-o mortalmente. É a vingança do rei. Os doisamigos abraçam-se ternamente e Rodrigo consegue ainda dizer que morre pelo seu príncipe,que um dia há-de reinar para felicidade do povo.RODRIGOO Carlo, ascolta, la madre taspettaA San Giusto doman; tutto ella sa...Ah! la terra mi manca... Carlo mio;A me porgi la man...!Io morrò, ma lieto in core,Ché potei cosi serbarAlla Spagna un salvatore!Ah! ... di me... non... ti... scordar...!RODRIGOCarlos, escuta... A tua mãe espera-teEm Yuste amanhã; ela sabe de tudo...Ah, a terra foge-me... Carlos meu caro,Dá-me a mão!...Morro com o coração alegre,Pois assim pude conservarPara Espanha um salvador.Ah... não te esqueças...de mim!Não te esqueças de mim!Sim, tu devias reinarE eu morro por ti.Morro com o coração alegre,
  19. 19. Pois assim pude conservarPara Espanha um salvador.Ah, não te esqueças de mim!Ah, a terrafoge-me... a mão...Ah, salva a Flandres!Carlos, adeus! Audição da Faixa 14 O que acontece no segundo 00:45 da Faixa 14? O que sente o personagens? Como o revela a música? (Ao sentir que a terra lhe foge por baixo dos pés, a linha melódica interrompe-se) Vídeos: http://www.youtube.com/watch?v=7iOnsDaNXO8&feature=related (entre minutos 09:14 e 10:40) Conseguem descobrir o tema da amizade? (minuto 09:40)Entra Filipe II que vem entregar a espada ao filho, mas este afasta-se horrorizado, olhando ocadáver do seu fiel confidente. O rei pede que lhe restituam aquele homem que está morto.Chega o conde de Lerma, que anuncia a entrada do povo reclamando o príncipe.Juntamente com os populares vem a princesa Eboli que diz a D. Carlos que fuja.Aparece o Grande Inquisidor e todos se curvam pedindo o perdão do rei. 2º QUADRO O claustro do Convento de YusteA rainha reza sobre o túmulo de Carlos V. Recorda a sua terra natal, onde viveu feliz e ondeamou D. Carlos. Prometeu a Rodrigo velar pelo príncipe e assim fará. Entra D. Carlos, a quemIsabel diz que parta para a Flandres, libertando um povo oprimido que sofre injustamente.Recordam ambos a amizade de Rodrigo. Isabel chora e diz a D. Carlos que a felicidade osespera no outro mundo, onde ninguém os poderá separar. Despedem-se para sempre. Entra orei e, agarrando o braço de Isabel, diz-lhe que exige um duplo sacrifício. Ele fará o seu dever; aInquisição que cumpra o que lhe é destinado. Estas palavras são ditas ao Grande Inquisidor,apontando para D. Carlos. O Grande Inquisidor responde que o Santo Oficio desempenhará asua missão. O príncipe foge na direcção do túmulo de Carlos V, cujo espectro aparece e diz.que a dor do mundo se prolonga para dentro do convento; o coração só encontrará a pazdepois da morte.Reconhecendo a voz de Carlos V todos recuam apavorados. O espectro arrasta para oconvento o príncipe D. Carlos, assombrado.
  20. 20. Este material foi criado pelo Serviço Educativo do Teatro Nacional de São Carlos Setembro de 2011

×