SlideShare uma empresa Scribd logo
http://www.osj.salesianos.pt



 solsal




http://www.solsal-solidariedadesalesiana.blogspot.com/




 http://articentro-osj.blogspot.com
“L'art ne vient pas se coucher dans les lits qu'on a faits
pour lui ; il se sauve aussitôt qu'on prononce son nom.
Ce qu'il aime, c'est l'incognito, ses meilleurs moments
sont quand il oublie comment il s'appelle.”
                                                 Jean Dubuffet

“A arte não se deita nas camas que foram feitas para ela,
antes foge logo que alguém pronuncia o seu nome: ela
gosta de permanecer incógnita. Os seus melhores
momentos são quando se esquece de como se chama.
"
                                                 Jean Dubuffet


“Art does not come to lie down in the beds that have
been made for it; it runs away as soon as anyone utters
its name: it likes being incognito. Its best moments are
when it forgets what it's called.”
                                                 Jean Dubuffet
01




www.articentro-osj.blogspot.com
02




Pop Mag é a newsletter que semestralmente divulga a Actividade
Artística no Articentro.
Projecto Oficina de Pintura Magazine é ela própria um dos exercícios
de design e ilustração contextualizados na actividade pedagógica de-
senvolvida nesta valência do ArtiSport. Serve de súmula para cada se-
mestre de trabalho e dá a oportunidade a cada Aluno de ver o seu tra-
balho a partir do contexto geral e não apenas do seu projecto pessoal.
Um trabalho colectivo, feito com amor e dedicação, com o melhor de
cada Autor, na forma do seu dom e talento, para toda a Comunidade
Escolar e para a Comunidade em Geral.




             Ficha Técnica:


             Redacção e coordenação de conteúdos:
             Nuno Quaresma, Inês Hassamo e Paula Valente

             Projecto gráfico inicial:
             oferta Jtb & Guru Design and Art Projects

             Editor de Arte: Nuno Quaresma

             Comissária do evento e revisão científica
             dos conteúdos:
             Inês Hassamo

             Fotografia e Ilustração:
             Alunos Articentro e CAL SolSal

             Colaborações: Pe. José Cordeiro, José Morais, Jor-
             ge Santos, Alexandra Constantino, Sara Bahia, José Pe-
             dro Trindade, Sofia Trindade, Maria Ana Lima, Marta Fi-
             gueira, Íris Arriscado, Ana Maggiolly e Equipa de Manu-
             tenção das Oficinas de S. José.
             Publicação: on-line, em:
             http://pt.scribd.com/pop_lisboa/shelf
03




ÍNDICE

04                                            12


         Mensagem Articentro,                      Os primeiros passos...
         Oficinas de S. José                       para a Bela Criação
         Equipa Articentro                         Inês Hassamo



05                                            13


         Introdução                                Algumas Visões dos
         «Bela Criação»                            nossos Alunos
         Nuno Quaresma                             Alunos de Desenvolvimento pela Arte



06                                            14


          A Arte como Direito da                    Catálogo da Exposição
          Construção da Expressão                   «Bela Criação»
          Sara Bahia & José Pedro Trindade          Alunos Articentro e CAL SolSal



10                                            29


          Manifesto                                 Álbum de fotos de
          Direito à Educação                        actividades Articentro
          Sofia Trindade
04




MENSAGEM
“Ensinar é aprender duas vezes”
Joseph Joubert, Filósofo e Ensaísta Francês (1754-1824)


      Não sei se todas as Pessoas reflectem sobre              crescer o improvável, o belo, o sublime, a sabedoria
as dimensões do conhecimento, mas para nós, Edu-               e ainda outras coisas mais simples e necessárias
cadores, Pais, Professores, o tema é naturalmente              em cada dia: respeito, cooperação, solidariedade, to-
de uma importância central.                                    lerância, trabalho em equipa, organização e segu-
      É neste conhecimento que sabemos existir o               rança no trabalho.
mais sólido alicerce para o crescimento, pleno, sau-                 Educamos para esta cultura da curiosidade,
dável, e para a adaptação ao Mundo, com serenida-              da inovação, do empreendedorismo, da responsabi-
de, bom senso, para o sonho, para o amor, para a fé.           lidade, da perseverança, com uso das linguagens
      Nesta “Oficina” e pela natureza dos ofícios que          tradicionais das artes plásticas, com o recurso às
nelas exercitamos, todos os dias fazemos do conhe-             mais variadas técnicas, tecnologias, materiais e
cimento e da sua aprendizagem um processo vivo,                plasticidades e firmemente fundados na crença no
dinâmico e intenso, que em cada semente, faz cres-             talento e unicidade de cada Aluno.
cer muitas mais, cumprindo assim dois dos mais be-                   Trabalhamos para fazer florescer Homens e
los fenómenos associados à criatividade: o desen-              Mulheres mais felizes e completos, Cidadãos mais
volvimento e a inovação.                                       equipados e responsáveis, no bom Estilo Preventivo
      Este é um dos aspectos da identidade do Arti-            Salesiano inspirado em D. Bosco.
centro - a de laboratório onde uma Equipa de Pro-                    Temos um único desejo e apenas um objecti-
fessores multidisciplinares catalisa esta transforma-          vo: ajudar os nossos pequenos grandes Autores a
ção e o Articentro, mais do que um mero espaço                 cumprirem o máximo das suas potencialidades, a en-
agradável e bem equipado para a tarefa, é sobretu-             contrarem a sua vocação, seja ela qual for, mas com
do um espaço simbólico para a descoberta, experi-              a absoluta e experimentada confiança de que, como
mentação e aquisição de saberes através da Arte.               dizia Mahatma Gandhi, todos possamos ser um dia
      Aqui preocupamo-nos com o desenvolvimento                a mudança que queremos ver acontecer no Mundo.
completo do Aluno, com a sua capacitação para com-
preensão, interpretação e representação da sua rea-
lidade interior e exterior. Preocupamo-nos em for-                                             Equipa Articentro
má-lo para o uso em pleno dessa imprescindível                                                   Nuno Quaresma
competência que é a imaginação e criatividade para                                                Inês Hassamo
que, ao longo da vida, se lembre que sobre este ins-                                               Paula Valente
trumento será sempre possível fazer germinar e
05




INTRODUÇÃO
      «Que encontres na vida um sentido que te faça          daridade, Sustentabilidade, Cidadania e Ecologia
agir, com aquela determinação que muitos já de-              Humana, sob o mote da Declaração Universal dos
monstraram na escola, para vencer as crises que              Direitos do Homem.
por vezes surgem na vida. Que saibas e sejas capaz
de amar aqueles que se vão cruzando no teu cami-                   Fizemos do nosso dom - da imaginação, traba-
nho e que encontres alguém ou Alguém a quem pos-             lho e inovação - uma dádiva para o outro, para os ou-
sas dizer um “Amo-te” marcado por aquela pontinha            tros, e empenhámo-nos na construção de uma Arte
de eternidade que dura uma vida.                             que fizesse realmente diferença na vida das Pesso-
      Não te limites a existir: Vive!»                       as, da nossa Comunidade Educativa, Comunidade
                                                             Local e Comunidade em Geral.
    Pe. José Cordeiro in Mensagem Pastoral,
«Tudo Sobre Nós 2011"                                              Foi portanto com muito gosto que empreende-
                                                             mos a 1ª mostra deste ciclo de Exposições - Bela
      Foi sob este mote, o do Amor, substanciado e           Criação - com início precisamente nesta grande
falado em torno do tema «Ser Dom», nos exemplos              Festa com uma Exposição conjunta SolSal - Projec-
de superação, de criatividade, de autenticidade e do         to de Solidariedade Salesiana, e Articentro, Centro
bom samaritano, que toda a Comunidade Escolar                de Expressão Plástica das OSJ.
das Oficinas de S. José canalizou o seu trabalho, a                É com um gosto redobrado que fazemos a ree-
sua curiosidade e aprendizagem para aquilo que en-           dição desta mostra, desta feita a celebrar o encerra-
tre nós chamamos Área Projecto. Projectos de Inte-           mento do ano escolar e de actividade SolSal, e que
lectualidade, de Afecto, mas sobretudo Projectos de          poderá ser visitada, no Sábado dia 25 de Junho, na
Vida que, fazendo justiça ao Estilo Salesiano de D.          Biblioteca e no Articentro, onde poderá ver obras de
Bosco, se começam justamente a edificar desde ce-            Pintura, Escultura, Desenho e Fotografia, e onde po-
do no espaço Escola.                                         derá participar em tertúlias e workshops em torno
                                                             dos temas da Criatividade, Solidariedade, Paridade
     A Exposição Ser Dom, cuja inauguração teve              e Cidadania, num ambiente repleto de Juventude,
lugar no dia 31 de Maio, no Ginásio das Oficinas de          Amor e de Vida, plena... vivida :)
S. José, no contexto geral das Festas consagradas
ao tema e à N.ª Senhora Auxiliadora que decorre-                  Porque é Bela a Criação e este é nosso pre-
ram entre os dias 25 de Maio e 2 de Junho, com o ar-         sente de Amor endereçado ao próximo, visite-nos e
ranque do Festival Gímnico, é a síntese mais rica e          passe os olhos nestas pequenas maravilhas e con-
detalhada de todo este esforço colectivo                     teúdos que aqui deixamos antever.
     No Articentro acolhemos o tema com todo o co-
ração e fizemos deste ano um ano dedicado à Criati-                                                 Nuno Quaresma
vidade, orientada para o Amor, Tolerância, Paz, Soli-             Professor Pintura, Desenho, Ilustração e BD - Articentro
06




A Arte como o Direito de
construção da Expressão
     Abstract                                                vo e a diferenciação emocional, e, é responsável pe-
     Tendo como premissa fundamental o direito que           la constante organização e reorganização pessoal
todas as pessoas têm em conseguir expressar a                de significados (Guidano & Liotti, 1983). Por seu tur-
compreensão que têm do mundo, procurou-se im-                no, Eisner (2008) explica que a arte proporciona um
plementar uma estratégia eficaz para a compreen-             sentido de vitalidade e uma “explosão de emoções”
são e expressão dos direitos da criança através de           e revela como as experiências de vida podem ter um
dois exercícios promotores da interiorização, com-           significado pessoal profundo e, que por isso, serve
preensão e expressão dos elementos da linguagem              de modelo para a educação.
visual. A realização destes exercícios revelou que os             A Lei de Bases do Sistema Educativo considera
direitos e os elementos da linguagem visual foram            a promoção da educação artística um direito e um
compreendidos e utilizados na comunicação de idei-           dever no panorama educativo nacional que permite
as, exemplificando os efeitos positivos da educação          “sensibilizar para as diversas formas de expressão
artística no desenvolvimento pessoal.                        estética, detectando e estimulando aptidões nesses
                                                             domínios” (alínea c do artº 7º da LBSE, 2005). No en-
     Para a cultura africana Akan, personalidade, in-        sino básico, a educação artística estrutura-se em tor-
teligência e carácter (Sumsum e Suban) são ingredi-          no de quatro competências transversais: a apropria-
entes fundamentais da construção da identidade               ção das linguagens elementares das artes, o desen-
pessoal, visão que demonstra como esta cultura re-           volvimento da capacidade de expressão e comuni-
conhece o papel dinâmico do organismo, num contí-            cação, o desenvolvimento da criatividade e, ainda, a
nuo processo de reorganização da complexidade in-            compreensão contextualizada das artes (ME,
terna, que segundo Greenberg e Pascual-Leone                 2001). Seguindo estas orientações procurou-se im-
(1995) constituem o cerne do paradigma construti-            plementar um estratégia promotora das competên-
vista.                                                       cias específicas de fruição-contemplação, produ-
     O papel proactivo da pessoa na construção do            ção-criação e reflexão–interpretação contempladas
seu percurso de vida foi realçada por Dewey (1934)           nos princípios da educação artística para adoles-
ao acentuar o papel da experiência e da arte nessa           centes (ME, 2001). Esta estratégia teve como base
construção. A arte seria um exemplo da vivência hu-          a concepção construtivista sobre a interacção entre
mana, na medida em que a sua essência consiste               conhecimento e factores motivacionais e emociona-
na construção do sentido de si e dos outros através          is como determinante para a construção do conheci-
dos sentidos e do desenvolvimento da necessidade             mento visual (e.g. Gregory, 1978). Mais concreta-
de estética (Dewey, 1934). De acordo com o para-             mente, procurou-se a interiorização dos princípios
digma construtivista, o processo desenvolvimentis-           do pensamento e linguagem visual na medida em
ta envolve a alternância entre o crescimento cogniti-        que estes possibilitam uma leitura compreensiva da
07




realidade (e.g. Eisner, 2002), a representação de ide-        uma reflexão sobre o uso dos elementos da lingua-
ias (Dondis, 1991) e a formação de conceitos (e.g.            gem visual, apelando para a observação, e subse-
Löwgren & Stolterman, 2005).                                  quente interpretação, que não havia sido solicitada
                                                              na primeira fase e incentivar o processo de desco-
     Estratégia de desenvolvimento artístico                  berta do código visual específico. Deste modo, a se-
     A estratégia didáctica consistiu no desenvolvi-          gunda fase do primeiro exercício apelou para per-
mento de dois exercícios consecutivos: a elabora-             cepção do todo, através da descodificação e com-
ção de uma imagem e a subsequente atribuição de               preensão das imagens construídas a partir da for-
um significado e a ilustração de um conceito. Foi             mação de uma gestalt dinâmica (e.g. Löwgren & Stol-
aplicada a 100 alunos do 8º ano de escolaridade nu-           terman, 2005). A conciliação das combinações com
ma escola do ensino particular e cooperativo de uma           um tema, incentivou a procura de soluções mais fle-
zona rural da Estremadura.                                    xíveis (e.g. Torrance, 1988). O segundo exercício
     O primeiro exercício pretendeu sistematizar o            procurou incentivar a simplificação de uma realida-
processo de representação de ideias a partir da lin-          de abstracta – um direito humano, e compreendê-lo
guagem visual (Dondis, 1991) e subsequente reco-              e expressá-lo de forma funcional no sentido de uma
nhecimento, interpretação e comunicação do seu                comunicação clara (Lupton & Miller, 1991).
significado (Buttenfield & Mackaness, 1992). Na pri-               Em termos de avaliação das produções dos alu-
meira parte deste exercício pedia-se a aplicação de           nos, os critérios utilizados procuraram contemplar a
uma linguagem imagética sem preocupação com a                 composição dos elementos da linguagem visual e
representação de uma ideia. Eram especificadas re-            os indicadores utilizados para apreciar produtos cria-
gras de composição e do agrupamento das figuras               tivos, nomeadamente a fluência, que se refere ao nú-
geométricas e, embora alguns alunos em todas as               mero de ideias pertinentes, a flexibilidade, que se re-
turmas tivessem manifestado expectativas de insu-             fere ao número de categorias ou temas abordados,
cesso face à composição final, todos, sem excep-              a originalidade, definida pela infrequência estatísti-
ção, conseguiram realizar o exercício. Ao solicitar a         ca, a elaboração, associada ao número de porme-
experimentação de todas as possibilidades de com-             nores e a expressividade e riqueza da imagem (Tor-
binação das figuras, procurou-se, por um lado, facili-        rance, 1966) e, ainda, a adequação (e.g. Nickerson,
tar o processo criativo a partir de novos modelos (Pa-        Perkins & Smith, 1985), ou seja, a possibilidade de
ivio, 1971) e, por outro, o processo de representa-           adaptação à realidade. Em termos muito concre-
ção proposicional, decompondo e compondo os ele-              tos, foi atribuída uma classificação de 1 a 5 a cada
mentos para depois numa segunda fase recompô-                 exercício sendo 1 não contempla nada e 5 contem-
los a partir de operações lógicas (Dean, Scherzer &           plou tudo, a partir dos seguintes critérios:
Chabaud, 1986), na medida em que as imagens per-                   fluência – nº resposta dadas adequadas à pro-
mitem a criação de novas ideias (Cornelius & Casler,          posta e o cumprimento das regras (a presença de 6
1991). Por isso, após a composição realizada, pro-            rectângulos, 9 figuras, variação em termos de apli-
curou-se, na segunda fase do exercício, promover              cação de figuras, direcção, composição, escala).
08




     flexibilidade – utilização de diferentes categori-
as do conhecimento para atribuir significados ou ilus-           rance, 1988). Como Bovet e Voelin (2007) defen-
trar o conceito.                                                 dem, a utilização da imagem é estruturante do racio-
     originalidade – infrequência de respostas e não-            cínio e por isso o trabalho em torno da percepção, vi-
recurso a imagens estereotipadas.                                sualização e abstracção, predispõe para o desen-
     elaboração – riqueza da variação em termos de               volvimento de operações mentais de raciocínio em
aplicação de figuras, direcção, composição, escala               situações novas (Primi, 2002) e a sua transferência
exploração flexível do espaço representado (com-                 para outros domínios a partir dos processos de ob-
posição dinâmica e estática) e rigor utilizado na cons-          servação, visualização, inovação e reflexão (He-
trução das ideias.                                               tland & Winner, 2008). Por isso, esta proposta de tra-
     expressividade – fortalecimento do código das               balho permitiu sensibilizar 100 adolescentes para os
formas mostrando riqueza emocional.                              Direitos da Criança e proporcionar-lhes uma forma
     apreciação global - avaliação geral do trabalho             de expressão diferente das habituais, promovendo,
tendo em conta a composição das figuras e a criati-              assim, o direito à expressão. Possibilitou ainda que
vidade.                                                          desenvolvessem o seu Sumsum e Suban de modo a
     Para a avaliação da eficácia da implementação               construir o sentido de si e dos outros, fornecendo as-
da estratégia, procedeu-se à analise comparativa                 sim os alicerces para uma Beautiful Creation.
dos resultados dos dois exercícios a parir dos seis
critérios definidos na literatura: fluência, flexibilida-                       Sara Bahia & José Pedro Trindade
de, originalidade, elaboração, expressividade e                                ANEIS Lisboa & ANEIS Torres Vedras
                                                                      Associação Nacional para o Estudo e Intervenção na Sobredota-
apreciação global. Foi utilizado um teste t para amos-                                                                         ção.
tras emparelhadas, verificando-se diferenças signi-
ficativas em todos os critérios entre o primeiro e o se-                        Referências bibliográficas
gundo exercício para a fluência, a originalidade, a                   Bovet, M., & Voelin, D. (2007). O papel da ima-
elaboração, a expressividade e a apreciação global               gem mental no raciocínio operatório: auxiliar ou es-
significativas para p<0.01 (t (99) = -2,85, p<0,01;              truturante? Educar, Curitiba, 30, 107-130.
t(99) = -5,82, p<0,01; t(99) = -5,25, p<0,01; t (99) = -                 Buttenfield B. & Mackaness, W. (1991). Visu-
7,84, p<0,01; t (99) = -8,08, p<0,01, respectivamen-             alisation In D. J. Maguire, M. F., Goodchild & D. W.
te). As diferenças para a flexibilidade foram menos              Rhind (eds), GIS: Principles and Application. Vol. 1
fortes mas ainda significativas: p<0,05 (t(99) = -2,43,          (pp. 427-443). London, Longman.
p<0,05). Estas diferenças entre o primeiro e o se-                       Cornelius, G. & Casler, J. (1991). Enhancing
gundo exercício revelam que os 100 alunos interiori-             creativity in young children: Strategies for teaching.
zaram e aplicaram elementos da linguagem visual.                 Curriculum and Teaching, 6 (2) 67-72
                                                                         Dean, A. L., Scherzer, E., & Chabaud, S.
    Síntese conclusiva                                           (1986). Sequential ordering in children's representa-
    Todas as experiências que saiam da rotina, são               tions of rotation movements. Journal of Experimen-
potencialmente promotoras da criatividade (e.g. Tor-
09




tal Child Psychology (42) 99-114
        Dewey, J. (1934). Art as Experience. New                       Nickerson,R S, Perkins, D & Smith, E. E.
York: Minton Balch and Co                                       (1985). The Teaching of Thinking. Hillsdale, New Jer-
        Dondis, D. A. (1991). A sintaxe da linguagem            sey: Lawrence Erlbaum Associates
visual. São Paulo: Martins Fontes,                                     Paivio, A. (1971). Imagery and verbal proces-
        Eisner, E. (2002). The arts and the creation of         ses. New York: Holt, Rinehart and Winston.
mind. New Haven, CT: Yale University Press.                            Primi, R. (2002). Complexity of geometric in-
        Eisner, E. (2008). What Education Can Learn             ductive reasoning tasks: Contribution to the unders-
from the Arts. The Lowenfeld lecture, 2008 NAEA Na-             tanding of fluid intelligence. Intelligence, 30, 41-70
tional Convention. New Orleans: Louisiana                              Torrance, E. P. (1966). Torrance Tests of Crea-
        Greenberg, L. & Pascual-Leone, J. (1995). A             tive Thinking: Norms technical manual (Research
dialectical constructivist approach to experiential             Edition). Princeton, NJ: Personnel Press.
change. Em Neimeyer, R. A. & Mahoney, M. J.                            Torrance, E. P. (1988). The nature of creativity
(Orgs.). Constructivism in psychotherapy (pp. 169-              as manifest in its testing. In R. J. Sternberg (Ed.),
191). Washington DC: American Psychological Asso-               The nature of creativity: contemporary psychological
ciation Press
        Gregory, R. L. (1978). Space in pictures. In C.
F. Nodin & D. F. Fisher (Eds.), Perception and Repre-
sentation (pp. 228-245). New York: Praeger.
        Guidano, V., & Liotti, G. (1983). Cognitive pro-
cesses and emotional disorders. New York: Guilford
Press.
        Hetland, L. & Winner, E. (2008). Studio Thin-
king. In V. Lindberg & K. Borg (Eds.) Kunskapande,
kommunikation och bedömning i gestaltande utbild-
ning (pp. 47-57). Stockholms Universitets Förlag.
        Löwgren, J. & Stolterman, E. (2005). Though-
tful interaction design: a design perspective on infor-
mation technology. Mass.: The MIT Press,.
        Lupton, E. & Miller, J.A. (1991). The ABCs of
The Bauhaus and design theory. Princeton Architec-
tural Press.
        ME (2001). Currículo Nacional do Ensino Bá-
sico - Competências Essenciais. Lisboa: Departa-
mento da Educação Básica do Ministério da Educa-
ção.
10




Direito à Educação [MANIFESTO]



      Pensa na vida como se fosse andar de bicicleta, a cada pedalada vinha-te uma
 ideia à cabeça, isso era genial mas também uma confusão, tinhas de ter um bloco de
 notas, uma caneta e (só se quiseres) uma máquina fotográfica.

      Mas imagina, andar de bicicleta não é só pedalar, mas sim estruturares,
 organizares e memorizar as tuas ideias, para de seguida exprimi-las aos teus colegas
 e familiares.

     Pensa agora na vida boa que tens, achas que poderia ser mesmo melhor?

      Tens o Direito à Educação e dou-te um conselho, não o uses mal, não o
 desperdices, porque há muitas crianças que não o têm, enquanto tu podes seguir o
 teu sonho e ser cantor(a), médica(o), empresária(o), professor(a) entre outras.

       Aqueles que não têm nada, sonham um dia em ter a mesma oportunidade que tu
 – ir para a Escola.

                                                                     Sofia Trindade
Catálogo exposição bela criação final 2011
12




OS PRIMEIROS PASSOS... PARA A BELA CRIAÇÃO
     A nossa disciplina de Desenvolvimento pela
Arte/ Expressarte segue um modelo onde o aluno              do dia-a-dia e até dos problemas especificamente
tem um papel activo, onde se incentiva à                    curriculares.
participação assertiva, descoberta, reflexão e
genuinidade, num ambiente acolhedor a aceitante.                 Esta mostra de trabalhos partilha os percursos,
                                                            as inquietações e as reflexões que os alunos de
     Aqui não nos focamos no ensino de um                   Desenvolvimento pela Arte/ Expressarte foram
conjunto de técnicas artísticas propriamente ditas          desenvolvendo ao longo de um ano lectivo cheio de
(como em Pintura, Ilustração e BD ou Laboratório de         descobertas, dos quais destacamos o tema “Os
Artes), mas sim dar oportunidade aos alunos do 1º           Direitos Humanos”. Tendo em conta a Natureza
ciclo para as explorar, de uma forma livre e                deste, os trabalhos apresentados adquirem a forma
dinâmica, em momentos lúdicos, criativos e de               de “manifestos” relacionados com:
expressão individual. É através da exploração de
mediadores expressivos como as expressões                        - Noção de pessoa;
plástica, corporal, dramática, os jogos de grupo e a             -Importância do respeito dos Direitos
percussão corporal que pretendemos promover:                      Humanos no quotidiano e nas relações
     - Criatividade;                                              interpessoais;
     - Espontaneidade;                                           -Importância e significado de valores como o
     - Psicomotricidade;                                          respeito, dignidade, não-discriminação;
     - Conhecimento de si e do outro;                            -Visões do mundo/ Visões para um mundo
     - Brincar;                                                   melhor.
     - Expressão não-verbal;
     - Relação entre pares;                                      Assim, acreditamos que o SER DOM parte do
     - Expressão de emoções e visões pessoais;              princípio de SER-SE, ser-se genuíno, ser-se a si, e
     - Aceitação das diferenças;                            para alcançar a pessoa que existe dentro de cada
     - Cooperação e a entre-ajuda.                          aluno Expressarte, para alcançar a Bela Criação,
                                                            iremos continuar este percurso que se foca na
     É sobre esta visão integrativa da criança,             Expressão Humana como o alicerce indissociável
enquanto ser que sente, pensa, cria, ri, cheira,            de se SER DOM.
brinca, se relaciona, interpreta…, que construímos               .
actividades para o desenvolvimento destas
competências chave. São chave, pois são                                                       Inês Hassamo
autênticos alicerces para a aprendizagem de si e da                     Professora Desenvolvimento pela Arte/
procura das melhores soluções perante obstáculos -                                    Expressarte | Articentro
                                                                                       Psicóloga Educacional
13




Algumas visões dos nossos Alunos…

 «O Direito de ser criança», Mariana Carneiro

 «O Direito de ser feliz», Mafalda Carneiro

 «De Viver em paz e liberdade», Madalena Lourenço

 «O Direito de ter um mundo melhor», Rita Nunes

 «O Direito de a Natureza ser saudável», Marta Fernandes

 «Direito de pintar bem ou mal, de desenhar à vontade», Mariana Carneiro

 «Há o Direito de ver as coisas, de olhar para as pessoas livremente», Madalena Lourenço

 «De serem observadas, de gostarem das outras, para poderem admirarem o que as outras
 fazem», Marta Fernandes

 «Direito de ter pessoas a gostarem dela», Rita Nunes

 «Tudo envolve os Direitos - Direito de visitar outros sítios, pessoas, tradições, línguas.
 Poder amar [...] Conhecer outros povos, dormir numa cama boa [...]», Marta Fernandes

 «Os descobrimentos de coisas novas [...] Descobrir a luz – Sem o Sol não vivíamos, sem a
 luz também não, porque o Sol é uma luz. Direito de descobrir. É preciso descobrir para
 viver [...] Consegui ser mais aceitante», Rita Nunes



               ... Sem pontos finais, apenas espaço para pensar...
Catálogo exposição bela criação final 2011
15




              “S. Jorge e o Dragão”                                   “Cavalo Possante”                       “Chuva de Amor”
           Escultura em pasta de papel                                Acrílico sobre tela                    Acrílico sobre tela
                  Tomás Serrão                                         Maria Xara Brasil                Beatriz Troni e Teresa Cabral
Cotação: Testes Psicológicos WISC-III - Escala de Inteligência de        Colecção da Autora   Cotação: Testes Psicológicos WISC-III - Escala de Inteligência de
              Weschler para Crianças - 3ª edição                                                            Weschler para Crianças - 3ª edição




             “As Cores das Emoções”                                 “As Cores das Emoções”                 “As Cores das Emoções”
               Aguarela sobre papel                                   Aguarela sobre papel                   Aguarela sobre papel
                Madalena Lourenço                                         Rita Nunes                           Mariana Carneiro
                      Colecção da Autora                                 Colecção da Autora                         Colecção da Autora
16




             “As Cores das Emoções”                                          “Renascimento”                                   “Alegria”
               Aguarela sobre papel                                         Acrílico sobre tela                          Acrílico sobre tela
                 Mafalda Carneiro                                             Teresa Cabral                        Beatriz Troni e Teresa Cabral
                      Colecção da Autora                                       Colecção da Autora        Cotação: Testes Psicológicos WISC-III - Escala de Inteligência de
                                                                                                                       Weschler para Crianças - 3ª edição




                “Guerreiro Onírico”                                 “Como eu vejo os Direitos Humanos”           Como eu gostava de ver o céu”
              Acrílico e óleo sobre tela                                  Colagem sobre papel                      Técnica mista sobre tela
                    Bruno Antunes                                           Marta Fernandes                           Mafalda Carneiro
Cotação: Testes Psicológicos WISC-III - Escala de Inteligência de             Colecção da Autora                               Colecção da Autora
              Weschler para Crianças - 3ª edição
17




                   “Os dois amigos”                                                       “Azeitão”                                            “Liberdade”
                   Acrílico sobre tela                                                Cartão recortado                                      Acrílico sobre tela
                     Maria Barão                                                        Maria Barão                                              Colectivo
Cotação: Testes Psicológicos WAIS-III - Escala de Inteligência de   Cotação: Livro/ Publicação sobre o tema da Pintura, Desenho e        Cotação: 10 tubos de tinta de óleo
               Weschler para Adultos - 3ª edição                                            Artes Plásticas




                    “Retrato Azul”                                                        “A Teia”                                             “Contraste”
                  Acrílico sobre tela                                                  Óleo sobre tela                                       Óleo sobre tela
                  Maria Xara Brasil                                                     Ana Anahory                                          Ringo Nogueira
                     Cotação: 1 Aspirador                                                Colecção da Autora                         Cotação: 1 Leitor de DVD para sala de aula
18




     “O Sol e a Vida”                                          “Rouxinol”                                        “O meu arco-íris”
     David Quaresma                                        Acrílico sobre tela                               Acrílico e óleo sobre tela
    Aguarela sobre tela                                     Miguel Santos                                           Laura Gidro
 Cotação: Um Livro de Contos Infantis   Cotação: Um estojo com lápis de cor, aguarela e afia para o Filipe         Colecção da Autora




    “História de mim”                                         “A menina”                                      “O Dragão em Azeitão”
Técnica Mista sobre cartão                                 Ácrílico sobre tela                               Acrílico e óleo sobre tela
       Laura Gidro                                           Ana Anahory                                            Maria Barão
         Colecção da Autora                                    Colecção da Autora                                  Colecção da Autora
19




     “Rosto 1”                       “Rosto 2”                        “Rosto 3”
Aguarela sobre papel      Técnica mista e tratamento digital   Desenho em suporte digital
    Inês Zenha                      Inês Zenha                       Inês Zenha
    Colecção da Autora              Colecção da Autora               Colecção da Autora




   “Sem Abrigo”                    “No Differences”                    “Homem”
  Óleo sobre tela                   Óleo sobre tela               Carvão sobre papel
    Inês Zenha                        Inês Zenha                      Inês Zenha
  Cotação: 1 Computador             Colecção da Autora               Colecção da Autora
20




31                                  32                              33




     “Sonhar por um porto seguro”               “Esquecer”                 “À solta na pradaria”
         Grafite sobre papel                Grafite sobre papel             Grafite sobre papel
              Luísa Villar                     Luísa Villar                     Luísa Villar
            Colecção da Autora                 Colecção da Autora             Colecção da Autora




34                                  35                              36




     “Desfolhando o Malmequer”           “Remorsos de um caçador”        “O meu bom fiel Amigo”
         Grafite sobre papel                Grafite sobre papel            Grafite sobre papel
             Luísa Villar                       Luísa Villar                  Luísa Villar
            Colecção da Autora                 Colecção da Autora             Colecção da Autora
21




37                                     38                              39




          “Paz no Mundo”                       “Paz no Mundo”                            “Paz no Mundo”
       Técnica Mista sobre tela             Técnica Mista sobre tela                  Técnica Mista sobre tela
             Colecção da Autora                  Colecção da Autora                         Colecção da Autora




40                                     41                              42




     “A lua, o sol e as estrelinhas”            “O Leopardo”                              “M de Matilde”
           Acrílico sobre tela                Acrílico sobre tela           Marcador sobre quadro magnético, obra efémera
             Sarah Pauthier                    Carolina Amaral                       Matilde Rebello Andrade
             Colecção da Autora                  Colecção da Autora
22




43                                                          44                                             45




                     “Grafitti”                                              “Ondas”                                 “Conversa no Jardim”
               Marcador sobre papel                              Acrílico e têmpera sobre tela                         Acrílico sobre tela
                   Filipe Leite                                           Inês Rebelo                                  Maria Xara Brasil
     Cotação: Uma tela e uma caixa de carvão para desenho        Cotação: Conjunto de tintas de aguarela        Cotação: 1 tela e 1 caixa de tintas acrílicas




46                                                          47                                             48




          “Arco Íris na Serra da Estrela”                              “O Sr. Polícia”                           “Salto do Homem Aranha”
            Lápis de cor sobre papel                                Marcador sobre papel                           Marcador sobre papel
                    Sofia Santos                                    Jorge Poligó Tavares                              Rodrigo Soares
                      Colecção do Papá                                Cotação: Um pião «Beiblade»                    Cotação: Um pião «Beiblade»
23




49                                                                     50                                           51




                      “Nossa Senhora”                                               “Cálice”                                  “O cão da avó Mizé”
                     Desenho sobre papel                                       Desenho sobre papel                             Acrílico sobre tela
                       Flávio Baptista                                            Beatriz Troni                                 Carolina Amaral
     Cotação: 1 caixa de carvão e 1 caixa de giz branco para desenho        Cotação: 1 Bloco de papel de aguarela               Cotação: Livro sobre Arte




52                                                                     53                                           54




                        “Águia Real”                                         “Tempestade no Castelo”                          “Três Amores”
                  Lápis de cor sobre papel                                    Pastel seco sobre papel                    Técnica mista sobre papel
                     Maria Xara Brasil                                      Ruben Guerreiro dos Santos                         Laura Gidro
                           Colecção da Autora                                      Cotação: 1 par de ténis               Cotação: 1 bloco A3 de papel cavalinho
24




55                             56                                                                57




           “Que susto”                               “Herói Manga”                                          “Auto-Retrato”
     Pastel seco sobre papel                        Acrílico sobre tela                                  Acrílico sobre tela
         Bruno Antunes                               Tomás Serrão                                      Matilde Rebello Andrade
           Cotação: Tecidos           Cotação: caixa com lápis de grafite do espectro H até 7B              Colecção da Autora




58                             59                                                                60




      “Retrato da Mónica”                          “Romano”                                           “Retrato de uma rapariga”
      Carvão sobre papel            Carvão e têmpera branca sobre papel pardo                            Carvão sobre papel
     Maria Luísa Lino Silva                         Zé Maria                                            Maria Luísa Lino Silva
                                                Cotação: Ecoponto para sala de aula
25




61                                                               62                                                          63




        “Ilustração sobre Direitos Humanos”                                          “O Grito”                                                  “S. Jorge e o Dragão”
                Colagem sobre papel                                       Óleo e tinta de ouro sobre tela                                    Escultura em pasta de papel
                  Marta Fernandes                                            Maria Carolina Amaral                                                  Tomás Serrão
                                                                      Cotação: Bolsa de Oportunidades de Actividades Extra        Cotação: Testes Psicológicos WISC-III - Escala de Inteligência de
                                                                                      Curriculares Artisport                                    Weschler para Crianças - 3ª edição




64                                                               65                                                          66




                    “Naked Lunch”                                     “Como eu vejo os Direitos Humanos”                                “Anjos para a Comunidade Vida e
         Acrílico e assemblagem sobre tela                                Carvão e giz sobre papel                                       Paz”Colagens montadas em 3D
                Humberto Fernandes                                           Isabel de Figueiredo                                                   Colectivo
     Cotação: Computador com acessórios e ajudas técnicas para                  Cotação: 10 Paletas para pintura                     Oferta a favor da CVP para a decoração da Ceia de Natal
                crianças com necessidades especiais
26




67                                                                   68                                                                   69




                      “Ratinho contente”                                                      “Big Bang”                                                  “Rosa dos ventos”
                       Cartão recortado                                                     Cartão recortado                                                 Técnica mista
                         Maria Barão                                                          Maria Barão                                                Maria Carolina Amaral
     Cotação: Livro/ Publicação sobre o tema da Pintura, Desenho e        Cotação: Livro/ Publicação sobre o tema da Pintura, Desenho e        Cotação: Bolsa de Oportunidades de Actividades Extra
                             Artes Plásticas                                                      Artes Plásticas                                              Curriculares Artisport




70                                                                   71                                                                   72




            “O Universo aos nossos pés”                                            “Viagem em torno do mundo”                                    Como eu gostava de ver o céu”
          Acrílico, esmalte e óleo sobre tela                                        Técnica mista sobre tela                                      Técnica mista sobre tela
        José Maria Leitão, Santiago Martins e                                             Teresa Cabral                                               Mafalda Carneiro
                     Vicente Palma                                              Cotação: BENDER - Teste Guestaltico Visuo-motor
         Cotação: 1 Máquina de Costura para espaço de aula
27




73                                      74                                                75




      “Prima vestida de Arquitecta”                      “Super Bruno”                         “Auto Retrato na pose da Barbie”
       Imagem em suporte digital                    Imagem em suporte digital                     Imagem em suporte digital
        Matilde Rebello Andrade                          Bruno Antunes                             Matilde Rebello Andrade
              Colecção da Autora                           Colecção do Autor                            Colecção da Autora




76                                      77                                                78




     “Exercício de coloração digital”        “Artistas com barco de velas de borboleta”           Fanzine Cabe na cabeça
       Imagem em suporte digital                      Imagem em suporte digital                 Publicação em suporte digital
              Maria Barão                              Matilde Rebello Andrade                           Colectivo
              Colecção da Autora                           Colecção da Autora                           disponível on line
Já disponível on-line no endereço:

http://pt.scribd.com/doc/54129578/Proposta-Fanzine-Articentro-Cabe-na-Cabeca-edicao-00


                                                             Ilustrações: Nuno Castro, Teresa Cabral, Maria Xara Brasil e Carolina Amaral




                                                                          edição
                                                                          experimental




                                                                          00a
29
30
31
32
33
34




     Homenagem a D. Bosco
     Tema e objecto do worshop do Articentro no dia 25.06.2001
     intitulado « Educar com o Coração, segundo D. Bosco» -
     Arte, Biologia da Educação/ Amar e Jogar, o fundamento
     esquecido do humano
35




solsal
Necessidades
36




Nome completo

  Nome abreviado
                    (O computador forma o nome abreviado pelo 1.º, 2.º e último nome automaticamente. No caso de pretender outra opção, escolha três nomes.)



   Empresa ou
    Instituição
            Sigla
                                                                      (A preencher em situação de apoio cedido por Empresas ao abrigo do Estatuto do Mecenato)



             Morada

           Freguesia
       Código Postal                                       Localidade
           Telemóvel                                                                         Telefone de casa
              E-mail
                 @                                                                             N.º Contribuinte



                                  Valores                                           Género                                Valor Pecuniário
                                                          Descrição




 FICHA DE RECEPÇÃO DE
 DONATIVOS A FAVOR DO
 PROJECTO SOLIDARIEDADE                                                                                 Total
 SALESIANA
http://articentro-osj.blogspot.com




Web. http://www.wix.com/popmagosj/popmag-oficinasdesaojose
Email. nuno.quaresma@salesianos.pt,
        paula.valente@salesianos.pt,
        ines.hassamo@salesianos.pt
Tel. 210 900 508/ 210 900 539
Uma iniciativa:




Oficinas de S. José, Associação Educativa, é uma IPSS (Registo nº3, nos termos da Portaria nº860/91, de
20 de Agosto) ao abrigo do Estatuto das Instituições Particulares de Solidariedade Social (Decreto-Lei nº 119/93,de 25 de
Fevereiro), consagrada à educação, através da prosecussão de actividades de ensino, culturais, desportivas e recreativas, e
ao apoio a jovens, nomeadamente os mais carenciados, na organização de actividades de tempos livres, centros escolares,
cantinas, obtenção de subsídios de estudo, alimentação e orientação profissional.
O cumprimento deste Projecto Social, Educativo e Cultural é desenvolvido pela SolSal. Solidariedade Salesiana. Se desejar
conhecer mais sobre o Projecto e os seus beneficiários, visite:
                                    www.solsal-solidariedadesalesiana.blogspot.com




                                      solsal

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A leitura de imagem na sala de aula
A leitura de imagem na sala de aulaA leitura de imagem na sala de aula
A leitura de imagem na sala de aula
Beth Kozikoski
 
LEITURA DE IMAGENS DAS OBRAS DE ANITA MALFATTI E MARCO LENÍSIO E A PERCEPÇÃO ...
LEITURA DE IMAGENS DAS OBRAS DE ANITA MALFATTI E MARCO LENÍSIO E A PERCEPÇÃO ...LEITURA DE IMAGENS DAS OBRAS DE ANITA MALFATTI E MARCO LENÍSIO E A PERCEPÇÃO ...
LEITURA DE IMAGENS DAS OBRAS DE ANITA MALFATTI E MARCO LENÍSIO E A PERCEPÇÃO ...
Vis-UAB
 
Para uma educação da sensibilidade | Por: Maria Cristina Meirelles Toledo Cruz
Para uma educação da sensibilidade | Por: Maria Cristina Meirelles Toledo CruzPara uma educação da sensibilidade | Por: Maria Cristina Meirelles Toledo Cruz
Para uma educação da sensibilidade | Por: Maria Cristina Meirelles Toledo Cruz
institutobrincante
 
Portifolio História de Coisas, Artes e Ofícios
Portifolio História de Coisas, Artes e OfíciosPortifolio História de Coisas, Artes e Ofícios
Portifolio História de Coisas, Artes e Ofícios
Patricia Almeida Ashley
 
Revista gobelins (1)
Revista gobelins (1)Revista gobelins (1)
Revista gobelins (1)
Carol Pestitschek
 
O USO DE MÁSCARA COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO
O USO DE MÁSCARA COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO O USO DE MÁSCARA COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO
O USO DE MÁSCARA COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO
Vis-UAB
 
Das charleswatson
Das charleswatsonDas charleswatson
Das charleswatson
galeriaponto
 
Com quantas interrogações se faz um brincante | Por: Marina Abib
Com quantas interrogações se faz um brincante | Por: Marina AbibCom quantas interrogações se faz um brincante | Por: Marina Abib
Com quantas interrogações se faz um brincante | Por: Marina Abib
institutobrincante
 
ARTES VISUAIS: LEITURA DE IMAGEM E A APURAÇÃO DO OLHAR PARA O ENSINO DA ARTE
ARTES VISUAIS: LEITURA DE IMAGEM E A APURAÇÃO DO OLHAR PARA O ENSINO DA ARTEARTES VISUAIS: LEITURA DE IMAGEM E A APURAÇÃO DO OLHAR PARA O ENSINO DA ARTE
ARTES VISUAIS: LEITURA DE IMAGEM E A APURAÇÃO DO OLHAR PARA O ENSINO DA ARTE
Vis-UAB
 
Monografia Cia Soma
Monografia Cia SomaMonografia Cia Soma
Monografia Cia Soma
institutobrincante
 
Tcc 2014 francielly tamiozo
Tcc 2014 francielly tamiozoTcc 2014 francielly tamiozo
Tcc 2014 francielly tamiozo
Acervo_DAC
 
Tcc 2014 diogo luciano
Tcc 2014 diogo lucianoTcc 2014 diogo luciano
Tcc 2014 diogo luciano
Acervo_DAC
 
Catalogo Semana da Fotografia 2012
Catalogo Semana da Fotografia 2012Catalogo Semana da Fotografia 2012
Catalogo Semana da Fotografia 2012
Tiberio França
 
CONSTRUIR O OLHAR: IMAGEM, CULTURA E CRIAÇÃO
CONSTRUIR O OLHAR: IMAGEM, CULTURA E CRIAÇÃOCONSTRUIR O OLHAR: IMAGEM, CULTURA E CRIAÇÃO
CONSTRUIR O OLHAR: IMAGEM, CULTURA E CRIAÇÃO
Flávia Gonzales Correia
 
A ARTE E SEUS CAMINHOS: UM PANORAMA DOS PROBLEMAS RELACIONADOS AO MEIO AMBIEN...
A ARTE E SEUS CAMINHOS: UM PANORAMA DOS PROBLEMAS RELACIONADOS AO MEIO AMBIEN...A ARTE E SEUS CAMINHOS: UM PANORAMA DOS PROBLEMAS RELACIONADOS AO MEIO AMBIEN...
A ARTE E SEUS CAMINHOS: UM PANORAMA DOS PROBLEMAS RELACIONADOS AO MEIO AMBIEN...
Vis-UAB
 
Aula 04 de linguagens e códigos e suas tecnologias
Aula 04 de linguagens e códigos e suas tecnologiasAula 04 de linguagens e códigos e suas tecnologias
Aula 04 de linguagens e códigos e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Sisal e grafite. imagens de resistência na cultura de conceição do coité
Sisal e grafite. imagens de resistência na cultura de conceição do coitéSisal e grafite. imagens de resistência na cultura de conceição do coité
Sisal e grafite. imagens de resistência na cultura de conceição do coité
UNEB
 
Pop projeto oficina de pintura
Pop projeto oficina de pinturaPop projeto oficina de pintura
Pop projeto oficina de pintura
Nuno Quaresma
 
Apostila de arte
Apostila de arteApostila de arte
Apostila de arte
Marciano Souza Silva
 

Mais procurados (19)

A leitura de imagem na sala de aula
A leitura de imagem na sala de aulaA leitura de imagem na sala de aula
A leitura de imagem na sala de aula
 
LEITURA DE IMAGENS DAS OBRAS DE ANITA MALFATTI E MARCO LENÍSIO E A PERCEPÇÃO ...
LEITURA DE IMAGENS DAS OBRAS DE ANITA MALFATTI E MARCO LENÍSIO E A PERCEPÇÃO ...LEITURA DE IMAGENS DAS OBRAS DE ANITA MALFATTI E MARCO LENÍSIO E A PERCEPÇÃO ...
LEITURA DE IMAGENS DAS OBRAS DE ANITA MALFATTI E MARCO LENÍSIO E A PERCEPÇÃO ...
 
Para uma educação da sensibilidade | Por: Maria Cristina Meirelles Toledo Cruz
Para uma educação da sensibilidade | Por: Maria Cristina Meirelles Toledo CruzPara uma educação da sensibilidade | Por: Maria Cristina Meirelles Toledo Cruz
Para uma educação da sensibilidade | Por: Maria Cristina Meirelles Toledo Cruz
 
Portifolio História de Coisas, Artes e Ofícios
Portifolio História de Coisas, Artes e OfíciosPortifolio História de Coisas, Artes e Ofícios
Portifolio História de Coisas, Artes e Ofícios
 
Revista gobelins (1)
Revista gobelins (1)Revista gobelins (1)
Revista gobelins (1)
 
O USO DE MÁSCARA COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO
O USO DE MÁSCARA COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO O USO DE MÁSCARA COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO
O USO DE MÁSCARA COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO
 
Das charleswatson
Das charleswatsonDas charleswatson
Das charleswatson
 
Com quantas interrogações se faz um brincante | Por: Marina Abib
Com quantas interrogações se faz um brincante | Por: Marina AbibCom quantas interrogações se faz um brincante | Por: Marina Abib
Com quantas interrogações se faz um brincante | Por: Marina Abib
 
ARTES VISUAIS: LEITURA DE IMAGEM E A APURAÇÃO DO OLHAR PARA O ENSINO DA ARTE
ARTES VISUAIS: LEITURA DE IMAGEM E A APURAÇÃO DO OLHAR PARA O ENSINO DA ARTEARTES VISUAIS: LEITURA DE IMAGEM E A APURAÇÃO DO OLHAR PARA O ENSINO DA ARTE
ARTES VISUAIS: LEITURA DE IMAGEM E A APURAÇÃO DO OLHAR PARA O ENSINO DA ARTE
 
Monografia Cia Soma
Monografia Cia SomaMonografia Cia Soma
Monografia Cia Soma
 
Tcc 2014 francielly tamiozo
Tcc 2014 francielly tamiozoTcc 2014 francielly tamiozo
Tcc 2014 francielly tamiozo
 
Tcc 2014 diogo luciano
Tcc 2014 diogo lucianoTcc 2014 diogo luciano
Tcc 2014 diogo luciano
 
Catalogo Semana da Fotografia 2012
Catalogo Semana da Fotografia 2012Catalogo Semana da Fotografia 2012
Catalogo Semana da Fotografia 2012
 
CONSTRUIR O OLHAR: IMAGEM, CULTURA E CRIAÇÃO
CONSTRUIR O OLHAR: IMAGEM, CULTURA E CRIAÇÃOCONSTRUIR O OLHAR: IMAGEM, CULTURA E CRIAÇÃO
CONSTRUIR O OLHAR: IMAGEM, CULTURA E CRIAÇÃO
 
A ARTE E SEUS CAMINHOS: UM PANORAMA DOS PROBLEMAS RELACIONADOS AO MEIO AMBIEN...
A ARTE E SEUS CAMINHOS: UM PANORAMA DOS PROBLEMAS RELACIONADOS AO MEIO AMBIEN...A ARTE E SEUS CAMINHOS: UM PANORAMA DOS PROBLEMAS RELACIONADOS AO MEIO AMBIEN...
A ARTE E SEUS CAMINHOS: UM PANORAMA DOS PROBLEMAS RELACIONADOS AO MEIO AMBIEN...
 
Aula 04 de linguagens e códigos e suas tecnologias
Aula 04 de linguagens e códigos e suas tecnologiasAula 04 de linguagens e códigos e suas tecnologias
Aula 04 de linguagens e códigos e suas tecnologias
 
Sisal e grafite. imagens de resistência na cultura de conceição do coité
Sisal e grafite. imagens de resistência na cultura de conceição do coitéSisal e grafite. imagens de resistência na cultura de conceição do coité
Sisal e grafite. imagens de resistência na cultura de conceição do coité
 
Pop projeto oficina de pintura
Pop projeto oficina de pinturaPop projeto oficina de pintura
Pop projeto oficina de pintura
 
Apostila de arte
Apostila de arteApostila de arte
Apostila de arte
 

Destaque

Bemutató v.6.0 sajat
Bemutató v.6.0 sajatBemutató v.6.0 sajat
Bemutató v.6.0 sajat
ccbodus
 
Teorias de la evolucion
Teorias de la evolucionTeorias de la evolucion
Teorias de la evolucion
Pablo Soto
 
Problematicas de la educacion en colombia
Problematicas de la educacion en colombiaProblematicas de la educacion en colombia
Problematicas de la educacion en colombia
hazoflaca
 
Reglamento prácticas 2012
Reglamento prácticas 2012Reglamento prácticas 2012
Reglamento prácticas 2012
carolinaportafolio
 
Informativo IAB Chile Diciembre 2009
Informativo IAB Chile Diciembre 2009Informativo IAB Chile Diciembre 2009
Informativo IAB Chile Diciembre 2009
IAB Chile
 
Informativo IAB Chile Octubre 2008
Informativo IAB Chile Octubre 2008Informativo IAB Chile Octubre 2008
Informativo IAB Chile Octubre 2008
IAB Chile
 
Abke bruins
Abke bruinsAbke bruins
Abke bruins
Sendee
 
Educação, raça e gênero.
Educação, raça e gênero.Educação, raça e gênero.
Educação, raça e gênero.
Fábio Fernandes
 
Problematicas de la educacion en colombia
Problematicas de la educacion en colombiaProblematicas de la educacion en colombia
Problematicas de la educacion en colombia
hazoflaca
 
Presentación pp
Presentación ppPresentación pp
Presentación pp
manuelzl
 
Interpretação básico
Interpretação   básicoInterpretação   básico
Interpretação básico
Diego Prezia
 
Java7 tdc2011
Java7 tdc2011Java7 tdc2011
Java7 tdc2011
Eder Magalhães
 
Dinosaurios
DinosauriosDinosaurios
Dinosaurios
laura-zami
 
Dossier Informatiu els Bastions
Dossier Informatiu els BastionsDossier Informatiu els Bastions
Dossier Informatiu els Bastions
Trek2.0
 
Adrian's Portfolio
Adrian's PortfolioAdrian's Portfolio
Adrian's Portfolio
Adrian Kok Chiang Lee
 
FANCAM資料 by Zen Startup
FANCAM資料 by Zen Startup FANCAM資料 by Zen Startup
FANCAM資料 by Zen Startup
Ryoma Machida
 
Pared informativa Holanda jornada vespertina
Pared informativa Holanda jornada vespertinaPared informativa Holanda jornada vespertina
Pared informativa Holanda jornada vespertina
alfonsopelico
 
Spanish 3 bio
Spanish 3 bioSpanish 3 bio
Spanish 3 bio
sloanie
 
1 diagnóstico eot subachoque junio 02
1   diagnóstico eot subachoque junio 021   diagnóstico eot subachoque junio 02
1 diagnóstico eot subachoque junio 02
Prosubachoque
 
Presentacion tecpro 2011
Presentacion tecpro 2011Presentacion tecpro 2011
Presentacion tecpro 2011
Juan Pablo Hernandez Flores
 

Destaque (20)

Bemutató v.6.0 sajat
Bemutató v.6.0 sajatBemutató v.6.0 sajat
Bemutató v.6.0 sajat
 
Teorias de la evolucion
Teorias de la evolucionTeorias de la evolucion
Teorias de la evolucion
 
Problematicas de la educacion en colombia
Problematicas de la educacion en colombiaProblematicas de la educacion en colombia
Problematicas de la educacion en colombia
 
Reglamento prácticas 2012
Reglamento prácticas 2012Reglamento prácticas 2012
Reglamento prácticas 2012
 
Informativo IAB Chile Diciembre 2009
Informativo IAB Chile Diciembre 2009Informativo IAB Chile Diciembre 2009
Informativo IAB Chile Diciembre 2009
 
Informativo IAB Chile Octubre 2008
Informativo IAB Chile Octubre 2008Informativo IAB Chile Octubre 2008
Informativo IAB Chile Octubre 2008
 
Abke bruins
Abke bruinsAbke bruins
Abke bruins
 
Educação, raça e gênero.
Educação, raça e gênero.Educação, raça e gênero.
Educação, raça e gênero.
 
Problematicas de la educacion en colombia
Problematicas de la educacion en colombiaProblematicas de la educacion en colombia
Problematicas de la educacion en colombia
 
Presentación pp
Presentación ppPresentación pp
Presentación pp
 
Interpretação básico
Interpretação   básicoInterpretação   básico
Interpretação básico
 
Java7 tdc2011
Java7 tdc2011Java7 tdc2011
Java7 tdc2011
 
Dinosaurios
DinosauriosDinosaurios
Dinosaurios
 
Dossier Informatiu els Bastions
Dossier Informatiu els BastionsDossier Informatiu els Bastions
Dossier Informatiu els Bastions
 
Adrian's Portfolio
Adrian's PortfolioAdrian's Portfolio
Adrian's Portfolio
 
FANCAM資料 by Zen Startup
FANCAM資料 by Zen Startup FANCAM資料 by Zen Startup
FANCAM資料 by Zen Startup
 
Pared informativa Holanda jornada vespertina
Pared informativa Holanda jornada vespertinaPared informativa Holanda jornada vespertina
Pared informativa Holanda jornada vespertina
 
Spanish 3 bio
Spanish 3 bioSpanish 3 bio
Spanish 3 bio
 
1 diagnóstico eot subachoque junio 02
1   diagnóstico eot subachoque junio 021   diagnóstico eot subachoque junio 02
1 diagnóstico eot subachoque junio 02
 
Presentacion tecpro 2011
Presentacion tecpro 2011Presentacion tecpro 2011
Presentacion tecpro 2011
 

Semelhante a Catálogo exposição bela criação final 2011

Estágio de docência em Arte Visuais_soniamarisrittmann
Estágio de docência em Arte Visuais_soniamarisrittmannEstágio de docência em Arte Visuais_soniamarisrittmann
Estágio de docência em Arte Visuais_soniamarisrittmann
soniamarys
 
Beleza natural - folha de sala
Beleza natural - folha de sala Beleza natural - folha de sala
Beleza natural - folha de sala
projecto-amarte
 
Revista Aka Arte edição 0
 Revista Aka Arte edição 0 Revista Aka Arte edição 0
Revista Aka Arte edição 0
AKA Arte
 
Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00
Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00
Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00
Nuno Quaresma
 
Proposta Fanzine Articentro Cabe Na Cabeca Edicao 00
Proposta Fanzine Articentro Cabe Na Cabeca Edicao 00Proposta Fanzine Articentro Cabe Na Cabeca Edicao 00
Proposta Fanzine Articentro Cabe Na Cabeca Edicao 00
Projeto Oficina de Pintura
 
proposições do ensino da Arte para o ensino Médio escola Henrique rocha
proposições do ensino da Arte para o ensino Médio escola Henrique rochaproposições do ensino da Arte para o ensino Médio escola Henrique rocha
proposições do ensino da Arte para o ensino Médio escola Henrique rocha
Rose Silva
 
Proposições de Arte Escola Azarias Leite 1ºA
Proposições de Arte Escola Azarias Leite 1ºAProposições de Arte Escola Azarias Leite 1ºA
Proposições de Arte Escola Azarias Leite 1ºA
Rose Silva
 
Artes
ArtesArtes
Atps artes, criatividade e recreaçao
Atps artes, criatividade e recreaçaoAtps artes, criatividade e recreaçao
Atps artes, criatividade e recreaçao
Marli Dionisia da Silva
 
35 127-1-pb
35 127-1-pb35 127-1-pb
35 127-1-pb
marleneevang
 
A Arte como Recurso Educacional de Reflexão
 A Arte como Recurso Educacional de Reflexão     A Arte como Recurso Educacional de Reflexão
A Arte como Recurso Educacional de Reflexão
Vis-UAB
 
Proposições e Estudos na Visualidade - Provocando Arte
Proposições e Estudos na Visualidade - Provocando ArteProposições e Estudos na Visualidade - Provocando Arte
Proposições e Estudos na Visualidade - Provocando Arte
Rose Silva
 
Trabalho de arte 6
Trabalho   de arte  6Trabalho   de arte  6
Trabalho de arte 6
Professor Gilson Nunes
 
-Textos-de-Apoio-DesenhoInfantil.pdf
-Textos-de-Apoio-DesenhoInfantil.pdf-Textos-de-Apoio-DesenhoInfantil.pdf
-Textos-de-Apoio-DesenhoInfantil.pdf
Vanessa Gontscharow
 
A LíNgua Do Mundo
A LíNgua Do MundoA LíNgua Do Mundo
A LíNgua Do Mundo
JoseSimas
 
O ensino-da arte na educacao infantil
O ensino-da arte na educacao infantilO ensino-da arte na educacao infantil
O ensino-da arte na educacao infantil
erlonmoreira
 
Arte e metáforas contemporaneas para pensar infância e educação
Arte e metáforas contemporaneas para pensar infância e educaçãoArte e metáforas contemporaneas para pensar infância e educação
Arte e metáforas contemporaneas para pensar infância e educação
piaprograma
 
Registo actividade net
Registo actividade netRegisto actividade net
Registo actividade net
João Lima
 
01 objeto de aprendizagem nome_fisicalidade_agosto_2012
01 objeto de aprendizagem nome_fisicalidade_agosto_201201 objeto de aprendizagem nome_fisicalidade_agosto_2012
01 objeto de aprendizagem nome_fisicalidade_agosto_2012
soniamarys
 
artes.pdf na educação de infância DGE- PT
artes.pdf na educação de infância DGE- PTartes.pdf na educação de infância DGE- PT
artes.pdf na educação de infância DGE- PT
Denise Serra
 

Semelhante a Catálogo exposição bela criação final 2011 (20)

Estágio de docência em Arte Visuais_soniamarisrittmann
Estágio de docência em Arte Visuais_soniamarisrittmannEstágio de docência em Arte Visuais_soniamarisrittmann
Estágio de docência em Arte Visuais_soniamarisrittmann
 
Beleza natural - folha de sala
Beleza natural - folha de sala Beleza natural - folha de sala
Beleza natural - folha de sala
 
Revista Aka Arte edição 0
 Revista Aka Arte edição 0 Revista Aka Arte edição 0
Revista Aka Arte edição 0
 
Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00
Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00
Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00
 
Proposta Fanzine Articentro Cabe Na Cabeca Edicao 00
Proposta Fanzine Articentro Cabe Na Cabeca Edicao 00Proposta Fanzine Articentro Cabe Na Cabeca Edicao 00
Proposta Fanzine Articentro Cabe Na Cabeca Edicao 00
 
proposições do ensino da Arte para o ensino Médio escola Henrique rocha
proposições do ensino da Arte para o ensino Médio escola Henrique rochaproposições do ensino da Arte para o ensino Médio escola Henrique rocha
proposições do ensino da Arte para o ensino Médio escola Henrique rocha
 
Proposições de Arte Escola Azarias Leite 1ºA
Proposições de Arte Escola Azarias Leite 1ºAProposições de Arte Escola Azarias Leite 1ºA
Proposições de Arte Escola Azarias Leite 1ºA
 
Artes
ArtesArtes
Artes
 
Atps artes, criatividade e recreaçao
Atps artes, criatividade e recreaçaoAtps artes, criatividade e recreaçao
Atps artes, criatividade e recreaçao
 
35 127-1-pb
35 127-1-pb35 127-1-pb
35 127-1-pb
 
A Arte como Recurso Educacional de Reflexão
 A Arte como Recurso Educacional de Reflexão     A Arte como Recurso Educacional de Reflexão
A Arte como Recurso Educacional de Reflexão
 
Proposições e Estudos na Visualidade - Provocando Arte
Proposições e Estudos na Visualidade - Provocando ArteProposições e Estudos na Visualidade - Provocando Arte
Proposições e Estudos na Visualidade - Provocando Arte
 
Trabalho de arte 6
Trabalho   de arte  6Trabalho   de arte  6
Trabalho de arte 6
 
-Textos-de-Apoio-DesenhoInfantil.pdf
-Textos-de-Apoio-DesenhoInfantil.pdf-Textos-de-Apoio-DesenhoInfantil.pdf
-Textos-de-Apoio-DesenhoInfantil.pdf
 
A LíNgua Do Mundo
A LíNgua Do MundoA LíNgua Do Mundo
A LíNgua Do Mundo
 
O ensino-da arte na educacao infantil
O ensino-da arte na educacao infantilO ensino-da arte na educacao infantil
O ensino-da arte na educacao infantil
 
Arte e metáforas contemporaneas para pensar infância e educação
Arte e metáforas contemporaneas para pensar infância e educaçãoArte e metáforas contemporaneas para pensar infância e educação
Arte e metáforas contemporaneas para pensar infância e educação
 
Registo actividade net
Registo actividade netRegisto actividade net
Registo actividade net
 
01 objeto de aprendizagem nome_fisicalidade_agosto_2012
01 objeto de aprendizagem nome_fisicalidade_agosto_201201 objeto de aprendizagem nome_fisicalidade_agosto_2012
01 objeto de aprendizagem nome_fisicalidade_agosto_2012
 
artes.pdf na educação de infância DGE- PT
artes.pdf na educação de infância DGE- PTartes.pdf na educação de infância DGE- PT
artes.pdf na educação de infância DGE- PT
 

Catálogo exposição bela criação final 2011

  • 2. “L'art ne vient pas se coucher dans les lits qu'on a faits pour lui ; il se sauve aussitôt qu'on prononce son nom. Ce qu'il aime, c'est l'incognito, ses meilleurs moments sont quand il oublie comment il s'appelle.” Jean Dubuffet “A arte não se deita nas camas que foram feitas para ela, antes foge logo que alguém pronuncia o seu nome: ela gosta de permanecer incógnita. Os seus melhores momentos são quando se esquece de como se chama. " Jean Dubuffet “Art does not come to lie down in the beds that have been made for it; it runs away as soon as anyone utters its name: it likes being incognito. Its best moments are when it forgets what it's called.” Jean Dubuffet
  • 4. 02 Pop Mag é a newsletter que semestralmente divulga a Actividade Artística no Articentro. Projecto Oficina de Pintura Magazine é ela própria um dos exercícios de design e ilustração contextualizados na actividade pedagógica de- senvolvida nesta valência do ArtiSport. Serve de súmula para cada se- mestre de trabalho e dá a oportunidade a cada Aluno de ver o seu tra- balho a partir do contexto geral e não apenas do seu projecto pessoal. Um trabalho colectivo, feito com amor e dedicação, com o melhor de cada Autor, na forma do seu dom e talento, para toda a Comunidade Escolar e para a Comunidade em Geral. Ficha Técnica: Redacção e coordenação de conteúdos: Nuno Quaresma, Inês Hassamo e Paula Valente Projecto gráfico inicial: oferta Jtb & Guru Design and Art Projects Editor de Arte: Nuno Quaresma Comissária do evento e revisão científica dos conteúdos: Inês Hassamo Fotografia e Ilustração: Alunos Articentro e CAL SolSal Colaborações: Pe. José Cordeiro, José Morais, Jor- ge Santos, Alexandra Constantino, Sara Bahia, José Pe- dro Trindade, Sofia Trindade, Maria Ana Lima, Marta Fi- gueira, Íris Arriscado, Ana Maggiolly e Equipa de Manu- tenção das Oficinas de S. José. Publicação: on-line, em: http://pt.scribd.com/pop_lisboa/shelf
  • 5. 03 ÍNDICE 04 12 Mensagem Articentro, Os primeiros passos... Oficinas de S. José para a Bela Criação Equipa Articentro Inês Hassamo 05 13 Introdução Algumas Visões dos «Bela Criação» nossos Alunos Nuno Quaresma Alunos de Desenvolvimento pela Arte 06 14 A Arte como Direito da Catálogo da Exposição Construção da Expressão «Bela Criação» Sara Bahia & José Pedro Trindade Alunos Articentro e CAL SolSal 10 29 Manifesto Álbum de fotos de Direito à Educação actividades Articentro Sofia Trindade
  • 6. 04 MENSAGEM “Ensinar é aprender duas vezes” Joseph Joubert, Filósofo e Ensaísta Francês (1754-1824) Não sei se todas as Pessoas reflectem sobre crescer o improvável, o belo, o sublime, a sabedoria as dimensões do conhecimento, mas para nós, Edu- e ainda outras coisas mais simples e necessárias cadores, Pais, Professores, o tema é naturalmente em cada dia: respeito, cooperação, solidariedade, to- de uma importância central. lerância, trabalho em equipa, organização e segu- É neste conhecimento que sabemos existir o rança no trabalho. mais sólido alicerce para o crescimento, pleno, sau- Educamos para esta cultura da curiosidade, dável, e para a adaptação ao Mundo, com serenida- da inovação, do empreendedorismo, da responsabi- de, bom senso, para o sonho, para o amor, para a fé. lidade, da perseverança, com uso das linguagens Nesta “Oficina” e pela natureza dos ofícios que tradicionais das artes plásticas, com o recurso às nelas exercitamos, todos os dias fazemos do conhe- mais variadas técnicas, tecnologias, materiais e cimento e da sua aprendizagem um processo vivo, plasticidades e firmemente fundados na crença no dinâmico e intenso, que em cada semente, faz cres- talento e unicidade de cada Aluno. cer muitas mais, cumprindo assim dois dos mais be- Trabalhamos para fazer florescer Homens e los fenómenos associados à criatividade: o desen- Mulheres mais felizes e completos, Cidadãos mais volvimento e a inovação. equipados e responsáveis, no bom Estilo Preventivo Este é um dos aspectos da identidade do Arti- Salesiano inspirado em D. Bosco. centro - a de laboratório onde uma Equipa de Pro- Temos um único desejo e apenas um objecti- fessores multidisciplinares catalisa esta transforma- vo: ajudar os nossos pequenos grandes Autores a ção e o Articentro, mais do que um mero espaço cumprirem o máximo das suas potencialidades, a en- agradável e bem equipado para a tarefa, é sobretu- contrarem a sua vocação, seja ela qual for, mas com do um espaço simbólico para a descoberta, experi- a absoluta e experimentada confiança de que, como mentação e aquisição de saberes através da Arte. dizia Mahatma Gandhi, todos possamos ser um dia Aqui preocupamo-nos com o desenvolvimento a mudança que queremos ver acontecer no Mundo. completo do Aluno, com a sua capacitação para com- preensão, interpretação e representação da sua rea- lidade interior e exterior. Preocupamo-nos em for- Equipa Articentro má-lo para o uso em pleno dessa imprescindível Nuno Quaresma competência que é a imaginação e criatividade para Inês Hassamo que, ao longo da vida, se lembre que sobre este ins- Paula Valente trumento será sempre possível fazer germinar e
  • 7. 05 INTRODUÇÃO «Que encontres na vida um sentido que te faça daridade, Sustentabilidade, Cidadania e Ecologia agir, com aquela determinação que muitos já de- Humana, sob o mote da Declaração Universal dos monstraram na escola, para vencer as crises que Direitos do Homem. por vezes surgem na vida. Que saibas e sejas capaz de amar aqueles que se vão cruzando no teu cami- Fizemos do nosso dom - da imaginação, traba- nho e que encontres alguém ou Alguém a quem pos- lho e inovação - uma dádiva para o outro, para os ou- sas dizer um “Amo-te” marcado por aquela pontinha tros, e empenhámo-nos na construção de uma Arte de eternidade que dura uma vida. que fizesse realmente diferença na vida das Pesso- Não te limites a existir: Vive!» as, da nossa Comunidade Educativa, Comunidade Local e Comunidade em Geral. Pe. José Cordeiro in Mensagem Pastoral, «Tudo Sobre Nós 2011" Foi portanto com muito gosto que empreende- mos a 1ª mostra deste ciclo de Exposições - Bela Foi sob este mote, o do Amor, substanciado e Criação - com início precisamente nesta grande falado em torno do tema «Ser Dom», nos exemplos Festa com uma Exposição conjunta SolSal - Projec- de superação, de criatividade, de autenticidade e do to de Solidariedade Salesiana, e Articentro, Centro bom samaritano, que toda a Comunidade Escolar de Expressão Plástica das OSJ. das Oficinas de S. José canalizou o seu trabalho, a É com um gosto redobrado que fazemos a ree- sua curiosidade e aprendizagem para aquilo que en- dição desta mostra, desta feita a celebrar o encerra- tre nós chamamos Área Projecto. Projectos de Inte- mento do ano escolar e de actividade SolSal, e que lectualidade, de Afecto, mas sobretudo Projectos de poderá ser visitada, no Sábado dia 25 de Junho, na Vida que, fazendo justiça ao Estilo Salesiano de D. Biblioteca e no Articentro, onde poderá ver obras de Bosco, se começam justamente a edificar desde ce- Pintura, Escultura, Desenho e Fotografia, e onde po- do no espaço Escola. derá participar em tertúlias e workshops em torno dos temas da Criatividade, Solidariedade, Paridade A Exposição Ser Dom, cuja inauguração teve e Cidadania, num ambiente repleto de Juventude, lugar no dia 31 de Maio, no Ginásio das Oficinas de Amor e de Vida, plena... vivida :) S. José, no contexto geral das Festas consagradas ao tema e à N.ª Senhora Auxiliadora que decorre- Porque é Bela a Criação e este é nosso pre- ram entre os dias 25 de Maio e 2 de Junho, com o ar- sente de Amor endereçado ao próximo, visite-nos e ranque do Festival Gímnico, é a síntese mais rica e passe os olhos nestas pequenas maravilhas e con- detalhada de todo este esforço colectivo teúdos que aqui deixamos antever. No Articentro acolhemos o tema com todo o co- ração e fizemos deste ano um ano dedicado à Criati- Nuno Quaresma vidade, orientada para o Amor, Tolerância, Paz, Soli- Professor Pintura, Desenho, Ilustração e BD - Articentro
  • 8. 06 A Arte como o Direito de construção da Expressão Abstract vo e a diferenciação emocional, e, é responsável pe- Tendo como premissa fundamental o direito que la constante organização e reorganização pessoal todas as pessoas têm em conseguir expressar a de significados (Guidano & Liotti, 1983). Por seu tur- compreensão que têm do mundo, procurou-se im- no, Eisner (2008) explica que a arte proporciona um plementar uma estratégia eficaz para a compreen- sentido de vitalidade e uma “explosão de emoções” são e expressão dos direitos da criança através de e revela como as experiências de vida podem ter um dois exercícios promotores da interiorização, com- significado pessoal profundo e, que por isso, serve preensão e expressão dos elementos da linguagem de modelo para a educação. visual. A realização destes exercícios revelou que os A Lei de Bases do Sistema Educativo considera direitos e os elementos da linguagem visual foram a promoção da educação artística um direito e um compreendidos e utilizados na comunicação de idei- dever no panorama educativo nacional que permite as, exemplificando os efeitos positivos da educação “sensibilizar para as diversas formas de expressão artística no desenvolvimento pessoal. estética, detectando e estimulando aptidões nesses domínios” (alínea c do artº 7º da LBSE, 2005). No en- Para a cultura africana Akan, personalidade, in- sino básico, a educação artística estrutura-se em tor- teligência e carácter (Sumsum e Suban) são ingredi- no de quatro competências transversais: a apropria- entes fundamentais da construção da identidade ção das linguagens elementares das artes, o desen- pessoal, visão que demonstra como esta cultura re- volvimento da capacidade de expressão e comuni- conhece o papel dinâmico do organismo, num contí- cação, o desenvolvimento da criatividade e, ainda, a nuo processo de reorganização da complexidade in- compreensão contextualizada das artes (ME, terna, que segundo Greenberg e Pascual-Leone 2001). Seguindo estas orientações procurou-se im- (1995) constituem o cerne do paradigma construti- plementar um estratégia promotora das competên- vista. cias específicas de fruição-contemplação, produ- O papel proactivo da pessoa na construção do ção-criação e reflexão–interpretação contempladas seu percurso de vida foi realçada por Dewey (1934) nos princípios da educação artística para adoles- ao acentuar o papel da experiência e da arte nessa centes (ME, 2001). Esta estratégia teve como base construção. A arte seria um exemplo da vivência hu- a concepção construtivista sobre a interacção entre mana, na medida em que a sua essência consiste conhecimento e factores motivacionais e emociona- na construção do sentido de si e dos outros através is como determinante para a construção do conheci- dos sentidos e do desenvolvimento da necessidade mento visual (e.g. Gregory, 1978). Mais concreta- de estética (Dewey, 1934). De acordo com o para- mente, procurou-se a interiorização dos princípios digma construtivista, o processo desenvolvimentis- do pensamento e linguagem visual na medida em ta envolve a alternância entre o crescimento cogniti- que estes possibilitam uma leitura compreensiva da
  • 9. 07 realidade (e.g. Eisner, 2002), a representação de ide- uma reflexão sobre o uso dos elementos da lingua- ias (Dondis, 1991) e a formação de conceitos (e.g. gem visual, apelando para a observação, e subse- Löwgren & Stolterman, 2005). quente interpretação, que não havia sido solicitada na primeira fase e incentivar o processo de desco- Estratégia de desenvolvimento artístico berta do código visual específico. Deste modo, a se- A estratégia didáctica consistiu no desenvolvi- gunda fase do primeiro exercício apelou para per- mento de dois exercícios consecutivos: a elabora- cepção do todo, através da descodificação e com- ção de uma imagem e a subsequente atribuição de preensão das imagens construídas a partir da for- um significado e a ilustração de um conceito. Foi mação de uma gestalt dinâmica (e.g. Löwgren & Stol- aplicada a 100 alunos do 8º ano de escolaridade nu- terman, 2005). A conciliação das combinações com ma escola do ensino particular e cooperativo de uma um tema, incentivou a procura de soluções mais fle- zona rural da Estremadura. xíveis (e.g. Torrance, 1988). O segundo exercício O primeiro exercício pretendeu sistematizar o procurou incentivar a simplificação de uma realida- processo de representação de ideias a partir da lin- de abstracta – um direito humano, e compreendê-lo guagem visual (Dondis, 1991) e subsequente reco- e expressá-lo de forma funcional no sentido de uma nhecimento, interpretação e comunicação do seu comunicação clara (Lupton & Miller, 1991). significado (Buttenfield & Mackaness, 1992). Na pri- Em termos de avaliação das produções dos alu- meira parte deste exercício pedia-se a aplicação de nos, os critérios utilizados procuraram contemplar a uma linguagem imagética sem preocupação com a composição dos elementos da linguagem visual e representação de uma ideia. Eram especificadas re- os indicadores utilizados para apreciar produtos cria- gras de composição e do agrupamento das figuras tivos, nomeadamente a fluência, que se refere ao nú- geométricas e, embora alguns alunos em todas as mero de ideias pertinentes, a flexibilidade, que se re- turmas tivessem manifestado expectativas de insu- fere ao número de categorias ou temas abordados, cesso face à composição final, todos, sem excep- a originalidade, definida pela infrequência estatísti- ção, conseguiram realizar o exercício. Ao solicitar a ca, a elaboração, associada ao número de porme- experimentação de todas as possibilidades de com- nores e a expressividade e riqueza da imagem (Tor- binação das figuras, procurou-se, por um lado, facili- rance, 1966) e, ainda, a adequação (e.g. Nickerson, tar o processo criativo a partir de novos modelos (Pa- Perkins & Smith, 1985), ou seja, a possibilidade de ivio, 1971) e, por outro, o processo de representa- adaptação à realidade. Em termos muito concre- ção proposicional, decompondo e compondo os ele- tos, foi atribuída uma classificação de 1 a 5 a cada mentos para depois numa segunda fase recompô- exercício sendo 1 não contempla nada e 5 contem- los a partir de operações lógicas (Dean, Scherzer & plou tudo, a partir dos seguintes critérios: Chabaud, 1986), na medida em que as imagens per- fluência – nº resposta dadas adequadas à pro- mitem a criação de novas ideias (Cornelius & Casler, posta e o cumprimento das regras (a presença de 6 1991). Por isso, após a composição realizada, pro- rectângulos, 9 figuras, variação em termos de apli- curou-se, na segunda fase do exercício, promover cação de figuras, direcção, composição, escala).
  • 10. 08 flexibilidade – utilização de diferentes categori- as do conhecimento para atribuir significados ou ilus- rance, 1988). Como Bovet e Voelin (2007) defen- trar o conceito. dem, a utilização da imagem é estruturante do racio- originalidade – infrequência de respostas e não- cínio e por isso o trabalho em torno da percepção, vi- recurso a imagens estereotipadas. sualização e abstracção, predispõe para o desen- elaboração – riqueza da variação em termos de volvimento de operações mentais de raciocínio em aplicação de figuras, direcção, composição, escala situações novas (Primi, 2002) e a sua transferência exploração flexível do espaço representado (com- para outros domínios a partir dos processos de ob- posição dinâmica e estática) e rigor utilizado na cons- servação, visualização, inovação e reflexão (He- trução das ideias. tland & Winner, 2008). Por isso, esta proposta de tra- expressividade – fortalecimento do código das balho permitiu sensibilizar 100 adolescentes para os formas mostrando riqueza emocional. Direitos da Criança e proporcionar-lhes uma forma apreciação global - avaliação geral do trabalho de expressão diferente das habituais, promovendo, tendo em conta a composição das figuras e a criati- assim, o direito à expressão. Possibilitou ainda que vidade. desenvolvessem o seu Sumsum e Suban de modo a Para a avaliação da eficácia da implementação construir o sentido de si e dos outros, fornecendo as- da estratégia, procedeu-se à analise comparativa sim os alicerces para uma Beautiful Creation. dos resultados dos dois exercícios a parir dos seis critérios definidos na literatura: fluência, flexibilida- Sara Bahia & José Pedro Trindade de, originalidade, elaboração, expressividade e ANEIS Lisboa & ANEIS Torres Vedras Associação Nacional para o Estudo e Intervenção na Sobredota- apreciação global. Foi utilizado um teste t para amos- ção. tras emparelhadas, verificando-se diferenças signi- ficativas em todos os critérios entre o primeiro e o se- Referências bibliográficas gundo exercício para a fluência, a originalidade, a Bovet, M., & Voelin, D. (2007). O papel da ima- elaboração, a expressividade e a apreciação global gem mental no raciocínio operatório: auxiliar ou es- significativas para p<0.01 (t (99) = -2,85, p<0,01; truturante? Educar, Curitiba, 30, 107-130. t(99) = -5,82, p<0,01; t(99) = -5,25, p<0,01; t (99) = - Buttenfield B. & Mackaness, W. (1991). Visu- 7,84, p<0,01; t (99) = -8,08, p<0,01, respectivamen- alisation In D. J. Maguire, M. F., Goodchild & D. W. te). As diferenças para a flexibilidade foram menos Rhind (eds), GIS: Principles and Application. Vol. 1 fortes mas ainda significativas: p<0,05 (t(99) = -2,43, (pp. 427-443). London, Longman. p<0,05). Estas diferenças entre o primeiro e o se- Cornelius, G. & Casler, J. (1991). Enhancing gundo exercício revelam que os 100 alunos interiori- creativity in young children: Strategies for teaching. zaram e aplicaram elementos da linguagem visual. Curriculum and Teaching, 6 (2) 67-72 Dean, A. L., Scherzer, E., & Chabaud, S. Síntese conclusiva (1986). Sequential ordering in children's representa- Todas as experiências que saiam da rotina, são tions of rotation movements. Journal of Experimen- potencialmente promotoras da criatividade (e.g. Tor-
  • 11. 09 tal Child Psychology (42) 99-114 Dewey, J. (1934). Art as Experience. New Nickerson,R S, Perkins, D & Smith, E. E. York: Minton Balch and Co (1985). The Teaching of Thinking. Hillsdale, New Jer- Dondis, D. A. (1991). A sintaxe da linguagem sey: Lawrence Erlbaum Associates visual. São Paulo: Martins Fontes, Paivio, A. (1971). Imagery and verbal proces- Eisner, E. (2002). The arts and the creation of ses. New York: Holt, Rinehart and Winston. mind. New Haven, CT: Yale University Press. Primi, R. (2002). Complexity of geometric in- Eisner, E. (2008). What Education Can Learn ductive reasoning tasks: Contribution to the unders- from the Arts. The Lowenfeld lecture, 2008 NAEA Na- tanding of fluid intelligence. Intelligence, 30, 41-70 tional Convention. New Orleans: Louisiana Torrance, E. P. (1966). Torrance Tests of Crea- Greenberg, L. & Pascual-Leone, J. (1995). A tive Thinking: Norms technical manual (Research dialectical constructivist approach to experiential Edition). Princeton, NJ: Personnel Press. change. Em Neimeyer, R. A. & Mahoney, M. J. Torrance, E. P. (1988). The nature of creativity (Orgs.). Constructivism in psychotherapy (pp. 169- as manifest in its testing. In R. J. Sternberg (Ed.), 191). Washington DC: American Psychological Asso- The nature of creativity: contemporary psychological ciation Press Gregory, R. L. (1978). Space in pictures. In C. F. Nodin & D. F. Fisher (Eds.), Perception and Repre- sentation (pp. 228-245). New York: Praeger. Guidano, V., & Liotti, G. (1983). Cognitive pro- cesses and emotional disorders. New York: Guilford Press. Hetland, L. & Winner, E. (2008). Studio Thin- king. In V. Lindberg & K. Borg (Eds.) Kunskapande, kommunikation och bedömning i gestaltande utbild- ning (pp. 47-57). Stockholms Universitets Förlag. Löwgren, J. & Stolterman, E. (2005). Though- tful interaction design: a design perspective on infor- mation technology. Mass.: The MIT Press,. Lupton, E. & Miller, J.A. (1991). The ABCs of The Bauhaus and design theory. Princeton Architec- tural Press. ME (2001). Currículo Nacional do Ensino Bá- sico - Competências Essenciais. Lisboa: Departa- mento da Educação Básica do Ministério da Educa- ção.
  • 12. 10 Direito à Educação [MANIFESTO] Pensa na vida como se fosse andar de bicicleta, a cada pedalada vinha-te uma ideia à cabeça, isso era genial mas também uma confusão, tinhas de ter um bloco de notas, uma caneta e (só se quiseres) uma máquina fotográfica. Mas imagina, andar de bicicleta não é só pedalar, mas sim estruturares, organizares e memorizar as tuas ideias, para de seguida exprimi-las aos teus colegas e familiares. Pensa agora na vida boa que tens, achas que poderia ser mesmo melhor? Tens o Direito à Educação e dou-te um conselho, não o uses mal, não o desperdices, porque há muitas crianças que não o têm, enquanto tu podes seguir o teu sonho e ser cantor(a), médica(o), empresária(o), professor(a) entre outras. Aqueles que não têm nada, sonham um dia em ter a mesma oportunidade que tu – ir para a Escola. Sofia Trindade
  • 14. 12 OS PRIMEIROS PASSOS... PARA A BELA CRIAÇÃO A nossa disciplina de Desenvolvimento pela Arte/ Expressarte segue um modelo onde o aluno do dia-a-dia e até dos problemas especificamente tem um papel activo, onde se incentiva à curriculares. participação assertiva, descoberta, reflexão e genuinidade, num ambiente acolhedor a aceitante. Esta mostra de trabalhos partilha os percursos, as inquietações e as reflexões que os alunos de Aqui não nos focamos no ensino de um Desenvolvimento pela Arte/ Expressarte foram conjunto de técnicas artísticas propriamente ditas desenvolvendo ao longo de um ano lectivo cheio de (como em Pintura, Ilustração e BD ou Laboratório de descobertas, dos quais destacamos o tema “Os Artes), mas sim dar oportunidade aos alunos do 1º Direitos Humanos”. Tendo em conta a Natureza ciclo para as explorar, de uma forma livre e deste, os trabalhos apresentados adquirem a forma dinâmica, em momentos lúdicos, criativos e de de “manifestos” relacionados com: expressão individual. É através da exploração de mediadores expressivos como as expressões - Noção de pessoa; plástica, corporal, dramática, os jogos de grupo e a -Importância do respeito dos Direitos percussão corporal que pretendemos promover: Humanos no quotidiano e nas relações - Criatividade; interpessoais; - Espontaneidade; -Importância e significado de valores como o - Psicomotricidade; respeito, dignidade, não-discriminação; - Conhecimento de si e do outro; -Visões do mundo/ Visões para um mundo - Brincar; melhor. - Expressão não-verbal; - Relação entre pares; Assim, acreditamos que o SER DOM parte do - Expressão de emoções e visões pessoais; princípio de SER-SE, ser-se genuíno, ser-se a si, e - Aceitação das diferenças; para alcançar a pessoa que existe dentro de cada - Cooperação e a entre-ajuda. aluno Expressarte, para alcançar a Bela Criação, iremos continuar este percurso que se foca na É sobre esta visão integrativa da criança, Expressão Humana como o alicerce indissociável enquanto ser que sente, pensa, cria, ri, cheira, de se SER DOM. brinca, se relaciona, interpreta…, que construímos . actividades para o desenvolvimento destas competências chave. São chave, pois são Inês Hassamo autênticos alicerces para a aprendizagem de si e da Professora Desenvolvimento pela Arte/ procura das melhores soluções perante obstáculos - Expressarte | Articentro Psicóloga Educacional
  • 15. 13 Algumas visões dos nossos Alunos… «O Direito de ser criança», Mariana Carneiro «O Direito de ser feliz», Mafalda Carneiro «De Viver em paz e liberdade», Madalena Lourenço «O Direito de ter um mundo melhor», Rita Nunes «O Direito de a Natureza ser saudável», Marta Fernandes «Direito de pintar bem ou mal, de desenhar à vontade», Mariana Carneiro «Há o Direito de ver as coisas, de olhar para as pessoas livremente», Madalena Lourenço «De serem observadas, de gostarem das outras, para poderem admirarem o que as outras fazem», Marta Fernandes «Direito de ter pessoas a gostarem dela», Rita Nunes «Tudo envolve os Direitos - Direito de visitar outros sítios, pessoas, tradições, línguas. Poder amar [...] Conhecer outros povos, dormir numa cama boa [...]», Marta Fernandes «Os descobrimentos de coisas novas [...] Descobrir a luz – Sem o Sol não vivíamos, sem a luz também não, porque o Sol é uma luz. Direito de descobrir. É preciso descobrir para viver [...] Consegui ser mais aceitante», Rita Nunes ... Sem pontos finais, apenas espaço para pensar...
  • 17. 15 “S. Jorge e o Dragão” “Cavalo Possante” “Chuva de Amor” Escultura em pasta de papel Acrílico sobre tela Acrílico sobre tela Tomás Serrão Maria Xara Brasil Beatriz Troni e Teresa Cabral Cotação: Testes Psicológicos WISC-III - Escala de Inteligência de Colecção da Autora Cotação: Testes Psicológicos WISC-III - Escala de Inteligência de Weschler para Crianças - 3ª edição Weschler para Crianças - 3ª edição “As Cores das Emoções” “As Cores das Emoções” “As Cores das Emoções” Aguarela sobre papel Aguarela sobre papel Aguarela sobre papel Madalena Lourenço Rita Nunes Mariana Carneiro Colecção da Autora Colecção da Autora Colecção da Autora
  • 18. 16 “As Cores das Emoções” “Renascimento” “Alegria” Aguarela sobre papel Acrílico sobre tela Acrílico sobre tela Mafalda Carneiro Teresa Cabral Beatriz Troni e Teresa Cabral Colecção da Autora Colecção da Autora Cotação: Testes Psicológicos WISC-III - Escala de Inteligência de Weschler para Crianças - 3ª edição “Guerreiro Onírico” “Como eu vejo os Direitos Humanos” Como eu gostava de ver o céu” Acrílico e óleo sobre tela Colagem sobre papel Técnica mista sobre tela Bruno Antunes Marta Fernandes Mafalda Carneiro Cotação: Testes Psicológicos WISC-III - Escala de Inteligência de Colecção da Autora Colecção da Autora Weschler para Crianças - 3ª edição
  • 19. 17 “Os dois amigos” “Azeitão” “Liberdade” Acrílico sobre tela Cartão recortado Acrílico sobre tela Maria Barão Maria Barão Colectivo Cotação: Testes Psicológicos WAIS-III - Escala de Inteligência de Cotação: Livro/ Publicação sobre o tema da Pintura, Desenho e Cotação: 10 tubos de tinta de óleo Weschler para Adultos - 3ª edição Artes Plásticas “Retrato Azul” “A Teia” “Contraste” Acrílico sobre tela Óleo sobre tela Óleo sobre tela Maria Xara Brasil Ana Anahory Ringo Nogueira Cotação: 1 Aspirador Colecção da Autora Cotação: 1 Leitor de DVD para sala de aula
  • 20. 18 “O Sol e a Vida” “Rouxinol” “O meu arco-íris” David Quaresma Acrílico sobre tela Acrílico e óleo sobre tela Aguarela sobre tela Miguel Santos Laura Gidro Cotação: Um Livro de Contos Infantis Cotação: Um estojo com lápis de cor, aguarela e afia para o Filipe Colecção da Autora “História de mim” “A menina” “O Dragão em Azeitão” Técnica Mista sobre cartão Ácrílico sobre tela Acrílico e óleo sobre tela Laura Gidro Ana Anahory Maria Barão Colecção da Autora Colecção da Autora Colecção da Autora
  • 21. 19 “Rosto 1” “Rosto 2” “Rosto 3” Aguarela sobre papel Técnica mista e tratamento digital Desenho em suporte digital Inês Zenha Inês Zenha Inês Zenha Colecção da Autora Colecção da Autora Colecção da Autora “Sem Abrigo” “No Differences” “Homem” Óleo sobre tela Óleo sobre tela Carvão sobre papel Inês Zenha Inês Zenha Inês Zenha Cotação: 1 Computador Colecção da Autora Colecção da Autora
  • 22. 20 31 32 33 “Sonhar por um porto seguro” “Esquecer” “À solta na pradaria” Grafite sobre papel Grafite sobre papel Grafite sobre papel Luísa Villar Luísa Villar Luísa Villar Colecção da Autora Colecção da Autora Colecção da Autora 34 35 36 “Desfolhando o Malmequer” “Remorsos de um caçador” “O meu bom fiel Amigo” Grafite sobre papel Grafite sobre papel Grafite sobre papel Luísa Villar Luísa Villar Luísa Villar Colecção da Autora Colecção da Autora Colecção da Autora
  • 23. 21 37 38 39 “Paz no Mundo” “Paz no Mundo” “Paz no Mundo” Técnica Mista sobre tela Técnica Mista sobre tela Técnica Mista sobre tela Colecção da Autora Colecção da Autora Colecção da Autora 40 41 42 “A lua, o sol e as estrelinhas” “O Leopardo” “M de Matilde” Acrílico sobre tela Acrílico sobre tela Marcador sobre quadro magnético, obra efémera Sarah Pauthier Carolina Amaral Matilde Rebello Andrade Colecção da Autora Colecção da Autora
  • 24. 22 43 44 45 “Grafitti” “Ondas” “Conversa no Jardim” Marcador sobre papel Acrílico e têmpera sobre tela Acrílico sobre tela Filipe Leite Inês Rebelo Maria Xara Brasil Cotação: Uma tela e uma caixa de carvão para desenho Cotação: Conjunto de tintas de aguarela Cotação: 1 tela e 1 caixa de tintas acrílicas 46 47 48 “Arco Íris na Serra da Estrela” “O Sr. Polícia” “Salto do Homem Aranha” Lápis de cor sobre papel Marcador sobre papel Marcador sobre papel Sofia Santos Jorge Poligó Tavares Rodrigo Soares Colecção do Papá Cotação: Um pião «Beiblade» Cotação: Um pião «Beiblade»
  • 25. 23 49 50 51 “Nossa Senhora” “Cálice” “O cão da avó Mizé” Desenho sobre papel Desenho sobre papel Acrílico sobre tela Flávio Baptista Beatriz Troni Carolina Amaral Cotação: 1 caixa de carvão e 1 caixa de giz branco para desenho Cotação: 1 Bloco de papel de aguarela Cotação: Livro sobre Arte 52 53 54 “Águia Real” “Tempestade no Castelo” “Três Amores” Lápis de cor sobre papel Pastel seco sobre papel Técnica mista sobre papel Maria Xara Brasil Ruben Guerreiro dos Santos Laura Gidro Colecção da Autora Cotação: 1 par de ténis Cotação: 1 bloco A3 de papel cavalinho
  • 26. 24 55 56 57 “Que susto” “Herói Manga” “Auto-Retrato” Pastel seco sobre papel Acrílico sobre tela Acrílico sobre tela Bruno Antunes Tomás Serrão Matilde Rebello Andrade Cotação: Tecidos Cotação: caixa com lápis de grafite do espectro H até 7B Colecção da Autora 58 59 60 “Retrato da Mónica” “Romano” “Retrato de uma rapariga” Carvão sobre papel Carvão e têmpera branca sobre papel pardo Carvão sobre papel Maria Luísa Lino Silva Zé Maria Maria Luísa Lino Silva Cotação: Ecoponto para sala de aula
  • 27. 25 61 62 63 “Ilustração sobre Direitos Humanos” “O Grito” “S. Jorge e o Dragão” Colagem sobre papel Óleo e tinta de ouro sobre tela Escultura em pasta de papel Marta Fernandes Maria Carolina Amaral Tomás Serrão Cotação: Bolsa de Oportunidades de Actividades Extra Cotação: Testes Psicológicos WISC-III - Escala de Inteligência de Curriculares Artisport Weschler para Crianças - 3ª edição 64 65 66 “Naked Lunch” “Como eu vejo os Direitos Humanos” “Anjos para a Comunidade Vida e Acrílico e assemblagem sobre tela Carvão e giz sobre papel Paz”Colagens montadas em 3D Humberto Fernandes Isabel de Figueiredo Colectivo Cotação: Computador com acessórios e ajudas técnicas para Cotação: 10 Paletas para pintura Oferta a favor da CVP para a decoração da Ceia de Natal crianças com necessidades especiais
  • 28. 26 67 68 69 “Ratinho contente” “Big Bang” “Rosa dos ventos” Cartão recortado Cartão recortado Técnica mista Maria Barão Maria Barão Maria Carolina Amaral Cotação: Livro/ Publicação sobre o tema da Pintura, Desenho e Cotação: Livro/ Publicação sobre o tema da Pintura, Desenho e Cotação: Bolsa de Oportunidades de Actividades Extra Artes Plásticas Artes Plásticas Curriculares Artisport 70 71 72 “O Universo aos nossos pés” “Viagem em torno do mundo” Como eu gostava de ver o céu” Acrílico, esmalte e óleo sobre tela Técnica mista sobre tela Técnica mista sobre tela José Maria Leitão, Santiago Martins e Teresa Cabral Mafalda Carneiro Vicente Palma Cotação: BENDER - Teste Guestaltico Visuo-motor Cotação: 1 Máquina de Costura para espaço de aula
  • 29. 27 73 74 75 “Prima vestida de Arquitecta” “Super Bruno” “Auto Retrato na pose da Barbie” Imagem em suporte digital Imagem em suporte digital Imagem em suporte digital Matilde Rebello Andrade Bruno Antunes Matilde Rebello Andrade Colecção da Autora Colecção do Autor Colecção da Autora 76 77 78 “Exercício de coloração digital” “Artistas com barco de velas de borboleta” Fanzine Cabe na cabeça Imagem em suporte digital Imagem em suporte digital Publicação em suporte digital Maria Barão Matilde Rebello Andrade Colectivo Colecção da Autora Colecção da Autora disponível on line
  • 30. Já disponível on-line no endereço: http://pt.scribd.com/doc/54129578/Proposta-Fanzine-Articentro-Cabe-na-Cabeca-edicao-00 Ilustrações: Nuno Castro, Teresa Cabral, Maria Xara Brasil e Carolina Amaral edição experimental 00a
  • 31. 29
  • 32. 30
  • 33. 31
  • 34. 32
  • 35. 33
  • 36. 34 Homenagem a D. Bosco Tema e objecto do worshop do Articentro no dia 25.06.2001 intitulado « Educar com o Coração, segundo D. Bosco» - Arte, Biologia da Educação/ Amar e Jogar, o fundamento esquecido do humano
  • 38. 36 Nome completo Nome abreviado (O computador forma o nome abreviado pelo 1.º, 2.º e último nome automaticamente. No caso de pretender outra opção, escolha três nomes.) Empresa ou Instituição Sigla (A preencher em situação de apoio cedido por Empresas ao abrigo do Estatuto do Mecenato) Morada Freguesia Código Postal Localidade Telemóvel Telefone de casa E-mail @ N.º Contribuinte Valores Género Valor Pecuniário Descrição FICHA DE RECEPÇÃO DE DONATIVOS A FAVOR DO PROJECTO SOLIDARIEDADE Total SALESIANA
  • 39. http://articentro-osj.blogspot.com Web. http://www.wix.com/popmagosj/popmag-oficinasdesaojose Email. nuno.quaresma@salesianos.pt, paula.valente@salesianos.pt, ines.hassamo@salesianos.pt Tel. 210 900 508/ 210 900 539
  • 40. Uma iniciativa: Oficinas de S. José, Associação Educativa, é uma IPSS (Registo nº3, nos termos da Portaria nº860/91, de 20 de Agosto) ao abrigo do Estatuto das Instituições Particulares de Solidariedade Social (Decreto-Lei nº 119/93,de 25 de Fevereiro), consagrada à educação, através da prosecussão de actividades de ensino, culturais, desportivas e recreativas, e ao apoio a jovens, nomeadamente os mais carenciados, na organização de actividades de tempos livres, centros escolares, cantinas, obtenção de subsídios de estudo, alimentação e orientação profissional. O cumprimento deste Projecto Social, Educativo e Cultural é desenvolvido pela SolSal. Solidariedade Salesiana. Se desejar conhecer mais sobre o Projecto e os seus beneficiários, visite: www.solsal-solidariedadesalesiana.blogspot.com solsal