SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Triunfo dos estados e
dinâmicas económicas nos séc
XVII e XVIII
Triunfo dos estados e dinâmicas
económicas nos séculos XVII e XVIII
Reforço das economias nacionais e tentativas de controlo do
comércio
CONCEITOS:
Capitalismo comercial : Sistema económico que se afirmou nos séculos
XVI e XVIII e se caracteriza pela procura do maior lucro , pelo espirito de
concorrência e pelo papel determinante do comércio como motor do
desenvolvimento económico .
Comércio Triangular: Circuito de comércio atlântico que ligava os
continentes europeu, africano e americano. Este comércio, que prosperou
sobretudo nos séculos XVII e XVIII, era suportado pelas necessidades de mão
de obra das colónias americanas que dependiam dos escravos para as suas
plantações e explorações mineiras.
Tráfico negreiro: Intenso comércio de escravos negros que canalizou para
a América Grande número de africanos, na sua maioria comprados ou
aprisionados nas costas da Guiné , de Angola e de Moçambique.
Os países como Portugal, Espanha, Holanda , França e Inglaterra , durante o
século XVII e XVIII, detinham a maior fatia dos comércios intra continentais ,
que gerava lucros extraordinários. E porquê??
Porque os países tinham como grande objetivo : gerar capital, investi-lo
e aumentá-lo, privilegiando o grande comércio . O mercado europeu entrou no
seu exponencial : Capitalismo comercial.
Triunfo dos estados e
dinâmicas económicas nos séc
XVII e XVIII
Por causa do capitalismo comercial:
 A América tornou-se colonizada e começou a ser vista como um local de
recursos e manufatura/trabalho. De lá eram extraídos o açúcar, café,
tabaco e algodão ,ouro e criava-se gado. Estes produtos eram enviados
para a metrópole que em troca dava produtos agrícolas , industriais e a
necessária mão de obra escrava , trazida de Africa .
O que originou:
 O comércio Triangular e o Tráfico negreiro.
Reforço das economias nacionais:
Mercantilismo
Conceitos:
Mercantilismo: Teoria económica enunciada nos séculos XVI, XVII e XVIII, que
defende uma forte intervenção do Estado , na economia.
O objetivo dessa intervenção era o aumento da riqueza nacional , identificada
com a quantidade de metais preciosos acumulados pelo país.São
caracteristicas do Mercantilismo as medidas de tipo protecionista e
monopolista.
Balança comercial : Termo que designa a relação entre o montante das
importações e das exportações . Caso o volume das exportações ultrapasse o
das importações---balança comercial positiva, o que se identifica com a
prosperidade do país
Triunfo dos estados e
dinâmicas económicas nos séc
XVII e XVIII
Protecionismo: Politica económica que impede a livre iniciativa e a livre
circulação de mercadorias. O protecionismo traduz-se , geralmente , quer por
um aumento dos direitos alfandegários sobre as importações quer pela
concessão de exclusivos e privilégios industriais.
O objetivo destas medidas é permitir o desenvolvimento das produções
internas que, desta forma, se tornam muito mais competitivas.
Manufatura: Num sentido iato , o termo designa as diferentes atividades
industriais que não empregam maquinaria e que , por isso , são caracteristicas
das épocas pré-industriais. Em sentido restrito,aplica-se às grandes unidades
transformadoras típicas dos séculos XVII e XVIII que recorriam já à divisão do
trabalho e ao uso de tecnologia própia (mas não de maquinaria)
Foi com o objetivo de enriquecer o estado e os seus cidadãos, que se
estruturou a primeira doutrina económica da história . Valorizando a atividade
mercantil, esta doutrina tomou o nome de Mercantilismo.
Na lógica mercantilista , competia ao estado tomar as medidas necessárias
para com que a balança comercial fosse favorável. Ou seja que tivessemos o
quanto mais ouro possível, uma vez que os pensadores mercantilistas estavam
convencidos de que a riqueza de um Estado se media pela quantidade de
metais preciosos.
Nas Tais medidas estava imposto o Protecionismo económico que formentava
a produção e salvaguarda os produtos e as áreas de comércio nacionais da
concorrência estrangeira .
Triunfo dos estados e
dinâmicas económicas nos séc
XVII e XVIII
O governo do estado devia seguir estas medidas :
 O fomento da produção industrial, com vista a promover a
autossuficiência do país bem como a exportação de produtos
manufaturados
 A revisa das tarifas alfandegárias, sobrecarregando os produtos
estrangeiros e aliviando as taxas que pesavam sobre as exportações
nacionais , de modo a torná-las mais competitivas
 O incremento e reorganização do comércio externo, de forma a
proporcionar mercados de abastecimento de matérias primas e de
colocação de produtos manufaturados.
O Mercantilismo em França
Com grande preocupação das importações excessivas de França vindas da
Holanda , Colbert pôs todo o seu empenho no desenvolvimento das
manufaturas. Sendo assim um dos grandes impulsionistas do Mercantilismo
em França.
- Recorreu a importações de técnicas estrangeiras
- Teve uma feição altamente dirigista
- Desenvolveu as manufaturas
- Nasceram as manufaturas reais,que funcionavam como unidades de
modelo de produção. Que pertenciam ao estado ou a particulares, cujo
o objetivo era produzir para a corte.
Colbert investiu fortemente no desenvolvimento da frota mercante e da
marinha de guerra. E criou as Companhias monopolistas.
Triunfo dos estados e
dinâmicas económicas nos séc
XVII e XVIII
CONCEITOS:
Companhia monopolistas: Associação económica ,geralmente de cariz
comercial ,com direitos exclusivos sobre determinados produtos ou àrea de
comércio . Nos séculos XVII e XVIII organizavam-se numerosas companhias
monopolistas , na sua maior parte destinadas ao comércio colonial.As mais
poderosas foram as Companhias das Índias Orientais ,às quais os estados
(Holanda , Inglaterra, França) conferiam poderes de conquista ,admnistração e
defesa do Oriente.
A companhia servia como representante de um país, reservava os direitos de
comércio sobre determinada zona, competia contra as outras nações. Defendia
os territorios coloniais, detinha assim o seu próprio poderio militar.
O colbertismo representava assim a corrente mais dirigista de todo o
mercantilismo.
O SISTEMA MERCANTIL EM INGLATERRA
O SISTEMA MERCANTIL EM INGLATERRA TINHA AS SEGUINTES CARACTERISTICAS:
 As medidas eram de caracter mais flexível , o que lhes proporcionou um elevado grau de
eficiência.
 Valorização da marinha e do setor comercial, dada a concorrência da Holanda nos
transportes maritimos e do comércio externo. Para expulsar a Holanda dos seus
territorios comerciais , foi promulgado os “Atos de Navegação” em que apenas as
embarcações inglesas poderiam entrar nos portos ingleses com mercadorias coloniais.
Triunfo dos estados e
dinâmicas económicas nos séc
XVII e XVIII
 Criação de grandes companhias de comércio,sendo a mais celebre e bem sucedida “
Companhia das Índias Orientais.
Esta politica protecionista surtiu os efeitos desejados : o poderio comercial e maritimo da Inglaterra
consolidou-se, permitindo a Inglaterra disputar o primeiro lugar da economia inernacional.
O equilibrio europeu e a disputa das
áreas coloniais
OEquilíbrioeuropeufoiparticularmentefrágil,asguerras eramoriginadas porquestões dinásticas
,desejos territoriais ouinteresseseconómicos.
 ApartirdasegundametadedoséculoXVII,as motivações económicasestiveramnaorigemda
maiorpartedestesconflitos.Sendoquemovimentavacapitaiseproduziamaioreslucros.
 Dadoqueageneralizaçãodas medidasprotecionistastinhalevantadograndesentraves à
circulaçãodemercadoriasnocircuitoeuropeu,os olhares voltaram-separaasáreascoloniais
,quesetornaramocentrodeacesas rivalidades.
 Oexclusivocolonialpermitiaaoestado regularasproduçõeseospreçossemteracontada
concorrênciadosoutrospaíses ,impedidosdeaírealizaremosseusnegócios.
 FaceàevidentedecadênciadosEstadosIbéricos,adisputadasupremacianograndecomércio
maritimotravou-seessencialmenteentreaHolanda,InglaterraeaFrança.AInglaterraacaba
porganhar,reconhecidaessavitórianoTratadodeParis.A Françaabandonavaaspossessões
nas Índias.Eoutras zonasforamanexadas pelos ingleses.SendoassimInglaterratornava-sea
maiorpotênciacolonialemarítimadaEuropa,perduraráportodooSéculoXIX.
CONCEITOS:
Triunfo dos estados e
dinâmicas económicas nos séc
XVII e XVIII
EXCLUSIVOCOLONIAL:Formadeexploraçãoeconómicaquereservavaparaametrópoleos recursose
omercadodascolónias .Trata-sedeumamedidaprotecionistacujo objetivoégarantiraobtençãode
matérias-primas eprodutosexóticosabaixopreço,bemcomoescoaras produçõesmanufatureirasdo
paísdominador.
Hegemonia:Emhistóriapolítica,hegemoniaéasupremaciadeumpovosobreoutros,ouseja,através
daintroduçãodasuaculturaoupormeiosmilitares.
CONDIÇÕESDOSUCESSOINGLÊS:
(quevigoroudurantegrandepartedoséculoXVIIIatéXIX.)
Os progressosagrícolas:
 Inglaterraprecisavaderesolveroproblemadoesgotamentodossolos,eparaevitaropousioe
renovaraterrafoiaperfeiçoadoosistemaderotaçãodeculturas.--Afolheamentoquadrienal
foiadecisãotomada,dividindoocampoemfolhas ealternandoascolheitas,queacabavam
pormelhorarossolos.
 Vistoqueapráticadocampoaberto,cujodeixavaosgados daregiãopassearlivremente,
revelou-seprejudicialàrentabilizaçãodaterra,começou-se aoptarpeloprocessodevedações
(enclousers)nasterrasdosproprietários.
 Noscamposcercadosaperfeiçoaram-seasalfaiaseselecionaram-semelhorassementes.
 Osetoragrícolaviuassimcrescerasuaprodutividade,aumentandosubstancialmenteos
recursosalimentaresdopaís.Estaabundâncianãosópermitiuacanalizaçãodemãodeobra
paraoutrossetoresprodutivos,comoimpulsionouumintensocrescimentodemográfico,fator
devitalidadeeriquezaeconómica.
 OCRESCIMENTODEMOGRÁFICOEAURBANIZAÇÃO:Asegundametadedosec XVIIIfoi
marcadaporumintensocrescimentodemográfico.AtingindoespecialmenteaInglaterra ,dada
aprosperidadedopaís.Sendoassimsimultaneamenteumresultadoeumfatordo
desenvolvimentoeconómico.
Triunfo dos estados e
dinâmicas económicas nos séc
XVII e XVIII
 Acriaçãodepostosdetrabalhofazemaumentarataxadenupcidade,ocrescimento
populacionalestimulaoconsumoeporsuavez fornecemãodeobrajovemaosdiversos
setores deatividade.
 Londres torna-seamaiorcidadedaEuropa,atingindoummilhãodehabitantesnosec XVIII,
comajudatambémdamigraçãodadaaprecisademãodeobraprecisanoscamposea
industrialização.
ACRIAÇÃODEUMMERCADONACIONAL:
Nosec XVIIIpeloefeitoconjugadodoaumentodemográficoedaurbanização,aocrescentenúmerode
consumidores ,teve-sequetomaralgumasmedidas:
 Criaçãodeummercadonacional,unificado,ondeos produtoseamãodeobrapodiacircular
livremente.
 Comoobjetivodediminuiroscustosdecirculação,ainglaterraempenhou-seno
melhoramentodos transportes.Vistoquetinhamumaboaredehidrográfica,construindoum
sistemadecanais,ampiliandoarededeestradas.
 Aligaçãoentreasregiões dointerioreascidadesportuárias.
CONCEITOS:
MercadoNacional:Diz-secapacidadeaquisitivadaprocurainternaque,nocasodaInglaterra,nosec
XVIII,foifavorecidapor:
 Crescimentodemográfico
 Aboliçãodosentravesàcirculaçãodosprodutos
 Incrementodostransportes
 Crescimentourbano
O ALARGAMENTO DO MERCADO EXTERNO:
 Os produtos ingleses impunham-se no continente ( europa) a avalanche de texteis e
ferragens inglesas era real.
 Era dos mercados transoceânicos que os ingleses retiravam os seus maiores dividendos
Triunfo dos estados e
dinâmicas económicas nos séc
XVII e XVIII
 Mais de metade da frota britânica singrava em direção às Américas,passando também por
africa, inscrevendo-se nas rotas do comércio triangular.
 O triângulo comercial consistia em : Partir dos Portos Ingleses trocando as armas de fogo
,rum,tecidos fracos mas com valor economico em Africa por escravos, destinados para
trabalhar nas plantações e minas americanas. E entretanto na América adquiriam as
produções tropicais de açucar,café,algodão , tabaco que revendiam depois na europa.
O SISTEMA FINANCEIRO:
A superioridade inglesa assentava ,também,num sistema financeiro avançado, facilitador do
desenvolvimento económico.
 Em Londres funcionava ,desde o fim do séc XVI, uma das primeiras bolsas de comércio da
Europa,onde se centralizavam os grandes negócios da cidade.
 A atividade bolsista foi um importante fator de prosperidade económica ,já que permitiu
canalizar as poupanças particulares para o financiamento de empresas ,alargando assim o
mercado de capitais.
 A criação do Banco de Inglaterra, permitiu a que se realizasse operações necessárias ao
grande comércio: depositos, transferencias de conta a conta, financiamentos...
 O banco servia de prosperidade do comércio e à gestão capitalista do setor agrícola. A
atividade do banco constituiu também o ponto de apoio da maior de todas as mudanças
economicas : A Revolução Industrial
OARRANQUE INDUSTRIAL
 OProcessodeindustrializaçãoiniciou-seemInglaterranasegundametadedosécXVIII,sobo
impulsodeumconjuntodefatores:OSAVANÇOSAGRÍCOLAS,ADINÀMICADEMOGRÁFICA,O
ALARGAMENTODOSMERCADOS,ACAPACIDADE EMPREENDEDORADOSBRITÂNICOS eé
claro,oavançotecnológico.
 Umacadeiadeinovações revolucionouaindústria.Aespiraltecnológicaénosfornecidopela
industriatêxtilqueliderouoarranqueindustrialinglês.
Triunfo dos estados e
dinâmicas económicas nos séc
XVII e XVIII
AINDUSTRIATEXTIL:
 Foioaumentodaprocura,internaeexterna,bemcomoaabundânciadematéria-
prima,proporcionadapelascolónias,queimpulsionaramosprogressosnosetoralgodoeiro.
 Anovamaquinadefiarealançadeiravolante,acabaramporsergrandesinovações da
industria.
 Oalgodãofoioprincipalmotivopeloqualhouveumarranqueindustrial,eos melhoramentos
datecelagem,fiaçãoeestampagemfizeramcomqueoaumentodeprodutividadeeprodução
fossesequencialmenteaumentando.
 Ofactodeasmaquinastexteis teremumreduzidocusto,levouacomquempequenas
empresasseestabelececemnomercado.
AMETALURGIA:
Ametalurgiafoideterminantenodesenvolvimentotêxtildadoqueeraafornecedorademáquinas e
outros equipamentos.Oferroagoraeramaisbaratoemais resistente,passandoasubstituiroutros
materiais.
AFORÇADOVAPOR:
 AmaquinaavaporinventadaporJamesWattfoiimportanteparadarinicioàmaquinofaturae
comoprosperidadeparasubstituirotrabalhohumano.
 Amaquinaavaporajudouamoverteares ,martelos ,locomotivas.
PORTUGAL
QUAIS AS DIFICULDADES E COMO
SUCEDEU O CRESCIMENTO
ECONÓMICO??
 No sec XVII , o nosso país tenta procurar implementar medidas protecionistas , de forma a
lidar com as dificuldades económicas.
 No sex XVIII o crescimento económico torna-se mais propicio, dada a descoberta do ouro no
Brasil, durante o reinado de D.Joao V .
Triunfo dos estados e
dinâmicas económicas nos séc
XVII e XVIII
 Na segunda metade do século , é a ação do Marquês de Pombal que impulsiona a vida
económica ,conduzindo o país a um período de acentuada prosperidade.
EXPLICAÇÃO DA DIFICULDADE ECONÓMICA:
 No séc XVII, Portugal vivia sobretudo da reexportação dos produtos
coloniais (açucar,tabaco e as especiarias)
 Holanda , França e Inglaterra acabam por produzir estes mesmos
produtos , constituiam assim as suas proprias produções e consumiam-
nas ---REDUZINDO AS COMPRAS FEITAS EM LISBOA.
 As novas zonas produtoras, a politica protecionista de Colbert,
concorrência no mercado asiatico levaram a que Portugal apresentasse
no sec XVII dificuldades económicas.
 Entre 1670 e 1692 – Portugal abarratova os armazens de mercadorias
sem compradores.
 Esta grave crise privou Portugal dos meios necessários ao pagamento
dos produtos industriais que importava.
 O objetivo era então o desenvolvimento das manufaturas, para não
adquirir mais nada ao estrangeiro.
O SURTO MANUFATUREIRO:
 Conde da Ericeira foi o principal homem que provocou o surto
manufatureiro, era chamado de Colbert Português, procurara equilibrar
a balança comercial do reino substituindo as importações por fabrico de
artigos nacionais.
 O conde procedeu à contratação de artificies estrangeiros.
 Criou industrias, às quais concedeu privilégios e subsídios.
 Praticou uma politica protecionista da indústria nacional
 Recorreu à desvalorização monetária com o fim de tornar os produtos
portugueses competitivos no mercado externo e simultaneamente
encarecer os artigos de fora.
 Criaram-se várias companhias monopolistas (Associação económica
,geralmente de cariz comercial ,com direitos exclusivos sobre
determinados produtos ou àrea de comércio) Por exemplo a companhia
do Maranhão -destinada ao mercado brasileiro .
Triunfo dos estados e
dinâmicas económicas nos séc
XVII e XVIII
A inversão da conjuntura e a descoberta do ouro brasileiro
 A crise dá sinais de se extinguir( 1690) , após finalmente as mercadorias
nacionais começarem a serem vendidas , além disso o preço das
mercadorias coloniais elevam-se.
 A descoberta de jazidas de ouro no Brasil ainda ajudou mais esta
inversão.
 O centro de S.Paulo foi um local de procura intensa de ouro , e foi um
exito , tanto é que até diamantes foram encontrados .
 Uma súbita sensação de riqueza invadiu Portugal.cerca de 500 toneladas
de ouro entraram
 Suporte do esplendor que dourou o reinado de D.joao V , o ouro
brasileiro infelizmente não se revelou um incentivo ao desenvolvimento
económico.
A Apropiação do ouro brasileiro pelo mercado britânico
 A crise comercial voltava a aparecer, e o país encontra de novo,a sua
vocação mercantil e o esforço industrializador esmorece.
 A obtenção do ouro brasileiro permitiu a com que fosse mais facil pagar ,
e por isso viamos nos denovo a comprar do estrangeiro.
 A incapacidade de fazer cumprir as Pragmáticas,bem como a fraca
qualidade dos produtos fabricados,concorreu também para a
decadência das nossas unidades industriais.
 Portugal em 1703 recebe o duro golpe do Tratado de Methuen.Onde os
produtos ingleses ,como os tecidos , poderiam entrar em Portugal sem
restrições indo assim contra as leis protecionistas que os proibiam.
Passando assim grande parte do ouro a ser gasto com Inglaterra. O
Tratado de Methuen é responsável assim pela derrocada da nossa
indústria e pala subsequente preponderância britânica
 Cerca de três quatros do Ouro do brasil acabou por parar às mãos dos
Ingleses.
Triunfo dos estados e
dinâmicas económicas nos séc
XVII e XVIII
A Política económica e social pombalina
 Portugal via –se a braços com uma nova crise :debilidade da produção interna, dificuldades
de colocação, no mercado, dos produtos brasileiros, e excessiva intromissão de nações no
nosso comércio colonial.
 A crise e a consciência da nossa excessiva dependência face à Inglaterra, coincidiram com o
governo do Marquês de Pombal.
 Os grandes objetivos da politica pombalina foram a redução do défice e a nacionalização do
sistema comercial português, passando o seu controlo e os seus beneficios para a mão dos
nacionais.
 Segundo máximas mercantilistas , Pombal impôs: A junta do Comércio, orgão ao qual
competia a regulação de boa parte da atividade económica do reino
 A criação de companhias mercantilistas, concentrando capitais privados e do estado, as
companhias procuravam bater os ingleses comercialmente.Por exemplo bater o comércio
dos vinhos que se encontravam submetidos aos interesses britânicos.
 Revaloriza o setor manufatureiro, procedendo à revitalização das indústrias existentes e à
criação de novas unidades.
 Todas as manufaturas pombalinas receberam privilégios
 Consciente de que o progresso económico passava pela promoção social da burguesia,
conferiu lhes maior estatuto.Criando por exemplo a escola do comércio.
A prosperidade comercial dos finais do
século XVIII
 Os resultados da politica pombalina não tardaram a fazer –se sentir
 As àreas das companhias prosperaram
 Desenvolveram-se produtos coloniais: café, algodão e o cacau
 Viveu-se a melhor época comercial de sempre durante 1796 e 1807, isto porque a balança
comercial obteve saldo positivo.
 Esta fase tão positiva também deveu –se por causa das guerras e revoluções francesas que
os enfraqueceram. O que fez com que Lisboa voltasse a ser um grande entreposto atlântico.
Triunfo dos estados e
dinâmicas económicas nos séc
XVII e XVIII
RELEMBRAR:
Reforço das economias nacionais e tentativas de controlo do comércio:
 Nos séculos XVII e XVIII, o comércio transoceânico adquiriu uma importância económica
fundamental. Novas rotas e áreas de comércio projetaram os negócios europeus para fora
do Velho Continente, consolidando um sistema económico que designamos por capitalismo
comercial.
 Acumular riquezas tornou-se um objetivo dos Estados Europeus, que , então, se
confrontaram com as grandes despesas criadas pelo absolutismo régio . Os meios de o
conseguir foram teorizados pela doutrina mercantilista.
 Segundo o Mercantilismo, a riqueza de um estado contava-se pela quantidade de metal
precioso . Canalizar dinheiro para dentro do reino, através de um saldo positivo na balança
comercial , tornou se o foco das práticas mercantilistas.
 Em França,foi Colbert , ministro de Luís XIV , quem melhor pôs em prática as ideias do
Mercantilismo. PORQUÊ?? - Porque estimulou as manufaturas incentivando as
economicamente, protegeu as produções francesas, aplicando pesados direitos de entrada
aos produtos importados; reforçou o comércio oceânico com a criação de companhias
monopolistas.
 O protecionismo mercantilista teve também expressão em Inglaterra.,onde se promulgaram
os Atos de navegação ,leis de carácter protecionista que obrigavam a que o transporte de
mercadorias para Inglaterra e suas colónias se efetuasse,com poucas exceções, em navios
ingleses. Deste modo, a marinha inglesa desenvolveu-se contribuindo para a supremacia
maritima desta nação.
 A importância dada ao comércio como fonte de riqueza e poderio traduziu-se em intensas
rivalidades entre os estados europeus, que disputaram entre si rotas e áreas de comércio.
A HEGEMONIA ECONÓMICA BRITÂNICA:
 A Partir de meados do século XVIII , a economia britânica tornou-se a mais poderosa da
Europa. Para o sucesso económico inglês contribuiu um conjunto vasto de fatores,dos quais
se salientam:
 AGRICULTURA INOVADORA (capaz de aumentar significamente a produtividade , criando
riqueza e libertando mão de obra para outros setores económicos)
Triunfo dos estados e
dinâmicas económicas nos séc
XVII e XVIII
 UM ACENTUADO CRESCIMENTO DEMOGRÁFICO- que não só ampilou o mercado
consumidor,estimulando a produção,como forneceu os trabalhadores indispensáveis ao
desenvolvimento económico.
 UM mercado interno onde os produtos circulavam de forma rápida e barata.
 Um mercado externo amplo
 Um sistema financeiro avançado , capaz de apoiar os varios setores de atividade.
 Um setor manufatureiro em mutação profunda.
Portugal-Dificuldades e crescimento económico
 No século XVII, Portugal vivia da reexportação dos produtos coloniais, sobretudo daqueles
que nos chegavam do Brasil
 Nas últimas três décadas do século ,uma profunda crise comercial diminuiu drasticamente o
volume dos negócios: as mercadorias não encontravam comprador e o país viu-se sem
meios para adquirir o muito que não produzia.
 Inspirados pela atuação de Colbert, os ministros de D.Pedro II, em especial o Conde da
Ericeira , procuram restringir as importações ,levando a cabo uma politica de fomento
manufatureiro: criam-se fábricas , criam –se as companhias monopolistas.
 Embora consistente , este esforço não frusticou de forma duradoura. No fim do século, a
conjuntura altera-se : a crise comercial termina e os nossos produtos coloniais tornam a dar
bons lucros ; o Tratado de Metheun, permite a entrada,sem restrições , dos texteis ingleses,
com os quais as nossas fábricas não conseguem competir . Mas sobretudo, encontram-se as
tão desejadas minas de ouro do Brasil.
 Este último fator traz a Portugal uma liquidez inesperada. Com o ouro do Brasil adquirem-se
novamente, ao estrangeiro , os produtos manufaturados. A produção nacional esmorece e o
ouro escoa-se para as mãos estrangeiras, sobretudo para as inglesas , que nos fornecem a
maior parte do que consumimos.
 Em meados do século XVIII quando as remessas de ouro brasileiro diminuiram, o défice
comercial do país era enorme. Desta vez , coube a Marquês de Pombal, o fomento da
economia portuguesa , investiu fortemente na criação de manufaturas dos mais diversos
ramos ; reorganizou e protegeu o comércio nacional, procurando subtrai-lo à influência
inglesa; valorizou a agricultura, com a criação da companhia das vinhas do alto douro.
 Graças às medidas económicas tomadas pelo Marquês do Pombal,no fim do século XVIII
Portugal viveu a sua melhor epóca comercial de sempre.
Triunfo dos estados e
dinâmicas económicas nos séc
XVII e XVIII
Trabalho realizado por : Pedro Rocha Da Silva

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Os Estados dos séculos XVII(17) e XVIII(18) e os sistemas económicos.

Mercantilismo[1]
Mercantilismo[1]Mercantilismo[1]
Mercantilismo[1]
betepa
 
Mercantilismo[1]
Mercantilismo[1]Mercantilismo[1]
Mercantilismo[1]
betepa
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
betepa
 
slideseconomiaiavi-140916134510-phpapp02.pdf
slideseconomiaiavi-140916134510-phpapp02.pdfslideseconomiaiavi-140916134510-phpapp02.pdf
slideseconomiaiavi-140916134510-phpapp02.pdf
dudacco2024
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
cattonia
 
O feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismoO feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismo
Eryka Fernanda
 

Semelhante a Os Estados dos séculos XVII(17) e XVIII(18) e os sistemas económicos. (20)

Mercantilismo[1]
Mercantilismo[1]Mercantilismo[1]
Mercantilismo[1]
 
Mercantilismo[1]
Mercantilismo[1]Mercantilismo[1]
Mercantilismo[1]
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Triunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos século XVII e XVIII.pptx
Triunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos século XVII e XVIII.pptxTriunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos século XVII e XVIII.pptx
Triunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos século XVII e XVIII.pptx
 
O mercantilismo
O mercantilismoO mercantilismo
O mercantilismo
 
6.Economia europeia e portuguesa - mercantilismo (1).pdf
6.Economia europeia e portuguesa - mercantilismo (1).pdf6.Economia europeia e portuguesa - mercantilismo (1).pdf
6.Economia europeia e portuguesa - mercantilismo (1).pdf
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
O mercantilismo
O mercantilismoO mercantilismo
O mercantilismo
 
O mercantilismo
O mercantilismoO mercantilismo
O mercantilismo
 
O mercantilismo
O mercantilismoO mercantilismo
O mercantilismo
 
Mercantilismo e sistema colonial
Mercantilismo e sistema colonialMercantilismo e sistema colonial
Mercantilismo e sistema colonial
 
slideseconomiaiavi-140916134510-phpapp02.pdf
slideseconomiaiavi-140916134510-phpapp02.pdfslideseconomiaiavi-140916134510-phpapp02.pdf
slideseconomiaiavi-140916134510-phpapp02.pdf
 
O Antigo Regime PortuguêS
O Antigo Regime PortuguêSO Antigo Regime PortuguêS
O Antigo Regime PortuguêS
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
O mercantilismo 14
O mercantilismo 14O mercantilismo 14
O mercantilismo 14
 
O Mercantilismo
O MercantilismoO Mercantilismo
O Mercantilismo
 
Recuperação história
Recuperação históriaRecuperação história
Recuperação história
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
O feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismoO feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismo
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 

Último (20)

prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 

Os Estados dos séculos XVII(17) e XVIII(18) e os sistemas económicos.

  • 1. Triunfo dos estados e dinâmicas económicas nos séc XVII e XVIII Triunfo dos estados e dinâmicas económicas nos séculos XVII e XVIII Reforço das economias nacionais e tentativas de controlo do comércio CONCEITOS: Capitalismo comercial : Sistema económico que se afirmou nos séculos XVI e XVIII e se caracteriza pela procura do maior lucro , pelo espirito de concorrência e pelo papel determinante do comércio como motor do desenvolvimento económico . Comércio Triangular: Circuito de comércio atlântico que ligava os continentes europeu, africano e americano. Este comércio, que prosperou sobretudo nos séculos XVII e XVIII, era suportado pelas necessidades de mão de obra das colónias americanas que dependiam dos escravos para as suas plantações e explorações mineiras. Tráfico negreiro: Intenso comércio de escravos negros que canalizou para a América Grande número de africanos, na sua maioria comprados ou aprisionados nas costas da Guiné , de Angola e de Moçambique. Os países como Portugal, Espanha, Holanda , França e Inglaterra , durante o século XVII e XVIII, detinham a maior fatia dos comércios intra continentais , que gerava lucros extraordinários. E porquê?? Porque os países tinham como grande objetivo : gerar capital, investi-lo e aumentá-lo, privilegiando o grande comércio . O mercado europeu entrou no seu exponencial : Capitalismo comercial.
  • 2. Triunfo dos estados e dinâmicas económicas nos séc XVII e XVIII Por causa do capitalismo comercial:  A América tornou-se colonizada e começou a ser vista como um local de recursos e manufatura/trabalho. De lá eram extraídos o açúcar, café, tabaco e algodão ,ouro e criava-se gado. Estes produtos eram enviados para a metrópole que em troca dava produtos agrícolas , industriais e a necessária mão de obra escrava , trazida de Africa . O que originou:  O comércio Triangular e o Tráfico negreiro. Reforço das economias nacionais: Mercantilismo Conceitos: Mercantilismo: Teoria económica enunciada nos séculos XVI, XVII e XVIII, que defende uma forte intervenção do Estado , na economia. O objetivo dessa intervenção era o aumento da riqueza nacional , identificada com a quantidade de metais preciosos acumulados pelo país.São caracteristicas do Mercantilismo as medidas de tipo protecionista e monopolista. Balança comercial : Termo que designa a relação entre o montante das importações e das exportações . Caso o volume das exportações ultrapasse o das importações---balança comercial positiva, o que se identifica com a prosperidade do país
  • 3. Triunfo dos estados e dinâmicas económicas nos séc XVII e XVIII Protecionismo: Politica económica que impede a livre iniciativa e a livre circulação de mercadorias. O protecionismo traduz-se , geralmente , quer por um aumento dos direitos alfandegários sobre as importações quer pela concessão de exclusivos e privilégios industriais. O objetivo destas medidas é permitir o desenvolvimento das produções internas que, desta forma, se tornam muito mais competitivas. Manufatura: Num sentido iato , o termo designa as diferentes atividades industriais que não empregam maquinaria e que , por isso , são caracteristicas das épocas pré-industriais. Em sentido restrito,aplica-se às grandes unidades transformadoras típicas dos séculos XVII e XVIII que recorriam já à divisão do trabalho e ao uso de tecnologia própia (mas não de maquinaria) Foi com o objetivo de enriquecer o estado e os seus cidadãos, que se estruturou a primeira doutrina económica da história . Valorizando a atividade mercantil, esta doutrina tomou o nome de Mercantilismo. Na lógica mercantilista , competia ao estado tomar as medidas necessárias para com que a balança comercial fosse favorável. Ou seja que tivessemos o quanto mais ouro possível, uma vez que os pensadores mercantilistas estavam convencidos de que a riqueza de um Estado se media pela quantidade de metais preciosos. Nas Tais medidas estava imposto o Protecionismo económico que formentava a produção e salvaguarda os produtos e as áreas de comércio nacionais da concorrência estrangeira .
  • 4. Triunfo dos estados e dinâmicas económicas nos séc XVII e XVIII O governo do estado devia seguir estas medidas :  O fomento da produção industrial, com vista a promover a autossuficiência do país bem como a exportação de produtos manufaturados  A revisa das tarifas alfandegárias, sobrecarregando os produtos estrangeiros e aliviando as taxas que pesavam sobre as exportações nacionais , de modo a torná-las mais competitivas  O incremento e reorganização do comércio externo, de forma a proporcionar mercados de abastecimento de matérias primas e de colocação de produtos manufaturados. O Mercantilismo em França Com grande preocupação das importações excessivas de França vindas da Holanda , Colbert pôs todo o seu empenho no desenvolvimento das manufaturas. Sendo assim um dos grandes impulsionistas do Mercantilismo em França. - Recorreu a importações de técnicas estrangeiras - Teve uma feição altamente dirigista - Desenvolveu as manufaturas - Nasceram as manufaturas reais,que funcionavam como unidades de modelo de produção. Que pertenciam ao estado ou a particulares, cujo o objetivo era produzir para a corte. Colbert investiu fortemente no desenvolvimento da frota mercante e da marinha de guerra. E criou as Companhias monopolistas.
  • 5. Triunfo dos estados e dinâmicas económicas nos séc XVII e XVIII CONCEITOS: Companhia monopolistas: Associação económica ,geralmente de cariz comercial ,com direitos exclusivos sobre determinados produtos ou àrea de comércio . Nos séculos XVII e XVIII organizavam-se numerosas companhias monopolistas , na sua maior parte destinadas ao comércio colonial.As mais poderosas foram as Companhias das Índias Orientais ,às quais os estados (Holanda , Inglaterra, França) conferiam poderes de conquista ,admnistração e defesa do Oriente. A companhia servia como representante de um país, reservava os direitos de comércio sobre determinada zona, competia contra as outras nações. Defendia os territorios coloniais, detinha assim o seu próprio poderio militar. O colbertismo representava assim a corrente mais dirigista de todo o mercantilismo. O SISTEMA MERCANTIL EM INGLATERRA O SISTEMA MERCANTIL EM INGLATERRA TINHA AS SEGUINTES CARACTERISTICAS:  As medidas eram de caracter mais flexível , o que lhes proporcionou um elevado grau de eficiência.  Valorização da marinha e do setor comercial, dada a concorrência da Holanda nos transportes maritimos e do comércio externo. Para expulsar a Holanda dos seus territorios comerciais , foi promulgado os “Atos de Navegação” em que apenas as embarcações inglesas poderiam entrar nos portos ingleses com mercadorias coloniais.
  • 6. Triunfo dos estados e dinâmicas económicas nos séc XVII e XVIII  Criação de grandes companhias de comércio,sendo a mais celebre e bem sucedida “ Companhia das Índias Orientais. Esta politica protecionista surtiu os efeitos desejados : o poderio comercial e maritimo da Inglaterra consolidou-se, permitindo a Inglaterra disputar o primeiro lugar da economia inernacional. O equilibrio europeu e a disputa das áreas coloniais OEquilíbrioeuropeufoiparticularmentefrágil,asguerras eramoriginadas porquestões dinásticas ,desejos territoriais ouinteresseseconómicos.  ApartirdasegundametadedoséculoXVII,as motivações económicasestiveramnaorigemda maiorpartedestesconflitos.Sendoquemovimentavacapitaiseproduziamaioreslucros.  Dadoqueageneralizaçãodas medidasprotecionistastinhalevantadograndesentraves à circulaçãodemercadoriasnocircuitoeuropeu,os olhares voltaram-separaasáreascoloniais ,quesetornaramocentrodeacesas rivalidades.  Oexclusivocolonialpermitiaaoestado regularasproduçõeseospreçossemteracontada concorrênciadosoutrospaíses ,impedidosdeaírealizaremosseusnegócios.  FaceàevidentedecadênciadosEstadosIbéricos,adisputadasupremacianograndecomércio maritimotravou-seessencialmenteentreaHolanda,InglaterraeaFrança.AInglaterraacaba porganhar,reconhecidaessavitórianoTratadodeParis.A Françaabandonavaaspossessões nas Índias.Eoutras zonasforamanexadas pelos ingleses.SendoassimInglaterratornava-sea maiorpotênciacolonialemarítimadaEuropa,perduraráportodooSéculoXIX. CONCEITOS:
  • 7. Triunfo dos estados e dinâmicas económicas nos séc XVII e XVIII EXCLUSIVOCOLONIAL:Formadeexploraçãoeconómicaquereservavaparaametrópoleos recursose omercadodascolónias .Trata-sedeumamedidaprotecionistacujo objetivoégarantiraobtençãode matérias-primas eprodutosexóticosabaixopreço,bemcomoescoaras produçõesmanufatureirasdo paísdominador. Hegemonia:Emhistóriapolítica,hegemoniaéasupremaciadeumpovosobreoutros,ouseja,através daintroduçãodasuaculturaoupormeiosmilitares. CONDIÇÕESDOSUCESSOINGLÊS: (quevigoroudurantegrandepartedoséculoXVIIIatéXIX.) Os progressosagrícolas:  Inglaterraprecisavaderesolveroproblemadoesgotamentodossolos,eparaevitaropousioe renovaraterrafoiaperfeiçoadoosistemaderotaçãodeculturas.--Afolheamentoquadrienal foiadecisãotomada,dividindoocampoemfolhas ealternandoascolheitas,queacabavam pormelhorarossolos.  Vistoqueapráticadocampoaberto,cujodeixavaosgados daregiãopassearlivremente, revelou-seprejudicialàrentabilizaçãodaterra,começou-se aoptarpeloprocessodevedações (enclousers)nasterrasdosproprietários.  Noscamposcercadosaperfeiçoaram-seasalfaiaseselecionaram-semelhorassementes.  Osetoragrícolaviuassimcrescerasuaprodutividade,aumentandosubstancialmenteos recursosalimentaresdopaís.Estaabundâncianãosópermitiuacanalizaçãodemãodeobra paraoutrossetoresprodutivos,comoimpulsionouumintensocrescimentodemográfico,fator devitalidadeeriquezaeconómica.  OCRESCIMENTODEMOGRÁFICOEAURBANIZAÇÃO:Asegundametadedosec XVIIIfoi marcadaporumintensocrescimentodemográfico.AtingindoespecialmenteaInglaterra ,dada aprosperidadedopaís.Sendoassimsimultaneamenteumresultadoeumfatordo desenvolvimentoeconómico.
  • 8. Triunfo dos estados e dinâmicas económicas nos séc XVII e XVIII  Acriaçãodepostosdetrabalhofazemaumentarataxadenupcidade,ocrescimento populacionalestimulaoconsumoeporsuavez fornecemãodeobrajovemaosdiversos setores deatividade.  Londres torna-seamaiorcidadedaEuropa,atingindoummilhãodehabitantesnosec XVIII, comajudatambémdamigraçãodadaaprecisademãodeobraprecisanoscamposea industrialização. ACRIAÇÃODEUMMERCADONACIONAL: Nosec XVIIIpeloefeitoconjugadodoaumentodemográficoedaurbanização,aocrescentenúmerode consumidores ,teve-sequetomaralgumasmedidas:  Criaçãodeummercadonacional,unificado,ondeos produtoseamãodeobrapodiacircular livremente.  Comoobjetivodediminuiroscustosdecirculação,ainglaterraempenhou-seno melhoramentodos transportes.Vistoquetinhamumaboaredehidrográfica,construindoum sistemadecanais,ampiliandoarededeestradas.  Aligaçãoentreasregiões dointerioreascidadesportuárias. CONCEITOS: MercadoNacional:Diz-secapacidadeaquisitivadaprocurainternaque,nocasodaInglaterra,nosec XVIII,foifavorecidapor:  Crescimentodemográfico  Aboliçãodosentravesàcirculaçãodosprodutos  Incrementodostransportes  Crescimentourbano O ALARGAMENTO DO MERCADO EXTERNO:  Os produtos ingleses impunham-se no continente ( europa) a avalanche de texteis e ferragens inglesas era real.  Era dos mercados transoceânicos que os ingleses retiravam os seus maiores dividendos
  • 9. Triunfo dos estados e dinâmicas económicas nos séc XVII e XVIII  Mais de metade da frota britânica singrava em direção às Américas,passando também por africa, inscrevendo-se nas rotas do comércio triangular.  O triângulo comercial consistia em : Partir dos Portos Ingleses trocando as armas de fogo ,rum,tecidos fracos mas com valor economico em Africa por escravos, destinados para trabalhar nas plantações e minas americanas. E entretanto na América adquiriam as produções tropicais de açucar,café,algodão , tabaco que revendiam depois na europa. O SISTEMA FINANCEIRO: A superioridade inglesa assentava ,também,num sistema financeiro avançado, facilitador do desenvolvimento económico.  Em Londres funcionava ,desde o fim do séc XVI, uma das primeiras bolsas de comércio da Europa,onde se centralizavam os grandes negócios da cidade.  A atividade bolsista foi um importante fator de prosperidade económica ,já que permitiu canalizar as poupanças particulares para o financiamento de empresas ,alargando assim o mercado de capitais.  A criação do Banco de Inglaterra, permitiu a que se realizasse operações necessárias ao grande comércio: depositos, transferencias de conta a conta, financiamentos...  O banco servia de prosperidade do comércio e à gestão capitalista do setor agrícola. A atividade do banco constituiu também o ponto de apoio da maior de todas as mudanças economicas : A Revolução Industrial OARRANQUE INDUSTRIAL  OProcessodeindustrializaçãoiniciou-seemInglaterranasegundametadedosécXVIII,sobo impulsodeumconjuntodefatores:OSAVANÇOSAGRÍCOLAS,ADINÀMICADEMOGRÁFICA,O ALARGAMENTODOSMERCADOS,ACAPACIDADE EMPREENDEDORADOSBRITÂNICOS eé claro,oavançotecnológico.  Umacadeiadeinovações revolucionouaindústria.Aespiraltecnológicaénosfornecidopela industriatêxtilqueliderouoarranqueindustrialinglês.
  • 10. Triunfo dos estados e dinâmicas económicas nos séc XVII e XVIII AINDUSTRIATEXTIL:  Foioaumentodaprocura,internaeexterna,bemcomoaabundânciadematéria- prima,proporcionadapelascolónias,queimpulsionaramosprogressosnosetoralgodoeiro.  Anovamaquinadefiarealançadeiravolante,acabaramporsergrandesinovações da industria.  Oalgodãofoioprincipalmotivopeloqualhouveumarranqueindustrial,eos melhoramentos datecelagem,fiaçãoeestampagemfizeramcomqueoaumentodeprodutividadeeprodução fossesequencialmenteaumentando.  Ofactodeasmaquinastexteis teremumreduzidocusto,levouacomquempequenas empresasseestabelececemnomercado. AMETALURGIA: Ametalurgiafoideterminantenodesenvolvimentotêxtildadoqueeraafornecedorademáquinas e outros equipamentos.Oferroagoraeramaisbaratoemais resistente,passandoasubstituiroutros materiais. AFORÇADOVAPOR:  AmaquinaavaporinventadaporJamesWattfoiimportanteparadarinicioàmaquinofaturae comoprosperidadeparasubstituirotrabalhohumano.  Amaquinaavaporajudouamoverteares ,martelos ,locomotivas. PORTUGAL QUAIS AS DIFICULDADES E COMO SUCEDEU O CRESCIMENTO ECONÓMICO??  No sec XVII , o nosso país tenta procurar implementar medidas protecionistas , de forma a lidar com as dificuldades económicas.  No sex XVIII o crescimento económico torna-se mais propicio, dada a descoberta do ouro no Brasil, durante o reinado de D.Joao V .
  • 11. Triunfo dos estados e dinâmicas económicas nos séc XVII e XVIII  Na segunda metade do século , é a ação do Marquês de Pombal que impulsiona a vida económica ,conduzindo o país a um período de acentuada prosperidade. EXPLICAÇÃO DA DIFICULDADE ECONÓMICA:  No séc XVII, Portugal vivia sobretudo da reexportação dos produtos coloniais (açucar,tabaco e as especiarias)  Holanda , França e Inglaterra acabam por produzir estes mesmos produtos , constituiam assim as suas proprias produções e consumiam- nas ---REDUZINDO AS COMPRAS FEITAS EM LISBOA.  As novas zonas produtoras, a politica protecionista de Colbert, concorrência no mercado asiatico levaram a que Portugal apresentasse no sec XVII dificuldades económicas.  Entre 1670 e 1692 – Portugal abarratova os armazens de mercadorias sem compradores.  Esta grave crise privou Portugal dos meios necessários ao pagamento dos produtos industriais que importava.  O objetivo era então o desenvolvimento das manufaturas, para não adquirir mais nada ao estrangeiro. O SURTO MANUFATUREIRO:  Conde da Ericeira foi o principal homem que provocou o surto manufatureiro, era chamado de Colbert Português, procurara equilibrar a balança comercial do reino substituindo as importações por fabrico de artigos nacionais.  O conde procedeu à contratação de artificies estrangeiros.  Criou industrias, às quais concedeu privilégios e subsídios.  Praticou uma politica protecionista da indústria nacional  Recorreu à desvalorização monetária com o fim de tornar os produtos portugueses competitivos no mercado externo e simultaneamente encarecer os artigos de fora.  Criaram-se várias companhias monopolistas (Associação económica ,geralmente de cariz comercial ,com direitos exclusivos sobre determinados produtos ou àrea de comércio) Por exemplo a companhia do Maranhão -destinada ao mercado brasileiro .
  • 12. Triunfo dos estados e dinâmicas económicas nos séc XVII e XVIII A inversão da conjuntura e a descoberta do ouro brasileiro  A crise dá sinais de se extinguir( 1690) , após finalmente as mercadorias nacionais começarem a serem vendidas , além disso o preço das mercadorias coloniais elevam-se.  A descoberta de jazidas de ouro no Brasil ainda ajudou mais esta inversão.  O centro de S.Paulo foi um local de procura intensa de ouro , e foi um exito , tanto é que até diamantes foram encontrados .  Uma súbita sensação de riqueza invadiu Portugal.cerca de 500 toneladas de ouro entraram  Suporte do esplendor que dourou o reinado de D.joao V , o ouro brasileiro infelizmente não se revelou um incentivo ao desenvolvimento económico. A Apropiação do ouro brasileiro pelo mercado britânico  A crise comercial voltava a aparecer, e o país encontra de novo,a sua vocação mercantil e o esforço industrializador esmorece.  A obtenção do ouro brasileiro permitiu a com que fosse mais facil pagar , e por isso viamos nos denovo a comprar do estrangeiro.  A incapacidade de fazer cumprir as Pragmáticas,bem como a fraca qualidade dos produtos fabricados,concorreu também para a decadência das nossas unidades industriais.  Portugal em 1703 recebe o duro golpe do Tratado de Methuen.Onde os produtos ingleses ,como os tecidos , poderiam entrar em Portugal sem restrições indo assim contra as leis protecionistas que os proibiam. Passando assim grande parte do ouro a ser gasto com Inglaterra. O Tratado de Methuen é responsável assim pela derrocada da nossa indústria e pala subsequente preponderância britânica  Cerca de três quatros do Ouro do brasil acabou por parar às mãos dos Ingleses.
  • 13. Triunfo dos estados e dinâmicas económicas nos séc XVII e XVIII A Política económica e social pombalina  Portugal via –se a braços com uma nova crise :debilidade da produção interna, dificuldades de colocação, no mercado, dos produtos brasileiros, e excessiva intromissão de nações no nosso comércio colonial.  A crise e a consciência da nossa excessiva dependência face à Inglaterra, coincidiram com o governo do Marquês de Pombal.  Os grandes objetivos da politica pombalina foram a redução do défice e a nacionalização do sistema comercial português, passando o seu controlo e os seus beneficios para a mão dos nacionais.  Segundo máximas mercantilistas , Pombal impôs: A junta do Comércio, orgão ao qual competia a regulação de boa parte da atividade económica do reino  A criação de companhias mercantilistas, concentrando capitais privados e do estado, as companhias procuravam bater os ingleses comercialmente.Por exemplo bater o comércio dos vinhos que se encontravam submetidos aos interesses britânicos.  Revaloriza o setor manufatureiro, procedendo à revitalização das indústrias existentes e à criação de novas unidades.  Todas as manufaturas pombalinas receberam privilégios  Consciente de que o progresso económico passava pela promoção social da burguesia, conferiu lhes maior estatuto.Criando por exemplo a escola do comércio. A prosperidade comercial dos finais do século XVIII  Os resultados da politica pombalina não tardaram a fazer –se sentir  As àreas das companhias prosperaram  Desenvolveram-se produtos coloniais: café, algodão e o cacau  Viveu-se a melhor época comercial de sempre durante 1796 e 1807, isto porque a balança comercial obteve saldo positivo.  Esta fase tão positiva também deveu –se por causa das guerras e revoluções francesas que os enfraqueceram. O que fez com que Lisboa voltasse a ser um grande entreposto atlântico.
  • 14. Triunfo dos estados e dinâmicas económicas nos séc XVII e XVIII RELEMBRAR: Reforço das economias nacionais e tentativas de controlo do comércio:  Nos séculos XVII e XVIII, o comércio transoceânico adquiriu uma importância económica fundamental. Novas rotas e áreas de comércio projetaram os negócios europeus para fora do Velho Continente, consolidando um sistema económico que designamos por capitalismo comercial.  Acumular riquezas tornou-se um objetivo dos Estados Europeus, que , então, se confrontaram com as grandes despesas criadas pelo absolutismo régio . Os meios de o conseguir foram teorizados pela doutrina mercantilista.  Segundo o Mercantilismo, a riqueza de um estado contava-se pela quantidade de metal precioso . Canalizar dinheiro para dentro do reino, através de um saldo positivo na balança comercial , tornou se o foco das práticas mercantilistas.  Em França,foi Colbert , ministro de Luís XIV , quem melhor pôs em prática as ideias do Mercantilismo. PORQUÊ?? - Porque estimulou as manufaturas incentivando as economicamente, protegeu as produções francesas, aplicando pesados direitos de entrada aos produtos importados; reforçou o comércio oceânico com a criação de companhias monopolistas.  O protecionismo mercantilista teve também expressão em Inglaterra.,onde se promulgaram os Atos de navegação ,leis de carácter protecionista que obrigavam a que o transporte de mercadorias para Inglaterra e suas colónias se efetuasse,com poucas exceções, em navios ingleses. Deste modo, a marinha inglesa desenvolveu-se contribuindo para a supremacia maritima desta nação.  A importância dada ao comércio como fonte de riqueza e poderio traduziu-se em intensas rivalidades entre os estados europeus, que disputaram entre si rotas e áreas de comércio. A HEGEMONIA ECONÓMICA BRITÂNICA:  A Partir de meados do século XVIII , a economia britânica tornou-se a mais poderosa da Europa. Para o sucesso económico inglês contribuiu um conjunto vasto de fatores,dos quais se salientam:  AGRICULTURA INOVADORA (capaz de aumentar significamente a produtividade , criando riqueza e libertando mão de obra para outros setores económicos)
  • 15. Triunfo dos estados e dinâmicas económicas nos séc XVII e XVIII  UM ACENTUADO CRESCIMENTO DEMOGRÁFICO- que não só ampilou o mercado consumidor,estimulando a produção,como forneceu os trabalhadores indispensáveis ao desenvolvimento económico.  UM mercado interno onde os produtos circulavam de forma rápida e barata.  Um mercado externo amplo  Um sistema financeiro avançado , capaz de apoiar os varios setores de atividade.  Um setor manufatureiro em mutação profunda. Portugal-Dificuldades e crescimento económico  No século XVII, Portugal vivia da reexportação dos produtos coloniais, sobretudo daqueles que nos chegavam do Brasil  Nas últimas três décadas do século ,uma profunda crise comercial diminuiu drasticamente o volume dos negócios: as mercadorias não encontravam comprador e o país viu-se sem meios para adquirir o muito que não produzia.  Inspirados pela atuação de Colbert, os ministros de D.Pedro II, em especial o Conde da Ericeira , procuram restringir as importações ,levando a cabo uma politica de fomento manufatureiro: criam-se fábricas , criam –se as companhias monopolistas.  Embora consistente , este esforço não frusticou de forma duradoura. No fim do século, a conjuntura altera-se : a crise comercial termina e os nossos produtos coloniais tornam a dar bons lucros ; o Tratado de Metheun, permite a entrada,sem restrições , dos texteis ingleses, com os quais as nossas fábricas não conseguem competir . Mas sobretudo, encontram-se as tão desejadas minas de ouro do Brasil.  Este último fator traz a Portugal uma liquidez inesperada. Com o ouro do Brasil adquirem-se novamente, ao estrangeiro , os produtos manufaturados. A produção nacional esmorece e o ouro escoa-se para as mãos estrangeiras, sobretudo para as inglesas , que nos fornecem a maior parte do que consumimos.  Em meados do século XVIII quando as remessas de ouro brasileiro diminuiram, o défice comercial do país era enorme. Desta vez , coube a Marquês de Pombal, o fomento da economia portuguesa , investiu fortemente na criação de manufaturas dos mais diversos ramos ; reorganizou e protegeu o comércio nacional, procurando subtrai-lo à influência inglesa; valorizou a agricultura, com a criação da companhia das vinhas do alto douro.  Graças às medidas económicas tomadas pelo Marquês do Pombal,no fim do século XVIII Portugal viveu a sua melhor epóca comercial de sempre.
  • 16. Triunfo dos estados e dinâmicas económicas nos séc XVII e XVIII Trabalho realizado por : Pedro Rocha Da Silva