SlideShare uma empresa Scribd logo

A epopeia de gilgamesh martins fontes

O livro compara a narrativa Egípcia com a narrativa da Bíblia

1 de 12
Baixar para ler offline
A Epopeia de
Gilgamesh
Iniciais:Amor00-Iniciais 5/6/11 7:07 AM Page 1
Iniciais:Amor00-Iniciais 5/6/11 7:07 AM Page 2
A Epopeia de
Gilgamesh
Anônimo
SÃO PAULO 2011
Iniciais:Amor00-Iniciais 5/6/11 7:07 AM Page 3
Iniciais:Amor00-Iniciais 5/6/11 7:07 AM Page 4
Sumário
Introdução.................................................... 000
Agradecimentos............................................ 000
A Epopeia de Gilgamesh............................. 000
Prólogo: Gilgamesh, rei de Uruk................ 000
1. A chegada de Enkidu.............................. 000
2. A jornada na floresta............................... 000
3. Ishtar e Gilgamesh, e a morte de Enkidu 000
4. A busca da vida eterna ........................... 000
5. A história do dilúvio................................ 000
6. A volta ...................................................... 000
7. A morte de Gilgamesh ............................ 000
Glossário onomástico................................... 000
Apêndice: fontes ........................................... 000
Iniciais:Amor00-Iniciais 5/6/11 7:07 AM Page 5
1. A história da Epopeia
A Epopeia de Gilgamesh, o famoso rei de
Uruk, na Mesopotâmia, provém de uma era to-
talmente esquecida até o século passado, quan-
do os arqueólogos começaram a escavar as ci-
dades soterradas do Oriente Médio. Até então,
toda a história relativa ao longo período que
separa Noé de Abraão estava contida em dois
dos livros menos atraentes, por serem de cunho
genealógico, do Livro do Gênesis. Destes capí-
tulos, apenas dois nomes são lembrados até
hoje no linguajar cotidiano: o do caçador Nim-
rod e o da torre de Babel. O ciclo de poemas
reunidos em torno de Gilgamesh nos leva, con-
tudo, de volta ao meio daquele período.
Estes poemas têm direito a um lugar na lite-
ratura mundial, não apenas por precederem às
epopeias homéricas em pelo menos mil e qui-
nhentos anos, mas principalmente pela quali-
dade e originalidade da história que narram.
Trata-se de uma mistura de pura aventura, mo-
Introdução
7
Gilgamesh01:Amor01 5/6/11 7:06 AM Page 7

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a A epopeia de gilgamesh martins fontes

A epopeia de_gilgamesh
A epopeia de_gilgameshA epopeia de_gilgamesh
A epopeia de_gilgameshMe
 
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev)   anonimoA epopéia de gilgamesh (rev)   anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimoProfadriano01
 
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev)   anonimoA epopéia de gilgamesh (rev)   anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimoProfadriano01
 
A EpopéIa De Gilgamesh (Rev) Anonimo
A EpopéIa De Gilgamesh (Rev)   AnonimoA EpopéIa De Gilgamesh (Rev)   Anonimo
A EpopéIa De Gilgamesh (Rev) AnonimoWillian Papp
 
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev)   anonimoA epopéia de gilgamesh (rev)   anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimoProfadriano01
 
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev)   anonimoA epopéia de gilgamesh (rev)   anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimoProfadriano01
 
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev)   anonimoA epopéia de gilgamesh (rev)   anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimoMargareth Rodrigues
 
A epopeiade gilgamesh-anonimo-martinsfontes
A epopeiade gilgamesh-anonimo-martinsfontesA epopeiade gilgamesh-anonimo-martinsfontes
A epopeiade gilgamesh-anonimo-martinsfontesjuliana alves
 
A epopeia de gilgamesh anonimo (2)
A epopeia de gilgamesh   anonimo (2)A epopeia de gilgamesh   anonimo (2)
A epopeia de gilgamesh anonimo (2)Fabiano Dias
 
A epopeia de gilgamesh
A epopeia de gilgameshA epopeia de gilgamesh
A epopeia de gilgameshKariny Davis
 
A Bíblia e as Últimas Descobertas
A Bíblia e as Últimas DescobertasA Bíblia e as Últimas Descobertas
A Bíblia e as Últimas DescobertasFabianoMedeiros15
 
A EPOPEIA DE GILGAMESH COM COMENTÁRIOS
A EPOPEIA DE GILGAMESH COM COMENTÁRIOSA EPOPEIA DE GILGAMESH COM COMENTÁRIOS
A EPOPEIA DE GILGAMESH COM COMENTÁRIOSESCRIBAVALDEMIR
 
05. sitchin, zecharia os reinos perdidos
05. sitchin, zecharia   os reinos perdidos05. sitchin, zecharia   os reinos perdidos
05. sitchin, zecharia os reinos perdidosstav8
 
História do livro e da biblioteca
História do livro e da bibliotecaHistória do livro e da biblioteca
História do livro e da bibliotecaAna Glenyr
 
Atividades com pintura artes1o ano 2009
Atividades  com pintura artes1o ano 2009Atividades  com pintura artes1o ano 2009
Atividades com pintura artes1o ano 2009beljinaldo
 
8º-ano-B-Viagem-ao-centro-da-terra-1.pdf
8º-ano-B-Viagem-ao-centro-da-terra-1.pdf8º-ano-B-Viagem-ao-centro-da-terra-1.pdf
8º-ano-B-Viagem-ao-centro-da-terra-1.pdfAna Vaz
 

Semelhante a A epopeia de gilgamesh martins fontes (20)

A epopeia de_gilgamesh
A epopeia de_gilgameshA epopeia de_gilgamesh
A epopeia de_gilgamesh
 
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev)   anonimoA epopéia de gilgamesh (rev)   anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
 
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev)   anonimoA epopéia de gilgamesh (rev)   anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
 
A EpopéIa De Gilgamesh (Rev) Anonimo
A EpopéIa De Gilgamesh (Rev)   AnonimoA EpopéIa De Gilgamesh (Rev)   Anonimo
A EpopéIa De Gilgamesh (Rev) Anonimo
 
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev)   anonimoA epopéia de gilgamesh (rev)   anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
 
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev)   anonimoA epopéia de gilgamesh (rev)   anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
 
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev)   anonimoA epopéia de gilgamesh (rev)   anonimo
A epopéia de gilgamesh (rev) anonimo
 
A epopeiade gilgamesh-anonimo-martinsfontes
A epopeiade gilgamesh-anonimo-martinsfontesA epopeiade gilgamesh-anonimo-martinsfontes
A epopeiade gilgamesh-anonimo-martinsfontes
 
A epopeia de gilgamesh anonimo (2)
A epopeia de gilgamesh   anonimo (2)A epopeia de gilgamesh   anonimo (2)
A epopeia de gilgamesh anonimo (2)
 
A epopeia de gilgamesh
A epopeia de gilgameshA epopeia de gilgamesh
A epopeia de gilgamesh
 
A Bíblia e as Últimas Descobertas
A Bíblia e as Últimas DescobertasA Bíblia e as Últimas Descobertas
A Bíblia e as Últimas Descobertas
 
A EPOPEIA DE GILGAMESH COM COMENTÁRIOS
A EPOPEIA DE GILGAMESH COM COMENTÁRIOSA EPOPEIA DE GILGAMESH COM COMENTÁRIOS
A EPOPEIA DE GILGAMESH COM COMENTÁRIOS
 
05. sitchin, zecharia os reinos perdidos
05. sitchin, zecharia   os reinos perdidos05. sitchin, zecharia   os reinos perdidos
05. sitchin, zecharia os reinos perdidos
 
O representação do meridiano
O representação do meridianoO representação do meridiano
O representação do meridiano
 
História do livro e da biblioteca
História do livro e da bibliotecaHistória do livro e da biblioteca
História do livro e da biblioteca
 
Atividades com pintura artes1o ano 2009
Atividades  com pintura artes1o ano 2009Atividades  com pintura artes1o ano 2009
Atividades com pintura artes1o ano 2009
 
Suméria, anunnaki, nefilins, planeta x, nibiru o que realmente é
Suméria, anunnaki, nefilins, planeta x, nibiru   o que realmente éSuméria, anunnaki, nefilins, planeta x, nibiru   o que realmente é
Suméria, anunnaki, nefilins, planeta x, nibiru o que realmente é
 
8º-ano-B-Viagem-ao-centro-da-terra-1.pdf
8º-ano-B-Viagem-ao-centro-da-terra-1.pdf8º-ano-B-Viagem-ao-centro-da-terra-1.pdf
8º-ano-B-Viagem-ao-centro-da-terra-1.pdf
 
A Invenção do Alfabeto e da Escrita
A Invenção do Alfabeto e da EscritaA Invenção do Alfabeto e da Escrita
A Invenção do Alfabeto e da Escrita
 
Quinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasilQuinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasil
 

Último

2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...azulassessoriaacadem3
 
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...apoioacademicoead
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...azulassessoriaacadem3
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...azulassessoriaacadem3
 
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.Prime Assessoria
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...apoioacademicoead
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da MulherMary Alvarenga
 
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médioElementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médioProfessor Belinaso
 
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...assessoriaff01
 
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...excellenceeducaciona
 
Nesse sentido, considerando a situação hipotética apresentada sobre o projeto...
Nesse sentido, considerando a situação hipotética apresentada sobre o projeto...Nesse sentido, considerando a situação hipotética apresentada sobre o projeto...
Nesse sentido, considerando a situação hipotética apresentada sobre o projeto...azulassessoriaacadem3
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptxAndreia Silva
 
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptxUm círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptxColmeias
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdfCludiaFrancklim
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...excellenceeducaciona
 
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxSlides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...azulassessoriaacadem3
 
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
 
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
 
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
 
Namorar não és ser don .
Namorar não és ser don                  .Namorar não és ser don                  .
Namorar não és ser don .
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher
 
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médioElementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
 
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
 
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
 
Nesse sentido, considerando a situação hipotética apresentada sobre o projeto...
Nesse sentido, considerando a situação hipotética apresentada sobre o projeto...Nesse sentido, considerando a situação hipotética apresentada sobre o projeto...
Nesse sentido, considerando a situação hipotética apresentada sobre o projeto...
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
 
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptxUm círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
 
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxSlides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
 
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
 
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
 

A epopeia de gilgamesh martins fontes

  • 3. A Epopeia de Gilgamesh Anônimo SÃO PAULO 2011 Iniciais:Amor00-Iniciais 5/6/11 7:07 AM Page 3
  • 5. Sumário Introdução.................................................... 000 Agradecimentos............................................ 000 A Epopeia de Gilgamesh............................. 000 Prólogo: Gilgamesh, rei de Uruk................ 000 1. A chegada de Enkidu.............................. 000 2. A jornada na floresta............................... 000 3. Ishtar e Gilgamesh, e a morte de Enkidu 000 4. A busca da vida eterna ........................... 000 5. A história do dilúvio................................ 000 6. A volta ...................................................... 000 7. A morte de Gilgamesh ............................ 000 Glossário onomástico................................... 000 Apêndice: fontes ........................................... 000 Iniciais:Amor00-Iniciais 5/6/11 7:07 AM Page 5
  • 6. 1. A história da Epopeia A Epopeia de Gilgamesh, o famoso rei de Uruk, na Mesopotâmia, provém de uma era to- talmente esquecida até o século passado, quan- do os arqueólogos começaram a escavar as ci- dades soterradas do Oriente Médio. Até então, toda a história relativa ao longo período que separa Noé de Abraão estava contida em dois dos livros menos atraentes, por serem de cunho genealógico, do Livro do Gênesis. Destes capí- tulos, apenas dois nomes são lembrados até hoje no linguajar cotidiano: o do caçador Nim- rod e o da torre de Babel. O ciclo de poemas reunidos em torno de Gilgamesh nos leva, con- tudo, de volta ao meio daquele período. Estes poemas têm direito a um lugar na lite- ratura mundial, não apenas por precederem às epopeias homéricas em pelo menos mil e qui- nhentos anos, mas principalmente pela quali- dade e originalidade da história que narram. Trata-se de uma mistura de pura aventura, mo- Introdução 7 Gilgamesh01:Amor01 5/6/11 7:06 AM Page 7
  • 7. ralidade e tragédia. Por meio da ação estes poe- mas nos revelam uma preocupação bastante humana com a mortalidade, a busca do conhe- cimento e a tentativa de escapar ao destino do homem comum. Os deuses não podem ser trá- gicos, pois não morrem. Se Gilgamesh não é o primeiro herói humano, é o primeiro herói trá- gico sobre o qual conhecemos alguma coisa. E aquele com quem mais nos identificamos e que melhor representa o homem em busca da vida e do conhecimento, uma busca que não pode conduzi-lo senão à tragédia. Pode talvez causar alguma surpresa o fato de que algo tão antigo quanto uma história do terceiro milênio a.C. tenha ainda algum poder para comover e continuar atraindo leitores no século XX; isto no entanto acontece. A narrativa está incomple- ta e pode ser que continue assim; ela é, porém, o mais admirável poema épico que nos chegou de todo o período anterior ao aparecimento da Ilíada de Homero; e é também incomparavel- mente mais antigo. Temos boas razões para crer que a maior par- te dos poemas de Gilgamesh já haviam sido escritos nos primeiros séculos do segundo mi- lênio a.C. e que provavelmente já existiam nu- ma forma bastante semelhante muitos séculos antes disso, ao passo que o texto definitivo e a edição mais completa da epopeia vêm do sé- culo VII, da biblioteca de Assurbanipal, anti- quário e último dos grandes reis do Império As- sírio. Assurbanipal foi um grande general, o saqueador do Egito e de Susa; mas foi também 8 Gilgamesh01:Amor01 5/6/11 7:06 AM Page 8
  • 8. o compilador de uma notável biblioteca, com- posta por documentos relativos à história con- temporânea e por hinos, poemas e textos cien- tíficos e religiosos muito mais antigos. Ele nos conta que enviou seus servos aos antigos cen- tros de saber de Babilônia, Uruk e Nippur para que pesquisassem seus arquivos e copiassem e traduzissem para o semítico acadiano da épo- ca os textos escritos na antiga língua suméria da Mesopotâmia. Entre esses textos, “Copiados segundo o original e cotejados no palácio de Assurbanipal, Rei do Mundo, Rei da Assíria”, estava o poema que chamamos a Epopeia de Gilgamesh. Não muito depois de este trabalho de cotejo ter sido concluído, a epopeia virtualmente per- deu-se e o nome do herói foi esquecido, de- turpado ou desfigurado até se tornar pratica- mente irreconhecível – até ser redescoberto no século passado. Esta descoberta deveu-se, em primeiro lugar, à curiosidade de dois ingleses, e depois ao trabalho de muitos estudiosos em diferentes partes do mundo, que juntaram, co- piaram e traduziram as tábuas de argila onde o poema foi escrito. Esta é uma obra ainda em andamento, e a cada ano que passa mais lacu- nas são preenchidas; mas o corpo principal da epopeia assíria não tem sido alterado em seus aspectos essenciais desde a monumental pu- blicação do texto, com transliteração e comen- tários, por Campbell Thompson, em 1928 e 1930. Mais recentemente, contudo, atingiu-se um novo estágio, e uma nova onda de interes- 9 Gilgamesh01:Amor01 5/6/11 7:06 AM Page 9
  • 9. se surgiu em torno do trabalho do prof. Samuel Kramer, da Pensilvânia, cujo cotejo e tradução dos textos sumérios levam a história da epo- peia de volta ao terceiro milênio a.C. Já é pos- sível agora combinar e comparar um corpo de escritos bem maior e bem mais antigo do que o que tínhamos até então. 2. A descoberta das tábuas A descoberta das tábuas remonta à era heroi- ca das escavações, em meados do século XIX, quando, embora os métodos não fossem sem- pre tão escrupulosos nem os objetivos tão es- tritamente científicos como hoje, as dificuldades e até mesmo os perigos do empreendimento eram bem maiores, e os resultados causavam um impacto capaz de alterar profundamente a perspectiva intelectual da época. Em 1839, um jovem inglês, Austen Henry Layard, partiu com um amigo para uma viagem por terra até o Ceilão; mas ele se deteve por algum tempo na Mesopotâmia para fazer um reconhecimento das colinas assírias. A demora de algumas se- manas se estendeu por anos, mas por fim Ní- nive e Nimrud foram escavadas; e foi de uma dessas escavações que Layard trouxe para o Museu Britânico uma grande parte de sua co- leção de esculturas assírias, junto com milha- res de tábuas quebradas do palácio de Nínive. Quando Layard começou a escavar em Níni- ve, esperava encontrar inscrições; mas a reali- 10 Gilgamesh01:Amor01 5/6/11 7:06 AM Page 10
  • 10. dade, uma biblioteca soterrada contendo toda uma literatura perdida, superou suas maiores expectativas. Na verdade, a extensão e o valor da descoberta só foram avaliados posterior- mente, depois que as tábuas com caracteres em forma de cunha foram decifradas. Como era de esperar, algumas dessas tábuas se perde- ram; mas mais de vinte e cinco mil tábuas que- bradas, uma quantidade enorme, foram leva- das para o Museu Britânico. O trabalho de de- cifração foi iniciado por Henry Rawlinson, na residência oficial do governador-geral em Bag- dá, onde Rawlinson ocupava o cargo de agen- te político. Antes de ir para Bagdá, Rawlinson, então um oficial do exército a serviço da Com- panhia das Índias Orientais, havia descoberto aquilo que acabaria se revelando a principal chave para a decifração do cuneiforme: uma grande inscrição, a “Inscrição de Dario”, encon- trada na rocha de Behistun, perto de Kermans- hah, na Pérsia, escrita em caracteres cuneifor- mes em três línguas – o persa, o babilônico e o elamita arcaicos. O trabalho iniciado por Rawlinson em Bagdá prosseguiu no Museu Bri- tânico quando o orientalista retornou à Ingla- terra em 1855. Logo após seu retorno, come- çou a publicar Cuneiform Inscriptions of Wes- tern Asia. Em 1866, George Smith juntou-se a Rawlinson como assistente no trabalho de de- cifração das tábuas. Nesse meio-tempo, Rassam, o colaborador e sucessor de Layard em Nínive, havia escavado em 1853 a parte da biblioteca em que estavam 11 Gilgamesh01:Amor01 5/6/11 7:06 AM Page 11
  • 11. as tábuas com o cotejo assírio da Epopeia de Gilgamesh. A importância da descoberta só foi percebida vinte anos mais tarde, quando, em de- zembro de 1872, num encontro da recém-fun- dada Sociedade de Arqueologia Bíblica, Geor- ge Smith anunciou: “Pouco tempo atrás, desco- bri entre as tábuas assírias no Museu Britânico um relato do dilúvio.” Era a décima primeira tábua da recensão assíria da Epopeia de Gilga- mesh. Logo depois desta revelação, Smith pu- blicou Chaldean Account of the Deluge, con- tendo um resumo da narrativa de Gilgamesh. O interesse foi imediato e geral; mas a própria tábua do Dilúvio estava incompleta, e isto fez com que se iniciasse uma nova busca para tra- zer de volta mais tábuas. O Daily Telegraph contribuiu com mil guinéus para que fossem feitas mais escavações em Nínive. George Smith comandaria o trabalho em nome do Museu Britânico. Pouco depois de sua chegada a Ní- nive, Smith encontrou as linhas que faltavam da descrição do dilúvio. Este material era na época, e ainda é, a parte mais completa e bem preservada de toda a epopeia. Muitas outras tábuas foram achadas naquele ano e no ano seguinte, e Smith pôde reconstituir a maior par- te da versão assíria antes de sucumbir, em 1876, à doença e à fome, vindo a falecer perto de Alepo aos trinta e seis anos; mas já desbravara todo um novo território na área dos estudos bíblicos e da história antiga. Ao publicar o “Dilúvio” assírio, Smith afirmou tratar-se evidentemente de uma cópia de uma 12 Gilgamesh01:Amor01 5/6/11 7:06 AM Page 12
  • 12. versão muito mais antiga feita em Uruk, a Erech da Bíblia, conhecida hoje como Warka. Alguns anos antes, entre 1849 e 1852, W. K. Loftus, membro da Comissão de Fronteira Turco-Per- sa, passara duas curtas temporadas escavando em Warka, onde encontrou curiosos restos, in- clusive tábuas e o que hoje sabemos ser pare- des de mosaico do terceiro milênio. Mas War- ka teve de esperar até os anos vinte e trinta deste século para vir a receber mais atenção; foi quando os alemães empreenderam grandes escavações que revelaram uma longa série de construções, bem como tábuas e esculturas. Graças a esse trabalho, sabe-se muito hoje em dia a respeito da antiga Uruk, de seus templos e da vida de seus habitantes. Ainda mais importantes para a história da Epopeia de Gilgamesh foram as atividades de uma expedição americana da Universidade da Pensilvânia, comandada por John Punnet Pe- ters, que ao final do século XIX começou a tra- balhar no monte de Niffer, a antiga Nippur, no sul do Iraque. Já se tinha nessa época bem mais experiência com os problemas que en- volviam a escavação de cidades antigas; mas ainda assim os riscos eram enormes. O primei- ro período em Nippur, 1888-89, começou ale- gremente com a chegada de Peters e seu gru- po ao sítio de escavação, depois de um galope desenfreado através dos bambuzais em cima de fogosos garanhões; mas sua última visão do monte ao final da temporada foi a de árabes 13 Gilgamesh01:Amor01 5/6/11 7:06 AM Page 13