Geopolítica do Petróleo UENF - 30 AGO 2016

447 visualizações

Publicada em

Edição: 30 de Agosto 2016 - A partir da visão da geopolítica mundial, caminha-se pelos fatos históricos até chegarmos a atualidade de um mundo em crise. A crise da Petrobras e consequente crise de toda a indústria petrolífera no Brasil.
XIV ENCONTRO DE ENGENHARIA DE EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
447
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Adicionalmente, o acesso aos recursos naturais (reservas) e tecnologia própria são fatores cada vez mais difíceis de serem conciliados na industria, gerando gargalos para crescimentos de empresas/países.
    A vantagem competitiva do Brasil pode ser destacada neste contexto, uma vez que o país desenvolveu tecnologia e conhecimento para operar em águas profundas, vivenciou as descobertas recentes das grandes reservas da região do pré-sal , alem de desfrutar de um ambiente de estabilidade econômica e política, economia em crescimento e regras de mercado bem definidas.
  • Adicionalmente, o acesso aos recursos naturais (reservas) e tecnologia própria são fatores cada vez mais difíceis de serem conciliados na industria, gerando gargalos para crescimentos de empresas/países.
    A vantagem competitiva do Brasil pode ser destacada neste contexto, uma vez que o país desenvolveu tecnologia e conhecimento para operar em águas profundas, vivenciou as descobertas recentes das grandes reservas da região do pré-sal , alem de desfrutar de um ambiente de estabilidade econômica e política, economia em crescimento e regras de mercado bem definidas.
  • Adicionalmente, o acesso aos recursos naturais (reservas) e tecnologia própria são fatores cada vez mais difíceis de serem conciliados na industria, gerando gargalos para crescimentos de empresas/países.
    A vantagem competitiva do Brasil pode ser destacada neste contexto, uma vez que o país desenvolveu tecnologia e conhecimento para operar em águas profundas, vivenciou as descobertas recentes das grandes reservas da região do pré-sal , alem de desfrutar de um ambiente de estabilidade econômica e política, economia em crescimento e regras de mercado bem definidas.
  • Adicionalmente, o acesso aos recursos naturais (reservas) e tecnologia própria são fatores cada vez mais difíceis de serem conciliados na industria, gerando gargalos para crescimentos de empresas/países.
    A vantagem competitiva do Brasil pode ser destacada neste contexto, uma vez que o país desenvolveu tecnologia e conhecimento para operar em águas profundas, vivenciou as descobertas recentes das grandes reservas da região do pré-sal , alem de desfrutar de um ambiente de estabilidade econômica e política, economia em crescimento e regras de mercado bem definidas.
  • Adicionalmente, o acesso aos recursos naturais (reservas) e tecnologia própria são fatores cada vez mais difíceis de serem conciliados na industria, gerando gargalos para crescimentos de empresas/países.
    A vantagem competitiva do Brasil pode ser destacada neste contexto, uma vez que o país desenvolveu tecnologia e conhecimento para operar em águas profundas, vivenciou as descobertas recentes das grandes reservas da região do pré-sal , alem de desfrutar de um ambiente de estabilidade econômica e política, economia em crescimento e regras de mercado bem definidas.
  • Adicionalmente, o acesso aos recursos naturais (reservas) e tecnologia própria são fatores cada vez mais difíceis de serem conciliados na industria, gerando gargalos para crescimentos de empresas/países.
    A vantagem competitiva do Brasil pode ser destacada neste contexto, uma vez que o país desenvolveu tecnologia e conhecimento para operar em águas profundas, vivenciou as descobertas recentes das grandes reservas da região do pré-sal , alem de desfrutar de um ambiente de estabilidade econômica e política, economia em crescimento e regras de mercado bem definidas.
  • Geopolítica do Petróleo UENF - 30 AGO 2016

    1. 1. XIV ENCONTRO DE ENGENHARIA DE EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO Macaé/2016 Geopolítica do Petróleo Perspectivas Econômicas na Indústria Petrolífera Lincoln Weinhardt SPE – Macaé Section
    2. 2. Geopolítica do Petróleo Perspectivas Econômicas na Indústria Petrolífera Data: 30.08.2016 Horário: 08h00 Local: UENF-LENEP -Macaé - RJ https://www.flickr.com/photos/soldiersmediacenter/827620723/in/pool-iamproudofmysoldier/ Iraq U.S. Army Sgt. Jeff Woodford speaks with an Iraqi man waiting to receive medical care during a cooperative medical engagement in Al Madinah As Siyahiyah, Iraq, on May 16, 2007. Iraqi army soldiers from the 1st Iraqi Army Division, with assistance from U.S. Marines from Alpha Company, 2nd Combined Arms Battalion, 136th Infantry Regiment, 2nd Marine Logistics Group (Forward), are providing medical care to Iraqi civilians. DoD photo by Sgt. Bobby J. Segovia, U.S. Marine Corps.
    3. 3. LINCOLN WEINHARDT 1985 GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA – USP 1989 ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE EQUIPAMENTOS – PETROBRAS - UFRJ 2001 PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL – FGV – MANAGEMENT 2002 PÓS-GRADUAÇÃO EM MARKETING DE TI – ESPM 2003 MESTRANDO EM ECONOMIA EMPRESARIAL – UCAM DOCÊNCIA PROFESSOR DE MARKETING, ECONOMIA E TECNOLOGIA (2001- 2011) PREPARANDO ALUNOS DAS UNIVERSIDADES SALGADO DE OLIVEIRA, CÂNDIDO MENDES E ISE-CENSA, PARA INGRESSAREM NO MERCADO DE TRABALHO CONSCIENTE DA REALIDADE MERCADOLÓGICA E DAS TENDÊNCIAS TECNOLÓGICAS. PETROBRAS GERENTE DE PLANEJAMENTO INTEGRADO E GERENCIAMENTO DE CONTRATOS DE PROJETOS, CONSTRUÇÃO E MONTAGEM (2013 - ... ) RESPONSÁVEL PELA ÁREA DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE PROJETOS, CONSTRUÇÃO E MONTAGEM NA UO-BC. GERENTE DE COMUNICAÇÃO E SEGURANÇA DE INFORMAÇÕES (2007 – 2013) RESPONSÁVEL PELA ÁREA DE COMUNICAÇÃO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NA BACIA DE CAMPOS. COORDENADOR DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÕES (2006) RESPONSÁVEL COORDENAÇÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NA BACIA DE CAMPOS. COORDENADOR DE MOVIMENTAÇÃO DE GÁS (2005) RESPONSÁVEL COORDENAÇÃO DA MOVIMENTAÇÃO E PRODUÇÃO DO GÁS DA BACIA DE CAMPOS. COORDENADOR DE PLANEJAMENTO DE TI (2003 - 2004 ) RESPONSÁVEL PELA REESTRUTURAÇÃO DA GERÊNCIA DE TI PARA O SEGMENTO DE EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE ÓLEO E GÁS DA BACIA DE CAMPOS. COORDENADOR DE APOIO AO USUÁRIO DE TI (2002 - 2003) RESPONSÁVEL PELA CERTIFICAÇÃO ISO 9001 NO PROCESSO DE APOIO AO USUÁRIO DE TI DA BACIA DE CAMPOS. COORDENADOR DE MARKETING DE TI E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS (2001 - 2002) RESPONSÁVEL PELA IMPLEMENTAÇÃO DA ÁREA DE MARKETING DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO NA UNIDADE DE NEGÓCIOS DA BACIA DE CAMPOS, PARA CERCA DE 12.000 CLIENTES. GERENTE DE INFRA-ESTRUTURA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO (1998 - 2001) RESPONSÁVEL PELA ÁREA DE INFRA-ESTRUTURA DE TI NA UNIDADE OPERACIONAL DA BACIA DE CAMPOS. CONSIDERADO PELO GARTNER GROUP O BENCHMARK MUNDIAL EM TCO. PODER PÚBLICO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TECNOLÓGICO (2013 - 2013) RESPONSÁVEL PELA ESTRUTURAÇÃO DA SECRETARIA E A COORDENAÇÃO DA 7A. FEIRA E CONFERÊNCIA INTERNACIONAL BRASIL OFFSHORE
    4. 4. O motorista do Einstein
    5. 5. Nacionalidade de Einstein
    6. 6. Introdução 1. Geopolítica Slide 10 2. Geopolítica do petróleo Slide 70 3. The epic of black gold – vídeos Slide 143 4. Geopolítica do petróleo - Atualidade Slide 153 5. Geopolítica do petróleo - Indicadores Slide 185 6. Shale gas e tight oil Slide 201 7. As grandes companhias Slide 210 8. O Brasil e a Petrobras Slide 238 9. PNG 2014 - 2030 Slide 265 10. Crise no Brasil Slide 289 11. Consolidação Slide 310 Slide 347
    7. 7. O que queremos saber? O Futuro? Quais os possíveis cenários que poderei enfrentar? Sobre quais escolhas profissionais e pessoais que deverei decidir? Projeto de bairro climatizado em Dubai – abrange uma área de 4,5 milhões de metros quadrados que será termicamente isolada.
    8. 8. Qual o futuro do Brasil? Qual o futuro da indústria petrolífera no Brasil e no Mundo? O que ocasionou a crise da Petrobras?
    9. 9. “Conhecer o passado para compreender o presente e idealizar o futuro". Heródoto de Halicarnasso O Pai da História Estátua de Heródoto diante do Parlamento Austríaco.
    10. 10. Parte 1 Geopolítica
    11. 11. Geopolítica
    12. 12. Geopolítica • A palavra geopolítica não é uma simples contração de geografia e política, como pensam alguns, mas sim algo que diz respeito às disputas de poder no espaço mundial . Sendo que, poder implica em dominação, via Estado ou não, que podem ser culturais, econômicas, repressivas, militares etc., não é exclusivo da geografia. W. Vesentini • A geopolítica sempre se caracterizou pela presença de pressões de todo tipo, intervenções no cenário internacional desde as mais brandas até guerras e conquistas de territórios. Inicialmente, essas ações tinham como sujeito fundamental o Estado, pois ele era entendido como a única fonte de poder, a única representação da política. Bertha Becker
    13. 13. Geopolítica A tensão russo-americana motivada pela crise da Ucrânia se faz sentir efetivamente acima a superfície da Terra. No dia dois de abril de 2014, a NASA anunciou que, suspendia suas atividades na Estação Espacial Internacional, e que não colaboraria mais com o sua homóloga russa, Roskosmos. Não é de se surpreender que as repercussões do episódio ucraniano se fizessem sentir em órbita, como destaca o último número da revista Questions Internationales – O espaço, uma verdadeira disputa geopolítica. Questions internationales N°67, L'Espace, un enjeu terrestre", A disputa geopolítica no espaço China Is Winning The 21st Century Space Race Vikram Mansharamani China has even grander plans. These include a 2018 mission to send the first probe in history to land on the “dark side” of the moon, whose extraordinary geology is largely unexplored. Other plans aim to bring back lunar samples as well as to land humans on the surface of the moon. The country has Martian ambitions as well.
    14. 14. Geopolítica A los realistas, a los que saben que lo que va mal siempre puede empeorar, los sucesos de la semana que empieza, que pueden desembocar en la crisis más grave del movimiento olímpico y en el golpe más fuerte que puedan recibir los Juegos de Río, ya tan golpeados e inciertos, seguramente les reforzarán en su creencia. Como siempre ocurre con el movimiento olímpico, el conflicto que se abra desbordará los límites del deporte para entrar en los peligrosos terrenos de la geopolítica. Los sucesivos y recíprocos boicots de los bloques enfrentados a los Juegos de Moscú 80 y Los Ángeles 84 en plena guerra fría, son un recuerdo cercano. El ‘caso Rusia’ provoca una crisis olímpica a 20 días de Río Una decena de agencias antidopaje, incluida la española, solicitan al COI que prohíba al país participar en los Juegos http://deportes.elpais.com/deportes/2016/07/17/actualidad/1468779705_822973.html
    15. 15.  O século XX foi marcado por:  Fim dos vastos impérios coloniais;  Grande depressão de 1930;  Duas guerras mundiais devastadoras;  Rápidos avanços na ciência e tecnologia, desde o primeiro avião ao pouso na Lua;  Guerra fria entre a aliança do ocidente e as nações do pacto de Varsóvia;  Destacado crescimento do padrão de vida nos Estados Unidos, Europa e Japão;  Aumento da preocupação com a degradação do meio ambiente, desmatamento, escassez de água e energia, declínio da diversidade biológica, e poluição do ar;  Epidemia da Aids;  Ascendência da supremacia dos Estados Unidos como a única superpotência mundial;
    16. 16. A população do planeta continua em expansão: um (1) bilhão em 1820 para dois (2) bilhões em 1930, três (3) bilhões em 1960, quatro (4) bilhões em 1974, cinco (5) bilhões em 1987, seis (6) bilhões em 1999, e sete (7) bilhões em 2012. No século XXI continuará o crescimento exponencial da ciência e tecnologia, trazendo a esperança por avanços na medicina e na agricultura, como também o medo do desenvolvimento de armas de guerra ainda mais letais.
    17. 17. Os vinte maiores países em extensão territorial (Km2)
    18. 18. As dez maiores aglomerações humanas
    19. 19. Os países mais populosos
    20. 20. Os vinte maiores PIBs com base na paridade do poder de compra (PPP)
    21. 21. Os vinte maiores PIBs per capita - PPP
    22. 22. As vinte maiores reservas internacionais e ouro
    23. 23. As doze maiores economias mundiais comparadas com o EUA. PPP 2011-2005 http://www.worldbank.org/
    24. 24. A figura mostra o PIB per capita (US$) por país, e os retângulos horizontais representam a participação na população mundial. O peso de cada economia está evidenciada pela na área do retângulo. Os Estados Unidos com o 12a maior PIB per capita do mundo está localizado à direita do gráfico e há mais 11 países a sua direita que não aparecem devido ao pequeno tamanho de suas populações. Estes representam 0,6% da população mundial. Observe a linha tracejada com a média do PIB per capita mundial. http://www.worldbank.org/
    25. 25. FIGURE 7.4 PLI versus GDP Per Capita (and Size of GDP), 2011 ICP Price Level Indexes A figura apresenta uma comparação do PIB per capita multidimensional, onde a esfera em escala representa cada economia. O índice de preços mundial é igual a 100. A primeira observação é que após um certo nível de gastos per capita é alcançado, o nível de preços médios tende a crescer. Ou seja, as economias mais desenvolvidas deslocam seus consumos de bens básicos, passando a consumir mais serviços , o que eleva os custos. Este gráfico também permite observar as diferenças entre o PIB normal e o PIB pela paridade do poder de compra – PPP. Quanto maior no eixo Y, mais caro será o Big Mac. http://www.worldbank.org/
    26. 26. A economia chinesa em 2030 poderá ser tão grande quanto foi a dos Estados Unidos nos anos 1970. http://www.economist.com/blogs/dailychart/2011/09/global-economic-dominance
    27. 27. Indústria brasileira é uma das que mais perdeu competitividade em dez anos http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2014/04/140425_brasil_industria_ru.shtml Para analista, ponto mais crítico para a indústria brasileira é a baixa produtividade Segundo um estudo da consultoria Boston Consulting Group (BCG) divulgado nesta sexta-feira (25.04), o Brasil é um dos países cuja indústria mais perdeu competitividade na última década. O estudo analisa a competitividade de 25 economias exportadoras e tem como base um novo indicador criado pela BCG para medir os custos de produção da indústria em cada país. Ele mostra que em 2004 os custos da indústria brasileira eram 3% menores que os da indústria americana, hoje são 23% maiores. Para analisar a competitividade das empresas, o BCG considera principalmente quatro fatores: os níveis salariais dos trabalhadores, o preço da energia, os índices de produtividade em cada país e as taxas de câmbio. O Brasil é classificado como um dos países em que as empresas estão "sob pressão", juntamente com Rússia, China, Polônia e República Checa. 25 abril 2014
    28. 28. "O Brasil perdeu terreno em todas as dimensões", diz o BCG, que atribui a "perda substancial de competitividade" da indústria brasileira ao fato do O BCG destaca que, de 2004 a 2014, os salários quase que dobraram no Brasil e houve uma valorização de 20% do real em relação ao dólar. No mesmo período, o preço da eletricidade no país também teria subido por volta de 90% e o do gás natural, 60%, enquanto a produtividade dos trabalhadores cresceu apenas 3%. "No Brasil, o ponto mais crítico parece mesmo ser a falta de avanços substanciais na questão da produtividade na última década", disse à BBC Brasil Justin Rose, sócio e diretor da BCG. Para ele, a pesquisa reforça a necessidade urgente do setor privado do país trabalhar em conjunto com órgãos públicos para reverter essa tendência, ampliando a capacidade da indústria brasileira atrair investimentos e ganhar espaço no mercado internacional Indústria brasileira é uma das que mais perdeu competitividade em dez anos 25 abril 2014
    29. 29. http://en.wikipedia.org/wiki/Regional_integration Multipolaridade mundial Blocos comerciais
    30. 30. http://en.wikipedia.org/wiki/Regional_integration Multipolaridade mundial Alianças de cooperação Shanghai Cooperation Organization
    31. 31. http://veja.abril.com.br/noticia/economia/acordo-transpacifico-marginaliza-o-brasil-no-comercio-internacional Esta segunda-feira entra para a história como um dia memorável para o comércio exterior. Estados Unidos, Japão e outros dez países selaram um acordo de livre comércio, a Parceria Transpacífica (TPP, na sigla em inglês), que tende a dar o tom das próximas negociações a serem costuradas entre as maiores nações do globo. Países como Chile, Peru e México devem se beneficiar do acordo. O Brasil, por sua vez, tende a ser marginalizado no comércio internacional. Acordo Transpacífico marginaliza o Brasil no comércio internacional Segundo especialistas, pacto que inclui EUA e Japão tende a afetar as relações comerciais entre o Brasil e os países signatários do acordo Bloco econômico, que representa cerca de 40% de toda a economia global 5 out 2015,
    32. 32. https://www.brexitthemovie.com/
    33. 33. http://www.globalfirepower.com/countries-listing.asp As vinte maiores potências bélicas - 2016 Countries Ranked by Military Strength (2016)
    34. 34. List of countries by military expenditures https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_countries_by_military_expenditures
    35. 35. http://althistory.wikia.com/wiki/File:Nato_vs_sco.jpg
    36. 36. China confirma teste com míssil hipersônico
    37. 37. China, 01 de outubro de 2009
    38. 38. Em meio às celebrações dos 25 anos da queda do muro de Berlim, o ex-líder soviético Mikhail Gorbachev fez um alerta: o mundo está à beira de uma nova Guerra Fria. Desde a segunda guerra mundial, nós nos acostumamos à ideia de que grande guerra é uma coisa do passado. Mas não mais. Esta é a terceira guerra mundial. E desta vez, estamos em suas periferias. Twitter giles_fraser Natalie Martin, professora da Universidade de Nottingham Trent, no Reino Unido, disse que o levante parecia “quase destinado ao fracasso”, o que pode ter levantado suspeitas. “É inteiramente possível que tenha sido um falso golpe”, admite.
    39. 39. 27/07/2016 às 12h41 Papa Francisco afirma que ataques mostram que 'mundo está em guerra‘ SÃO PAULO - O papa Francisco afirmou nesta quarta-feira que o "mundo está em guerra", em declarações a bordo do avião que o levou a Cracóvia, na Polônia, no dia seguinte ao assassinato de um padre na França por dois terroristas. "Fala-se tanto de segurança, mas a palavra verdadeira é guerra. O mundo está em guerra porque perdeu a paz. Quando falo de guerra, falo de uma guerra de interesses, de dinheiro, de recursos, não de religiões. Todas as religiões querem a paz", afirmou ele durante a viagem para participar dos eventos da Jornada Mundial da Juventude. "Depois de muito tempo, o mundo está em uma guerra fragmentada. Ela pode não ser a mais orgânica, mas é organizada, é a guerra", disse ele. "Não devemos ter medo de falar esta verdade. O mundo está em guerra porque a paz foi perdida."
    40. 40. Embraer vende 28 cargueiros à Aeronáutica por R$ 7,2 bilhões Contrato prevê a aquisição de 28 unidades do KC-290 ao longo de dez anos 20 de maio de 2014 | 13h 28 GAVIÃO PEIXOTO - A Embraer assinou nesta terça-feira, 20, contrato com o Comando da Aeronáutica para a produção seriada do KC-390, um cargueiro de médio porte que atualmente está em desenvolvimento. O contrato prevê a aquisição de 28 aeronaves ao longo de dez anos, com a primeira entrega programada para o final de 2016. O valor total do contrato é de R$ 7,2 bilhões e inclui também o fornecimento de um pacote de suporte logístico com peças sobressalentes e manutenção.
    41. 41. Reservas provadas
    42. 42. Produção de Petróleo
    43. 43. Produção de Petróleo
    44. 44. Consumo de Petróleo
    45. 45. Top World Oil Net Importers, 2012 Country Imports (Thousand Barrels per Day)Sort By 1 United States 7,381 2 China 5,904 3 Japan 4,591 4 India 2,632 5 Korea, South 2,24 6 Germany 2,219 7 France 1,668 8 Singapore 1,36 9 Spain 1,26 10 Italy 1,198 11 Taiwan 1,058 12 Netherlands 0,961 13 Turkey 0,638 14 Indonesia 0,616 15 Belgium 0,607 34,333 Importação de Petróleo Top World Oil Net Exporters, 2012 Country Exports (Thousand Barrels per Day)Sort By 1 Saudi Arabia 8,865 2 Russia 7,201 3 United Arab Emirates 2,595 4 Kuwait 2,414 5 Nigeria 2,254 6 Iraq 2,235 7 Iran 1,88 8 Qatar 1,843 9 Angola 1,738 10 Venezuela 1,712 11 Norway 1,68 12 Canada 1,576 13 Algeria 1,547 14 Kazakhstan 1,355 15 Libya 1,313 40,208 Exportação de Petróleo
    46. 46. 0 1000 2000 3000 4000 5000 6000 7000 8000 9000 10000 11000 12000 13000 Capacidade de refino (1.000 barril/dia)
    47. 47. http://www.instituteforenergyresearch.org/gas/why-are-gas-prices-so-high/ O peso do refino/E&P variou de 19% a 39,5%, no custo total da gasolina comum Impostos 14% a 19%.
    48. 48. Impostos 38 %
    49. 49. É uma organização internacional com 34 países que aceitam os princípios da democracia representativa e da economia de livre mercado, que procura fornecer uma plataforma para comparar políticas econômicas, solucionar problemas comuns e coordenar políticas domésticas e internacionais. A maioria dos membros da OCDE são economias com PIB per capita e Índice de Desenvolvimento Humano elevados e são considerados países desenvolvidos, à exceção do México, Chile e Turquia. Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico OECD (inglês) ou OCDE (Português)
    50. 50. OECD - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico Consumo mundial de energia
    51. 51. Consumo mundial de energia por tipo de combustível
    52. 52. Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP ou, pelo seu nome em inglês, OPEC) Produção mundial de petróleo
    53. 53. OECD - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico Crescimento na produção mundial de gás natural
    54. 54. Consumo mundial de carvão
    55. 55. Geração mundial de energia elétrica (fontes)
    56. 56. OECD - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico Geração mundial de energia nuclear
    57. 57. OCDE - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico
    58. 58. OCDE - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico
    59. 59. Parte 2 Geopolítica do petróleo
    60. 60. Geopolítica do petróleo Geopolítica do petróleo é o campo multidisciplinar do conhecimento cujo objeto é a disputa de poder em torno do petróleo ao redor do mundo.
    61. 61. L’oreille cassée foi publicada em 1937 e reeditada, em cores, em 1943. Nesta aventura do Tintin, Hergé faz alusões à atualidade mundial. A guerra entre San Theodoro e Nuevo Rico pelo petróleo é uma transposição da guerra do Chaco, que opôs o Paraguai e a Bolívia entre 1932 e 1935. No livro, o conflito é chamado "guerra do Chapo". Nesta estória, Tintin encontra um certo Basil Bazarov, fazendo alusão ao famoso vendedor de armas da época, Basil Zaharoff.
    62. 62. Originou-se pela disputa territorial da região do Chaco Boreal, tendo como uma das causas a descoberta de petróleo no sopé dos Andes. Foi a maior guerra na América do Sul no século XX. Deixou um saldo de 60 mil bolivianos e 30 mil paraguaios mortos, tendo como resultado a derrota dos bolivianos com a perda e anexação de parte de seu território pelos paraguaios. Em 12 de junho de 1935, foi aprovado o término das hostilidades, sob pressão dos Estados Unidos. A Guerra do Chaco foi um conflito armado entre a Bolívia e o Paraguai, que se estendeu de 1932 a 1935.
    63. 63. Com a suposta descoberta de petróleo no sopé da cordilheira dos Andes, na região do Chaco Boreal, eclodiu o conflito entre ambas as nações. No início dos anos 1930, a Bolívia e o Paraguai eram as duas nações mais pobres da América do Sul. Em 1932, o exército boliviano, sem autorização do presidente, entrou no Chaco. Nas margens do Lago Pitiantuta, tentam guarnecer o local, mas os paraguaios descobrem e retomam o lago, uma expedição boliviana é enviada e expulsa os paraguaios e também conseguem tomar os fortes paraguaios de Corrales, Toledo e Boquerón. Na sequência, o presidente paraguaio Eusebio Ayala declara guerra à Bolívia.
    64. 64. Em 12 de junho de 1935, ocorre a última batalha, em Ingavi, 3.000 bolivianos comandados pelo coronel Bretel combateram 850 paraguaios comandados pelo coronel Rivarola, que derrotou definitivamente os bolivianos. A Bolívia, então sem forças, se rende, iniciando as negociações de paz. Em 21 de julho de 1938, os dois países aceitaram o acordo de paz realizado em Buenos Aires, o Paraguai ficou com 3/4 do Chaco Boreal e a Bolívia ficou com 1/4, acabando com três anos de guerra, e levando os dois países a novas dificuldades econômicas devido à guerra e à descoberta de que as supostas jazidas de petróleo não existiam. No início dos anos 1930, a Bolívia e o Paraguai eram as duas nações mais pobres da América do Sul.
    65. 65. História Sintética do Petróleo • Século XV A.C - no livro de Gênesis, a Bíblia cita o uso de argamassa a base de petróleo na construção do templo de Salomão e madeira resinosa calafetada com betume na construção da Arca de Noé; • Século V A.C. - Grécia: Heródoto, historiador grego (485 - 420) mencionou que um óleo escuro era transportado pelos rios como “precioso produto comercial”; • Século II D.C. - China: haviam poços de petróleo e de gás natural (com até mil metros de profundidade), os quais eram usados para iluminação e aquecimento. Usavam bambus para canalização e transporte do óleo, dos poços até onde o produto era aproveitado. Seriam os primeiros oleodutos.
    66. 66. História Sintética do Petróleo • Inicio do século XV - Europa: abertura do primeiro poço na região da Alsácia, França, com até 30 metros de profundidade. O óleo era destilado e então usado com fins terapêuticos para tratar de cálculos renais, massagens em casos de câimbras, combate ao escorbuto e como tônico cardíaco; • Século XVI - América Central: Astecas e Incas retiravam petróleo de poços pouco profundos e o utilizavam na pavimentação de estradas e em construções. Também era usado com fins terapêuticos, na elaboração de pomadas a base de alcatrão (unguento) para tratar de ferimentos. Quando o explorador espanhol Francisco Pizarro (1478 - 1541) chegou ao Peru em 1527, encontrou pequena refinaria rudimentar;
    67. 67. História Sintética do Petróleo • 1859 – EUA: aberto o primeiro poço na cidade deTittusville, Pensilvânia, por uma broca, com 21 m de profundidade. O Coronel Drake, seu descobridor, instalou uma refinaria rudimentar para extrair querosene e chegou a produzir 19 barris/dia (3 m3). Cinco anos depois, 543 companhias trabalhavam neste ramo; • 1887 – Europa e EUA: teve início a “era da propulsão mecânica” com a invenção dos motores a explosão e a diesel; • 1908 – Europa: primeira fabricação em série de um automóvel na Inglaterra, embora o primeiro carro tenha sido montado na Alemanha em 1885; 1920 – a produção mundial de petróleo ultrapassa a marca de 400 mil barris/dia;
    68. 68. John Davidson Rockefeller Conhecido por fundar , em 1870, a Standard Oil Company Nascimento 8 de julho de 1839 Richford, NY, Estados Unidos Morte 23 de maio de 1937 (97 anos) Ormond Beach, FL, Estados Unidos Fortuna US$336 bilhões (2007) Parentesco Eliza Davison (mãe) William Avery Rockefeller (pai) Cônjuge Laura Rockefeller Filhos Elizabeth Rockefeller Alice Rockefeller Alta Rockefeller Edith Rockefeller John Davison Rockefeller Jr. Ocupação Investidor, magnata História Sintética do Petróleo In 1890, the Sherman Antitrust Act was passed by the U.S. government to prevent monopolies from using unfair business practices. It still took over 20 years, but in 1911, the company was found in violation of the antitrust laws and was divided up into a number of different companies. Rockefeller is widely held to be the wealthiest American in history.
    69. 69. O marco da internacionalização da indústria petrolífera é o Acordo de Achnacarry, de 27 de agosto de 1928, ideado por Henri Hendrik Deterding. Com o Acordo de Achnacarry, as gigantes do petróleo mundial, conhecidas como majors, buscaram dividir entre si quotas do mercado mundial, mantendo a proporção que se afigurava até então – As is. Defendia-se um sistema de competição limitada, com preços internacionais estabilizados. Em seguida, nos trilhos do Acordo de Achnacarry, foi estabelecido o Acordo de Londres, em 1934, tido como o ajuste constituinte do cartel internacional das “Sete Irmãs”, composto pelas seguintes majors: Exxon, Socal (hoje Chevron), Mobil, Gulf, Texaco, Anglo-persian (hoje BP) e Shell, às quais se juntou posteriormente a CFP francesa na partilha do mercado mundial. MARINHO JR. Ilmar Penna. Petróleo: Política e Poder. Rio de Janeiro: José Olympio, 1989 Acordo de Achnacarry (1928)
    70. 70. Acordo de Achnacarry (1928) 1. Standard Oil of New Jersey (Esso) – formerly part of Standard Oil, later to become Exxon and subsequently merge with Mobil 2. Standard Oil of New York (Socony) – formerly part of Standard Oil, later to become Mobil and subsequently merge with Exxon 3. Standard Oil of California (Socal) – formerly part of Standard Oil, later to become Chevron 4. Royal Dutch / Shell – formerly two independent companies that merged in 1907 to compete with Standard Oil 5. Anglo-Iranian Oil Company (AIOC) – founded in 1909 to produce the newly discovered oil fields in Iran, later became British Petroleum (BP), then BP Amoco after a merger with US-based Amoco (formerly Standard Oil of Indiana), and then a further merger with Arco, a US-based company. The company is now known as Beyond Petroleum (BP) 6. Gulf Oil – founded in 1901 after the historic Spindletop discovery in Texas, became a global company before being merged with Chevron in 1984 with some assets going to BP 7. Texaco – also founded in 1901 after the Spindletop discovery in Texas, became an active international player before being merged with Chevron in 2001
    71. 71. 1928 Red Line Agreement Major oil companies finalize their shares of Iraq's oil and extend the consortium's arrangements for impeding the development of oil to the rest of the Middle East by agreeing not to develop production elsewhere in the region without consent of all members.
    72. 72. Até fins da década de 50 as “sete irmãs” reinaram absolutas, sem outra limitação que não seus próprios desígnios, ditando preços à sua conveniência e pondo em cheque a soberania interna nos ditos países hospedeiros.
    73. 73. História Sintética do Petróleo • 1930 – EUA: surge a indústria petroquímica, ampliando a possibilidade de utilização de derivados do petróleo para combustíveis e lubrificantes, como matéria sintética para roupas, para fabricação de medicamentos e cosméticos entre outros usos; • 1938 - considera-se que “o mundo ingressou completamente na era do petróleo”, pois 30% da energia usada no planeta passou a vir diretamente deste recurso natural. • 1950 - a produção mundial era quase setecentas vezes maior do que em 1939 e ultrapassou os 50 milhões de barris em 1970;
    74. 74. http://en.wikipedia.org/wiki/Polarity_%28international_relations%29 Multipolaridade mundial Esfera de influência da duas Superpotências, em 1959
    75. 75. Criação da OPEP (1960) Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP ou, pelo seu nome em inglês, OPEC) é uma organização internacional criada em 1960 na Conferência de Bagdá que visa coordenar de maneira centralizada a política petrolífera dos países membros, de modo a restringir a oferta de petróleo no mercado internacional, impulsionando os preços, o que até então era evitado em parte devido à ação das sete irmãs.
    76. 76. Primeiro choque do petróleo (1973) Em 1969, um golpe de Estado derrubou a monarquia na Líbia e conduziu o coronel Muamar Kadafi ao poder. O novo governo passou a pressionar as companhias petrolíferas estrangeiras. Inicialmente, o governo exigiu um aumento de US$ 0,43 no preço do barril, mas a Exxon ofereceu apenas US$ 0,05. Na época, o Canal de Suez encontrava-se fechado e a Líbia fornecia 30% do petróleo consumido na Europa. A Líbia também pressionou a Occidental, uma companhia independente dos Estados Unidos, cuja produção de petróleo se concentrava na Líbia. O governo líbio estabeleceu um corte na produção da Occidental, de 800 mil bpd para 500 mil bpd, a fim de que a companhia cedesse às novas exigências. Por fim, o governo líbio conseguiu um aumento de US$ 0,30 no preço do barril e um aumento nos impostos sobre os lucros líquidos de 50% para 55%.
    77. 77. Primeiro choque do petróleo (1973) Em 1971, pelo Acordo de Teerã, as companhias petrolíferas aceitaram a determinação da OPEP em estabelecer uma tributação mínima de 55% sobre os lucros líquidos, um aumento de US$ 0,35 no preço do barril e aumentos programados para os próximos cinco anos.
    78. 78. Primeiro choque do petróleo (1973) Em 1973, o presidente do Egito Anwar Sadat levou o Egito e a Síria a um ataque surpresa contra Israel, no feriado do Yom Kipur. O objetivo do Egito era retomar a península do Sinai e a Faixa de Gaza, que foram conquistadas por Israel, em 1967, na Guerra dos Seis Dias. Embora Israel tenha derrotado rapidamente o Egito e a Síria, após a guerra, como resultado das negociações de paz, o Egito retomou o controle sobre a Península do Sinai, alcançando um dos seus principais objetivos. Como contrapartida, o Egito foi o primeiro país árabe a reconhecer a legitimidade da existência do Estado de Israel.
    79. 79. Segundo choque do petróleo (1979) As principais razões para o Choque de 1979 foi a Revolução Iraniana e a guerra entre o Iraque e o Irã. Em 1951, os ativos petrolíferos no Irã da companhia petrolífera britânica Anglo- Iranian foram nacionalizados, sob a liderança do primeiro-ministro, de orientação nacionalista, Mohammed Mossadegh. Todavia, o Reino Unido sufocou a economia do Irã, de modo que o Irã não conseguisse produzir nem exportar petróleo. Com a crise econômica e enfraquecido politicamente, Mossadegh perde grande parte do apoio popular e é deposto do poder em 1953.
    80. 80. Segundo choque do petróleo (1979) O xá Reza Pahlevi (o filho), em meio à convulsão popular, foge do país, mas ao ser avisado de que Mossadegh fora deposto, volta ao país, e leva-o ao julgamento. Mossadegh passou três anos na prisão e depois viveu o restante da sua vida em prisão domiciliar até falecer em 1967.
    81. 81. Segundo choque do petróleo (1979) A Anglo-Iranian, passou a se chamar British Petroleum, ingressou em um consórcio, que retomou o controle do petróleo iraniano em 1954, com as seis irmãs (Standard Oil de Nova Jersey (Exxon), Standard Oil de Nova York (Mobil), Standard Oil da Califórnia (Chevron), Texaco, Gulf, Royal Dutch Shell e Companhia Francesa de Petróleo (Total) ). Com a tomada do poder no Irã, pelos religiosos xiitas, Saddam Hussein, que havia assumido o poder no Iraque em 1979, rompeu com o Tratado de Argel, reivindicando todo o canal de Shatt-al-Arab e a autonomia do Cuzistão, uma região petrolífera e de maioria árabe.
    82. 82. Segundo choque do petróleo (1979) Por isso, em 1978, Saddam Hussein, Ministro do Interior, a pedido do Xá, expulsou o aiatolá Khomeini do Iraque. Depois dele permanecer lá por catorze anos, Khomeini exilou-se na França e logo retornou para liderar o Irã. O Iraque possui uma costa de 58 Km de comprimento. Já o Irã possui cerca de 2.440 Km de litoral no golfo Pérsico.
    83. 83. Segundo choque do petróleo (1979) Durante a guerra Irã-Iraque, 4 milhões bpd foram retirados do mercado, o que representava 15% da produção da OPEP. O petróleo árabe leve chegou a US$ 42,00/barril. A Guerra Irã-Iraque durou dez anos e contabilizou um milhão de mortos Line at a gas station in Maryland, USA, June 15, 1979.
    84. 84. A Guerra do Golfo (1990) A Guerra do Golfo foi o primeiro conflito militar internacional em que o controle das reservas de petróleo ocupou o papel central.
    85. 85. A Guerra do Golfo (1990) Interessante notar que a declaração do presidente norteamericano George Bush é do ano anterior ao início dos conflitos na região do golfo. Além de defender seus interesses em relação ao petróleo, os Estados Unidos puderam se posicionar como a única superpotência na nova ordem mundial emergente, considerando as mudanças em curso no leste europeu, simbolizadas pela queda do Muro de Berlim no final de 1989, e o colapso da União Soviética, que se desintegraria no final de 1991, mesmo ano do desfecho da Guerra do Golfo.
    86. 86. A Guerra ao Terror (2001) Em 2001, George W. Bush, filho do ex-presidente George Bush, assumiu a presidência dos Estados Unidos, após a mais controvertida eleição presidencial da história americana recente. George W. Bush constitui um grupo interministerial para formular uma nova política energética, publicada em maio de 2001. O grupo foi liderado pelo vice-presidente dos Estados Unidos, Dick Cheney, ex- presidente da Halliburton, uma das maiores empresas de prestação de serviços para a indústria de petróleo.
    87. 87. A Guerra ao Terror (2001) Em meio à crise de legitimidade do governo de George W. Bush, em 11 de setembro de 2001 aconteceu o mais terrível ataque terrorista da história.
    88. 88. A Guerra ao Terror (2001) A parte dedicada à invasão ao Afeganistão, apresentado no filme como uma "guerra praticamente esquecida pela mídia " começa com uma pergunta retórica do porquê de as unidades da coalizão invadiram um país extremamente pobre e desolado e por esta operação militar, supostamente travada para a captura de Osama bin Laden e outros membros da Al Qaeda , envolve uma vasta concentração de tecnologias militares e grandes bases militares permanentes . Esta missão militar de busca e destruição já dura décadas. O FATOR DE PETRÓLEO, alternativamente conhecido o BEHIND THE WAR ON TERROR, é um filme de aproximadamente 90 minutos escrito e dirigido em 2004 por Gerard Ungerman e Audrey Brohy , narrado por Ed Asner.
    89. 89. A Guerra do Iraque (Golfo II) (2003) Tendo fracassado em associar os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 ao regime de Saddam Hussein, o governo de George W. Bush apelou para a necessidade de travar uma guerra preventiva, a fim de impedir o uso de armas de destruição em massa que supostamente o regime de Saddam Hussein pretendia utilizar contra os Estados Unidos e os seus aliados.
    90. 90. A Guerra do Iraque (2003) Sem o respaldo do Conselho de Segurança da ONU (da Rússia, da França e da Alemanha) os Estados Unidos e o Reino Unido iniciam os combates em março de 2003.
    91. 91. A Guerra do Iraque (2003) Saddam Hussein é capturado em dezembro de 2003 e executado em dezembro de 2006, após ter sido julgado por um tribunal iraquiano.
    92. 92. A Guerra da Líbia (2011) Com a queda dos governos da Tunísia e do Egito, antigos aliados dos Estados Unidos e das potências europeias, as nações ocidentais reafirmam a sua hegemonia na região, incitando os conflitos na Líbia, a fim de afastar Muamar Kadafi do poder.
    93. 93. A Guerra da Líbia (2011) Aproveitando-se de uma divisão histórica entre leste (onde se concentram as reservas de petróleo e onde se localiza Bengazi, segunda maior cidade da Líbia) e oeste (onde está Trípoli, capital da Líbia), as potências ocidentais apoiaram os insurgentes do leste. Rapazes, há alguma possibilidade de vocês terem visto o Kadafi?
    94. 94. A Guerra da Líbia (2011) Contando com um mandato do Conselho de Segurança da ONU a fim de proteger civis dos conflitos por meio da criação de uma zona de exclusão aérea, a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) bombardeou as forças pró-Kadafi, contribuindo para a vitória dos insurgentes, que estabeleceram um novo governo na Líbia. Você se qualificou para a promoção: “ na compra de dois conflitos no Oriente Médio, leve um terceiro praticamente grátis”.
    95. 95. ://www.zerohedge.com/news/2014-07-23/annotated-history-world-oil-price-shocks
    96. 96. http://www.zerohedge.com/news/2014-07-23/annotated-history-world-oil-price-shocks
    97. 97. http://nelobic.wordpress.com/author/nelobic/ A queda nos preços da commodity, inicialmente administrável (10~15%), e aparentemente relacionada ao excedente de produção devido à produção de petróleo não-convencional nos Estados Unidos, iria despencar a partir de novembro de 2014. O Contrachoque do Petróleo (2014)
    98. 98. O Contrachoque do Petróleo (2014) Após o discurso saudita, de novembro de 2014, cresce o problema para países produtores atualmente fragilizados, como Rússia e Venezuela, que até então apostavam que não seria infringido o piso de US$70 por barril. As razões para a mudança de postura dos árabes são desconhecidas. Em Moscou, especula-se sobre uma ação organizada da Arábia e dos EUA para enfraquecer inimigos diretos, como Irã e Rússia. http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,economia-mundial-vive-contrachoque-do-petroleo-imp-,1603321 Entre junho e dezembro de 2014, o preço do barril de petróleo, pilar do capitalismo industrial contemporâneo, caiu cerca de 40%, transferindo cerca de US$ 1,3 trilhão em recursos, ou 2% do PIB mundial, de países produtores da matéria- prima para seus consumidores.
    99. 99. OPEC: No cut in oil production and prices keep falling CNNMoney (New York) November 27, 2014: 12:52 PM ET http://www.economist.com/news/leaders/21635472-economics-oil- have-changed-some-businesses-will-go-bust-market-will-be Sheikhs v shale
    100. 100. O Contrachoque do Petróleo (2014) Após a reunião da Opep, em 27 de novembro de 2014, os preços caem vertiginosamente.
    101. 101. http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,economia-mundial-vive-contrachoque-do-petroleo-imp-,1603321
    102. 102. http://www.vox.com/2014/12/16/7401705/oil-prices-falling
    103. 103. BREAKEVEN – PONTO DE EQUILÍBRIO PROJETOS DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO NO MUNDO
    104. 104. BREAKEVEN – PONTO DE EQUILÍBRIO PROJETOS DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO NO MUNDO
    105. 105. BREXIT Breakeven LTO Light Tight Oil Reunião OPEP
    106. 106. Parte 3 Vídeos The epic of black gold
    107. 107. The Epic of Black Gold The History Channel 1- A era de ouro das grandes companhias Uma nova forma de energia é descoberta na Pensilvânia, Estados Unidos, em 1859. Os pais e fundadores desta história são os americanos John Rockefeller, através da Standard Oil Company, e Henry Ford, o pioneiro da civilização automotiva. Filme 1 Passar filme até: 16’44’’
    108. 108. The Epic of Black Gold The History Channel 2- O nacionalismo do petróleo Os anos pós-guerra marcaram o início de uma etapa caracterizada pela expansão econômica dos países industrializados. Em pleno auge da indústria, a Venezuela e a Arábia Saudita impulsionam a criação em 1960 da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP). Filme 2 Passar filme até: 17’00’’
    109. 109. The Epic of Black Gold The History Channel 3- O petróleo como arma Na tarde de 6 de outubro de 1973, Egito e Síria, apoiados pela Jordânia, apoiaram Israel. A quarta guerra árabe-israelense havia começado. As tropas do Egito cruzaram o canal de Suez e desembarcaram na margem esquerda. O ataque desferido no Yon Kippur, dia do perdão pegou os israelenses de surpresa e os fez recuar 15 quilômetros. A guerra do Yon Kippur era local, mas provocou a maior agitação da história do petróleo. Filme 3
    110. 110. The Epic of Black Gold The History Channel 4- O esgotamento do Petróleo A Guerra do Golfo pôs em destaque a delicada situação do mercado de hidrocarbonetos, diante da possibilidade iminente de uma nova crise energética. O temor de que o petróleo se extinga tem atingido os países industrializados ao longo da história do ouro negro. Paradoxalmente, eles dedicam grande parte de seus benefícios e tecnologia à busca de fontes alternativas de energia, tal como a energia nuclear, a solar e a eólica. Filme 4 Passar filme até: 11’31’’
    111. 111. Cronologia do Petróleo
    112. 112. Cronologia do Petróleo
    113. 113. Cronologia do Petróleo
    114. 114. Cronologia do Petróleo
    115. 115. Cronologia do Petróleo
    116. 116. Parte 4 Geopolítica do petróleo Atualidade
    117. 117. SLAVIANSK , Ucrânia — A Rússia afirmou nesta sexta-feira que o acordo de Genebra para acalmar a situação na Ucrânia já não é mais viável e pediu uma reunião do Conselho de Segurança da ONU após uma ofensiva do Exército ucraniano para retomar a cidade de Slaviansk, bastião dos separatistas pró-Moscou. Em uma contraofensiva, rebeldes derrubaram dois helicópteros ucranianos e dois pilotos morreram. Segundo o autoproclamado prefeito de Slaviansk, Viacheslav Ponomariov, outras cinco pessoas — três milicianos e dois civis — teriam sido mortas durante os enfrentamentos. http://oglobo.globo.com/mundo/russia-pede-reuniao-na-onu-sobre-ucrania-diz-que-acordo-de-genebra-nao-mais-viavel-12359913#ixzz30cQ7ec9H Piloto militar ucraniano ferido recebe ajuda de forças pró-Rússia depois de helicóptero ser derrubado no leste da Ucrânia Rússia pede reunião na ONU sobre Ucrânia e diz que acordo de Genebra não é mais viável O Globo Com agências internacionais Publicado: 2/05/14 - 1h34
    118. 118. A significante dependência da Ucrânia, para viabilizar as exportações de gás da Rússia, tem sido uma fonte de atrito entre os dois países. Como resultado, a Rússia tem vindo a diversificar suas opções de fornecimento através do gasoduto South Stream. Como mostrado no gráfico acima, Crimeia pode revelar-se crucial para reduzir os custos astronômicos do projeto: as profundidades e distâncias do gasoduto poderiam ser reduzidas substancialmente. Além disso, anexando a Crimeia, a Rússia teria acesso para a maior parte das jazidas de gás offshore e de hidrocarbonetos em perspectiva no Mar Negro . A Rússia possui relevante dependência da Ucrânia para exportar seu gás. Este é o motivo do atrito entre os dois países. O novo gasoduto que passará pela Criméia irá oferecer uma redução astronômica nos custos do projeto, que reduzirá distâncias e a profundidade.
    119. 119. Le prix du gaz : levier diplomatique pour la Russie Lorsque l'ancien président ukrainien Viktor Ianoukovitch avait refusé de signer l'accord d'association avec l'Union européenne au profit d'un rapprochement avec la Russie à la place, Gazprom avait alors baissé le prix du gaz destiné à l'Ukraine d'un tiers, soit 268 dollars par mille mètres cubes. En février dernier, un gouvernement proeuropéen intérimaire a pris le pouvoir. Depuis lors, Gazprom a relevé ses tarifs de 80 % environ, soit 485 dollars par mille mètres cubes. Le premier ministre ukrainien Arseni Yatseniouk a affirmé que son pays était prêt à payer Gazprom à hauteur de 268 dollars par mille mètres cubes de gaz et rembourserait sur le court terme sa dette de 2,2 milliards de dollars (1,5 milliard d’euros). Il a également assuré que Naftogaz, compagnie énergétique nationale ukrainienne, a lancé une procédure en vue d'envoyer Gazprom devant un tribunal d'arbitrage à Stockholm sur la question de l'inflation excessive du prix du gaz. Enfin, Arseni Iatseniouk a lancé un ultimatum de 30 jours à la Russie pour répondre aux propositions de Kiev. Rencontre entre l'UE et la Russie sur l'approvisionnement en gaz 29/04/2014 - 15:27 Gas pipeline. Ukraine, 2011. [World Bank/Flickr] Iouri Prodan avait déclaré le 8 avril dernier que le gaz avait connu une brusque hausse de sa valeur passant de 268,50 dollars à 485,50 dollars les mille mètres cubes sous la contrainte de Moscou et avait assuré que l'approvisionnement en gaz de l'Europe pouvait être coupé « à tout moment » par la Russie.
    120. 120. The South Stream pipeline is intended to transport up to 63 billion cubic meters of natural gas to central and southern Europe, diversifying Russian gas routes away from transit countries such as Ukraine. Construction started in December 2012 in Russia. The pipeline's core shareholders include Gazprom with 50%, Italy's Eni with 20% and Germany's Wintershall Holding and France's EDF with 15% each. Gazprom has already established national joint ventures with companies from Austria, Bulgaria, Croatia, Slovenia, Greece, Hungary and Serbia to manage the onshore section of the South Stream pipeline. The pipeline is expected to carry the first gas supplies before 2015 and reach full capacity in 2018, providing 10% of European gas supplies.
    121. 121. 31/03/2004 - 09h54 - France Presse, em Kiev Jovens ucranianos jogam água e goma em George Soros O megainvestidor norte-americano George Soros foi agredido nesta quarta-feira em Kiev, capital da Ucrânia. Dois jovens invadiram a sala onde se realizava uma conferência e jogaram água e goma contra ele. "Soros, cai fora da Ucrânia, aqui não vai conseguir nada", gritaram os dois jovens ucranianos ao molhar o milionário. Eles teriam entrado correndo na sala onde se realizava um fórum sobre os direitos humanos e, imediatamente, foram detidos e levados pelos serviços de segurança. As informações fora transmitidas pela agência Interfax. Soros considerou que não se tratava de um simples incidente. "Alguém está por trás disso", disse. O empresário havia acusado o governo de tentar impedir a organização de um fórum na Criméia (república autônoma da Ucrânia), que aconteceu no dia anterior. Soros, que chegou segunda-feira (29) à Ucrânia para uma visita de cinco dias, vai se reunir hoje com o primeiro-ministro Viktor Yanukovich e, antes da sexta-feira (2), com o presidente ucraniano, Leonid Kuchma. A crise Ucraniana tem dedos apontados para a Rússia, mas e se o cenário da Ucrânia foi iniciado por interesses especiais dos Norte-americanos e Europeus (e George Soros), para bloquear a capacidade Russa de se mover livremente nos mercados globais Óleo & Gás? http://www.libertynews.com/2014/03/the-ukraine-discussion-has-fingers-pointed-at-russia-but-what-if-the-ukraine-scenario-was-started-by-u-s-european-special-interests-and- george-soros-to-block-russias-ability-to-freely-move-gas/#sthash.14hjeSZT.dpuf
    122. 122. To Punish Russia, Soros Says U.S. Should Open Oil Reserve By Isaac Arnsdorf Mar 27, 2014 4:20 PM America’s emergency stockpile of oil stands twice as large as the amount required by an international pact. George Soros has proposed selling some now to punish Russian President Vladimir Putin -- and U.S. lawmakers are starting to listen. As the U.S. and its European allies seek to rebuke Russia for taking over the Crimea region of Ukraine, America could push down global oil prices by as much as $12 a barrel by selling 500,000 barrels a day from its strategic reserve, said Philip Verleger, a consultant who worked in the Ford and Carter administrations. The lower prices would cost Russia about $40 billion in lost income from oil and gas sales, equivalent to 2 percent of its economy, he said. While Energy Secretary Ernest Moniz has dismissed the idea, it was raised before a congressional hearing yesterday, less than a week after Soros discussed the subject at a panel in Berlin. The strongest sanction against Putin for taking control of Crimea “is in the hands of the United States” because America could sell oil reserves to depress prices, the billionaire investor said March 20.
    123. 123. Gazprom assina o maior contrato de sua história As partes assinaram o documento, na presença do presidente russo Vladimir Putin e do presidente chinês Xi Jinping, em Shanghai. O contrato de 30 anos estipula que 38 bilhões m3 de gás russo serão fornecidos anualmente à China. O acordo de cooperação mutua contempla cláusulas principais, como a fórmula do preço vinculada aos preços do petróleo e a cláusula ‘take-or-pay’ (pague mesmo que não use). O acordo do gasoduto Russo é o maior projeto de investimento em escala global. US$ 55 bilhões serão investidos na construção de instalações de produção e de transmissão na Rússia. Uma rede extensa de infraestrutura de gás será montada no Leste da Rússia, que irá alavancar a economia local. Um grande impulso será dado em setores inteiros da economia, tais como os setores de metalurgia e da construção de máquinas e tubulações.
    124. 124. Hidden Motives Behind the Ukraine-Russia Conflict
    125. 125. Outros conflitos recentes Chechenia , Geórgia Oleoduto Baku-Tbilisi-Cehyan (Mar Mediterrâneo), com 1.770Km e vazão de 1 milhão de BPD, Bristish Petroleum
    126. 126. Outros conflitos recentes Libia
    127. 127. 2014 August 25 Libya in new crisis as Islamist terrorists seize airport
    128. 128. Outros conflitos recentes Nova "guerra do petróleo" ameaça a estabilidade na Nigéria. Em 2008, o Movimento pela Emancipação do Delta do Níger destruiu estações de bombeamento e oleodutos. Em 01 de abril de 2010, houveram centenas de mortos em conflito. http://noticias.bol.uol.com.br/internacional/2010/04/01/uma- nova-guerra-do-petroleo-ameaca-a-nigeria.jhtm Nigéria A gigante da África, com 177 milhões de habitantes e mais de 500 grupos étnicos O grupo armado islâmico Boko Haram, na Nigéria, causou destruição no país, o mais populoso da África, por meio de uma onda de explosões, assassinatos e agora sequestros. Ele luta para derrubar o governo e para criar um estado islâmico. 20 May 2014 Last updated at 16:44 GMT
    129. 129. Nigeria Conflict (Movement for the Emancipation of the Niger Delta)
    130. 130. Outros conflitos recentes Disputas fronteiriças entre Peru e Equador - área reivindicada pelo Equador Equador Em janeiro de 1995, 50 soldados peruanos e 30 equatorianos morreram, quando as forças armadas entraram em choque. A disputa vem desde o final do século XIX, mas ganhou o interesse dos oligopólios após a descoberta de petróleo em 1941.
    131. 131. Historia de Chevron-Texaco en Ecuador 1995-1998
    132. 132. Outros conflitos recentes Sudão No dia 9 de julho de 2011 foi oficializada a separação da parte sul do Sudão, para constituir o mais novo país do mundo a República do Sudão do Sul. Essa separação é fruto de uma divisão histórica entre etnias no país, que tem início na conferência de Berlim1. O principal problemas enfrentados pelo Governo do Sudão do Sul é a delimitação das fronteiras com o Sudão. A principal dificuldade para essa delimitação está na região de Abyei, que se caracteriza por grande concentração de petróleo.
    133. 133. Outros conflitos recentes Sudão A Conferência de Berlim foi realizada entre 19 de Novembro de 1884 e 26 de fevereiro de 1885 teve como objetivo organizar, na forma de regras, a ocupação de África pelas potências coloniais e resultou numa divisão que não respeitou nem a história e nem as relações étnicas dos povos desse continente. Bélgica França Alemanha Grã-Bretanha Itália Portugal Espanha Estados independentes (1)
    134. 134. China's Role in the Sudan-South Sudan Conflict
    135. 135. Outros conflitos recentes China O Mar do Sul da China é uma região geopoliticamente sensível, por tratar-se de uma das linhas marítimas mais transitadas do mundo e também pelo fato dos arquipélagos Spratly e Paracel, lá presentes, possuírem potenciais reservas de hidrocarbonetos fluidos e gasosos. A China reclama a totalidade deste mar, enquanto que os demais países vizinhos possuem pleitos específicos. Estes pleitos geram um cenário de tensão na região. Além disso, há a presença de terceiras potências no local, como os Estados Unidos, que possuem interesses próprios na região, o que torna ainda mais sensível o aspecto geopolítico.
    136. 136. Outros conflitos recentes Impeccable Incident Duas palavras que separadas, não dizem nada. Juntas, representam um dos mais recentes atritos políticos entre duas grandes potências mundiais Estados Unidos e China, em uma área cuja sensibilidade geopolítica tem se tornado alvo dos estudos de inúmeros e specialistas e principalmente de tomadores de decisões políticas a mais alto nível dos países implicados. Pois com essas duas palavras ficou reconhecido mundialmente o incidente entre o navio USNS Impeccable e embarcações chinesas no Mar do Sul da China, na proximidade da ilha de Hainan e a uma distância de 75 milhas da costa chinesa. O Impeccable Incident é uma amostra significativa dos perigos que espreitam as conflituosas relações sino- americanas no Mar do Sul da China A DISPUTA SINO-AMERICANA NO MAR DO SUL DA CHINA - 07 DE MARÇO DE 2009 CEZAR CAUDURO ROEDEL
    137. 137. Outros conflitos recentesA DISPUTA NO MAR DO SUL DA CHINA – 1 ° MAIO DE 2014 May 4, 2014: This image made from video released by Vietnam Coast Guard shows a Chinese coast guard vessel, right, firing water cannon at a Vietnamese vessel off the coast of Vietnam. AP Photo Em 1° de Maio de 2014, a China moveu sua maior plataforma de petróleo a HD-981 da China National Offshore Oil Corporation (CNOOC) para uma locação reivindicada pelo Vietnam como sua Zona Econômica Exclusiva, próxima ao arquipélago Hoang Sa (Paracel). A China mobilizou cerca de 80 navios para proteger a plataforma, promovendo um encontro tenso entre navios chineses e vietnamitas. Diversos oficiais vietnamitas foram feridos no cumprimento da lei marítima, quando a China usou canhões d’água contra os pequenos navios vietnamitas.
    138. 138. Outros conflitos recentes A DISPUTA NO MAR DO SUL DA CHINA Beijing rejects South China Sea ruling
    139. 139. Note: Reserve totals do not include Gulf of Thailand or onshore reserves. Reserve estimates are based on field ownership status. Sources: U.S. Energy Information Administration, Oil & Gas Journal, IHS, CNOOC, PFC Energy. http://www.eia.gov/countries/regions-topics.cfm?fips=scs
    140. 140. The South China Sea Troubled Waters
    141. 141. Outros conflitos recentesEstado Islâmico: Síria e Iraque (ISIS) O Isis surge de uma facção da Al- Qaeda, em 2004, que rachou completamente com a Al-Qaeda, em fevereiro 2014, por ser demasiado violento, mesmo para a Al-Qaeda. Seu objetivo é a implantação de um estado Islâmico sunita fundamentalista. Este visa a queda completa do governo do Iraque, e assim estabelecer um califado. Atualmente, o ISIS controla uma quantidade significativa do território do Iraque e da Síria - uma extensão aproximadamente o tamanho de Bélgica, no qual está situados importantes campos de petróleo. Suas pretensões expansionistas da ideologia islâmica são bastante ambiciosas, conforme o mapa ao lado.
    142. 142. Outros conflitos recentesEstado Islâmico: Síria e Iraque (ISIS)
    143. 143. Outros conflitos recentesEstado Islâmico: Síria e Iraque (ISIS) The destruction of the ISIS convois: Terrorists try to escape Iraqi gunships
    144. 144. 19 de julho de 2016 Última atualização no 15:11 BST O clérigo recluso Fethullah Gulen, culpou pelo presidente turco, Recep Tayyip Erdogan pelo fracassado golpe na Turquia, sugeriu que o golpe poderia ter sido encenado pelo governo. http://www.bbc.com/ “ Tentativa de Golpe” na Turquia (2016) How much money does ISIS make from oil? posted by Andrew Allen in Risk http://www.cips.org/supply-management/analysis/2015/november/how-much-money-does-isis-make-from-oil/ Fethullah Gulen: golpe na Turquia 'poderia ter sido encenado'
    145. 145. False flags? Estado Islâmico, Al-Qaeda, terrorismo ... al-Qaeda around the world.
    146. 146. Militares tentam organizar caos econômico na Venezuela Publicado em 14 de jul de 2016 O presidente da Venezuela Nicolás Maduro se apoia nas Forças Armadas para enfrentar a dura escassez que atinge o país. Militares organizam filas nos supermercados, apreendem caminhões que transportam produtos e até cultivam produtos. Crise na Venezuela (2016)
    147. 147. Parte 5 Geopolítica do petróleo Indicadores e Análises
    148. 148. Mix global de combustível
    149. 149. © OECD/IEA 2014 World Energy Outlook Dr. Fatih Birol IEA Chief Economist OECD Parliamentary Days Paris, 5 February 2014
    150. 150. O cenário da energia no mundo hoje • Alguns princípios consagrados do setor de energia estão sendo reescritos – Países estão trocando de papéis: importadores estão se tornando exportadores… – … e os exportadores estão entre as principais fontes de demanda em crescimento – Novas opções de suprimento remodelam ideias sobre a distribuição de recursos • Mas, as soluções de longo prazo para os desafios globais continuam escassos – Foco renovado na eficiência energética, mas as emissões de CO2 continuam a crescer – Os subsídios aos combustíveis fósseis aumentaram para US$544 bilhões em 2012 – 1,3 bilhão de pessoas ainda não possuem acesso à eletricidade, na África e Sul da Ásia. • Os preços da energia e a pressão sobre as decisões políticas – Prolongado período de preços elevados do petróleo sem precedentes na história – Grandes e persistentes diferenças nos preços regionais do gás e eletricidade
    151. 151. Demanda primária de energia em 2035 (Mtoe) Na década atual, a China é o principal direcionador da crescente demanda de energia, mas a Índia ultrapassará e na próxima década (2020) será a principal fonte do crescimento 4% 65% 10% 8% 8% 5% OECD Non-OECD Asia Middle East Africa Latin America Eurasia 480 Brazil 1 540 India 1 000 Southeast Asia 4 060 China 1 030 Africa 2 240United States 440 Japan 1 710 Europe 1 370 Eurasia 1 050Middle East O motor do crescimento da demanda energética se move para o Sul da Ásia Participação do Crescimento Global 2012-2035
    152. 152. Há 25 anos a participação dos combustíveis fósseis no mix global era 82%; esta é a mesma ainda hoje e a forte ascensão das energias renováveis só reduzirão no futuro essa participação para cerca de 75% , em 2035 Um mix lento para mudar Crescimento na demanda total de energia primária 500 1 000 1 500 2 000 2 500 3 000 Nuclear Oil Renewables Coal Gas Mtoe 1987-2011 2011-2035
    153. 153. Non-OECD OECD Emissões de CO2 fora da meta para alcançar a Conferência sobre o Clima 2015, na França Total de energia relacionada a emissões de CO2 Países Não-OECD aumentam a participação nas emissões, por volta de 2035 os níveis per capita serão equivalentes aos dos países da OECD 200 400 600 800Gt 1900 -1929 1930 -1959 1960 -1989 1990 -2012 2013 -2035 OECD Non-OECD Total emissions 1900-2035 51% 49%
    154. 154. 300 600 900 1 200 1 500 1 800 2 100TWh India Latin America Africa ASEAN Hydro Other renewables Wind Solar PV China Hydro Other renewables Wind Solar PV Energias renováveis crescem pelo mundo Crescimento na geração de eletricidade pelas fontes renováveis, 2011-2035 European Union United States Japan Europe, Japan & United States China India, Latin America, ASEAN & Africa Hydro Other renewables Wind Solar PV A expansão das energias renováveis não Hidro depende de subsídios que custarão mais do que o dobro em 2035; adições de energia eólica e solar têm implicações de projeto e custo no mercado de energia
    155. 155. Projetos com Energias renováveis Destaque para as iniciativas do automóvel Tesla e do HyperLoop. Magnata Elon Reeve Musk
    156. 156. Projetos com Energias renováveis Destaque para as iniciativas do automóvel Tesla e do HyperLoop. Magnata Elon Reeve Musk
    157. 157. Os subsídios para as energias renováveis aumentaram para US$101 bilhões em 2012, mais da metade foi da União Europeia; os subsídios das energias renováveis serão ajustados para mais do que o dobro em 2035 $101 billion Subsídios para energia renovável por região em 2012 Subsídios crescentes para crescer as energia renováveis European Union United States China India Rest of the world 57% 21% 7% 13% 2%
    158. 158. 3× 4× 5× 2003 As diferenças regionais entre os preços do gás natural serão menores no futuro, mas ainda permanecerão em níveis elevados em 2035; as diferenças entre os preço da eletricidade irão permanecer semelhantes 20132035 Reduction from 2013 Quem tem a energia para competir? Relação de preços de energia industriais relativo aos Estados Unidos United States 2× Japan European Union China ElectricityNatural gas 2003 Japan European Union China
    159. 159. Indústrias com consumo intenso de energia precisam cortar seus custos Participação da energia nos custos totais de fabricação por setor industrial As indústrias de consumo intensivo de energia no mundo representam cerca de um quinto do valor industrial agregado, um quarto do emprego industrial e 70% do uso industrial da energia 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% Glass Pulp & paper Iron & steel Cement Aluminium Fertilisers Petrochemicals
    160. 160. Um impulso da energia na economia? Participação no mercado global de exportação de bens de energia intensiva Os Estados Unidos, junto com as principais economias emergentes, aumentam a participação no mercado exportador de bens de energia intensiva, enquanto a Europa e o Japão seguem em forte declínio Today 36% 10% 7% 7% 3% 2% European Union United States China IndiaMiddle East Japan -3% -10% +3% +2% +2%+1%
    161. 161. O LNG dos Estados Unidos pode agitar o mercado de gás natural Indicadores econômicos da exportação do LNG da costa do Golfo dos EUA. (em preços atuais) As novas fontes de suprimento de LNG aceleram o movimento para um mercado global mais interconectado, mas os custos de transporte elevados entre as regiões significa que não haverá um preço de gás global Average import price Liquefaction, shipping & regasification United States price 3 6 9 12 15 18 To Asia $/MBtu 3 6 9 12 To Europe $/MBtu
    162. 162. Orientação para as rápidas mudanças na energia mundial • China, e em seguida a Índia, comandam o domínio crescente da demanda de energia global na Ásia • A tecnologia está abrindo novos recursos para o petróleo, mas o Oriente Médio continuará concentrando os olhares por muito tempo • Preocupações e gaps do preço regional sobre a competitividade estão aqui para ficar, mas existem caminhos para reagir, com eficiência em primeiro lugar • O deslocamento na balança do comércio global de energia para a Ásia terá profundas implicações na cooperação para a segurança energética
    163. 163. Parte 6 Shale gas e tight oil
    164. 164. Shale Gas: gás natural que ocorre em rochas de granulação fina (folhelhos). Nesta situação o gás não migra para fora da rocha facilmente. Shale Gas – Gás de Folhelho
    165. 165. Shale Gas – Gás de Folhelho http://www.wintershall.com/en/different-types-of-reserves-tight-gas-and-shale-gas.html Different Types of Reserves: Tight Gas and Shale Gas
    166. 166. Gás de folhelho é o gás natural que pode ser encontrado preso dentro de formações de “xisto argiloso” ou “xisto fino”. O Gás de folhelho vem se tornando uma fonte cada vez mais importante de gás natural nos Estados Unidos desde o início deste século, além de possuir grandes potenciais no resto do mundo. http://www.forbes.com/sites/kenrapoza/2012/02/13/china-closer-to-joining-shale-gas-fracking-craze/ Shale Gas
    167. 167. Em 2000, o gás de folhelho fornecia apenas 1% da produção dos EUA de gás natural. Em 2010, era superior a 20%. O governo dos EUA prevê que, até 2035, 46% do fornecimento de gás natural virá do gás de folhelho. Shale Gas
    168. 168. http://www.sbc.slb.com/Our_Ideas/Energy_Perspectives/1st%20Semester13_Content/1st%20Semester%202013_Global.aspx
    169. 169. A produção e o consumo de energia nos Estados Unidos estão fortemente focados na produção de tight oil
    170. 170. In the World Energy Outlook 2012 report the IEA presents its view of future crude oil production
    171. 171. Parte 7 As Grandes Companhias MAR 19, 2015 @ 12:48 PM 127,267 VIEWS The World's Biggest Oil And Gas Companies - 2015
    172. 172. The World's Biggest Oil Companies
    173. 173. The World's Biggest Oil Companies
    174. 174. The World's Biggest Oil Companies
    175. 175. The World's Biggest Oil Companies
    176. 176. The World's Biggest Oil Companies
    177. 177. The World's Biggest Oil Companies
    178. 178. The World's Biggest Oil Companies
    179. 179. The World's Biggest Oil Companies
    180. 180. The World's Biggest Oil Companies
    181. 181. The World's Biggest Oil Companies
    182. 182. The World's Biggest Oil Companies
    183. 183. The World's Biggest Oil Companies
    184. 184. The World's Biggest Oil Companies
    185. 185. The World's Biggest Oil Companies
    186. 186. The World's Biggest Oil Companies
    187. 187. The World's Biggest Oil Companies
    188. 188. The World's Biggest Oil Companies
    189. 189. The World's Biggest Oil Companies
    190. 190. The World's Biggest Oil Companies
    191. 191. The World's Biggest Oil Companies
    192. 192. The World's Biggest Oil Companies
    193. 193. Parte 8 O Brasil e a Petrobras
    194. 194. O início • 1919 - Primeira perfuração, pelo Serviço Geológico e Mineralógico do Brasil (SGMB). • 1939 - Primeira descoberta de petróleo no Brasil, realizada pelo Departamento Nacional da Produção Mineral (DNPM), no poço nº 163, localizado em Lobato, no Recôncavo Baiano. • 1941 - Descoberto em Candeias (BA) o primeiro campo comercial de petróleo do país. • Anos 40 - Descobertos campos de gás natural em Aratu e de petróleo em Itaparica, ambos no Recôncavo Baiano. • 1945 - o Conselho Nacional do Petróleo (CNP) defende a presença de capitais estrangeiros na indústria do petróleo, e aprova a participação de companhias privadas de capital nacional no refino do petróleo importado.
    195. 195. 3 de outubro de 1953 • “Com satisfação e orgulho patriótico que hoje sancionei o texto de lei aprovado pelo poder legislativo, que constitui novo marco da nossa independência econômica". • As bases da política petrolífera nacional se estabeleceram na Lei 2004, que criou a Petróleo Brasileiro S.A - Petrobras. Presidente Getúlio Vargas
    196. 196. Como tudo começou (anos 50) • 1953 – A produção de petróleo era de 2.700 barris diários, representando 27% do consumo brasileiro. Ela vinha dos campos da Bahia. • As opções iniciais da Petrobras foram pela construção de novas refinarias, buscando a redução dos custos de importação de derivados, e pela criação de uma infra- estrutura de abastecimento, com a melhoria da rede de transporte e instalação de terminais em pontos estratégicos do país. • Ao final da década, a produção de petróleo já se elevava a 65 mil barris diários, as reservas somavam 617 milhões de barris.
    197. 197. Perfurando (anos 60) • 1961 – Petrobras alcança a auto-suficiência na produção dos principais derivados, com o início de funcionamento da Refinaria Duque de Caxias (Reduc), no Rio de Janeiro. • Enquanto na época de criação da Petrobras cerca de 98% das compras externas correspondiam a derivados e só 2% a óleo cru, em 1967 o perfil das importações passava a ser 8% de derivados e 92% de petróleo bruto. • 1962 – 100 mil barris diários de produção. • 1968 – Primeira descoberta de petróleo no mar (litoral de Sergipe).
    198. 198. Crise no Exterior Sucesso no Mar (anos 70) • No início dos anos 70, o consumo de derivados de petróleo duplicou, impulsionado pelo crescimento médio anual do Produto Interno Bruto a taxas superiores a 10% ao ano. • A plataforma continental passa a merecer atenção especial. Depois de Guaricema, foram realizadas mais de 20 descobertas de pequeno e médio portes no litoral de vários estados. • 1974 – Descoberta do campo de Garoupa, na Bacia de Campos - uma nova fase para a produção do país. • 1973 e 1979 – Choques do petróleo .
    199. 199. A década dos Recordes (anos 80) • A década de 80 – Bruscas elevações de preços no exterior fazem o dispêndio de divisas do país com petróleo e derivados aumentar mais de dez vezes, chegando a alcançar a casa dos 10 bilhões de dólares em 1981. • A Petrobras supera grandes desafios, implantando a primeira fase de produção da Bacia de Campos, permitindo ao Brasil aumentar substancialmente a produção de petróleo. • A produção passa a bater sucessivos recordes, atingindo 675.135 barris diários em dezembro de 1989.
    200. 200. A década da Tecnologia (anos 90) • A Petrobras inicia a década sendo indicada pela Offshore Technology Conference para receber o maior prêmio do setor petrolífero mundial, em reconhecimento à sua notável contribuição para o avanço da tecnologia de produção em águas profundas. • Agosto de 1997 – Lei 9.478, que regulamentou a emenda constitucional de flexibilização do monopólio estatal do petróleo. Com isso, abriram-se perspectivas de ampliação dos negócios e maior autonomia empresarial. • Janeiro de 1999 – O último recorde no campo de Roncador, produzindo a 1.853 metros de lâmina d’água.
    201. 201. A década da Tecnologia (anos 90)
    202. 202. Energia e Responsabilidade Social Novo Século • Os primeiros anos da década são marcados pela forte atuação da Petrobras no sentido de aprimorar suas relações com a sociedade, sendo uma empresa-cidadã, interessada em cumprir profundamente o compromisso da responsabilidade social e ambiental. • Além de exercer as atividades-fim de produzir, refinar, transportar, distribuir e comercializar o petróleo e o gás em condições máximas de eficiência e segurança, a Petrobras passa a se destacar como a empresa que mais investe no Brasil em projetos sociais, culturais, artísticos e de educação ambiental.
    203. 203. Autossuficiência • A P-50 é o marco da auto-suficiência em petróleo do Brasil. • Ela irá produzir 180 mil barris por dia. • Em 2006 as unidades de produção da Bacia de Campos e das demais bacias petrolíferas do Brasil complementarão 1,9 milhão de barris por dia, para atender a demanda nacional. P-50
    204. 204. • Com a confirmação da presença de reservatórios com hidrocarbonetos no Pré- Sal da Bacia de Campos e da Santos, o Brasil e a Petrobras entram em uma nova era com novos paradigmas a serem superados. • Em 2 de setembro de 2008, o Campo de Jubarte, na Bacia de Campos, através da plataforma P-34, produzia o primeiro óleo do Pré-Sal brasileiro. O Pré-Sal P-34 – Campo de Jubarte
    205. 205. Pré-Sal
    206. 206. Pré-Sal Taxa de sucesso média no mundo - abaixo de 30% Taxa de sucesso média no Brasil - em torno de 35% Taxa de sucesso na região do Pré-Sal - cerca de 87% Taxa de sucesso no cluster do Pré-Sal – próximo a 100% Petróleo leve de boa qualidade – 29,2° API Grandes volumes recuperáveis – cerca de 50 bilhões de barris
    207. 207. O Pré-Sal
    208. 208. Pré-Sal
    209. 209. Polo Pré-Sal da Bacia de Santos Lula
    210. 210. Pré-Sal 1997 2009 • País • Descoberta de uma das maiores províncias petrolíferas do mundo • Parque industrial diversificado • Perspectiva de aumento da capacidade de exportação • Petrobras • Elevada capacidade tecnológica • Maior capacidade de captação de recursos • Robusta carteira de investimento. • Preço do Petróleo • Preço oscilando em torno de US$ 65/barril • País • Blocos exploratórios de baixa rentabilidade e risco elevado • Importador de Petróleo • Escassez de recursos para investimentos • Petrobras • Insuficiência de capital para realizar investimentos • Dificuldade de captação externa • Elevados custos de capital • Preço do Petróleo • US$ 19/barril Mudanças nos cenários
    211. 211. Pré-Sal e Áreas Estratégicas Cessão Onerosa Partilha de Produção Outras Áreas Mantém-se o Regime de Concessões Atual Até 5 bilhões boe Petrobras 100% Petrobras Operadora mínimo 30% Terceiros por Licitação Novo marco regulatório Regime de Concessão - Lei 9478/1997 Regime de Partilha de Produção – Lei 12351/2010 Regime de Cessão Onerosa – Lei 12276/2010
    212. 212. Pré-Sal Regime de Concessões
    213. 213. Preço final do barril: US$ 8,51 Pré-Sal Regime de Cessão Onerosa
    214. 214. Pré-Sal Regime de Partilha de Produção - 1ª Rodada - Libra Lucro do governo 41,65%
    215. 215. Pré-sal atinge produção de 824 mil barris por dia em janeiro 03.Mar.2015
    216. 216. Parte 9 PNG 2015 - 2019
    217. 217. PLANO DE NEGÓCIOS E GESTÃO 2015-2019 ― Apresentação para Divulgação PLANO DE NEGÓCIOS E GESTÃO 2015-2019 —
    218. 218. OBJETIVOS DO PLANO DE NEGÓCIOS E GESTÃO 2015-2019 — Disciplina de capital Reforçar a gestão de desempenho Foco em rentabilidade DESALAVANCAGEM GERAÇÃO DE VALOR PARA OS ACIONISTAS $
    219. 219. METAS DE DESALAVANCAGEM DO PLANO — Até 2018 Até 2020  Alavancagem líquida abaixo de 40%  Endividamento Líquido / EBITDA abaixo de 3,0x  Alavancagem líquida abaixo de 35%  Endividamento Líquido / EBITDA abaixo de 2,5x
    220. 220. COMPARAÇÃO DE ALAVANCAGEM DAS EMPRESAS — ALAVANCAGEM (%) Fonte: Evaluate Energy. *EBITDA Normalizado
    221. 221. Fonte: Evaluate Energy. *EBITDA Normalizado COMPARAÇÃO DE ENDIVIDAMENTO LÍQUIDO / EBITDA DAS EMPRESAS — Endividamento Líquido / EBITDA*
    222. 222. MERCADO DE DERIVADOS — 2.6272.596 2015 2.141 2010 2014 2.851 2020 Mil bpd Outros Gasolina Diesel 897 402 842 990 573 1.032 1.008 587 1.032 1.054 608 1.189 5,0% a.a. 1,6% a.a. Previsão de crescimento da economia brasileira! 2015 - 2020
    223. 223. QUEDA DOS PREÇOS EM 2014 — Principais razões Decisão da OPEP de manutenção do teto de produção na reunião de novembro de 2014 e reafirmada no encontro de junho de 2015.  Aumento da produção dos EUA além do esperado.  Desaceleração do ritmo de crescimento da demanda mundial de petróleo.  Retorno da produção da Líbia com grande volatilidade.  Arábia Saudita com foco maior no market-share, menor no preço. Deve ser considerado também o reingresso do Irã no mercado mundial.
    224. 224. PREMISSAS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO — Não há previsão de emissão de novas ações Preços dos derivados no Brasil Preço do Brent (Médio) Taxa de Câmbio Nominal (Média) R$/US$  Paridade de importação  US$ 60/bbl em 2015 e  US$ 70/bbl no período 2016-2019 2017-201920162015 2020 3,293,263,10 3,56 04.10.2015 Preço do Brent US$ 48,13/bbl Taxa de Câmbio 4,03 R$/US$
    225. 225. DESINVESTIMENTOS E REESTRUTURAÇÕES — 2015-2016 2017-2018  Desinvestimentos revisados de US$ 13,7 bilhões para US$ 15,1 bilhões  Reestruturações de negócios  Desmobilizações de ativos  Desinvestimentos adicionais US$ 42,6 bilhões distribuídos em:
    226. 226. INVESTIMENTOS — Seletividade da carteira de projetos E&P Abastecimento, G&E e Demais Áreas  Prioridade para os projetos de produção de petróleo no Brasil, com ênfase no pré-sal.  Manutenção das operações.
    227. 227. PNG 2015-2019 Segmentos US$ bilhões % Exploração e Produção* 108,6 83 Abastecimento** 12,8 10 Gás e Energia 6,3 5 Demais Áreas 2,6 2 Total 130,3 100 INVESTIMENTOS — Redução de 37% em relação ao PNG 2014-2018 * Inclui investimentos da Petrobras no exterior ** Inclui Distribuição
    228. 228. Atualização de Câmbio e Inflação -12,0 -42,4 Ano 2014*PNG 2014-2018 Projetos Novos Projetos Retirados 206,8 -28,0 Reorçamentação /Alteração de Escopo -22,0 Desoneração de Capex por Reestruturações /Desinvestimentos 130,3 Atrasos e Postergações de Projetos PNG 2015-2019Ano 2019 -3,5 US$ Bilhões INVESTIMENTOS — Conciliação entre as Carteiras: PNG 2014-2018 x PNG 2015-2019 2,7 23,1 5,6 * O valor realizado em 2014 foi de US$ 37,1 bilhões
    229. 229. Estimativa de Redução de CAPEX de E&P por grupo de empresas (2015 vs 2014) NOVO PATAMAR DE PREÇOS DE PETRÓLEO — 89 empresas Majors NOCS Chinesas Outras Média - 20% Majors Regionais Fonte: WoodMackenzie 2015/ Relatório das Empresas
    230. 230. INVESTIMENTOS EM EXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO — Exploração Suporte Operacional Investimentos no Exterior Desenvolvimento da Produção 11,3 (10%) 3,0 (3%) 89,4 (82%) 4,9 (5%) E&P US$ 108,6 bilhões
    231. 231. Crescimento da Produção . 33% PRODUÇÃO DE ÓLEO E LGN NO BRASIL — 2,0340 2,1252 2,1850 2,8330 2,100 2,400 2,500 4,200 1905ral 1905ral 1905ral 1905ral 1905ral 1905ral 1905ral Milhões bpd Comparação com o PNG 2014-2018
    232. 232. PAPA TERRA (mar/15) IRACEMA NORTE (3º Tri) LULA ALTO (1º Sem) LULA CENTRAL (1º Sem) LAPA (2º Sem) TLD de LIBRA (2º Sem) LULA SUL FPSO Replicante BÚZIOS 1 FPSO CO BÚZIOS 3 FPSO CO TARTARUGA VERDE E MESTIÇA LULA EXT. SUL FPSO Replicante LULA NORTE FPSO Replicante ATAPU NORTE/ PILOTO SURURU FPSO Replicante ATAPU SUL FPSO Replicante BÚZIOS 2 FPSO CO BÚZIOS 4 FPSO CO SÉPIA REVITALIZAÇÃO DE MARLIM 1 BÚZIOS 5 BERBIGÃO / SURURU FPSO Replicante PILOTO LIBRA LULA OESTE PRÉ –SAL (CONCESSÃO) CESSÃO ONEROSAPÓS -SAL PARTILHA A contratarPRÉ-SAL (CONCESSÃO) e CESSÃO ONEROSA CRONOGRAMA DE ENTRADA DAS UNIDADES DE PRODUÇÃO — Milhões bpd
    233. 233. 2,700 2,800 2,900 3,700 2,700 3,100 3,200 5,300 1905ral 1905ral 1905ral 1905ral 1905ral 1905ral 1905ral Milhões boed PRODUÇÃO DE ÓLEO, LGN E GÁS NATURAL NO BRASIL E EXTERIOR — Comparação com o PNG 2014-2018
    234. 234. CARGA PROCESSADA NO BRASIL E DEMANDA DE DERIVADOS — 2020201920182017201620152014 Carga Processada no Brasil Carga Processada RNEST* Demanda por Derivados no Brasil PNG 15-19 Adições de Capacidade Promega (mbpd): 2016: 22 2017: 19 2019: 23 Milhão bpd 2,3 * 2018 – partida 2T RNEST
    235. 235. E&P Abastecimento G&E Demais Áreas GASTOS OPERACIONAIS GERENCIÁVEIS — Custos e despesas totais, excluindo matérias-primas  Maior eficiência na gestão de serviços contratados.  Racionalização das estruturas e reorganização dos negócios.  Otimização dos custos de pessoal.  Redução nos custos de aquisição de insumos.  Redução dos custos logísticos de transporte. Ações para ganhos de produtividade US$ 142 bilhões 14,0 (10%) 69,8 (49%) 45,8 (32%) 12,4 (9%)
    236. 236. GANHOS DE EFICIÊNCIA OPERACIONAL E DEMAIS OTIMIZAÇÕES DE CUSTOS — Otimizações para manutenção do Custo de Extração: CustodeExtração(US$/boe): 20192014 14 11  Otimização dos processos de rotina e dos recursos utilizados no processo de produção de óleo & gás.  Alcance da excelência na gestão de materiais e sobressalentes.  Adequação do overhead.  Maior participação do pré-sal.
    237. 237. PROJEÇÃO PARA DESALAVANCAGEM — Dívida Líquida/EBITDA*Alavancagem Líquida Com ganhos de produtividade e desinvestimentos/reestruturações em 2017 e 2018 (*)Ebitda é a sigla em inglês para Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização. Trata-se da receita bruta (gerada pelos ativos operacionais) menos as despesas operacionais, excluindo-se destas a depreciação e as amortizações do período e os juros. O Ebtida avalia o lucro referente apenas ao negócio, descontando qualquer ganho financeiro. Alavancagem líquida é medida pela relação entre endividamento líquido e patrimônio líquido Dívida Líquida / EBITDA: Esse índice indica o número de anos de geração de caixa requeridos para pagar todas as dívidas da companhia.
    238. 238. DESAFIOS DO PNG 2015-2019 — Riscos que podem impactar o Plano  Mudanças de condições de mercado, como preço do petróleo e taxa de câmbio.  Operações de desinvestimentos e outras reestruturações de negócios, sujeitas a condições de mercado vigentes à época das transações.  Alcance das metas de produção de petróleo e gás natural, em um cenário de dificuldades com fornecedores no Brasil.
    239. 239. PNG 2015-2019
    240. 240. Parte 10 Crise no Brasil
    241. 241. PetrolãoOperação Lava Jato
    242. 242. http://www1.folha.uol.com.br/infograficos/2014/10/117432-como-funcionava-o-esquema.shtml
    243. 243. http://www1.folha.uol.com.br/infograficos/2014/10/117432-como-funcionava-o-esquema.shtml
    244. 244. A responsabilidade da União no caso Petrobras e a proteção legal ao acionista minoritário Resumo: Nos últimos dias vêm sendo destaque nos meios de comunicação os supostos desvios de recursos da Petrobras, sociedade de economia mista, cujo controle acionário pertence à União, sendo, portanto, patrimônio público do povo brasileiro. A questão que se discute nesta incursão é a responsabilidade da União Federal, que na condição de acionista majoritário indica o corpo administrativo da empresa, diante de eventuais prejuízos causados aos sócios minoritários por ação desses indicados. Pelo que vem sendo noticiado, a se confirmar o desvio de recursos, os investidores privados perdem parte dos seus haveres pela redução dos lucros no caso de comprovado pagamento de despesas inexistentes ou contratações de obras e serviços com sobrepreço ou superfaturamento. Discute-se ainda os mecanismos legais a disposição dos acionistas para rever o ativo desviado. A gestão administrativa prejudicial ao interesses da companhia acaba por afetar os interesses dos acionistas minoritário Leia mais: http://jus.com.br/artigos/33629/a-responsabilidade-da-uniao-no-caso-petrobras-e-a-protecao-legal-ao-acionista-minoritario#ixzz3IXT32Eo4
    245. 245. http://seekingalpha.com/symbol/PBR 28.10.2015
    246. 246. http://www.google.com/finance/
    247. 247. http://seekingalpha.com/news/2109775-doj-sec-open-petrobras-investigation
    248. 248. http://www.google.com/finance/
    249. 249. http://www.google.com/finance/
    250. 250. https://petitions.whitehouse.gov/petition/investigate-and-prosecute-fraud-and-crimes- occurred-petrobras-nysepbr-under-rousseff%C2%B4s/tfgZGYsr
    251. 251. http://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/11/1545668-departamento-de-justica-dos-eua-abre-investigacao-sobre-petrobras-diz-jornal.shtml
    252. 252. http://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKBN0IL2W720141101
    253. 253. http://www.theguardian.com/world/2015/jul/10/brazil-petrobas-lawsuit-corruption-scheme-shareholders-us Brazil oil giant faces $98bn shareholder lawsuit in US over corruption scheme O Tribunal de Nova Iorque ouvirá caso apresentado por investidores, incluindo fundos de pensões de acadêmicos britânicos e os trabalhadores estaduais dos EUA sobre a operação “Lava Jato”, golpe na Petrobras. Um juiz norte-americano disse para gestores da Petrobras, que se prepararem para um processo de US$ 98 bilhões, sobre alegações de que executivos seniores da petrolífera brasileira e políticos estavam envolvidos em um enorme esquema de lavagem de dinheiro e corrupção denominado "Operação Lava jato ".
    254. 254. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mercado/194632-reajuste-trara-r-55-bi-extras-a-petrobras.shtml
    255. 255. http://veja.abril.com.br/noticia/economia/alta-de-combustiveis-tera-impacto-limitado-na-petrobras
    256. 256. No Brasil, o impacto do provocado pelo preço da commodity é menor. A produção nacional é comercializada pela Petrobras por meio da venda de derivados no mercado interno em Reais (R$), cujos preços sem mantém atrelado a este mercado. Neste caso, a queda do preço da commodity beneficiaria a Petrobras que importa parte do volume de petróleo bruto necessário para atender a demanda de derivados no Brasil. A queda do preço da commodity também implica em redução dos valores dos tributos pagos pela estatal, e a consequente redução da arrecadação da União, Estados e Municípios “produtores”. Assim, esta queda de preços iria impactar em toda a cadeia produtiva do petróleo em nível global: os preços pagos por sondas, serviços técnicos etc. deveriam se reajustar em um novo patamar. Afinal, neste mercado a “âncora cambial” é a própria commodity. Com o preço da commodity abaixo de US$ 50 por barril, muitos dos projetos de desenvolvimento da produção estão sendo reavaliados ou cancelados, no Brasil e no mundo.
    257. 257. Após sucessivos escândalos envolvendo corrupção, o valor das ações da Petrobras atingiu seu patamar mais baixo! Menos de US$ 2,90 na Bolsa de Nova Iorque e cerca de R$ 4,20 na Bovespa (26.jan.2016) . Como consequência do rebaixamento do nível de crédito (crise de credibilidade), da depreciação do valor da commodity, e principalmente de seu endividamento, atrelado a moeda estrangeira, construído ao longo de anos, devido à defasagem entre o preço de petróleo no mercado internacional e os preços dos derivados praticados no mercado doméstico e ao desenvolvimento de projetos politicamente estratégicos mas negativos economicamente, a estatal Petrobras possui neste momento tremenda dificuldade para alavancar financeiramente seus projetos. Neste cenário, com déficit no fluxo de caixa, a Petrobras está, novamente, revisando seu Plano de Negócios e Gestão – PNG, o qual apresentará medidas de redução de custo ainda mais austeras e postergação de projetos, e conforme já anunciado: ampliação de seu programa de desenvestimento. Rebaixamento do nível de crédito da Petrobras.
    258. 258. Investimentos no ano que vem cairão de 27 bilhões para 19 bilhões de dólares (Ueslei Marcelino/Reuters) A revisão foi feita após mudanças no patamar de cotação internacional de petróleo e do câmbio, segundo comunicado divulgado pela estatal. A previsão é investir cerca de 25 bilhões de dólares neste ano - um corte de 11% em relação ao Plano de Negócios e Gestão divulgado em junho, que previa investimentos de 28 bilhões de dólares em 2015. Para 2016, o corte chega a 30%, de 27 bilhões para 19 bilhões de dólares. Com o agravamento de sua situação financeira, em função da alta do dólar, a Petrobras anunciou nesta segunda-feira um novo corte de investimentos, de 20%, para o biênio 2015 e 2016.
    259. 259. O principal impacto é, obvio, a redução da arrecadação dos municípios beneficiados com os tributos do petróleo (Royalties, Participação Especial etc.) e pela redução da atividade industrial (ICMS e ISS). Desemprego, devido à redução da demanda por mão de obra qualificada e de serviços indiretos à indústria do petróleo. Redução da bolha inflacionária de Macaé. Acirramento da disputa entre os municípios da região, com a oferta de vantagens fiscais para empresas de suporte à indústria do Petróleo (imobiliário, mão-de-obra etc.). Impactos na região Norte Fluminense
    260. 260. Impactos na região Norte Fluminense O Diário Norte Fluminense (Campos) - 3/10/2015 Prefeitura divulga comunicado sobre o "fundo dos royalties"
    261. 261. Parte 11 Consolidação
    262. 262. Cenário Internacional - 2016
    263. 263. Cenário Internacional - 2016
    264. 264. Cenário Internacional - 2016
    265. 265. Cenário Internacional - 2016
    266. 266. Cenário Internacional - 2016
    267. 267.  As Majors do Petróleo possuem poucas reservas, as grandes reservas estão sob o controle de empresas estatais;  A produção de shale gas e ligth tight oil, nos Estados Unidos, pressionou o nível de preços da commodity para baixo;  Contrachoque do petróleo provoca forte baixa no preço da commodity. Consequências imediatas: crise nos países exportadores, impacto na produção do petróleo não- convencional;  Muitas hipóteses sobre a manipulação e os objetivos deste movimento de queda no preços do petróleo;  Produção mundial de 85 bilhões de barris em 2014 e previsão de crescimento para 110 bilhões em 2035. Cenário Internacional - 2016
    268. 268.  A China busca diversificar suas fontes energéticas e seus fornecedores, visando garantir sua segurança energética. (participação no leilão de Libra – regime de partilha);  A China torna-se a maior economia mundial, deslocando a balança energética mundial para o Sudeste Asiático; Cenário Internacional - 2016
    269. 269.  Não haverá mudanças significativa no mix global de energia, cujo destaque é o estabelecimento do patamar do barril abaixo de US$ 50, freiando o crescimento da produção não convencional (shale e tight).  As produção de energias renováveis serão patrocinadas quase que exclusivamente pelos países membros da OECD. Destaque para o projeto do automóvel elétrico Tesla;  Crescimento da oferta e da demanda mundial de energia será alavancado pelos países não-OECD (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico);  Rússia, em meio a grave crise, busca retomar seu domínio no leste europeu, garantindo o escoamento de sua produção e o acesso ao segundo mercado mundial, a União Europeia . Cenário Internacional - 2016
    270. 270.  Dúvidas quanto a sustentabilidade mundial, que terá que conciliar o crescimento populacional, o aumento da produtividade industrial, o aumento nos níveis de consumo com as questões ambientais;  O acordo de fornecimento de gás entre a Rússia e a China, e o acirramento da disputa no Mar da China demonstram a polarização da política energética ente o Ocidente e a Ásia;  A ameaça turca, com a tentativa de recriação do Império Otomano, podendo desestruturar a frágil geopolítica mundial.  Incertezas sobre uma nova Guerra Fria multipolarizada;  Devido a queda do preço da commodity, há incertezas de como a Rússia e outros países exportadores irão reverter o déficit em suas balanças comerciais. O destaque fica por conta da vizinha Venezuela e os impactos regionais, causados pela desestruturação do país. Cenário Internacional - 2016
    271. 271.  Política externa com grande carga de incertezas – Mercosul, Brics, Venezuela, EUA etc.;  Dificuldade de retomada do crescimento da atividade econômica;  Queda na produtividade da indústria nacional;  Legislação ambiental e órgãos fiscalizadores cada vez mais rigorosos, tornando mais restritivo a indústria extrativista, protelando projetos estruturantes e elevando os custos;  Protelação da definição do processo de Impeachment, que retarda a retomada do crescimento da economia. Cenário Nacional - 2016
    272. 272.  Escândalos de corrupção como: Mensalão e Petrolão (Lava Jato) fragilizou as instituições: Poderes Públicos (Executivo, Legislativo e Judiciário), Petrobras, Correios, Eletrobras etc.;  Petrobras, mesmo endividada, continua a atuar como ferramenta chave da política econômica nacional;  Apesar da valorização de suas ações no início de 2016, a Petrobras não possui condições econômicas para desenvolver a ousada carteira de projetos em seus Planos de Negócio e Gestão - PNGs, além dos impactos da falta de infraestrutura nacional, desvalorização de suas ações, queda no preço do petróleo mundial, ao aumento da taxa de câmbio e risco de intervenção da SEC (U.S. Securities and Exchange Commission). Cenário Nacional - 2016
    273. 273.  Falta de infraestrutura no país para suportar a demanda da Petrobras e da indústria do petróleo:  Mão de obra qualificada;  Infraestrutura industrial local;  Infraestrutura logística.  A Petrobras amplia seu programa de desenvestimento, visando mitigar os impactos no fluxo de caixa, devido à restrição de crédito pelo Mercado financeiro;  Com o Brent à US$50/Bbl, devido à improdutividade, burocracia elevada, falta de infraestrutura, além do endividamento da Petrobras, neste momento o desenvolvimento da indústria do Petróleo no Brasil encontra- se inviabilizado. Cenário Nacional - 2016
    274. 274.  A solução para a crise na indústria petrolífera brasileira passa por um grande pacto nacional, que envolve a participação de vários órgãos reguladores e sindicatos. Ou seja, a solução da equação: custo total de produção deve ser menor que o preço da commodity (US$ 48).  Hipóteses possíveis: - Redução da carga tributária sobre o segmento, incluindo a redução da alíquota dos Royalties, ou seu escalonamento em função da rentabilidade de cada concessão; - Redução do custo com mão-de-obra; - Redução de entraves burocráticos pelos órgãos reguladores. (ANP, Ibama, MPT, SRTE etc.).  Ou seja, a indústria petrolífera brasileira precisa se adequar a nova realidade mundial para tornar-se competitiva e viável . Cenário Nacional - 2016
    275. 275. Brasil geopolítico – 2016 Indicador Ranking Extensão territorial 8,5 milhões Km2 5° População 204 milhões habitantes 5° PIP - PPP 3,2 trilhões US$ 7° Reservas internacionais e ouro 359 Bilhões US$ 7° Consumo de petróleo 2,8 milhões bpd 5° Produção de petróleo 3,2 milhões bpd 9° Capacidade de refino 2,7 milhões bpd 11° Reservas provadas 14 bilhões barril 15° Poderio Bélico GFD 14° Orçamento bélico 34,7 bilhões US$ 10° Brasil é sem dúvida uma grande potência mundial com dimensão continental, população capaz de desenvolver um importante mercado interno, reservas cambiais prontas para atuar na solução das carências de suas infraestrutura, reservas provadas de petróleo para atender 14 anos de produção. O que falta?
    276. 276. • Para se resolver um problema, primeiro devemos reconhecer que há um problema! • • A atividade econômica do município, e região, está calçada na cadeia produtiva do segmento de Exploração e Produção do Petróleo, no ambiente Offshore (fora da costa), em águas profundas. • As principais jazidas da Bacia de Campos encontram-se em lâmina d’água superior à 1.000 metros. • Assim, o ponto de equilíbrio de bons projetos de E&P, na Bacia de Campos, encontra-se próximo aos US$50 por Barril. Não sendo atrativos comercialmente enquanto o preço da commodity estiver igual ou abaixo deste valor. Atualmente, o preço da commodity tipo Brent, na bolsa de Londres, está sendo comercializada entre US$ 30 ~ 40 por barril. Crise Regional
    277. 277. • Quanto à competitividade econômica, os projetos de E&P no polo Pré- Sal da Bacia de Santos são mais atrativos economicamente. Apesar do custo mais elevado para a construção de poço nas locações ultra profundas, os poços do polo Pré-Sal da Bacia de Santos têm apresentado vazões maiores e uma qualidade de petróleo superior (30°API) aos da Bacia de Campos (20°API). • Ou seja, em um confronto direto por recursos críticos (sondas (Rigs), Barcos especiais (AHTS, PSLV etc.) o polo Pré-Sal sai na frente. Crise Regional
    278. 278. Crise Regional • Para tornar a Bacia de Campos atrativa novamente, atraindo novos investimentos, são necessárias algumas mudanças no cenário geopolítico:

    ×