O XISTO, A GEOPOLÍTICA ENERGÉTICA
E A SUSTENTABILIDADE.E A SUSTENTABILIDADE.
FECOMÉRCIOSP
São Paulo, 17 de maio de 2013
http://fracfocus.org/node/342
2
filme 3
Presidência da
Ministério de
Minas e
Energia
ANP
Definição das políticas
Regulação e
implementação das
políticas
Presidênc...
O QUE É O SHALE
(FOLHELHO)?(FOLHELHO)?
5
6
7
8
Fonte da figura: SPE 152596 9
POR QUE
“NÃO CONVENCIONAIS” ?“NÃO CONVENCIONAIS” ?
10
COMPARATIVO:
CONVENCIONAL vs. NÃO-CONVENCIONAL
Fraturamento
Hidráulico por poço
Pressão
(psi)
Volume
injetado
(m³)
Potênci...
COMO EXTRAIR O GÁS DO
FOLHELHO?FOLHELHO?
12
Fonte da figura: International Energy Agency World Energy Outlook Special Report on Unconventional Gas 2012 - p.25
http://...
Fonte da figura: OGP Shale Gas FAQS – pg 6 http://www.ogp.org.uk/files/3013/6395/5703/OGP_Shale_Gas_FAQs.pdf 14
RESERVAS
“NÃO CONVENCIONAIS”“NÃO CONVENCIONAIS”
15
6,4 trilhões m³ = 226 trilhões pés³6,4 trilhões m³ = 226 trilhões pés³
16
17
18
19
20
12a RODADA
Outubro de 2013Outubro de 2013
GÁS NATURAL
21
Acre
Parecis
Parnaíba
Recôncavo
São Francisco
Paraná
Parecis
22
Evento Data
11ª Rodada
(Bacias maduras,
blocos terrestres,
margem equatorial)
Audiência Pública 19/02/2013
Publicação de M...
RISCOS ASSOCIADOS AO
FRATURAMENTO HIDRÁULICOFRATURAMENTO HIDRÁULICO
24
RISCOS
Vazamentos
Poluição superficial
Poluição do subsolo
Terremotos
Consumo de água
25
http://royalsociety.org/policy/projects/shale-gas-extraction/report/
26
•Riscos para a saúde, segurança e meio ambiente podem ser geridos
de forma eficaz.
•A propagação das fraturas é uma causa ...
REGULAÇÃOREGULAÇÃO
28
• Resolução ANP 43/2007
• Gerenciamento da segurança operacional em unidades
marítimas
SGSO
Sistema de
Gestão de
Segurança...
• Resolução ANP 44/2009
• Define regras para comunicação de incidentes e
condução de investigações
Comunicação e
Investiga...
ANÁLISE DE FONTES DE ÁGUA ANTES E APÓS O FRATURAMENTO
Fonte da figura: International Energy Agency World Energy Outlook Sp...
A ANP VERIFICA SE NO PROJETO DE POÇOS:
O REVESTIMENTO FOI DIMENSIONADO ADEQUADAMENTE
(PRESSÃO INTERNA, PRESSÃO EXTERNA, CO...
ELEMENTOS CRÍTICOS PARA SEGURANÇA OPERACIONAL
Bomba de fraturamento
Potência Hidráulica 22.000 HHP
Pressão de 10.000 a 15....
IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DE RISCOS
Fonte: ARTIGO SPE 152596
34
CONCLUSÕESCONCLUSÕES
35
•A regulação deve ser tecnicamente forte, atual e baseada em
riscos;
•A tecnologia para extração segura existe, os riscos ...
•Foco em proteção ambiental e em operações seguras.
•Responsabilidade social.
PontosPontos--chavechave
•Concessionários de...
Leis e Regulação
(Governos, Ministérios,
Agências, ...)
Equipamentos
e Infraestrutura
(suprimentos e
escoamento)
Mercado
(...
SUSTENTABILIDADESUSTENTABILIDADE
Desenvolvimento
do país
Preservação
Ambiental
Aderência às leisExploração de
39
Operações...
Perguntas?
Muito Obrigado.
Hugo Manoel Marcato Affonso
Superintendente-adjunto de Segurança Operacional e Meio Ambiente da...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Debate O xisto, a geopolítica energética e a sustentabilidade, 17/5/2013 - Apresentação Hugo Affonso

402 visualizações

Publicada em

Os Estados Unidos encontraram uma solução para dar conta de parte da sua demanda energética com a extração de gás de xisto. Devido aos últimos avanços tecnológicos, hoje é possível extrair o xisto misturado à rocha, tornando essa forma de combustível economicamente viável para o país. Porém, o crescimento deste mercado acarretou várias críticas a respeito do modelo exploratório adotado e trouxe problemas ao meio ambiente.

No dia 17 de maio, o Conselho de Sustentabilidade da FecomercioSP promoveu um debate para discutir como a exploração deste recurso pode funcionar e beneficiar o Brasil sem causar grandes impactos ambientais.

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
402
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Debate O xisto, a geopolítica energética e a sustentabilidade, 17/5/2013 - Apresentação Hugo Affonso

  1. 1. O XISTO, A GEOPOLÍTICA ENERGÉTICA E A SUSTENTABILIDADE.E A SUSTENTABILIDADE. FECOMÉRCIOSP São Paulo, 17 de maio de 2013
  2. 2. http://fracfocus.org/node/342 2
  3. 3. filme 3
  4. 4. Presidência da Ministério de Minas e Energia ANP Definição das políticas Regulação e implementação das políticas Presidência da República CNPE Conselho Nacional de Política Energética 4
  5. 5. O QUE É O SHALE (FOLHELHO)?(FOLHELHO)? 5
  6. 6. 6
  7. 7. 7
  8. 8. 8
  9. 9. Fonte da figura: SPE 152596 9
  10. 10. POR QUE “NÃO CONVENCIONAIS” ?“NÃO CONVENCIONAIS” ? 10
  11. 11. COMPARATIVO: CONVENCIONAL vs. NÃO-CONVENCIONAL Fraturamento Hidráulico por poço Pressão (psi) Volume injetado (m³) Potência Hidráulica (HHP) Permeabilidade (mD) CONVENCIONAL 4.500 700 3.200 1 a 10 NÃO-CONVENCIONAL 10.000 20.000 25.000 0,0001 Pressão nos pneus de um automóvel: 30 psi Volume de piscina olímpica: 2.500 m³ Consumo de água por pessoa por ano no Brasil: 305 m³ (http://chartsbin.com/view/1455) 11
  12. 12. COMO EXTRAIR O GÁS DO FOLHELHO?FOLHELHO? 12
  13. 13. Fonte da figura: International Energy Agency World Energy Outlook Special Report on Unconventional Gas 2012 - p.25 http://www.worldenergyoutlook.org/media/weowebsite/2012/goldenrules/weo2012_goldenrulesreport.pdf 13
  14. 14. Fonte da figura: OGP Shale Gas FAQS – pg 6 http://www.ogp.org.uk/files/3013/6395/5703/OGP_Shale_Gas_FAQs.pdf 14
  15. 15. RESERVAS “NÃO CONVENCIONAIS”“NÃO CONVENCIONAIS” 15
  16. 16. 6,4 trilhões m³ = 226 trilhões pés³6,4 trilhões m³ = 226 trilhões pés³ 16
  17. 17. 17
  18. 18. 18
  19. 19. 19
  20. 20. 20
  21. 21. 12a RODADA Outubro de 2013Outubro de 2013 GÁS NATURAL 21
  22. 22. Acre Parecis Parnaíba Recôncavo São Francisco Paraná Parecis 22
  23. 23. Evento Data 11ª Rodada (Bacias maduras, blocos terrestres, margem equatorial) Audiência Pública 19/02/2013 Publicação de Minutas do Edital e do Contrato 11/03/2013 Seminário Técnico-Ambiental 18/03/2013 Seminário Jurídico-Fiscal 19/03/2013 Entrega de documentos com manifestação de interesse 26/03/2013 Pagamento de Taxas de Participação 26/03/2013margem equatorial) Pagamento de Taxas de Participação 26/03/2013 Submissão de Garantias de Ofertas 26/04/2013 Sessão de Ofertas (Leilão) 14 e 15/05/2013 Assinatura dos Contratos Agosto 2013 12ª Rodada – Gás Natural ACRE, PARANÁ, PARECIS, PARNAÍBA, RECÔNCAVO & SÃO FRANCISCO Outubro 2013 13ª Rodada – Pré-Sal – Contrato de Partilha Novembro 2013 23
  24. 24. RISCOS ASSOCIADOS AO FRATURAMENTO HIDRÁULICOFRATURAMENTO HIDRÁULICO 24
  25. 25. RISCOS Vazamentos Poluição superficial Poluição do subsolo Terremotos Consumo de água 25
  26. 26. http://royalsociety.org/policy/projects/shale-gas-extraction/report/ 26
  27. 27. •Riscos para a saúde, segurança e meio ambiente podem ser geridos de forma eficaz. •A propagação das fraturas é uma causa improvável de contaminação. •Integridade do poço é a maior prioridade. •Monitoramento robusto é vital. Conclusões da Royal Society •Monitoramento robusto é vital. •Avaliação de Risco Ambiental deve ser obrigatória. •Riscos sísmicos são baixos. •As necessidades de água podem ser geridas de forma sustentável. •Regulamentos devem ser adequados à finalidade. •Investimento em pesquisa e desenvolvimento é indispensável. 27
  28. 28. REGULAÇÃOREGULAÇÃO 28
  29. 29. • Resolução ANP 43/2007 • Gerenciamento da segurança operacional em unidades marítimas SGSO Sistema de Gestão de Segurança Operacional SGI REGULAÇÃO DE SEGURANÇA OPERACIONAL E MEIO AMBIENTE • Resolução ANP 02/2010 • Gerenciamento da integridade estrutural em campos de produção terrestres SGI Sistema de Gestão de Integridade Estrutural • Resoluçao ANP 06/2011 • Operações seguras em dutos terrestres DT Regulamento Técnico de Dutos Terrestres 29
  30. 30. • Resolução ANP 44/2009 • Define regras para comunicação de incidentes e condução de investigações Comunicação e Investigação de Incidentes REGULAÇÃO DE SEGURANÇA OPERACIONAL E MEIO AMBIENTE •Em elaboraçãoPerfuração terrestre Projeto de poços •Em revisãoAbandono de poços 30
  31. 31. ANÁLISE DE FONTES DE ÁGUA ANTES E APÓS O FRATURAMENTO Fonte da figura: International Energy Agency World Energy Outlook Special Report on Unconventional Gas 2012 - p.4 http://www.worldenergyoutlook.org/media/weowebsite/2012/goldenrules/weo2012_goldenrulesreport.pdf 31
  32. 32. A ANP VERIFICA SE NO PROJETO DE POÇOS: O REVESTIMENTO FOI DIMENSIONADO ADEQUADAMENTE (PRESSÃO INTERNA, PRESSÃO EXTERNA, COLAPSO). CIMENTAÇÃO: FUNÇÃO DE ISOLAR O ESPAÇO ENTRE A PAREDE DO POÇO E O PROJETO DE POÇO CONFIÁVEL FUNÇÃO DE ISOLAR O ESPAÇO ENTRE A PAREDE DO POÇO E O REVESTIMENTO, IMPEDINDO CONTAMINAÇÃO DE AQUÍFEROS AVALIAÇÃO DA INTEGRIDADE DE POÇOS Análise técnica da cimentação (CBL, VDL, USIT) Análise técnica dos revestimentos Perfil de temperatura (identifica vazamentos em subsuperfície) Técnicas acústicas (identifica movimentação de fluidos) ANTES, DURANTE A APÓS AS OPERAÇÕES Fonte da figura: International Energy Agency World Energy Outlook Special Report on Unconventional Gas 2012 - p.24 http://www.worldenergyoutlook.org/media/weowebsite/2012/goldenrules/weo2012_goldenrulesreport.pdf 32
  33. 33. ELEMENTOS CRÍTICOS PARA SEGURANÇA OPERACIONAL Bomba de fraturamento Potência Hidráulica 22.000 HHP Pressão de 10.000 a 15.000 psi Há 2 sistemas contra sobrepressão (eletrônico e mecânico) Cabeça de injeção Válvula de alívio contra sobrepressão Botão de desligamento de emergência 33
  34. 34. IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DE RISCOS Fonte: ARTIGO SPE 152596 34
  35. 35. CONCLUSÕESCONCLUSÕES 35
  36. 36. •A regulação deve ser tecnicamente forte, atual e baseada em riscos; •A tecnologia para extração segura existe, os riscos podem ser gerenciados; PontosPontos--chavechave gerenciados; •Será mantido o Regime de Contrato de Concessão, com as adaptações necessárias à exploração não-convencional. 36
  37. 37. •Foco em proteção ambiental e em operações seguras. •Responsabilidade social. PontosPontos--chavechave •Concessionários devem demonstrar profundo conhecimento da geologia local, compromisso com segurança dos processos e MELHORES PRÁTICAS. 37
  38. 38. Leis e Regulação (Governos, Ministérios, Agências, ...) Equipamentos e Infraestrutura (suprimentos e escoamento) Mercado (financiamento, consumo, preços) 38 Órgãos Ambientais (licenciamento, remediação) Tecnologia (transferência, P&D) Abastecimento de Água (Estados e Municípios)
  39. 39. SUSTENTABILIDADESUSTENTABILIDADE Desenvolvimento do país Preservação Ambiental Aderência às leisExploração de 39 Operações seguras Gerações futuras Aderência às leis e regulamentos Geração de riquezas Acesso à energia Exploração de recursos naturais
  40. 40. Perguntas? Muito Obrigado. Hugo Manoel Marcato Affonso Superintendente-adjunto de Segurança Operacional e Meio Ambiente da ANP haffonso@anp.gov.br 40

×