SlideShare uma empresa Scribd logo
Introdução
O Grupo de Informações (GI) faz parte da Rede Vida no Trânsito e tem como
objetivo compilar e produzir informações relativas aos desastres de trânsito com óbitos e
feridos graves, por meio da articulação intersetorial. Para tanto, o grupo busca formar uma
Lista Única de Vítimas, contendo todas as pessoas que foram a óbito ou que tiveram lesões
graves em desastres ocorridos em Florianópolis. Estas ocorrências são, então, avaliadas
caso a caso, a fim de que sejam levantados os fatores de risco que contribuíram para os
eventos. Os riscos, além de outras características como localização, são então compilados
em informações para subsidiar a tomada de decisão e a implementação de ações daqueles
comprometidos com a pacificação do trânsito.
O GI é formado por diversas instituições (Serviço de Atendimento Móvel de
Urgência (SAMU), Instituto Médico Legal (IML), Vigilância Epidemiológica de Florianópolis,
Polícia Rodoviária Federal, Policia Militar (através suas unidades operacionais de área e da
Rodoviária Estadual) e Corpo de Bombeiros), Vigilância Epidemiológica estadual, que se
reúnem quinzenalmente para a análise. Atualmente, apenas os óbitos estão sendo
avaliados, mas há um grande esforço para que os desastres com feridos graves ocorridos
em 2015 também o sejam.
Este relatório compila as informações produzidas pelo GI a partir da avaliação dos
desastres ocorridos no trânsito em Florianópolis, no ano de 2014.
RESULTADOS DA ANÁLISE DOS DESASTRES DE TRÂNSITO COM ÓBITO OCORRIDOS EM FLORIANÓPOLIS
(2014)
Em 2014, os desastres no trânsito provocaram 83 óbitos em Florianópolis, um
aumento de 56,6% em relação aos ocorridos em 2013. A taxa de mortalidade por
desastres de trânsito no município que era de 11,7/100.000 habitantes se elevou para
18/100.000.1
Se considerarmos que, para cada óbito, até 50 pessoas são feridas devido à
violência no trânsito, pode ser estimado um número de aproximadamente 4150 vítimas da
violência no trânsito de Florianópolis em 2014.2
1
População estimada pelo IBGE.
2
RETRATO DA SEGURANÇA VIÁRIA NO BRASIL, 2014.
Esse aumento é parcialmente explicado pela elevação no número de desastres
ocorrida no primeiro semestre de 2014, quando se deram 59% das ocorrências do ano (42
dos 71 desastres), concentrados nos meses de janeiro, fevereiro, março e maio.
Os homens seguem sendo as maiores vítimas, mas a proporção se reduziu de 83%
(2013) para 71,1% (2014).
Gráfico 1. Proporção dos óbitos, conforme meio de transporte da vítima,
Florianópolis-2013/2014.
Fonte: Grupo de Informação, Rede Vida no Trânsito - 2013/2014
A comparação entre os anos permite evidenciar que, em relação ao meio de
transporte da vítima, o perfil dos óbitos se manteve relativamente o mesmo. As exceções
foram os pedestres e ciclistas, cujas proporções aumentaram mais de 30% em 2014.
Apesar de novamente os ocupantes de motocicleta terem sido as vítimas mais
frequentes, não foi registrado o óbito de nenhum motorista de moto profissional
(motoboy, etc.).
Gráfico 2. Número de óbitos em desastres de trânsito, conforme faixa etária da vítima,
Florianópolis-2013/2014.
Fonte: Grupo de Informação, Rede Vida no Trânsito - 2013/2014. *Uma vítima sem idade
identificada em 2014
No gráfico 2 se observa que o aumento dos óbitos em 2014 se refletiu em
praticamente todas as faixas etárias, com destaque para as vítimas com mais de 40 anos.
Gráfico 3. Dia da semana e turno em que ocorreram os desastres com óbitos
relacionados ao trânsito em Florianópolis/2014.
Fonte: Grupo de Informação, Rede Vida no Trânsito - 2014.
Diferente do ano anterior, quando as ocorrências se concentraram nas quintas e
domingos, em 2014 os desastres com óbitos ocorreram nas noites de sexta e sábado.
No GI, cada desastre de trânsito com vítima fatal é analisado pelo grupo, buscando
identificar os fatores ou condutas de risco que geraram o evento. Após compreensão da
dinâmica da ocorrência, cada fator potencialmente envolvido no evento é avaliado e
pontuado de forma independente em uma escala de zero a 10, conforme sua contribuição
para a ocorrência do desastre ou óbito.
O gráfico 4 traz os fatores e condutas de risco avaliados, em ordem decrescente de
frequência para os eventos fatais em 2014.
Gráfico 4. Proporção dos desastres em que foram identificados fatores ou condutas de risco,
Florianópolis/2014
Fonte: Grupo de Informação,Rede Vida no Trânsito - 2014. *Todos os desastres ocorridos à noite foram
considerados como “SIM”. **Condutor não-habilitado para o veículo que dirigia
Os achados acima merecem algumas considerações. Mais do que identificar o fator
mais importante, o objetivo da análise é identificar os fatores mais criticamente
relacionados aos desastres graves e óbitos no trânsito, entendendo que, geralmente, os
eventos ocorrem devido à combinação de vários fatores de risco. Estes achados devem
identificar e orientar ações mais efetivas para a prevenção de novos casos.
Mais uma vez, embora a articulação intersetorial tenha permitido a possibilidade
de avaliação muito mais rica de cada evento, a disponibilidade das informações continua
sendo heterogênea entre os fatores. Um exemplo claro é a velocidade. Embora tenha sido
identificada em muitos desastres, é necessário advertir que a informação sobre a
velocidade dos veículos envolvidos nem sempre estava disponível, o que pode ter
subestimado sua importância na ocorrência dos óbitos no trânsito. Apesar destas
limitações, algumas associações ficam claras.
Como pode ser observado no Gráfico 3, mais da metade dos desastres fatais
ocorreram durante a noite e os fatores mais frequentes associados foram o uso de álcool,
problemas de infraestrutura e excesso de velocidade.
Gráfico 5. Fatores ou condutas de risco para os desastres com óbito no trânsito, de acordo
com o turno de ocorrência, Florianópolis/2014
Fonte: Grupo de Informação,Rede Vida no Trânsito - 2014. *Condutor não-habilitado para o veículo
que dirigia
Avaliando apenas os acidentes com vítimas fatais que ocorreram durante o dia,
entretanto, foram identificados como fatores de risco mais frequentes os problemas de
infraestrutura, excesso de velocidade e evitabilidade/(falta de) direção defensiva. Os dois
únicos fatores ou condutas de risco identificados com maior frequência no turno do dia
foram “Evitabilidade/Direção defensiva” e “Direção perigosa”.
Segundo dados do Vigitel 20143
, 14% dos moradores de Florianópolis relataram
ainda manter o hábito de conduzir veículos motorizados após o consumo de álcool – o que
indica uma queda em relação a 2012, quando 15,9% dos entrevistados referiram cometer
a infração. Entretanto, Florianópolis continua sendo a capital com a maior prevalência,
seguida por Palmas (TO), com 11%. Os homens de Florianópolis (23,2%) assumem mais os
riscos da dupla álcool e direção do que as mulheres (5,8%), mas a proporção destas vem
aumentando desde que a pesquisa iniciou.
3
Inquérito telefônico realizado pelo Ministério da Saúde,com adultos (>18 anos) das 26 capitais dos
Estados brasileiros.
GEORREFERENCIAMENTO DOS DESASTRES
Diferente do verificado no ano anterior, em 2014 além de o número de desastres e
vítimas ter aumentado, os locais de ocorrência desses foram mais distribuídos pelo
município. Nas figuras a seguir, destacamos algumas das áreas de concentração das
ocorrências.
Figura 1: Georreferenciamento dos desastres com óbito no trânsito em Florianópolis, 2014:
área de concentração 1 - Norte da ilha.
Nesta área de cerca de 28km2
ocorreram 12 desastres com vítima fatal em 2014,
ou um a cada 2,3km2
. O destaque negativo é a concentração de atropelamentos e um
óbito de ciclista na SC 401, entres os Rios Papaquara e Palha.
Figura 2: Georreferenciamento dos desastres com óbito no trânsito em Florianópolis, 2014:
área de concentração 2 - Saco Grande.
Já na região do Saco Grande (cerca de 2,3km2) houve seis desastres com óbito ou
2,6 por km2
no período.
Figura 3: Georreferenciamento dos desastres com óbito no trânsito em Florianópolis, 2014:
área de concentração 3 - Continente/Centro.
Na região continental do município foram identificados 11 desastres com óbito
(1,6 por km2
) enquanto no Centro a incidência em 2014 foi de 9 ocorrências (2,4 por km2
).
A concentração de desastres na Av. Gustavo Richard observada em 2013 não se repetiu
em 2014.
Figura 4: Georreferenciamento dos desastres com óbito no trânsito em Florianópolis, 2014:
área de concentração 4 - Via Expressa Sul.
A área próxima ao elevado entre a Via Expressa Sul e a SC 405 concentrou 8 ocorrências
fatais em 2014 - uma incidência de dez desastres por km2
.
Figura 5: Georreferenciamento dos desastres com óbito no trânsito em Florianópolis, 2014:
área de concentração 5 - Trevo do CIC.
*Atropelamento por moto, ambos foram a óbito
A outra regiãocrítica para ocorrênciade desastrescomóbito em 2014 foi próximo ao trevo do
CIC, onde houve seis ocorrências (dez por km2) com dez vítimas.
ANÁLISE DE SUB-GRUPO: DESASTRES ENVOLVENDO ÁLCOOL
Dos 51 desastres de trânsito com óbito ocorridos em 2013 em Florianópolis, em
pelo menos 22 (43,1%) os membros do GI do Projeto Vida no Trânsito conseguiram
evidenciar o álcool como fator de risco para sua ocorrência. A partir de dados referentes a
2014, em pelo menos 25 dos 71 desastres com óbito (35,2%) havia envolvimento do álcool
- embora em outros 18 eventos não se conseguiu as informações para confirmar ou excluir
esse fator de risco.
Tabela 1. Númerode desastres de trânsito com óbito,ocorridos em Florianópolis/SC,em que
foi identificada a presença do fator de risco álcool
2013 2014
Total de desastres de
trânsito associados ao
álcool
22 25
Turno noite (18h - 6h) 19 (86,4%) 21 (84%)
Dia da semana 5ª, sábado ou domingo
(68,2%)
5ª, sábado ou domingo
(92%)
Veículo mais envolvido Carro (77,3%) Carro (80%)
Excesso de velocidade
concomitante
8 (33,7%) 6 (24%)
Locais mais frequentes 5 na SC 401, 4 na SC 401,
3 na Via Expressa 4 na SC 405
Fonte: Grupo de Informação,Rede Vida no Trânsito - 2013/2014.
Os desastres de trânsito acima caracterizados causaram 24 vítimas fatais em 2013
(45,3%) e 32 (38,1%) em 2014.
Gráfico 6. Desastres de trânsito, de acordo com o indivíduo que estava alcoolizado, e que
resultou em vítima fatal, Florianópolis/2014
Fonte: Grupo de Informação,Rede Vida no Trânsito - 2014.
Em relação aos óbitos acima deve ser ressaltado que o álcool foi identificado como
fator de risco para o desastre, mas nem sempre era a vítima quem estava alcoolizada.
Tabela 2. Número de óbitos em decorrência de desastres de trânsito ocorridos em
Florianópolis/SC, em que foi identificada a presença do fator de risco álcool
2013 2014
Total de óbitos
associados ao álcool
24 32
Sexo masculino 21 (87%) 24 (75%)
Faixa etária mais
presente (21-40 anos)
16 (67%) 15 (47%)
Meio de locomoção da
vítima
Moto (41,7%),
Carro (37,5%)
Moto (43,8%),
Carro (28,1%)
Fonte: Grupo de Informação,Rede Vida no Trânsito - 2013/2014.
Embora a motocicleta tenha sido o veiculo que apresentou o maior percentual de
vitimas fatais, 41,7% e 43,8%, respectivamente, chama a atenção na análise o fato do
automóvel ser o veículo com o maior envolvimento neste tipo de desastre, respondendo
por percentuais superiores a 70% em ambos os anos (tabela 1).
Mais de um quarto dos óbitos em 2014 (22) foram atropelamentos; 9 dentre estes
(40,9%) estiveram relacionados ao consumo de álcool e em pelo menos 7 casos era o
pedestre quem estava alcoolizado. Mais da metade desses pedestres alcoolizados tinham
mais de 44 anos.
Conclusão
A colaboração intersetorial dos membros da Rede Vida no Trânsito participantes do
GI tem permitido uma avaliação mais rica dos eventos fatais do trânsito de Florianópolis
do que cada instituição conseguia fazer isoladamente. A agregação de colaboradores e
diferentes bancos de dados a este grupo pode ampliar a capacidade de análise e dirimir as
lacunas de conhecimento encontradas, permitindo uma melhor aproximação da realidade
deste importante problema de saúde pública.
As informações avaliadas, embora com as limitações citadas, identificaram forte
associação entre óbitos no trânsito e o período noturno, o uso de álcool e o excesso de
velocidade, informações que devem embasar e aumentar a eficiência das medidas de
fiscalização. Ao mesmo tempo, pensar em estratégias que incluam os pedestres, tendo em
vista o número de vítimas que foram a óbito por atropelamento.
Os problemas de infraestrutura, especialmente nas áreas críticas identificadas pelo
georreferenciamento, precisam ser avaliados pelos órgãos competentes, a fim de diminuir
os riscos à vida dos usuários do trânsito.
Há necessidade de revisão da intervenção junto aos condutores de motocicletas,
que representam quase metade dos óbitos no trânsito em 2014, especialmente
considerando o impacto das atitudes imprudentes no trânsito e, em especial, a ausência
de habilitação para conduzir as motocicletas, fatores importantes associados ao óbito
destas pessoas.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Relatório gi desastres 2014

Mapa da Violência no Trânsito 2012
Mapa da Violência no Trânsito 2012Mapa da Violência no Trânsito 2012
Mapa da Violência no Trânsito 2012
covisamaua
 
Anuário 2015 de Acidentes em vias de Fortaleza
Anuário 2015 de Acidentes em vias de FortalezaAnuário 2015 de Acidentes em vias de Fortaleza
Anuário 2015 de Acidentes em vias de Fortaleza
Anderson Carvalho
 
Análise de Políticas Públicas Acidentes com Motocicletas
Análise de Políticas Públicas Acidentes com MotocicletasAnálise de Políticas Públicas Acidentes com Motocicletas
Análise de Políticas Públicas Acidentes com Motocicletas
Paul Nobre
 
CONASS Debate – Dia 26/04: Antônio Carlos F. Nardi
CONASS Debate – Dia 26/04: Antônio Carlos F. NardiCONASS Debate – Dia 26/04: Antônio Carlos F. Nardi
CONASS Debate – Dia 26/04: Antônio Carlos F. Nardi
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Estatísticas de transito 2012 - 13 - Minas Gerais (MG)
Estatísticas de transito 2012  - 13 - Minas Gerais (MG)Estatísticas de transito 2012  - 13 - Minas Gerais (MG)
Estatísticas de transito 2012 - 13 - Minas Gerais (MG)
EasySonho
 
Estatísticas de acidentes PRISMINAS
Estatísticas de acidentes PRISMINASEstatísticas de acidentes PRISMINAS
Estatísticas de acidentes PRISMINAS
Rapport Assessoria
 
CONASS Debate – Dia 26/04: José Iran Costa Júnior
CONASS Debate – Dia 26/04: José Iran Costa JúniorCONASS Debate – Dia 26/04: José Iran Costa Júnior
CONASS Debate – Dia 26/04: José Iran Costa Júnior
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
IPEA - Relatório Acidentes Trânsito
IPEA - Relatório Acidentes TrânsitoIPEA - Relatório Acidentes Trânsito
IPEA - Relatório Acidentes Trânsito
EasySonho
 
Sinais Vitais 2009 - ICom
Sinais Vitais 2009 - IComSinais Vitais 2009 - ICom
Apresentação alameda
Apresentação alamedaApresentação alameda
Apresentação alameda
Natália Azevedo
 
Caracterização, Tendências e Custos para a Sociedade
Caracterização, Tendências e Custos para a SociedadeCaracterização, Tendências e Custos para a Sociedade
Caracterização, Tendências e Custos para a Sociedade
Gabriella Ribeiro
 
Características dos acidentes de trânsito com vítimas de atropelamento no mun...
Características dos acidentes de trânsito com vítimas de atropelamento no mun...Características dos acidentes de trânsito com vítimas de atropelamento no mun...
Características dos acidentes de trânsito com vítimas de atropelamento no mun...
Universidade Estadual de Maringá
 
Anexo 2 ata comtur 2017 05 04 ___2016 08 25 pt_diagnóstico de paraty final_pu...
Anexo 2 ata comtur 2017 05 04 ___2016 08 25 pt_diagnóstico de paraty final_pu...Anexo 2 ata comtur 2017 05 04 ___2016 08 25 pt_diagnóstico de paraty final_pu...
Anexo 2 ata comtur 2017 05 04 ___2016 08 25 pt_diagnóstico de paraty final_pu...
Laíse Costa
 
Detran al relatorio 2010
Detran al relatorio 2010Detran al relatorio 2010
Detran al relatorio 2010
André Ramos
 
ApresentacaoCTP_DETRANPE_PanoramaAcidentesatualizada 28112016.pptx
ApresentacaoCTP_DETRANPE_PanoramaAcidentesatualizada 28112016.pptxApresentacaoCTP_DETRANPE_PanoramaAcidentesatualizada 28112016.pptx
ApresentacaoCTP_DETRANPE_PanoramaAcidentesatualizada 28112016.pptx
eriksilva4587
 
Violência no trânsito
Violência no trânsitoViolência no trânsito
Violência no trânsito
Silvia Del Ciel
 
Educacao transito completo
Educacao transito completoEducacao transito completo
Educacao transito completo
Emanoel Rodrigues
 
Educacao transito completo
Educacao transito completoEducacao transito completo
Educacao transito completo
Fernando Espitalher
 
1º série reda cem - 10.13
1º série   reda cem -  10.131º série   reda cem -  10.13
1º série reda cem - 10.13
MatheusMesquitaMelo
 
Acidente banner
Acidente bannerAcidente banner
Acidente banner
Alex Andrade
 

Semelhante a Relatório gi desastres 2014 (20)

Mapa da Violência no Trânsito 2012
Mapa da Violência no Trânsito 2012Mapa da Violência no Trânsito 2012
Mapa da Violência no Trânsito 2012
 
Anuário 2015 de Acidentes em vias de Fortaleza
Anuário 2015 de Acidentes em vias de FortalezaAnuário 2015 de Acidentes em vias de Fortaleza
Anuário 2015 de Acidentes em vias de Fortaleza
 
Análise de Políticas Públicas Acidentes com Motocicletas
Análise de Políticas Públicas Acidentes com MotocicletasAnálise de Políticas Públicas Acidentes com Motocicletas
Análise de Políticas Públicas Acidentes com Motocicletas
 
CONASS Debate – Dia 26/04: Antônio Carlos F. Nardi
CONASS Debate – Dia 26/04: Antônio Carlos F. NardiCONASS Debate – Dia 26/04: Antônio Carlos F. Nardi
CONASS Debate – Dia 26/04: Antônio Carlos F. Nardi
 
Estatísticas de transito 2012 - 13 - Minas Gerais (MG)
Estatísticas de transito 2012  - 13 - Minas Gerais (MG)Estatísticas de transito 2012  - 13 - Minas Gerais (MG)
Estatísticas de transito 2012 - 13 - Minas Gerais (MG)
 
Estatísticas de acidentes PRISMINAS
Estatísticas de acidentes PRISMINASEstatísticas de acidentes PRISMINAS
Estatísticas de acidentes PRISMINAS
 
CONASS Debate – Dia 26/04: José Iran Costa Júnior
CONASS Debate – Dia 26/04: José Iran Costa JúniorCONASS Debate – Dia 26/04: José Iran Costa Júnior
CONASS Debate – Dia 26/04: José Iran Costa Júnior
 
IPEA - Relatório Acidentes Trânsito
IPEA - Relatório Acidentes TrânsitoIPEA - Relatório Acidentes Trânsito
IPEA - Relatório Acidentes Trânsito
 
Sinais Vitais 2009 - ICom
Sinais Vitais 2009 - IComSinais Vitais 2009 - ICom
Sinais Vitais 2009 - ICom
 
Apresentação alameda
Apresentação alamedaApresentação alameda
Apresentação alameda
 
Caracterização, Tendências e Custos para a Sociedade
Caracterização, Tendências e Custos para a SociedadeCaracterização, Tendências e Custos para a Sociedade
Caracterização, Tendências e Custos para a Sociedade
 
Características dos acidentes de trânsito com vítimas de atropelamento no mun...
Características dos acidentes de trânsito com vítimas de atropelamento no mun...Características dos acidentes de trânsito com vítimas de atropelamento no mun...
Características dos acidentes de trânsito com vítimas de atropelamento no mun...
 
Anexo 2 ata comtur 2017 05 04 ___2016 08 25 pt_diagnóstico de paraty final_pu...
Anexo 2 ata comtur 2017 05 04 ___2016 08 25 pt_diagnóstico de paraty final_pu...Anexo 2 ata comtur 2017 05 04 ___2016 08 25 pt_diagnóstico de paraty final_pu...
Anexo 2 ata comtur 2017 05 04 ___2016 08 25 pt_diagnóstico de paraty final_pu...
 
Detran al relatorio 2010
Detran al relatorio 2010Detran al relatorio 2010
Detran al relatorio 2010
 
ApresentacaoCTP_DETRANPE_PanoramaAcidentesatualizada 28112016.pptx
ApresentacaoCTP_DETRANPE_PanoramaAcidentesatualizada 28112016.pptxApresentacaoCTP_DETRANPE_PanoramaAcidentesatualizada 28112016.pptx
ApresentacaoCTP_DETRANPE_PanoramaAcidentesatualizada 28112016.pptx
 
Violência no trânsito
Violência no trânsitoViolência no trânsito
Violência no trânsito
 
Educacao transito completo
Educacao transito completoEducacao transito completo
Educacao transito completo
 
Educacao transito completo
Educacao transito completoEducacao transito completo
Educacao transito completo
 
1º série reda cem - 10.13
1º série   reda cem -  10.131º série   reda cem -  10.13
1º série reda cem - 10.13
 
Acidente banner
Acidente bannerAcidente banner
Acidente banner
 

Mais de ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis

Relatório Mesas Quadradas Igualdade Racial
Relatório Mesas Quadradas Igualdade RacialRelatório Mesas Quadradas Igualdade Racial
Relatório Mesas Quadradas Igualdade Racial
ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis
 
Requisitos para aplicação da Global Giving
Requisitos para aplicação da Global GivingRequisitos para aplicação da Global Giving
Requisitos para aplicação da Global Giving
ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis
 
O que é a Global Giving
O que é a Global GivingO que é a Global Giving
Oficina de Mobilização de Recursos
Oficina de Mobilização de RecursosOficina de Mobilização de Recursos
Oficina de Mobilização de Recursos
ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis
 
Redução da Idade Penal - Relatório Mesas Quadradas
Redução da Idade Penal - Relatório Mesas QuadradasRedução da Idade Penal - Relatório Mesas Quadradas
Redução da Idade Penal - Relatório Mesas Quadradas
ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis
 
ICom na Mídia - 1º Semestre de 2015
ICom na Mídia - 1º Semestre de 2015ICom na Mídia - 1º Semestre de 2015
ICom na Mídia - 1º Semestre de 2015
ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis
 
Café Social Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil
Café Social Marco Regulatório das Organizações da Sociedade CivilCafé Social Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil
Café Social Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil
ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis
 
Clipagem ICom 2014
Clipagem ICom 2014 Clipagem ICom 2014
Relatório ICom 2014
Relatório ICom 2014Relatório ICom 2014
Café Social especial Contabilidade
Café Social especial ContabilidadeCafé Social especial Contabilidade
Café Social especial Contabilidade
ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis
 
Mesas quadradas - segunda edição - Igualdade de Gênero e Empoderamento Feminino
Mesas quadradas - segunda edição - Igualdade de Gênero e Empoderamento FemininoMesas quadradas - segunda edição - Igualdade de Gênero e Empoderamento Feminino
Mesas quadradas - segunda edição - Igualdade de Gênero e Empoderamento Feminino
ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis
 
2014 SGB Lab final report
2014 SGB Lab final report2014 SGB Lab final report
Relatório Projeto DI Dezembro 2014
Relatório Projeto DI Dezembro 2014Relatório Projeto DI Dezembro 2014
Relatório Projeto DI Dezembro 2014
ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis
 
Projeto DI - Desenvolvimento Institucional
Projeto DI - Desenvolvimento InstitucionalProjeto DI - Desenvolvimento Institucional
Projeto DI - Desenvolvimento Institucional
ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis
 
ICom na Revista Empreendedor
ICom na Revista EmpreendedorICom na Revista Empreendedor
CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE FLORIANÓPOLIS
CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE FLORIANÓPOLISCONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE FLORIANÓPOLIS
CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE FLORIANÓPOLIS
ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis
 
Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Itajaí - COMDICA
Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Itajaí - COMDICAConselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Itajaí - COMDICA
Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Itajaí - COMDICA
ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis
 
Oficina Projeto DI - 2014.09.11
Oficina Projeto DI - 2014.09.11 Oficina Projeto DI - 2014.09.11
Oficina Projeto DI - 2014.09.11
ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis
 
O setor das OSCs e o Controle Social
O setor das OSCs e o Controle SocialO setor das OSCs e o Controle Social
O setor das OSCs e o Controle Social
ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis
 
Centro de Apoio à Inovação Social
Centro de Apoio à Inovação SocialCentro de Apoio à Inovação Social
Centro de Apoio à Inovação Social
ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis
 

Mais de ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis (20)

Relatório Mesas Quadradas Igualdade Racial
Relatório Mesas Quadradas Igualdade RacialRelatório Mesas Quadradas Igualdade Racial
Relatório Mesas Quadradas Igualdade Racial
 
Requisitos para aplicação da Global Giving
Requisitos para aplicação da Global GivingRequisitos para aplicação da Global Giving
Requisitos para aplicação da Global Giving
 
O que é a Global Giving
O que é a Global GivingO que é a Global Giving
O que é a Global Giving
 
Oficina de Mobilização de Recursos
Oficina de Mobilização de RecursosOficina de Mobilização de Recursos
Oficina de Mobilização de Recursos
 
Redução da Idade Penal - Relatório Mesas Quadradas
Redução da Idade Penal - Relatório Mesas QuadradasRedução da Idade Penal - Relatório Mesas Quadradas
Redução da Idade Penal - Relatório Mesas Quadradas
 
ICom na Mídia - 1º Semestre de 2015
ICom na Mídia - 1º Semestre de 2015ICom na Mídia - 1º Semestre de 2015
ICom na Mídia - 1º Semestre de 2015
 
Café Social Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil
Café Social Marco Regulatório das Organizações da Sociedade CivilCafé Social Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil
Café Social Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil
 
Clipagem ICom 2014
Clipagem ICom 2014 Clipagem ICom 2014
Clipagem ICom 2014
 
Relatório ICom 2014
Relatório ICom 2014Relatório ICom 2014
Relatório ICom 2014
 
Café Social especial Contabilidade
Café Social especial ContabilidadeCafé Social especial Contabilidade
Café Social especial Contabilidade
 
Mesas quadradas - segunda edição - Igualdade de Gênero e Empoderamento Feminino
Mesas quadradas - segunda edição - Igualdade de Gênero e Empoderamento FemininoMesas quadradas - segunda edição - Igualdade de Gênero e Empoderamento Feminino
Mesas quadradas - segunda edição - Igualdade de Gênero e Empoderamento Feminino
 
2014 SGB Lab final report
2014 SGB Lab final report2014 SGB Lab final report
2014 SGB Lab final report
 
Relatório Projeto DI Dezembro 2014
Relatório Projeto DI Dezembro 2014Relatório Projeto DI Dezembro 2014
Relatório Projeto DI Dezembro 2014
 
Projeto DI - Desenvolvimento Institucional
Projeto DI - Desenvolvimento InstitucionalProjeto DI - Desenvolvimento Institucional
Projeto DI - Desenvolvimento Institucional
 
ICom na Revista Empreendedor
ICom na Revista EmpreendedorICom na Revista Empreendedor
ICom na Revista Empreendedor
 
CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE FLORIANÓPOLIS
CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE FLORIANÓPOLISCONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE FLORIANÓPOLIS
CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE FLORIANÓPOLIS
 
Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Itajaí - COMDICA
Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Itajaí - COMDICAConselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Itajaí - COMDICA
Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Itajaí - COMDICA
 
Oficina Projeto DI - 2014.09.11
Oficina Projeto DI - 2014.09.11 Oficina Projeto DI - 2014.09.11
Oficina Projeto DI - 2014.09.11
 
O setor das OSCs e o Controle Social
O setor das OSCs e o Controle SocialO setor das OSCs e o Controle Social
O setor das OSCs e o Controle Social
 
Centro de Apoio à Inovação Social
Centro de Apoio à Inovação SocialCentro de Apoio à Inovação Social
Centro de Apoio à Inovação Social
 

Relatório gi desastres 2014

  • 1. Introdução O Grupo de Informações (GI) faz parte da Rede Vida no Trânsito e tem como objetivo compilar e produzir informações relativas aos desastres de trânsito com óbitos e feridos graves, por meio da articulação intersetorial. Para tanto, o grupo busca formar uma Lista Única de Vítimas, contendo todas as pessoas que foram a óbito ou que tiveram lesões graves em desastres ocorridos em Florianópolis. Estas ocorrências são, então, avaliadas caso a caso, a fim de que sejam levantados os fatores de risco que contribuíram para os eventos. Os riscos, além de outras características como localização, são então compilados em informações para subsidiar a tomada de decisão e a implementação de ações daqueles comprometidos com a pacificação do trânsito. O GI é formado por diversas instituições (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), Instituto Médico Legal (IML), Vigilância Epidemiológica de Florianópolis, Polícia Rodoviária Federal, Policia Militar (através suas unidades operacionais de área e da Rodoviária Estadual) e Corpo de Bombeiros), Vigilância Epidemiológica estadual, que se reúnem quinzenalmente para a análise. Atualmente, apenas os óbitos estão sendo avaliados, mas há um grande esforço para que os desastres com feridos graves ocorridos em 2015 também o sejam. Este relatório compila as informações produzidas pelo GI a partir da avaliação dos desastres ocorridos no trânsito em Florianópolis, no ano de 2014. RESULTADOS DA ANÁLISE DOS DESASTRES DE TRÂNSITO COM ÓBITO OCORRIDOS EM FLORIANÓPOLIS (2014) Em 2014, os desastres no trânsito provocaram 83 óbitos em Florianópolis, um aumento de 56,6% em relação aos ocorridos em 2013. A taxa de mortalidade por desastres de trânsito no município que era de 11,7/100.000 habitantes se elevou para 18/100.000.1 Se considerarmos que, para cada óbito, até 50 pessoas são feridas devido à violência no trânsito, pode ser estimado um número de aproximadamente 4150 vítimas da violência no trânsito de Florianópolis em 2014.2 1 População estimada pelo IBGE. 2 RETRATO DA SEGURANÇA VIÁRIA NO BRASIL, 2014.
  • 2. Esse aumento é parcialmente explicado pela elevação no número de desastres ocorrida no primeiro semestre de 2014, quando se deram 59% das ocorrências do ano (42 dos 71 desastres), concentrados nos meses de janeiro, fevereiro, março e maio. Os homens seguem sendo as maiores vítimas, mas a proporção se reduziu de 83% (2013) para 71,1% (2014). Gráfico 1. Proporção dos óbitos, conforme meio de transporte da vítima, Florianópolis-2013/2014. Fonte: Grupo de Informação, Rede Vida no Trânsito - 2013/2014 A comparação entre os anos permite evidenciar que, em relação ao meio de transporte da vítima, o perfil dos óbitos se manteve relativamente o mesmo. As exceções foram os pedestres e ciclistas, cujas proporções aumentaram mais de 30% em 2014. Apesar de novamente os ocupantes de motocicleta terem sido as vítimas mais frequentes, não foi registrado o óbito de nenhum motorista de moto profissional (motoboy, etc.).
  • 3. Gráfico 2. Número de óbitos em desastres de trânsito, conforme faixa etária da vítima, Florianópolis-2013/2014. Fonte: Grupo de Informação, Rede Vida no Trânsito - 2013/2014. *Uma vítima sem idade identificada em 2014 No gráfico 2 se observa que o aumento dos óbitos em 2014 se refletiu em praticamente todas as faixas etárias, com destaque para as vítimas com mais de 40 anos. Gráfico 3. Dia da semana e turno em que ocorreram os desastres com óbitos relacionados ao trânsito em Florianópolis/2014. Fonte: Grupo de Informação, Rede Vida no Trânsito - 2014. Diferente do ano anterior, quando as ocorrências se concentraram nas quintas e domingos, em 2014 os desastres com óbitos ocorreram nas noites de sexta e sábado. No GI, cada desastre de trânsito com vítima fatal é analisado pelo grupo, buscando identificar os fatores ou condutas de risco que geraram o evento. Após compreensão da dinâmica da ocorrência, cada fator potencialmente envolvido no evento é avaliado e pontuado de forma independente em uma escala de zero a 10, conforme sua contribuição para a ocorrência do desastre ou óbito.
  • 4. O gráfico 4 traz os fatores e condutas de risco avaliados, em ordem decrescente de frequência para os eventos fatais em 2014. Gráfico 4. Proporção dos desastres em que foram identificados fatores ou condutas de risco, Florianópolis/2014 Fonte: Grupo de Informação,Rede Vida no Trânsito - 2014. *Todos os desastres ocorridos à noite foram considerados como “SIM”. **Condutor não-habilitado para o veículo que dirigia Os achados acima merecem algumas considerações. Mais do que identificar o fator mais importante, o objetivo da análise é identificar os fatores mais criticamente relacionados aos desastres graves e óbitos no trânsito, entendendo que, geralmente, os eventos ocorrem devido à combinação de vários fatores de risco. Estes achados devem identificar e orientar ações mais efetivas para a prevenção de novos casos. Mais uma vez, embora a articulação intersetorial tenha permitido a possibilidade de avaliação muito mais rica de cada evento, a disponibilidade das informações continua sendo heterogênea entre os fatores. Um exemplo claro é a velocidade. Embora tenha sido identificada em muitos desastres, é necessário advertir que a informação sobre a
  • 5. velocidade dos veículos envolvidos nem sempre estava disponível, o que pode ter subestimado sua importância na ocorrência dos óbitos no trânsito. Apesar destas limitações, algumas associações ficam claras. Como pode ser observado no Gráfico 3, mais da metade dos desastres fatais ocorreram durante a noite e os fatores mais frequentes associados foram o uso de álcool, problemas de infraestrutura e excesso de velocidade. Gráfico 5. Fatores ou condutas de risco para os desastres com óbito no trânsito, de acordo com o turno de ocorrência, Florianópolis/2014 Fonte: Grupo de Informação,Rede Vida no Trânsito - 2014. *Condutor não-habilitado para o veículo que dirigia Avaliando apenas os acidentes com vítimas fatais que ocorreram durante o dia, entretanto, foram identificados como fatores de risco mais frequentes os problemas de infraestrutura, excesso de velocidade e evitabilidade/(falta de) direção defensiva. Os dois únicos fatores ou condutas de risco identificados com maior frequência no turno do dia foram “Evitabilidade/Direção defensiva” e “Direção perigosa”. Segundo dados do Vigitel 20143 , 14% dos moradores de Florianópolis relataram ainda manter o hábito de conduzir veículos motorizados após o consumo de álcool – o que indica uma queda em relação a 2012, quando 15,9% dos entrevistados referiram cometer a infração. Entretanto, Florianópolis continua sendo a capital com a maior prevalência, seguida por Palmas (TO), com 11%. Os homens de Florianópolis (23,2%) assumem mais os riscos da dupla álcool e direção do que as mulheres (5,8%), mas a proporção destas vem aumentando desde que a pesquisa iniciou. 3 Inquérito telefônico realizado pelo Ministério da Saúde,com adultos (>18 anos) das 26 capitais dos Estados brasileiros.
  • 6. GEORREFERENCIAMENTO DOS DESASTRES Diferente do verificado no ano anterior, em 2014 além de o número de desastres e vítimas ter aumentado, os locais de ocorrência desses foram mais distribuídos pelo município. Nas figuras a seguir, destacamos algumas das áreas de concentração das ocorrências. Figura 1: Georreferenciamento dos desastres com óbito no trânsito em Florianópolis, 2014: área de concentração 1 - Norte da ilha. Nesta área de cerca de 28km2 ocorreram 12 desastres com vítima fatal em 2014, ou um a cada 2,3km2 . O destaque negativo é a concentração de atropelamentos e um óbito de ciclista na SC 401, entres os Rios Papaquara e Palha.
  • 7. Figura 2: Georreferenciamento dos desastres com óbito no trânsito em Florianópolis, 2014: área de concentração 2 - Saco Grande. Já na região do Saco Grande (cerca de 2,3km2) houve seis desastres com óbito ou 2,6 por km2 no período. Figura 3: Georreferenciamento dos desastres com óbito no trânsito em Florianópolis, 2014: área de concentração 3 - Continente/Centro. Na região continental do município foram identificados 11 desastres com óbito (1,6 por km2 ) enquanto no Centro a incidência em 2014 foi de 9 ocorrências (2,4 por km2 ). A concentração de desastres na Av. Gustavo Richard observada em 2013 não se repetiu em 2014.
  • 8. Figura 4: Georreferenciamento dos desastres com óbito no trânsito em Florianópolis, 2014: área de concentração 4 - Via Expressa Sul. A área próxima ao elevado entre a Via Expressa Sul e a SC 405 concentrou 8 ocorrências fatais em 2014 - uma incidência de dez desastres por km2 .
  • 9. Figura 5: Georreferenciamento dos desastres com óbito no trânsito em Florianópolis, 2014: área de concentração 5 - Trevo do CIC. *Atropelamento por moto, ambos foram a óbito A outra regiãocrítica para ocorrênciade desastrescomóbito em 2014 foi próximo ao trevo do CIC, onde houve seis ocorrências (dez por km2) com dez vítimas. ANÁLISE DE SUB-GRUPO: DESASTRES ENVOLVENDO ÁLCOOL Dos 51 desastres de trânsito com óbito ocorridos em 2013 em Florianópolis, em pelo menos 22 (43,1%) os membros do GI do Projeto Vida no Trânsito conseguiram evidenciar o álcool como fator de risco para sua ocorrência. A partir de dados referentes a 2014, em pelo menos 25 dos 71 desastres com óbito (35,2%) havia envolvimento do álcool - embora em outros 18 eventos não se conseguiu as informações para confirmar ou excluir esse fator de risco. Tabela 1. Númerode desastres de trânsito com óbito,ocorridos em Florianópolis/SC,em que foi identificada a presença do fator de risco álcool 2013 2014 Total de desastres de trânsito associados ao álcool 22 25 Turno noite (18h - 6h) 19 (86,4%) 21 (84%) Dia da semana 5ª, sábado ou domingo (68,2%) 5ª, sábado ou domingo (92%) Veículo mais envolvido Carro (77,3%) Carro (80%) Excesso de velocidade concomitante 8 (33,7%) 6 (24%) Locais mais frequentes 5 na SC 401, 4 na SC 401,
  • 10. 3 na Via Expressa 4 na SC 405 Fonte: Grupo de Informação,Rede Vida no Trânsito - 2013/2014. Os desastres de trânsito acima caracterizados causaram 24 vítimas fatais em 2013 (45,3%) e 32 (38,1%) em 2014. Gráfico 6. Desastres de trânsito, de acordo com o indivíduo que estava alcoolizado, e que resultou em vítima fatal, Florianópolis/2014 Fonte: Grupo de Informação,Rede Vida no Trânsito - 2014. Em relação aos óbitos acima deve ser ressaltado que o álcool foi identificado como fator de risco para o desastre, mas nem sempre era a vítima quem estava alcoolizada. Tabela 2. Número de óbitos em decorrência de desastres de trânsito ocorridos em Florianópolis/SC, em que foi identificada a presença do fator de risco álcool 2013 2014 Total de óbitos associados ao álcool 24 32 Sexo masculino 21 (87%) 24 (75%) Faixa etária mais presente (21-40 anos) 16 (67%) 15 (47%) Meio de locomoção da vítima Moto (41,7%), Carro (37,5%) Moto (43,8%), Carro (28,1%) Fonte: Grupo de Informação,Rede Vida no Trânsito - 2013/2014. Embora a motocicleta tenha sido o veiculo que apresentou o maior percentual de vitimas fatais, 41,7% e 43,8%, respectivamente, chama a atenção na análise o fato do automóvel ser o veículo com o maior envolvimento neste tipo de desastre, respondendo por percentuais superiores a 70% em ambos os anos (tabela 1). Mais de um quarto dos óbitos em 2014 (22) foram atropelamentos; 9 dentre estes (40,9%) estiveram relacionados ao consumo de álcool e em pelo menos 7 casos era o
  • 11. pedestre quem estava alcoolizado. Mais da metade desses pedestres alcoolizados tinham mais de 44 anos. Conclusão A colaboração intersetorial dos membros da Rede Vida no Trânsito participantes do GI tem permitido uma avaliação mais rica dos eventos fatais do trânsito de Florianópolis do que cada instituição conseguia fazer isoladamente. A agregação de colaboradores e diferentes bancos de dados a este grupo pode ampliar a capacidade de análise e dirimir as lacunas de conhecimento encontradas, permitindo uma melhor aproximação da realidade deste importante problema de saúde pública. As informações avaliadas, embora com as limitações citadas, identificaram forte associação entre óbitos no trânsito e o período noturno, o uso de álcool e o excesso de velocidade, informações que devem embasar e aumentar a eficiência das medidas de fiscalização. Ao mesmo tempo, pensar em estratégias que incluam os pedestres, tendo em vista o número de vítimas que foram a óbito por atropelamento. Os problemas de infraestrutura, especialmente nas áreas críticas identificadas pelo georreferenciamento, precisam ser avaliados pelos órgãos competentes, a fim de diminuir os riscos à vida dos usuários do trânsito. Há necessidade de revisão da intervenção junto aos condutores de motocicletas, que representam quase metade dos óbitos no trânsito em 2014, especialmente considerando o impacto das atitudes imprudentes no trânsito e, em especial, a ausência de habilitação para conduzir as motocicletas, fatores importantes associados ao óbito destas pessoas.