SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Baixar para ler offline
* Analista de Teste/Automação de Testes - Cinq Technologies. Tecnólogo em Análise
e Desenvolvimento de Sistemas Universidade Tecnológica Federal do Paraná.
E-mail: daniellopesdasilva@hotmail.com
Modelos de Gerenciamento de Projetos de TI e suas
recomendações para o Gerenciamento de
Comunicação
Daniel Lopes Silva*
Resumo. Gerenciar projetos de software envolve a aplicação de
diversos conhecimentos considerados como essenciais ao setor de
Tecnologia da Informação (TI), pois integra métodos de diferentes
áreas. Essa integração é mantida a partir da boa comunicação entre
as diversas equipes que desenvolvem o projeto, se tratando de
elemento primordial, garantindo que os problemas possam ser
identificados e solucionados com brevidade. O objetivo deste trabalho
foi analisar recomendações para o gerenciamento de comunicação,
presentes nos principais modelos de gerenciamento de projetos de
Tecnologia da Informação, além de levantar alguns problemas comuns
advindos da falta de comunicação, demonstrando estratégias que
podem ser aplicadas a partir dos modelos de gerenciamento de
projetos existentes, de modo a evita-los.
Palavras-chave: Gerenciamento de Projetos, PMBOK, RUP, CMMI,
ISSO 10006, Comunicação.
Introdução
O Gerenciamento de Projetos é uma área de crescente interesse e
evolução. Essa atividade já era praticada nas organizações e emergiu como
uma profissão, desempenhada pelo gerente de projetos.
Um projeto, segundo o Project Management Institute (PMI, 2004) é um
“esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado
2
único”. Um projeto pode ser o desenvolvimento de um software, a construção
de um prédio ou um plano de expansão de vendas. Nesse contexto, o
Gerenciamento de Projetos consiste em aplicar conhecimentos, habilidades e
técnicas a fim de executar um projeto de forma eficaz, nos mais diversos
ramos de atividade.
A área de Gerenciamento de Projetos é fundamental no setor de
Tecnologia da Informação (TI), uma vez reconhecida sua importância nos
processos organizacionais. Segundo pesquisas realizadas pelo PMI
(PMSURVEY.ORG) em 2012, há indícios de que a maioria dos profissionais de
Gerenciamento de Projetos é do setor de TI.
Um sistema de gerenciamento de projetos envolve a integração de
métodos de diferentes áreas. A comunicação pode ser vista como uma das
áreas mais importantes: conforme PMI (2004), os gerentes de projetos podem
gastar muito tempo comunicando a equipe, partes interessadas, cliente e
patrocinador. Contudo, em grande parte dos projetos malsucedidos, a
comunicação ineficaz é o fator de insucesso (PMI, 2013).
Segundo Kerzner (2009), a má comunicação é a maior inimiga do
desenvolvimento de uma equipe e muitas vezes o problema ocorre devido à
falta de comunicação provinda dos membros da equipe, sobre fatores chave
do projeto. Práticas de comunicação inadequadas geralmente levam a
objetivos incertos e falta de controle do projeto e do fluxo de trabalho.
Além disso, nos dias atuais, nos deparamos com um ambiente de
trabalho mais diversificado e de mudanças constantes. Isso exige que os
gerentes de projetos apliquem técnicas de comunicação mais sofisticadas
(HYNES, 2015).
Por isso, o objetivo deste trabalho foi analisar recomendações para o
gerenciamento de comunicação, presentes nos principais modelos de
gerenciamento de projetos de Tecnologia da Informação. Ainda, foram
levantados alguns problemas comuns de comunicação, pontuando as
estratégias encontradas nesses modelos, de modo a evita-las. Com isso,
buscou-se fornecer um apoio para as empresas do ramo, para que
3
identifiquem técnicas adequadas para melhorar a comunicação em seus
projetos.
O artigo está organizado em 4 capítulos. No Capítulo 2 foram discutidos
os conceitos envolvidos em Gerenciamento de Projetos. Em seguida, foi feita a
análise dos modelos PMBOK, RUP, CMMI e da norma ISO 10006, que são os
principais padrões utilizados para o gerenciamento de projetos de TI. No
Capítulo 3, são levantados alguns problemas comuns de comunicação em
projetos, identificando as técnicas apresentadas no modelo para evita-los. Por
fim, no Capítulo 4, são apresentadas algumas conclusões sobre a análise
desenvolvida.
2. GERENCIAMENTO DE PROJETOS
Gerenciamento de projetos, ou gestão de projetos, é "a aplicação de
conhecimento, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a
fim de atender aos seus requisitos" (PMI, 2004).
Para Schwalbe (2013), um gerenciamento de projeto bem-sucedido
significa alcançar três objetivos principais:
a) Escopo – O escopo do projeto está relacionado com o produto, serviço
ou resultado que o cliente espera do projeto;
b) Tempo – Deve ser definido o tempo para que o projeto seja completado.
Para isso pode ser estabelecida uma agenda a ser acompanhada pela
equipe envolvida no projeto;
c) Custo – Também é preciso estabelecer o quanto irá custar a
completude do projeto. Deve ser definido um orçamento e uma maneira
de acompanhar os gastos gerados durante seu desenvolvimento.
Schwalbe (2013) acrescenta, que gerenciar esses três objetivos,
envolve fazer escolhas entre eles. Por exemplo, pode ser necessário aumentar
o orçamento para o projeto, a fim de alcançar os objetivos de escopo e equipe,
ou, reduzir o escopo do projeto para cumprir os objetivos de tempo e custo
definidos.
Existem inúmeras concepções de como um projeto deve ser gerenciado.
Por isso é importante avaliar os diferentes modelos de gerenciamento de
4
projetos propostos. A seguir são avaliados os principais modelos aplicados a
projetos de TI: PMBOK, RUP, CMMI e ISO 10006, bem como as
recomendações para a gerência de comunicação, em cada um deles.
2.1. PMBOK
O PMBOK (PMI, 2004) propõe que o gerenciamento de projetos seja
feito com base em nove áreas do conhecimento, conforme a Figura 1. São
elas: escopo, tempo, custos, qualidade, recursos humanos, comunicações,
riscos, aquisições e integração. Esse modelo comtempla não só projetos de
software, mas qualquer tipo de projeto.
Figura 1 - Áreas do conhecimento do modelo PMBOK
A seguir, são detalhados os processos do gerenciamento de
comunicações, conforme o PMBOK (PMI, 2004).
2.1.1 Gerenciamento de Comunicações
Os processos de gerenciamento das comunicações são os seguintes
(PMI, 2004):
a) Planejamento das comunicações – determinação das necessidades de
informações e comunicações das partes interessadas no projeto;
b) Distribuição das informações – colocação das informações necessárias
à disposição das partes interessadas no projeto no momento adequado;
c) Relatório de desempenho – coleta e distribuição das informações sobre
o desempenho. Isso inclui o relatório de andamento, medição do
progresso e previsão;
5
d) Gerenciar as partes interessadas – gerenciamento das comunicações
para satisfazer os requisitos das partes interessadas no projeto e
resolver problemas com elas.
2.2. RUP
O modelo RUP foi desenvolvido especificamente para projetos de engenharia
de software. Nele o ciclo de vida do projeto é dividido em 4 fases: iniciação,
elaboração, construção e transição. Cada fase é dividida em múltiplas
iterações (Figura 2).
Figura 2: Fases do modelo RUP
Como é possível visualizar na Figura 2, o gerenciamento de
comunicações não faz parte das disciplinas do RUP. Esta área não é tratada
de forma específica pelo modelo. De acordo com Gibbs (2006), o RUP é
indicado quando o ambiente em torno do projeto já está bem definido: gerência
capacitada, expectativas bem definidas e boa comunicação entre a equipe e
partes envolvidas no projeto. Em contrapartida, o RUP enfatiza uma
colaboração estreita entre a equipe e partes interessadas, o que é vital para
quebrar as barreiras de comunicação existentes, antes que seus benefícios
possam ser aplicados.
6
Dessa forma, o modelo sugere que na fase de Iniciação seja definida
uma visão clara do projeto e sejam estabelecidas linhas de comunicação claras
e contínuas. Estes processos são explicados abaixo, conforme Gibbs (2006):
2.2.1 Definindo a visão do projeto
Definir a visão do projeto se trata de um processo de ajudar sua equipe
a entender as razões e motivações para que ela exista e entender a
necessidade do cliente em investir no projeto. É importante que a equipe
mantenha um contato direto com o cliente, entenda melhor o ambiente que os
usuários do software trabalham no dia a dia. Isso pode gerar ideias de
funcionalidades e soluções mais inovadoras, diferente de apenas conhecer os
requisitos do software.
O primeiro passo é reunir a equipe e o cliente. Essa reunião pode
ocorrer de forma eletrônica e, se possível, na empresa do cliente. O gerente
deve pedir ao cliente que instrua sua equipe sobre as questões que o levaram
a estabelecer esse projeto e porque ele é crítico para seus negócios.
Caso o cliente não for o usuário final do software, o gerente deve
questioná-lo se a equipe pode visitar o local de trabalho dos usuários. Se não
for possível, uma solução plausível é encontrar um ou mais usuários principais,
preferencialmente em pessoa, e eletronicamente, se necessário. É importante
que nesta reunião não sejam discutidos os requisitos do software. O objetivo é
apenas orientar a equipe sobre o ambiente de trabalho do cliente. Podem ser
tratadas questões como:
a) Como o trabalho dos usuários estão relacionados com o projeto;
b) Como o produto irá auxiliá-los em seus trabalhos;
c) Como seus trabalhos são executados atualmente, enquanto o software
não está pronto;
d) Se o sistema a ser desenvolvido irá substituir algum outro existente. Se
sim, o que eles gostam e não gostam nesse sistema, entre outras.
2.2.2 Mantendo a comunicação no projeto
A maioria dos projetos são grandes produtores de informação, na forma
de atas de reuniões, relatórios de status, relatórios de viagem, etc. Assim como
7
os requisitos, estes documentos são importantes para o projeto, e precisam ser
produzidos em uma base regulamentar.
Os relatórios de status servem como um registro histórico do projeto.
Eles não devem ser usados para levantar novas questões para o cliente, pois
nem sempre o recipiente os lê. Caso for necessário fazer isso, a questão deve
ser comunicada ao cliente separadamente. No entanto, o relatório de status
deve estar completo e acurado. Geralmente quando ocorre um problema no
projeto, estes relatórios e e-mails são os únicos registros disponíveis para
consulta.
As atas de reuniões também são úteis. Algumas vantagens de registrar
reuniões são:
a) A garantia de um registro preciso de toda a conversação;
b) Se algo que foi discutido não lhe ficou claro, você possui um registro
para retornar e consultar;
c) Se pessoas fundamentais não puderam comparecer à reunião, elas
podem repeti-la em uma outra data, a fim de se inteirar sobre os
assuntos discutidos.
2.3. CMMI
O CMMI (Capability Maturity Model Integration) é um framework de
maturidade para melhoria de processos desenvolvido pelo SEI (Software
Engineering Institute).
Conforme Persse (2007) o CMMI contém práticas necessárias à
maturidade, em quatro disciplinas, que são: Engenharia de Software;
Engenharia de Hardware; Engenharia de Sistemas, e; Desenvolvimento
Integrado de Processo e Produto.
Para que o CMMI pudesse abranger uma ampla variedade de
ambientes de aplicação, o SEI criou três diferentes modelos:
a) CMMI for Development (CMMI-DEV), voltado ao processo de
desenvolvimento de produtos e serviços;
b) CMMI for Acquisition (CMMI-ACQ), voltado aos processos de aquisição
e terceirização de bens e serviços;
8
c) CMMI for Services (CMMI-SVC), voltado aos processos de empresas
prestadoras de serviços.
O CMMI possui duas representações da melhoria de processos:
contínua e por estágios. A representação contínua é caracterizada por níveis
de capacidade, que representam a melhoria associada a cada conjunto de
áreas de processo. Já a representação por estágios é caracterizada por níveis
de maturidade, que representam a melhoria associada a uma área de
processo em particular. O Quadro 1 apresenta os níveis de capacidade e
maturidade das representações contínua e por estágios, respectivamente.
Nível Níveis de capacidade da
representação contínua
Níveis de maturidade da
representação por estágios
0 Incompleto
1 Executado Inicial
2 Gerenciado Gerenciado
3 Definido Definido
4 Quantitativamente gerenciado
5 Em Otimização
Quatro 1: Níveis de capacidade versus Níveis de maturidade do CMMI
Cada um desses níveis consiste em um conjunto de áreas de processo.
Para que a empresa atinja um determinado nível de maturidade, ela deve
implementar todas as áreas deste nível, bem como as áreas do nível anterior.
No total, o CMMI-DEV contém 22 áreas de processo, que são as
seguintes:
a) Gerenciamento de Requisitos – REQM (Requirements Management)
b) Planejamento de Projeto – PP (Project Planning)
c) Acompanhamento e Controle de Projeto – PMC (Project Monitoring and
Control)
d) Gerenciamento de Acordo com Fornecedor – SAM (Supplier Agreement
Management)
9
e) Medição e Análise – MA (Measurement and Analysis)
f) Garantia da Qualidade de Processo e Produto – PPQA (Process and
Product Quality Assurance)
g) Gerência de Configuração – CM (Configuration Management)
h) Desenvolvimento de Requisitos – RD (Requirements Development)
i) Solução Técnica – TS (Technical Solution)
j) Integração de Produto – PI (Product Integration)
k) Verificação – VER (Verification)
l) Validação – VAL (Validation)
m) Foco de Processo Organizacional – OPF (Organizational Process
Focus)
n) Definição de Processo Organizacional – OPD (Organizational Process
Definition)
o) Treinamento Organizacional – OT (Organizational Training)
p) Gerenciamento Integrado de Projeto – IPM (Integrated Project
Management)
q) Gerenciamento de Riscos – RSKM (Risk Management)
r) Análise de Decisão e Resolução – DAR (Decision Analysis and
Resolution)
s) Desempenho de Processo Organizacional – OPP (Organizational
Process Performance)
t) Gerenciamento Quantitativo de Projeto – QPM (Quantitative Project
Management)
u) Gestão de Processo Organizacional – OPM (Organizational Process
Management)
v) Análise Causal e Resolução – CAR (Causal Analysis and Resolution)
2.4. ISO 10006
A ISO 10006:2000 é uma norma desenvolvida pela ISO, especialmente
para o gerenciamento de projetos. Ela fornece diretrizes sobre os elementos
do sistema da qualidade, conceitos e práticas importantes para a obtenção da
qualidade no Gerenciamento de Projetos (POSSI, 2006).
10
Conforme Possi (2006), os principais grupos de processos da NBR ISO
10006:2000 são:
a) Processo estratégico;
b) Processos de gerenciamento de interdependências;
c) Processos relacionados ao escopo;
d) Processos relacionados ao tempo;
e) Processos relacionados aos custos;
f) Processos relacionados aos recursos;
g) Processos relacionados às pessoas;
h) Processos relacionados à comunicação;
i) Processos relacionados ao risco; e
j) Processos relacionados a suprimentos.
Os processos relacionados a comunicação são: planejamento da
comunicação, gerenciamento da informação e controle da comunicação. Estes
são explicados abaixo, conforme a NBR ISO 10006.
No Planejamento da comunicação:
Convém que o planejamento da comunicação leve em conta as
necessidades do Projeto e dos indivíduos envolvidos, definindo as
informações que serão formalmente comunicadas, a frequência e os
meios de transmissão utilizados. Convém que a frequência, duração e
propósitos das reuniões sejam definidos neste planejamento.
Convém que o formato, linguagem e estrutura de documentos sejam
definidos para garantir a compatibilidade. Convém que o plano defina
o sistema de gerenciamento das informações, identifique quem
enviará e quem receberá as informações, bem como referencie os
procedimentos de controle e segurança dos principais documentos.
Convém que o formato dos relatórios de progresso seja programado
para ressaltar os desvios do plano do Projeto. (2000, p. 11).
No Gerenciamento das informações:
Convém que o sistema de gerenciamento das informações seja
projetado considerando as necessidades de ambas as organizações,
de Projeto e empreendedora.
Convém que este sistema inclua procedimentos para preparo, coleta,
identificação, classificação, distribuição, preenchimento, atualização,
arquivamento e recuperação de informações. Convém que as
11
informações incluam as condições existentes no tempo de sua
ocorrência, permitindo assim que a validade e a importância da
informação sejam verificadas antes de serem utilizadas em outros
Projetos.
Para serem efetivas, convém que as informações sejam relevantes
para as necessidades dos usuários, claramente apresentadas e
distribuídas com estrita observância aos prazos estabelecidos.
Convém que todos os acordos, inclusive os informais, que afetem o
desempenho do Projeto sejam formalmente documentados. Onde for
possível, o uso de meios eletrônicos pode ser vantajoso.
Convém que regras e diretrizes para as reuniões sejam estabelecidas,
de forma apropriada ao tipo de reunião. Convém que a agenda das
reuniões seja distribuída antecipadamente, identificando, para cada
item, o pessoal cuja presença seja necessária. Convém que atas das
reuniões incluam as decisões tomadas, assuntos importantes, ações
acordadas e o pessoal nomeado para realizá-las. Convém que essas
atas sejam distribuídas às partes relevantes, em um prazo
previamente definido. (2000, p. 11).
No Controle da comunicação:
Convém que o sistema de comunicação seja implementado como
planejado, supervisionado e analisado criticamente, para garantir que
continua a atender as necessidades do Projeto. Convém que atenção
particular seja dada a interfaces entre as funções e organizações
onde erros de interpretação e divergências ocorram com frequência.
(2000, p. 11).
3. PROBLEMAS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS
Os tipos de comunicação gerencial podem ser separados em cinco
classes, como sugere Hynes (2015):
a) Intrapessoal - está focada no comportamento interno, como observar,
ouvir e ler. A maioria dessas atividades envolve a busca por
informações, consequentemente esse nível de comunicação é
extremamente importante para a tomada de decisão, uma vez que
decisões eficazes requerem informações acuradas;
12
b) Interpessoal - Neste nível, uma ou mais pessoas compartilham ideias.
Estes podem estar trocando informações, provendo feedbacks, ou
simplesmente mantendo um relacionamento social;
c) Em grupo - A forma mais comum de comunicação em grupo é a
reunião, que pode ser formal ou informal;
d) Organizacional - O nível de comunicação organizacional opera dentro
das redes que conectam os membros de uma empresa ou outra
organização;
e) Intercultural - Esse nível diz respeito as interações entre pessoas de
diferentes culturas. A comunicação intercultural vem ocorrendo mais
frequentemente devido a melhora dos sistemas de telecomunicação e
transporte.
Conforme Kerzner (2009), a comunicação ineficaz existe principalmente
em quatro níveis: problemas de comunicação entre os próprios membros da
equipe do projeto, entre o líder do projeto e os membros da equipe, entre a
equipe do projeto e a gestão superior e entre os líderes do projeto e o cliente.
Hynes (2015) explica que nos dias atuais, nos deparamos com um
ambiente de trabalho mais diversificado e de mudanças constantes. E isso
exige a aplicação de técnicas de comunicação mais sofisticadas.
As empresas de engenharia de software são exemplos onde o ambiente
sofre constantes mudanças: novos projetos são definidos, novas equipes são
formadas, novas tecnologias são utilizadas, etc. Isso envolve novas
contratações, informar a nova equipe sobre os objetivos do novo projeto,
treinar a equipe para se adequar as novas tecnologias e ao mesmo tempo
mantê-la motivada e focada. E geralmente dentro de prazos curtos. Além
disso, comumente as partes interessadas possuem culturas diferentes. Os
projetos são contratados por empresas localizadas em outros estados e até
mesmo outros países, isto impõe algumas barreiras geográficas e culturais,
dificultando a comunicação entre os membros da equipe e o cliente.
Com base na análise dos diferentes modelos de gerenciamento de
projetos, podemos destacar algumas estratégias para manter a comunicação
13
eficaz nesses níveis. O Quadro 2 apresenta os principais problemas de
comunicação encontrados e estratégias sugeridas nos modelos estudados.
Problema Modelo Estratégias
Comunicação entre os
membros da equipe
PMBOK
ISO
10006
Encorajar tomadas de decisões
consensuais e comunicações claras e
abertas entre os membros da equipe
Comunicação entre a
equipe e o líder
Comunicação entre os
membros do projeto e
o cliente
RUP Manter equipe e cliente em contato
através de reuniões presenciais ou
eletrônicas
Mostrar a equipe o dia a dia do usuário
final em seu ambiente de trabalho, para
que entendam a real necessidade do
produto
Manter a
comunicação durante
o desenvolvimento
RUP Produzir documentos sob uma base
regulamentar, como relatórios e atas de
reuniões, que mantenham toda a
informação gerada registrada de forma
precisa, para consultas futuras
ISO
10006
Implementar um sistema de
comunicação que seja supervisionado e
analisado criticamente, para garantir
que continua a atender as
necessidades do projeto
Quatro 2: principais problemas de comunicação
14
4. CONCLUSÕES
Neste trabalho foram analisadas as estratégias de comunicação, nos 4
principais modelos de gerenciamento de projetos de TI. Dois deles, O PMBOK
e o padrão ISO 10006, podem ser usados em qualquer tipo de projeto,
enquanto o RUP e o CMMI, são específicos para projetos de TI.
Notou-se uma deficiência no modelo RUP em algumas disciplinas de
gerenciamento de projetos. O mesmo não prevê um tratamento específico para
diversos processos compreendidos pelos outros modelos, inclusive o
gerenciamento de comunicação, focando apenas em processos de engenharia
de software. Ele enfatiza a definição de canais estreitos de comunicação
apenas ao início do projeto, não oferecendo processos de melhoria de
comunicação. Se uma empresa de desenvolvimento de software desejar
aplicar o RUP e ao mesmo tempo desejar um suporte completo para os
processos de gerenciamento de projetos, uma solução seria integrar o RUP e
um segundo modelo, como o PMBOK ou ISO 10006.
Tanto o PMBOK como a norma ISO 10006 compreendem diversas
áreas de gerenciamento de projetos e possuem tratamento específico para o
gerenciamento de comunicações. No entanto, não fica claro em qual etapa do
projeto os processos referentes a comunicação devem ser incluídos e nem
como devem ser executados. Essa visão é mais clara nos modelos RUP e
CMMI, que são orientados a processos.
O CMMI mostrou-se um modelo mais completo, oferecendo suporte
tanto para processos específicos de TI - seja para projetos de software,
hardware ou sistemas - quanto para as disciplinas gerais de gerenciamento de
projetos. Além disso, estratégias de comunicação são previstas em várias
áreas do CMMI.
REFERÊNCIAS
GIBBS, HYNES, G. E. Managerial Communication: Strategies and
Applications. SAGE Publications. 2015.
15
KERZNER H. R. Project Management: A Systems Approach to Planning,
Scheduling, and Controlling. John Wiley & Sons. 10ª ed. 2009.
PERSSE, J. Project Management Success with CMMI: 7 CMMI Process
Areas. Pearson Education. 2007.
PMI. Um Guia do Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento de
Projetos. PMBOK. 3ª ed. 2004.
PMI. Pulse of the Profession: The High Cost of Low Performance: The
Essential Role of Communications. 2013.
POSSI, M. Gerenciamento de Projetos Guia do Profissional Vol. 1:
Abordagem Geral e Definição de Escopo. Brasport. 2006.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gerenciamento de Projetos de TI
Gerenciamento de Projetos de TIGerenciamento de Projetos de TI
Gerenciamento de Projetos de TIEliseu Castelo
 
Declaracao de escopo projeto novas fronteiras
Declaracao de escopo projeto novas fronteirasDeclaracao de escopo projeto novas fronteiras
Declaracao de escopo projeto novas fronteirasRicardo Hippler
 
GERENCIAMENTO DAS INFORMAÇÕES DO PROJETO EM ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA
GERENCIAMENTO DAS INFORMAÇÕES DO PROJETO EM ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURAGERENCIAMENTO DAS INFORMAÇÕES DO PROJETO EM ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA
GERENCIAMENTO DAS INFORMAÇÕES DO PROJETO EM ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURAVinicius Volponi
 
Gerenciamento de-projetos-exercicios-resolvidos-estudo-de-casos-e-simulacoes
Gerenciamento de-projetos-exercicios-resolvidos-estudo-de-casos-e-simulacoesGerenciamento de-projetos-exercicios-resolvidos-estudo-de-casos-e-simulacoes
Gerenciamento de-projetos-exercicios-resolvidos-estudo-de-casos-e-simulacoesJucioliver
 
Exemplo De Plano De Gerenciamento De Projeto
Exemplo De Plano De Gerenciamento De ProjetoExemplo De Plano De Gerenciamento De Projeto
Exemplo De Plano De Gerenciamento De Projetolhencar
 
Aula03 - Termo de Abertura de Projeto
Aula03 - Termo de Abertura de ProjetoAula03 - Termo de Abertura de Projeto
Aula03 - Termo de Abertura de ProjetoDaniela Brauner
 
Apostila Fundamentos do Gerenciamento de Projetos
Apostila Fundamentos do Gerenciamento de ProjetosApostila Fundamentos do Gerenciamento de Projetos
Apostila Fundamentos do Gerenciamento de ProjetosLéo De Melo
 
Gesto de projetos_-_mba_-_fgv_management-_abril-09
Gesto de projetos_-_mba_-_fgv_management-_abril-09Gesto de projetos_-_mba_-_fgv_management-_abril-09
Gesto de projetos_-_mba_-_fgv_management-_abril-09Vicente Matos Jr.
 
Plano projeto implantação servicedesk
Plano projeto implantação servicedeskPlano projeto implantação servicedesk
Plano projeto implantação servicedeskFernando Palma
 
01. dinamus-plano-completo-de-gerenciamento-do-projeto1
01. dinamus-plano-completo-de-gerenciamento-do-projeto101. dinamus-plano-completo-de-gerenciamento-do-projeto1
01. dinamus-plano-completo-de-gerenciamento-do-projeto1Marcelo Aires
 
Processos de gerenciamento de projetos de um projeto
Processos de gerenciamento de projetos de  um projeto Processos de gerenciamento de projetos de  um projeto
Processos de gerenciamento de projetos de um projeto Wellington Oliveira
 
Aula 2 - Gestão de Projetos
Aula 2 - Gestão de ProjetosAula 2 - Gestão de Projetos
Aula 2 - Gestão de ProjetosFernando Dantas
 
Plano gerenciamento de projeto
Plano gerenciamento de projetoPlano gerenciamento de projeto
Plano gerenciamento de projetoMarjorie
 
501 templates plano_projeto
501 templates plano_projeto501 templates plano_projeto
501 templates plano_projetoInfolifesc
 
Gerenciamento de Projetos da Pequena e Média Empresa
Gerenciamento de Projetos da Pequena e Média EmpresaGerenciamento de Projetos da Pequena e Média Empresa
Gerenciamento de Projetos da Pequena e Média EmpresaRodrigo Giraldelli
 
Planear a gestão das comunicações do projeto
Planear a gestão das comunicações do projetoPlanear a gestão das comunicações do projeto
Planear a gestão das comunicações do projetoUniversidade Pedagogica
 

Mais procurados (20)

Gerenciamento de Projetos de TI
Gerenciamento de Projetos de TIGerenciamento de Projetos de TI
Gerenciamento de Projetos de TI
 
Declaracao de escopo de um projecto
Declaracao de escopo de um projectoDeclaracao de escopo de um projecto
Declaracao de escopo de um projecto
 
Declaracao de escopo projeto novas fronteiras
Declaracao de escopo projeto novas fronteirasDeclaracao de escopo projeto novas fronteiras
Declaracao de escopo projeto novas fronteiras
 
GERENCIAMENTO DAS INFORMAÇÕES DO PROJETO EM ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA
GERENCIAMENTO DAS INFORMAÇÕES DO PROJETO EM ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURAGERENCIAMENTO DAS INFORMAÇÕES DO PROJETO EM ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA
GERENCIAMENTO DAS INFORMAÇÕES DO PROJETO EM ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA
 
Gerenciamento de-projetos-exercicios-resolvidos-estudo-de-casos-e-simulacoes
Gerenciamento de-projetos-exercicios-resolvidos-estudo-de-casos-e-simulacoesGerenciamento de-projetos-exercicios-resolvidos-estudo-de-casos-e-simulacoes
Gerenciamento de-projetos-exercicios-resolvidos-estudo-de-casos-e-simulacoes
 
Gestão da comunicação em gestão de projetos
Gestão da comunicação em gestão de projetosGestão da comunicação em gestão de projetos
Gestão da comunicação em gestão de projetos
 
Exemplo De Plano De Gerenciamento De Projeto
Exemplo De Plano De Gerenciamento De ProjetoExemplo De Plano De Gerenciamento De Projeto
Exemplo De Plano De Gerenciamento De Projeto
 
Aula03 - Termo de Abertura de Projeto
Aula03 - Termo de Abertura de ProjetoAula03 - Termo de Abertura de Projeto
Aula03 - Termo de Abertura de Projeto
 
Apostila Fundamentos do Gerenciamento de Projetos
Apostila Fundamentos do Gerenciamento de ProjetosApostila Fundamentos do Gerenciamento de Projetos
Apostila Fundamentos do Gerenciamento de Projetos
 
Gesto de projetos_-_mba_-_fgv_management-_abril-09
Gesto de projetos_-_mba_-_fgv_management-_abril-09Gesto de projetos_-_mba_-_fgv_management-_abril-09
Gesto de projetos_-_mba_-_fgv_management-_abril-09
 
Plano projeto implantação servicedesk
Plano projeto implantação servicedeskPlano projeto implantação servicedesk
Plano projeto implantação servicedesk
 
01. dinamus-plano-completo-de-gerenciamento-do-projeto1
01. dinamus-plano-completo-de-gerenciamento-do-projeto101. dinamus-plano-completo-de-gerenciamento-do-projeto1
01. dinamus-plano-completo-de-gerenciamento-do-projeto1
 
Processos de gerenciamento de projetos de um projeto
Processos de gerenciamento de projetos de  um projeto Processos de gerenciamento de projetos de  um projeto
Processos de gerenciamento de projetos de um projeto
 
Gestão do Escopo do Projeto
Gestão do Escopo do ProjetoGestão do Escopo do Projeto
Gestão do Escopo do Projeto
 
Aula 2 - Gestão de Projetos
Aula 2 - Gestão de ProjetosAula 2 - Gestão de Projetos
Aula 2 - Gestão de Projetos
 
Gerenciamento de Projetos - Aula03 - Termo de abertura, EAP e cronograma
Gerenciamento de Projetos - Aula03 - Termo de abertura, EAP e cronogramaGerenciamento de Projetos - Aula03 - Termo de abertura, EAP e cronograma
Gerenciamento de Projetos - Aula03 - Termo de abertura, EAP e cronograma
 
Plano gerenciamento de projeto
Plano gerenciamento de projetoPlano gerenciamento de projeto
Plano gerenciamento de projeto
 
501 templates plano_projeto
501 templates plano_projeto501 templates plano_projeto
501 templates plano_projeto
 
Gerenciamento de Projetos da Pequena e Média Empresa
Gerenciamento de Projetos da Pequena e Média EmpresaGerenciamento de Projetos da Pequena e Média Empresa
Gerenciamento de Projetos da Pequena e Média Empresa
 
Planear a gestão das comunicações do projeto
Planear a gestão das comunicações do projetoPlanear a gestão das comunicações do projeto
Planear a gestão das comunicações do projeto
 

Semelhante a Artigo daniel lopes_da_silva

Gestão da Comunicação em Projetos
Gestão da Comunicação em ProjetosGestão da Comunicação em Projetos
Gestão da Comunicação em ProjetosBarbara Benedetti
 
Gerenciamento das comunicações - PMBOK
Gerenciamento das comunicações - PMBOKGerenciamento das comunicações - PMBOK
Gerenciamento das comunicações - PMBOKMárcia Barros
 
Fatores que podem reduzir falhas em projetos
Fatores que podem reduzir falhas em projetosFatores que podem reduzir falhas em projetos
Fatores que podem reduzir falhas em projetosLucas Pereira Dos Santos
 
Como usar o Guia PMBOK® na engenharia de softwares Aplicando os grupos de pr...
Como usar o Guia PMBOK® na engenharia de softwares  Aplicando os grupos de pr...Como usar o Guia PMBOK® na engenharia de softwares  Aplicando os grupos de pr...
Como usar o Guia PMBOK® na engenharia de softwares Aplicando os grupos de pr...Robson Veiga Roy
 
Uma análise sobre gestão de pessoas baseada nos métodos ágeis
Uma análise sobre gestão de pessoas baseada nos métodos ágeisUma análise sobre gestão de pessoas baseada nos métodos ágeis
Uma análise sobre gestão de pessoas baseada nos métodos ágeiss4nx
 
A importância do planejamento em projetos de tecnologia da informação
A importância do planejamento em projetos de tecnologia da informaçãoA importância do planejamento em projetos de tecnologia da informação
A importância do planejamento em projetos de tecnologia da informaçãoLucivaldo Minervino
 
Gerenciamento de Projetos de TI em Sao Paulo
Gerenciamento de Projetos de TI em Sao PauloGerenciamento de Projetos de TI em Sao Paulo
Gerenciamento de Projetos de TI em Sao PauloGrupo Treinar
 
07 metodologia gerenciamento projetos
07 metodologia gerenciamento projetos07 metodologia gerenciamento projetos
07 metodologia gerenciamento projetosAnderson Mota Dematte
 
Gerenciamento estratégico de projetos em tecnologia da informação
Gerenciamento estratégico de projetos em tecnologia da informaçãoGerenciamento estratégico de projetos em tecnologia da informação
Gerenciamento estratégico de projetos em tecnologia da informaçãoDouglas Souza
 
Tcc -aplicação de metodologias de gerenciamento de projetos em empresas de d...
Tcc  -aplicação de metodologias de gerenciamento de projetos em empresas de d...Tcc  -aplicação de metodologias de gerenciamento de projetos em empresas de d...
Tcc -aplicação de metodologias de gerenciamento de projetos em empresas de d...Hiram Costa-Silva
 
Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...
Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...
Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...Maicon Zerbielli
 
Aula01 projeto de redes de computadores
Aula01   projeto de redes de computadoresAula01   projeto de redes de computadores
Aula01 projeto de redes de computadoresCarlos Veiga
 
GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM AGÊNCIAS WEB BASEADO NO PMI E METODOLOGIAS ÁGEIS
GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM AGÊNCIAS WEB BASEADO NO PMI E METODOLOGIAS ÁGEISGERENCIAMENTO DE PROJETOS EM AGÊNCIAS WEB BASEADO NO PMI E METODOLOGIAS ÁGEIS
GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM AGÊNCIAS WEB BASEADO NO PMI E METODOLOGIAS ÁGEISPeter Rizzon
 

Semelhante a Artigo daniel lopes_da_silva (20)

Gestão da Comunicação em Projetos
Gestão da Comunicação em ProjetosGestão da Comunicação em Projetos
Gestão da Comunicação em Projetos
 
Gerenciamento das comunicações - PMBOK
Gerenciamento das comunicações - PMBOKGerenciamento das comunicações - PMBOK
Gerenciamento das comunicações - PMBOK
 
Fatores que podem reduzir falhas em projetos
Fatores que podem reduzir falhas em projetosFatores que podem reduzir falhas em projetos
Fatores que podem reduzir falhas em projetos
 
Como usar o Guia PMBOK® na engenharia de softwares Aplicando os grupos de pr...
Como usar o Guia PMBOK® na engenharia de softwares  Aplicando os grupos de pr...Como usar o Guia PMBOK® na engenharia de softwares  Aplicando os grupos de pr...
Como usar o Guia PMBOK® na engenharia de softwares Aplicando os grupos de pr...
 
Pm bok x prince2
Pm bok x prince2Pm bok x prince2
Pm bok x prince2
 
Uma análise sobre gestão de pessoas baseada nos métodos ágeis
Uma análise sobre gestão de pessoas baseada nos métodos ágeisUma análise sobre gestão de pessoas baseada nos métodos ágeis
Uma análise sobre gestão de pessoas baseada nos métodos ágeis
 
A importância do planejamento em projetos de tecnologia da informação
A importância do planejamento em projetos de tecnologia da informaçãoA importância do planejamento em projetos de tecnologia da informação
A importância do planejamento em projetos de tecnologia da informação
 
Artigo sobre práticas de gerenciamento de projetos
Artigo sobre práticas de gerenciamento de projetosArtigo sobre práticas de gerenciamento de projetos
Artigo sobre práticas de gerenciamento de projetos
 
Artigo gp
Artigo gpArtigo gp
Artigo gp
 
Aula 5 semana
Aula 5 semanaAula 5 semana
Aula 5 semana
 
Gerenciamento de Projetos de TI em Sao Paulo
Gerenciamento de Projetos de TI em Sao PauloGerenciamento de Projetos de TI em Sao Paulo
Gerenciamento de Projetos de TI em Sao Paulo
 
07 metodologia gerenciamento projetos
07 metodologia gerenciamento projetos07 metodologia gerenciamento projetos
07 metodologia gerenciamento projetos
 
04 sintese2
04  sintese204  sintese2
04 sintese2
 
Gerenciamento estratégico de projetos em tecnologia da informação
Gerenciamento estratégico de projetos em tecnologia da informaçãoGerenciamento estratégico de projetos em tecnologia da informação
Gerenciamento estratégico de projetos em tecnologia da informação
 
Tcc -aplicação de metodologias de gerenciamento de projetos em empresas de d...
Tcc  -aplicação de metodologias de gerenciamento de projetos em empresas de d...Tcc  -aplicação de metodologias de gerenciamento de projetos em empresas de d...
Tcc -aplicação de metodologias de gerenciamento de projetos em empresas de d...
 
Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...
Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...
Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...
 
Aula01 projeto de redes de computadores
Aula01   projeto de redes de computadoresAula01   projeto de redes de computadores
Aula01 projeto de redes de computadores
 
Artigo oquegp
Artigo oquegpArtigo oquegp
Artigo oquegp
 
GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM AGÊNCIAS WEB BASEADO NO PMI E METODOLOGIAS ÁGEIS
GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM AGÊNCIAS WEB BASEADO NO PMI E METODOLOGIAS ÁGEISGERENCIAMENTO DE PROJETOS EM AGÊNCIAS WEB BASEADO NO PMI E METODOLOGIAS ÁGEIS
GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM AGÊNCIAS WEB BASEADO NO PMI E METODOLOGIAS ÁGEIS
 
Gestão de projetos módulo 1
Gestão de projetos   módulo 1Gestão de projetos   módulo 1
Gestão de projetos módulo 1
 

Último

ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalSilvana Silva
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 

Último (20)

ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 

Artigo daniel lopes_da_silva

  • 1. * Analista de Teste/Automação de Testes - Cinq Technologies. Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade Tecnológica Federal do Paraná. E-mail: daniellopesdasilva@hotmail.com Modelos de Gerenciamento de Projetos de TI e suas recomendações para o Gerenciamento de Comunicação Daniel Lopes Silva* Resumo. Gerenciar projetos de software envolve a aplicação de diversos conhecimentos considerados como essenciais ao setor de Tecnologia da Informação (TI), pois integra métodos de diferentes áreas. Essa integração é mantida a partir da boa comunicação entre as diversas equipes que desenvolvem o projeto, se tratando de elemento primordial, garantindo que os problemas possam ser identificados e solucionados com brevidade. O objetivo deste trabalho foi analisar recomendações para o gerenciamento de comunicação, presentes nos principais modelos de gerenciamento de projetos de Tecnologia da Informação, além de levantar alguns problemas comuns advindos da falta de comunicação, demonstrando estratégias que podem ser aplicadas a partir dos modelos de gerenciamento de projetos existentes, de modo a evita-los. Palavras-chave: Gerenciamento de Projetos, PMBOK, RUP, CMMI, ISSO 10006, Comunicação. Introdução O Gerenciamento de Projetos é uma área de crescente interesse e evolução. Essa atividade já era praticada nas organizações e emergiu como uma profissão, desempenhada pelo gerente de projetos. Um projeto, segundo o Project Management Institute (PMI, 2004) é um “esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado
  • 2. 2 único”. Um projeto pode ser o desenvolvimento de um software, a construção de um prédio ou um plano de expansão de vendas. Nesse contexto, o Gerenciamento de Projetos consiste em aplicar conhecimentos, habilidades e técnicas a fim de executar um projeto de forma eficaz, nos mais diversos ramos de atividade. A área de Gerenciamento de Projetos é fundamental no setor de Tecnologia da Informação (TI), uma vez reconhecida sua importância nos processos organizacionais. Segundo pesquisas realizadas pelo PMI (PMSURVEY.ORG) em 2012, há indícios de que a maioria dos profissionais de Gerenciamento de Projetos é do setor de TI. Um sistema de gerenciamento de projetos envolve a integração de métodos de diferentes áreas. A comunicação pode ser vista como uma das áreas mais importantes: conforme PMI (2004), os gerentes de projetos podem gastar muito tempo comunicando a equipe, partes interessadas, cliente e patrocinador. Contudo, em grande parte dos projetos malsucedidos, a comunicação ineficaz é o fator de insucesso (PMI, 2013). Segundo Kerzner (2009), a má comunicação é a maior inimiga do desenvolvimento de uma equipe e muitas vezes o problema ocorre devido à falta de comunicação provinda dos membros da equipe, sobre fatores chave do projeto. Práticas de comunicação inadequadas geralmente levam a objetivos incertos e falta de controle do projeto e do fluxo de trabalho. Além disso, nos dias atuais, nos deparamos com um ambiente de trabalho mais diversificado e de mudanças constantes. Isso exige que os gerentes de projetos apliquem técnicas de comunicação mais sofisticadas (HYNES, 2015). Por isso, o objetivo deste trabalho foi analisar recomendações para o gerenciamento de comunicação, presentes nos principais modelos de gerenciamento de projetos de Tecnologia da Informação. Ainda, foram levantados alguns problemas comuns de comunicação, pontuando as estratégias encontradas nesses modelos, de modo a evita-las. Com isso, buscou-se fornecer um apoio para as empresas do ramo, para que
  • 3. 3 identifiquem técnicas adequadas para melhorar a comunicação em seus projetos. O artigo está organizado em 4 capítulos. No Capítulo 2 foram discutidos os conceitos envolvidos em Gerenciamento de Projetos. Em seguida, foi feita a análise dos modelos PMBOK, RUP, CMMI e da norma ISO 10006, que são os principais padrões utilizados para o gerenciamento de projetos de TI. No Capítulo 3, são levantados alguns problemas comuns de comunicação em projetos, identificando as técnicas apresentadas no modelo para evita-los. Por fim, no Capítulo 4, são apresentadas algumas conclusões sobre a análise desenvolvida. 2. GERENCIAMENTO DE PROJETOS Gerenciamento de projetos, ou gestão de projetos, é "a aplicação de conhecimento, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de atender aos seus requisitos" (PMI, 2004). Para Schwalbe (2013), um gerenciamento de projeto bem-sucedido significa alcançar três objetivos principais: a) Escopo – O escopo do projeto está relacionado com o produto, serviço ou resultado que o cliente espera do projeto; b) Tempo – Deve ser definido o tempo para que o projeto seja completado. Para isso pode ser estabelecida uma agenda a ser acompanhada pela equipe envolvida no projeto; c) Custo – Também é preciso estabelecer o quanto irá custar a completude do projeto. Deve ser definido um orçamento e uma maneira de acompanhar os gastos gerados durante seu desenvolvimento. Schwalbe (2013) acrescenta, que gerenciar esses três objetivos, envolve fazer escolhas entre eles. Por exemplo, pode ser necessário aumentar o orçamento para o projeto, a fim de alcançar os objetivos de escopo e equipe, ou, reduzir o escopo do projeto para cumprir os objetivos de tempo e custo definidos. Existem inúmeras concepções de como um projeto deve ser gerenciado. Por isso é importante avaliar os diferentes modelos de gerenciamento de
  • 4. 4 projetos propostos. A seguir são avaliados os principais modelos aplicados a projetos de TI: PMBOK, RUP, CMMI e ISO 10006, bem como as recomendações para a gerência de comunicação, em cada um deles. 2.1. PMBOK O PMBOK (PMI, 2004) propõe que o gerenciamento de projetos seja feito com base em nove áreas do conhecimento, conforme a Figura 1. São elas: escopo, tempo, custos, qualidade, recursos humanos, comunicações, riscos, aquisições e integração. Esse modelo comtempla não só projetos de software, mas qualquer tipo de projeto. Figura 1 - Áreas do conhecimento do modelo PMBOK A seguir, são detalhados os processos do gerenciamento de comunicações, conforme o PMBOK (PMI, 2004). 2.1.1 Gerenciamento de Comunicações Os processos de gerenciamento das comunicações são os seguintes (PMI, 2004): a) Planejamento das comunicações – determinação das necessidades de informações e comunicações das partes interessadas no projeto; b) Distribuição das informações – colocação das informações necessárias à disposição das partes interessadas no projeto no momento adequado; c) Relatório de desempenho – coleta e distribuição das informações sobre o desempenho. Isso inclui o relatório de andamento, medição do progresso e previsão;
  • 5. 5 d) Gerenciar as partes interessadas – gerenciamento das comunicações para satisfazer os requisitos das partes interessadas no projeto e resolver problemas com elas. 2.2. RUP O modelo RUP foi desenvolvido especificamente para projetos de engenharia de software. Nele o ciclo de vida do projeto é dividido em 4 fases: iniciação, elaboração, construção e transição. Cada fase é dividida em múltiplas iterações (Figura 2). Figura 2: Fases do modelo RUP Como é possível visualizar na Figura 2, o gerenciamento de comunicações não faz parte das disciplinas do RUP. Esta área não é tratada de forma específica pelo modelo. De acordo com Gibbs (2006), o RUP é indicado quando o ambiente em torno do projeto já está bem definido: gerência capacitada, expectativas bem definidas e boa comunicação entre a equipe e partes envolvidas no projeto. Em contrapartida, o RUP enfatiza uma colaboração estreita entre a equipe e partes interessadas, o que é vital para quebrar as barreiras de comunicação existentes, antes que seus benefícios possam ser aplicados.
  • 6. 6 Dessa forma, o modelo sugere que na fase de Iniciação seja definida uma visão clara do projeto e sejam estabelecidas linhas de comunicação claras e contínuas. Estes processos são explicados abaixo, conforme Gibbs (2006): 2.2.1 Definindo a visão do projeto Definir a visão do projeto se trata de um processo de ajudar sua equipe a entender as razões e motivações para que ela exista e entender a necessidade do cliente em investir no projeto. É importante que a equipe mantenha um contato direto com o cliente, entenda melhor o ambiente que os usuários do software trabalham no dia a dia. Isso pode gerar ideias de funcionalidades e soluções mais inovadoras, diferente de apenas conhecer os requisitos do software. O primeiro passo é reunir a equipe e o cliente. Essa reunião pode ocorrer de forma eletrônica e, se possível, na empresa do cliente. O gerente deve pedir ao cliente que instrua sua equipe sobre as questões que o levaram a estabelecer esse projeto e porque ele é crítico para seus negócios. Caso o cliente não for o usuário final do software, o gerente deve questioná-lo se a equipe pode visitar o local de trabalho dos usuários. Se não for possível, uma solução plausível é encontrar um ou mais usuários principais, preferencialmente em pessoa, e eletronicamente, se necessário. É importante que nesta reunião não sejam discutidos os requisitos do software. O objetivo é apenas orientar a equipe sobre o ambiente de trabalho do cliente. Podem ser tratadas questões como: a) Como o trabalho dos usuários estão relacionados com o projeto; b) Como o produto irá auxiliá-los em seus trabalhos; c) Como seus trabalhos são executados atualmente, enquanto o software não está pronto; d) Se o sistema a ser desenvolvido irá substituir algum outro existente. Se sim, o que eles gostam e não gostam nesse sistema, entre outras. 2.2.2 Mantendo a comunicação no projeto A maioria dos projetos são grandes produtores de informação, na forma de atas de reuniões, relatórios de status, relatórios de viagem, etc. Assim como
  • 7. 7 os requisitos, estes documentos são importantes para o projeto, e precisam ser produzidos em uma base regulamentar. Os relatórios de status servem como um registro histórico do projeto. Eles não devem ser usados para levantar novas questões para o cliente, pois nem sempre o recipiente os lê. Caso for necessário fazer isso, a questão deve ser comunicada ao cliente separadamente. No entanto, o relatório de status deve estar completo e acurado. Geralmente quando ocorre um problema no projeto, estes relatórios e e-mails são os únicos registros disponíveis para consulta. As atas de reuniões também são úteis. Algumas vantagens de registrar reuniões são: a) A garantia de um registro preciso de toda a conversação; b) Se algo que foi discutido não lhe ficou claro, você possui um registro para retornar e consultar; c) Se pessoas fundamentais não puderam comparecer à reunião, elas podem repeti-la em uma outra data, a fim de se inteirar sobre os assuntos discutidos. 2.3. CMMI O CMMI (Capability Maturity Model Integration) é um framework de maturidade para melhoria de processos desenvolvido pelo SEI (Software Engineering Institute). Conforme Persse (2007) o CMMI contém práticas necessárias à maturidade, em quatro disciplinas, que são: Engenharia de Software; Engenharia de Hardware; Engenharia de Sistemas, e; Desenvolvimento Integrado de Processo e Produto. Para que o CMMI pudesse abranger uma ampla variedade de ambientes de aplicação, o SEI criou três diferentes modelos: a) CMMI for Development (CMMI-DEV), voltado ao processo de desenvolvimento de produtos e serviços; b) CMMI for Acquisition (CMMI-ACQ), voltado aos processos de aquisição e terceirização de bens e serviços;
  • 8. 8 c) CMMI for Services (CMMI-SVC), voltado aos processos de empresas prestadoras de serviços. O CMMI possui duas representações da melhoria de processos: contínua e por estágios. A representação contínua é caracterizada por níveis de capacidade, que representam a melhoria associada a cada conjunto de áreas de processo. Já a representação por estágios é caracterizada por níveis de maturidade, que representam a melhoria associada a uma área de processo em particular. O Quadro 1 apresenta os níveis de capacidade e maturidade das representações contínua e por estágios, respectivamente. Nível Níveis de capacidade da representação contínua Níveis de maturidade da representação por estágios 0 Incompleto 1 Executado Inicial 2 Gerenciado Gerenciado 3 Definido Definido 4 Quantitativamente gerenciado 5 Em Otimização Quatro 1: Níveis de capacidade versus Níveis de maturidade do CMMI Cada um desses níveis consiste em um conjunto de áreas de processo. Para que a empresa atinja um determinado nível de maturidade, ela deve implementar todas as áreas deste nível, bem como as áreas do nível anterior. No total, o CMMI-DEV contém 22 áreas de processo, que são as seguintes: a) Gerenciamento de Requisitos – REQM (Requirements Management) b) Planejamento de Projeto – PP (Project Planning) c) Acompanhamento e Controle de Projeto – PMC (Project Monitoring and Control) d) Gerenciamento de Acordo com Fornecedor – SAM (Supplier Agreement Management)
  • 9. 9 e) Medição e Análise – MA (Measurement and Analysis) f) Garantia da Qualidade de Processo e Produto – PPQA (Process and Product Quality Assurance) g) Gerência de Configuração – CM (Configuration Management) h) Desenvolvimento de Requisitos – RD (Requirements Development) i) Solução Técnica – TS (Technical Solution) j) Integração de Produto – PI (Product Integration) k) Verificação – VER (Verification) l) Validação – VAL (Validation) m) Foco de Processo Organizacional – OPF (Organizational Process Focus) n) Definição de Processo Organizacional – OPD (Organizational Process Definition) o) Treinamento Organizacional – OT (Organizational Training) p) Gerenciamento Integrado de Projeto – IPM (Integrated Project Management) q) Gerenciamento de Riscos – RSKM (Risk Management) r) Análise de Decisão e Resolução – DAR (Decision Analysis and Resolution) s) Desempenho de Processo Organizacional – OPP (Organizational Process Performance) t) Gerenciamento Quantitativo de Projeto – QPM (Quantitative Project Management) u) Gestão de Processo Organizacional – OPM (Organizational Process Management) v) Análise Causal e Resolução – CAR (Causal Analysis and Resolution) 2.4. ISO 10006 A ISO 10006:2000 é uma norma desenvolvida pela ISO, especialmente para o gerenciamento de projetos. Ela fornece diretrizes sobre os elementos do sistema da qualidade, conceitos e práticas importantes para a obtenção da qualidade no Gerenciamento de Projetos (POSSI, 2006).
  • 10. 10 Conforme Possi (2006), os principais grupos de processos da NBR ISO 10006:2000 são: a) Processo estratégico; b) Processos de gerenciamento de interdependências; c) Processos relacionados ao escopo; d) Processos relacionados ao tempo; e) Processos relacionados aos custos; f) Processos relacionados aos recursos; g) Processos relacionados às pessoas; h) Processos relacionados à comunicação; i) Processos relacionados ao risco; e j) Processos relacionados a suprimentos. Os processos relacionados a comunicação são: planejamento da comunicação, gerenciamento da informação e controle da comunicação. Estes são explicados abaixo, conforme a NBR ISO 10006. No Planejamento da comunicação: Convém que o planejamento da comunicação leve em conta as necessidades do Projeto e dos indivíduos envolvidos, definindo as informações que serão formalmente comunicadas, a frequência e os meios de transmissão utilizados. Convém que a frequência, duração e propósitos das reuniões sejam definidos neste planejamento. Convém que o formato, linguagem e estrutura de documentos sejam definidos para garantir a compatibilidade. Convém que o plano defina o sistema de gerenciamento das informações, identifique quem enviará e quem receberá as informações, bem como referencie os procedimentos de controle e segurança dos principais documentos. Convém que o formato dos relatórios de progresso seja programado para ressaltar os desvios do plano do Projeto. (2000, p. 11). No Gerenciamento das informações: Convém que o sistema de gerenciamento das informações seja projetado considerando as necessidades de ambas as organizações, de Projeto e empreendedora. Convém que este sistema inclua procedimentos para preparo, coleta, identificação, classificação, distribuição, preenchimento, atualização, arquivamento e recuperação de informações. Convém que as
  • 11. 11 informações incluam as condições existentes no tempo de sua ocorrência, permitindo assim que a validade e a importância da informação sejam verificadas antes de serem utilizadas em outros Projetos. Para serem efetivas, convém que as informações sejam relevantes para as necessidades dos usuários, claramente apresentadas e distribuídas com estrita observância aos prazos estabelecidos. Convém que todos os acordos, inclusive os informais, que afetem o desempenho do Projeto sejam formalmente documentados. Onde for possível, o uso de meios eletrônicos pode ser vantajoso. Convém que regras e diretrizes para as reuniões sejam estabelecidas, de forma apropriada ao tipo de reunião. Convém que a agenda das reuniões seja distribuída antecipadamente, identificando, para cada item, o pessoal cuja presença seja necessária. Convém que atas das reuniões incluam as decisões tomadas, assuntos importantes, ações acordadas e o pessoal nomeado para realizá-las. Convém que essas atas sejam distribuídas às partes relevantes, em um prazo previamente definido. (2000, p. 11). No Controle da comunicação: Convém que o sistema de comunicação seja implementado como planejado, supervisionado e analisado criticamente, para garantir que continua a atender as necessidades do Projeto. Convém que atenção particular seja dada a interfaces entre as funções e organizações onde erros de interpretação e divergências ocorram com frequência. (2000, p. 11). 3. PROBLEMAS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS Os tipos de comunicação gerencial podem ser separados em cinco classes, como sugere Hynes (2015): a) Intrapessoal - está focada no comportamento interno, como observar, ouvir e ler. A maioria dessas atividades envolve a busca por informações, consequentemente esse nível de comunicação é extremamente importante para a tomada de decisão, uma vez que decisões eficazes requerem informações acuradas;
  • 12. 12 b) Interpessoal - Neste nível, uma ou mais pessoas compartilham ideias. Estes podem estar trocando informações, provendo feedbacks, ou simplesmente mantendo um relacionamento social; c) Em grupo - A forma mais comum de comunicação em grupo é a reunião, que pode ser formal ou informal; d) Organizacional - O nível de comunicação organizacional opera dentro das redes que conectam os membros de uma empresa ou outra organização; e) Intercultural - Esse nível diz respeito as interações entre pessoas de diferentes culturas. A comunicação intercultural vem ocorrendo mais frequentemente devido a melhora dos sistemas de telecomunicação e transporte. Conforme Kerzner (2009), a comunicação ineficaz existe principalmente em quatro níveis: problemas de comunicação entre os próprios membros da equipe do projeto, entre o líder do projeto e os membros da equipe, entre a equipe do projeto e a gestão superior e entre os líderes do projeto e o cliente. Hynes (2015) explica que nos dias atuais, nos deparamos com um ambiente de trabalho mais diversificado e de mudanças constantes. E isso exige a aplicação de técnicas de comunicação mais sofisticadas. As empresas de engenharia de software são exemplos onde o ambiente sofre constantes mudanças: novos projetos são definidos, novas equipes são formadas, novas tecnologias são utilizadas, etc. Isso envolve novas contratações, informar a nova equipe sobre os objetivos do novo projeto, treinar a equipe para se adequar as novas tecnologias e ao mesmo tempo mantê-la motivada e focada. E geralmente dentro de prazos curtos. Além disso, comumente as partes interessadas possuem culturas diferentes. Os projetos são contratados por empresas localizadas em outros estados e até mesmo outros países, isto impõe algumas barreiras geográficas e culturais, dificultando a comunicação entre os membros da equipe e o cliente. Com base na análise dos diferentes modelos de gerenciamento de projetos, podemos destacar algumas estratégias para manter a comunicação
  • 13. 13 eficaz nesses níveis. O Quadro 2 apresenta os principais problemas de comunicação encontrados e estratégias sugeridas nos modelos estudados. Problema Modelo Estratégias Comunicação entre os membros da equipe PMBOK ISO 10006 Encorajar tomadas de decisões consensuais e comunicações claras e abertas entre os membros da equipe Comunicação entre a equipe e o líder Comunicação entre os membros do projeto e o cliente RUP Manter equipe e cliente em contato através de reuniões presenciais ou eletrônicas Mostrar a equipe o dia a dia do usuário final em seu ambiente de trabalho, para que entendam a real necessidade do produto Manter a comunicação durante o desenvolvimento RUP Produzir documentos sob uma base regulamentar, como relatórios e atas de reuniões, que mantenham toda a informação gerada registrada de forma precisa, para consultas futuras ISO 10006 Implementar um sistema de comunicação que seja supervisionado e analisado criticamente, para garantir que continua a atender as necessidades do projeto Quatro 2: principais problemas de comunicação
  • 14. 14 4. CONCLUSÕES Neste trabalho foram analisadas as estratégias de comunicação, nos 4 principais modelos de gerenciamento de projetos de TI. Dois deles, O PMBOK e o padrão ISO 10006, podem ser usados em qualquer tipo de projeto, enquanto o RUP e o CMMI, são específicos para projetos de TI. Notou-se uma deficiência no modelo RUP em algumas disciplinas de gerenciamento de projetos. O mesmo não prevê um tratamento específico para diversos processos compreendidos pelos outros modelos, inclusive o gerenciamento de comunicação, focando apenas em processos de engenharia de software. Ele enfatiza a definição de canais estreitos de comunicação apenas ao início do projeto, não oferecendo processos de melhoria de comunicação. Se uma empresa de desenvolvimento de software desejar aplicar o RUP e ao mesmo tempo desejar um suporte completo para os processos de gerenciamento de projetos, uma solução seria integrar o RUP e um segundo modelo, como o PMBOK ou ISO 10006. Tanto o PMBOK como a norma ISO 10006 compreendem diversas áreas de gerenciamento de projetos e possuem tratamento específico para o gerenciamento de comunicações. No entanto, não fica claro em qual etapa do projeto os processos referentes a comunicação devem ser incluídos e nem como devem ser executados. Essa visão é mais clara nos modelos RUP e CMMI, que são orientados a processos. O CMMI mostrou-se um modelo mais completo, oferecendo suporte tanto para processos específicos de TI - seja para projetos de software, hardware ou sistemas - quanto para as disciplinas gerais de gerenciamento de projetos. Além disso, estratégias de comunicação são previstas em várias áreas do CMMI. REFERÊNCIAS GIBBS, HYNES, G. E. Managerial Communication: Strategies and Applications. SAGE Publications. 2015.
  • 15. 15 KERZNER H. R. Project Management: A Systems Approach to Planning, Scheduling, and Controlling. John Wiley & Sons. 10ª ed. 2009. PERSSE, J. Project Management Success with CMMI: 7 CMMI Process Areas. Pearson Education. 2007. PMI. Um Guia do Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento de Projetos. PMBOK. 3ª ed. 2004. PMI. Pulse of the Profession: The High Cost of Low Performance: The Essential Role of Communications. 2013. POSSI, M. Gerenciamento de Projetos Guia do Profissional Vol. 1: Abordagem Geral e Definição de Escopo. Brasport. 2006.