SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Treinamento sobre
perda auditiva induzida
por ruído - PAIR
Introdução
Existem coisas que você não pode perder e a audição é
uma delas.
Em nossa vida diária, seja em casa, no trabalho existe
inúmeras situações em que estamos expostos ao barulho.
O trabalho na maioria das vezes se apresenta como
situação mais perigosa em função de máquinas e
equipamentos ruidosos.
É perda provocada pela
exposição por tempo
prolongado a elevados níveis
de pressão sonora (ruído).
O que é PAIR?
Conhecendo o Risco
O QUE É O SOM?
O som é uma vibração que se propaga pelo ar em forma de ondas e que é
percebida pelo ouvido humano. É uma sensação agradável em nível
suportável e que não irrita. Quando o som não é desejado, é molesto e
incômodo, pode ser chamado de barulho.
O QUE É O RUÍDO?
O Ruído é uma mistura de tons, cujas frequências não seguem lei
precisa e que diferem entre si por valores imperceptíveis ao
ouvido humano, ou seja é “qualquer sensação sonora
indesejável”.
Consequências
Efeitos no trabalho
Consequências
Efeitos no trabalho
Consequências
Efeitos no trabalho
Tipos de Perdas Auditivas
• Perda auditiva por exposição a ruído do trabalho;
• Perda auditiva ocupacional;
E ainda pode-se perder a audição com:
• Solvente aromático: tolueno, xileno, benzeno, triclororoetileno, álcool
etílico;
• Metais: chumbo, arsênico e mercúrio;
• Asfixiantes: monóxido de carbono, nitrato de butila.
• Vibrações
• Sua características clínica e médico pericial é de
complexa abordagem.
• Utiliza-se a classificação de MERLUZZI (1979), de
grande vantagem, não utiliza o critério de médias e
fácil aplicabilidade.
• É considerado normal o indivíduo que apresenta um
limiar auditivo bilateral igual ou inferior a 25 dB,
conforme a ISSO 1999.
Classificação da PAIR
Sinais e Sintomas
• Perda auditiva;
• Zumbido;
• Dificuldade de discriminação de fala
• Tratamento:
• É uma lesão irreversível;
• Não existe nenhum tratamento medicamentoso ou
cirúrgico para recuperação dos limiares auditivos;
• A prevenção é a principal medida tomada antes da
instalação da perda auditiva.
perdas auditivas variam do nível de
1º Grau ao 4º Grau
Lei
• Lei 6514 de 22/12/77 que
estabelece uma série de
disposições quanto a segurança
e medicina do trabalho.
• Em 08/06/1978, surgem as
Normas Regulamentadoras –
NR's do MTE
Conceito Legal NR
06
• Equipamento de Proteção
Individual - EPI, é todo
dispositivo ou produto , de uso
individual, utilizado pelo
trabalhador, destinado a
proteção de riscos suscetíveis
de ameaçar a segurança e a
saúde no trabalho
Legislaçã
o
Tipos de Protetor Auriculares
Identificação do protetor auditivo
Identificação do protetor auditivo
Abafadores
Moldados
Forma correta de utilização
Plug de silicone
Forma correta de utilização
Abafador
• Não manuseie o protetor com as mãos sujas;
• Após o uso, guarde-o na embalagem para conservá-lo em bom
estado de uso.
• Instrução de limpeza
• Lave diariamente com água e sabão neutro;
• Depois enxague com água abundante e seque-o
Cuidados com Protetor Auditivo
• Portaria n.º 3214 / 78 , aprova as
Normas Regulamentadoras – NR's do
mesmo Capítulo.
• Possui 33 normas , dentre as quais a
NR-06 que trata sobre Equipamentos
de Proteção Individual.
Legislação
Portaria
• Item 6.3: A empresa é obrigada a fornecer aos empregados , de forma
gratuita, EPI adequado ao risco, em perfeito estado de conservação e
funcionamento , nas seguintes circunstâncias:
• A) sempre que as medidas de ordem geral não ofereçam completa proteção
contra os riscos de acidentes do trabalho ou de doenças profissionais e do
trabalho;
• B) enquanto as medidas de proteção coletiva estiverem sendo implantadas;
• C) para atender a situações de emergência.
Legislação
Obrigatoriedade da empresa
• Adquirir o EPI, adequado ao risco da atividade e exigir seu uso;
• Fornecer somente o EPI aprovado pelo órgão nacional competente;
• Orientar e treinar o trabalhador quanto a seu uso , guarda e conservação;
• Adquirir o adequado ao risco da atividade;
• Exigir seu uso;
• Fornecer somente o EPI aprovado pelo órgão nacional competente;
• Responsabilizar-se por sua manutenção e higienização;
• Comunicar ao MTE qualquer irregularidade observada.
• Substituir imediatamente quando extraviado ou danificado;
Legislação
Cabe ao empregador:
No Brasil, a surdez é a segunda maior causa de doença profissional , sendo que o ruído
afeta o homem, simultaneamente, nos planos físico, psicológico e social. Pode, com
efeito:
•
• Lesar os órgãos auditivos;
• Perturbar a comunicação;
• Provocar irritação;
• Ser fonte de fadiga;
• Diminuir o rendimento do trabalho.
•
O risco da lesão auditiva aumenta com o nível de pressão sonora e com a duração da
exposição, mas depende também das características do ruído, sem falarmos da
suscetibilidade do individuo.
Perda auditiva
• O Ruído contínuo é o que permanece estável com
variações máximas de 3 a 5 dB(A) durante um longo
período.
• O Ruído intermitente é um ruído com variações, maiores ou
menores de intensidade.
• O Ruído de impacto apresenta picos com duração menor
de 1 segundo, a intervalos superiores a 1 segundo.
Tipos de Ruído
Por que medir o ruído?
Quando se pretende realizar o controle de uma fonte
de ruído, atender a legislação, ou mesmo, prever o
nível de ruído de um local, ainda na fase de projeto, o
ponto chave é a realização de medições.
Anatomia do Ouvido
O ouvido consiste em três partes
básicas:
• O ouvido externo,
• O ouvido médio
• O ouvido interno
Canal auditivo
PARABÉNS
VOCÊ CONCLUIU O
CURSO

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Treinamento Proteção Auditiva.pptx

Cartilha de protecao auditiva
Cartilha de protecao auditivaCartilha de protecao auditiva
Cartilha de protecao auditiva
Cosmo Palasio
 
Proteoauditiva 140422100537-phpapp01
Proteoauditiva 140422100537-phpapp01Proteoauditiva 140422100537-phpapp01
Proteoauditiva 140422100537-phpapp01
Iara Silva Guimaraes
 
Proteção auditiva
Proteção auditivaProteção auditiva
Proteção auditiva
marcos0007
 
Das Imagens Feias
Das Imagens FeiasDas Imagens Feias
Das Imagens Feias
Ainoan
 
Treinamento de cipa nr.05
Treinamento de cipa   nr.05Treinamento de cipa   nr.05
Treinamento de cipa nr.05
conbetcursos
 
Treinamento de cipa nr.05
Treinamento de cipa   nr.05Treinamento de cipa   nr.05
Treinamento de cipa nr.05
conbetcursos
 

Semelhante a Treinamento Proteção Auditiva.pptx (20)

atividade 3.ppt
atividade 3.pptatividade 3.ppt
atividade 3.ppt
 
Cartilha de protecao auditiva
Cartilha de protecao auditivaCartilha de protecao auditiva
Cartilha de protecao auditiva
 
Proteoauditiva 140422100537-phpapp01
Proteoauditiva 140422100537-phpapp01Proteoauditiva 140422100537-phpapp01
Proteoauditiva 140422100537-phpapp01
 
Edição 23
Edição 23Edição 23
Edição 23
 
Proteção auditiva
Proteção auditivaProteção auditiva
Proteção auditiva
 
Proteção auditiva
Proteção auditivaProteção auditiva
Proteção auditiva
 
Proteção auditiva
Proteção auditivaProteção auditiva
Proteção auditiva
 
Treinamento dst
Treinamento dstTreinamento dst
Treinamento dst
 
Das Imagens Feias
Das Imagens FeiasDas Imagens Feias
Das Imagens Feias
 
Velocidade do som e poluição sonora
Velocidade do som e poluição sonoraVelocidade do som e poluição sonora
Velocidade do som e poluição sonora
 
Edição 14
Edição 14Edição 14
Edição 14
 
PROTEÇÃO AUDITIVA .pptx
PROTEÇÃO AUDITIVA .pptxPROTEÇÃO AUDITIVA .pptx
PROTEÇÃO AUDITIVA .pptx
 
Riscos FíSicos,Por Simone Tavares
Riscos FíSicos,Por Simone TavaresRiscos FíSicos,Por Simone Tavares
Riscos FíSicos,Por Simone Tavares
 
Ruído Laboral
Ruído LaboralRuído Laboral
Ruído Laboral
 
Prote o_auditiva
Prote  o_auditivaProte  o_auditiva
Prote o_auditiva
 
Efeitos do Ruido na Saúde sss.pdf
Efeitos do Ruido na Saúde sss.pdfEfeitos do Ruido na Saúde sss.pdf
Efeitos do Ruido na Saúde sss.pdf
 
Ruidos
RuidosRuidos
Ruidos
 
EPI - POSTO ppt.ppt
EPI - POSTO ppt.pptEPI - POSTO ppt.ppt
EPI - POSTO ppt.ppt
 
Treinamento de cipa nr.05
Treinamento de cipa   nr.05Treinamento de cipa   nr.05
Treinamento de cipa nr.05
 
Treinamento de cipa nr.05
Treinamento de cipa   nr.05Treinamento de cipa   nr.05
Treinamento de cipa nr.05
 

Último

Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
DanieldaSade
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
DanieldaSade
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (9)

Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 

Treinamento Proteção Auditiva.pptx

  • 1. Treinamento sobre perda auditiva induzida por ruído - PAIR
  • 2. Introdução Existem coisas que você não pode perder e a audição é uma delas. Em nossa vida diária, seja em casa, no trabalho existe inúmeras situações em que estamos expostos ao barulho. O trabalho na maioria das vezes se apresenta como situação mais perigosa em função de máquinas e equipamentos ruidosos.
  • 3. É perda provocada pela exposição por tempo prolongado a elevados níveis de pressão sonora (ruído). O que é PAIR?
  • 4. Conhecendo o Risco O QUE É O SOM? O som é uma vibração que se propaga pelo ar em forma de ondas e que é percebida pelo ouvido humano. É uma sensação agradável em nível suportável e que não irrita. Quando o som não é desejado, é molesto e incômodo, pode ser chamado de barulho. O QUE É O RUÍDO? O Ruído é uma mistura de tons, cujas frequências não seguem lei precisa e que diferem entre si por valores imperceptíveis ao ouvido humano, ou seja é “qualquer sensação sonora indesejável”.
  • 8. Tipos de Perdas Auditivas • Perda auditiva por exposição a ruído do trabalho; • Perda auditiva ocupacional; E ainda pode-se perder a audição com: • Solvente aromático: tolueno, xileno, benzeno, triclororoetileno, álcool etílico; • Metais: chumbo, arsênico e mercúrio; • Asfixiantes: monóxido de carbono, nitrato de butila. • Vibrações
  • 9. • Sua características clínica e médico pericial é de complexa abordagem. • Utiliza-se a classificação de MERLUZZI (1979), de grande vantagem, não utiliza o critério de médias e fácil aplicabilidade. • É considerado normal o indivíduo que apresenta um limiar auditivo bilateral igual ou inferior a 25 dB, conforme a ISSO 1999. Classificação da PAIR
  • 10. Sinais e Sintomas • Perda auditiva; • Zumbido; • Dificuldade de discriminação de fala
  • 11. • Tratamento: • É uma lesão irreversível; • Não existe nenhum tratamento medicamentoso ou cirúrgico para recuperação dos limiares auditivos; • A prevenção é a principal medida tomada antes da instalação da perda auditiva. perdas auditivas variam do nível de 1º Grau ao 4º Grau
  • 12. Lei • Lei 6514 de 22/12/77 que estabelece uma série de disposições quanto a segurança e medicina do trabalho. • Em 08/06/1978, surgem as Normas Regulamentadoras – NR's do MTE Conceito Legal NR 06 • Equipamento de Proteção Individual - EPI, é todo dispositivo ou produto , de uso individual, utilizado pelo trabalhador, destinado a proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho Legislaçã o
  • 13. Tipos de Protetor Auriculares
  • 18. Forma correta de utilização Plug de silicone
  • 19. Forma correta de utilização Abafador
  • 20. • Não manuseie o protetor com as mãos sujas; • Após o uso, guarde-o na embalagem para conservá-lo em bom estado de uso. • Instrução de limpeza • Lave diariamente com água e sabão neutro; • Depois enxague com água abundante e seque-o Cuidados com Protetor Auditivo
  • 21. • Portaria n.º 3214 / 78 , aprova as Normas Regulamentadoras – NR's do mesmo Capítulo. • Possui 33 normas , dentre as quais a NR-06 que trata sobre Equipamentos de Proteção Individual. Legislação Portaria
  • 22. • Item 6.3: A empresa é obrigada a fornecer aos empregados , de forma gratuita, EPI adequado ao risco, em perfeito estado de conservação e funcionamento , nas seguintes circunstâncias: • A) sempre que as medidas de ordem geral não ofereçam completa proteção contra os riscos de acidentes do trabalho ou de doenças profissionais e do trabalho; • B) enquanto as medidas de proteção coletiva estiverem sendo implantadas; • C) para atender a situações de emergência. Legislação Obrigatoriedade da empresa
  • 23. • Adquirir o EPI, adequado ao risco da atividade e exigir seu uso; • Fornecer somente o EPI aprovado pelo órgão nacional competente; • Orientar e treinar o trabalhador quanto a seu uso , guarda e conservação; • Adquirir o adequado ao risco da atividade; • Exigir seu uso; • Fornecer somente o EPI aprovado pelo órgão nacional competente; • Responsabilizar-se por sua manutenção e higienização; • Comunicar ao MTE qualquer irregularidade observada. • Substituir imediatamente quando extraviado ou danificado; Legislação Cabe ao empregador:
  • 24. No Brasil, a surdez é a segunda maior causa de doença profissional , sendo que o ruído afeta o homem, simultaneamente, nos planos físico, psicológico e social. Pode, com efeito: • • Lesar os órgãos auditivos; • Perturbar a comunicação; • Provocar irritação; • Ser fonte de fadiga; • Diminuir o rendimento do trabalho. • O risco da lesão auditiva aumenta com o nível de pressão sonora e com a duração da exposição, mas depende também das características do ruído, sem falarmos da suscetibilidade do individuo. Perda auditiva
  • 25. • O Ruído contínuo é o que permanece estável com variações máximas de 3 a 5 dB(A) durante um longo período. • O Ruído intermitente é um ruído com variações, maiores ou menores de intensidade. • O Ruído de impacto apresenta picos com duração menor de 1 segundo, a intervalos superiores a 1 segundo. Tipos de Ruído
  • 26. Por que medir o ruído? Quando se pretende realizar o controle de uma fonte de ruído, atender a legislação, ou mesmo, prever o nível de ruído de um local, ainda na fase de projeto, o ponto chave é a realização de medições.
  • 27. Anatomia do Ouvido O ouvido consiste em três partes básicas: • O ouvido externo, • O ouvido médio • O ouvido interno