Internacional	
  3	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  DIARIO	
  ON	
  LINE	
  (www.dgabc.com.br)	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
...
primeira	
  impressão	
  foi	
  a	
  de	
  que	
  a	
  conhecia	
  há	
  muitos	
  anos.	
  	
  Ela	
  me	
  perguntou	
  ...
Muito	
  gentil	
  e	
  educado,	
  embora	
  transparecendo	
  a	
  inquietude	
  natural	
  de	
  um	
  adolescente,	
  ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Article about Diana_ Brazil News

112 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
112
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Article about Diana_ Brazil News

  1. 1. Internacional  3                  DIARIO  ON  LINE  (www.dgabc.com.br)                                                                                                                                                                                                           Brasileira  revela  intimidade  de  Diana   A.jornalista  Elemar  de  Souza  Cruz,  que  mora  em  Londres,  escreve  depoimento  exclusivo  ao   Diário  OnLine  sobre  os  momentos  que  passou  ao  lado  da  princesa,  como  em  um  almoço   privado  no  Palácio  de  Kensington     Do  Diário  OnLine     A  jornalista  brasileira  Elemar  de  Souza  Cruz  Pearce,  que  trabalhou  no  Diário  no  final   dos  anos  80  e  entre  1990  e  1992,  e  que  mora  atualmente  em  Londres,  escreve  um  depoimento   exclusivo  e  emocionado  ao  Diário  OnLine  sobre  sua  convivência  com  a  princesa  Diana.     Envolvida  em  uma  instituição  de  caridade  apoiada  por  Lady  Di,  Elemar  teve  várias  conversas   com  a  princesa  e  desfrutou  de  sua  intimidade.    Nestes  contatos,  descobriu  uma  mulher   humilde,  com  enorme  coração,  apaixonada  pelas  crianças.    "Nas  minhas  lembranças  ficam  as   memórias  de  uma  tímida  mas  inquieta  personalidade,  sempre  disposta  a  se  lançar  à  frente   dos  mais  distintos  projetos,  transformando  a  visão  do  mundo",  testemunha.    Elemar  teve  um   almoço  privado  com  a  princesa  no  Palácio  de  Kensington,  no  qual  a  princesa  "abordou   assuntos  delicados".    No  almoço,  a  jornalista  brasileira  conheceu  o  príncipe  William,  15  anos,   herdeiro  do  trono.    "Ele  contou  de  suas  aspirações  em  ingressar  e  seguir  carreira  nas  forças   armadas  reais  britânicas.    Brincando,  ele  me  contou  que,  quando  criança,  seu  sonho  era  se   tornar  policial  de  rua".    A  seguir,  o  depoimento  de  Elemar:       Elemar  de  Souza  Cruz   Especial    para  o  Diário  do  Grande  ABC   LONDRES   O  que  dizer  de  um  ser  humano  tão  especial  quanto  a  princesa  Diana?    Para  aqueles  que,  como   eu,  tiveram  a  oportunidade  de  conhecê-­‐la  pessoalmente,  o  sentimento  de  perda  é  imenso.    As   imagens  imortalizadas  por  câmeras  do  mundo  inteiro  mostram  o  carinho  e  afeição  de  Diana   para  com  os  doentes  e  menos  afortunados.    Mas  há  muito  mais  por  traz  desta  alta,  bonita  e   sempre  elegante  princesa  que  conquistou  o  coração  de  súditos  ao  redor  do  globo.   Nas  minhas  lembranças  ficam  as  memórias  de  uma  tímida  mas  inquieta  personalidade,   sempre  disposta  a  se  lançar  à  frente  dos  mais  distintos  projetos,  transformando  a  visão  do   mundo.    Ela  era  o  exemplo  da  moderna  monarquia  que,  ironicamente,  a  baniu  do  palácio   real.    Pessoalmente,  ela  procurava  não  falar  sobre  seu  relacionamento  com  os  familiares   reais.    Mas,  talvez  em  conseqüência  dos  tristes  anos  em  que  sofreu  sozinha  entre  as  paredes   do  palácio,  ela  adquiriu  um  jeito  especial  de  mudar  de  assunto,  sem  perder  a  oportunidade  de   fazer  um  comentário  irônico,  como  se  não  fizesse  parte  do  mesmo  grupo.   Eu  me  lembro  bem  de  nosso  primeiro  encontro,  no  hospital  Harefield,  (em  Harefield,   Middlesex),  em  março  deste  ano.    Há  alguns  meses  tinha  me  envolvido  com  a  instituição  de   caridade  Chain  of  Hope,  cuja  sede  fica  no  bairro  de  Ealing,  em  Londres,  onde  moro,  Trata-­‐se   de  uma  instituição  que  traz  crianças  de  países  subdesenvolvidos  para  receberem  tratamento   especial  na  Inglaterra.  Meu  papel  era  tomar  conta  de  uma  menina  de  1  O  anos,  Zulfa  Sitoe,   vinda  de  Moçambique  para  fazer  uma  cirurgia  no  coração.   Em  visita  ao  hospital  para  testes  pré-­‐operatórios,  fui  informada  de  que  a  princesa  Diana   gostaria  de  falar  comigo  e  conhecer  pessoalmente  Zulfa.    Foi  um  encontro  casual  e  minha  
  2. 2. primeira  impressão  foi  a  de  que  a  conhecia  há  muitos  anos.    Ela  me  perguntou  de  onde  eu  era,   e  quando  disse  Brasil,  ela  ficou  encantada.   Ao  contrário  de  outros  membros  da  realeza,  que  impõe  rim  clima  de  formalidade,  Diana   conversava  num  tom  de  amizade,  deixando  todos  muito  a  vontade.    Lembro-­‐me  de  que  ela   havia  acabado  de  assistir  a  uma  operação,  e  tomávamos  café  em  copos  de  isopor.    Fiz  um   comentário  sobre  o  copo  e  ela  quase  derramou  o  café  sobre  suas  pernas.  Demos  muita  risada.   Sobre  sua  visita  ao  Brasil,  quando  ainda  era  casada  com  o  príncipe  Charles,  ela  disse  que   adorou  o  povo  mas  não  gostou  de  Brasília  porque  era  "muito  cinzenta".  Muito  pensativa,   acrescentou:  "Por  que  será  que  quanto  mais  o  povo  de  um  país  é  sofrido,  parece  que  as   pessoas  são  mais  amorosas  e  bondosas"".   Ao  sairmos  da  ante-­‐sala  de  operações,  notei  que  uma  senhora  portuguesa,  cujo  filho  havia   sido  operado  naqueles  dias,  esperava  há  duas  horas,  no  corredor  do  hospital,  por  uma   oportunidade  de  ver  a  princesa.    Como  ela  não  falava  inglês,  pediu  minha  ajuda.  Eram  cerca   de  21h30,  e,  mesmo  assim,  apesar  do  longo  dia  que  tivera,  Diana,  sem  exitar,  abriu  um  largo   sorriso  quando  lhe  perguntei  da  possibilidade  de  ir  conversar  com  a  tal  mulher  ela  disse:  "É   um  prazer".    Por  algum  tempo  ela  consolou  o  paciente  e  a  família,  dispôs-­‐se  a  tirar  fotos  de   recordação  sem  o  menor  problema.   E  era  esse  lado  da  princesa  cuja  história  começou  como  um  conto  de  fadas  que  muita  gente   viu  e  admirou.  As  visitas  aos  hospitais  eram  privadas.  Não  havia  publicidade  envolvida  ou   necessidade  de  auto  promoção.    Os  gestos  de  Diana  eram  espontâneos  e  valiosos,  uma  jóia   que  este  século  cultivou  e  esperava  brilhar  por  muito  tempo.    Mas,  tragicamente,  sua  vida   acabou  subitamente.   Após  nosso  primeiro  encontro,  uma  amiga  em  comum  disse  que  Diana  havia  perguntado  de   mim.    Acredito  que,  ao  longo  dos  anos  difíceis,  ela  desenvolveu  uma  capacidade  enorme  de   analisar  as  pessoas  em  pouco  tempo  de  contato.    Uma  das  coisas  que  ela  mais  admirava  era  a   honestidade  das  pessoas,  e,  pessoalmente,  disse-­‐me:  "Você  é  um  livro  aberto,  gosto  disso".   Entre  outras  memórias,  guardo  a  imagem  de  um  constante  sorriso  e  um  senso  de  humor   afiado,  típico  inglês.    Mas,  no  olhar,  Diana  escondia  um  profundo  sinal  de  tristeza,  marca  das   dificuldades  que  enfrentou  com  os  problemas  em  seu  casamento,  a  depressão  após  o   nascimento  do  segundo  filho,  que  culminou  com  bulimia.  É  difícil  imaginar  uma  pessoa  como   ela  confessar  que,  por  algum  tempo,  sofreu  da  doença  mais  comum  do  século  XX,  a  falta  de   amor  próprio.   Em  uma  de  suas  visitas  à  unidade  pediátrica  do  hospital  Harefield,  ela  embalava  um  bebê   recém-­‐nascido  que  tinha  sofrido  uma  cirurgia  cardíaca.    Brinquei  com  ela,  dizendo  que  estava   com  vontade  de  se  mãe  de  novo,  já  que  seus  filhos  estavam  crescidos.    Ela  riu  e  disse  que  não   se  via  na  posição  de  começar  de  novo,  porque  foi  mãe  muito  cedo  e  ainda  tinha  muito  que  dar   pai-­‐a  seus  filhos  em  termos  de  formação,  especialmente  William,  o  herdeiro  do  trono.    Este   era  um  de  seus  grandes  objetivos  na  vida.    Por  isso,  sofria  com  as  matérias  mentirosas   publicadas  nos  jornais  ingleses,  com  constante  interferência  em  sua  vida  pessoal.   Tive  a  oportunidade  de  ver  príncipe  William  apenas  uma  vez,  quando  Diana  me  convidou   para  um  almoço  privado  em  sua  casa,  em  Palácio  de  Kensington.    Acredito  que  a  positiva   influência  materna  ficará  nele  para  sempre.    O  jovem  príncipe  parece  ter  herdado  não  só  os   atributos  físicos  da  mãe,  mas  também  a  habilidade  de  tocar  as  pessoas  de  forma  especial.  
  3. 3. Muito  gentil  e  educado,  embora  transparecendo  a  inquietude  natural  de  um  adolescente,   William  contou  de  suas  aspirações  em  ingressar  e  seguir  carreira  nas  forças  armadas  reais   britânicas.    Brincando,  ele  me  contou  que,  quando  criança,  seu  sonho  era  se  tornal  policial  de   rua.    Fiquei  pensando...  "Você  nasceu  para  ser  rei.  Como  pode  pensar  em  ter  uma  outra   profissão?”   No  almoço  descontraído  que  tivemos  no  palácio,  ele  falou  que  havia  inventado  histórias  para   o  filho  mais  novo,  Harry,  convencendo-­‐o  de  que  este  teria  sido  adotado.    Diana,  sem  reprimi-­‐ lo,  achou  impossível  que  ele  tivesse  acreditado  em  tal  absurdo,  sendo  que  o  mundo  inteiro   tinha  prova  de  sua  gravidez  e  nascimento  dos  dois  filhos.   Sempre  com  muito  cuidado,  ela  abordou  assuntos  delicados,  como  o  interesse  do  filho  pela   caça  de  animais,  especialmente  da  raposa,  urna  tradição  inglesa.    Claramente  contrária  à   prática  de  tal  esporte,  Diana  respeitava  o  fato  de  que,  como  o  papa  (forma  carinhosa  dos   filhos  se  referirem  ao  pai,  o  príncipe  Charles),  William  acredita  que  a  caça  é  um  meio  de   exterminar  os  animais  que  causam  prejuízo  ou  trazem  doenças  às  fazendas,   Após  o  almoço,  ela  me  contou  que  Charles  havia  abandonado  a  prática  por  alguns  anos  e  seu   pai,  o  duque  de  Windsor,  fez  tamanha  pressão  que  ele  teve  que  voltar  às  caçadas.  Por  isso,  ela   acreditava  que  William  dificilmente  mudaria  sua  opinião,  mas  continuaria  conversando  com   ele  sobre  o  assunto.   O  carinho  de  Diana  para  com  as  crianças  era  incomparável.  Ela  sempre  se  dispunha  a  dar   prioridade  de  sua  atenção  a  uma  criança  presente,  como  fez  ao  conhecer  minha  filha   Rebecca.    Naquele  dia,  especialmente,  havia  sido  publicada  matéria  em  um  jornal  sobre  sua   visita  a  uma  clínica  de  pessoas  com  bulimia.    Uma  das  pacientes  com  quem  Diana  conversou   acabou  vendendo  sua  história  para  o  tal  tablóides,  o  que  a  deixou  muito  decepcionada.     Rebecca,  muito  inquisitiva,  perguntou  o  que  estava  acontecendo.    Sem  pudores  ou  receios,   ela  sentou  no  chão  de  sua  sala  e  explicou  para  minha  filha  sobre  a  tal  doença  que  tivera  e   sobre  a  falta  de  escrúpulos  de  certas  pessoas  em  revelar  confissões  que  ela  teria  feito  apenas   para  confortar  sofredores  do  mesmo  problema   Apesar  da  vida  tumultuada  que  viveu,  Diana  enxergava  as  coisas  de  forma  forma  clara  e   simples.    Não  fazia  rodeios  e  falava  o  que  pensava.    Não  que  ela  não  ponderasse  o  que  ia   dizer,  mas  não  temia  as  conseqüências  de  seus  atos  ou  palavras  verdadeiras.    Talvez  essa   qualidade  não  fosse  tão  admirada  pela  formalidade  da  realeza.    Lembro-­‐me  que,   inocentemente,  a  garota  africana  que  hospedei  e  cuidei  perguntou  a  ela  porque  este  país   ainda  tinha  uma  rainha.    Quase  sussurrando,  ela  astutamente  respondeu:  "Eu  também  não   sei  o  porquê".   Acredito  que  jamais  esquecerei  dos  momentos  que  convivemos,  embora  não  tenham  sido   tantos.  É  quase  impossível  recordar  de  cada  gesto  ou  palavra.    Minha  lembrança  de  ocasiões,   como  quando  ela  tocou  piano  para  mim,  minha  filha  e  uma  amiga,  em  sua  casa,  no  Palácio  de   Kensington.  Ou  quando  ela  nos  levou  ao  seu  quarto  e  deu  um  dos  bichos  de  pelúcia  de  sua   coleção  para  Rebecca,  uma  coruja  que  será  guardada  para  sempre  como  um  tesouro.   Mas,  acima  de  tudo,  guardarei  a  imagem  de  um  maravilhosos  ser  humano,  capaz  de  fazer   cada  indivíduo  se  sentir  especial,  independentemente  de  sua  posição  social,  nacionalidade,   cor  da  pele  ou  religião.    Ironicamente,  ao  mesmo  tempo  em  que  Diana  deixa  uma  legado   incomparável  pelas  sementes  plantadas  através  de  seu  trabalho,  ela  deixa  um  vazio  no  peito   de  milhões  de  súditos,  que  dificilmente  encontrarão  uma  substituta  para  a  sua  Queen  of   Hearts  (Rainha  dos  Corações).

×