Segundo slide de Biologia

9.009 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.009
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
161
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Segundo slide de Biologia

  1. 1. A celula Morfologia Funções Prof.: André Pontes
  2. 2. Introdução <ul><li>A célula representa a menor porção de matéria viva dotada da capacidade de autoduplicação independente. </li></ul><ul><li>São as unidades estruturais e funcionais dos organismos vivos. </li></ul><ul><li>Alguns organismos, tais como as bactérias, são unicelulares (consistem em uma única célula). Outros organismos, tais como os seres humanos, são pluricelulares. </li></ul>
  3. 3. Introdução <ul><li>A teoria da célula, desenvolvida primeiramente em 1839 por Matthias Jakob Schleiden e por Theodor Schwann, indica: </li></ul><ul><ul><li>todos os organismos são compostos de uma ou mais células. </li></ul></ul><ul><ul><li>todas as células vêm de células preexistentes. </li></ul></ul><ul><li>As funções vitais de um organismo ocorrem dentro das células, e todas elas contêm informação genética necessária para funções de regulamento da célula, e para transmitir a informação para a geração seguinte de células. </li></ul>
  4. 4. Introdução <ul><li>A palavra &quot;célula&quot; vem do latim: cellula (quarto pequeno). O nome descrito para a menor estrutura viva foi escolhido por Robert Hooke. </li></ul>Estruturas visualizadas aqui são formadas por células, que juntas desempenham papeis semelhantes.
  5. 5. Estrutura celular <ul><li>Na célula , estudaremos as organelas, o citoplasma e o núcleo : </li></ul>
  6. 6. Membrana Plasmatica <ul><li>Constituindo uma película muito fina, elástica e lipoprotéica, a membrana plasmática participa ativamente do metabolismo celular, selecionando, em certos casos, as substâncias que entram e saem da célula, de acordo com suas necessidades. </li></ul><ul><li>A membrana plasmática é composta por duas camadas de lipídios e moléculas de proteínas encaixadas entre estas camadas. </li></ul><ul><li>Algumas proteínas da membrana teriam papel enzimático, podendo, inclusive, alterar a sua forma e, assim, abrir ou fechar uma determinada passagem, permitindo ou impedindo o fluxo de certas substâncias. </li></ul><ul><li>Controle do volume celular ( vídeo ) </li></ul>
  7. 7. A permeabilidade da membrana plasmática <ul><li>A membrana plasmática não isola totalmente a célula do meio exterior. A célula precisa adquirir substâncias do meio externo, assim como precisa eliminar os resíduos de seu metabolismo. </li></ul><ul><ul><li>Nesse processo, a membrana exerce um grande controle sobre as substâncias que devem entrar ou sair da célula.Podemos distinguir dois tipos fundamentais de transporte: passivo e ativo. </li></ul></ul>
  8. 8. A permeabilidade da membrana plasmática <ul><li>Transporte passivo – sem consumo de energia </li></ul><ul><ul><li>O transporte passivo não exige consumo de energia no nível da membrana. A membrana, nesse caso, permite a livre passagem de substâncias, não apresentando caráter seletivo. São exemplos de transporte passivo a difusão, a difusão facilitada e a osmose. </li></ul></ul>
  9. 9. Transporte passivo <ul><li>Difusão ou difusão simples </li></ul><ul><ul><li>Movimento aleatório de partículas ( íons ou moléculas) de uma região de maior concentração para outra de menor concentração </li></ul></ul>
  10. 10. Transporte passivo <ul><li>Difusão facilitada </li></ul><ul><ul><li>Durante a difusão facilitada algumas moléculas, como a glicose, são ajudadas por proteínas que facilitam a entrada dessas substâncias. Tornando um processo de difusão mais rápida que a difusão simples. </li></ul></ul>
  11. 11. Transporte passivo <ul><li>Osmose </li></ul><ul><ul><li>Na osmose, um caso particular de difusão, ocorre um fluxo espontâneo apenas do solvente, do meio menos concentrado em soluto para o meio mais concentrado. </li></ul></ul>
  12. 12. Transporte passivo <ul><li>Transporte Ativo </li></ul><ul><ul><li>Nesse tipo de transporte há o gasto de energia (na forma de ATP) e ocorre contra um gradiente de concentração, isto é, as substâncias serão deslocadas de onde estão pouco concentradas para onde sua concentração já é alta. O exemplo clássico de transporte ativo é a BOMBA DE SÓDIO E POTÁSSIO. </li></ul></ul>ATP Na+ K+
  13. 13. CITOPLASMA <ul><li>Constituído principalmente de água e proteínas. </li></ul><ul><li>Na parte externa da célula, denominada ectoplasma, o citoplasma apresenta-se denso, em estado de gel. </li></ul><ul><li>Na parte interna, chamada endoplasma, o citoplasma apresenta-se na forma fluida. Os estados fluido e de gel podem sofrer mudanças e um transformar-se no outro principalmente durante os movimentos citoplasmáticos, como a ciclose. </li></ul><ul><li>Esse movimente permite movimentação dos orgânulos e outras substâncias dentro do citoplasma. </li></ul>
  14. 14. ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS <ul><li>ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS </li></ul><ul><ul><li>As organelas ou orgânulos celulares são estruturas citoplasmáticas especializadas na realização de determinadas funções. São elas: retículo endoplasmático, complexo golgiense, lisossomos, plastos, mitocôndrias, vacúolos, centríolos e peroxissomos. </li></ul></ul>Organelas celulare animal - Vídeo
  15. 15. RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO <ul><li>O retículo endoplasmático é formado por canais delimitados por membranas. Esses canais comunicam-se com o envoltório nuclear (carioteca). </li></ul><ul><li>O retículo endoplasmático pode ser considerado uma rede de distribuição, levando material de que a célula necessita, de um ponto qualquer até seu ponto de utilização.As membranas do retículo podem ou não exibir ribossomos aderidos em sua superfície externa. </li></ul><ul><li>No primeiro caso, a presença dos ribossomos confere à membrana do retículo uma aparência granulosa(rugosa); já na ausência desses grânulos, a membrana exibe um aspecto liso. Assim exixtem dois tipos básicos de retículos enoplasmáticos: o não-granuloso( ou liso) e o granuloso(rugoso). </li></ul>
  16. 16. Retículo endoplasmático <ul><li>Retículo endoplasmático liso ou não-granuloso(REL) </li></ul><ul><ul><li>Função: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Facilita o intercâmbio de substâncias entre as células e o meio externo </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Produção de lipídios( esteróides) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Armazena, no interior de certas cavidades, substâncias diversas retiradas do citoplasma </li></ul></ul></ul><ul><li>Retículo endoplasmático rugoso ou granuloso(RER) </li></ul><ul><ul><li>Função: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Exerce todas as funções do REL, além de produção de proteínas </li></ul></ul></ul>
  17. 17. COMPLEXO GOLGIENSE <ul><li>Em biologia celular, o complexo de Golgi, aparelho de Golgi, dictiossoma, golgiossomo ou complexo golgiense é uma organela encontrada em quase todas as células eucarióticas. O nome provém de Camilo Golgi, que foi quem o identificou. </li></ul><ul><li>Essa estrutura consiste num sistema de membranas lisas quen formam vesículas e sáculos achatados, dispostos paralelamente. </li></ul>
  18. 18. Complexo Golgiense <ul><li>Complexo golgiense: </li></ul><ul><ul><li>Função: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Armazenamento de proteínas </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Síntese de glicoproteínas – São polissacarídeos combinados a determinadas proteínas, originando o muco.Esse material é commumente encontrado em certas cavidades do corpo, como mas cavidades nasais. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Organização do acrossomo nos espermatozóides – O acrossomo é uma estrutura situada na cabeçla dos espermatozóides; forma-se do aclopamento do complexo golgiense com o núcleo do espermatozóide. O acrossomo contém enzimas que têm a função de promover a perfuração do invóluycro do óvulo por ocasião da fecundação </li></ul></ul></ul>
  19. 19. LISOSSOMOS <ul><li>As enzimas, sendo proteínas, são sintetizadas nos ribossomos. Distribuídas pelo REL, algumas enzimas migram até o complexo de golgi, onde ficam armazenadas. </li></ul><ul><li>Das bolsas e cisternas do complexo de Golgi desprendem-se vesículas cheias de enzimas digestórias cujo papel é promover a digestão de substância englobadas pela célula por fagocitose ou pinocitose. Essas péquenas vesículas são chamadas lisossomos. </li></ul>
  20. 20. LISOSSOMOS <ul><li>Quando uma ameba, por exmplo, engloba uma partícula alimentar por fagocitose, ou quando um glóbulo branco do sangue humano engloba uma bactéria por fagocitose, através da emissão de pseudópodes, forma-se no interior da célula um pequeno vacúolo, denominado fagossomo, que contém o material englobado. </li></ul><ul><li>Então, os lisossomos aproximam-se do fagossomo e com ele se fundem, liberando suas enzimas digestórias. Assim, forma-se o vacúolo digestório. </li></ul>
  21. 21. LISOSSOMOS <ul><li>No interior do vacúolo digestório ocorre a digestão do material ingerido e a consequente absorção de substâncias aproveitáveis pela célula. </li></ul><ul><li>Após a absorção das partículas úteis, restam no interior do vacúolo digestório resíduos diversos, que devem ser eliminados no meio externo. </li></ul><ul><li>O vacúolo digestório passa, então, a ser denominado vacúolo residual. Esse vacúolo dirige-se até a periferia da célula, onde, fundindo-se à membrana, lança no exterior os resíduos digestórios.A esse fenômeno dá-se o nome de exocitose. </li></ul>
  22. 22. PLASTOS <ul><li>São organelas encontradas em células vegetais ou de certos microorganismos. Os principais tipos de plastos são os leucoplastos e os cloroplastos. </li></ul><ul><li>Leucoplastos </li></ul><ul><ul><li>São plastos incolores, desprovidos de pigmentos, que se caracterizam por acumular substâncias nutritivas.Os leucoplastos que acumulam o amido, por exemplo, são comuns em órgãos de reserva de plantas, como a batata, a macaxeira, etc. </li></ul></ul><ul><li>Cloroplastos </li></ul><ul><ul><li>São plastos verdes, responsáveis pela realização da fotossíntese. Essas organelas possuem vários tipos de pigmanetos, entre os quais destacam-se as clorofilas, que têm a função de absorver energia luminosa. </li></ul></ul>
  23. 23. MITOCÔNDRIAS <ul><li>Organelas responsáveis pela respíração celular, portanto, constituem verdadeiras usinas de energia, onde a matéria organica é “moída”, fornecendo ao metabolismo celular a energia química acumulada em saus ligações.De fato, quanto maior a atividade metabólica de uma célula, maior deverá sero o número de mitocôndrias </li></ul>
  24. 24. VACÚOLOS <ul><li>São estruturas saculiformes encontradas em diversos tipos de células. </li></ul><ul><ul><li>Função: </li></ul></ul><ul><ul><li>Armazenamento de substâncias( açúcares, óleos, sais) </li></ul></ul><ul><ul><li>Regulação osmótica </li></ul></ul>
  25. 25. CENTRÍOLOS <ul><li>Organelas fibrilares constituídas por 27 túbulos de natureza protéica, organizados em nove grupos de três.Os centríolos não aparecem nas células vegetais em geral. </li></ul><ul><ul><li>Função: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Relacionados ao processo de de divisão celular </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Formação e cordenação dos cílios e flagelos </li></ul></ul></ul>
  26. 26. PEROXISSOMOS <ul><li>São pequenas organelas repletas de enzimas diversas, como a catalase . Essa enzima é capaz de decompor o peróxido de hidrogênio (água oxigenada) em água comum e gás oxigênio. </li></ul><ul><li>A importância dessa decomposição torna-se evidente principalmente pelo fato de a água oxigenada é bastante tóxica para uma célula, sendo, porém, normalmente produzida em seu interior, aparecendo como subproduto de diversas reações celulares. </li></ul>
  27. 27. NÚCLEO <ul><li>O núcleo celular, estrutura primeiramente descrita por Franz Bauer, em 1802, é uma estrutura presente nas células eucariontes, que contém o ADN (ou DNA) da célula. </li></ul><ul><li>É delimitado pelo envoltório nuclear, e se comunica com o citoplasma através dos poros nucleares. O núcleo possui duas funções básicas: regular as reações químicas que ocorrem dentro da célula, e armazenar as informações genéticas da célula.Apresenta os seguintes componentes </li></ul>
  28. 28. Núcleo <ul><li>CARIOTECA </li></ul><ul><li>O envoltório nuclear, também conhecido como invólucro nuclear, envelope nuclear, carioteca, cariomembrana ou membrana nuclear (este termo não é muito apropriado, pois é formado na verdade por duas membranas), é uma estrutura que envolve o núcleo das células eucarióticas, responsável por separar o conteúdo do núcleo celular (em particular o DNA) do citosol. </li></ul>
  29. 29. Núcleo <ul><li>CARIOLINFA </li></ul><ul><ul><li>Conhecido como nucleoplasma ou suco nuclear é uma massa incolor constituída principalmente de água e proteínas que preenche o núcleo celular que contém os filamentos de cromatina e o nucléolo. Suas funções são dar forma à célula, sustentação e preenchimento.É um local onde ocorrem reações e sua composição química é variada. </li></ul></ul><ul><li>CROMATINA </li></ul><ul><ul><li>Em biologia, chama-se cromatina ao complexo de DNA e proteínas (que juntas denomina-se cromossoma) que se encontra dentro do núcleo celular nas células eucarióticas. </li></ul></ul>
  30. 30. Núcleo <ul><li>NUCLÉOLO </li></ul><ul><ul><li>Nucléolo é um organóide presente em células eucarióticas, ligado principalmente à coordenação do processo reprodutivo das células (embora desapareça logo no início da divisão celular) e ao controle dos processos celulares básicos, pelo fato de conter trechos de DNA específicos, além de inúmeras proteínas. </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>São corpúsculos arredondados de aspecto esponjoso, mergulhados diretamente no nucleoplasma, uma vez que não possuem membrana envolvente.O nucléolo tem por função a organização dos ribossomos. Quanto maior o seu número e tamanho, maior é a síntese protéica da célula </li></ul></ul></ul>
  31. 31. FIM

×