SlideShare uma empresa Scribd logo
SECREÇÃO E
DIGESTÃO
CELULAR
PROF: FÁBIO JOSÉ
FORMAÇÃO: BACHAREL E LICENCIADO EM
CIÊNCIAS BIOLÓGICAS/ ANALISTA CLÍNICO
COMPLEXO DE GOLGI
O Complexo de Golgi e a Secreção Celular
• A denominação aparelho ou complexo de Golgi é uma homenagem ao
citologista italiano Camilo Golgi, que, em 1898, descobriu essa estrutura
citoplasmática.
• Ao verificar que certas regiões com citoplasma celular se coravam por sais de
ósmio de prata, Golgi imaginou que ali deveria existir algum tipo de estrutura,
posteriormente confirmada pela microscopia eletrônica.
COMPLEXO DE GOLGI
Dictiossomos
• O aparelho de Golgi está presente em praticamente todas as células
eucariontes, e consiste de bolsas membranosas achatadas, empilhadas
como pratos.
• Cada uma dessas pilhas recebe o nome de dictiossomo. Nas células
animais, os dictiossomos geralmente se encontram reunidos em um único
local, próximo ao núcleo. Nas células vegetais, geralmente há vários
dictiossomos espalhados pelo citoplasma.
O Complexo de Golgi e a
Secreção Celular
• As células que sintetizam muita proteína para secreção possuem um
ergastoplasma muito desenvolvido. As proteínas passam, depois de sintetizadas,
para o complexo de Golgi.
• Esse organóide pertence ao conjunto de cavidades intracelulares delimitadas por
membrana lipoprotéica. Na verdade, são pilhas de sacos achatados, dispersos no
citoplasma, em cuja periferia surgem pequenas vesículas por brotamento.
O Complexo de Golgi e a
Secreção Celular
• Nos sacos do complexo de Golgi, muitas substâncias podem ser acumuladas,
concentradas e empacotadas nas vesículas.
• As proteínas produzidas no ergastoplasma podem ser concentradas no complexo
de Golgi e ligadas a açúcares ou a gorduras, formando as glicoproteínas e as
lipoproteínas, respectivamente.
• O Complexo de Golgi tem papel destacado nas células que produzem
proteínas para exportação. A produção de substâncias que serão
exteriorizadas e que têm alguma função fora das células produtoras constitui
a secreção celular.
O Complexo de Golgi e a
Secreção Celular
• A análise da atividade secretora pode ser feita em uma célula secretora típica,
como uma célula acinosa do pâncreas. Todo o processo de secreção é
unidirecional, e a célula secretora tem um padrão polarizado. O processo se
inicia na região basal e termina na região apical da célula.
• Os aminoácidos, matéria-prima para a produção das proteínas, entram na
célula pela base, rica em ergastoplasma, e são empregados na produção de
proteínas (fase de síntese). Em vesículas que surgem do ergastoplasma,
essas proteínas se dirigem às vesículas do complexo de Golgi. Essas vesículas
se fundem aos sacos do complexo de Golgi nas suas faces cis ou formativas,
voltadas para o ergastoplasma.
O Complexo de Golgi e a
Secreção Celular
• Da face oposta, a face trans ou face de maturação, começam a se desprender
grânulos contendo as proteínas que já passaram pelas transformações pós-
traducionais (fase de concentração e de embalagem).
• Esses grânulos, agora chamados grânulos de zimógeno, sobem em direção à
região apical da célula (fase de armazenamento).
• Finalmente, esses grânulos se abrem e despejam as secreções no exterior da
célula. No caso especial das células dos ácinos pancreáticos, essa secreção é
formada por enzimas digestivas que, posteriormente, serão lançadas no intestino
delgado como componentes do suco pancreático.
OUTRAS FUNÇÕES DO
COMPLEXO DE GOLGI
Formação dos lisossomos: as enzimas produzidas no
ergastoplasma são transferidas para o complexo de Golgi e empacotadas em
vesículas que irão participar da digestão intracelular. Essas vesículas cheias
de enzimas digestivas são os lisossomos.
OUTRAS FUNÇÕES DO
COMPLEXO DE GOLGI
• Formação da parede das células vegetais: na mitose das células
vegetais, o complexo de Golgi entra em intensa atividade, produzindo materiais que
se acumulam em vesículas e posteriormente se depositam entre os dois núcleos
recém-formados.
• Essas vesículas migram para uma região entre os dois núcleos, se alinham para
constituir a nova parede celulra que irá separar as duas células-filhas. As vesículas
alinhadas na nova parede são chamadas fragmoplasto.
OUTRAS FUNÇÕES DO
COMPLEXO DE GOLGI
• Formação do acrossomo dos espermatozóides: durante a
formação dos gametas masculinos, os sacos do complexo de Golgi das células
fomadoras se aproximam do núcleo dessas células.
• As vesículas começam a se fundir, até formar uma vesícula única, o acrossomo,
que contém enzimas importantes para o momento da fecundação, quando o
espermatozóide perfura a membrana do óvulo, permitindo a fecundação.
OUTRAS FUNÇÕES DO
COMPLEXO DE GOLGI
• Síntese de Carboidratos: No interior dos sacos lameliformes, são
formados alguns tipos de carboidratos, como os que compõe a parede celular(
hemicelulose), a lamela média ( pectina) e parte do muco que recobre o estômado e
o intestino(mucopolissacarídeos).
• Nos vegetais, as unidades básicas como a glicose, para produção desses
carboidratos foram produzidas nos cloroplastos através do processo de
fotossíntese. Nos animais, essas unidades foram obtidas através da alimentação.
Os Lisossomos e a
Digestão Intracelular
• Dá-se o nome de digestão ao processo de quebra das macromoléculas dos
alimentos em unidades menores. Nos protozoários e nas esponjas a digestão dos
alimentos ocorre total ou parcialmente dentro das células (digestão intracelular).
• Nos animais dotados de um tubo digestivo, a fragmentação dos alimentos acontece
no interior do tubo digestivo, e quando o alimento é distribuído para as células do
corpo desses animais, já se encontra processado. Essa digestão que se dá no tubo
digestivo é chamada digestão extracelular.
Os Lisossomos e a
Digestão Intracelular
• Nos animais, a digestão intracelular tem alguns papéis bastante específicos,
como o combate aos agentes infecciosos (bactérias e vírus) ou a digestão de
organóides intracelulares velhos ou danificados.
• A digestão intracelular conta com a participação das enzimas presentes no
interior doslisossomos. São vesículas revestidas por membranas lipoprotéicas
que possuem, em seu interior, enzimas hidrolíticas (ou hidrolases), que
catalisam as reações de hidrólise:
Os Lisossomos e a
Digestão Intracelular
• Enzima
AB + H2O =============> A + B
• Todas as reações de quebra dos alimentos são reações de hidrólise. Por exemplo,
vejamos a digestão da sacarose, o açúcar de cana:
• sacarase
sacarose + H2O ========> glicose + frutose
Os Lisossomos e a
Digestão Intracelular
• As enzimas lisossomais são sintetizadas no ergastoplasma, transferidas para os
sáculos do complexo de Golgi e empacotadas em vesículas membranosas,
os lisossomos primários.
• Os lisossomos atuam em três processos:
ENGLOBAMENTO DE
PARTÍCULAS
• Em algumas células ocorrem processos que permitem a entrada de partículas
(sólidas ou líquidas) do meio externo para o interior da célula. Esses processos
são chamados genericamente de endocitose e geralmente ocorrem em células
que constituem organismos unicelulares, vivendo em meio aquoso.
• Algumas células de organismos multicelulares também podem realizar esses
processos, mas neste caso a função não é alimentar, e sim de defesa. A
endocitose pode ocorrer de duas maneiras: por fagocitose ou por pinocitose.
ENGLOBAMENTO DE
PARTÍCULAS
• Fagocitose: Processo utilizado pela célula para englobar partículas sólidas,
que lhe irão servir de alimento. A célula produz expansões da membrana plasmática
(pseudópodes) que envolvem as partículas e as englobam. Primeiramente, a
partícula fica em uma bolsa que recebe o nome de fagossomo.
• Depois esta bolsa se une ao lisossomo, (que contém as enzimas digestivas), para
que a digestão aconteça e os materiais úteis sejam aproveitados pela célula. Essa
segunda bolsa recebe o nome de vacúolo digestivo e o processo todo é chamado
de digestão intracelular heterofágica.
ENGLOBAMENTO DE
PARTÍCULAS
• Quando o processo de digestão intracelular ocorre sem que o material digerido
venha de fora por meio da fagocitose, isto é, quando ela digere material da própria
célula (como organelas velhas em processo de degeneração) fala-se em digestão
intracelular autofágica e os vacúolos são chamados de vacúolos autofágicos.
• A digestão intracelular autofágica é relacionada a um importante
mecanismo das células eucarióticas chamado de apoptose, também
chamada de suicídio celular. Este processo nada mais é do que a morte
programada de uma célula que ocorre normalmente, pois ao longo do
desenvolvimento muitas células morrem como parte normal do processo.
ENGLOBAMENTO DE
PARTÍCULAS
• Quando as células que já não têm utilidade perdem a capacidade de se autodestruir,
elas perdem a função e formam massas de células como os tumores.
• Em ambos os casos, o material não digerido permanece no interior da bolsa
membranosa, que passa a se chamar vacúolo residual, podendo ser depois
eliminado da célula.
• As amebas e protozoários, por exemplo, utilizam-se do processo de fagocitose para
capturar partículas alimentares que, uma vez dentro da célula, são digeridas nesse
processo. Em nosso organismo, alguns glóbulos brancos utilizam a fagocitose para
englobar microorganismos invasores, como bactérias, inativando-as.
•
ENGLOBAMENTO DE
PARTÍCULAS
• PINOCITOSE: Processo semelhante ao da fagocitose, pelo qual certas células
ingerem líquidos ou pequenas partículas através de minúsculos canais que se
formam em sua membrana plasmática.
• Quando as bordas desse canal se fecham, contendo o alimento em seu interior,
forma-se uma bolsa membranosa chamada de pinossomo.
• Posteriormente esses materiais são digeridos e aproveitados pela célula. No
organismo humano, por exemplo, é através do processo de pinocitose que as
células do intestino delgado capturam gotículas de lipídios resultantes da digestão.
ENGLOBAMENTO DE
PARTÍCULAS
• O caminho inverso também pode ser percorrido por determinadas substâncias que
devem ser eliminadas da célula, em organismos unicelulares.
• Isto ocorre, por exemplo, através de um processo chamado de clasmocitose e que
garante a eliminação de resíduos celulares não digeridos.
• Os resíduos envoltos em uma bolsa membranosa são levados até a membrana
plasmática, onde a bolsa se funde a ela, eliminando seu conteúdo para o exterior da
célula, em meio aquoso, em um processo inverso ao que ocorre na fagocitose.
TIPOS DE DIGESTÃO
INTRACELULAR
• Digestão Heterofágica: É a digestão de partículas englobadas pelas
células por pinocitose ou por fagocitose. O alimento englobado permanece em uma
vesícula, o vacúolo alimentar (fagossomo ou pinossomo, de acordo com o
processo empregado em seu englobamento).
• Os lisossomos se fundem com o vacúolo alimentar, formando os lisossomos
secundários ou vacúolos digestivos.
• Nessa vesícula, os alimentos sofrem a ação das enzimas digestivas dos lisossomos
primários e são digeridos. Suas macromoléculas são hidrolisadas, resultando em
moléculas pequenas que passam através da membrana do vacúolo digestivo e
chegam ao hialoplasma.
TIPOS DE DIGESTÃO
INTRACELULAR
• Ao término da digestão, restam no vacúolo digestivo apenas essas moléculas não-
assimiladas, e essa vesícula passa a ser chamada de corpo residual.
• Quando o corpo residual se funde com a membrana plasmática, elimina o seu
conteúdo para o meio extracelular em um processo conhecido
por clasmocitose ou defecação celular.
• Algumas das células humanas, como os glóbulos brancos do sangue, fagocitam e
digerem bactérias causadoras de doenças. O mecanismo pelo qual as bactérias são
destruídas dentro dessas células é semelhante à digestão intracelular anteriormente
descrita.
TIPOS DE DIGESTÃO
INTRACELULAR
• Digestão Autofágica: As enzimas dos lisossomos podem digerir
componentes de uma célula, transformando um tipo celular em outro.
• Estruturas celulares velhas, danificadas ou afuncionantes, como mitocôndrias ou
partes do retículo endoplasmático, podem ser englobadas pelos lisossomos
primários, formando o vacúolo autofágico. Trata-se de uma forma bastante eficiente
e econômica de reaproveitamento de matéria orgânica.
TIPOS DE DIGESTÃO
INTRACELULAR
• A digestão de componentes celulares pela liberação das enzimas lisossomais
também acontece durante a metamorfose dos girinos, na sua transformação em
anfíbios adultos.
• A cauda desaparece progressivamente, e o seu material é empregado pelo animal
para completar a sua conversão em adulto.
Metamorfose: larva adulto
A digestão de componentes celulares pela liberação das enzimas lisossomais também
acontece durante a metamorfose dos girinos, na sua transformação em anfíbios
adultos. A cauda desaparece progressivamente, e o seu material é empregado pelo
animal para completar a sua conversão em adulto.
MORTE CELULAR
• Autólise: Processo de autodestruição celular, onde a membrana do lisossomo se
rompe e libera as enzimas digestivas no citoplasma, causando a destruição da célula.
Podemos citar como principal exemplo da autólise a regressão da cauda dos girinos
durante a metamorfose.
• Frequentemente confundida com a autólise, a apoptose é um processo de morte celular
programada, importante para eliminar células supérfluas ou defeituosas.
• A célula recebe um estímulo específico com sinais geneticamente programados,
indicando a sua morte. Pode ocorrer de forma fisiológica, para fazer a manutenção e
equilibrar o organismo ou de forma patológica, quando ocorre alguma lesão no DNA,
como a radiação por exemplo, desencadeando a morte da célula.
MORTE CELULAR
• Apoptose: Frequentemente confundida com a autólise, a apoptose é um
processo de morte celular programada, importante para eliminar células supérfluas
ou defeituosas.
• A célula recebe um estímulo específico com sinais geneticamente programados,
indicando a sua morte. Pode ocorrer de forma fisiológica, para fazer a manutenção e
equilibrar o organismo ou de forma patológica, quando ocorre alguma lesão no DNA,
como a radiação por exemplo, desencadeando a morte da célula.
DIGESTÃO
EXTRACELULAR
• Digestão Extracelular: Por exocitose, as enzimas dos lisossomos podem
ser exteriorizadas e agir fora das células. No tecido ósseo, por exemplo, existem
células chamadas osteoclastos, que são ricas em lisossomos. Sob certos estímulos,
liberam as suas enzimas, que passam a digerir a matriz óssea, remodelando o osso.
• Esse mecanismo permite o crescimento do indivíduo e a consolidação das fraturas,
ou ainda a liberação de parte do cálcio acumulado nos ossos, liberado então para a
corrente sangüínea.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 5 secreção e digestão celular
Aula 5   secreção e digestão celularAula 5   secreção e digestão celular
Aula 5 secreção e digestão celular
MARCIAMP
 
Sistema urinário
Sistema urinárioSistema urinário
Sistema urinário
César Milani
 
Aula 07 núcleo e cromossomos
Aula 07   núcleo e cromossomosAula 07   núcleo e cromossomos
Aula 07 núcleo e cromossomos
Hamilton Nobrega
 
Fungos
FungosFungos
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
Juliana Lima
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)
Bio
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
Nelson Costa
 
MEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTE
MEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTEMEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTE
MEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTE
MARCIAMP
 
Noções de evolução
Noções de evoluçãoNoções de evolução
Noções de evolução
emanuel
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
emanuel
 
Reprodução seres vivos 2011
Reprodução seres vivos   2011Reprodução seres vivos   2011
Reprodução seres vivos 2011
Roberto Bagatini
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
profatatiana
 
Embriogenese
EmbriogeneseEmbriogenese
Embriogenese
César Milani
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
Sheila Cassenotte
 
Reprodução Assexuada
Reprodução AssexuadaReprodução Assexuada
Reprodução Assexuada
Catir
 
Aula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetalAula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetal
BIOLOGIA Associação Pré-FEDERAL
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoários e protozooses
Protozoários e protozoosesProtozoários e protozooses
Protozoários e protozooses
Guilherme Orlandi Goulart
 
Aula 1º Ano Ensino Médio: Embriologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Embriologia animal/humanaAula 1º Ano Ensino Médio: Embriologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Embriologia animal/humana
Ronaldo Santana
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia

Mais procurados (20)

Aula 5 secreção e digestão celular
Aula 5   secreção e digestão celularAula 5   secreção e digestão celular
Aula 5 secreção e digestão celular
 
Sistema urinário
Sistema urinárioSistema urinário
Sistema urinário
 
Aula 07 núcleo e cromossomos
Aula 07   núcleo e cromossomosAula 07   núcleo e cromossomos
Aula 07 núcleo e cromossomos
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
 
MEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTE
MEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTEMEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTE
MEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTE
 
Noções de evolução
Noções de evoluçãoNoções de evolução
Noções de evolução
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
 
Reprodução seres vivos 2011
Reprodução seres vivos   2011Reprodução seres vivos   2011
Reprodução seres vivos 2011
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 
Embriogenese
EmbriogeneseEmbriogenese
Embriogenese
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
 
Reprodução Assexuada
Reprodução AssexuadaReprodução Assexuada
Reprodução Assexuada
 
Aula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetalAula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetal
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
 
Protozoários e protozooses
Protozoários e protozoosesProtozoários e protozooses
Protozoários e protozooses
 
Aula 1º Ano Ensino Médio: Embriologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Embriologia animal/humanaAula 1º Ano Ensino Médio: Embriologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Embriologia animal/humana
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 

Destaque

Digestão intracelular e extracelular
Digestão intracelular e extracelularDigestão intracelular e extracelular
Digestão intracelular e extracelular
Wagner Andrade
 
Digestão
DigestãoDigestão
Digestão
margaridabt
 
Secreção celular
Secreção celularSecreção celular
Secreção celular
letyap
 
年も明けたので、ろくろ
年も明けたので、ろくろ年も明けたので、ろくろ
年も明けたので、ろくろ
Yuichi Sato
 
Digestao Extracelular
Digestao ExtracelularDigestao Extracelular
Digestao Extracelular
spondias
 
Citoplasma
CitoplasmaCitoplasma
Citoplasma
BIOGERALDO
 
Lisossomos
LisossomosLisossomos
Ingestao digestao e_absorcao
Ingestao digestao e_absorcaoIngestao digestao e_absorcao
Ingestao digestao e_absorcao
Daniel Gonçalves
 
Bg10 obtenção de matéria - ingestão, digestão e absorção
Bg10   obtenção de matéria - ingestão, digestão e absorçãoBg10   obtenção de matéria - ingestão, digestão e absorção
Bg10 obtenção de matéria - ingestão, digestão e absorção
Nuno Correia
 
Ecossistemas e reinos
Ecossistemas e reinosEcossistemas e reinos
Ecossistemas e reinos
Ana Castro
 
(5) biologia e geologia 10º ano - obtenção de matéria
(5) biologia e geologia   10º ano - obtenção de matéria(5) biologia e geologia   10º ano - obtenção de matéria
(5) biologia e geologia 10º ano - obtenção de matéria
Hugo Martins
 
Vacúolo
VacúoloVacúolo
Vacúolo
Lucas Sousa
 
Célula e diferenciação celular
Célula e diferenciação celularCélula e diferenciação celular
Célula e diferenciação celular
João Marcos Filho
 
Posições relativas entre dois planos
Posições relativas entre dois planosPosições relativas entre dois planos
Posições relativas entre dois planos
djmauriciomoreira
 
Biosfera power point
Biosfera  power point Biosfera  power point
Biosfera power point
margaridabt
 
Comunicação celular
Comunicação celularComunicação celular
Comunicação celular
keizacristina
 
Histologia animal
Histologia animalHistologia animal
Histologia animal
MARCIAMP
 
Membrana e transporte
Membrana e transporteMembrana e transporte
Membrana e transporte
Daiane Costa
 
Aula zoologia de vertebrados1
Aula zoologia de vertebrados1Aula zoologia de vertebrados1
Aula zoologia de vertebrados1
MARCIAMP
 
Sistema Digestório
Sistema DigestórioSistema Digestório
Sistema Digestório
Ubirajara Neves
 

Destaque (20)

Digestão intracelular e extracelular
Digestão intracelular e extracelularDigestão intracelular e extracelular
Digestão intracelular e extracelular
 
Digestão
DigestãoDigestão
Digestão
 
Secreção celular
Secreção celularSecreção celular
Secreção celular
 
年も明けたので、ろくろ
年も明けたので、ろくろ年も明けたので、ろくろ
年も明けたので、ろくろ
 
Digestao Extracelular
Digestao ExtracelularDigestao Extracelular
Digestao Extracelular
 
Citoplasma
CitoplasmaCitoplasma
Citoplasma
 
Lisossomos
LisossomosLisossomos
Lisossomos
 
Ingestao digestao e_absorcao
Ingestao digestao e_absorcaoIngestao digestao e_absorcao
Ingestao digestao e_absorcao
 
Bg10 obtenção de matéria - ingestão, digestão e absorção
Bg10   obtenção de matéria - ingestão, digestão e absorçãoBg10   obtenção de matéria - ingestão, digestão e absorção
Bg10 obtenção de matéria - ingestão, digestão e absorção
 
Ecossistemas e reinos
Ecossistemas e reinosEcossistemas e reinos
Ecossistemas e reinos
 
(5) biologia e geologia 10º ano - obtenção de matéria
(5) biologia e geologia   10º ano - obtenção de matéria(5) biologia e geologia   10º ano - obtenção de matéria
(5) biologia e geologia 10º ano - obtenção de matéria
 
Vacúolo
VacúoloVacúolo
Vacúolo
 
Célula e diferenciação celular
Célula e diferenciação celularCélula e diferenciação celular
Célula e diferenciação celular
 
Posições relativas entre dois planos
Posições relativas entre dois planosPosições relativas entre dois planos
Posições relativas entre dois planos
 
Biosfera power point
Biosfera  power point Biosfera  power point
Biosfera power point
 
Comunicação celular
Comunicação celularComunicação celular
Comunicação celular
 
Histologia animal
Histologia animalHistologia animal
Histologia animal
 
Membrana e transporte
Membrana e transporteMembrana e transporte
Membrana e transporte
 
Aula zoologia de vertebrados1
Aula zoologia de vertebrados1Aula zoologia de vertebrados1
Aula zoologia de vertebrados1
 
Sistema Digestório
Sistema DigestórioSistema Digestório
Sistema Digestório
 

Semelhante a Secreção e digestão celular

Organelas slides
Organelas slidesOrganelas slides
Citoplasma - Lisossomos e Mitocôndria.ppt
Citoplasma - Lisossomos e Mitocôndria.pptCitoplasma - Lisossomos e Mitocôndria.ppt
Citoplasma - Lisossomos e Mitocôndria.ppt
AlexAnjos11
 
Organelas CITOPLASMATICAS
Organelas CITOPLASMATICASOrganelas CITOPLASMATICAS
Organelas CITOPLASMATICAS
Adriano Antonholi
 
aula de citologia para tecnico em enfermagem
aula de citologia para tecnico em enfermagemaula de citologia para tecnico em enfermagem
aula de citologia para tecnico em enfermagem
LanaMonteiro8
 
Complexo golgiense
Complexo golgienseComplexo golgiense
Complexo golgiense
Iuri Fretta Wiggers
 
Complexo golgiense
Complexo golgienseComplexo golgiense
Complexo golgiense
Iuri Fretta Wiggers
 
Organelas celulares
Organelas celularesOrganelas celulares
Organelas celulares
Bruno Bosi
 
Organelas celulares
Organelas celularesOrganelas celulares
Organelas celulares
colegioibituruna
 
Citologia parte III
Citologia parte IIICitologia parte III
Citologia parte III
Elisa Dos Santos Cardoso
 
Orgânulos do citoplasma
Orgânulos do citoplasmaOrgânulos do citoplasma
Orgânulos do citoplasma
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Organelas Celulares
Organelas CelularesOrganelas Celulares
Organelas Celulares
Victor Hugo
 
Celula pdf
Celula pdfCelula pdf
Celula pdf
Perilo Filho
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
Andrey Moreira
 
Biologia Celular – Aula I.pptx
Biologia Celular – Aula I.pptxBiologia Celular – Aula I.pptx
Biologia Celular – Aula I.pptx
PedroCampani
 
organelas citoplasmáticas I.pptx
organelas citoplasmáticas I.pptxorganelas citoplasmáticas I.pptx
organelas citoplasmáticas I.pptx
LuizRenato25
 
O núcleo celular é a região da célula eucarionte em que ocorre o controle das...
O núcleo celular é a região da célula eucarionte em que ocorre o controle das...O núcleo celular é a região da célula eucarionte em que ocorre o controle das...
O núcleo celular é a região da célula eucarionte em que ocorre o controle das...
fernandoalvescosta3
 
O núcleo celular é a região da célula eucarionte em que ocorre o controle das...
O núcleo celular é a região da célula eucarionte em que ocorre o controle das...O núcleo celular é a região da célula eucarionte em que ocorre o controle das...
O núcleo celular é a região da célula eucarionte em que ocorre o controle das...
fernandoalvescosta3
 
ORGANELAS.pptx
ORGANELAS.pptxORGANELAS.pptx
ORGANELAS.pptx
RayanneKaroline
 
Bio Celular
Bio CelularBio Celular
Bio Celular
ISJ
 
Citoplasma e organela
Citoplasma e organelaCitoplasma e organela
Citoplasma e organela
victor medeiros
 

Semelhante a Secreção e digestão celular (20)

Organelas slides
Organelas slidesOrganelas slides
Organelas slides
 
Citoplasma - Lisossomos e Mitocôndria.ppt
Citoplasma - Lisossomos e Mitocôndria.pptCitoplasma - Lisossomos e Mitocôndria.ppt
Citoplasma - Lisossomos e Mitocôndria.ppt
 
Organelas CITOPLASMATICAS
Organelas CITOPLASMATICASOrganelas CITOPLASMATICAS
Organelas CITOPLASMATICAS
 
aula de citologia para tecnico em enfermagem
aula de citologia para tecnico em enfermagemaula de citologia para tecnico em enfermagem
aula de citologia para tecnico em enfermagem
 
Complexo golgiense
Complexo golgienseComplexo golgiense
Complexo golgiense
 
Complexo golgiense
Complexo golgienseComplexo golgiense
Complexo golgiense
 
Organelas celulares
Organelas celularesOrganelas celulares
Organelas celulares
 
Organelas celulares
Organelas celularesOrganelas celulares
Organelas celulares
 
Citologia parte III
Citologia parte IIICitologia parte III
Citologia parte III
 
Orgânulos do citoplasma
Orgânulos do citoplasmaOrgânulos do citoplasma
Orgânulos do citoplasma
 
Organelas Celulares
Organelas CelularesOrganelas Celulares
Organelas Celulares
 
Celula pdf
Celula pdfCelula pdf
Celula pdf
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
Biologia Celular – Aula I.pptx
Biologia Celular – Aula I.pptxBiologia Celular – Aula I.pptx
Biologia Celular – Aula I.pptx
 
organelas citoplasmáticas I.pptx
organelas citoplasmáticas I.pptxorganelas citoplasmáticas I.pptx
organelas citoplasmáticas I.pptx
 
O núcleo celular é a região da célula eucarionte em que ocorre o controle das...
O núcleo celular é a região da célula eucarionte em que ocorre o controle das...O núcleo celular é a região da célula eucarionte em que ocorre o controle das...
O núcleo celular é a região da célula eucarionte em que ocorre o controle das...
 
O núcleo celular é a região da célula eucarionte em que ocorre o controle das...
O núcleo celular é a região da célula eucarionte em que ocorre o controle das...O núcleo celular é a região da célula eucarionte em que ocorre o controle das...
O núcleo celular é a região da célula eucarionte em que ocorre o controle das...
 
ORGANELAS.pptx
ORGANELAS.pptxORGANELAS.pptx
ORGANELAS.pptx
 
Bio Celular
Bio CelularBio Celular
Bio Celular
 
Citoplasma e organela
Citoplasma e organelaCitoplasma e organela
Citoplasma e organela
 

Último

Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 

Último (20)

Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 

Secreção e digestão celular

  • 1. SECREÇÃO E DIGESTÃO CELULAR PROF: FÁBIO JOSÉ FORMAÇÃO: BACHAREL E LICENCIADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS/ ANALISTA CLÍNICO
  • 2. COMPLEXO DE GOLGI O Complexo de Golgi e a Secreção Celular • A denominação aparelho ou complexo de Golgi é uma homenagem ao citologista italiano Camilo Golgi, que, em 1898, descobriu essa estrutura citoplasmática. • Ao verificar que certas regiões com citoplasma celular se coravam por sais de ósmio de prata, Golgi imaginou que ali deveria existir algum tipo de estrutura, posteriormente confirmada pela microscopia eletrônica.
  • 3. COMPLEXO DE GOLGI Dictiossomos • O aparelho de Golgi está presente em praticamente todas as células eucariontes, e consiste de bolsas membranosas achatadas, empilhadas como pratos. • Cada uma dessas pilhas recebe o nome de dictiossomo. Nas células animais, os dictiossomos geralmente se encontram reunidos em um único local, próximo ao núcleo. Nas células vegetais, geralmente há vários dictiossomos espalhados pelo citoplasma.
  • 4. O Complexo de Golgi e a Secreção Celular • As células que sintetizam muita proteína para secreção possuem um ergastoplasma muito desenvolvido. As proteínas passam, depois de sintetizadas, para o complexo de Golgi. • Esse organóide pertence ao conjunto de cavidades intracelulares delimitadas por membrana lipoprotéica. Na verdade, são pilhas de sacos achatados, dispersos no citoplasma, em cuja periferia surgem pequenas vesículas por brotamento.
  • 5. O Complexo de Golgi e a Secreção Celular • Nos sacos do complexo de Golgi, muitas substâncias podem ser acumuladas, concentradas e empacotadas nas vesículas. • As proteínas produzidas no ergastoplasma podem ser concentradas no complexo de Golgi e ligadas a açúcares ou a gorduras, formando as glicoproteínas e as lipoproteínas, respectivamente. • O Complexo de Golgi tem papel destacado nas células que produzem proteínas para exportação. A produção de substâncias que serão exteriorizadas e que têm alguma função fora das células produtoras constitui a secreção celular.
  • 6. O Complexo de Golgi e a Secreção Celular • A análise da atividade secretora pode ser feita em uma célula secretora típica, como uma célula acinosa do pâncreas. Todo o processo de secreção é unidirecional, e a célula secretora tem um padrão polarizado. O processo se inicia na região basal e termina na região apical da célula. • Os aminoácidos, matéria-prima para a produção das proteínas, entram na célula pela base, rica em ergastoplasma, e são empregados na produção de proteínas (fase de síntese). Em vesículas que surgem do ergastoplasma, essas proteínas se dirigem às vesículas do complexo de Golgi. Essas vesículas se fundem aos sacos do complexo de Golgi nas suas faces cis ou formativas, voltadas para o ergastoplasma.
  • 7. O Complexo de Golgi e a Secreção Celular • Da face oposta, a face trans ou face de maturação, começam a se desprender grânulos contendo as proteínas que já passaram pelas transformações pós- traducionais (fase de concentração e de embalagem). • Esses grânulos, agora chamados grânulos de zimógeno, sobem em direção à região apical da célula (fase de armazenamento). • Finalmente, esses grânulos se abrem e despejam as secreções no exterior da célula. No caso especial das células dos ácinos pancreáticos, essa secreção é formada por enzimas digestivas que, posteriormente, serão lançadas no intestino delgado como componentes do suco pancreático.
  • 8. OUTRAS FUNÇÕES DO COMPLEXO DE GOLGI Formação dos lisossomos: as enzimas produzidas no ergastoplasma são transferidas para o complexo de Golgi e empacotadas em vesículas que irão participar da digestão intracelular. Essas vesículas cheias de enzimas digestivas são os lisossomos.
  • 9. OUTRAS FUNÇÕES DO COMPLEXO DE GOLGI • Formação da parede das células vegetais: na mitose das células vegetais, o complexo de Golgi entra em intensa atividade, produzindo materiais que se acumulam em vesículas e posteriormente se depositam entre os dois núcleos recém-formados. • Essas vesículas migram para uma região entre os dois núcleos, se alinham para constituir a nova parede celulra que irá separar as duas células-filhas. As vesículas alinhadas na nova parede são chamadas fragmoplasto.
  • 10. OUTRAS FUNÇÕES DO COMPLEXO DE GOLGI • Formação do acrossomo dos espermatozóides: durante a formação dos gametas masculinos, os sacos do complexo de Golgi das células fomadoras se aproximam do núcleo dessas células. • As vesículas começam a se fundir, até formar uma vesícula única, o acrossomo, que contém enzimas importantes para o momento da fecundação, quando o espermatozóide perfura a membrana do óvulo, permitindo a fecundação.
  • 11. OUTRAS FUNÇÕES DO COMPLEXO DE GOLGI • Síntese de Carboidratos: No interior dos sacos lameliformes, são formados alguns tipos de carboidratos, como os que compõe a parede celular( hemicelulose), a lamela média ( pectina) e parte do muco que recobre o estômado e o intestino(mucopolissacarídeos). • Nos vegetais, as unidades básicas como a glicose, para produção desses carboidratos foram produzidas nos cloroplastos através do processo de fotossíntese. Nos animais, essas unidades foram obtidas através da alimentação.
  • 12. Os Lisossomos e a Digestão Intracelular • Dá-se o nome de digestão ao processo de quebra das macromoléculas dos alimentos em unidades menores. Nos protozoários e nas esponjas a digestão dos alimentos ocorre total ou parcialmente dentro das células (digestão intracelular). • Nos animais dotados de um tubo digestivo, a fragmentação dos alimentos acontece no interior do tubo digestivo, e quando o alimento é distribuído para as células do corpo desses animais, já se encontra processado. Essa digestão que se dá no tubo digestivo é chamada digestão extracelular.
  • 13. Os Lisossomos e a Digestão Intracelular • Nos animais, a digestão intracelular tem alguns papéis bastante específicos, como o combate aos agentes infecciosos (bactérias e vírus) ou a digestão de organóides intracelulares velhos ou danificados. • A digestão intracelular conta com a participação das enzimas presentes no interior doslisossomos. São vesículas revestidas por membranas lipoprotéicas que possuem, em seu interior, enzimas hidrolíticas (ou hidrolases), que catalisam as reações de hidrólise:
  • 14. Os Lisossomos e a Digestão Intracelular • Enzima AB + H2O =============> A + B • Todas as reações de quebra dos alimentos são reações de hidrólise. Por exemplo, vejamos a digestão da sacarose, o açúcar de cana: • sacarase sacarose + H2O ========> glicose + frutose
  • 15. Os Lisossomos e a Digestão Intracelular • As enzimas lisossomais são sintetizadas no ergastoplasma, transferidas para os sáculos do complexo de Golgi e empacotadas em vesículas membranosas, os lisossomos primários. • Os lisossomos atuam em três processos:
  • 16. ENGLOBAMENTO DE PARTÍCULAS • Em algumas células ocorrem processos que permitem a entrada de partículas (sólidas ou líquidas) do meio externo para o interior da célula. Esses processos são chamados genericamente de endocitose e geralmente ocorrem em células que constituem organismos unicelulares, vivendo em meio aquoso. • Algumas células de organismos multicelulares também podem realizar esses processos, mas neste caso a função não é alimentar, e sim de defesa. A endocitose pode ocorrer de duas maneiras: por fagocitose ou por pinocitose.
  • 17. ENGLOBAMENTO DE PARTÍCULAS • Fagocitose: Processo utilizado pela célula para englobar partículas sólidas, que lhe irão servir de alimento. A célula produz expansões da membrana plasmática (pseudópodes) que envolvem as partículas e as englobam. Primeiramente, a partícula fica em uma bolsa que recebe o nome de fagossomo. • Depois esta bolsa se une ao lisossomo, (que contém as enzimas digestivas), para que a digestão aconteça e os materiais úteis sejam aproveitados pela célula. Essa segunda bolsa recebe o nome de vacúolo digestivo e o processo todo é chamado de digestão intracelular heterofágica.
  • 18. ENGLOBAMENTO DE PARTÍCULAS • Quando o processo de digestão intracelular ocorre sem que o material digerido venha de fora por meio da fagocitose, isto é, quando ela digere material da própria célula (como organelas velhas em processo de degeneração) fala-se em digestão intracelular autofágica e os vacúolos são chamados de vacúolos autofágicos. • A digestão intracelular autofágica é relacionada a um importante mecanismo das células eucarióticas chamado de apoptose, também chamada de suicídio celular. Este processo nada mais é do que a morte programada de uma célula que ocorre normalmente, pois ao longo do desenvolvimento muitas células morrem como parte normal do processo.
  • 19. ENGLOBAMENTO DE PARTÍCULAS • Quando as células que já não têm utilidade perdem a capacidade de se autodestruir, elas perdem a função e formam massas de células como os tumores. • Em ambos os casos, o material não digerido permanece no interior da bolsa membranosa, que passa a se chamar vacúolo residual, podendo ser depois eliminado da célula. • As amebas e protozoários, por exemplo, utilizam-se do processo de fagocitose para capturar partículas alimentares que, uma vez dentro da célula, são digeridas nesse processo. Em nosso organismo, alguns glóbulos brancos utilizam a fagocitose para englobar microorganismos invasores, como bactérias, inativando-as. •
  • 20. ENGLOBAMENTO DE PARTÍCULAS • PINOCITOSE: Processo semelhante ao da fagocitose, pelo qual certas células ingerem líquidos ou pequenas partículas através de minúsculos canais que se formam em sua membrana plasmática. • Quando as bordas desse canal se fecham, contendo o alimento em seu interior, forma-se uma bolsa membranosa chamada de pinossomo. • Posteriormente esses materiais são digeridos e aproveitados pela célula. No organismo humano, por exemplo, é através do processo de pinocitose que as células do intestino delgado capturam gotículas de lipídios resultantes da digestão.
  • 21. ENGLOBAMENTO DE PARTÍCULAS • O caminho inverso também pode ser percorrido por determinadas substâncias que devem ser eliminadas da célula, em organismos unicelulares. • Isto ocorre, por exemplo, através de um processo chamado de clasmocitose e que garante a eliminação de resíduos celulares não digeridos. • Os resíduos envoltos em uma bolsa membranosa são levados até a membrana plasmática, onde a bolsa se funde a ela, eliminando seu conteúdo para o exterior da célula, em meio aquoso, em um processo inverso ao que ocorre na fagocitose.
  • 22. TIPOS DE DIGESTÃO INTRACELULAR • Digestão Heterofágica: É a digestão de partículas englobadas pelas células por pinocitose ou por fagocitose. O alimento englobado permanece em uma vesícula, o vacúolo alimentar (fagossomo ou pinossomo, de acordo com o processo empregado em seu englobamento). • Os lisossomos se fundem com o vacúolo alimentar, formando os lisossomos secundários ou vacúolos digestivos. • Nessa vesícula, os alimentos sofrem a ação das enzimas digestivas dos lisossomos primários e são digeridos. Suas macromoléculas são hidrolisadas, resultando em moléculas pequenas que passam através da membrana do vacúolo digestivo e chegam ao hialoplasma.
  • 23. TIPOS DE DIGESTÃO INTRACELULAR • Ao término da digestão, restam no vacúolo digestivo apenas essas moléculas não- assimiladas, e essa vesícula passa a ser chamada de corpo residual. • Quando o corpo residual se funde com a membrana plasmática, elimina o seu conteúdo para o meio extracelular em um processo conhecido por clasmocitose ou defecação celular. • Algumas das células humanas, como os glóbulos brancos do sangue, fagocitam e digerem bactérias causadoras de doenças. O mecanismo pelo qual as bactérias são destruídas dentro dessas células é semelhante à digestão intracelular anteriormente descrita.
  • 24. TIPOS DE DIGESTÃO INTRACELULAR • Digestão Autofágica: As enzimas dos lisossomos podem digerir componentes de uma célula, transformando um tipo celular em outro. • Estruturas celulares velhas, danificadas ou afuncionantes, como mitocôndrias ou partes do retículo endoplasmático, podem ser englobadas pelos lisossomos primários, formando o vacúolo autofágico. Trata-se de uma forma bastante eficiente e econômica de reaproveitamento de matéria orgânica.
  • 25. TIPOS DE DIGESTÃO INTRACELULAR • A digestão de componentes celulares pela liberação das enzimas lisossomais também acontece durante a metamorfose dos girinos, na sua transformação em anfíbios adultos. • A cauda desaparece progressivamente, e o seu material é empregado pelo animal para completar a sua conversão em adulto. Metamorfose: larva adulto A digestão de componentes celulares pela liberação das enzimas lisossomais também acontece durante a metamorfose dos girinos, na sua transformação em anfíbios adultos. A cauda desaparece progressivamente, e o seu material é empregado pelo animal para completar a sua conversão em adulto.
  • 26. MORTE CELULAR • Autólise: Processo de autodestruição celular, onde a membrana do lisossomo se rompe e libera as enzimas digestivas no citoplasma, causando a destruição da célula. Podemos citar como principal exemplo da autólise a regressão da cauda dos girinos durante a metamorfose. • Frequentemente confundida com a autólise, a apoptose é um processo de morte celular programada, importante para eliminar células supérfluas ou defeituosas. • A célula recebe um estímulo específico com sinais geneticamente programados, indicando a sua morte. Pode ocorrer de forma fisiológica, para fazer a manutenção e equilibrar o organismo ou de forma patológica, quando ocorre alguma lesão no DNA, como a radiação por exemplo, desencadeando a morte da célula.
  • 27. MORTE CELULAR • Apoptose: Frequentemente confundida com a autólise, a apoptose é um processo de morte celular programada, importante para eliminar células supérfluas ou defeituosas. • A célula recebe um estímulo específico com sinais geneticamente programados, indicando a sua morte. Pode ocorrer de forma fisiológica, para fazer a manutenção e equilibrar o organismo ou de forma patológica, quando ocorre alguma lesão no DNA, como a radiação por exemplo, desencadeando a morte da célula.
  • 28.
  • 29. DIGESTÃO EXTRACELULAR • Digestão Extracelular: Por exocitose, as enzimas dos lisossomos podem ser exteriorizadas e agir fora das células. No tecido ósseo, por exemplo, existem células chamadas osteoclastos, que são ricas em lisossomos. Sob certos estímulos, liberam as suas enzimas, que passam a digerir a matriz óssea, remodelando o osso. • Esse mecanismo permite o crescimento do indivíduo e a consolidação das fraturas, ou ainda a liberação de parte do cálcio acumulado nos ossos, liberado então para a corrente sangüínea.