Citologia

1.166 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.166
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
452
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Citologia

  1. 1. CITOLOGIA Profª: Carla Vitor de Oliveira Abreueu
  2. 2. MUNDO MICROSCÓPICO  A invenção do microscópio possibilitou a descoberta das células e inaugurou um novo campo de investigação científica, a Citologia (do grego kytos, célula, e logos, estudo) atualmente mais conhecido como Biologia Celular. Para compreender plenamente o fenômeno vida, é preciso conhecer as células. Modelo do primeiro microscópio
  3. 3.  1590 – Jasen Inventa o microscópio composto. Os holandeses Hans e Zaccharias Janssen, em 1590, inventaram um pequeno aparelho de duas lentes, que chamaram microscópio.  1665 – Robert Hooke Usando um microscópio composto, examinou cortiça e usou o termo “céula” pela primeira vez. Com esse aparelho iluminado à luz de velas, em 1665, o inglês Robert Hooke pôde ver os espaços vazios da cortiça, que chamou célula, deriva do latim cellula, diminutivo de cella, que significa pequeno compartimento.
  4. 4.  1976 – Anton van Leeuwenhoek Observa bactérias, pela primeira vez, designando-as por animálculos. microscópio simples, inventado em 1674, Antony van Leeuwenhoek estudou os glóbulos vermelhos do sangue e constatou a existência dos espermatozóides •1838 – 39 – scheliden e schwann Enunciam a Teoria celular
  5. 5. CONHECIMENTO DA CÉLULA Enunciam A Teoria Celular  1 – Todos os seres vivos são formados por células e por estruturas que elas produzem; as células são, portanto, as unidades morfológicas dos seres vivos.  2 – As atividades essenciais que caracterizam a vida ocorrem no interior das células; estas são, portanto, as unidades funcionais, ou fisiológicas, dos seres vivos.  3 – Novas células surgem apenas pela divisão de células preexistentes, por meio da divisão celular; a continuidade da vida depende, portanto, da reprodução celular.  A teoria celular é uma das mais importantes generalizações da Biologia. Ela estabelece que, apesar das diferenças quanto à forma e à função, todos os seres vivos têm em comum o fato de serem constituídos por células. Para compreendermos plenamente o fenômeno da vida, portanto, precisamos conhecer as células.  As pesquisas mostraram que os vírus não apresentam células em sua constituição, isto é, são acelulares
  6. 6.  Em 1674, o cientista holandês Antoine van Leeuwenhoek, obtendo ampliações de até trezentas vezes, pôde ver células vivas, inclusive espermatozoides. Observou que elas, ao contrário das células mortas, possuíam estruturas em seu interior.
  7. 7. DESCOBRINDO O INTERIOR DAS CÉLULAS VIVAS  Em 1831, o botânico inglês Robert Brown descobriu que as células vegetais possuíam no seu interior um corpúsculo arredondado, o núcleo. •Em 1835, o naturalista francês Felix Dujardin descobriu que as células possuíam um conteúdo interno gelatinoso, o citoplasma. •Mas, por mais que observassem, os cientistas não detectavam nenhuma estrutura que envolvesse a célula, delimitando seu conteúdo. Entretanto, mesmo sem ver, imaginavam que a célula pudesse ter uma espécie de membrana envoltória. Mais tarde, com a construção de microscópios mais potentes, a hipótese pôde ser comprovada. •Embora alguma célula não tenham núcleo organizado, dizemos, de maneira geral, que a célula possui três componentes básicos: membrana, citoplasma e núcleo.
  8. 8. MICROSCÓPIO ELETRÔNICO ATUAL
  9. 9. ORGANIZAÇÃO BIOLÓGICA Os seres vivos apresentam diferentes níveis de organização celular  Organismos unicelulares: são compostos por uma única célula, capaz de realizar todas as funções vitais;  Organismos multicelulares: são compostos por várias células, por vezes organizadas era tecidos diferenciados, e especializadas em diversas funções.
  10. 10. ORGANISMOS UNICELULARES Escherichia coli fungos leveduras
  11. 11. ORGANISMOS MULTICELULAR
  12. 12. ORGANIZAÇÃO ESTRUTURAL  As células apresentam uma grande diversidade morfológica e funcional CÉLULA PROCARIÓTICA CÉLULA EUCARIÓTICA
  13. 13. CÉLULA PROCARIÓTICA  Células procarióticas: células mais simples, sem núcleo organizado e sem a maioria das estruturas celulares conhecidas: estão representadas pelas bactérias e a cianobactérias.
  14. 14. CÉLULA EUCARIÓTICA  Células eucarióticas: células com uma estrutura mais complexa, apresentando núcleo e organelas celulares; estão representadas em todos os restantes grupos de seres vivos.
  15. 15. A CÉLULA EUCARIÓTICA ANIMAL  Os animais são seres eucariontes. Suas células possuem uma membrana celular, que delimita o meio interno da célula do meio externo, uma solução gelatinosa interna, o citoplasma, onde estão mergulhadas estruturas e organelas citoplasmáticas, e o núcleo. Algumas das organelas citoplasmáticas são os ribossomos, o retículo endoplasmático, o complexo golgiense, os lisossomos, as mitocôndrias e os centríolos.
  16. 16. A CÉLULA EUCARIÓTICA ANIMAL
  17. 17. A CÉLULA EUCARIÓTICA VEGETAL  Os vegetais, como os animais, são setes eucariontes. Suas células são bem semelhantes. A célula vegetal, porém, além da membrana celular, possui uma parede celular externa composta de celulose. No citoplasma há organelas citoplasmáticas semelhantes às da célula animal, mas não há lisossomos. Além disso, possui organelas específicas, como o vacúolo e os plastos. Algumas células vegetais não possuem centríolos
  18. 18. A CÉLULA EUCARIÓTICA VEGETAL
  19. 19. MEMBRANA PLASMÁTICA  Como todas as células, possui uma membrana celular (membrana plasmática ou plasmalema). Sua espessura é de 7,5 nanômetros, o que a torna visível somente ao microscópio eletrônico, no qual aparece como um sistema de três camadas: duas escuras, eletrodensas, e entre elas uma camada clara. Esta estrutura trilaminar é chamada unidade de membrana.  Sua composição química é lipoproteica, sendo 75% de proteínas e 25% de gorduras. A membrana controla a entrada e saída de substâncias da célula, mantendo quase constante a composição do seu meio interno. Possui permeabilidade seletiva, permitindo a livre passagem de algumas substâncias e não de outras. Engloba partículas (endocitose) por fagocitose (partículas grandes) ou por pinocitose(partículas pequenas e gotículas).
  20. 20. CITOPLASMA  O citoplasma é constituído por uma substância fundamental amorfa – o hialoplasma ou citosol – que contém água, proteínas, íons, aminoácidos e outras substâncias. A parte proteica pode sofrer modificações reversíveis em sua estrutura, aumentando ou diminuindo sua viscosidade, alternando de gel (mais denso) para sol (mais fluido) ou vice-versa.  Mergulhados no hialoplasma estão os organóides e os grânulos de depósito de substâncias diversas, como glicogênio ou gorduras. Os organóides possuem funções específicas, sendo alguns revestidos por membranas e outros, não.
  21. 21. MITOCÔNDRIAS  As mitocôndrias são alongadas ou esféricas, revestidas por dupla membrana lipoproteica. Possuem DNA próprio e capacidade de autoduplicação. Liberam energia de moléculas orgânicas, como a glicose, transferindo-a para moléculas de ATP. A energia do ATP é empregada pelas células na realização de trabalho: síntese de substâncias, movimento, divisão celular, etc. Os processos de oxidação da glicose constituem a respiração celular aeróbica, dependente de oxigênio.
  22. 22. RETICULO ENDOPLASMÁTICO  O retículo endoplasmático (RE) é formado por um extenso sistema de túbulos e vesículas revestidas por membrana lipoproteica. As cavidades deste sistema são chamadas cisternas do RE. Algumas partes têm ribossomos aderidos (RE rugoso ou granular, também chamado ergastoplasma) e outras partes não os possuem (RE liso). As funções dos dois tipos são diferentes, e a proporção de cada um depende dos papéis metabólicos da célula. O RE permite a distribuição de substâncias pelo interior da célula. O RE rugoso é sede de intensa síntese de proteínas. O RE liso produz lipídios, e algumas substâncias ligadas a ele podem metabolizar substâncias tóxicas, inativando-as.
  23. 23. RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO RE liso RE rugoso ou granular
  24. 24.  Os ribossomos são pequenas partículas formadas por proteínas e por RNA ribossômico. São as organelas responsáveis pela síntese de proteínas.
  25. 25. COMPLEXO DE GOLGI  O complexo de Golgi é constituído por vesículas achatadas ou esféricas, empilhadas e revestidas por membrana lipoproteica. Nas células animais, geralmente está próximo do núcleo. Relaciona-se com a concentração e o armazenamento de substâncias produzidas pelas células e com a transferência destas substâncias para grânulos nos quais serão eliminadas da célula. Participam, portanto, da secreção celular.
  26. 26. COMPLEXO DE GOLGI
  27. 27. LISOSSOMOS  Revestidos por membrana lipoproteica, os lisossomos são pequenas vesículas esféricas cheias de enzimas digestivas. Sua função básica é a digestão celular, que envolve dois processos:  1) digestão de partículas alimentares englobadas pela célula (digestão heterofágica);  2) digestão de organóides inativos ou em degeneração (digestão autofágica).
  28. 28. LISOSSOMOS
  29. 29. CENTRÍOLOS  Próximo ao núcleo, encontra-se um par de centríolos. Cada um é formado por um cilindro constituído por substância amorfa e microtúbulos. Tem capacidade de autodupli-cação. Participa da divisão celular.  Em algumas células, observam-se cílios e flagelos vibráteis. Os cílios são pequenos e numerosos, enquanto os flagelos são longos, havendo apenas um ou alguns por célula. Na base dos cílios e flagelos, está o corpúsculo basa, de estrutura idêntica à dos centríolos.
  30. 30. CENTRÍOLOS
  31. 31. PEROXISSOMOS  Os peroxissomos ou microcorpos são pequenas vesículas que contêm enzimas oxidativas. Possuem, também, quase toda a catalase da célula, enzima que degrada a água oxigenada.  Participam, ainda, da eliminação de outras substâncias tóxicas, como o etanol e o ácido úrico.
  32. 32. CITOESQUELETO  Os microtúbulos e os microfilamentos são estruturas filamentares constituídas por proteínas. Encontram-se no interior dos cílios e de flagelos ou dispersos pelo citoplasma. Participam dos movimentos celulares e da manutenção da arquitetura celular, formando o citoesqueleto.
  33. 33. CITOESQUELETO
  34. 34.  Os depósitos ou inclusões citoplasmáticas diferem dos organóides por não possuírem organização nem sistemas enzimáticos específicos. São depósitos intracelulares de substâncias de reserva (glicogênio ou gordura), de pigmentos (melanina) ou de cristais.  O núcleo, controlador da atividade celular, é bem individualizado e delimitado por uma dupla membrana, a carioteca ou membrana nuclear. Seu interior é ocupado pela cariolinfa, na qual está mergulhado o material genético formado por DNA associado a proteínas, a cromatina. Observa-se, ainda, um corpúsculo denso, esférico, chamado nucléolo.
  35. 35. CÉLULA VEGETAL  A organização eucariótica da célula vegetal é muito parecida com a da célula animal, apresentando muitas organelas comuns, como mitocôndrias, retículo endoplasmático, complexo de Golgi, ribossomos, entre outras.  A célula vegetal apresenta estruturas típicas, como a membrana celulósica que reveste externamente a célula vegetal, sendo constituída basicamente de celulose.  Uma outra estrutura que caracteriza a célula vegetal é o cloroplasto, organela na qual ocorre a fotossíntese.
  36. 36.  Na verdade, os cloroplastos são, entre outras, organelas que podem ser classificadas como cromoplastos, pois são organelas que possuem pigmentos (substâncias coloridas) que absorvem energia luminosa para a realização da fotossíntese.  Entre os cromoplastos, além do cloroplasto que contém clorofila (pigmento verde), existem os xantoplastos, que contém xantofila (pigmento amarelo), os eritroplastos, que contém a licopeno (pigmento vermelho), e assim por diante.  Quando os plastos não possuem pigmentos coloridos, são chamados de leucoplastos, como os amiloplastos que armazenam amido.  Observe, no esquema da célula vegetal, que o vacúolo é uma organela com dimensões maiores que na célula animal e ocupa grande parte do hialoplasma da célula.  Podemos diferenciar a célula vegetal da célula animal também pela ausência dos centríolos nos vegetais superiores.
  37. 37. CLOROPLASTOS
  38. 38. VEJA ABAIXO AS FUNÇÕES DE CADA ORGANELA  ORGANELA FUNÇÃO PRINCIPAL Ribossomo É o responsável pela síntese de proteínas. Mitocôndria Responsável pela respiração celular. Complexo de Golgi Armazena e secreta substâncias diversas. Centríolo Atua na divisão celular. Lisossomo Atua na digestão intracelular. Retículo End. Liso Transporte de substâncias e produção de esteróides. Retículo End. Rugoso Transporte de substâncias e síntese de proteínas.
  39. 39. PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE CÉLULA ANIMAL E VEGETAL Nos tecidos vegetais, as comunicações entre as células são feitas por meio de estruturas denominadas plasmodesmos. Os plasmodesmos permitem trocas de materiais entre células vegetais vizinhas por meio de pontes citoplasmáticas.

×