O Corvo de Vidro
Sinopse:
Não há som.
Por baixo das profundas águas negras, há maldição.
O espírito sufocado jaz em prisão...
O sucessor de São Pedro, Norderic, como qualquer outro Papa, passou por juramentos.
Mas seu segredo fora desvendado há pou...
Alec vestiu seu sobretudo negro e pegou as chaves da motocicleta que Jace havia
deixado por acaso. Jace não sabia que ele ...
como se seus ouvidos estivessem abafados por um sobro quente que não permitia a
entrada de qualquer som.
Mas sim, uma melo...
Ele não via o chão, era uma espécie de esfumaçado cor de carbono e poeira esvoaçada
sob suas botas. Ao olhar a sua frente,...
plantas brilhantes amarelas que se localizavam no canto oeste da estufa. Seus olhos
estavam num tom vívido dourado por cau...
enrugadas que de costume. Abriu em uma página qualquer e, antes de começar a ler,
encarava pela janela a lua que agora est...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O Corvo de Vidro

255 visualizações

Publicada em

Não há som.
Por baixo das profundas águas negras, há maldição.
O espírito sufocado jaz em prisão.
O silêncio decrépito afoga as batidas do coração.
Cruel como pedra, banhado em lamentação,
O mar de águas negras, guarda o exílio de sua canção.
Lá, não há som.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
255
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Corvo de Vidro

  1. 1. O Corvo de Vidro Sinopse: Não há som. Por baixo das profundas águas negras, há maldição. O espírito sufocado jaz em prisão. O silêncio decrépito afoga as batidas do coração. Cruel como pedra, banhado em lamentação, O mar de águas negras, guarda o exílio de sua canção. Lá, não há som. Classificação: Ação, Aventura, Mistério. Faixa Etária: +16 Nota do Autor: © Essa é a originalmente escrita por Ernani Valente baseada na obra literária de Cassandra Clare, Os Instrumentos Mortais com personagens novos (inventados pelo autor) inseridos. – Esta história se passa depois de “Cidade dos Ossos” e antes de “Cidade das Cinzas”. – Aviso: A história contém spoilers da obra original. Por Ernani Valente Capítulo 1 “(…) Durante a grande escapada pelas águas, Norderic nadava com uma força descomunal e com frequência desumana, é claro. Diz-se que lá dentro, ele esbarrou numa pedra cinzenta gigante e perdeu seu anel, a relíquia máxima de poder católico, O Anel do Pescador. O Papa então, foi encontrado dois séculos depois em meio a suas ossadas na superfície. Diz-se que seus ossos boiaram pois estavam totalmente ocos, sem conteúdo nenhum.” Alec achava esse tipo de leitura realmente interessante. Coligar os pontos era uma atividade extremamente interessante. Norderic fora o Papa Aclamado, assim chamado pelos seres de Idris, por ser o vampiro mais poderoso da terra. Seus poderes iam além da prática, eram amaldiçoados. Jaz a lenda de que o Anel do Pescador era a relíquia da imortalidade, que podia transformar alguém no ser mais poderoso do universo e fazer com que suas fraquezas fossem expelidas de seu corpo. O Papa Aclamado não era prisioneiro da escuridão como seus irmãos, seu sangue fluía como ouro em suas veias, mas um sangue venenoso eternamente.
  2. 2. O sucessor de São Pedro, Norderic, como qualquer outro Papa, passou por juramentos. Mas seu segredo fora desvendado há pouco mais de dois séculos após a sua morte pelos Caçadores de Sombra, que houve um pacto fora do comum que o denunciou como criatura do submundo. Não se sabe o verdadeiro significado do Pacto misterioso ou seus resultados, era tudo parte de um arquivo morto da Clave em que ninguém poderia tocar a não ser os de alto poderio. Mas os livros registram que desde a morte do Papa Norderic, o Anel do Pescador que foi passado de geração em geração até ele, nunca fora encontrado novamente. Alec havia passado aquela tarde sozinho no Instituto, Clary estava com sua mãe no hospital junto com Simon e Isabelle esperando melhoras do coma em que havia entrado na última aventura “mortal”. Clary e Simon eram amigos recentes de Alec. Clary descobriu ser uma Caçadora de Sombras no último ano, seu sangue não era simplesmente mundano como o de Simon, agora ela pertencia ao grupo dos Nephilim. Isabelle, a irmã Lightwood de Alec, era a mais carismática do grupo. Mas nem mesmo ela conseguia animá-los neste momento por causa da situação de Jocelyn. O livro que Alec estava lendo se encontrava jogado num canto escuro atrás do antigo sofá da biblioteca de Hodge, que havia fugido há meses depois de descoberta a sua traição. Nem mesmo os olhos azuis celeste de Alec teriam visto algum indício de falsidade naquele homem, que era como um grande pai, um mentor para ele. Hodge entregou o Cálice Mortal para Valentim, o grande perigo contra Idris, e fugiu sem deixar pistas. A decepção ainda banhava os corredores do instituto e também a saudade do cheiro das folhas de chá escuro que Hodge preparava nas tardes frias de Nova Iorque, apenas o cheiro que se tornara ácido como veneno agora. O telefone começou a tocar na mesa de carvalho sustentada por esculturas dois anjos de semblante triste, e cada vez mais melancólicos. Alec se assustara com o barulho pois estava concentrado em sua leitura, mas logo se pôs a correr para atendê-lo. - Quem é? - Alec, por favor, onde você está? Estou te esperando há 2 horas! – Era uma voz semelhante à de sua irmã mais velha, mas com um pouco mais de raiva que o normal. - Desculpe, Isabelle. Acabei me distraindo com as plantas da estufa, elas estão.. Hum.. Secas. – Respondeu Alec procurando uma desculpa para usar. Ele não queria revelar que estava lendo material proibido pela Clave, principalmente por agora estarem sob vista grossa devido ao último incidente. - Desde quando você gosta de ir lá em cima ver aquelas plantas nojentas? Que seja. Te encontro em meia hora, e não ouse se atrasar! - Ah.. Ok. – Antes de poder responder, Isabelle desligou o telefone furiosamente. Alec se perguntara se o que havia a irritado fora apenas o seu atraso, ou haviam mais fatores para isso. Ele não gostava de ver sua irmã aborrecida, que dirá furiosa.
  3. 3. Alec vestiu seu sobretudo negro e pegou as chaves da motocicleta que Jace havia deixado por acaso. Jace não sabia que ele usava sua motocicleta sem permissão, mas ela era amaldiçoada e todos sabem que coisas amaldiçoadas são muito mais legais que as normais. No cair da noite, Alec se assemelhava a um corvo uivante na moto de Jace com seu sobretudo esvoaçado como asas negras de um morcego demônio. Logo estaria em seu destino ao encontro de Isabelle e descobriria o porquê da tamanha ira da irmã em não ter sua presença. Já fazia quase 1 ano que Alec não via Magnus. O Mago do Brooklyn que havia conquistado mais que sua confiança no momento de trevas, o fazia lembrar de que estava solitário demais, sem companhia durante um bom tempo justamente por ser diferente. Alec nunca tivera amigos, na verdade. O único amigo que tinha era Jace, e sempre fora apaixonado por ele secretamente. Talvez essa paixão tivesse fugido de seu coração pois agora ele só batia por um só, um ser sozinho. Lá estava ela, Isabelle. Estava usando um par de coturnos prateados e calças negras. Sua blusa estava simples até para a irmã extravagante que tinha, mas nada se comparava àqueles olhos negros como o eclipse lunar demonstrando seu poder de persuasão. - Ei, Alec! Estou aqui. Alec parou a moto perto da calçada quase que caindo por cima de sua irmã. Ele não era muito bom em manusear instrumentos sobrenaturais. Afinal, nunca matara um demônio se quer. - Onde estão Clary e Simon? Como vai Jocelyn? - Está na mesma.. Parece que o coma nunca abandona seu corpo. Nem mesmo a voz de Jace a fez acordar, estamos com receio de que ela não volte mais. Clary fica assustada e Simon tenta acalmá-la, mas não há o que fazer. Alec não gostava de Clary nas primeiras semanas em que a conheceu. Depois se suas aventuras e com o passar do tempo, acabou se acostumando com sua amizade, então ficava sentido por saber que ela não estava feliz e não havia como ajudá-la. - O que pretende fazer agora? Voltemos ao Instituto então? – Perguntou Alec duvidoso. - Sim. Você veio na moto do Jace? Ele te mataria se soubesse. - Nem mesmo eu sei onde ele está. Por Raziel, essa moto é incrível demais para ficar plantada nos fundos da catedral. – Alec quase que babava ao falar da fantástica moto. - Que seja. Vamos voltar logo, eu estou com fome e deixei alguns… Isabelle parara de falar. Não só ela, mas como todo e qualquer barulho era inexistente naquele momento. Alec só conseguia sentir suas batidas de coração totalmente aceleradas como se fosse ter um ataque a qualquer momento. A atmosfera estava completamente paralisada, sua irmã parecia uma estátua de cera em sua frente. Sentia-se
  4. 4. como se seus ouvidos estivessem abafados por um sobro quente que não permitia a entrada de qualquer som. Mas sim, uma melodia angelical começou a dançar em torno de Alec, sussurrava com melancolia como uma pena prestes a se molhar numa poça. - Ad salutem.. Aquaprofluens et mare.. Alec sentiu como se fosse desmaiar, essa voz era sobrenatural e o que significavam essas palavras? Ao olhar o horizonte de concreto à sua frente, bem ao final da rua, ele viu uma luz morta que fluía como uma alma torta desenhada à mão. Quando piscou, ela já não estava mais lá e as estranhas vozes já não cantarolavam mais. - … sacos de lula congelada para cozinhar mais tarde, espero que goste de frutos do mar tanto quanto gosta da minha comida. Alec se mantinha inativo, sua mente havia se petrificado em segundos. O que havia acontecido fora uma experiência única para ele, nunca nada fora igual em seus anos de Caçador de Sombras. - Que cara é essa? Minha comida não é tão ruim quanto uma chicotada no seu rostinho lindo se não ligar logo essa moto. Eu estou com frio e fome, vamos. – Disse Isabelle montando na garupa da moto demoníaca de Jace. Alec se desafiou a olhar novamente para o fim da rua onde vira a aurora perecida, mas nada havia lá. No lugar, surgiram dúvidas e medo, muito medo. Logo se pôs na frente da moto e acelerou como se não houvesse amanhã, só queria ficar o mais longe o possível daquele lugar e daquela situação horripilante. Não devia contar para ninguém, se Isabelle não ouviu a voz, ninguém ouvira a não ser ele. O vento uivava em seus ouvidos a caminho do Instituto como um sussurro morrediço, mas no momento, o que ele mais desejava era estar de volta à biblioteca para descobrir o que aquelas palavras significavam e o porquê de terem se manifestado para ele. Só de pensar que havia lido sobre o Papa Aclamado mais cedo, o fazia tremer caso tivesse alguma relação entre a alma viva que cantarolava, e o sem alma morto amaldiçoado que jazia sob as águas negras do Mar de Alborão. Capítulo 2 Era noite. Todo bom conto começa assim, com o cair do manto obscuro propagado por frios vultos sem esperança. A luz quente da aurora jaz ao longe, cercada de trevas e lamúrias ávidas. Junto com o tom negro que aquarelava o céu quase que encobrindo as mínimas estrelas que sorriam de medo no vasto universo, havia um silêncio. Como sempre, era noite nos sonhos de Alec. E a luz nunca tocava o horizonte, nunca.
  5. 5. Ele não via o chão, era uma espécie de esfumaçado cor de carbono e poeira esvoaçada sob suas botas. Ao olhar a sua frente, não via nada a não ser a vasta escuridão. O que dizia sua forte audição? Alec fora um rapaz ouvinte a vida inteira por não ter ninguém com quem compartilhar. Vivia das experiências alheias e seus ouvidos nunca falhavam, mas neste momento, eles estavam surdos em tom agudo. Uma aura desconhecida começara a se manifestar ao vasto horizonte do local desconhecido onde Alec se encontrava. Lembrara da experiência que tivera mais cedo, mas não teve tempo de sentir o arrepio em sua espinha por estar assustado. Alec estava caindo. A névoa tornou-se insubstancial e estava arrastando-o para um buraco sem fundo. Estava submergindo. Alec acordara naquela madrugada com a sensação de afogamento. Nunca ocorrera coisa parecida anteriormente, a vontade de chorar e de se esconder era tão grande naquele momento que Alec não conseguia parar de tremer em sua cama. Eram 3:45 da manhã de uma quinta-feira, ele estava assustado mas não queria ficar ali onde tivera o pesadelo terrível. Desde o começo da semana, coisas estranhas vinham acontecendo com ele e não queria arriscar de maneira alguma que a tal alma brilhante reaparecesse ali para ele durante a noite. Alec levantou de sua cama e se pôs a olhar através do espelho. Como mudara com o tempo, uma aparência mais forte e mais sombria até. Os cabelos negros como café fumegante estavam bagunçados de forma aleatória e seus ombros aparentavam estar mais largos que o normal. Suas cicatrizes em formas de símbolos estavam mais visíveis no pescoço e no abdômen constrastando com a pele branca, isso o fazia lembrar de batalhas passadas pelas quais ele teve que passar na sombra dos amigos. Andava com cautela pelos corredores do Instituto prestando pouca atenção por onde passava. Estava mais concentrado em seus pensamentos e medos e o que significavam todas aquelas visões. Não podiam ser comuns, e só de pensar no que significariam para ele se procurasse saber, já sentia um arrepio mortal na espinha. Sem perceber, viu-se iluminado por uma luz amarela saída do chão em algum lugar de onde estava. Logo identificou o lugar: estava na estufa. Não sabia o porquê de ter ido parar lá, talvez saudades de seu companheiro Jace que adorava a visão nova iorquina durante a madrugada. Há dias que não falava com seu companheiro Parabatai*. Apesar de todos os sentimentos, Alec já não sentia mais a paixão secreta por Jace. O via como um irmão, nos últimos dias estava mais para um estranho nômade que só aparecia de vez em quando na catedral do Instituto. - Alec. Sabia que era você. Reconheci pelos passos leves. - Jace? O que faz aqui? Não o vejo há dias. – Alec estava esperando que Jace aparecesse entre os vasos de planta localizados na estufa. Estava muito escuro e mesmo com a clareira de vidro, não era possível identificar a localização dele. - Eu precisei de um tempo sozinho. Refletir sobre como andam as coisas e como serão daqui para frente. – Jace tinha um tom sofrido em sua voz. Havia aparecido ao lado das
  6. 6. plantas brilhantes amarelas que se localizavam no canto oeste da estufa. Seus olhos estavam num tom vívido dourado por causa da luz, mas suas olheiras denunciavam seu cansaço. Alec não entendia como aquelas plantas brilhavam mas também não se interessava por flores lâmpadas. - Jace, este é seu lar. Sabe que pode contar conosco para qualquer coisa, somos seus irmãos de batalha e criação. - Alec, esse problema é meu. Valentim pretende sabe-se lá o que fazer com o Cálice e eu não sei se seria capaz de ataca-lo depois de tudo. – O sofrimento era perceptível em sua voz junto com um chiado de raiva. - Tudo bem, eu entendo. – Respondeu Alec sem saber o que dizer. - Não, não entende. Ninguém entende. Por isso eu quero ficar longe por um tempo, preciso saber o que fazer e o que me perturba tanto. – Jace respondeu com confusão explícita e saiu do cômodo logo em seguida. Alec sofria por Jace. Ele era seu irmão de criação, seu melhor amigo e parabatai, mas não podia fazer nada para melhorar seu ânimo. Só mesmo o tempo poderia curar aquele coração ferido, nem mesmo uma estela poderia conserta-lo. Uma vez, ouvira entre paredes que “amar é destruir e ser amado é ser destruído”. Sabia que Jace estava despedaçado por vários motivos, mas o fator base era o amor. A noite caía e o tempo não passava. Alec passou pela cozinha mas não tinha apetite nenhum para beliscar qualquer coisa presente lá, principalmente porque sua irmã é que havia cozinhado a tal lula que mais cedo estava com um cheiro metálico venenoso. Resolveu voltar à biblioteca do Instituto para ver se o conhecimento passado pelos livros o traria alguma luz naquele momento de escuridão contínua. Alec adorava ler. Seus maiores companheiros sempre foram os livros antigos. Seus maiores consoladores, os antigos escritores de fábulas, eram maravilhosos e tão utópicos que faziam ele ficar com olhos marejados só de lembrar. Seu romance favorito era O Conde de Monte Cristo, de Alexandre Dumas que, por sua vez, era metade Nephilim. Alec sempre desconfiara de que sua habilidade de escrita não era mera coincidência. Sabe-se que os Nephilim, filhos de anjos com humanos, eram de alto poderio intelectual comparado aos mundanos. Alec era vidrado no protagonista da história, Edmond Dantès, vítima e vingador. Para Alec, a vingança era uma adaga sem fio no peito do inimigo: Sem corte, a dor penetra mais profana. Se pôs a sentar no velho sofá da biblioteca e pensou num livro para refletir. Infelizmente, o único que vinha à mente no momento era Apólogos Mortiços, o livro que lera mais cedo o qual vira informações sobre Norderic. Só de pensar no nome, um calafrio se pôs a percorrer pelos braços. Levantou-se, pegou o livro escondido atrás do velho sofá e o fitou por instantes. O livro parecia mais antigo que o normal, sua capa de couro envelhecido estava mais ácida, as dobradiças douradas mais gastas e as páginas aparentavam estar mais
  7. 7. enrugadas que de costume. Abriu em uma página qualquer e, antes de começar a ler, encarava pela janela a lua que agora estava visível. Tão bela a sua luz fantasmagórica, transformava seus olhos numa alegoria de tons azulados que aparentavam estar impressionados com a beleza solitária do satélite. “(…) Sua conversão foi assombrosa. Naquela noite, o bando de vampiros havia pego o mundano para torturar e provocar a Clave através da quebra dos pactos. Norderic relatou que já considerava-se morto depois de apanhar, ficar preso a correntes, ter perdido totalmente os sentidos. O que ocorreu em seguida foi uma ação jamais vista na história das criaturas. (…) Dois vampiros morderam as veias de Norderic ao mesmo tempo e seus venenos penetraram em conjunto no organismo do mundano. Horas depois, todos os vampiros do bando foram mortos e esquartejados, todos. Norderic sabia que, a partir daquela noite, teria que carregar a maldição de duas criaturas perdidas. Mas também sabia que sua força valeria por mil dessas criaturas. Sua alma pereceria em danação eterna.” Alec mal conseguia sentir as pontas dos dedos. O ambiente ficara frio de repente. Mal conseguia manter o calor de sua respiração, sentia que seus olhos poderiam pular de seu rosto a qualquer momento a procura de uma lareira. O frio aumentou absurdamente. Havia uma mão gélida em inércia sobre o ombro de Alec. Uma mão morta. Não humana.

×