SILENTIUM | Chapter 4

201 visualizações

Publicada em

"THE EMBERS ARE BURNING INSIDE OF ME"

Quarto capítulo da história "Silentium", escrita pelos bloggers Jota e Ruthe. Sabe mais em: www.umabrisapassageira.blogspot.pt

Publicada em: Diversão e humor
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
201
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
29
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

SILENTIUM | Chapter 4

  1. 1. WWW.UMABRISAPASSAGEIRA.BLOGSPOT.PT Chapter 4 The Embers Are Burning Inside of Me *** CREATED AND WRITTEN BY JOTA www.umabrisapassageira.blogspot.pt RUTHE www.thestrawberrystreet.blogspot.pt YOU CAN READ THIS STORY ON BRISA PASSAGEIRA www.umabrisapassageira.blogspot.pt WATTPAD www.wattpad.com/user/mynameisjota
  2. 2. WWW.UMABRISAPASSAGEIRA.BLOGSPOT.PT As chamas refletiam em cada rosto conferindo olhares ainda mais misteriosos. Olhares cúmplices cruzados num círculo silencioso e expectante. Organizados por equipas, estavam sentados em quatro trocos, debaixo de um céu estrelado, mas gélido que os obrigou a recrutarem mantas para o agasalho. A noite ainda mal começara, mas nenhum dos presentes se sentia exausto. Acho que nunca os vira tão sossegados como agora. Percorri cada rosto e ora havia uma perna trémula, ora uma mão tamborilando. Decifrei olhares falantes e sorrisos contidos. - Meninos, está na nossa hora! – anuncia Caroline, carregando um saco de desporto cor de rosa choque, que a avaliar pelo peso não transportava roupa. - Sabem as regras, não nos desiludam! – completa Mike, vestindo o seu hoodie preto. Reparei que toda a equipa de monitores, vestia cores discretas e bastante práticas, até mesmo o Jeremy que nunca se apresentou sem usar um dos seus fatos vintage. - Vão ficar por aqui? – questiona admirada Caroline, ao vê-los todos sossegados à volta da fogueira. Entreolharam-se e esperaram que alguém tomasse a posse de porta-voz. - Sim, decidimos aproveitar que nos deram um voto de confiança para nos conhecermos melhor. – antecipou-se Dilan, tranquilamente. - Achamos que está na altura de o fazer e vamos aproveitar o espírito da festa da fogueira. – conclui Blue, convincentemente. - Muito bem, divirtam-se e comportem-se. – pede simpaticamente Caroline, por vezes, parecia demasiado simpática – Não se esqueçam da hora do recolher… - Voltamos em breve. – murmurou Jeremy, rodando os calcanhares num ângulo reto para se dirigir à saída. Depois de alguns acenos e sorrisos entre todos, Caroline e Mike seguiram- no determinadamente, sem voltarem a olhar para trás. Todo o grupo paralisou, nem respiravam. O único barulho de fundo era o da lenha a estilhaçar na fogueira. Aguardavam um sinal. O sinal. Segundos depois ouviram o portão a fechar-se. Esperaram durante mais alguns segundos, não fosse aquilo uma armadilha. Não
  3. 3. WWW.UMABRISAPASSAGEIRA.BLOGSPOT.PT fazia ideia do que eles estavam e engenhocar, mas algo nos monitores me inquietava e segui-os até ao exterior do acampamento. Mike foi o último a sair e o responsável por trancar o portão. Jeremy acendera um cigarro e fumava impacientemente, enquanto que Caroline olhava para todos os lados visivelmente nervosa. - Miúda, relaxa! Estás demasiado nervosa… - constata Mike – Se continuares assim, isto ainda dá para o torto. - Estás a gozar com a minha cara? – exalta-se atirando o saco para o chão – Isto já deu para o torto que chegue. Um miúdo morreu, por culpa nossa e nós ocultamos o corpo às autoridades e à própria família. Acabamos de drogar todos os outros e pedes-me para ter calma?! - O miúdo foi um imprevisto. E ninguém drogou ninguém. – afirma tranquilamente ajeitando o capuz - Foram só uns calmantes… E vê lá se tratas bem o material. – dá-lhe um encontrão enquanto passava por ela colocando-a mais chateada. - Vocês não estão a ver a gravidade da situação, pois não? – barafusta irritada – Colocámos doses elevadas naquelas garrafas de água, são miúdos com problemas de álcool e drogas, que podem reagir muito mal… - Basta! – impôs-se imperativamente Jeremy, apagando o cigarro com o pé – Parecem dois putos a discutir. O miúdo morreu, não podemos trazê-lo de volta. Quanto a ti, minha menina, tiveste a oportunidade de escolher estar dentro ou fora. – ele aproximou-se tanto dela, ao ponto de estremecer assim que sentiu o bafo a tabaco no seu pescoço - Agora é tarde para deixares o barco. – afirma ao deslizar um dedo pela sua cara que manifesta nojo daquele homem - Apanha-me essa merda e entra no carro. Estamos a demorar muito tempo a sair daqui. Obediente e assustada com aquele momento, Caroline foi a primeira a entrar no carro, os outros dois seguiram-na imediatamente, sendo que Jeremy ocupava o lugar de condutor e Mike seguia no lugar do pendura. Arrancaram a uma velocidade superior à permitida naqueles trilhos, levantando uma nuvem de poeira
  4. 4. WWW.UMABRISAPASSAGEIRA.BLOGSPOT.PT que me deixou sem vislumbrar a direção que tomaram. Mas não podia ficar ali parado, sem descobrir o que eles tramavam e escondiam de toda a gente. Atravessei toda a poeira, guiando-me pela audição. Foquei-me somente no motor do carro e depressa os alcancei. Não tardaram a encostar o carro. Estávamos a cerca de cinco minutos do acampamento, ainda numa área completamente deserta. Jeremy travou o carro e saiu batendo a porta com força, fazendo-se seguir fielmente por Mike que se apoiou na janela. - Porque é que paramos? – pergunta desconfiada Caroline, saindo também do carro. Mike apresenta-lhe um sorriso cínico, enquanto que o psicólogo se encosta ao capô do carro de costas para ambos – Jeremy!? – insiste já diante dele. - Sabes… acho que estamos todos a precisar de relaxar um bocadinho. Estamos todos stressados… - Relaxar? Aqui? No meio do mato? – Jeremy solta uma gargalhada bem alta, com a perspicácia da colega, que ecoa por um bom perímetro daquela zona. - Carol… Carol… Carol… - cruza os braços enquanto ela o fita atentamente – Não gostei do teu fraquejo ainda há pouco. Isto não é para fracos… - afirma sereno. - Quando entrei nisto, o plano não incluía mortes! – riposta imediatamente. - Aconteceu, minha linda! Mas como estava a dizer, vamos relaxar. Mike, que me dizes? - Aprovado. – responde caminhando para junto deles. - E estão a pensar-me dizer-me? – impacienta-se a rapariga confiante de que aquele assunto seria esquecido. - Melhor que isso… - faz sinal a Mike que agarra nos braços da colega imobilizando-a – Vamos mostrar-te. - LARGA-ME! – esperneia descontroladamente – O que é que me vão fazer? - Só há uma maneira de dois homens relaxarem com uma mulher. – nisto, não perde tempo e rasga-lhe a t-shirt. Beija-a intensivamente, desde o pescoço ao peito, não dando importância aos contorções do corpo dela, que perante a força de
  5. 5. WWW.UMABRISAPASSAGEIRA.BLOGSPOT.PT dois homens não lhe valia de nada – Deita-a no chão. – ordena pegando-lhe nas pernas. Um uivo feroz ouviu-se não muito longe, mas nem isso os demoveu. Não havia volta a dar. Não havia ninguém num raio de 150Km que pudesse socorrer a indefesa Caroline. Não lhe valiam os gritos, nem o choro. O seu corpo não tardou a ficar inerte, à mercê daqueles dois monstros. Mike não aguentando e ao ver que ela já não oferecia qualquer resistência, abusou dela da mesma forma que o seu chefe. Caroline já não era apenas um corpo despido. Era um corpo sem alma. Enquanto eu era uma alma sem corpo. Senti-me um inútil ao assistir àquela cena toda sem poder fazer nada. Ela sempre foi a mais simpática dos três, não merecia isto. O mundo é tão injusto… Tão cruel! - Vá, chega de brincar! – ordena o psicólogo, Mike assente e levanta-se, enquanto o olhar de Caroline é vazio e fixo em algum ponto distante. - E agora? – pergunta ajeitando os seus jeans. - Agora, é acabar com isto de uma vez. – baixou-se na direção da rapariga imóvel – Não vai doer nada, querida Caroline. – com a mão direita tapou-lhe a boca e com a outra o nariz. Sem dó nem piedade sufocou-a, até a jovem perder a cor, até à morte – Mete o corpo dentro do carro, temos de nos desfazer dela. Os meus punhos estavam cerrados devido à raiva e nojo que sentia daquela cena. Se ainda fosse um corpo com vida, sentiria as unhas cravadas na pele. Se eles eram capazes de fazer isto com alguém que os ajudava, nem quero imaginar do que seriam capazes de fazer connosco. Aí uma lembrança me assalta a mente: “Nós drogamos os miúdos… podem reagir muito mal”. O meu coração sobressaltou-se. A minha mente era preenchida pela imagem da minha irmã. Ela e os restantes corriam perigo de vida. Corro por entre árvores e arbustos a uma velocidade incalculável, nada me faria parar naquele momento. Tinha de chegar ao acampamento o quanto antes. Vivia um misto de emoções. Raiva. Nojo. Culpa. Preocupação. Impotência. Drogar um bando de adolescentes, muitos deles com dependências de álcool e drogas podia ser o fim.
  6. 6. WWW.UMABRISAPASSAGEIRA.BLOGSPOT.PT Saí do acampamento e eles estavam muito estranhos. Aprontavam alguma certamente. Isto deixava-me tão preocupado. Finalmente alcancei a vedação e corri para o interior. Ouvi música bem alta, o que quer que acontecesse seria inaudível para qualquer pessoa. Atravesso o corredor e deparo-me com o Alex e a Julie na sala de convívio. O Alex estava completamente alcoolizado agarrado à… Julie?! Num impulso desajeitado puxa-a pela anca, mas ela perde os sentidos, assim que embate no seu tórax. Como é que ele conseguia ser tão nojento? Tão otário ao ponto de nem se aperceber que a miúda desmaiara, ou até pior!? Mas claro, sendo ele um assassino e um monstro da pior espécie como os outros dois, continuou a dar em cima dela. Não iria assistir a mais uma cena deplorável… Encontrar a minha irmã, era a minha prioridade. Pelo menos estava longe deste imbecil. Na cozinha, dou com a Blue, a Charlie caídas no chão uma por cima da outra. Ambas com cortes nos braços. Arrepio-me só a ver aquele cenário. Ainda a um canto da mesa está o Sky debruçado sobre os braços. Os restantes estavam todos na parte exterior, exceto a minha irmã e o Mason. Algo pesado cai no andar de cima, a avaliar pelo estrondo. Precipito-me para as escadas e quando chego ao primeiro andar vejo a porta do escritório dos monitores escancarada, o que é estranho porque eles fazem questão de a manter sempre trancada à chave. Isto significa que algum de nós ou tem a chave ou arrombou a fechadura. Vou até lá, assim que entro sinto-me uma enorme fúria por tudo aquilo que aconteceu com a Caroline. Mas não estava lá ninguém, quem quer que fosse escapou rapidamente. Ia a sair quando ouço vidros a estilhaçarem-se, volto-me de rompante para a janela, visto que o barulho parecia-me ver lá de fora. A fogueira. Lembro-me. Será que aquilo perdeu o controlo e se alastrou para o interior? Isso seria uma tragédia. Isso seria um cenário perfeitamente idealizado por aqueles psicopatas. Corro até à janela e não tenho tempo de pestanejar com o que está a acontecer. Não! Quero gritar, mas ninguém me ouve. Quero intervir, mas não posso. Atravesso a janela e estremeço assim que percebo quem é que caiu na fogueira. Não. Não. Não. Porquê? Os gritos são demasiado dolorosos e sufocantes. Tinha de aparecer alguém. Não
  7. 7. WWW.UMABRISAPASSAGEIRA.BLOGSPOT.PT podia ser o fim, não podia! Olho em meu redor e aí me apercebo que não estou ali sozinho, ainda há esperança. A minha irmã está paralisada. Não reage. Mas ela tem de reagir, porra! - Vá lá, Ash! Tens do salvar! – grito inutilmente, como se ela me ouvisse. Mas ela reage finalmente e vai em socorro do pobre Mason, em chamas… PRÓXIMO CAPÍTULO: 14 DE NOVEMBRO.

×