O SEGREDO É SER ESPORTÂNEO: UMA BREVE INTRODUÇÃO DA HISTORIA DO CIRCO

449 visualizações

Publicada em

A origem contemporânea do circo, surgiu com Philip Astley, sub-oficial da cavalaria inglesa e sua companhia Astley’s Royal Amphithéatre of Arts, e desde então o termo picadeiro foi criado e utilizado, para designar o palco do circo. A arte circense pode ser vista em três ambientes.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
449
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
144
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O SEGREDO É SER ESPORTÂNEO: UMA BREVE INTRODUÇÃO DA HISTORIA DO CIRCO

  1. 1. 1 UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO HISTÓRIA O SEGREDO É SER ESPORTÂNEO: UMA BREVE INTRODUÇÃO DA HISTÓRIA DO CIRCO SÃO PAULO 2014
  2. 2. 2 LUCAS GONÇALVES DA SILVA O SEGREDO É SER ESPORTÂNEO: UMA BREVE INTRODUÇÃO DA HISTORIA DO CIRCO Monografia apresentada como requisito parcial para a obtenção do título de Licenciatura plena em História pela Universidade Nove de Julho. Orientadora: Profª MS. Katia Kenez SÃO PAULO 2014
  3. 3. 3 LUCAS GONÇALVES DA SILVA O SEGREDO É SER ESPORTÂNEO: UMA BREVE INTRODUÇÃO DA HISTÓRIA DO CIRCO Monografia apresentada como requisito parcial para a obtenção do título de Licenciatura plena em História pela Universidade Nove de Julho. Data de entrega: XX de XXXXXXXX de 2014 Resultado: _____________________ BANCA EXAMINADORA ________________________________ Orientador ________________________________ Convidado ________________________________ Convidado
  4. 4. 4 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho a todos os artistas circenses que um dia pisaram os seus pés no picadeiro.
  5. 5. 5 “Temos de saber o que fomos, para saber o que seremos” (Paulo Freire)
  6. 6. 6 RESUMO A origem contemporânea do circo, surgiu com Philip Astley, sub-oficial da cavalaria inglesa e sua companhia Astley’s Royal Amphithéatre of Arts, e desde então o termo picadeiro foi criado e utilizado, para designar o palco do circo. A arte circense pode ser vista em três ambientes. O primeiro com os circos” tradicionais”, compostos por famílias que durante gerações mantém viva essa arte; o movimento do novo circo, que é a junção da linguagem teatral com novos tipos de maquiagem, cenários de palco, iluminação e linguagem multimídia e por último os artistas de rua. O circo no Brasil está mudando, com o questionamento sobre a presença de animais em espetáculos circenses. Esse dilema tem gerado leis que proíbem os circos com animais de se apresentarem em algumas cidades. Para agravar a situação do circo, o brasileiro tem frequentando pouco os picadeiros Palavras-chave: Circo, Circo no Brasil,
  7. 7. 7
  8. 8. 8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Ilustração 1 – Astley Royal Amphitheatre of Art .............................. 15 Ilustração 2 – A moradia dos artistas .............................. 20
  9. 9. 9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 11 1. CONTEXTUALIZAÇÃO 13 1.1. ORIGEM DO CIRCO MODERNO 13 1.2. O CIRCO NOS ESTADOS UNIDOS 16 1.3. OS NÔMADES 18 1. 4. OS NÔMADES CIRCESES 19 2. O CIRCO NO BRASIL 20 2.1. O CIRCO EM SÃO PAULO 23 2.2. E NOS DIAS ATUAIS 24 2.3. E O QUE ACONTECEU 26 CONSIDERAÇÕES FINAIS 29 BIBLIOGRAFIA 92
  10. 10. 10
  11. 11. 11 INTRODUÇÃO Hoje tem marmelada? Tem, sim sinhô. Hoje tem goiabada? Tem, sim sinhô O palhaço, o que é? É ladrão de mulhé. Quem de nós, adultos, crianças ou jovens, não temos uma boa lembrança das horas mágicas passadas sob a lona do circo? Das boas risadas que nos roubam os palhaços, da admiração pela habilidade dos acrobatas e malabaristas, além do olhar preso ao voo mágico dos trapezistas? Esta arte, que vem de outros séculos, mantém-se viva em todo o país. O circo constitui uma forma de expressão fundamental na formação cultural brasileira, por conta de sua inerência e sua capacidade de influência em todo o território. Apesar de ser uma das manifestações mais tradicionais do mundo, essa expressão adquire formas contemporâneas que se articulam permanentemente com outros setores da cultura. A linguagem se adaptou às dimensões locais e culturais do Brasil, assimilou traços das culturas afro-ameríndias, assimilou os regionalismos do país e tornou-se uma das mais importantes manifestações artísticas brasileiras, com grande penetração popular, chegando a atender mais a população do que, por exemplo, o cinema nacional. O circo, uma arte milenar que sobreviveu ao longo da história humana. Entretanto, o circo de 50 anos atrás é totalmente diferente de 2014, assim como deverá ser diferente no futuro. Essa arte milenar é uma miscelânea de várias artes, apresentadas em um palco, no caso o picadeiro. Atualmente, a arte circense é dividida em sua maioria ramificações: “tradicional”, que é a visão mais romântica do circo, constituída por famílias que há várias gerações vivem sob a lona; ”o novo circo”, que está inovando a linguagem dessa arte, inserindo elementos teatrais e multimídia, buscando uma concepção contemporânea, sendo que a maioria de seus
  12. 12. 12 artistas não são de famílias tradicionais; e por fim os “artistas de rua”, que são uma constante, desde os tempos do Brasil império, e que sem lona e com muito improviso mantém a arte circense em sua essência mais simples. Perceberemos que o circo, na verdade, pode ser comparado a uma pequena cidade ambulante. Todos os artistas moram em casas com rodinhas, ostraillers. Cada vez que o circo muda de lugar, todas as coisas usadas no espetáculo (lona, ferragens, cadeiras, arquibancadas, acessórios, roupas, etc.) e também as casas dos artistas são transportadas. Transportam também amor, sonhos, amizades. Amizades que nem sempre perduram, pois mudam para locais diferentes, o que dificulta um pouco os relacionamentos duradouros, devido às distâncias. Resta contar uns com os outros e o bom relacionamento é imprescindível, pois é o que os torna uma grande família. É, portanto, o circo um eterno tráfego de vida e sonho deixando, por onde passa, um rastro de alegria e ligações passionais dessa arte secular que envolve a todos nós. Circo é Paixão. Além de notarmos as origens do circo, navegaremos pelo o circo em diversos lugares que ajudaram a formar o circo no Brasil. E também conversaremos com pesquisas realizadas em todo o território nacional, que buscaram classificar e entender melhor a dimensão do circo. E por meio das estatísticas culturais tornam-se tanto mais necessárias quanto mais se amplia a definição de Cultura e quanto mais se relaciona Cultura e Desenvolvimento. Dados ou indicadores podem medir que parte da sua riqueza uma determinada sociedade dedica à Cultura, como esses produtos culturais são gerados ou difundidos, quantos empregos geram, quanto contribuem, em suma, para a riqueza do país. Eles também podem permitir aos países compreender melhor sua própria situação, inserir a Cultura no ambiente das políticas de desenvolvimento.
  13. 13. 13 1. CONTEXTUALIZAÇÃO As artes do circo antecedem a criação do circo moderno em 1776. A arte faz parte da história do homem desde os tempos “das cavernas”. Força, flexibilidade, agilidade, equilíbrio, audácia e coragem, são elementos comuns aos artistas de circo. No que se refere ás disciplinas que integram as artes do circo, esse debate não poderia ser mais efervescente. Acrobacia, aéreos, equilibrismo, malabarismo, ilusionismo, circo-teatro, animais, palhaços. Como categorizar como classificar algo tão grande e tão diverso. E preciso realizar essa categorização? Visamos nesta instancia relatar a tamanha singularidade do circo, e as suas especificidades, elas que forma o circo em nossos dias atuais.
  14. 14. 14 1.1. ORIGEM DO CIRCO MODERNO A terminologia “circo”, em nosso Dicionário de Língua Portuguesa Aurélio, refere-se ao mesmo neste sentido: “recinto formado por uma armação desmontável, coberta de lona, de forma circular, para espetáculos acrobáticos, cômicos, equestres e etc.” e, talvez, essa colocação esteja correta, porém, não em sua totalidade. A palavra circo pode referir-se diretamente ao espetáculo ou então como muitas vezes é utilizada, referindo-se ao local que realiza as apresentações e, muitas das vezes, pode ocasionar certa confusão. As artes circenses existem deste que o mundo é mundo. Há exemplos que podemos resgatar em imagens rupestres na Europa, sem esquecer de relatos de uma suposta origem na China em anos antes de Cristo, bem como existem relatos na Grécia clássica, na Roma antiga, entre inúmeros outros lugares que podemos utilizar como exemplos, pois as artes circenses acompanham o ser humano em todo o seu processo de transformação e evolução ao longo dos ciclos. Porém, se seguirmos friamente a colocação de nosso Dicionário de Língua Portuguesa e nos atarmos única e exclusivamente no âmbito que menciona e classifica, o circo, sendo um local de espetáculo fechado e restrito para a apresentação, adestramento ou para a exibição de diversas proezas, seria algo relativamente novo, de uns 200 anos. Atualmente, a arte circense pode ser dividida em três principais ramificações: tradicional, que é a visão mais romântica do circo, constituída por famílias que há várias gerações vivem sob a lona; o novo circo, que está inovando a linguagem dessa arte, inserindo elementos teatrais e multimídia e buscando uma concepção contemporânea, sendo que a maioria de seus artistas não são de famílias tradicionais; e, por fim, os artistas de rua, que são uma constante, desde os tempos do Brasil império, e que sem a lona e com muito improviso mantém a arte circense em sua essência mais simples. O livro “O show não pode parar”, por exemplo, se configura como um retrato da arte circense, pois essas companhias são todas nômades por percorrerem o Brasil (CUNHA 2010). Entretanto, não nos cabe limitar ou rotular de nenhuma maneira essa expressão artística milenar conhecida amplamente em todo o mundo.
  15. 15. 15 Nosso propósito é difundir o circo e não conceituá-lo, visto que, desta forma, limitamos o que o circo mais presa, a sua, liberdade. Por que empregamos essa colocação, de um circo relativamente “jovem”, de uns 200 anos, em vez de remontar a sua tradição longínqua em um passado remoto? A grande parte dos registros e pesquisadores do tema veem o circo como conhecemos hoje: itinerante e com diversas exibições, sendo popularizado em Londres porque, desde o século XVII, as apresentações equestres apresentavam grande aceitação em toda a Europa, já que a equitação era uma habilidade praticada por militares que as aperfeiçoaram para se apresentar à nobre e também para combates, ocasionando uma situação nova. “Alguns grupos de ex-cavaleiros militares saíram dos “muros aristocráticos” das exibições particulares para a nobreza, ‘organizando espetáculos ao ar livre, em geral nas praças públicas, mediante pagamento’” (SILVA 2004 p. 33) Dessa maneira, o circo começa a ganhar algumas das características que formam o perfil de circo que conhecemos nos dias de hoje, sendo elas: “A composição do espaço físico e arquitetônico, onde ocorriam as apresentações, era em torno de uma pista de terra cercada por proteção em madeira, na qual se elevavam em um ponto pequenas tribunas sobrepostas, semelhantes a camarotes, cobertas de madeira, como a maior parte das barracas de feira daquele período, acopladas a pequenos barracões.” (SILVA, 2004.P 34) Todas essas características foram introduzidas por um homem que foi influenciado por algumas ações culturais francesas que, para muitos, é considerado como o inventor desse espetáculo circense que chamamos circo. Ashley foi um inglês que com o seu desligamento do regime militar se dedicou a apresentações a céu aberto de suas habilidades equestres nos espaços já mencionados. Até agora, esse espaço a céu aberto não tinha um nome definido porque sua arquitetura era extremamente similar aos anfiteatros franceses, que podemos chamar de um espaço multiuso, pois haviam diversas exibições. Porém, ambos necessitavam de algo em comum, visto que as suas apresentações eram a céu aberto e necessitavam de um bom clima. Não é segredo que a Inglaterra tinha forte tendência agrícola devido ao seu sistema climático que fornecia fortes chuvas para a sua produção agrícola. Chuvas
  16. 16. 16 essas que dificultavam as apresentações a céu aberto de Ashley e sua trupe, fazendo com que ele construísse um anfiteatro permanente e de madeira com o nome de Astley Royal Amphitheatre of Arts, em 1779 (Silva 2004). O lugar foi levantado com tamanho requinte e luxo, conforme ilustração abaixo: Astley Royal Amphitheatre of Art Segundo Bolognesi (2002), o anfiteatro seguiu os modelos de salões de OPHERA da sua contemporaneidade, recebendo até encenações de peças shakespearianas, como Ricardo III. O tamanho do sucesso alcançado por Ashley, um pouco mais de um ano da formação de seu anfiteatro em 1780, fez com que um de seus cavalheiros, por nome de Hughes, inaugurasse sua própria companhia com o nome de Royal Circus (Silva 2004), sendo a primeira vez que esse espaço reservado pra exibições aparecesse com o nome de circo. O seu fundador Hughes mudou radicalmente a alocação do ambiente inaugurado, dando assim um espaço maior ao número de expectadores e ocasionando uma revolução na maneira de apresentar. Desse modo, o Royal Circus foi ganhando mais luz em suas exibições, pois havia a divisão das alocações de público, colocando algumas pessoas em camarotes superiores e deixando a antiga pista com espectadores. Ainda assim, todos os espetáculos apresentados eram realizados nas costas dos cavalos, sendo ele um dos grandes personagens dessa época que chamamos de circo moderno (BOLOGNESI, 2002).
  17. 17. 17 Fica evidente que tanto Ashley quanto Hughes inovaram na maneira de apresentar as artes circenses para o público, sendo a sua apresentação em um local fechado e não mais nas ruas, e com uma grande diversidade de artistas, desde ex- militares, como saltimbancos, ciganos, adestradores de animais, acrobatas, atores do teatro. Sendo assim, fica evidente que ambos criaram uma nova forma de “organização artística” (SILVA, 2004). Théophile Gautier, poeta francês do século XIX, afirmava que o circo era um espetáculo essencialmente visual, uma opéra de l’oiel, e devia isso não somente aos seus uniformes cintilantes, ao esplendor de seus cenários, mas, sobretudo ao fato de que sua essência era a “ação”. A atração do circo consistia precisamente na ausência ou, antes, na insignificância da palavra (SILVA,2004 p. 42 e 43) Essa foi a essência do circo durante seu primórdio. A pouca ou quase não utilização do diálogo entre artistas, modalidade essa que foi amplamente aceita e difundida por toda a Europa, ganhou inúmeros representantes que serão de grande importância para a continuidade do circo no mundo. Sendo assim, surgiu uma nova classe que se estabelece para a sociedade e para a economia europeia: um grupo artístico circense mais organizado. 1.2. O CIRCO NOS ESTADOS UNIDOS Devido as diferentes situações que acorreram ao longo da história europeia e ocasionaram uma forte onda de imigração que emanava da Europa para todas as partes do globo terrestre, não foi diferente com os artistas circenses. As chamadas famílias circenses - que se dão com as relações de casamento entre outros artistas e até entre outras famílias circenses, ato esse que estabelecem assim as “dinastias circenses” - também se organizaram por todo os continentes que receberam essa onda imigratória europeia. Não sendo diferente assim do continente americano, que recebeu inúmeras famílias circenses em diferentes momentos. Nos Estados Unidos, foi construído um anfiteatro de madeira muito semelhante com o já construído na Inglaterra. Segundo Silva (2009), não era sempre possível encontrar espaços adequados para as exibições em ar livre nos Estados Unidos. Devidos as pequenas cidades e longas distâncias em solo americano, os anfiteatros eram construídos nas cidades principais. Graças a essa
  18. 18. 18 facilidade de armação e desarme do circo, ele consegue ser transportado, não ficando nada em seu terreno. “Portadores que eram da tradição nômade conseguiram viver por séculos em consequência de sua capacidade de integração e, em particular, à funcionalidade de seus instrumentos e à essencialidade e praticidade de seus conhecimentos. Aos poucos as tendas foram aumentadas e aperfeiçoadas, principalmente graças à invenção dos mastros centrais que possibilitavam, além de suporte do tecido, dos aparelhos aéreos e da iluminação, aumentar o espaço do redondel. As coberturas mudaram de panos de algodão para lona simples e depois impermeável. De início, os espetáculos eram durante o dia, sendo que, por volta de 1845, os diretores de circo sob a tenda começaram a se apresentar à noite, iluminando o espaço com tochas de resina e velas de sebo; posteriormente, é claro, foi iluminado a gás, acetileno e eletricidade. No começo, o começo do material era feito com carroças puxadas por animais e, depois, através de rios e ferrovias. Como todos e tudo era transportado junto, o circo ambulante americano transformou as pequenas passeatas de uns poucos artistas - que eram realizadas na Europa para propaganda da estreia, em particular na Inglaterra -, na ‘grande parada’ composta por todos os artistas e animais da companhia, acompanhada de grande fanfarra. O espetáculo explorou, também, com bastante intensidade o chamado side-show, que reunia além de alguns monstros trucados, os fenômenos mais assustadores que se podia encontrar: obesidades de todo tamanho, mulheres barbadas, homens cachorros, Hércules, anões, animais deformados.” (SILVA, 2003, p. 32 e 33). Quando, no início do século XIX, Purdy Brown, juntamente com os irmãos Nathan e Seth, cobrem a arena com uma “cava” (tenda), que possuía um mastro central, fazendo surgir os moldes do “circo americano” ou circo de lona. Mas, foi nas mãos de Phineas Taylor Barnum que o circo coberto foi difundido, pois ele era um homem de negócios e um extraordinário publicitário. Utilizou cartazes coloridos e uma tenda enorme, dando novo ritmo aos espetáculos. Já que os que americanos mais sabem fazer é “show business”, o circo ganha proporções imensas e se torna um espetáculo de dimensões gigantescas como um grande acontecimento itinerante. Em contrapartida, muitos artistas na Europa ainda se apresentavam nos espaços construídos de madeira, os conhecidos “circos estáveis”, que os protegiam das alterações climáticas. Entretanto, quando esses artistas futuramente retornam a Europa, adotam quase que, definitivamente, o estilo nômade em suas apresentações.
  19. 19. 19 1.3 OS NÔMADES Há de se saber que, para entendermos a história do Circo, precisamos entender que a mesma está ligada com a história dos Ciganos ou Nômades. Pois bem, foram realizadas pesquisas para detectar o que se produz a respeito, de tamanho movimento cultural e artístico desses movimentos. A primeira referência utilizada é o Dicionário de Língua Portuguesa Aurélio e, quando verificamos o termo “nômades”, é apresentado diversas colocações, como “errantes” ou “vagabundos” - termos pejorativos que os classificam e dão um sentindo distorcido - ou classificados como sem “domicílio fixo” e com a “atividade desconhecida”. É preciso discutir o conceito de nômades, pois, quando são taxados de “errantes” ou “andarilhos”, nos passa uma visão que se descolavam, sem proposito, entretanto e totalmente oposto a isso. Segundo Silva (2007): Nenhum grupo nômade, seja de circenses, ciganos, árabes do deserto ou outro, distribui homens e animais em um “espaço aberto indefinido”. Os trajetos nômades seguem “pistas e percursos” diferentes dos sedentários, e a construção de sua memória e da sua forma de viver no mundo é diferente. Mesmo que o nômade tenha como característica essencial o deslocamento contínuo, e mesmo que se distribua de forma heterogênea em espaços livres e não circunscritos, observa-se que para eles há referências fixas que, inclusive, garantem essa mobilidade e o seu modo de viver. Este é o seu modo de ter casa, de realizar seu trabalho e de construir a sua família. Em “O nomadismo e a memória”, a autora Duarte (1995) avalia positivamente o “nomadismo” e diz: “Sua constância no ininterrupto ato de percorrer espaços sem delimitá-los, mas simplesmente localizando-os, distribuindo-se de forma heterogênea. Em espaços livres e não circunscritos, faz do nômade o próprio homem da desterritorialização, deslocando-se numa terra que “tende a devir simples solo ou suporte”. Essa lógica passa a conceituar o nomadismo afirmativamente, ou seja, a partir do que ele é, de suas especificidades e singularidades.”
  20. 20. 20 1.4. OS NÔMADES CIRCENSES De acordo com a obra “Circo espetáculo de Periferia”, a moradia dos artistas circenses eram as caravanas (carretas ou trailers) e barracas de lona. Essas eram e são os tipos de habitação que se localizam nos fundos do circo, lugar esse onde moram os artistas e, eventualmente, o proprietário com sua família. Muitas das vezes, as caravanas pertenciam ao próprio dono do circo, que as emprestava aos artistas, ou eram construídas pelos próprios artistas para seu uso, modalidade essa conhecida como circo família. Demonstrando assim, uma das peculiaridades dos “nômades circenses” era que a sua moradia também era o meio de locomoção dele e de seus familiares. A moradia dos artistas http://4.bp.blogspot.com/_Sk1KpuqeFLg/TQzC44DiZbI/AAAAAAAADiQ/fYQgehs8IZ8 /s1600/A+LOna+Nova+2.jpg dia 13/06/2014 Devemos saber que os trajetos a serem percorridos pelos artistas circenses eram um percurso estrategicamente definido por um roteiro de viagem. Muitas das vezes, aproveitando as datas comemorativas de cada localidade que visitavam no país, e a proximidade das cidades.
  21. 21. 21 Além disso, definir o roteiro de viagem implicava “preparar” as cidades de destino: fazer a propaganda, escolher o terreno, reservar as acomodações necessárias, entrar em contato com as autoridades locais. Este movimento é até hoje realizado e denominado “fazer a praça”. Assim, para o circense, o ponto de referência é o destino do trajeto e não o percurso ou o trajeto (SILVA, 2008, p.112). Modalidade essa exemplificada que podemos encontrar no belíssimo filme “O Palhaço”, de 2003, ganhador de diversos prêmios nacionais e internacionais protagonizado por Selton Mello. No filme, Benjamim (Selton Mello) trabalha no Circo Esperança junto com seu pai Valdemar (Paulo José). Juntos, eles formam a dupla de palhaços Pangaré & Puro Sangue e fazem a alegria da plateia. O longa- metragem, demonstra também essa locomoção das famílias circenses pelo interior do Brasil, em busca de um lugar para se instalar, demonstrando a rotina de um Circo pequeno e itinerante pelo Nordeste brasileiro. 2.0. CIRCO NO BRASIL No Brasil, sugere-se que tenha chegado em 1500, na frota de Pedro Álvares Cabral, através das palhaçadas de um tripulante que veio em sua expedição. Seria ele, Diogo Dias, segundo relata Pero Vaz de Caminha em carta enviada ao Rei D. Manuel (1495-1521): E além do rio andavam muitos deles, dançando e folgando uns ante outros, sem se tomarem pelas mãos, e faziam-no bem. Passou-se então além do rio Diogo Dias, almoxarife que foi de Sacavém que é homem gracioso e de prazer, e levou consigo um gaiteiro nosso, com sua gaita, e meteu-se com eles a dançar, tomando-os pelas mãos. E eles folgavam e riam e andavam com ele mui bem, ao som da gaita. Despois de dançarem, fez-lhes ali, andando no chão, muitas voltas ligeiras e salto real, de que se eles espantavam e riam e folgavam muito. (CAMINHA, 1500). O termo “gracioso”, para a época, possuía o significado que hoje conhecemos
  22. 22. 22 como o bobo, ou melhor, o palhaço. Assim como o “salto real” seria o salto mortal e as “voltas ligeiras” seriam acrobacias, geralmente utilizadas nas apresentações dos saltimbancos da época. Para muitos, o circo simboliza a alegria e a simplicidade e é visto como um dos mais antigos saberes populares e artísticos do mundo. O picadeiro é o palco da arte circense e por eles desfilam os “profissionais do circo”, sempre com muita magia e encantamento. E não poderia ser diferente em solo brasileiro: há diferentes caminhos que nos demonstram como e por quem o circo chega até nós. Esses caminhos podem ser divididos em algumas ramificações que nos demonstram suas origens, como, por exemplo, a chegada dos Imigrantes Ciganos e dos artistas de rua que aqui estavam. Os ciganos que chegaram por aqui sofreram forte e inflexíveis perseguições em Portugal durante o século XVIII, sob o reinado do Dom João V. Sendo assim, os ciganos portugueses foram sendo degradados assim para as Colônias Ultramarinas, como afirma Teixeira (2000): Em fins do século XIX, ciganos vindos da Europa central e dos Bálcãs trouxeram para o Brasil também ursos, animais exóticos capazes de atraírem multidões de curiosos, porque inexistentes na fauna brasileira. Certamente estes ciganos pertenciam ao subgrupo Ursari, assim denominados porque se especializaram no adestramento de ursos. Seja como for, no interior mineiro tornaram-se “famosos” os ‘ursos de ciganos’, que dançavam canhestramente ao som do pandeiro e do canto monótono (TEIXEIRA, 2000, p.41) Visto esse cenário que foram recebidos, sendo expulsos da Metrópole e indo à Colônia, os ciganos não sabiam o que se reservava ao chegarem a seu destino (SILVA, 2009). A princípio, eles foram recebidos com um misto de receio e fascínio não sendo tão atingidos da maneira aguda como foram na Europa. Segundo Renato Rosso (1985), os ciganos chegaram pelo Nordeste brasileiro e, em seguida, foram se dirigindo paulatinamente para todo o território brasileiro. Muitos desses grupos que desembarcaram no Brasil já haviam se destacado na Europa, nas artes cênicas, na música e no artesanato. Desta forma, as famílias ciganas que chegaram ao Brasil foram indo de cidade em cidade, demonstrando as suas habilidades em adestramento de animais (ursos, cavalos, etc.), bem como o seu talento para ilusionismo e dança, lembrando que nada era parecido com o circo que temos como referência.
  23. 23. 23 Outra fator recente da história dos ciganos e do circo é que algumas famílias admitem a possibilidade de suas origens serem ciganas, porque houve e ainda existe um certo ranço de preconceito e até certa perseguição aos grupos ciganos por inúmeras razões, muito diferentes a outros grupos de artistas itinerantes. Nesse cenário, nasce uma das ramificações das “origens” do circo no Brasil. A utilização do plural na palavra “origens” visa demonstrar a possibilidade de uma outra abertura de nascimento da história do circo. Portanto, a partir da chegada dos imigrantes, iremos traçar nosso caminho rumo a história do circo no Brasil. Os artistas que chegavam ao Brasil, como imigrantes ou ciganos, ou aqueles que aqui se encontravam, mantiveram alguns padrões próprios das suas tradições e formações como artistas. Em contrapartida, eles inventaram, renovaram, criaram adaptaram e até mesmo incorporaram habilidades de outras áreas de cultura. É impossível estudar o circo, sem estudar a música, as artes cênicas, já que as diferentes áreas foram tomadas como inspiração para o circo. No Brasil, as apresentações circenses eram feitas nas ruas, nas feiras, nos tablados, nos palcos teatrais e também nos ambientes fixos, assim como na Europa. Porém, particularmente no Brasil, as observações e adaptações nas tecnologias de estruturas nas construções arquitetônicas dos espaços, visto a chegada dos imigrantes. Nos primeiros anos do século XIX, o Brasil se torna uma rota importante das turnês de alguns circos estrangeiros, que desembarcavam nos portos mais aquecidos dos Brasil, sendo eles o de Salvador e do Rio de Janeiro. Muitos desses circos estrangeiros que chegavam por aqui eram, especialmente, argentinos. Algo que podemos perceber é que alguns dos artistas que não retornavam à sua terra de origem e por aqui ficavam percebiam que não haviam espaços cobertos para as suas apresentações, como na Europa ou nos Estados Unidos. Ou seja, os imigrantes que por aqui estavam tiveram que desenvolver algumas adaptações ligadas a realidade do local, porém, tendo sempre como referência os conhecimentos dos modelos vistos fora da Latino América. “Pelos relatos, quando aqui chegaram, as primeiras formas de apresentação, em recintos fechados, eram denominadas de circo de tapa- beco, circo de pau-a-pique e circo de pau fincado.” (SILVA, 2008, p. 22)
  24. 24. 24 Essa denominação foi dada pela forma de disposição arquitetônica que os circos se utilizavam para se apresentar. Entender a disposição arquitetônica é importante para entender o circo, porém, não é suficiente para analisar como um todo o circo no Brasil. 2.1. CIRCO EM SÃO PAULO E São Paulo, foi uma dessas cidades que está na rota frequentada pela trupe dos artistas circenses. São Paulo, cidade de imigrantes oriundos de diversas partes, possuía em média 200 mil habitantes, cento e poucas indústrias movidas à vapor, oito jornais diários e três theatros e inúmeras atividades recreativas, algumas domingueiras como a boccia, críquete e o football, elemento esportivo introduzido recentemente na cultura da cidade de São Paulo. As atividades paulistanas eram diversas, e suas divulgações, quando ainda não eram fixas, fazia com que os artistas circenses realizassem o que os próprios denominam de “fazer a praça”, que é distribuir a sua programação e propaganda nas regiões circo vizinhas do local aonde eles iriam se apresentar, realizando assim sua propaganda, que a alma do negócio. Os mesmo se dividiam na tarefa de divulgação, das mais diversas e diferenciadas maneiras de realização. Já em São Paulo, nos primeiros anos do século XX, existiam diversos circos que se locomoviam pela cidade, como o circo Americano, que se localizava no Largo da Concórdia, O Circo Oriente montado na Rua dos Imigrantes, do Bom Retiro, ou O Circo dos Touros, no Parque da Vila Mariana, não se pode esquecer que a genética do circo e ser andarilho, podendo se fixar hoje na Vila Mariana e amanhã, na região do Brás, isso deixa claro a aceitação que vinha dos paulistanos. Como nós seres humanos necessitamos de oxigênio para sobreviver, o circo necessita, de espectadores, tanto para a gratificação dos próprios artistas, também para que o mesmo consiga resistir as despesas, geradas pelo espetáculo. Precisamos ter em mente que, o circo se fixa, em locais onde existam pessoas (o público), e em São Paulo eles encontraram um terreno propício para germinar a semente circense.
  25. 25. 25 O circo era bem-vindo em todos os lugares onde se alocava, desde as regiões mais nobres até as regiões periféricas da cidade não importando a classe social, que pertenciam a um exemplo demonstrado pelo autor “No largo da concórdia apareceu o Circo Universal de propriedade de Albano Pereira e com três clowns, Antônio Freitas, Henrique Oson e Henrique Grunwwald. No dia 20 de junho, os índios guaranis que vieram a pé de São João Batista do Rio Verde para pedir ao governo providência contra a invasão de suas terras por bandos de ciganos, compareceram ao Circo Universal “Riram-se a valer, e divertiram muito as pessoas que ali se achavam” (ARAÚJO,1981, p 259) Muitas das vezes, os circos servidos das respectivas licenças retiradas na prefeitura e na polícia, vinham e armavam suas lonas e, em alguns casos, suas tábuas. E geralmente, esses lugares já eram pré-determinados, muitas das vezes era um largo ou um terreno baldio, visto a necessidade de instalação de todos os aparatos, que se nesse ssita para a apresentação dos espetáculos que ali aconteceriam 2.2. E NOS DIAS ATUAIS Já observamos em capítulos anteriores que, o chamado circo “contemporâneo”, com picadeiro e lona, surgiu em meados do século XVII, com o Suboficial da cavalaria inglesa, Phillip Astley. Ele descobriu que um homem pode se manter em pé no dorso de um cavalo, em uma arena de treze metros. Dessa forma o local onde se executavam tais feitos eqüinos foi denominado picadeiro, surgindo assim o termo. Entretanto ainda no começo de tal forma de entretenimento, percebeu-se que havia Monotonia nas apresentações exclusivas de acrobacia eqüina, segundo Bolognesi (2002). Dessa forma o picadeiro acabou por agregar as artes dos Saltimbancos - artistas populares que se apresentavam desde a idade média em feiras, praças públicas pela Europa. Ao longo do tempo agregaram-se mais números, afim de sempre atrair mais público, para as suas apresentações. E segundo Bolognesi : (...) mas, o espetáculo nascido naquela oportunidade e que, em suas características gerais, se mantém até os dias de hoje é apenas demonstração de habilidades?
  26. 26. 26 Certamente, não. Para este espetáculo, além das habilidades, concorrem pelo menos outro seis elementos: coreografia música, indumentária, efeitos de luz, linguagem falada e animais selvagens. (BOLOGNESI,2002,p 3 ) Podemos inferir que o circo procura sempre se atualizar, justamente para conseguir atrair novos públicos, e assim sobreviver. Essa ação é justificada com Bolognesi (2002, p.1) “as artes circenses também têm buscado no teatro e na dança formas de inovação”, e evidente que os artistas buscavam em diferentes campos do mundo artístico, como outras artes também, aderiram a movimentos que transcenderam os picadeiros. No Brasil as primeiras manifestações de arte circense, até então não denominadas desse jeito, surgiram no Brasil com duas vertentes, uma com imigrantes ciganos e outra com os artistas de rua da época. Os imigrantes ciganos, vieram em considerável número no Século XVIII isso, pois, durante o reinando de Dom João V, houve uma acentuada perseguição aos Ciganos em Portugal, sendo degredados para as colônias ultramarinas, como já pudemos contestar no começo do capitulo 2 desse trabalho. Dessa forma, os ciganos e suas famílias, iam de cidade em cidade mostrar sua capacidade com domas de animais (ursos e cavalos), ilusionismo e dança, mas em nada parecido com o circo, tal como o concebemos. Para Torres (1998) o circo chegou ao Brasil em 1830 impulsionado pelos ciclos econômicos, as grandes companhias vinham se apresentar no Brasil. Esse vinda mudou profundamente as apresentações dos ciganos e tantos outros artistas de “rua”, e também essas grandes companhias europeias, pois ambas se “assimilaram” e assim foram transformando o circo no Brasil. Tais movimentos foram acalorando ainda mais esse cenário circense no Brasil, tais relados são provas de como era a aceitação em solo brasileiros, podendo ser classificado por diversas maneiras, pelo novo, pelo estrangeiro, pelas cores, pelas sensações, qualquer uma dessas linhas defendidas entre tantas outras, pela aceitação do circo, não estará equivocada, entretanto, esses tempos eram outros. Hoje em dia como andará de “pernas” o circo no Brasil? Por isso, para conhecer o universo desta arte milenar que trabalha com o encanto e a imaginação, foram convidadas diversas instituições, entre elas, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) pesquisadores, especialistas e
  27. 27. 27 estudiosos do tema, artistas, profissionais e escolas de circo de diferentes estados, que participaram dos debates, das reflexões e da construção de propostas sobre a atividade do circo no país. E o IBGE, revelou algumas pesquisas que foram realizadas, apresentando todo um trabalho que está sendo desenvolvido para um desafio, de mapeamento da atividade circense no pais. Na pesquisa do IBGE de 2000, cerca de 2.705 mil trabalhadores, estavam ocupados diretamente com o circo. Sendo distribuídos da seguinte forma. Ao analisarmos o mapa acima, perceberemos uma concentração de trabalhadores do circo nos estados de SP (23,2%), RJ (19,2%) e MG (8,8%), que juntas detinham mais da metade (51,2%) dos circenses. Outra característica dos ocupados no circo é o seu nível de escolaridade.
  28. 28. 28 Os trabalhadores do circo com instrução de até 8 anos de estudo (ensino fundamental) representavam 65,5% do total da ocupação. Para o total de ocupados o percentual encontrado como até 8 anos de estudo foi menor (55,3%). Por outro lado, ocupados em geral com 9 ou mais anos de estudo atingem 36,4% do total, sendo que esta proporção cai para 29,8% para os ocupados nas atividades circenses. (IBGE, 2007, p.11) Outro dado interesse que o IBGE, traz em seu levantamento estatístico é, a média de salário para quem trabalha no circo é de três salários mínimos, dados que nos ajuda a realizar um perfil, porém evitando a generalização dos trabalhadores dos circos no Brasil. Há uma outra pesquisa realizada pelo mesmo instituto, informou que as famílias brasileiras gastaram em média, cerca de 0,05% do total do orçamento (R$ 64,53) com o circo, no ano de 2003. Esse número chega a ser drasticamente inferiores se comparamos com anos anteriores aonde o circo era junto com o cinema um das principais saídas culturais das famílias brasileiras. 2.3. O QUE ACONTECEU Alguns pesquisadores, mencionam que, o progresso tecnológico no transcurso do tempo, como, a invenção da televisão e sua propagação entre todas as camadas sócias, foi uma das causadoras, outros buscam entender essa caída, visando a perca de um possível essência do circo. A diversas linhas que se pode seguir para tentar compreender, porém, quando se apaga apenas a uma se perde todo um seguimento que te levam ao mesmo lugar, por isso nesse caso, acreditamos que estão corretas essas afirmações sobre a gradual caída do circo, no Brasil. Porém elas são apenas baixos focos de luzes em uma noite escura, devemos observar em um todo quais foram os motivos e assim perceber que não existe apenas um causador, que não existe um único “vilão”, e tão pouco uma resposta para essa pergunta.
  29. 29. 29 Vimos anteriormente que as famílias brasileiras gastavam em média 0,5% do total do orçamento cultural com circo. Outro fator da mudança significativa do novo ambiente foi à aprovação, em algumas cidades brasileiras, da lei que proíbe animais “trabalhando” ou sendo utilizado em qualquer tipo de exibição no circo. Acesso 10/10/2014 Para agravar a situação, a mídia veiculou matérias que expõem uma situação precária do circo, levantando a questão, será que a arte milenar morrerá em pleno começo do século XXI? Na edição 100 (17/04/2000), a revista Época relatou um fato dramático, na matéria “não era dia de circo”, onde o garoto José Miguel dos Santos Fonseca Jr, 6 anos, foi devorado por leões no circo Vostok. Fato amplamente divulgado em toda mídia da época, criando os primeiros questionamentos sobre a participação dos animais em espetáculos circense. Nosso proposito, e trabalhar em uma possível e real, probabilidade que possa nos ajudar a ver, com uma maior totalidade o que aconteceu com o circo. Demonstraremos que as leis aprovadas, também, foram uma das causadoras da diminuição do público. A lei que proíbe, qualquer participação de animais em circos ou similares. Como já observamos em capítulos anteriores, o circo, contemporâneo que nasceu por Astley, já tinha como um de seus principais atrativos os animais
  30. 30. 30 participando das exibições, não sendo diferente o “circo americano” e tampouco o que se instalou no Brasil, pelos imigrantes e ciganos. Para muitas, das pessoas dessa época e de algumas cidades do interior do nosso Brasil a única maneira de se observar animais, era por intermédio das apresentações nômades circenses, que propositaram tamanha interação, entre público, artista e animais. CONSIDERAÇÕES FINAIS O segredo do circo é a sua comunicação imediata. O circo trabalha é sempre trabalhará com a emoção, com o insólito, com o prazer é com o inesperado. O circo é a arte que utiliza as mais primitivas sensações e como é um passe de mágica transformá-la em um prazer estético, quase palpável para seu público. Por isso, o circo e fascinante, pois leva seu público a ver repetidas vezes os mesmos números com novas e prazerosas emoções e deliciosas gargalhadas. O circo, por sua natureza itinerante, constituído por famílias nômades embora obrigado a atender exigências burocráticas e fiscais das esferas administrativas municipal, estadual e federal, utiliza quase que nunca os patrocínios estatais, seja porque as políticas culturais estão for do seu alcance. Como vimos anteriormente no Brasil, costumou-se dizer que existem três tipos de circo: os grandes, que cada vez mais são números menores, os médios e os pequenos. A verdade é que existem muitos no nordeste, no Rio e em São Paulo, principalmente nos municípios do interior. São Paulo, a capital, era considerada também o grande centro ou a praça para onde os artistas e profissionais circenses vão, e muito deles com seus trailers, procurando emprego. Olhando hoje, pelo lado econômico a atividade circense é uma atividade com retorno arriscado em um mercado inseguro, insólito. E difícil também, porque é mais difícil para que a criança queira seguir uma carreira circense. Por esse motivo, foram criadas as escolas nacionais de circo, para que essa arte milenar não se perca no transcorrer do tempo. A inúmeras teses que, buscam encontrar as razões para a forte queda
  31. 31. 31 do circo no Brasil e até mesmo em um âmbito mundial. Não buscaremos de maneira alguma taxar ou rotular possíveis motivos para a caída de público em apresentações circenses em este trabalho. Como mencionado anteriormente não seria honesto apontar para um causador comum, para as frequentes quedas nos números de frequência a ida ao circo. É sim, importante realizar estudos e pesquisas como já vem sendo feitos, para detectar, que foram inúmeras e diversas situações que levaram a situação do circo no pais. Portanto a arte circense atravessa um momento delicado, em sua história como em um tudo, por isso algumas medidas foram tomadas no âmbito governamental, como o aumento em editais. Porque após a proibição da utilização de animais no circo a sua queda foi drasticamente, assim os circos grande foram tornando-se cada vez menor e os pequenos entrando em extinção. Mais o importante e saber que sempre existirá a chama circense no coração de todos esses artistas, e que o circo não deixar de existir. E não podendo esquecer que o segredo e ser espontâneo.
  32. 32. 32 REFERÊNCIAS, BIBLIOGRAFIA E WEBGRAFIA BOLOGNESI, Mário Fernando. Philip Astley e o circo moderno: romantismo, guerras e nacionalismo. Acesso em 22/07/2014. http://www.seer.unirio.br/index.php/opercevejoonline/article/view/496/422 BURKE, Peter. Cultura Popular na Idade Moderna. São Paulo – Companhia das Letras, 2010. CAMINHA, Pero Vaz de – Carta enviada ao Rei d. Manuel - http://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/a-carta-de-pero-vaz-de-caminha-1627013 Acesso no dia 16/11/2014 CASTRO, Alice Viveiros de. O Elogio da Bobagem – palhaços no Brasil e no mundo / Alice Viveiros de Castro – Rio de Janeiro: Editora Família Bastos, 2005. CUNHA, Lúcio Érico Soares, O Show não Pode Parar. Acesso em: 22/07/2014 http://www.com.ufv.br/pdfs/tccs/2010/lucioerico.pdf DUARTE, Regina Horta. Noites circenses: espetáculos de circo e teatro em Minas Gerais no século XIX. Campinas: Editora da UNICAMP, 1995. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Informações Estatísticas Sobre os Circos. Rio de Janeiro: 2007. 19 f. Disponível em: <http://www.cultura.gov.br/documents/10883/38605/informacoes-estatisticas-do- circo-corrigido.pdf/81f8109d-7da0-4ad0-8f2b-6439cfee017b?version=1.0> Acesso em 10/outubro/2014
  33. 33. 33 SILVA, Erminia. Circo-teatro : Benjamim de Oliveira e a teatralidade circense no Brasil. São Paulo : Altana, 2007. ____________. Respeitável público... o circo em cena / Erminia Silva, Luís Alberto de Abreu – Rio de Janeiro : Funarte, 2009. TEIXEIRA, Rodrigo Corrêa. História dos ciganos no Brasil. Recife: Núcleo de Estudos Ciganos. E-Texto n°2, 2000. Acesso em 31/08/2014. http://www.dhnet.org.br/direitos/sos/ciganos/ciganos02.html ROSSO, Renato. Ciganos: uma cultura milenar, Revista Vozes, Petropolis,1985 TORRES, Antônio. O circo no Brasil. Rio de Janeiro: FUNARTE; São Paulo: Atração, 1998. VARGAS, Maria Thereza . Circo espetáculo de periferia. São Paulo: Secretaria Municipal de Cultura, Departamento de Informação e Documentação Artística, Centro de Documentação e Informação sobre Arte Brasileira contemporânea, 1981.

×