Sistema de Incentivos Vale Empreendedorismo

215 visualizações

Publicada em

O objetivo específico deste concurso consiste em conceder apoios a projetos simplificados de empresas com menos de 2 anos na área do empreendedorismo.

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
215
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sistema de Incentivos Vale Empreendedorismo

  1. 1. Sistema de Incentivos “Empreendedorismo qualificado e criativo - Vale Empreendedorismo”
  2. 2. 2/3 Sistema de Incentivos “Internacionalização das PME” SISTEMA DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Tipologia de investimento: Inovação empresarial e empreendedorismo Área de investimento Empreendedorismo qualificado e criativo - Vale Empreendedorismo Tem como objetivo promover o empreendedorismo qualificado e criativo. Não pode ser associado a uma componente de formação. Tipologia de projetos Na área do empreendedorismo são apoiados vales empreendedorismo, que permitem o financiamento de projetos de aquisição de serviços de consultoria na área do empreendedorismo, imprescindíveis ao arranque de empresas, nomeadamente a elaboração de planos de negócios. Âmbito setorial São elegíveis operações inseridas em todas as atividades económicas, com especial incidência para aquelas que visam a produção de bens e serviços transacionáveis e internacionalizáveis ou que contribuam para a cadeia de valor dos mesmos e não digam respeito a serviços de interesse económico geral, com exepção dos projetos com as seguintes atividades, de acordo com a Classificação Portuguesa de Atividades Económicas (CAE): a) Financeiras e de seguros; b) Defesa; c) Lotarias e outros jogos de aposta; Os avisos para apresentação de candidaturas podem excluir outras atividades com fundamento em que, nas tipologias a concurso, essas atividades não visam a produção de bens e serviços transacionáveis e internacionalizáveis ou ainda quando digam respeito a serviços de interesse económico geral. Não são elegíveis os projetos de investimentos incluídos no âmbito dos contratos de concessão com o Estado (Administração Central ou Local) e para o exercício dessa atividade concessionada. Critérios de elegibilidade dos projetos Os critérios de elegibilidade são os seguintes: a) A data da candidatura deve ser anterior à data da contratação com o prestador do serviço; b) Demonstrar que se encontram asseguradas as fontes de financiamento; c) Ter uma duração máxima de execução de 12 meses, exceto em casos devidamente justificados; d) Não corresponder a projeto em curso na entidade acreditada; e) Identificar de forma clara, objetiva e prática, o problema a solucionar e demonstrar que os serviços a adquirir vão contribuir para a sua resolução efetiva; f) Demonstrar a natureza incremental e não recorrente da atividade contratada; g) Corresponder a uma aquisição dos serviços a uma entidade registada enquanto entidade acreditada, nos termos definidos no artigo 17.º, e evidenciar que no âmbito da aquisição do serviço foi efetuada a consulta a pelo menos duas das entidades acreditadas no domínio de intervenção selecionado, quando as houver. Os avisos para apresentação de candidatura definem os limiares mínimos de investimento. Beneficiários São beneficiários as empresas PME de qualquer natureza e sob qualquer forma jurídica. Critérios de elegibilidade dos beneficiários São exigíveis, no âmbito da presente parte, os seguintes critérios: a) Dispor de contabilidade organizada nos termos da legislação aplicável; b) Não ser uma empresa em dificuldade, de acordo com a definição prevista no artigo 2.º do Regulamento (UE) n.º 651/2014, de 16 de junho; c) Declarar que não se trata de uma empresa sujeita a uma injunção de recuperação, ainda pendente, na sequência de uma decisão anterior da Comissão que declara um auxílio ilegal e incompatível com o mercado interno, conforme previsto na alínea a) do n.º 4 do artigo 1º do Regulamento (UE) n.º 651/2014, de 16 de junho; d) Declarar que não tem salários em atraso. Os critérios de elegibilidade do beneficiário e dos promotores, no caso dos projetos conjuntos, estabelecidos no ponto anterior devem ser reportados à data da candidatura, sem prejuízo de os critérios constantes das alíneas b) e c) do artigo 13.º do Decreto-Lei n.º 159/2014, de 27 de outubro, poderem ser reportados até ao momento da assinatura do termo de aceitação ou do contrato de concessão de incentivos, conforme aplicável. Sem prejuízo dos critérios de elegibilidade anteriores, são ainda exigíveis os seguintes critérios: a) Possuir situação líquida positiva; b) Não ter projetos aprovados nas prioridades de investimento identificadas no n.º 3 do artigo 21.º; c) Corresponder a uma empresa criada há menos de dois anos. Os critérios de elegibilidade dos beneficiários devem ser reportados à data da candidatura. Forma, montante e limites dos incentivos Os incentivos a conceder revestem a forma de incentivo não reembolsável. Os incentivos a conceder aos projetos no âmbito do vale empreendedorismo, têm como limite máximo 15.000 euros por projeto. Taxa base de financiamento e majorações O incentivo a conceder é calculado através da aplicação às despesas elegíveis de uma taxa máxima de 75%. Despesas elegíveis Consideram-se elegíveis as despesas com serviços de consultoria na área do empreendedorismo, nomeadamente a elaboração de planos de negócios, bem como serviços de consultoria imprescindíveis ao arranque de empresas recém- criadas. As despesas referidas no número anterior apenas são elegíveis se os serviços adquiridos preencherem as seguintes condições: a) Serem exclusivamente imputáveis ao estabelecimento do beneficiário onde se desenvolve o projeto; b) Resultarem de aquisições em condições de mercado a terceiros não relacionados com o adquirente;
  3. 3. 3/3 Sistema de Incentivos “Internacionalização das PME” c) Resultarem de aquisições a entidades acreditadas para a prestação do serviço em causa. Os custos elegíveis apresentados nos pedidos de pagamento do beneficiário, assentam numa base de custos reais, tendo de ser justificados através de faturas pagas ou outros documentos contabilísticos de valor probatório equivalente. Despesas não elegíveis São consideradas despesas não elegíveis as seguintes: a) Custos normais de funcionamento do beneficiário e investimentos de manutenção e substituição, bem como os custos relacionados com atividades de tipo periódico ou contínuo como, publicidade corrente, despesas de consultoria fiscal de rotina e serviços jurídicos e administrativos; b) Custos referentes a investimentos diretos no estrangeiro; c) Custos referentes a atividades relacionadas com a exportação, nomeadamente os diretamente associados às quantidades exportadas, à criação ou funcionamento de redes de distribuição no exterior ou a outros custos correntes ligados à atividade de exportação; d) Trabalhos da empresa para ela própria; e) Pagamentos em numerário, efetuados pelos beneficiários aos seus fornecedores, exceto nas situações em que se revele ser este o meio de pagamento mais frequente, em função da natureza das despesas, e desde que num quantitativo unitário inferior a 250 euros; f) Despesas pagas no âmbito de contratos efetuados através de intermediários ou consultores, em que o montante a pagar é expresso em percentagem do montante cofinanciado ou das despesas elegíveis do projeto; g) Compra de imóveis, incluindo terrenos; h) Trespasse e direitos de utilização de espaços; i) Aquisição de bens em estado de uso; j) Imposto sobre o valor acrescentado recuperável ainda que não tenha sido ou não venha a ser efetivamente recuperado pelo beneficiário; k) Aquisição de veículos automóveis, aeronaves e outro material de transporte ou aeronáutico, à exceção das despesas previstas no setor do turismo para a tipologia de investimento “Inovação empresarial e empreendedorismo”; l) Juros durante o período de realização do investimento; m) Fundo de maneio. Não é considerada elegível a despesa declarada pelo beneficiário, que não seja considerada adequada tendo em conta a sua razoabilidade face às condições de mercado, podendo as autoridades de gestão definir, em orientação técnica, os critérios que adotam na análise da elegibilidade de despesas e condições específicas de aplicação. Sem prejuízo do disposto nos pontos anteriores, são despesas não elegíveis os custos de investimento correspondentes às unidades de alojamento exploradas em regime de direito de habitação periódica, de natureza real ou obrigacional. Indicadores de resultados Regras e limites à elegibilidade de despesas Outras situações

×