Brasil imperio - segundo reinado

5.065 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.065
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
58
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
148
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Brasil imperio - segundo reinado

  1. 1. Brasil – Império: Segundo Reinado (1840 – 1889)
  2. 2. <ul><li>1. Cronologia do Império Brasileiro: </li></ul>Primeiro Reinado Período Regencial Segundo Reinado 1822 ------- 1831 ---------- 1840 ----------------------------------------------- 1889
  3. 3. 2. A organização política no início do Segundo Reinado <ul><li>O Ministério dos Irmãos e as “eleições do cacete”; </li></ul><ul><li>O revezamento entre os partidos Liberal e Conservador no poder. </li></ul><ul><li>“ Não há nada mais parecido com </li></ul><ul><li>um Saquarema (Conservador) do </li></ul><ul><li>que um Luzia (liberal).” </li></ul>Charge onde Agostini satiriza a corrupção e as fraudes nas eleições brasileiras durante o Segundo Império.
  4. 4. <ul><li>2.1. Parlamentarismo “às avessas” (1847) </li></ul><ul><li>Paralelo com o modelo clássico britânico; </li></ul>“ No Brasil, o rei reina, ri e rói.”
  5. 5. 2.2. Revolução Praieira (Pernambuco, 1848) <ul><li>“ Quem viver em Pernambuco </li></ul><ul><li>Deve estar desenganado </li></ul><ul><li>Que há de ser Cavalcanti </li></ul><ul><li>Ou há de ser cavalgado.” </li></ul>
  6. 6. <ul><li>O controle do poder político pela aristocracia rural, com destaque para os Cavalcanti – Albuquerque; </li></ul><ul><li>O monopólio comercial pelos portugueses; </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Insatisfeitos com a situação, liberais radicais pernambucanos, inspirados nas revoluções européias de 1848, conhecidas como “Primavera dos Povos”, criam o Partido da Praia, tendo no Jornal Diário Novo o veículo de difusão de suas idéias; </li></ul>Revolta popular em Paris, junho de 1848
  8. 8. <ul><li>Os praieiros divulgaram o Manifesto ao Mundo, onde expuseram suas principais reivindicações: </li></ul><ul><li>Fim do voto censitário; </li></ul><ul><li>Liberdade de imprensa; </li></ul><ul><li>Garantia de trabalho para os brasileiros; </li></ul><ul><li>Extinção do poder Moderador e </li></ul><ul><li>do Senado Vitalício, etc; </li></ul>Abreu e Lima Pedro Ivo Veloso
  9. 9. <ul><li>O movimento foi reprimido pelas forças imperiais. Em 1851, o governo anistiou todos. Pedro Ivo, que havia fugido da prisão, morreu em um navio que o levaria à Europa; </li></ul><ul><li>Esta foi a última revolta que ameaçou a unidade territorial brasileira na época. </li></ul>
  10. 10. Economia e sociedade do Segundo Reinado <ul><li>2. O café: a instalação da produção e as transformações proporcionadas </li></ul><ul><li>A prosperidade econômica e a estabilidade social e política; </li></ul>Transporte ferroviário favorecido pela produção cafeeira São Paulo no final do século XIX
  11. 11. Escravos numa fazenda de café Fazenda Villa-Forte, Vale do Paraíba - RJ Barões do café
  12. 12. <ul><li>Tarifa Alves Branco (1844) – Protecionismo alfandegário, impulsionando a industrialização; </li></ul>Indústria têxtil em São Paulo, final do séc. XIX
  13. 13. <ul><li>Lei Eusébio de Queirós (1850) – Possibilitou a transferência de capitais do tráfico negreiro para outros setores economicamente produtivos; </li></ul><ul><li>O Bill Aberdeen (1845) – Permitia à marinha britânica apreender navios negreiros em qualquer lugar do mundo, tornando mais arriscado o tráfico negreiro. </li></ul>Eusébio de Queirós Lord Aberdeen
  14. 14. <ul><li>Modernização da produção, dos transportes, das comunicações e dos serviços. </li></ul>Bondes puxados a burros Rua do Comércio, final do século XIX Telégrafo
  15. 15. 3. Analogia entre as aristocracias cafeeiras do Vale do Paraíba e do Oeste Paulista <ul><li>Enquanto no Vale do Paraíba utilizavam-se escravos em larga escala e técnicas agrícolas bastante rudimentares, como a prática das queimadas do solo, além de não se utilizarem adubos ou fertilizantes; no Oeste Paulista foram, pioneiramente, utilizadas a mão-de-obra imigrante européia e a mecanização, além de modernas técnicas agrícolas, favorecidas pelo solo ideal: a “terra roxa”. Ali surgiram os barões do café, com uma visão mais empresarial e revolucionária que cafeicultores do Vale do Paraíba. </li></ul>
  16. 16. <ul><li>Vale do Paraíba “versus” Oeste Paulista. </li></ul>
  17. 17. O Vale do Paraíba do Sul e a produção cafeeira Vassouras - RJ
  18. 18. Mapa do Vale do Paraíba
  19. 19. <ul><li>3.1. A expansão cafeeira em direção ao Oeste Paulista, Sul de Minas Gerais e Norte do Paraná e suas conseqüências. </li></ul>
  20. 20. 4. O senador Nicolau Vergueiro e o sistema de parceria (1847 - 1857) <ul><li>Os primeiros imigrantes: alemães, </li></ul><ul><li>italianos, suíços e belgas; </li></ul><ul><li>A revolta na fazenda de Ibicaba e o </li></ul><ul><li>fracasso do sistema, levando o governo </li></ul><ul><li>imperial a subvencionar a imigração. </li></ul>
  21. 21. 5. A Lei de terras (1850) <ul><li>Atendendo às pressões dos aristocratas ligados à cafeicultura, o governo imperial restringiu a posse da terra à “compra”. </li></ul>
  22. 22. 5. Irineu Evangelista de Sousa, Barão e Visconde de Mauá, e a industrialização brasileira no século XIX
  23. 23. <ul><li>Os maiores empreendimentos do Barão de Mauá: </li></ul>
  24. 25. <ul><li>A concorrência britânica, favorecida pela tarifa Silva Ferraz (1860), e a postura retrógrada da aristocracia rural brasileira contrária aos benefícios que Mauá trazia para o Brasil, levaram-no à falência, em 1883. </li></ul>

×