Juniores Portimonense Època Desportiva 2014/2015

671 visualizações

Publicada em

ADN da Época Desportiva da Equipa de juniores do Portimonense

Publicada em: Esportes
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
671
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Juniores Portimonense Època Desportiva 2014/2015

  1. 1. Época Desportiva 2014/2015
  2. 2.  Considerações Gerais * Após a tentativa falhada no ano anterior, a equipa do Portimonense, tentava mais uma vez a subida ao escalão principal do futebol Português, de onde tinha descido na época 2012/2013. * Com uma base muito sólida do ano anterior, a equipa reforçou-se com alguns jovens da equipa do Imortal que havia descido e recruto algumas caras novas . * Um período experimental bem preparado e anunciado, levou a que várias centenas de jovens tivessem prestado provas antes do inicio dos treinos, tendo- se aproveitado alguns valores seguros para reforçar a equipa. * O conhecimento do campeonato, das equipas e a experiencia do ano anterior, foram fundamentais para a tomada de decisões, não só na elaboração do plantel como na constituição do modelo de jogo e na estratégia a utilizar sábado apos sábado, perante campos difíceis , rivalidades e certos adversários. * Equipa com um ADN muito próprio, destacando se, uma forte reação à perda da bola, circulação rápido a ½ toques, mudanças constantes de zona da pressão, uma aposta forte no jogo exterior e nos esquemas táticos ofensivos.  A equipa constituída por alguns jovens jogadores de fora do Algarve. A busca do sonho, a sua qualidade e a forma profissional como trabalham leva- os quase sempre a serem cobiçados. Poucos assinam contrato profissional com a equipa sénior mas quase sempre prosseguem as carreiras em clubes do CNS e em equipas de topo dos diversos distritais. * O facto de toda a formação treinar exclusivamente no campo Major David Neto levou a que os treinos fossem todos das 20.30 ás 22h e que só houvesse meio campo para treinar, estes dois aspectos muito importantes e penalizadores.
  3. 3. André Paulo Igor Rochate Sapateiro Andre Matos Ari, Diogo Ribeiro e Assics Miguel Viegas Geremy Pinto Gandarez Afonso Pepe Igor Miguel barros João Viana Alvaro Vítor Pestana Yussufi Gil Organização ofensiva Equipa organizada em 4x3x3. Por vezes utilizado sistema alternativo 4/4/2 ou nuance do 4/2/3/1 Grande preocupação metodológica de construir curto a partir do guarda-redes, com os centrais a servirem de referência para o primeiro passe, num entanto ensaiadas e utilizadas outras saídas tanto pelos laterais, como pela zona central pelo jogador da posição 6. Consistente em posse tentativa de em processos muito simples fazer chegar a bola à 3 fase de construção e aí realização de padronizados ofensivos, tendo sempre como referência o jogo exterior. Centrais evoluídos tecnicamente, práticos e confortáveis em posse. Podem sentir dificuldades se o adversário bloquear as acções do jogador da posição 6 ou fazer uma pressão mais alta e agressiva Clara intenção consciente em não passar etapas mesmo correndo risco na 1ª fase de construção. Quando existem dificuldades exploração em largura através de passe longo especialmente no corredor esquerdo. Quando jogam em profundidade, eficiente o papel do jogador da posição 9 a tentar baixar e a temporizar ou a desviar para a entrada de um dos avançados mais laterais. Realce também para a combinação muto perigosa que já vem do ano passado, no lado direito, entre os jogadores da posição 2 e 7). De resto, destaque para a boa qualidade colectiva dos triângulos 6-8-10- e 10-7/11-9. Boa mobilidade e dinâmica do jogador da posição 8 (joga quase sempre em aproximação ao portador da bola (cobertura ofensiva) e vai alternando movimentos mais verticais (10 muito forte em combinações diretas na entrada da área e nas desmarcações de ruptura (diagonais) e nos remates de fora em segundas bolas). Em 3ª fase, as atenções viram-se quase todas para a criatividade de 11 e 7 nas alas, 11 em movimento interior e remate , 7 na capacidade individual e imprevisibilidade . Número 9 surpreende pela capacidade de luta e pela sua persistência.
  4. 4. Organização ofensiva (continuação) 7 apresenta grande capacidade técnica e muito forte no 1x1 é um desequilibrados, conduz e dribla em velocidade quando acelera é fabuloso, falta- lhe poder de choque . Existe uma outra alternativa muita velocidade e 1x1 embora trabalhão é igualmente eficaz). Na esquerda (jogador muito criativo e desequilibrador é mortal nos movimentos para dentro com o pé direito). Grande velocidade, precisão no cruzamento e excelente capacidade de finalização. Outras soluções muito uteis podem actuar mais nas costas de 9 como boas alternativas ao 10 habitual, ou mesmo na posição 8. Na posição 9 uma outra solução que é muito forte fisicamente e uma ameaça no jogo mais direto. Boa presença dentro da área. Muito veloz e tremendo no contacto com os defesas Transição ofensiva Mudança de atitude média. Quando recuperam a bola em zona recuada a mesma é retirada da zona de pressão com passes curtos e muita assertividade para o corredor oposto. Por vezes poderá sair contra ataque ou ataque rápido. Centrais muito fortes no passe longo 8 e 10 dão quase sempre linha de passe em aproximação ao portador da bola no corredor de recuperação da posse. Em recuperações em zonas mais avançadas a saída é rápida e vertical, com 7/9/ e 11 muito perigosos horizontais e objetivos
  5. 5. Saída de bola em organização * Saída curta a partir do guarda-redes quase sempre com 3 ou 4 muito maduros e experientes, assumindo quase sempre a 1ª fase de construção * Quando os centrais não conseguem receber , é o médio defensiva 6 a tentar inicial a 1ª fase de construção( figura em baixo). *Se ainda assim não conseguirem receber, os centrais fazem uma movimentação vertical, saindo da sua zona levando os avançados consigo e aparecem os laterais para receberam a bola e iniciarem eles a 1ª fase de construção(figura 2) * Destaque para o triângulo 3– 4 -6 como principais opções. *Em caso de vantagem tangencial ou perto do final do jogo, a equipa corre menos riscos e joga mais direto, quase sempre na direção de 11 ou 9 na profundidade e de 7 mais no pé
  6. 6. Sistema de jogo * 4x3x3 em quase todos os jogos da fase de subida. *4x4x2nos jogos ou períodos com resultados desfavoráveis dois avançados e jogo mais direto.
  7. 7. Organização defensiva * Equipa organizada em bloco médio/alto. Pressing individual por sector a partir do momento em que a bola entra na 1ª fase de construção contraria. Posicionamento defensivo em 4 linhas - 4x1x2x3 ou 4/2/3/1. Jogador 9 ou os outros avançados deixam colocar a bola num central. Quando a bola entra num dos laterais a equipa acelera imediatamente basculando no sentido da bola para recuperar a posse ou evitando que a equipa contrario saía com qualidade para o nosso meio campo defensivo *As duas linhas do meio campo procuram constantemente a recuperação da posse de bola em zonas bem estabelecidas. Centrais muito rápidos existindo alguma complementaridade entre (e intra) sectores (o médio centro 6 recua para equilibrar; permitindo ao outro central formar linha de cobertura atrás do central que sai à bola). Individualmente fortes nos duelos, principalmente aéreos. Laterais rápidos, e fortes no 1x1 defensivo * Médio defensivo 6 muito forte nos duelos individuais e igualmente forte no jogo aéreo, sendo o jogador que disputa sempre a 1º bola área defensiva, é muito intenso.. Ala direito (7) menos disponíveis e agressivo defensivamente, e com algumas distrações posicionais, ala esquerdo( 11) disponível para ações defensivas. O jogador na posição 10 não é muito forte no jogo aéreo , mas tem evoluído muito na capitulo do choque /contacto. O avançado 9 posiciona-se estrategicamente a nível defensivo trabalha muito, embora nem sempre bem nesse capitulo,. Importante nos esquemas táticos defensivos. Jogador 8 é de estatura media e franzino mas é muito agressivo e muito inteligente taticamente, um verdadeiro animal de competição * G.R com presença na baliza, seguro e capaz de grandes intervenções Denota muita confiança. É igualmente muito forte nos jogo com os pés. Deu geralmente muita confiança á equipa
  8. 8. • Transição defensiva * Mudança de atitude média/alta. O comportamento mais observado foi o de ataque à bola e de tentativa de recuperação imediata da posse; quem está mais próximo da bola acelera imediatamente sobre o seu portador com o objectivo de roubar a bola ou temporizar a jogada. Alguma desorganização pelo facto de a pressão ser predominantemente individual ou, quanto muito, em pequeno grupo). * Forte Reação à perda da bola. De forma efetiva e agressiva, por vezes em falta. ANÁLISE C.D. ODIAXERE(8/13) Sistema de Jogo
  9. 9. Batem: 11, 7 e 6, 7 passa por cima da bola e ou bate ou entra no corredor onde lhe é passada a bola para cruzar Entram para cabeceamento: 10, 9, 8 e 3 Processo defensivo Em cima da linha de meio campo: 2, 5 Um pouco mais á frente: 4
  10. 10. Lançam: 2 Para desviar ao 1º poste: 9 e 3 Atacam o desfio: 7 e 11 Cobertura ofensiva: 8 e 10 Em cima da linha de meio campo: 6, 5 Cobertura defensiva 4
  11. 11. observações  A equipa teve pouca competitividade na 1ª fase, em situação de contrariedade poderá mostrar alguma instabilidade emocional.  A entrada do treinador de guarda redes Márcio veio trazer maior inovação e metodologia no trabalho desta posição especifica  A abertura da porta a 3 juvenis durante a época veio mostrar que existe comunicação e articulação entre escalões sucessivos.  A equipa só perdeu 1 jogos na 1ª fase num jogo onde houve muitas situações difíceis de contornar durante a deslocação.  Na fase regular todos os jogadores foram suplentes e todos foram titulares.  Pela 1ª vez houve um trabalho de força realizado por um especialista, fora do contexto campo  A maioria dos jogadores é júnior de 2 ano  Muitos jogadores treinaram durante a época na equipa sénior.  Equipa dava-se menos bens em ambientes em que os adversários fossem muito agressivos.  A equipa viajava sempre numa carrinha pequena com poucas condições o que tornava as viagens autenticas aventuras.  Subida de divisão sem perder qualquer jogo com as equipas Algarvias..

×