Materiaas zona rural

303 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
303
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
27
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Materiaas zona rural

  1. 1. Vereador Catanese apresentou trabalho voltado a zona rural, com ideias, programas voltados na área social, esportiva e cultural. Vale a pena ler. (por Daniela Aparecida Lixandrão) Vigilante Ecológico nos Distritos de Amparo Com a criação do Vigilante Ecológico muito pode se fazer na área do Meio Ambiente. As ações de cidadania devem ser ensinadas aos jovens desde já, assim, ações voltadas ao meio ambiente devem tornar-se hábito nos mais jovens. Por tal razão apresentamos o projeto na forma de indicação. O Distrito de Três Pontes, bem como o de Arcadas é constituído de áreas rurais. Portanto, a criação de um programa entre os jovens do Vigilante Ecológico nos Distritos poderiam criar uma maior conscientização nos jovens em temas relacionados ao meio ambiente. Tal idéia, quem sabe não poderíamos fazer essa programação se tornar um sucesso entre os jovens. Além desta idéia, Catanese também sugeriu a criação do “jardineiro mirim”, “amigo do mato”. Será que a Prefeitura Municipal de Amparo não poderia adotar alguma idéia desta? Tudo isso é garantir o bom desenvolvimento de projetos para o meio ambiente, inclusive junto ao Ministério do Meio Ambiente. Eu, particularmente acho que poderíamos criar alguns cursos para a área do primeiro grau, e segundo grau.
  2. 2. Centro de Educação Ambiental Municipal Catanese sugeriu à Municipalidade que analise com carinho a criação de um Centro de Educação Ambiental em Amparo. O Parque Ecológico é o local ideal. A educação ambiental pode ser ali ensinada, inclusive por ter uma estrutura física para tal objetivo. O Centro de Educação Ambiental pode trazer inúmeros benefícios ao jovem, em especial na inicialização e preparação do jovem em assuntos de meio ambiente. O acesso´às informações e dados ambientais é um direito de todo cidadão. Nesse sentido, o Centro de Educação Ambiental deve concentrar o acervo (biblioteca e videoteca) e eventos ambientais. Criar um centro de referência, promover a educação ambiental e a sensibilização dos municípios é uma maneira de facilitar o acesso, centralizando, enfatizando e democratizando a informação. Semana da Redação Ambiental para o Distrito de Três Pontes O Vereador Rogério Catanese sugeriu à Municipalidade que como o Distrito de Três Pontes tem muitas áreas rurais, então vale lembrar que a zona rural e meio ambiente tem certa relação e, o Código Ambiental Brasileiro brevemente terá muitas mudanças, as quais podem ser objetos de questionamentos. A propósito muitas outras idéias podem ser propostas nas escolas entre os jovens e porque não aos mais velhos. O tema Meio Ambiente é algo que precisamos estar sempre buscando o conhecimento de idéias, inclusive debatendo demandas para melhorias no Meio Ambiente. O tema Meio Ambiente merece sempre estar em discussão. Esse assunto deve fazer parte de nossas metas. Por isso, procuramos colocá-los em amplo debate, inclusive nas escolas. Coleta de Lixo diferenciada em todo o Município, inclusive na zona rural O serviço de coleta de lixo tem recebido de nossa parte, um trabalho de cobrança muito sério, tanto que já fizemos nossa reclamação no Ministério Público que de certa forma surtiu efeito, hoje temos uma melhoria na coleta de lixo. Ainda sobre o tema, propus ao Prefeito Municipal que deixasse uma equipe na zona rural para fazer toda a coleta. Nossa zona rural não pode ficar esquecida. As inúmeras placas de proibição de se jogar o lixo, as limpezas nos bairros, etc. O próprio Código de Limpeza Pública concluído com muito estudo sobre o assunto e entrega a aprovação do prefeito ou não, e ainda o Código Ambiental de Amparo, também criado com muito estudo e entregue a critério do senhor Prefeito. Bom, isso é um pouco do resultado do trabalho. Sobre a coleta de lixo na zona rural, estamos cobrando uma solução viável para a situação. Vigilante Ecológico em Três Pontes e Arcadas
  3. 3. Através de indicação o Vereador Rogério Catanese sugeriu ao Prefeito a criação do Vigilante Ecológico nos Distritos de Três Pontes e de Arcadas. Com a criação deste programa muito pode se fazer na área do Meio Ambiente. As ações de cidadania devem ser ensinadas aos jovens desde já, assim, ações voltadas ao meio ambiente devem tornar-se hábito nos mais jovens. Por tal razão apresentamos o projeto na forma de indicação. O Distrito de Três Pontes, bem como o de Arcadas são constituídos de áreas rurais. Portanto, a criação de um programa entre os jovens do Vigilante Ecológico nos Distritos, poderiam criar uma maior conscientização nos jovens em temas relacionados ao meio ambiente. Tai nossa idéia, quem sabe não poderíamos fazer essa programação se tornar um sucesso entre os jovens. Hortas e bancos de sementes para a zona rural O programa de instalação de hortas e bancos de sementes para a zona rural, teria dois objetivos. O banco de sementes seria um meio de reflorestar a mata ciliar em todo o município, servindo ao meio ambiente, tanto a produção de hortifrutigranjeiros, como legumes, etc. O Programa enfocado traria grandes benefícios a zona rural, já que a mata ciliar reflorestada pode gerar descontos em programas de meio ambiente, e grande parte da mata ciliar está localizada em zona rural. No caso das hortas, essa poderia ser utilizada na merenda escolar, utilizando o pequeno e médio produtor abatendo eventual imposto. Catanese preocupado com a Zona Rural Nossa Zona Rural não passou em branco no trabalho deste Vereador. Dentre nosso trabalho nos anos de 2009 até a presente, foram inúmeros os requerimentos, indicações e ofícios, os quais totalizam o número de 100. Os pedidos são vários, englobam desde a Saúde, bem como o policiamento, utilização das máquinas, linhas de ônibus, infra estrutura, telefones, melhorias na coleta de lixo, meio ambiente, recuperação de mata APP, e Ciliar, ajuda na aquisição de sementes e grãos, ajuda técnica na produção de horte frute granjeiro, combate à incêndio, rádio e informação, criação da G C Rural, reutilização da Escola dos Palhares, incluindo o programa de atendimento à criança e atendimento ao idoso. Coleta de lixo na área rural O serviço de coleta de lixo tem recebido de nossa parte, um trabalho de cobrança muito sério, tanto que já fizemos nossa reclamação no Ministério Público que de certa forma surtiu efeito, hoje temos uma melhoria na coleta de lixo. Ainda sobre o tema, propus ao Prefeito Municipal que deixasse uma equipe na zona rural para fazer toda a coleta. A falta de coleta regular de lixo na zona rural afeta na medida em que esse resíduo acaba de certa forma indo para nos córregos e no próprio rio Camanducaia. Nossa zona rural não pode ficar esquecida. As inúmeras placas de proibição de se jogar o lixo, as limpezas nos bairros, etc. O próprio Código de Limpeza Pública concluído com muito estudo sobre o assunto e entrega a aprovação do prefeito ou
  4. 4. não, e ainda o Código Ambiental de Amparo, também criado com muito estudo e entregue a critério do senhor Prefeito. Bom, isso é um pouco do resultado do trabalho. Sobre a coleta de lixo na zona rural, estamos cobrando uma solução viável para a situação viável para a resolução do problema. Vereador Catanese protocolizou PL que defende o meio ambiente e seu habitat natural O PL (Proj. de Lei) tem por objetivo defender o meio ambiente em casos de ação contra seu habitat, como por exemplo, a construção de represa, barragens, sem estudo prévio do Governo Federal e Estadual. Para o vereador, as áreas do meio ambiente devem ser preservadas a todo custo. O controle destas ações deve passar por debates a nível municipal que é o local que mais sofre com estas agressões. No caso, o Poder Legislativo irá legislar sobre a matéria de meio ambiente, tendo toda a competência legal para fazê-lo. As áreas nativas ou também chamadas por APP não se restringem apenas as áreas nativas ou de APP, àquelas também que estão protegidas pela presente lei e tão somente a isso, também atingem sobre proteção, os animais e o habitat que eles permanecem, ou seja, o ambiente natural. Para nós vereadores nada justificam ações deste tipo no meio ambiente. Nossa idéia e garantir a maior participação popular na presente discussão. Entendemos que, se aprovada a lei, todos poderão participar, inclusive a população das áreas envoltas. Como sabemos a construção e a utilização de usinas podem ter uma série de consequências negativas, que abrangem desde alterações nas características climáticas, hidrológicas e geomorfológicas locais até a morte de espécies que vivem nas áreas de inundação e nas proximidades. O desajuste do regime hidrológico afeta a biodiversidade da planície e pode acarretar a interrupção do ciclo de vida de muitas espécies (mais comumente de peixes de grande porte e migratórios) e a multiplicação de espécies sedentárias (de menor valor), o que, conseqüentemente, afeta as populações ribeirinhas que vivem da pesca. Além disso, o represamento do rio e a formação do reservatório, aliado às modificações no ambiente decorrentes da presença do homem (principalmente pelas migrações relacionadas à obra) provocam o desequilíbrio do ecossistema e favorecem a propagação de endemias como a esquistossomose, a malária e o tracoma. Ao expulsar comunidades de seus locais de origem, a inundação das represas também provoca impactos socioeconômicos, especialmente nas populações de baixa renda, que apresentam condições precárias de educação, saúde e alimentação, e que são obrigados a se adaptarem aos locais para onde foram transferidos e à prática de novas atividades para garantir o sustento. A degeneração de valores etnoculturais é outro risco apresentado pelas atividades que envolvem a instalação de usinas hidrelétricas, mais intenso quando atinge comunidades indígenas - foi o que aconteceu, por exemplo, nas usinas de Balbina (com os Waimiri-Atroari) e Tucuruí (com os Paracanã). Portanto, é preciso um amplo estudo da barragem que querem construir em Amparo. As consequências podem ser imprevísiveis. Cuidados com o Meio Ambiente
  5. 5. Como podemos ver, a construção e a utilização de usinas hidrelétricas pode acarretar sérios problemas, especialmente para o meio ambiente. Não somente as hidrelétricas mas como também outros empreendimentos, tais como as usinas termoelétricas e usinas nucleares. Diante disto foi criado um importante instrumento: o Licenciamento Ambiental. Em Amparo, a área de implantação é economicamente ativa, possui uma grande economia rural. Além disso, possui área de APP e é rica em fauna silvestre. Catanese participa de reunião sobre barragem em Amparo O vereador Rogério Catanese presidente da Câmara Municipal de Amparo, participou de uma reunião no Sindicato Rural de Amparo, a respeito da construção de uma represa na cidade de Amparo. O vereador disse que estará protocolando uma moção na Câmara Municipal, onde pede ao departamento competente toda a documentação relativa aos estudos de construção de represa que traria conseqüências sérias aos pecuaristas e a população do São Dimas e distrito de Arcadas. Tanto rio abaixo como acima, traria inegáveis prejuizos aos seus moradores e ao município. Os produtores rurais, pecuaristas, a Câmara Municipal e a Prefeitura Municipal estarão acompanhando os estudos para a construção da represa junto a bacia do Camanducaia, que traria conseqüências sérias a todos os envolvidos nas áreas que ela pode atingir se construída. O Presidente da Câmara Municipal (Rogério Catanese) estará na segunda feira, protocolizando ofício solicitando o pré-estudo realizado nas áreas que ela poderá ser construída, ocasionar problemas que envolvem desde a questão ambiental, como as “indenizações”a serem pagas a todas as famílias das áreas envolvidas. Outra dúvida, porém, é a questão da estação de tratamento de esgoto que até então, não se sabe se será de alguma forma atingida. A reunião foi marcada pelo Sindicato Rural, e pegou de surpresa até a Prefeitura Municipal e os vereadores que ficaram sabendo na reunião sobre a questão da construção de uma represa em Amparo. Não sabemos qual será o impacto na região envolvida, mas sabemos que é grande. Outra questão levantada é que o estudo ambiental, e o de impacto deverão ser co- brado, além, das reuniões que deverão acontecer tendo em vista a necessidade da população ficar ciente de todos os acontecimentos a respeito da represa e qual seria o beneficio que ela traria. O impacto a priori pode ser evidente tendo em vista a dimensão da área atingida. Os vereadores estarão envolvidos na questão que nos foi apresentada, justifica o vereador Catanese.

×