Relatório de atividades definitivo

298 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
298
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatório de atividades definitivo

  1. 1. Pesquisa de Iniciação CientíficaTítulo: Filmes de Terror e Psicanálise: um esboço sobre os mecanismos psíquicos subjacentesa espectadores.Pesquisador: Diego Amaral PenhaOrientador: Prof.ª Drª Ana Cristina Marzolla Relatório de Atividades A pesquisa que apresento agora na entrega deste relatório diferesubstancialmente do projeto entregue em 2010. Em sua essência o objetivo dapesquisa foi mantido, mas maneira que o tema foi abordado sofreu muitasmudanças. Durante a elaboração do projeto de pesquisa a professora Paula ReginaPeron havia sido minha orientadora. Quando a pesquisa foi aprovada, aprofessora Paula me informou que durante sua licença maternidade nãopoderia continuar com a orientação, portanto me indicou a professora AnaCristina Marzolla que aceitou a tarefa de me orientar neste projeto a elaestranho. Assim, no final do mês de agosto e início de setembro pesquisador eorientadora revisaram o projeto e decidiram que inicialmente o foco dapesquisa deveria ser melhor delimitado, para que desta maneira fizéssemos asnecessárias mudanças de cronograma. Tal caminho também nos havia sidoindicado pelos pareceres da CONSULTEG. Minha ambição sempre foi a produção de uma pesquisa teórica assimcomo já tinha interesse pelos filmes de terror. Quando decidi por fazer estetrabalho de iniciação científica já desejava trabalhar com filmes de terror,porém encontrei escassa produção acadêmica sobre o tema. Este fato meincentivou em insistir na teoria, para que essa pesquisa possa servir como umapossível bibliografia para trabalhos futuros. Apropriados desta decisão, eu e minha orientadora traçamos uma novaestratégia e delimitamos nosso foco de pesquisa. Decidimos manter o objetivoinicial de reconhecer e trabalhar, a partir do referencial psicanalítico, quaismecanismos psíquicos fazem as pessoas gostarem de assistir filmes de terror.Decidimos que evitaríamos a unilateralidade e a taxação científica seoptássemos por produzir um esboço. Um esboço poderia mostrar nossasreflexões e ser comprovado hipoteticamente, sendo ele uma das inúmerasmaneiras de abordar o fenômeno. Para tanto optamos pela utilização de textos de Freud como eixoprincipal da pesquisa, o que levou à mudança no cronograma inicial. Estaocorreu devido a minha própria afinidade com a teoria psicanalítica e pelodesejo de me aprofundar nos textos do pai da psicanálise.
  2. 2. Também discutimos sobre a utilização do filme “Silent Hill” (2006) napesquisa. Ficou claro que o filme será usado, assim como outros filmes deterror, para ilustrar ideias apresentadas pela pesquisa acerca do objeto tratado.Afinal, o foco deste estudo não é a análise de um filme, e sim buscar umacompreensão sobre os mecanismos inconscientes subjacentes ao interessepor filmes de terror. Acreditamos que, desta forma, a pesquisa está mais bemdelimitada. Abandonamos, portanto, a concepção de que um filme poderia seranalisado como um sonho: evidenciou-se para nós que este tipo de concepçãonão se coaduna com os conceitos psicanalíticos que optamos por trabalhar. Decidimos, portanto, realizar as leituras que previmos conforme a linhaque decidimos tomar, levando em conta as colaborações feitas pelospareceristas, quando julgamos pertinentes. As discussões dos textos foramfeitas quinzenalmente a partir dos resumos contendo as ideias principais decada texto lido. As leituras e discussões deram subsídios para a produção dotrabalho que está sendo entregue. A leitura dos textos de Freud “O Estranho” (1919) e “A Cabeça deMedusa” (1940 [1922]) apresentaram conteúdo suficiente para quediscutíssemos em nossas reuniões a proposta de Freud para compreender oque é assustador e provoca medo. Durante as orientações elaboramos um cronograma para ser seguidodurante o semestre que passou. Decidimos manter nossa estratégia econtinuarmos o estudo das obras freudianas para respondermos nossaquestão inicial. Assim, em março partimos para a leitura e discussão do textode Freud, “Três Ensaios sobre a Teoria da Sexualidade” (1905). Decidimos nosvoltar para as fantasias infantis presentes nas raízes do terror. Pareceu-nosque este seria um caminho que nos ajudaria a compreender os mecanismospsíquicos envolvidos nas escolhas objetais. De fato, trabalhar com estes textosfavoreceu o esclarecimento de alguns conceitos que se tornaramimprescindíveis para nossa hipótese. Esta leitura trouxe para pesquisa aconcepção econômica da psique em relação ao prazer e desprazer. O termo„gostar‟ pode ser destrinchado e compreendido em seu amplo aspecto naPsicanálise. Cabe contar que no dia 16/04, participei de uma mesa na Semana deIntegração de Psicologia na PUC – Barueri. O tema da mesa era: “Conversasobre iniciação científica: Alunos de Barueri que participam de pesquisascontam sobre suas experiências.” Em conjunto com outros alunos contei sobreminhas experiências na realização da iniciação cientifica e comentei por cimasobre o tema. Meu tema provocou interesse em alguns alunos que meprocuraram para saber mais sobre a pesquisa. Em maio e junho, o tema estudado foi as dinâmicas pulsionais e oconceito de pulsão de morte, que já se enunciava no texto “O Estranho” assimcomo foi apontado em parecer da CONSULTEG. Para tanto utilizamos o texto“Além do Princípio do Prazer” (1920). Este texto exigiu demasiado trabalho, já que coube a ele o fechamentodas especulativas construídas na pesquisa até então. Portanto, o trabalho comele estendeu-se até o início de julho. Neste mês, devido a circunstâncias que
  3. 3. se impuseram, os contatos orientando – orientadora foram realizados viainternet. O mês de julho e início de agosto foram dedicados à edição eformatação da pesquisa. A edição demonstrou-se necessária, já que algumasreflexões presentes no trabalho ficavam „soltas‟ e somente faziam sentido notexto original do Freud. A formatação consistiu na produção de conclusão,resumo e relatórios. Em vista de todas as modificações, o titulo da atual pesquisa precisouser reformulado pela segunda vez. A primeira reformulação emergiu a partir danova delimitação realizada, mais focada e por indicação do parecer daCONSULTEG recebido no dia 26/04/2011 sobre o relatório parcial. O títuloescolhido era: “Motivos para o Terror: os mecanismos inconscientes emespectadores de filmes de terror” e tinha como objetivo esclarecer melhor doque se trata a pesquisa. Porém, durante o desenrolar da pesquisa, percebemosque este titulo não traduzia as ideias que estavam se delineando. Assimtrocamos o titulo para “Filmes de Terror e Psicanálise: um esboço sobre osmecanismos psíquicos subjacentes a expectadores.” Esta mudança foirealizada para indicar que a pesquisa tratava-se de um esboço, no sentido quenão seria possível abranger os inumeráveis mecanismos psíquicos que podemestar em jogo na situação tema. Outra alteração significativa foi quanto ao termo „mecanismos psíquicos‟,pois percebemos que no trabalho tratamos tanto de mecanismos inconscientes,quanto conscientes. Também retiramos do título „expectadores de filme deterror‟, já que estes mecanismos também são encontrados em outrosexpectadores. A professora Ana Cristina foi para mim algo como uma benção. Eugostava muito da orientação com a professora Paula Peron, mas com a Ana eume „sintonizei‟ como muito mais velocidade. Pareceu-me que trabalhamos nomesmo ritmo e com o mesmo empenho. A orientadora demonstrou-se desde oinício 100% disponível. Quando não podíamos nos encontrar pessoalmentefazíamos reuniões online. Ela me indicou textos que me satisfizeram quanto aoresultado de minha pesquisa. É uma ótima orientadora e possui grandeapropriação de conceitos psicanalíticos. Fazer iniciação científica foi uma experiência que mudou a minha vida.Digo isto não por demagogia, mas o processo de realização transformou aminha maneira de me relacionar com a profissão. No início imaginava minhapesquisa de uma maneira absolutamente oposta do que ela é hoje. Masrealmente ela é hoje o que eu quis. Descobri durante este processo um prazerimenso neste tipo trabalho acadêmico. Relacionar o estudo de Freud comminhas próprias reflexões em um tema que foge do cotidiano acadêmico foi umganho de grande valor. Ganhei a oportunidade de me aprofundar naPsicanálise e hoje tenho mais confiança na minha própria maneira decompreender a teoria. Reconheci o meu estilo de trabalho e produção e nelepude dedicar meu tempo livre com muita dedicação. Gostei de ter recebido aoportunidade de me aprofundar em um tema que sempre me intrigou como osfilmes de terror. Além disso, creio que durante o processo perdi meupreconceito em relação a outras abordagens e outras maneiras de tentar
  4. 4. explicar o tema de minha pesquisa. No fim a iniciação científica me abriu portase me auxiliou de maneira incalculável na criação de meu projeto de trabalho deconclusão de curso. Barueri, 01 de agosto de 2011. _______________________________ Diego Amaral Penha

×