UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA 
CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS 
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS 
CURSO DE ENGENHARIA F...
DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DE ESPÉCIES DO BIOMA MATA ATLÂNTICA COM POTENCIAL DE USO EM OBRAS DE ENGENHARIA NATURAL EM TRAVESS...
Universidade Federal de Santa Maria 
Centro de Ciências Rurais 
Departamento de Ciências Florestais 
Curso de Engenharia F...
AGRADECIMENTOS 
Aos meus pais, Dulce Wolff Kettenhuber e Walmir Gilberto Kettenhuber pelo amor incondicional e pela confia...
RESUMO 
Trabalho de Conclusão de Curso 
Graduação em Engenharia Florestal 
Universidade Federal de Santa Maria 
DISTRIBUIÇ...
LISTA DE ILUSTRAÇÕES 
Figura 1 - Mapa do bioma Mata Atlântica e suas formações fitogeográficas 
(IBGE, 2008) ................
Figura 16 - Phyllanthus sellowianus (Fonte: Deble, 2005) .......................... 35 
Figura 17 - Mapa de distribuição g...
Figura 34 - Solanum paniculatum (Fonte: Sonja Germer, 2012) ................ 61 
Figura 35 - Mapa de distribuição geográfi...
LISTA DE TABELAS 
Tabela 1 - Espécies selecionadas para compor este estudo .......................... 18
SUMÁRIO 
1 INTRODUÇÃO .......................................................................................................
9 
1 INTRODUÇÃO 
A Engenharia Natural vale-se de técnicas-biológicas (biotécnicas) em que plantas ou partes destas, são us...
10 
uso, considerando-se os aspectos ecológicos e fitossociológicos, de reprodução e, fundamentalmente, de aptidão biotécn...
11 
2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 
2.1 Engenharia Natural 
A Engenharia Natural é uma disciplina técnica que usa plantas vivas, ...
12 
Conforme Denardi (2007) as plantas selecionadas e utilizadas na recuperação e manejo dos cursos de água precisam, não ...
13 
dificultam o desenvolvimento de flora e fauna autóctone, podendo tornar-se invasoras e extremamente difíceis de contro...
14 
2.3 O bioma Mata Atlântica 
O bioma Mata Atlântica abrange o território dos estados do Espírito Santo, Rio de Janeiro ...
15 
Figura 1 – Delimitação do bioma Mata Atlântica aplicado segundo a lei 11.428 de 2006. Fonte: IBGE (2008). 
Figura 2 – ...
16 
3 METODOLOGIA 
3.1 Seleção das espécies 
A seleção das espécies foi baseada em estudos anteriores que demonstraram sua...
17 
Posteriormente para confeccionar os mapas de distribuição geográfica das espécies em estudo foi utilizado um banco de ...
18 
Espécie 
Família 
Nº de registros georreferenciados na rede speciesLink 
Calliandra brevipes 
Fabaceae 
292 
Calliandr...
19 
Figura 3 – Mapa das coleções integrantes da rede speciesLink.
20 
4 ESPÉCIES COM POTENCIAL DE USO NAS TÉCNICAS DE ENGENHARIA NATURAL 
4.1 Calliandra brevipes Benth. 
Conhecida popularm...
21 
disto a espécie pode ser aproveitada, quando houver interesse em aumentar a diversidade de espécies nas obras. 
Para M...
22 
Figura 5 – Mapa de distribuição geográfica da espécie de Calliandra brevipes.
23 
4.2 Calliandra tweedii Benth. 
Esta Fabaceae recebe os nomes vulgares de topete-de-cardeal, quebra-foice, sarandi, mad...
24 
Originária do Sul do Brasil e norte do Uruguai, apresenta no Rio Grande do Sul uma ampla área de ocorrência, com exceç...
25 
4.3 Cephalanthus glabratus (Spreng.) K.Schum. 
Pertencente à família Rubiaceae é conhecido como sarandi, sarandi-branc...
26 
luz difusa e seletiva higrófila, desenvolve-se preferencialmente nas margens brejosas dos rios onde, por vezes, pode f...
27 
Figura 9 – Mapa de distribuição geográfica de Cephalanthus glabratus.
28 
4.4 Cordia verbenacea DC. 
A espécie Cordia verbenacea é vulgarmente chamada de erva-baleeira, baleeira, maria-preta, ...
29 
Cordia verbenacea ocorre ao longo do litoral brasileiro, sendo considerada, também, uma planta comum na floresta tropi...
30 
Figura 11 – Mapa de distribuição geográfica de Cordia verbenacea.
31 
4.5 Escallonia bifida Link & Otto 
Pertencente à família Escalloniaceae é popularmente conhecida como canudo-de-pito o...
32 
banhados. Schwirkowski (2009) cita que Escallonia bifida é uma planta caducifólia, pioneira, heliófita e seletiva higr...
33 
4.6 Ludwigia tomentosa (Cambess.) H.Hara 
A espécie Ludwigia tomentosa é conhecida como cruz-de-malta e integra a famí...
34 
Apresenta distribuição geográfica ampla no centro do Brasil. Nas regiões da Mata Atlântica engloba os Estados de Santa...
35 
4.7 Phyllanthus sellowianus (Klotzsch) Müll.Arg. 
Pertencente à família Plyllanthaceae, esta espécie é conhecida popul...
36 
Segundo Durlo e Sutili (2005) a espécie se reproduz vegetativamente muito bem, apresentando um percentual de pega de m...
37 
Figura 17 – Mapa de distribuição geográfica de Phyllanthus sellowianus.
38 
4.8 Pouteria salicifolia (Spreng.) Radlk. 
Conforme Marchiori (2000) Pouteria salicifolia pertence à família Sapotacea...
39 
Para Marchiori (2004) a espécie é de pequeno porte, possuindo tronco delgado e flexível, morfologicamente adaptados à ...
40 
Figura 19 – Mapa de distribuição geográfica de Pouteria salicifolia.
41 
4.9 Salix humboldtiana Willd. 
A espécie Salix humboldtiana recebe variadas denominações pelo Brasil como salseiro, sa...
42 
realizado entre o outono e inverno, oferecendo excelentes resultados, sobretudo quando é implantado durante o inverno ...
43 
Conforma os registrados de coleta observou-se distribuição geográfica uniforme desde o Estado do Rio Grande do Sul até...
44 
4.10 Sambucus australis Cham. & Schltdl. 
Conhecida popularmente como sabugueiro, esta espécie pertence à família Adox...
45 
para atrair a avifauna, com objetivo de disseminar esta e outras plantas frutíferas (REITZ, 1985). 
Popularmente é amp...
46 
Figura 23 – Mapa de distribuição geográfica de Sambucus australis.
47 
4.11 Schinus terebinthifolius Raddi 
Schinus terebinthifolius recebe os nomes populares de aroeira-vermelha, aroeira-m...
48 
Paraná; em março, no Espírito Santo. De março a outubro, no Estado de São Paulo; de maio a junho, no Rio Grande do Sul...
49 
Figura 25 – Mapa de distribuição geográfica de Schinus terebinthifolius.
50 
4.12 Sebastiania brasiliensis Spreng. 
A espécie S. brasiliensis é conhecida popularmente como branquilho, leiteiro e ...
51 
Espécie indicada para solos encharcados permanentemente ou de inundação temporária (MARTINS, 2007). Gandolfi et al. (1...
52 
Figura 27 – Mapa de distribuição geográfica de Sebastiania brasiliensis.
53 
4.13 Sebastiania schottiana (Müll. Arg.) Müll. Arg. 
Conhecida popularmente por amarilho, sarandi, sarandi-de-espinho,...
54 
Segundo Marchiori (2000) e Smith et al. (1988) trata-se de uma espécie heliófita, seletiva higrófila e altamente adapt...
55 
Figura 29 – Mapa de distribuição geográfica de Sebastiania schottiana.
56 
4.14 Senna reticulata (Willd.) H.S.Irwin & Barneby 
Senna reticulata é uma Fabaceae, conhecida popularmente por maria-...
57 
para hipertensão, helmintíase, espasmos, prisão de ventre e febre. Vale ressaltar seu uso como inseticida e repelente....
58 
Figura 31 – Mapa de distribuição geográfica de Senna reticulata.
59 
4.15 Sesbania virgata (Cav.) Pers. 
Esta Fabaceae é conhecida popularmente por angiquinho-gigante, angiquinho-grande, ...
60 
usos econômicos são o fornecimento de pasto apícola, lenha e forragem (POTT; POTT, 1994). 
A espécie se desenvolve em ...
61 
Figura 33 – Mapa de distribuição geográfica de Sesbania virgata.
62 
4.17 Solanum paniculatum L. 
Pertencente à família Solanaceae é vulgarmente chamado de jurubeba, jurupeba, juribeba, j...
63 
após a poda (por roçada) do ramo principal quase no nível do solo. É uma planta rústica resistente à seca, própria de ...
64 
Figura 35 – Mapa de distribuição geográfica de Solanum paniculatum.
65 
4.17 Terminalia australis Cambess. 
Recebe os nomes populares de sarandi amarelo, amarelinho ou ainda amarilho. Perten...
66 
Muito indicada para a implantação de reflorestamentos ao longo dos rios para evitar a demasiada erosão e prolongar a v...
67 
Figura 37 – Mapa de distribuição geográfica de Terminalia australis.
68 
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 
A Engenharia Natural constitui uma importante ferramenta na estabilização das áreas marginais ...
69 
Cabe destacar, as dificuldades e as lacunas relativas ao registro da distribuição geográfica das espécies no Brasil. A...
70 
6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
ABNT. Associação brasileira de normas técnicas. NBR 10703: Degradação do solo. Rio de Ja...
71 
COUTINHO, M. P. Crescimento de Sesbania virgata (Cav.) Pers em cavas de extração de argila. Campos dos Goytacazes. 54f...
72 
GIEHL, E.L.H. (coordenador) 2012. Flora digital do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. Disponível em: <http://ufrgs...
73 
MOREIRA, H. J. C.; BRAGANÇA, H. B. N. Manual de identificação de plantas infestantes: arroz. São Paulo: FMC Agricultur...
74 
REITZ, R.; KLEIN, R.M.; REIS, A. Projeto Madeira do Rio Grande do Sul. Superintendência do Desenvolvimento da Região S...
DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DE ESPÉCIES DO BIOMA MATA ATLÂNTICA COM POTENCIAL DE USO EM OBRAS DE ENGENHARIA NATURAL EM TRAVESS...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DE ESPÉCIES DO BIOMA MATA ATLÂNTICA COM POTENCIAL DE USO EM OBRAS DE ENGENHARIA NATURAL EM TRAVESSIAS DUTO-VIÁRIAS

1.535 visualizações

Publicada em

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DE ESPÉCIES DO BIOMA MATA ATLÂNTICA COM POTENCIAL DE USO EM OBRAS DE ENGENHARIA NATURAL EM TRAVESSIAS DUTO-VIÁRIAS

Publicada em: Engenharia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.535
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
30
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DE ESPÉCIES DO BIOMA MATA ATLÂNTICA COM POTENCIAL DE USO EM OBRAS DE ENGENHARIA NATURAL EM TRAVESSIAS DUTO-VIÁRIAS

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DE ESPÉCIES DO BIOMA MATA ATLÂNTICA COM POTENCIAL DE USO EM OBRAS DE ENGENHARIA NATURAL EM TRAVESSIAS DUTO-VIÁRIAS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Paula Letícia Wolff Kettenhuber Santa Maria, RS, Brasil 2014
  2. 2. DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DE ESPÉCIES DO BIOMA MATA ATLÂNTICA COM POTENCIAL DE USO EM OBRAS DE ENGENHARIA NATURAL EM TRAVESSIAS DUTO- VIÁRIAS Paula Letícia Wolff Kettenhuber Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Engenharia Florestal, Área de concentração Manejo Florestal, na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM, RS), como requisito parcial para obtenção do grau de Engenheira Florestal. Orientador: Prof. Dr. Fabrício Jaques Sutili Santa Maria, RS, Brasil 2014
  3. 3. Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Departamento de Ciências Florestais Curso de Engenharia Florestal A Comissão examinadora, abaixo assinada, aprova o Trabalho de Conclusão de Curso DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DE ESPÉCIES DO BIOMA MATA ATLÂNTICA COM POTENCIAL DE USO EM OBRAS DE ENGENHARIA NATURAL EM TRAVESSIAS DUTO-VIÁRIAS elaborado por Paula Letícia Wolff Kettenhuber e como requisito parcial para obtenção do grau de Engenheira Florestal COMISSÃO EXAMINADORA: _________________________________________ Prof. Dr. Fabrício Jaques Sutili (Engº Florestal - Presidente/Orientador) _________________________________________ Prof. Dr. Luciano Denardi - UFSM (Engº Florestal) _____________________________________ Rita Sousa (Engª Biofísica- Mestranda - PPGEF - UFSM) Santa Maria, 11 de julho de 2014
  4. 4. AGRADECIMENTOS Aos meus pais, Dulce Wolff Kettenhuber e Walmir Gilberto Kettenhuber pelo amor incondicional e pela confiança que me fortalece todos os dias. Agradeço a dedicação, a preocupação e principalmente a educação que me deram. Agradeço muito pela garra, vontade e trabalho árduo para ter condições de fazer com que os filhos estudassem. Sem vocês não teria chegado até aqui. Aos meus irmãos, Volnei e Luis pelo apoio em todas as etapas da minha vida, por me mostrarem que a nossa união ultrapassa todos os obstáculos. A Luis Augusto Cezaro, ofereço um agradecimento especial, por ter vivenciado comigo passo a passo os detalhes deste trabalho, ter me ajudado, por ter me dado todo o apoio que necessitava nos momentos difíceis, todo carinho, respeito e companheirismo. A Universidade Federal de Santa Maria, agradeço pela oportunidade e aprendizado oferecido. Aos professores do curso de Engenharia Florestal, pelos ensinamentos transmitidos, amizade e dedicação. Em especial agradeço ao meu orientador, Professor Fabrício Jaques Sutili, pela oportunidade e apoio na elaboração deste trabalho. A Rita Sousa, pela amizade e confiança, agradeço pela dedicação, sugestões e principalmente pelas correções deste trabalho. Aos amigos e familiares, pelo apoio e compreensão nas horas difíceis, nas horas de ausência, muitas delas dedicadas aos trabalhos, e também nas horas alegres compartilhadas. Muito Obrigada a todos!
  5. 5. RESUMO Trabalho de Conclusão de Curso Graduação em Engenharia Florestal Universidade Federal de Santa Maria DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DE ESPÉCIES DO BIOMA MATA ATLÂNTICA COM POTENCIAL DE USO EM OBRAS DE ENGENHARIA NATURAL EM TRAVESSIAS DUTO-VIÁRIAS AUTOR: Paula Letícia Wolff Kettenhuber ORIENTADOR: Fabrício Jaques Sutili Data e local: Santa Maria, 11 de julho de 2014. Este trabalho apresenta-se como uma ferramenta de pesquisa de plantas com potencial de uso em obras de Engenharia Natural. As técnicas de Engenharia Natural valem-se das características biotécnicas da vegetação para estabilização de taludes fluviais e terrestres, naturais e artificiais. Um ponto importante que deve ser levado em consideração na seleção das espécies para uso em obras é a sua ocorrência natural, com vistas a verificar a adaptação das espécies a novos ambientes, assim deve-se priorizar o uso de espécies autóctones. O presente trabalho teve por objetivo gerar mapas de distribuição geográfica de espécies com potencial de uso em obras de travessia de dutos terrestres no bioma Mata Atlântica. As espécies consideradas foram Calliandra brevipes Benth., Phyllanthus sellowianus Müll. Arg., Pouteria salicifolia (Spreng.) Radlk., Salix humboldtiana Willd., Sebastiania schottiana (Müll. Arg.) Müll. Arg., Terminalia australis Camb., Cordia verbenacea DC., Ludwigia tomentosa (Cambess.) H. Hara, Senna reticulata (Willd.) H.S.Irwin & Barneby, Sesbania virgata (Cav.) Pers., Solanum paniculatum L., Calliandra tweedii Benth., Cephalanthus glabratus (Spreng.) K. Schum., Escallonia bifida Link & Otto, Sambucus australis Cham. & Schltdl., Schinus terebinthifolius Raddi e Sebastiania brasiliensis Spreng. Algumas destas espécies já foram estudadas e sabe-se que possuem características bioténicas, outras ainda estão em estudo, tendo seu potencial apontado pelos resultados preliminares. Palavras-chave: Bioengenharia de Solos; vegetação; características biotécnicas.
  6. 6. LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - Mapa do bioma Mata Atlântica e suas formações fitogeográficas (IBGE, 2008) ................................................................................................ 15 Figura 2 - Mapa de localização dos dutos terrestres no Brasil, segundo Agência Nacional do Petróleo, 2009: A – Dutos de petróleo e derivados; B – Dutos de gás natural ...................................................................................... 15 Figura 3 - Mapa das coleções integrantes da rede speciesLink: Sistema de informação distribuído para coleções biológicas (<http://splink.cria.org.br/>) ..... 19 Figura 4 - Calliandra brevipes (Fonte: Van Houtte, 1950) ......................... 20 Figura 5 - Mapa de distribuição geográfica da espécie Calliandra brevipes ............................................................................................................... 22 Figura 6 - Calliandra tweedii (Fonte: Von Houtte, 1945) ........................... 23 Figura 7 - Mapa de distribuição geográfica da espécie Calliandra tweedii ............................................................................................................... 24 Figura 8 - Cephalanthus glabratus (Fonte: Flora Brasiliensis, prancha 94). ............................................................................................................... 25 Figura 9 - Mapa de distribuição geográfica da espécie Cephalanthus glabratus . ............................................................................................................... 27 Figura 10 - Cordia verbenacea (Fonte: <http://plantillustrations.org.>) ..... 28 Figura 11 - Mapa de distribuição geográfica da espécie Cordia verbenacea ............................................................................................................... 30 Figura 12 - Escallonia bifida (Fonte: Edward’s Botanical Register, 1831) ...... 31 Figura 13 - Mapa de distribuição geográfica da espécie Escallonia bifida ..... 32 Figura 14 - Ludwigia tomentosa (Fonte: Flora Brasiliensis, prancha 28) ... 33 Figura 15 - Mapa de distribuição geográfica da espécie Ludwigia tomentosa ............................................................................................................... 34
  7. 7. Figura 16 - Phyllanthus sellowianus (Fonte: Deble, 2005) .......................... 35 Figura 17 - Mapa de distribuição geográfica da espécie Phyllanthus sellowianus .... 37 Figura 18 - Pouteria salicifolia (Fonte: <http://plantillustrations.org>) ....... 38 Figura 19 - Mapa de distribuição geográfica da espécie Pouteria salicifolia ............................................................................................................... 40 Figura 20 - Salix humboldtiana (Fonte: Flora Brasiliensis, prancha 71) ..... 41 Figura 21 - Mapa de distribuição geográfica da espécie Salix humboldtiana ............................................................................................................... 43 Figura 22 - Sambucus australis (Fonte: Flora Brasiliensis, prancha 99) ..... 44 Figura 23 - Mapa de distribuição geográfica da espécie Sambucus australis ............................................................................................................... 46 Figura 24 - Schinus terebinthifolius (Fonte: <http://plantillustrations.org>) ............................................................................................................... 47 Figura 25 - Mapa de distribuição geográfica da espécie Schinus terebinthifolius ......... 49 Figura 26 - Sebastiania brasiliensis (Fonte: Flora Brasiliensis, prancha 80) ............................................................................................................... 50 Figura 27 - Mapa de distribuição geográfica da espécie Sebastiania brasiliensis ............................................................................................................... 51 Figura 28 - Sebastiania schottiana (Fonte: Flora Brasiliensis, prancha 77) ............................................................................................................... 52 Figura 29 - Mapa de distribuição geográfica da espécie Sebastiania schottiana .. 54 Figura 30 - Senna reticulata (Fonte: Rita Sousa) ........................................ 55 Figura 31 - Mapa de distribuição geográfica da espécie Senna reticulata ... 57 Figura 32 - Sesbania virgata (Fonte: < http://plantillustrations.org>) ........ 58 Figura 33 - Mapa de distribuição geográfica da espécie Sesbania virgata .. 60
  8. 8. Figura 34 - Solanum paniculatum (Fonte: Sonja Germer, 2012) ................ 61 Figura 35 - Mapa de distribuição geográfica da espécie Solanum paniculatum ... 63 Figura 36 - Terminalia australis (Fonte:< http://plantillustrations.org>) .... 64 Figura 37 - Mapa de distribuição geográfica da espécie Terminalia australis ............................................................................................................... 66
  9. 9. LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Espécies selecionadas para compor este estudo .......................... 18
  10. 10. SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO .................................................................................................... 9 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ............................................................................. 11 2.1 Engenharia Natural.................................................................................................. 11 2.2 Aplicação da Engenharia Natural em travessias de dutos terrestres ....................... 13 2.3 O bioma Mata Atlântica .......................................................................................... 14 3 METODOLOGIA ................................................................................................. 16 3.1 Seleção das espécies ............................................................................................... 16 3.2 Obtenção dos dados................................................................................................. 16 4 ESPÉCIES COM POTENCIAL DE USO NAS OBRAS DE ENGENHARIA NATURAL ............................................................................................................. 20 4.1 Calliandra brevipes Benth. ..................................................................................... 20 4.2 Calliandra tweedii Benth ........................................................................................ 23 4.3 Cephalanthus glabratus (Spreng.) K. Schum ......................................................... .25 4.4 Cordia verbenacea DC. .......................................................................................... 28 4.5 Escallonia bifida Link & Otto ................................................................................ 30 4.6 Ludwigia tomentosa (Cambess.) H. Hara .............................................................. 33 4.7 Phyllanthus sellowianus Müll. Arg ......................................................................... 35 4.8 Pouteria salicifolia (Spreng.) Radlk ....................................................................... 38 4.9 Salix humboldtiana Willd. ...................................................................................... 41 4.10 Sambucus australis Cham. & Schltdl. .................................................................... 44 4.11 Schinus terebinthifolius Raddi ................................................................................ 47 4.12 Sebastiania brasiliensis Spreng .............................................................................. 50 4.13 Sebastiania schottiana (Müll. Arg.) Müll. Arg. ...................................................... 52 4.14 Senna reticulata (Willd.) H.S.Irwin & Barneby ..................................................... 55 4.15 Sesbania virgata (Cav.) Pers ................................................................................... .58 4.16 Solanum paniculatum L. ......................................................................................... 61 4.17 Terminalia australis Camb ..................................................................................... 64 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS ............................................................................... 67 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ................................................................ 69
  11. 11. 9 1 INTRODUÇÃO A Engenharia Natural vale-se de técnicas-biológicas (biotécnicas) em que plantas ou partes destas, são usadas como material vivo de construção. Sozinhas, ou combinadas com materiais inertes (madeira, estacas, fibras de coco, juta, palha, biomantas, pedra, ferro, geossintéticos e outros), tais plantas devem proporcionar estabilidade às áreas em tratamento (SCHIECHTL; STERN, 1992). Em comparação com técnicas tradicionais de Engenharia, a Engenharia natural oferece vantagens, como por exemplo: custo geralmente menor, manutenção reduzida (dependendo da localização e objetivo da obra), estruturas de menor impacto ambiental, aumento do valor estético e ecológico e também da funcionalidade da obra (MORGAN; RICKSON, 1995). Os campos de aplicação das técnicas de Engenharia Natural são variados e vão desde os clássicos problemas de erosão de encostas, deslizamentos de terra, arranjo hidráulico em áreas montanhosas, reconexão ambiental de infraestruturas lineares (aterros rodoviários e ferroviários, dutos terrestres e canais), pedreiras e aterros sanitários, margens de cursos de água de planícies, empreendimentos industriais e outras obras de infraestrutura, consolidações costeiras, ou mesmo a simples restauração de habitat e reconstrução de elementos ecológicos (CORNELINI; SAULI, 2005). Para Sutili (2007) os cursos de água frequentemente apresentam problemas decorrentes do seu comportamento processual natural, que por vezes, são agravados ou mesmo, resultantes das ações antrópicas de ocupação. Esses problemas podem, com o devido serem mitigados ou mesmo solucionados pela Engenharia Natural. Dentre as ações humanas potencialmente impactantes estão às obras lineares de infraestrutura, como as duto-viárias, que inevitavelmente encontram nos cursos de água um obstáculo que precisa ser vencido. Isso deve ser realizado com segurança à obra de infraestrutura e também mantendo a máxima integridade possível do sistema fluvial. Atualmente o Brasil conta com mais de 14.000 km de dutos terrestres destinados ao transporte de óleo e gás (PETROBRAS TRANSPORTES S.A., 2012). Essa malha se concentra, notadamente, na região do bioma Mata Atlântica. Uma significativa parte dos problemas ocorridos em áreas de travessias de dutos podem, ser minimizados ou mesmo solucionados pelas técnicas de Engenharia Natura. Para aplicação das técnicas de Engenharia Natural é imprescindível que o material vegetal empregado preencha alguns requisitos, dependentes de cada situação particular de
  12. 12. 10 uso, considerando-se os aspectos ecológicos e fitossociológicos, de reprodução e, fundamentalmente, de aptidão biotécnica (DURLO; SUTILI, 2005). Além disso, deve-se dar preferência às espécies autóctones, ou seja, originárias do local onde se pretende intervir, uma vez que estas já estão adaptadas ao clima e solo da região garantindo assim baixo custo de implantação e melhores chances de sucesso na sobrevivência e adaptação das espécies. Muitos autores já evidenciaram o potencial biotécnico de espécies da Mata Atlântica e novas espécies estão sendo estudadas, porém, existe uma lacuna de informações sobre a distribuição geográfica das espécies com potencial para serem usadas em EN. Neste contexto, o objetivo deste trabalho é gerar mapas de distribuição geográfica de espécies com potencial para uso em obras de Engenharia Natural no bioma Mata Atlântica e apresentar uma breve descrição dessas espécies, para auxiliar na escolha e reconhecimento das mesmas.
  13. 13. 11 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1 Engenharia Natural A Engenharia Natural é uma disciplina técnica que usa plantas vivas, ou partes destas, como material de construção em intervenções particularmente eficazes para a estabilização dos cursos de água e suas margens, encostas e outras situações. Sua ação é orientada principalmente para limitar os efeitos da erosão causada pelo intemperismo, a estabilização de encostas e superfícies danificadas por fatores naturais (hidrogeológicos) ou antropogênicos (pedreiras, aterros, obras de infraestrutura) (MENEGAZZI; PALMERI, 2013). As plantas, nessa disciplina, têm caráter fundamental, e por isso, não são consideradas somente do ponto de vista estético e ecológico, mas também funcional e técnico, como materiais de construções vivos e eficazes. Esta peculiaridade é o que diferencia a disciplina daquelas que fazem uso apenas de materiais inertes – Engenharia tradicional - ou que usam plantas apenas com fins paisagísticos e de restauração ecológica (CORNELINI; SAULI, 2005; CORNELINI; FERRARI, 2008). Para Menegazzi e Palmeri (2013) as técnicas de Engenharia Natural são caracterizadas por terem baixo impacto ambiental e baseiam-se essencialmente nas características biotécnicas de algumas das espécies vegetais utilizadas, características estas que podem ser resumidas essencialmente na capacidade de desenvolver sistemas radiculares profundos e na elevada capacidade e velocidade de propagação vegetativa. Estas características são diretamente funcionais na ação eficaz de retenção de partículas do solo e na rápida e ampla recolonização vegetal de ambientes degradados. A estes elementos vivos podem ser combinados, tanto materiais biodegradáveis de origem natural, (madeira, plantas ou partes de plantas, estacas, fibras de coco, juta, palha, madeira, biomantas, etc.) como outros materiais, como pedra, ferro ou geossintéticos em diferentes combinações (geotêxteis, etc.). Segundo Gray e Leiser (1982); Begemann e Schiechtl (1994); Morgan e Rickson (1995); Florineth e Gerstgraser (2000 apud Durlo e Sutili 2005) a vegetação possui características biotécnicas essenciais à estabilidade das margens dos rios. Para Durlo & Sutili (2005) essas características podem ser utilizadas para controlar tecnicamente alguns processos fluviais, como erosões do fundo e das margens, deslizamentos e desmoronamentos e transporte de sedimentos.
  14. 14. 12 Conforme Denardi (2007) as plantas selecionadas e utilizadas na recuperação e manejo dos cursos de água precisam, não apenas sobreviver às condições adversas, mas ainda resolver o problema técnico existente, isto é ter aptidão biotécnica. Segundo Durlo e Sutili (2005) sob o enfoque da aptidão biotécnica, e na dependência de cada situação, a escolha deve recair sobre plantas que: - Resistam à exposição parcial de suas raízes, em locais onde se prevê formas erosionais; - Tenham sistema radicial que permita a fixação do solo (talude), quer pelo comprimento, volume, distribuição e resistência das raízes, ou pela interação destas características; - Resistam ao aterramento parcial, em locais onde se prevê formas deposicionais; - Resistam ao apedrejamento (oriundos de barrancas altas e declivosas); - Tenham capacidade de brotar após quebra do ápice, ou corte intencional da parte aérea; - Possuam, preferencialmente, a capacidade de se reproduzir por meios vegetativos; - Apresentam alta ou baixa taxa de transpiração, em função de se desejar reduzir ou aumentar a umidade da área em questão; - E possuam crescimento rápido. Para a escolha das espécies, além das características biotécnicas, devem ser considerados critérios ecológicos, fitossociológicos e reprodutivos (DURLO; SUTILI, 2005). Gray e Leiser (1982), Morgan e Rickson (1995) e Florineth e Gerstgraser (2000 apud Durlo e Sutili, 2005) afirmam que a escolha deve recair de preferência sobre espécies nativas do local, que estão melhor adaptadas às condições edáficas e climáticas específicas do mesmo. Além disto, devem possuir uma forma de reprodução fácil e de baixo custo. As vantagens da utilização de espécies autóctones são diversas, e vão além da adaptação edafo-climática à sua região de origem. Essas espécies são mais resistentes a pragas e doenças, exigem pouca manutenção, ajudam a manter o equilíbrio biológico da paisagem e a diversidade dos recursos genéticos. Também são locais de refúgio, reprodução e muitas vezes fornecem alimento para a avifauna local, gerando um habitat equilibrado e repleto de biodiversidade. Para Sousa (2013) as espécies autóctones também apresentam vantagens quando comparadas a espécies alóctones, pois estas formam povoamentos homogêneos, paisagisticamente monótonos, constituem uma grave ameaça para a biodiversidade e
  15. 15. 13 dificultam o desenvolvimento de flora e fauna autóctone, podendo tornar-se invasoras e extremamente difíceis de controlar e erradicar. Essas vantagens justificam o uso das espécies autóctones nas obras de Engenharia Natural. 2.2 Aplicação da Engenharia Natural em travessias de dutos Os dutos terrestres são utilizados para realizar o transporte de óleo e gás natural pelo país. O Brasil conta atualmente com mais de 14.000 km de dutos terrestres (PETROBRAS TRANSPORTES S.A., 2012). A implantação de duto vias envolve impactos consideráveis nas áreas onde as faixas de dutos são instaladas (ABNT NBR 10703, 1989), sendo que as principais interferências em termos naturais e paisagísticos, são as ligadas à remoção temporária da vegetação em grandes áreas para instalação dos dutos, que pela sua morfologia linear, atravessam extensas áreas contínuas do nosso território (CORNELINI; SAULI, 2005). As travessias são pontos onde os dutos cruzam rios, lagos, açudes, canais e áreas permanentemente ou eventualmente alagadas ou por onde a passagem do duto é necessariamente aérea (PETROBRAS N2726, 2012). A exposição de dutos nas áreas de travessia de faixas terrestres causa preocupação em toda a malha mantida pelo Sistema PETROBRAS. Dutos expostos nessas áreas estão muito mais suscetíveis a riscos decorrentes da ação de terceiros, fenômenos hidráulicos-geotécnicos (perda de suportabilidade, vibração em decorrência de vórtices, corrida de detritos e outros movimentos de massa) e deterioração da integridade mecânica (variação térmica e danos aos elementos de proteção catódica). O grau desses riscos é ainda potencializado pelas consequências de eventuais rupturas, o que pode resultar em perdas humanas e materiais, e ainda impactos ambientais altamente nocivos. Atualmente a prevenção, manutenção e recuperação desses pontos de travessia empregam técnicas tradicionais de Engenharia semelhantes às soluções adotadas em outras obras de infraestrutura básica, especialmente do setor rodoviário. Essa abordagem tradicional, muitas vezes, é onerosa e em alguns casos não se justifica técnico-deontologicamente. Ou seja, nem sempre as práticas em uso solucionam o problema e, quando o fazem, em geral, isso se dá de modo dispendioso quanto aos aspectos técnicos, ambientais e financeiros. Uma significativa parte dos problemas ocorridos em áreas de travessia de dutos pode ser solucionada com intervenções tecnologicamente mais simples, empregadas pela Engenharia Natural (SUTILI, 2013).
  16. 16. 14 2.3 O bioma Mata Atlântica O bioma Mata Atlântica abrange o território dos estados do Espírito Santo, Rio de Janeiro e Santa Catarina, e parte do território do estado de Alagoas, Bahia, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, São Paulo e Sergipe. A Mata Atlântica apresenta uma variedade de formações, engloba um diversificado conjunto de ecossistemas florestais com estrutura e composições florísticas bastante diferenciadas, acompanhando as características climáticas da região onde ocorre (PACTO PELA RESTAURAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA, 2009). O Governo Federal, tendo como objetivo a legalização da proteção da Mata Atlântica, instituiu o Decreto Federal 750/93 onde considera Floresta Atlântica “as formações florestais e ecossistemas associados inseridos no domínio Mata Atlântica, com as respectivas delimitações estabelecidas pelo Mapa de Vegetação do Brasil do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE): Floresta Ombrófila Densa Atlântica, Floresta Ombrófila Mista, Floresta Ombrófila Aberta, Floresta Estacional Semidecidual, Floresta Estacional Decidual, manguezais, restingas, campos de altitude, brejos interioranos e encraves florestais do Nordeste” (Figura 1). Na área de domínio da Mata Atlântica, que compreende 1,3 milhão de quilômetros quadrados, ou 15% do território brasileiro, está localizada a maioria das cidades e regiões metropolitanas do Brasil, onde vivem aproximadamente 70% dos mais de 190 milhões de habitantes do país. Neste domínio também se encontram os grandes polos industriais, químicos, petroleiros e portuários do Brasil, respondendo por 80% do PIB nacional (SIQUEIRA; MESQUITA, 2007). De tal modo que a opção por estudar espécies do bioma Mata Atlântica, deve-se ao fato da maioria das obras de infraestrutura (rodovias, ferrovias e principalmente as dutovias), passíveis de aplicação das técnicas de Engenharia Natural, estarem localizadas em regiões inseridas neste bioma (Figura 2).
  17. 17. 15 Figura 1 – Delimitação do bioma Mata Atlântica aplicado segundo a lei 11.428 de 2006. Fonte: IBGE (2008). Figura 2 – Localização dos dutos terrestres no Brasil: A – Dutos de petróleo e derivados; B – Dutos de gás natural. Fonte: Agência Nacional do Petróleo (2000).
  18. 18. 16 3 METODOLOGIA 3.1 Seleção das espécies A seleção das espécies foi baseada em estudos anteriores que demonstraram sua aptidão biotécnica, em resultados preliminares de testes de propagação vegetativa e enraizamento e na literatura botânica. A escolha de Calliandra brevipes Benth., Phyllanthus sellowianus Müll. Arg., Pouteria salicifolia (Spreng.) Radlk., Salix humboldtiana Willd., Sebastiania schottiana (Müll. Arg.) Müll. Arg. e Terminalia australis Camb., deve se ao fato de serem espécies adaptadas ao ambiente reófilo e por apresentarem algumas características biotécnicas comprovadas por estudos anteriores de Plunter e Altreiter (2004); Vargas (2007); Monteiro (2009); Sutili (2004, 2007) e Denardi (2007). As espécies Cordia verbenacea DC., Ludwigia tomentosa (Cambess.) H. Hara, Senna reticulata (Willd.) H.S.Irwin & Barneby, Sesbania virgata (Cav.) Pers. e Solanum paniculatum L. estão sendo estudadas na Universidade Federal do Espírito Santo e na Universidade Federal de Ouro Preto, e foram selecionadas devido aos bons resultados preliminares apresentados em testes de propagação vegetativa e enraizamento. A respeito de Calliandra tweedii Benth., Cephalanthus glabratus (Spreng.) K. Schum., Escallonia bifida Link & Otto, Sambucus australis Cham. & Schltdl., Schinus terebinthifolius Raddi e Sebastiania brasiliensis Spreng., cabe comentar, que as mesmas apresentam, segundo a literatura botânica, características relevantes à Engenharia Natural, estas espécies propagam-se vegetativamente, habitam naturalmente zonas ripárias, são espécies pioneiras e indicadas para recuperação de áreas degradadas. A lista das 17 espécies selecionadas de interesse para a Engenharia Natural no bioma Mata Atlântica para compor este trabalho está representada na Tabela 1. 3.3 Obtenção dos dados Primeiramente foi realizada uma pesquisa na literatura botânica disponível, que contemplou livros, teses, dissertações e sites relacionados ao tema. Nessa pesquisa cada espécie foi descrita conforme suas características técnicas e não-técnicas, de acordo com os preceitos da Engenharia Natural.
  19. 19. 17 Posteriormente para confeccionar os mapas de distribuição geográfica das espécies em estudo foi utilizado um banco de registros botânicos georreferenciados, disponível no projeto denominado “Sistema de Informação Distribuído para Coleções Biológicas: a Integração do Species Analyst e do SinBiota (FAPESP)” ou simplesmente speciesLink. Este projeto tem por objetivo integrar a informação primária sobre biodiversidade que está disponível em museus, herbários e coleções microbiológicas, tornando-a disponível, de forma livre e aberta na Internet. A Figura 3 apresenta as coleções participantes da rede speciesLink. No sistema speciesLink (disponível em http://splink.cria.org.br/), os registros de coletas foram compilados em planilhas por espécie, na qual foram conferidos da seguinte forma: 1. Registros sem topônimos conhecidos e sem coordenadas geográficas, bem como os registros de coletas fora do Brasil foram excluídos. 2. Valores discrepantes das coordenadas foram identificados, e, caso fossem de topônimos conhecidos, substituídas pelas coordenadas obtidas nas cartas topográficas do IBGE. A fonte de erro de alguns valores pôde ser facilmente inferida, como inversão dos valores de latitude e longitude, ou omissão de um dígito. Nestes casos, as coordenadas foram corrigidas. Após a verificação das planilhas georreferenciadas, estas foram adicionadas a um software de sistema de informação geográfica (ArcGIS 10.1), de forma a gerar os mapas de distribuição geográfica das espécies em estudo. Os pontos de coleta de cada espécie foram sobrepostos à base cartográfica dos estados brasileiros e das formações florestais e ecossistemas associados que integram o bioma Mata Atlântica disponibilizado pelo IBGE. O sistema de coordenadas utilizado para a confecção dos mapas foi SIRGAS 2000. Cabe destacar que apesar do enfoque deste trabalho ser o bioma Mata Atlântica, não foram excluídos os registros que ocorreram fora deste domínio, uma vez que a maioria das espécies também ocorre em outros biomas brasileiros.
  20. 20. 18 Espécie Família Nº de registros georreferenciados na rede speciesLink Calliandra brevipes Fabaceae 292 Calliandra tweedii Fabaceae 186 Cephalanthus glabratus Rubiaceae 105 Cordia verbenacea Boraginaceae 174 Escallonia bifida Escalloniaceae 375 Ludwigia tomentosa Onagraceae 276 Phyllanthus sellowianus Phyllantaceae 97 Pouteria salicifolia Sapotaceae 83 Salix humboldtiana Salicaceae 60 Sambucus australis Adoxaceae 283 Schinus terebinthifolius Anacardiaceae 2047 Sebastiania brasiliensis Euphorbiaceae 1207 Sebastiania schottiana Euphorbiaceae 262 Senna reticulata Fabaceae 207 Sesbania virgata Fabaceae 336 Solanum paniculatum Solanaceae 1867 Terminalia australis Combretaceae 121 Tabela 1 – Espécies selecionadas para compor este estudo.
  21. 21. 19 Figura 3 – Mapa das coleções integrantes da rede speciesLink.
  22. 22. 20 4 ESPÉCIES COM POTENCIAL DE USO NAS TÉCNICAS DE ENGENHARIA NATURAL 4.1 Calliandra brevipes Benth. Conhecida popularmente como sarandi, quebra-foice, topete-de-cardeal, angiquinho, esponja, esponjinha ou manduruvá. Pertencente à família Fabaceae é descrita por Marchiori (2007) como arbusto inerme, de até 2 m de altura, glabro e muito ramificado. Apresenta folhas alternas, bipinado-unijugas, com pecíolo curto (2 mm) e estípulas estriadas muito pequenas (1,5 mm). Os folíolos, em 15 a 45 pares por pina, são lineares (de 2 a 6 mm de comprimento por cerca de 1 mm de largura), muito aproximados entre si, glabros, discolores, brilhantes e providos de nervura principal centrada no limbo. As flores, com estames conspícuos (2 a 4 cm), brancos na metade inferior e rosados ou igualmente brancos na superior, reúnem-se em capítulos axilares solitários, dispostos na extremidade de um pedúnculo, com cerca de 1 cm de comprimento. Os legumes são lineares, glabros, eretos nos ramos e de cor castanha, variando de 4 a 8 cm de comprimento por cerca de 6 mm de largura, com sementes ovais e obliquamente dispostas. Segundo o mesmo autor a espécie floresce em diversas épocas do ano. Já para Brussa e Grela (2007) a espécie floresce de outubro a março e frutifica no verão e outono. A espécie multiplica-se tanto por sementes, dando origem a plantas mais vigorosas, como por estacas (LORENZI; SOUZA, 1995). Em estudos realizados por Sutili (2007) Calliandra brevipes apresentou capacidade de reprodução por meio vegetativo, porém não imprimiu o ritmo de crescimento necessário para as obras de bioengenharia de solos. Apesar Figura 4 - Calliandra brevipes (Von Houtte, 1950)
  23. 23. 21 disto a espécie pode ser aproveitada, quando houver interesse em aumentar a diversidade de espécies nas obras. Para Marchiori (2004, 2007) Calliandra brevipes pertence ao grupo das reófilas¹, habitando naturalmente locais úmidos e margens de rios. Espécie de pequeno porte, provida de denso sistema radicular, possuindo troncos delgados e flexíveis, morfologicamente adaptados à reofilía. Participa da vegetação dos “sarandis”, juntamente com Pouteria salicifolia, Terminalia australis, Sebastiania schottiana e Phyllanthus sellowianus. Entretanto a espécie pode ser cultivada como planta isolada ou formando conjuntos, sempre a pleno sol (LORENZI; SOUZA, 1995). Muito ornamental por sua folhagem e abundante floração em diversas épocas do ano, é indicada para a formação de cercas-vivas e arte da topiária. Embora muito dura, a madeira carece de importâcia devido à pequena dimensão dos caules (MARCHIORI, 2007). Na Mata Atlântica apresenta ampla ocorrência nas regiões Sul e Sudeste do Brasil, exceto no estado do Espírito Santo, e alguns registros isolados nos estados da Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte (Figura 5). ¹ Planta adaptada para suportar a correnteza ou eventual submersão por ocasião de enchentes (ART, 1998 apud Marchiori, 2004).
  24. 24. 22 Figura 5 – Mapa de distribuição geográfica da espécie de Calliandra brevipes.
  25. 25. 23 4.2 Calliandra tweedii Benth. Esta Fabaceae recebe os nomes vulgares de topete-de-cardeal, quebra-foice, sarandi, madaravê ou ainda esponjinha-vermelha. Marchiori (2007) descreve a espécie como arbusto inerme, de até 3 m de altura, com ramos, pecíolos e pedúnculos revestidos por densa pilosidade sedosa. As folhas são alternas, bipinadas, compostas e multijugas. Os folíolos (de 2 a 6 mm de comprimento por cerca de 1 mm de largura) são glabros com exceção do bordo sedoso-ciliado, e com nervura central. As flores agrupam-se em vistosos capítulos axilares solitários, tendo estames vermelhos muito conspícuos (cerca de 4 cm), característica marcante das espécies do gênero Calliandra. Os legumes, lenhosos com 5 a 7 cm de comprimento por 8 a 9 mm de largura, apresentam margem engrossada e cor castanha, sendo revestidos por indumento velutino. Segundo o mesmo autor a floração estende-se de setembro a janeiro. No entanto, para Brussa e Grela (2007) a espécie floresce de forma intermitente desde o começo da primavera até meados do outono dependendo das condições de temperatura do ano e frutifica de forma abundante a partir do final da primavera. Brussa e Grela (2007) e Lorenzi e Souza (1995) afirmam que a espécie multiplica-se tanto por sementes como por estacas. Marchiori (2004) inclui esta espécie na lista das plantas adaptadas à reofilía. Segundo Lorenzi e Souza (1995) apresenta arquitetura da parte aérea muito ramificada. Espécie heliófita e seletiva higrófita, habita a orla da mata ciliar e margem dos cursos de água (MARCHIORI, 2007). Burkart (1979) cita que a espécie ocorre com frequencia ao longo de locais rochosos às margens de caudalosos rios, assim como em ilhas fluviais. Para Lorenzi e Souza (1995) a espécie é adequada para plantio isolado, formando moita densa, ou em cercas-vivas junto a renques a pleno sol, sendo muito ornamental e tolerante ao frio. Figura 6 - Calliandra tweedii (Von Houtte, 1945).
  26. 26. 24 Originária do Sul do Brasil e norte do Uruguai, apresenta no Rio Grande do Sul uma ampla área de ocorrência, com exceção da Floresta Ombrófila Mista e Formações Pioneiras de Influência Marinha (MARCHIORI, 2007). Calliandra tweedii ocorre essencialmente nos Estados da Região Sul e Sudeste do Brasil, e em locais isolados nos Estados da Bahia e Pernambuco (Figura 7). Figura 7 – Mapa de distribuição geográfica de Calliandra tweedii
  27. 27. 25 4.3 Cephalanthus glabratus (Spreng.) K.Schum. Pertencente à família Rubiaceae é conhecido como sarandi, sarandi-branco, sarandi-mole, sarandi-de-vela e sarandi colorado (Uruguai). Trata-se de um arbusto ou arvoreta de 3-5 m de altura, caducifólio ou de folhagem semipersistente, com folhas lanceoladas (2,5-9 x 0,5-3 cm), glabras, inteiras, dispostas em verticilos trifoliados. As flores são brancas e com suave perfume de canela, dispõem-se em glomérulos globosos longamente pedunculados (SIEGLOCH et al.,2011). O fruto é seco e se separa em duas metades indeiscentes, angulosos e escuros (BRUSSA; GRELA, 2007). Para os mesmos autores a espécie floresce e frutifica na primavera e verão. No entanto, para Giehl (2012) esta planta floresce em janeiro e frutifica em fevereiro. Segundo Siegloch et al. (2011) e Brussa e Grela (2007) Cephalanthus glabratus apresenta fácil propagação vegetativa. Siegloch et al. (2011) descreve anatomicamente a espécie, verificando a presença de fibras longas e de raios altos e estreitos, aspectos que aumentam a flexibilidade do caule, característica especialmente importante no caso de plantas submetidas à correnteza das águas. Segundo Marchiori (2004) Cephalanthus glabratus faz parte do grupo das espécies adaptadas à reofilía. O mesmo autor também cita que em várzeas arenosas, não é rara a distribuição em mosaico de comunidades hidrófilas e xerófilas segundo variações do micro-relevo, alternando-se sarandis (Cephalanthus glabratus e Phyllanthus sellowianus). Vivem sempre as margens dos cursos de água ou em zonas de banhado, com suas raízes geralmente em contato com a água (BRUSSA; GRELA, 2007). Espécie heliófila ou de Figura 8 - Cephalanthus glabratus (Flora Brasiliensis, prancha 94).
  28. 28. 26 luz difusa e seletiva higrófila, desenvolve-se preferencialmente nas margens brejosas dos rios onde, por vezes, pode formar densos agrupamentos (DELPRETE et al., 2004). A madeira é branca, mas as partes do tronco que ficam dentro da água são de cor avermelhada. É a madeira mais procurada para fazer palitos. As adaptações desta espécie em áreas úmidas e brejosas caracterizam-na como uma forte indicadora para restauração de áreas ciliares degradadas úmidas dentro da região natural de sua ocorrência (DELPRETE et al., 2004). A espécie apresenta ocorrência restrita na Mata Atlântica, ocorrendo nos Estados do Rio Grande do Sul, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul (Figura 9).
  29. 29. 27 Figura 9 – Mapa de distribuição geográfica de Cephalanthus glabratus.
  30. 30. 28 4.4 Cordia verbenacea DC. A espécie Cordia verbenacea é vulgarmente chamada de erva-baleeira, baleeira, maria-preta, maria-milagrosa ou catinga-de-barão. Pertencente à família Boraginaceae, Smith (1970) descreve a espécie como arbusto de 1-2 m de altura, muito ramoso; os ramos menores glabros, pulverulentos ou pubescentes. As folhas são sésseis lanceoladas até oblongo-lanceoladas, agudas, atenuadas e inteiras na base, dentadas por outra parte, 5 - 12 cm de comprimento, 1,5-3 cm de largura, a face superior escabroso- verrucosa com nervuras impressas, a face inferior diversamente pubescente com nervuras proeminentes. Inflorescência espigosa, densa ou raras vezes, laxa perto da base, 2-8 cm de comprimento, pedúnculos eretos, delgados, 1-8 cm de comprimento.Cálice séssil, campanulado, 2,5-3,5 mm de comprimento, cinéreo-pubescente; lobos largamente triangulares; corola campanulada, 5- 7 mm de comprimento, branca; lobos curtos, largamente arredondados; estames subigualando a corola. Fruto subgloboso, 4 mm de comprimento, vermelho. Para Olivetti (2006) esta planta é um arbusto perene, muito ramosa, com arquitetura esgalhada e caótica e hastes revestidas por casca fibrosa. Segundo Smith (1970) a espécie apresenta floração quase todo ano perto do mar. Ladeira (2002) cita que a propagação natural da Cordia verbenacea ocorre por sementes, entretanto, pode-se cultivá-la por enraizamento de miniestacas com 10 cm de comprimento. As miniestacas são coletadas da região apical de brotações de mudas com mais de três anos de idade. Figura 10 - Cordia verbenacea (http://plantillustrations.org.).
  31. 31. 29 Cordia verbenacea ocorre ao longo do litoral brasileiro, sendo considerada, também, uma planta comum na floresta tropical atlântica. O uso popular medicinal da planta é bastante difundido em razão de suas propriedades terapêuticas e da baixa toxicidade. Outra utilização é a aplicação de folhas maceradas da planta diretamente sobre cortes e contusões (OLIVETTI, 2006). Essa espécie é heliófita e higrófita, e encontra-se, por vezes, formando densos agrupamentos em terrenos arenosos úmidos do litoral. É uma das espécies características da vegetação arbustiva da restinga. Pode ser observada também mais para o interior, desenvolvendo-se nas capoeiras, situadas em solos úmidos (SMITH, 1970). Sua distribuição concentra-se nas regiões litorâneas da Mata Atlântica, desde o Rio Grande do Sul até Pernambuco. Ocorrendo também nos Estados de Minas Gerais, Goiás e Ceará (Figura 11).
  32. 32. 30 Figura 11 – Mapa de distribuição geográfica de Cordia verbenacea.
  33. 33. 31 4.5 Escallonia bifida Link & Otto Pertencente à família Escalloniaceae é popularmente conhecida como canudo-de-pito ou esponjeira. Para Marchiori (2000) a espécie é um arbusto de 2 a 3 metros de altura, muito ramificado, inerme, totalmente glabro, de copa globosa e folhagem persistente. Apresenta casca externa de cor ferrugem, com deiscência em tiras e casca interna marfim, de textura fibrosa e estrutura trançada. As folhas, simples, alternas, subcoriáceas e nitidamente pecioladas (2 a 10 mm), variam de oblongas a obovoides, com 3,5 a 8 cm de comprimento por 1,5 a 3 cm de largura, apresentando ápice obtuso ou emarginado, margem superior finamente serreada e base cuneada, inteira. Verde escuras e brilhantes na face superior e mais claras na inferior exibem nervuras peninérvias. Ainda, segundo o mesmo autor as flores são brancas, pequenas (5 a 7 mm) e com estames amarelos, compõem densas panículas terminais. Apresentam cálice campanulado, com cinco dentes agudos, pétalas obovoides, de base livre e cuneada, cinco estames mais longos do que o pistilo e ovário ínfero, globoso, com estilete longo e estigma 4-5 lobulado. O fruto, que encerra numerosas sementes pequenas, é uma cápsula globosa (5 mm), coroada pelas sépalas e o resto do estilete. A floração ocorre de dezembro a fevereiro, e a maturação dos frutos no outono. A espécie multiplica-se por estacas ou sementes (BRUSSA; GRELA, 2007; MARCHIORI, 2000). Para o útimo autor habita lugares úmidos, como a margem de riachos e Figura 12 - Escallonia bifida (Edward’s Botanical Register, 1831).
  34. 34. 32 banhados. Schwirkowski (2009) cita que Escallonia bifida é uma planta caducifólia, pioneira, heliófita e seletiva higrófila. Cresce principalmente nas matas ciliares ralas ao longo de rios e córregos, sendo também abundante nas submatas dos pinhais. Esta espécie ocorre com maior frequência nos Estados do Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, e também nos Estados de Minas Gerais e São Paulo (Figura 13). Figura 13 – Mapa de distribuição geográfica de Escallonia bifida.
  35. 35. 33 4.6 Ludwigia tomentosa (Cambess.) H.Hara A espécie Ludwigia tomentosa é conhecida como cruz-de-malta e integra a família Onagraceae. Moreira e Bragança (2010) descrevem a espécie como um subarbusto perene, que apresenta caule bastante ramificado e lenhoso, inclusive com casca estriada e desprendimento evidente. Nas partes jovens os ramos apresentam-se cilíndricos, de coloração verde ou avermelhada e revestidos por pêlos baixos e indistintos a olho nu, mas sentidos ao tato. Folhas alternadas helicoidais com pecíolo curtíssimo e nervura central grossa, a qual origina nervos secundários paralelos que chegam até as margens. Limbo lanceolado típico, piloso e com margens pouco e irregularmente serradas. Flores isoladas axilares e de coloração amarela, constituídas por pedúnculo, receptáculo em forma de funil encimado pelo cálice com 4 sépalas livres de formato triangular e persistentes no fruto, corola com 4 pétalas reniformes e livres, as quais protegem o androceu com 8 estames e o gineceu. Fruto em cápsula infundibuliforme e tetra-angulosa. Para os mesmos autores assemelha-se muito com Ludwigia nervosa, podendo ser diferenciada por meio da presença de indumento de pêlos, que não ocorre em L. nervosa, e pelo ápice das pétalas, que nesta espécie é emarginado e na outra o ápice é inteiro. Floresce intensamente durante as estações quentes do ano (SCHWIRKOWSKI, 2009) e propaga-se por meio de sementes (MOREIRA; BRAGANÇA, 2010). Para Schwirkowski (2009) é uma planta perene, ereta ou decumbente (diz-se de caules deitados no solo com as extremidades se erguendo), subarbustiva, muito ramificada. Espécie que se desenvolve em todo o país, onde ocorre como planta espontânea de ambientes úmidos. Ocorre em áreas cultivadas, ao longo de cursos d’água e açudes (MOREIRA; BRAGANÇA, 2010). Figura 14 - Ludwigia tomentosa (Flora Brasiliensis, prancha 28).
  36. 36. 34 Apresenta distribuição geográfica ampla no centro do Brasil. Nas regiões da Mata Atlântica engloba os Estados de Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo e Bahia (Figura 15). Figura 15 – Mapa de distribuição geográfica de Ludwigia tomentosa.
  37. 37. 35 4.7 Phyllanthus sellowianus (Klotzsch) Müll.Arg. Pertencente à família Plyllanthaceae, esta espécie é conhecida popularmente por sarandi, sarandi-branco, ou ainda sarandi-vermelho. É um arbusto de 2 a 3 m de altura, caducifólia, glabro, de ramos compridos, muito divididos, com folhas reduzidas e escamas perto dos ápices. Os ramos são delgados, sinuosos e angulados. Possui estípulas decíduas, estreito-triangulares, com 2 mm de comprimento e margens escariosas (SMITH et al. 1988). Folhas simples, alternas, discolores, glabras, papiráceas, lâminas lanceoladas a elíptico lanceoladas, de 1,5 a 5 por 0,4 a 1 cm, nervura principal marcada, larga, ápice agudo mucronado, margem inteira e base cuneada e pecíolos muito curtos (BRUSSA; GRELA, 2007). A espécie possui uma característica muito especial: suas flores nascem na base das folhas, vindo daí o nome: phyllos (folhas) e anthos (flor) (SMITH et al. 1988). As flores, dioicas, estão dispostas em forma separada em inflorescências fasciculadas axilares. Apresenta cálice com 5-6 peças e corola ausente, amarelo-esbranquiçadas, as flores masculinas possuem pedúnculos mais largos, com 3 estames, e as femininas ovário subgloboso, multiovulado (BRUSSA; GRELA, 2007). O fruto é do tipo cápsula deprimido- globosa com 2,5 mm de diâmetro. As sementes com pouco mais de 1 mm são quase lisas (SMITH et al. 1988). Segundo o último autor a espécie floresce de novembro até fevereiro no planalto e até abril perto do mar. Já para Brussa e Grela (2007) floresce de setembro a dezembro, frutificando desde novembro até março. Figura 16 - Phyllanthus sellowianus (Deble, 2005).
  38. 38. 36 Segundo Durlo e Sutili (2005) a espécie se reproduz vegetativamente muito bem, apresentando um percentual de pega de mais de 90 %, produzindo um grande número de raízes logo após o plantio (2 meses), revelando um enraizamento denso. Possui tendência de providenciar a maioria de suas raízes apenas na base da estaca. É uma planta de caules e ramos rijos, mas flexíveis (SMITH et al. 1988). Denardi (2007) concluiu no seu estudo a elevada flexibilidade dos caules de P. sellowianus, que se deve, sobretudo, a abundante presença de fibras gelatinosas em seu lenho, característica de muito valor para o emprego em cursos de água com grande velocidade de fluxo. Este arbusto apresenta numerosos ramos principais, estes de considerável extensão muitas vezes semi-submersos (BRUSSA; GRELA, 2007). Possui o hábito de crescer inclinado (deitado) sobre as margens (DURLO et al., 2010). Arbusto do grupo das reófilas, ou seja, plantas de caules e ramos rijos mas fexíveis, que resistem às correntezas das águas durante as enchentes. É uma espécie heliófita e seletiva higrófilta até xerófita, adaptada às variaçoes extremas de umidade e estio, muito frequente; característica e exclusiva das margens rochosas ou lodosas dos rios e ilhas rochosas, fixando- se firmemente ao substrato, uma vez que se desenvolve preferencialmente nos locais de corredeiras e cachoeiras dos rios, onde são observados no leito muitos blocos rochosos. Apresenta dispersão muito ampla, porém descontínua e irregular ao longo das margens ou ilhas rochosas dos rios em praticamente todo o sul do Brasil. Faz parte da vegetação dominante das margens, juntamente com Sebastiania schottiana, Terminalia australis, Calliandra selloi e outros arbustos, menos frequentes (SMITH et al. 1988). A partir de estudos anteriores de Plunter e Altreiter (2004); Vargas (2007); Monteiro (2009); Aschbacher e Müller (2009); Sutili (2004, 2007) e Denardi (2007) Phyllanthus sellowianus mostra-se extremamente valiosa para a bioengenharia. Sua capacidade de brotação e enraizamento foi evidenciada por todos os autores. Esta importante espécie para Engenharia Natural ocorre na Mata Atlântica apenas nos Estados da região Sul do Brasil (Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina) e no Estado de Mato Grosso do Sul (Figura 17).
  39. 39. 37 Figura 17 – Mapa de distribuição geográfica de Phyllanthus sellowianus.
  40. 40. 38 4.8 Pouteria salicifolia (Spreng.) Radlk. Conforme Marchiori (2000) Pouteria salicifolia pertence à família Sapotaceae e, é conhecida vulgarmente por mata-olho ou sarandi mata-olho, seu nome comum refere-se à emissão de fumaça prejudicial aos olhos, quando a madeira é queimada. O mesmo autor descreve-a como árvore pequena, perenifólia, de tronco curto, copa globosa e casca acinzentada, dividida em placas retangulares longitudinais. As folhas, linear-lanceoladas, subcoriáceas e brilhantes, medem de 8 a 19 cm de comprimento por 1 a 2,5 de largura, tendo ápice agudo, base longamente estreitada no pecíolo, nervura principal saliente e numerosas nervuras secundárias, visíveis nas duas faces. As flores, produzidas em fascículos axilares sésseis, são esbranquiçadas e de suave perfume, que lembra o de violeta. Apresentam quatro sépalas estrigoso- pubescentes, corola com quatro lóbulos obtusos e ciliolados, alternados com igual número de estaminóides petalóides, quatro estames presos à base do tubo da corola e ovário globoso, coberto por densa pubescência sedosa. O fruto, provido de breve estípe engrossado (4 a 6 mm) e ápice rostrado-acuminado, mede de 4 a 5 cm de comprimento por cerca de 1,5 cm de diâmetro, contendo uma única semente, ovoide. A espécie floresce em outubro e novembro e a época de maturação dos frutos ocorre em março e abril (REITZ et al. 1988). E segundo Brussa e Grela (2007) a espécie se reproduz por sementes. Em seu trabalho, Sutili (2007) concluiu que esta espécie apresenta capacidade de propagação vegetativa, porém não imprime ritmo de crescimento para as obras de bioengenharia de solos. Podendo ser aproveitada, quando houver interesse em aumentar a diversidade de espécies das obras. Figura 18 - Pouteria salicifolia (http://plantillustrations.org).
  41. 41. 39 Para Marchiori (2004) a espécie é de pequeno porte, possuindo tronco delgado e flexível, morfologicamente adaptados à reofilía. Para Reitz et al. (1988) sua altura varia de 3 a 7 metros e 8 cm de diâmetro. Suas raízes se fixam de forma extraordinária por entre as rochas, retardando a violência da correnteza, bem como dificultando a erosão por entre seu denso e desenvolvido sistema radicular. Apresenta ramos longos e flexíveis, formando copa irregular e pouco densa. Além de seu inestimável valor na construção de barrancos de rios, fornece madeira com densidade de 0,69 g/cm³, utilizada localmente como lenha (MARCHIORI, 2000). Entretanto, para Reitz et al. (1988) a madeira é utilizada para cabos de ferramentas, e a espécie é indicada para reflorestamentos das margens rochosas dos rios. O mesmo autor cita que a espécie é indicada para reflorestamentos das margens rochosas dos rios, sendo que, sua ocorrência se limita às margens dos rios e suas imediações que são inundadas durante o período das chuvas. Constitui uma das espécies ripárias mais frequentes na bacia dos rios Paraná e Uruguai. Esta espécie forma agrupamentos juntamente com Terminalia australis, Sebastiania schottiana e Calliandra ssp. A espécie ocorre de maneira restrita na Mata Atlântica, ocorrendo mais significativamente nos Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná (Figura 19).
  42. 42. 40 Figura 19 – Mapa de distribuição geográfica de Pouteria salicifolia.
  43. 43. 41 4.9 Salix humboldtiana Willd. A espécie Salix humboldtiana recebe variadas denominações pelo Brasil como salseiro, salso, salso-crioulo, salgueiro, salso-salseiro (RS), oeirana (AM), chorão (MG, RS, SC e SP), salgueiro-do-rio (MG, SC e SP) ou sarã (MS) (Lorenzi, 2008). Integrante da família Salicaceae, é uma árvore de porte médio, perene, com tronco reto, inclinado ou tortuoso, de 40 a 60 cm de diâmetro, podendo chegar até 90 cm de diâmetro, copa ampla, de ramificação ascendente (LORENZI, 1992; MARCHIORI, 2000). A casca, espessa e com profundas fissuras, é dura e castanho-acinzentada. As folhas, simples, alternas, linear-lanceoladas, glabras, caducas, margem serreada, com nervura central proeminente, alcançam até 15 cm de comprimento por 1,5 cm de largura. As flores de coloração amarela são unissexuais e aperiantadas reunem-se em amentilhos pendentes na extremidade dos ramos novos. As sementes, muito pequenas, apresentam um tufo de pêlos sedosos esbranquiçados, responsáveis pela dispersão anemocórica (MARCHIORI, 2000; LORENZI, 2009). Para Reitz et al. (1988) floresce durante a primavera nos meses de setembro e outubro e a maturação de seus frutos verifica-se no fim da primavera até o início do verão em fevereiro – abril. Segundo Carvalho (2003) no Mato Grosso do Sul floresce em julho, no Rio Grande do Sul de agosto a outubro e no Paraná de setembro a novembro. A maturação dos frutos ocorre de dezembro a janeiro no Rio Grande do Sul. A reprodução de Salix humboldtiana se dá tanto por estaquia como por sementes (LORENZI, 2009), a produção comercial de mudas da espécie é feita por via vegetativa, principalmente por estaquia (CARPANEZZI et al., 1999). O recomendado é que o plantio seja Figura 20 - Salix humboldtiana (Flora Brasiliensis, prancha 71).
  44. 44. 42 realizado entre o outono e inverno, oferecendo excelentes resultados, sobretudo quando é implantado durante o inverno (REITZ et al., 1988; CARPANEZZI et al., 1999), o que foi confirmado pelo resultado de experimentos realizados por Sutili (2007), que evidenciou a extraordinária facilidade e eficiência de multiplicação vegetativa dessa espécie. A flexibilidade do caule e ramos se dá pela presença de fibras (62%), destas, cerca de 30% são gelatinosas, este aspecto é particularmente importante em indivíduos que habitam margens de cursos de água, pois aumenta sua capacidade de curvar-se, sem quebrar (DENARDI, 2007). Sua altura pode chegar de 12 a 20 m (LORENZI, 2009; REITZ, 1988), sendo esta sua fragilidade, não sendo, portanto, indicada sem restrições para os taludes fluviais propriamente ditos. Seu emprego deve ficar, de preferência, afastado das margens, na região do leito maior ou maior excepcional (DURLO et al., 2010). As raízes dessa espécie são classificadas em raízes subterrâneas do tipo fasciculadas, formada por vários eixos, ramificados ou simples, mais ou menos iguais na espessura e no comprimento. Não é possível distinguir o eixo principal dos secundários. Em seu estudo, Sutili (2007) verificou ótimas taxas de sobrevivência, produção de brotos e raízes para a espécie. A espécie S. humboldtiana é classificada como heliófita, seletiva higrófita (LORENZI, 1992) e pioneira (LORENZI, 2009). Constitui-se uma das espécies mais difundidas em áreas de solos ainda não estruturados, solos muito úmidos e de elevada profundidade (REITZ, 2008), característica descrita também por Carvalho (2003), ocorre em solos lodosos e profundos, com textura que varia de arenosa a areno-argilosa, com lençol freático elevado. Para seu plantio nos taludes marginais é necessário que as plantas sejam mantidas com porte arbustivo através de decepas frequentes, rente ao solo. S. humboldtiana suporta bem as podas drásticas e, enquanto as brotações são relativamente finas (menor que 7-8 cm), apresenta boa flexibilidade (DURLO et al., 2010). O salseiro é uma das árvores mais características e a de maior porte encontrada na mata ciliar. Sua área de dispersão é muito ampla, estendendo-se desde o México até Argentina e Chile (MARCHIORI, 2000). Ocorre naturalmente ao longo de rios e canais e, como particularidade desta espécie, em áreas inundáveis pode permanecer por até vários meses seguidos, mas sempre associado com água corrente, e nunca com água parada (MOURA, 2002; CARPANEZZI et al., 1999).
  45. 45. 43 Conforma os registrados de coleta observou-se distribuição geográfica uniforme desde o Estado do Rio Grande do Sul até São Paulo, e pontos de coleta isolados da Região Norte do país (Figura 21). Figura 21 – Mapa de distribuição geográfica de Salix humboldtiana.
  46. 46. 44 4.10 Sambucus australis Cham. & Schltdl. Conhecida popularmente como sabugueiro, esta espécie pertence à família Adoxaceae. Reitz et al. (1988) descreve-a como árvore perenefolia comumente de 5 a 10 m de altura e 10 – 25 cm de diâmetro. O tronco é curto de casca escura e rugosa encimado por densa ramificação flexível e pendente formando copa densa com folhagem verde-escura ou verde-clara, de forma alongada ou arredondada. As folhas, estipuladas, pinaticompostas, 5-6 pares de folíolos e um folíolo terminal, todos ovado-lanceolados, serrados, glabros, de 3,5-6 cm de comprimento. Estípulas sésseis na base do pecíolo, obovadas, dentadas e caducas (REITZ, 1985). Flores brancas e vistosas no ápice dos ramos, reunidas em cachos enormes muito atraentes. Os frutos são pequenas bagas, roxo-escuras, muito abundantes, que quando maduros contrastam vivamente com a densa folhagem. Apresenta densa ramificação flexível (REITZ et al. 1988). Segundo Reitz (1985) floresce do mês de agosto até o mês de fevereiro, portanto iniciando no inverno e estendendo-se através da primavera e verão. Multiplica-se por sementes e estacas (BRUSSA; GRELA, 2007). Indicada como planta ornamental, pois suas abundantes flores brancas reunidas em inflorescências enormes e os frutos roxo-escuros quando maduros contrastam vivamente com a densa folhagem. Os frutos são apreciados pelos pássaros, que se encarregam de sua dispersão. Recomendada ainda para o reflorestamento ao longo das margens de hidroelétricas Figura 22 - Sambucus australis (Flora Brasiliensis, prancha 99).
  47. 47. 45 para atrair a avifauna, com objetivo de disseminar esta e outras plantas frutíferas (REITZ, 1985). Popularmente é amplamente empregada e considerada como planta medicinal. As folhas são tidas como purificadoras do sangue, febrífugas e sudoríferas. Segundo ainda o consenso popular cura o reumatismo, asma, resfriados, catarros, tosses, males do estômago e do coração, obesidade, enfermidades dos pulmões, rins e fígado, dor de dente e ouvidos. Em virtude desta série de aplicações, é frequente encontrar-se uma árvore de sabugueiro nas proximidades das habitações rurais do Rio Grande do Sul (REITZ et al. 1988). Para Reitz (1985) a espécie caracteriza-se como heliófita, de luz difusa até esciófita e seletiva higrófita. Ocorre preferencialmente nas orlas e clareiras das florestas, sub-bosques dos pinhais, beira de rios, regatos e principalmente na vegetação secundária, ao longo das estradas, capoeiras e outros locais alterados pelo homem ou pelas tempestades. Segundo o mesmo autor a espécie é característica e preferencial da Floresta Estacional do Alto Uruguai, estendendo-se ainda sob os subosques dos pinhais e pela vegetação secundária da Floresta Ombrófila Densa da Costa Atlântica, apresentando, portanto, ampla dispersão. Sambucus australis ocorre em toda a extensão da Mata Atlântica, desde o Rio Grande do Sul até o Rio Grande do Norte. E em alguns locais dos Estados do Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás e Amazonas (Figura 23).
  48. 48. 46 Figura 23 – Mapa de distribuição geográfica de Sambucus australis.
  49. 49. 47 4.11 Schinus terebinthifolius Raddi Schinus terebinthifolius recebe os nomes populares de aroeira-vermelha, aroeira-mansa, aroeira-pimenteira ou ainda aroeira-da-praia. Reitz et al. (1988) descreve a espécie como arvoreta ou árvore perenifoliada, de 5 – 10 metros de altura e 20 – 40 cm de diâmetro, o tronco geralmente tortuoso, curto, casca grossa, escura e rugosa, copa larga paucifoliada e pouco densa.Ramos, quando em campo aberto, longos, flexíveis até pendentes formando copa arredondada, folhagem verde- escura e frutos maduros vermelhos. As folhas são compostas imparipenadas, muito variáveis, alternas, com 9 a 11 folíolos. Os folíolos são sésseis, membranáceos, glabros, verdes a verdes- escuro, oblongos a lanceolados, de ápice agudo e base obtusa, com margem serreada a lisa. As primeiras folhas são trifoliadas, e apresentam como característica principal para identificação, a ráquis com ala estreita entre os pares de folíolos (CARVALHO, 2003). As flores são pentâmeras, com pétalas ovadas a elípticas. O fruto do tipo drupa, levemente achatada na parte distal, de coloração vermelho-vivo a púrpureo ou rosa-forte (FLEIG, 1989). Para Carvalho (2003) a floração às vezes ocorre irregularmente ou duas vezes no ano, de julho a setembro, em Minas Gerais; de agosto a março, no Estado de São Paulo; de outubro a março, no Paraná; de novembro a março, no Rio Grande do Sul; de março a junho, no Estado do Rio de Janeiro, em abril, em Alagoas, e de maio a junho, na Bahia. Os frutos amadurecem de janeiro a fevereiro, no Estado do Rio de Janeiro; de janeiro a maio, no Figura 24 - Schinus terebinthifolius (http://plantillustrations.org).
  50. 50. 48 Paraná; em março, no Espírito Santo. De março a outubro, no Estado de São Paulo; de maio a junho, no Rio Grande do Sul e em julho em Sergipe. Segundo o mesmo autor a aroeira apresenta facilidade para propagação vegetativa por estaquia. As estacas de ramos finos apresentam enraizamento satisfatório. A multiplicação através de sementes também é viável. Para Reitz et al. (1988) trata-se de espécie heliófita ou de luz difusa, vastamente difundida no estado do Rio Grande do Sul, preferindo solos rasos, rochosos ou arenosos de boa drenagem. Muito abundante principalmente na orla dos capões, borda dos pinheirais, nas matas de galeria e em todos os tipos de vegetação arbórea aberta. Esta espécie do grupo das pioneiras (LORENZI, 1998; DURIGAN et al., 1997) requer solos com drenagem boa a regular e suporta inundação e encharcamento moderado (CARVALHO,2003). Não raro forma juntamente com o guamirim-do-campo (Myrcia bombycina), a assobieira (Schinus polygamus), o cambuinzinho (Myrceugenia euosma), o bugreiro (Lithrea brasiliensis) e a pimenteira (Capsicodendron dinisii) a composição inicial dos capões (FLEIG, 1989). A madeira é bastante utilizada para moirões de cerca e lenha. Muito apropriada como árvore ornamental, sobretudo na área litorânea e nos campos (REITZ et al. 1988). Para Carvalho (2003) a espécie pode ser utilizada para produção de energia, óleos essenciais, tanino e resina. Os frutos podem ser utilizados na alimentação humana como tempero, as flores apresentam potencial apícola, e a todas as partes da aroeira-pimenteira são atribuidas propriedades medicinais. A espécie é recomendada para recuperação de solos pouco férteis (como rasos, rochosos, hidromórficos ou salinos), devido seu caráter de rusticidade,pioneirismo e agressividade. Na restauração de mata ciliar, ela pode ser utilizada em áreas com inundações periódicas de curta duração e com períodos de encharcamento moderado. A espécie é uma das mais procuradas pela avifauna, sendo esta seu maior disseminador. Esta espécie apresenta ampla distribuição por toda extensão do Bioma Mata Atlântica, ocorrendo também nos estados do Mato Grosso do Sul, Goiás, Mato Grosso, Rondônia e Maranhão (Figura 25).
  51. 51. 49 Figura 25 – Mapa de distribuição geográfica de Schinus terebinthifolius.
  52. 52. 50 4.12 Sebastiania brasiliensis Spreng. A espécie S. brasiliensis é conhecida popularmente como branquilho, leiteiro e branquilho-leiteiro. Pertence à família Euphorbiaceae, é uma árvore latescente, de 3 a 10 m de altura e 10 a 30 cm de DAP, de copa pequena, com ramos glabros inermes e casca castanho- acinzentada, com pequenas escamas irregulares. As folhas, simples, alternas, curtamente pecioladas (2 a 8 mm), desprovidas de glândulas e elípticas, variam de lanceoladas a obovadas, medindo de 2 a 7 cm de comprimento por 1 a 3 cm de largura. Apresentam consistência coriácea até membranácea, ápice agudo, acuminado ou obtuso e margem finamente serreada ou quase inteira. As flores são produzidas em espigas rígidas, terminais, de 3 a 7 cm. Os frutos, globosos (10 a 15 mm) e de cor castanha quando maduros, são cápsulas triloculares. Floresce de setembro a dezembro e a maturação dos frutos se estende de dezembro a março (MARCHIORI, 2000). Para Lorenzi (2009) a espécie propaga-se via sementes, deve-se colher frutos diretamente da árvore quando iniciarem abertura espontânea. Secá-los à sombra cobertos por uma tela fina para evitar a deiscência explosiva e consequente perda de sementes. Semeadura em canteiros semi-sombreados. Espécie perenifolia, semidecídua (LORENZI, 2009), de luz difusa e seletiva higrófita, desenvolve-se preferencialmente no inteiror dos capões e dos sub-bosques dos pinhais situados em solos úmidos, beira de rios e regatos, na restinga arbustiva do litoral, situada em pequenas depressões (SMITH et al., 1988). Figura 26 - Sebastiania brasiliensis (Flora Brasiliensis, prancha 80).
  53. 53. 51 Espécie indicada para solos encharcados permanentemente ou de inundação temporária (MARTINS, 2007). Gandolfi et al. (1995) classifica a espécie como secundária tardia a clímax. A madeira, branca e leve, presta-se para a confecção de pequenos objetos e esculturas. O látex é utilizado para aliviar a dor de dentes (MARCHIORI, 2000). Apresenta vasta distribuição não apenas na Mata Atlântica, mas também biomas do Cerrado e Caatinga, como pode ser evidenciados na Figura 27.
  54. 54. 52 Figura 27 – Mapa de distribuição geográfica de Sebastiania brasiliensis.
  55. 55. 53 4.13 Sebastiania schottiana (Müll. Arg.) Müll. Arg. Conhecida popularmente por amarilho, sarandi, sarandi-de-espinho, sarandi-negro ou ainda sarandi-vermelho, esta Euforbiaceae trata-se de um arbusto totalmente glabro, de 3 a 3,5 m de altura, com ramos longos, pouco ramificados, espinescentes e muito flexíveis. As folhas, simples, alternas, de pecíolo curto (2 a 4 mm), membranáceas e lanceoladas,variam de1 a 5 cm de comprimento por 4 a 15 mm de largura, apresentando ápice obtuso ou brevemente agudo-mucronado, margem inteira, com uma ou duas glândulas engrossadas inferiormente e base cuneado- estreita. Discolores e esbranquiçadas na face inferior possuem de 7 a 10 nervuras secundárias evidentes, em cada lado da principal. As flores, pequenas e amareladas, são produzidas em espigas terminais, sobre raminhos muito curtos (1 a 2 cm). O fruto é uma cápsula globosa, de uns 5 mm de diâmetro (MARCHIORI, 2000). Para Giehl (2012) floresce em setembro e frutifica em janeiro e outubro. No entanto, para Brussa e Grela (2007) floresce em setembro e outubro, frutificando entre novembro e março. Segundo Marchiori (2000) a espécie apresenta caules rijos, embora flexíveis, capazes de suportar a força das águas nas enchentes. O mesmo autor destaca que esta planta dispõe de um denso sistema radicular. Para Durlo e Sutili (2005) a espécie demonstra fácil, denso e profundo enraizamento, resistência à submersão e ao arrancamento pela força das águas e, especialmente sua visível flexibilidade, distinguem-na como espécie capaz de produzir os efeitos desejados no controle de processos erosivos. Segundo os mesmos autores esta planta apresentou propagação vegetativa com um percentual de pega de 80%. Figura 28 - Sebastiania schottiana (Flora Brasiliensis, prancha 77).
  56. 56. 54 Segundo Marchiori (2000) e Smith et al. (1988) trata-se de uma espécie heliófita, seletiva higrófila e altamente adaptada à reofilía. O amarilho é muito frequente até abundante; característica e exclusiva das margens principalmente rochosas ou também lodosas dos rios, bem como das ilhas rochosas existentes por entre as corredeiras, fixando-se firmemente ao substrato, uma vez que se desenvolve principalmente nos locais de corredeiras e cachoeiras dos rios, onde se encontram muitos blocos rochosos parcialmente desagregados. Como espécie reófila, assume grande importância ecológica, auxiliando na fixação de barrancos e perenização dos cursos d’água. Faz parte da vegetação arbustiva das margens rochosas dos rios, onde domina juntamente com Calliandra selloi, Terminalia australis, Phyllanthus sellowianus, de permeio a outros arbustos menos expressivos. Sua distribuição geográfica concentra-se nos Estados das Regiões Sul e Sudeste do Brasil (Figura 29).
  57. 57. 55 Figura 29 – Mapa de distribuição geográfica de Sebastiania schottiana.
  58. 58. 56 4.14 Senna reticulata (Willd.) H.S.Irwin & Barneby Senna reticulata é uma Fabaceae, conhecida popularmente por maria-mole ou mata-pasto. Apresenta-se como uma árvore de pequeno porte, com altura variando de 3 a 8 metros. Suas folhas possuem de 7 a 13 cm de comprimento por 2 a 4 cm de largura, articuladas, com folíolos longos de 9 a 12 pares e arredondadas na base e no ápice. A inflorescência é racemosa, terminal ou auxiliar, com flores amarelas. O fruto é uma fava linear longa, de 15 cm de comprimento por 2 cm de largura, fina, plana e glabra (REVILLA, 2001). Produz flores e frutos maduros a partir de 9-12 meses de idade, floresce de maio a julho e os frutos ficam maduros na fase das cheias, as sementes são liberadas entre junho e agosto (PAROLIN, 2005). O mesmo autor evidencia o rápido crescimento da espécie que nos 8 meses antes da primeira enchente, pode alcançam uma altura de 4 m em local ensolarado. A espécie apresenta grande quantidade de raízes adventícias e lenticelas em mudas alagadas e árvores adultas, sendo estas adaptações ao alagamento. A Senna reticulata tem dominância, em relação às outras árvores e arbustos, pelas adaptações e estratégias de crescimento características da espécie, isto é, uma altíssima tolerância à inundação das raízes e capacidade de rebrota. O seu rápido crescimento nas planícies da Amazônia impede a formação de pastos, o que a torna inimiga dos fazendeiros. Estas características fazem com que seja considerada como uma das espécies colonizadoras mais eficientes nas áreas abertas e inundáveis da Amazônia, especialmente as que sofreram impacto antropofílico forte, e propiciaram a denominação popular de mata-pasto (PAROLIN, 2005). A população utiliza o mata-pasto para as mais diversificadas doenças e finalidades. Destacam-se os usos em doenças da pele, como micoses, erupção cutânea, sarna, eczema e verruga. Também é utilizada como purgante, diurético, antidiabético, laxante e abortivo, e Figura 30 - Senna reticulata (Rita Sousa).
  59. 59. 57 para hipertensão, helmintíase, espasmos, prisão de ventre e febre. Vale ressaltar seu uso como inseticida e repelente. Geralmente, dependendo das indicações de tratamento, as partes utilizadas são as folhas, sementes e raízes (REVILLA, 2001). Para o mesmo autor a espécie é originalmente brasileira, encontra-se distribuída pelos estados do Norte, principalmente na Região Amazônica, em solos arenoargilosos, em terrenos inundáveis ou não, pastagens e campos abertos, formando touceiras de indivíduos ocupando grandes áreas da várzea alta. De acordo com a Figura 31, essa espécie ocorre apenas em locais pontuais na Mata Atlântica, sendo mais freqüente na Região Norte do país.
  60. 60. 58 Figura 31 – Mapa de distribuição geográfica de Senna reticulata.
  61. 61. 59 4.15 Sesbania virgata (Cav.) Pers. Esta Fabaceae é conhecida popularmente por angiquinho-gigante, angiquinho-grande, sesbânia, ou ainda cambaí-amarelo. Espécie arbustiva de 1,5 a 3 m de altura (FILARDI et al., 2007) é perene, apresenta caule cilíndrico frequentemente de coloração ferrugínea, lenticelado e pouco ramificado na base. Folhas alternadas helicoidais, pecioladas, limbo composto penado paripenadocom até 24 pares de folíolos peciolulados de formato oblongo e mucronados, inseridos de forma oposta ao longo da raque e com margens inteiras. Inflorescência axilar do tipo cacho constituída por numerosas flores inseridas de forma congesta. Flores pedunculadas, cálice com 5 sépalas soldadas, corola com 5 pétalas livres sendo a mais externa totalmente diferente das demais, tanto no tamanho quanto na forma, androceu com estames soldados e gineceu unicarpelar com ovário alongado. Fruto do tipo legume tetrágono, indeiscente e inflado, o que permite sua dispersão por meio da água. Pode ser identificada a campo por meio dos frutos quadráticos e com aerênquima responsável pela flutuação e dispersão (MOREIRA; BRAGANÇA, 2010). Santos et al. (1997) citam que a espécie tem vida curta, de 8 a 9 anos, com capacidade moderada de competir com gramíneas e rebrotar da cepa após corte ou fogo. Desenvolve-se naturalmente em terrenos úmidos e associa-se com Rhizobium. Trata-se de uma planta de interesse para revegetação de áreas degradadas. Pott e Pott (1994) também relatam o sucesso na utilização desta espécie em ambiente ciliar. É uma espécie pioneira que apresenta capacidade moderada de competir com gramíneas e rebrotar da cepa após o corte ou fogo (ARAÚJO et al., 2004). Seus principais Figura 32 - Sesbania virgata (http://plantillustrations.org.).
  62. 62. 60 usos econômicos são o fornecimento de pasto apícola, lenha e forragem (POTT; POTT, 1994). A espécie se desenvolve em áreas úmidas ou alagadas, a exemplo das margens de cursos de água onde suporta as cheias, canais de irrigação e drenagem, e várzeas encharcadas onde forma populações dominantes. Uma vez introduzida em um ambiente se dispersa rapidamente, pois, durante as inundações, as sementes são carregadas das áreas infestadas para áreas à jusante (MOREIRA; BRAGANÇA, 2010). Sesbania virgata apresenta ocorrência na Mata Atlântica nas regiões Sul, Sudeste e Nordeste do Brasil, conforme a Figura 33.
  63. 63. 61 Figura 33 – Mapa de distribuição geográfica de Sesbania virgata.
  64. 64. 62 4.17 Solanum paniculatum L. Pertencente à família Solanaceae é vulgarmente chamado de jurubeba, jurupeba, juribeba, jubeba, jurubebinha. As plantas de Solanum paniculatum são perenes, arbustivas, atingindo até 2 m de altura, podendo ser classificadas como nanofanerófitas no sistema de formas de vida de Raunkiaer (Mueller-Dombois & Ellenberg 1974). Arbusto de até 3 metros de altura. Ramos alvo-tomentosos, levemente armados de espinhos robustos curvos baixos. Folhas solitárias, pecioladas 2-5 cm, oblongas, agudas, inteiras até profundamente lobadas, alvo-tomentosas na parte abaxial, estreladas, mas cedo glabras na parte adaxial, desta forma fortemente bicolores, com poucos espinhos retos delgados. Inflorescências terminais, depois então laterais, subcorimbosas, bem ramosas, de muitas flores, alvo-tomentosas. Pedúnculo 1-4 cm de comprimento. Pedicelos delgados, espessados para o ápice, até 10 mm de comprimento, mas alongado até 20 mm no fruto. Cálice 5 mm de altura, alvo-tomentoso, meio fendido, lobos largo-arredondados e aguçados; corola com 2 cm de diâmetro, azul ou arroxeada, alvo-tomentosa no lado exterior, perto da metade fendida, lobos largo-triangulares; antenas lineares, pouco atenuadas; ovário glabro. Fruto globoso, 8-10 mm de diâmetro, amarelado (SMITH; DOWNS, 1966). Para os mesmos autores floresce de setembro até fevereiro e às vezes no resto do ano. É uma erva característica da sub-serra vastamente difundida na zona da mata pluvial da encosta atlântica. Espécie indiferente quanto às condições físicas dos solos, se encontra, principalmente nos primeiros estágios do secundário, situados nas mais variadas zonações, desde as planícies úmidas até as encostas secas. Surge, muitas vezes, formando agrupamentos bastante densos e característicos, sobretudo nos terrenos recentemente conquistados às matas, nos lugares semi-devastados, bem como nos pastos e nas proximidades das habitações. É também considerada uma planta invasora, que ocupa os mais variados tipos de solo (LEITÃO-FILHO et al. 1975). Forni-Martins et al. (1998) observaram nesta espécie a rebrota Figura 34 - Solanum paniculatum (Sonja Germer, 2012).
  65. 65. 63 após a poda (por roçada) do ramo principal quase no nível do solo. É uma planta rústica resistente à seca, própria de clima tropical e subtropical. Devido à sua rusticidade a planta adapta-se a diversos tipos de solo e não é exigente em fertilidade. Largamente usado como chá para as doenças do fígado, diabetes e icterícia. Usam-se as folhas, frutos e, especialmente a raíz (SMITH; DOWNS, 1966). Também é utilizada na preparação de tinturas e extratos pela indústria farmacêutica e dos frutos é fabricado vinho (LEITÃO-FILHO et al., 1975). Jurubeba (Solanum paniculatum L.) ocorre em toda a América tropical. Apresenta uma ampla distribuição no Brasil ocorrendo do Rio Grande do Sul até o Rio Grande do Norte (NETO et al., 2006). Essa espécie distribui-se por toda a extensão da Mata Atlântica, apresentando maior frequência nas Regiões Nordeste e Sudeste do país, como pode ser evidenciado pela Figura 35.
  66. 66. 64 Figura 35 – Mapa de distribuição geográfica de Solanum paniculatum.
  67. 67. 65 4.17 Terminalia australis Cambess. Recebe os nomes populares de sarandi amarelo, amarelinho ou ainda amarilho. Pertencente à família Combretaceae é uma arvoreta decidual de 5 a 10 metros de altura e 20 a 30 cm de diâmetro, muito ramificada, ramos finos, flexíveis, copa irregular pouco densa, tronco curto coberto por casca bastante fina, grisácea, levemente fissurada e escamosa, geralmente reclinada em direção aos rios; folhas simples elíptico-lanceoladas, comumente adensadas na ponta dos ramos, sendo estes finos e compridos lembrando os do salgueiro (REITZ et al. 1988). As flores encontram-se em inflorescências de espigas axilares. Os frutos medem de 2 a 3 cm de comprimento e são providos de duas asas opostas (REITZ, 1967). Segundo o mesmo autor esta arvoreta ou arbusto pode ser reconhecida na prática por ser semi-decidua, geralmente inclinada por sobre os rios, muito abundante ao longo dos mesmos, tendo ramos finos e compridos, pendentes à maneira dos chorões. Floresce em outubro e novembro, e frutifica de dezembro a março (REITZ, 1967; BRUSSA; GRELA, 2007). Sutili (2007) cita que Terminalia australis apresenta capacidade de reprodução por meio vegetativo, mas não imprime ritmo de crescimento para as obras de bioengenharia de solos. Assim esta espécie pode ser aproveitada, quando houver o interesse de aumentar a diversidade nas obras. Para Reitz et al. (1988) a espécie apresenta flexibilidade. Segundo Marchiori (2004) a espécie é adaptada à reofilía. Espécie seletiva higrófila, é muito abundante ao longo das margens dos rios. Trata-se de espécie exclusiva dos barrancos dos rios, sujeitos às inundações periódicas, tornando-se juntamente com a Pouteria salicifolia, Calliandra selloi, Phyllanthus sellowianus e Sebastiania schottiana, uma das espécies mais características das associações existentes nos barrancos e ilhas dos rios do planalto (REITZ, 1967). Figura 36 - Terminalia australis (http://plantillustrations.org.).
  68. 68. 66 Muito indicada para a implantação de reflorestamentos ao longo dos rios para evitar a demasiada erosão e prolongar a vitalidade das hidroelétricas da região. A madeira é amarela, de textura fina e muito homogênea, moderadamente pesada. Fornece madeira de excelentes características ornamentais para laminados, objetos de luxo, etc. (REITZ et al. 1988). Esta espécie apresenta ocorrência restrita no Bioma Mata Atlântica, concentrando-se na Região Sul do Brasil (Figura 37).
  69. 69. 67 Figura 37 – Mapa de distribuição geográfica de Terminalia australis.
  70. 70. 68 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS A Engenharia Natural constitui uma importante ferramenta na estabilização das áreas marginais e taludes fluviais, proporcionando não apenas soluções técnicas, mas também vantagens econômicas, ecológicas e estéticas quando comparado às obras tradicionais de Engenharia civil. A seleção e uso adequado de plantas nas mais diversas técnicas preconizadas pela Engenharia Natural são fundamentais para alcançar os objetivos desejados. A distribuição geográfica de plantas reflete, em última análise, sua capacidade de adaptação ao ambiente. Tendo-se em vista a grande dimensão do território brasileiro, com seus diferentes climas, solos e topografia, tal conhecimento torna-se fundamental para o sucesso na escolha das espécies a serem utilizadas em obras de Engenharia Natural nas diferentes regiões do Brasil. Nesse sentido, uma espécie introduzida numa área distinta de sua ocorrência natural poderá não apresentar desenvolvimento adequado para cumprir com o propósito desejado (estabilização de taludes fluviais, por exemplo) ou então poderá se transformar em uma espécie invasora de difícil controle. As espécies Cordia verbenacea, Sambucus australis, Schinus terebinthifolius, Sebastiania brasiliensis, Sesbania virgata e Solanum paniculatum apresentaram distribuição geográfica por toda a extensão do bioma Mata Atlântica, ocorrendo desde o Rio Grande do Sul até o Rio Grande do Norte. Já as espécies Calliandra brevipes, Calliandra tweedii, Sebastiania schottiana e Escallonia bifida apresentaram ocorrência nas Regiões Sul e Sudeste do Brasil. As espécies Pouteria salicifolia, Phyllanthus sellowianus e Terminalia australis apresentam ocorrência apenas na Região Sul, tendo seu uso restrito à mesma. A espécie Senna reticulata apresentou ocorrência concentrada na Região Norte do país, e em alguns locais da Mata Atlântica no Sudeste brasileiro. Pelo contrário, Salix humboldtiana apresentou maior frequência nas Regiões Sul até o Estado de São Paulo e em pontos isolados na Amazônia brasileira. Cephalantus glabratus foi a espécie com ocorrência mais restrita no bioma Mata Atlântica, com maior frequência nos Estados do Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul. Por fim, a espécie Ludwigia tomentosa apresentou maior distribuição na região Central do Brasil, ocorrendo desde o Estado de Santa Catarina até os Estados da Bahia e do Mato Grosso.
  71. 71. 69 Cabe destacar, as dificuldades e as lacunas relativas ao registro da distribuição geográfica das espécies no Brasil. Através dos mapas expostos neste trabalho pôde-se observar que as coletas botânicas georreferenciadas ainda são reduzidas e estão concentradas em algumas regiões do país, muitas vezes apresentam ocorrência em pontos isolados, existindo grandes distâncias entre um ponto e outro. Essa situação não significa que as espécies estudadas não ocorram em outros locais, e pode ser explicada pelo fato de que a maioria das instituições de ensino e pesquisa concentram as coletas nas suas proximidades e em locais específicos de interesse dos pesquisadores. Outro fato importante é a grande extensão territorial do país, o que dificulta o conhecimento de toda a biodiversidade vegetal e suas áreas de ocorrência natural. Novas informações sobre as espécies com potencial de uso em obras de Engenharia Natural já em estudo devem ser buscadas, assim como novas espécies devem ser identificadas e investigadas quanto às características biotécnicas, a fim de aumentar a diversidade de plantas e o emprego das obras de Engenharia Natural no Brasil.
  72. 72. 70 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABNT. Associação brasileira de normas técnicas. NBR 10703: Degradação do solo. Rio de Janeiro. 1989. ANP. Agência Nacional do Petróleo. Mapa de localização dos dutos terrestres no Brasil. Disponível em: <http://www.anp.gov.br/>. Acesso em: 16 de junho de 2014. ARAUJO, E.C. et al. Caracterização morfológica de frutos, sementes e plântulas de Sesbania virgata (Cav.) Pers. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, V.26, n.1, p 105-110, 2004. ARIZPE, D. Guia de propagação de árvores e arbustos ribeirinhos – Um contributo para o Restauro de Rios na Região Mediterrânica. Valência, Espanha. Ed. ISA Press, 2009. ASCHBACHER, M.; MÜLLER, B. Optimierung des Steckholzwachastums am Beispiel von Salix humboldtiana und Phyllanthus sellowianus in Südbrasilien. 171f. Universität für Bodenkultur, Wien. 2009. BARBOSA, L.M. Manual para recuperação de áreas degradadas do Estado de São Paulo: Matas Ciliares do Interior Paulista. São Paulo: Instituto de Botânica, 129 p., 2006. BEGEMANN, W.; SCHIECHTL, H. M. Ingenieurbiologie – Handbuch zum ökologischen Wasser und Erdbau. 2. Neubearbeitete Auflage. Wiesbaden und Berlin: Bauverlag GMBH, 1994. BRUSSA SANTANDER, C.A./ GRELA GONZÁLEZ, I.A. Flora Arbórea Del Uruguay – Com énfasis em las especies de Rivera y Tacuarembó. Montevideo. Editora COFUSA, 2007. BURKART, A. Leguminosas Mimosoideas. In: Flora Ilustrada Catarinense. REITZ, P.R. Itajaí, Santa Catarina. 304 p., 1979. CARPANEZI, A.A./ TAVARES, F.R./SOUZA, V.A. Informações sobre a estaquia do salseiro (Salix humboldtiana WILLD.). Colombo –PR. Embrapa (Circular técnica; n. 33), 1999. CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. 1. ed. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, Colombo, PR. v. 1, 1039 p., 2003. CORNELINI, P.; SAULI, G. Manuale di indirizzo delle scelte progettuali per interventi di ingegneria naturalistica. 1a ed. Roma: Ministerio dell’ Ambiente e della tutela del territorio-Progetto Operativo Difesa Suolo, Istituto Poligrafico e Zecca dello Stato S.p.A. - Salario, 2005. CORNELINI, P.; FERRARI, R. Manuale di Ingegneria Naturalistica per le Scuole Secondarie., Regione Lazio, 2008.
  73. 73. 71 COUTINHO, M. P. Crescimento de Sesbania virgata (Cav.) Pers em cavas de extração de argila. Campos dos Goytacazes. 54f. Dissertação (Mestrado em Produção Vegetal), Universidade Estadual do Norte Fluminense, 2003. DELPRETE, P.G.; SMITH, L.B.; KLEIN, R.M. Rubiáceas. In: REITZ, P.R. (Org.). Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 2004. DENARDI, L. Anatomia e flexibilidade do caule de quatro espécies lenhosas para o manejo biotécnico de cursos de água. 111f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal). Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2007. DENARDI, L.; MARCHIORI, J.N.C.; DOS SANTOS, S.R. Anatomia da madeira de Salix humboldtiana Willd. (Salicaceae). Balduinia 11: 27-31, 2007. DURLO, M.A.; SUTILI, F.J. Bioengenharia: Manejo biotécnico de cursos de água. Porto Alegre. Editora EST Edições. 2005. DURLO, M. A.; BRESSAN, D. A.; SUTILI, F. S. Biotécnicas no manejo de cursos de água - Rios da América. Ciência & Ambiente/ Universidade Federal de Santa Maria. V. 41. p. 69, 2010. DURIGAN, G.; FIGLIOLIA, M. B.; KAWABATA, M.; GARRIDO, M. A. de O.; BAITELLO, J. B. Sementes e mudas de árvores tropicais. São Paulo: Páginas Letras Editora e Gráfica, 65 p., 1997. FILARDI, F. L. R.; GARCIA, F.C. P. & CARVALHO-OKANO, R. M. Espécies lenhosas de papilionoideae (leguminosae) na estação ambiental de Volta Grande, Minas Gerais, Brasil. Rodriguésia 58 (2): 363-378. 2007. FLEIG, M. Anacardiáceas. In: REITZ, P.R. (Org.). Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues. 1989. FLORINETH, F.; GERSTGRASER, C. Ingenieurbiologie. Wien: Instituu für Landschafts – planung und Ingenieurbiologie. Universität für Bodenkultur, 2000. FORNI-MARTINS, E. R.; MARQUES, M. C. M.; LEMES, M.R. Biologia Floral e reprodução de Solanum paniculatum L.(Solanaceae) no Estado de São Paulo, Brasil – Revista Brasileira de Botânica: São Paulo, v. 21, n. 2; p. 117-124. 1998. GANDOLFI, S.; LEITÃO-FILHO, H. F.; BEZERRA, C. L. F. Levantamento florístico e caráter sucessional das espécies arbustivo-arbóreas de uma floresta mesófila semidecídua no município de Guarulhos, SP. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v.55, n. 4, p. 753-767, 1995.
  74. 74. 72 GIEHL, E.L.H. (coordenador) 2012. Flora digital do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. Disponível em: <http://ufrgs.br/floradigital>. Acesso em 28 Out 2013. GRAY, D. H.; LEISER, A.T. Biotechnical Slope Protection and Erosion Control. Florida: Krieger Publishing Company Malabar, 1982. IBGE. Instituto brasileiro de geografia e estatística. Mapa da Área de Aplicação da Lei nº 11.428, de 2006 (Decreto n° 6.660, de 21 de novembro de 2008, publicado no Diário Oficial da União de 24 de novembro de 2008). LADEIRA, R.S. Preparação de extrato seco de Cordia verbenaceae. Apresentada como monografia de especialização pelo Instituto Brasileiro de Estudos Homeopáticos- Faculdade de Ciências da Saúde de São Paulo. Porto Alegre, 2002. LEITÃO FILHO, H.F.; ARANHA, C. & BACCHI, O. Plantas invasoras de culturas no estado de São Paulo. HUCITEC e AGIPLAN, São Paulo, v. 2, 1975. LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. Vol. 1. Nova Odessa, Ed. Plantarum, 384p., 1992. LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. Vol. 2. Nova Odessa, Ed. Plantarum, 352p., 1998. LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. Vol. 3. Nova Odessa, Ed. Plantarum, 384p., 2009. LORENZI, H., SOUZA, H.M. Manual de plantas ornamentais no Brasil – arbustivas, herbáceas e trepadeiras. São Paulo: Nova Odessa, Plantarum, 1995. MARCHIORI, J.N.C. Dendrologia das angiospermas – das Bixáceas às Rosáceas. Santa Maria: Editora da UFSM, 2000. MARCHIORI, J.N.C. Fitogeografia do Rio Grande do Sul – campos sulinos. Porto Alegre: Ed. EST, 2004. MARCHIORI, J.N.C. Dendrologia das Angiospermas – Leguminosas. 2º edição. Santa Maria. Editora da UFSM, 2007. MARTINS, S. V. Recuperação de matas ciliares. 2 ed. Viçosa: Aprenda Fácil Editora. v. 1, 255 p., 2007. MENEGAZI, G.; PALMERI, F. II dimensionamento delle opera di ingegneria naturalística. Direzione Regionale Infrastruture, Ambiente e Politiche abitative – Regione Lazio, Roma, 2013. MONTEIRO, J.S. Influência do ângulo de plantio na propagação vegetativa de espécies utilizadas em Engenharia Natural. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria, 109 p., 2009.
  75. 75. 73 MOREIRA, H. J. C.; BRAGANÇA, H. B. N. Manual de identificação de plantas infestantes: arroz. São Paulo: FMC Agricultural Products, 550 p., 2010. MORGAN, R. P. C.; RICKSON, J. Slope Stabilization and Erosion Control - a bioengineering approach. London: E & FN Spon, 1995. MOURA, V.P.G. Introdução de novas espécies de salix (salicaceae) no Planalto Sul de Santa Catarina, Brasil. Embrapa (Comunicado técnico; n.71), 2002. MUELLER-DOMBOIS, H. & ELLENBERG, D. Aims and methods of vegetation ecology. Wiley, New York. 1974. NETO, O.D.S.; KARSBURG, I.V.; YOSHITOME, M.Y. Viabilidade e germinabilidade polínica de populações de jurubeba (Solanum paniculatum L.) Revista de Ciências Agro-Ambientais, Alta Floresta, v.4, n.1, p.67-74, 2006. OLIVETTI, S. V. Cordia verbanaceae: planta contra a inflamação. Phytomédica, v.1, n.1, p.1, 2006. Disponível em: <http://www.ache.com.br/arquivo/institucional/phytomedicajornal> Acesso em: 21 jan. 2014. PACTO PELA RESTAURAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA: referencial dos conceitos e ações de restauração florestal [organização edição de texto: Ricardo Ribeiro Rodrigues, Pedro Henrique Santin Brancalion, Ingo Isernhagen]. – São Paulo : LERF/ESALQ : Instituto BioAtlântica, 2009. PAROLIN, P. Senna reticulata (Willd.) H. S. Irwin & Barneby (Fabaceae) AS “PASTURE KILLER” (“MATAPASTO”) PIONEER TREE IN AMAZONIAN FLOODPLAINS. Ecologia aplicada. Vol. 4 Nº 1 y 2, p. 41-46, 2005. PETROBRAS TRANSPORTES S.A. (TRANSPETRO). Disponível em: < http://www.transpetro.com.br>. Acesso em: 20 de junho de 2014. PLUNTER, K.; ALTREITER, W. Ingenieurbiologische Maβnahmen am Rio Guarda-Mor in Südbrasilien – Untersuchung der biologisch-tech-nischen Eigenschaften von Ufergehölzen. Diplomarbeit. Universität für Bodenkurtur Wien. Viena, Áustria, 164 p., 2004. POTT, A.; POTT, V. Plantas do pantanal. Brasília: EMBRAPA-SPL, 320 p., 1994. REITZ, P.R. Combretáceas. In: REITZ, P.R. (Org.) Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1967. REITZ, P.R. Sapotáceas. In: REITZ, P.R. Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1968. REITZ, P.R. Caprifoliáceas. In: REITZ, P.R. (Org.) Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1985.
  76. 76. 74 REITZ, R.; KLEIN, R.M.; REIS, A. Projeto Madeira do Rio Grande do Sul. Superintendência do Desenvolvimento da Região Sul (SUDESUL) – Governo do Estado do Rio Grande do Sul (RS) – Herbário Barbosa Rodrigues (HBR), 1988. REVILLA, J. Plantas da Amazônia: oportunidades econômicas e sustentáveis. Manaus: INPA / SEBRAE / AM, p.311- 314, 2001. SAMÔR, O.J.M. Comportamento de mudas de Sesbania virgata e Anadenanthera macrocarpa, produzidas em recipientes e substratos, destinadas à recuperação de áreas degradadas pela extração de argila. Campos de Goytacazes. 1999. Dissertação (Mestrado em Produção Vegetal), Universidade Estadual do Norte Fluminense, 1999. SANTOS, D. R.; MOREIRA, F. M. S.; SIQUEIRA, J. O.Fósforo, fungo micorrízico e rizóbio no crescimento, nodulação efixação biológica do nitrogênio em Sesbania virgata (Cav.) e Sesbania rostrata (Bram). In: FERT’BIO. Anais... Caxambu, p. 772, 1997. SANTOS, G.A.; CAMARGO, F.A.O. Fundamentos da matéria orgânica do solo. Ecossistemas tropicais e subtropicais. Brasil, Porto Alegre, 508p., 1999. SCHIECHTL, H. M. & STERN, R. Handbuch für naturnahen Erdbau: Eine Einleitung ingenieurbiologische Bauweisen. Wien: Österreichischer Agrarverlang, Druck und Verlagsgesellschaft m.b.H. 1992. SCHWIRKOWSKI, P. Flora de São Bento do Sul - São Bento do Sul - Santa Catarina - Brasil - Outubro de 2009. Disponível em: <https://sites.google.com/site/florasbs>. Acesso em: 17 Nov. 2013. SCHWIRKOWSKI, P. Ludwigia tomentosa in Flora SBS. São Bento do Sul - Santa Catarina – Brasil, 2009. Disponível em: <https://sites.google.com/site/florasbs>. Acesso em: 13 Jan. 2014. SIEGLOCH, A.M.; MARCHIORI, J.N.C.; SANTOS, S.R. Anatomia do lenho de Cephalanthus glabratus (Spreng.) K. Schum. (Rubiaceae). Balduinia, Santa Maria. N 31, 2011. SIQUEIRA, L.P. de; MESQUITA, C.A.B. Meu pé de Mata Atlântica: experiências de recomposição florestal em propriedades particulares no Corredor Central. 1. ed. Rio de Janeiro: Instituto BioAtlântica, 188p., 2007. SMITH, L.B. Boragináceas. In: REITZ, P.R. (Org.). Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1970. SMITH, L.B.; DOWNS, R.J. Solanáceas. In: REITZ, P.R. (Org.). Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1966.

×