Construções em alvenaria

2.330 visualizações

Publicada em

1 comentário
3 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.330
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.060
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
88
Comentários
1
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Construções em alvenaria

  1. 1. Cristiana Badra - RA: 4282149Larissa Duarde Galvão - RA: 5385626Mayara Virgulino - RA: 5199343Thiago Penteado - RA: 4195053Virginia Vasques de Paula - RA: 5176375
  2. 2. fabricaçãoMisturam-se as matérias-primas (areia + cal +água) em um misturador de grande capacidadee transporta-se a argamassa obtida para umreator metálico onde ocorre a hidratação da calem conjunto com a areia quartzosa. Esta massapré reagida é levada a um misturadorhorizontal (pós-misturador) para sua completahomogeneização.Após esta etapa, faz-se a aferição daumidade da argamassa de cal + areia para a prensagem sob alta compactação em prensashidráulicas, onde os blocos são moldados já em seu formato final.Após a prensagem, os blocos são empilhados automaticamente em vagonetas, que sãotransportadas para as autoclaves (câmaras de alta pressão e temperatura), onde os blocossão submetidos a uma pressão de vaporde 16 atm à 200ºC detemperatura porcerca de 5 horas.
  3. 3. FORMA CONVENCIONALEtapas:1. Confecção das colunas e vigas2. Confecção de fôrmas demadeira.3. Barras de ferro de diversasformas e espessuras.4. Concreto para preencher asfôrmas de madeira.5. Retirada das fôrmas eescoramentos após o mínimo de20 dias.6. Construção das paredes comtijolos ou blocos.7. Aplicação de chapisco, massagrossa e massa fina para aexecução do revestimento.
  4. 4. AMARRAÇÃO PILAR/PAREDE.Nos encontros entre paredes,deve-se fazer uma ligação poramarração direta entre blocos umavez este tipo de solução é o queapresenta melhor desempenho,por permitir a redistribuição dastensões atuantes na alvenaria.Quando não for possível umaligação por amarração direta, aunião entre paredes e a ligaçãopilar/parede deverá ser feita pelacolocação de telas metálicas eletrosoldadas nas juntas de argamassa.
  5. 5. ASSENTAMENTO DE BLOCOS
  6. 6. INTALAÇÕES HIDRAULICAS E ELÉTRICASAs instalações elétricas,hidráulicas e de telefoniatradicionalmente sãoexecutadas posteriormente àelevação da alvenaria, atravésde cortes ou rasgos, o queocasiona perda de material emão de obra. Na alvenariaracionalizada a passagem doseletrodutos é feita através dosfuros dos blocos, evitandoassim a grande perda dematerial e o entulho geradotradicionalmente.
  7. 7. CUIDADOS E ACABAMENTOS
  8. 8. INDÚSTRIA ESTORK SCREENS
  9. 9. BLOCOS PRINCIPAIS
  10. 10. CANALETA
  11. 11. TIPOS DE BLOCOS1 – TIJOLO DE BARRO2 – TIJOLO ECOLOGICO3 – BLOCO CERAMICO5 – BLOCO DE CONCRETO7 – BOCO DE VIDRO
  12. 12. TIJOLO de barro.Os tijolos de barro são produzidos através de argilas sedimentaresencontradas nas margens de rios e lagos, de granulometria fina e comgrande quantidade de matéria orgânica. O barro deve ser limpo, semmuito detrito orgânico que dá porosidade excessiva. A argila para sermoldada convenientemente, deve ser previamente preparada, libertando-a de corpúsculos(raízes, pedras e outros) e amassando-a com certaquantidade de água, de modo a formar uma massa homogênea e de boaconsistência.Hoje, devido ao alto custo, poucas casas são construídas com estruturade tijolo maciços. Mas eles continuam revestindo muros e fachadas. Entreos desenhos que podem ser feitos, os mais comuns são a junta aprumohorizontal ou vertical, a espinha de peixe, a junta amarração francesa.Importante: impermeabilize as paredes com silicone, impermeabilizantesacrílicos ou resinas acrílicas.
  13. 13. TIJOLO de barro.Por norma brasileira, um tijolo maciço de categoria de primeiraqualidade caracteriza-se por apresentar uma resistência de 40 Kgf/cm2.Porém, essa resistência não traduz um bom tijolo (no exterior existemtijolos com resistência de até 1000 Kgf/cm2.A durabilidade (resistência a deteriorização), vai depender daqualidade do material empregado (argila); adição de areia para baratearo custo; arestas arredondadas, demonstrando a fragilidade do produtoe da temperatura de cozimento: menos calor, menor qualidade domaterial, menor custo.Tijolos com resistências mais elevadas, possibilitariam que elefuncionasse não só como elemento de vedação mas também estrutural,podendo traduzir-se ainda em resistência ao choque e a altastemperaturas. Tijolos com resistência inferior normalmente causamproblemas de umidade, fissuras e deterioração.
  14. 14. TIJOLO de barro.
  15. 15. TIJOLO ECOLOGICOSua fabricação não envolve queima de arvores, e sao compactados a frio emuma prensa que garante dimensões perfeitas.O desenho inteligente, com pequenos encaixes e furos centralizados,permitem assentá-las sem uso de argamassa e embutir a tubulação hidráulica eelétrica.Pois não necessita da brutal cura nos fornos à lenha como acontece com otijolo convencional. Esse simplesmente é adicionado cimento a um soloespecífico, homogeneizado, prensado e curado a sombra com água coletada dachuva e fontes naturais.Dentre tantas vantagens o tijolo ecológico proporciona conforto, praticidade emuita economia. Ele tem um formato diferenciado e por ser só encaixado nãorequer argamassa para o assentamento.
  16. 16. TIJOLO ECOLOGICOA economia no custo final da obra pode chegar a 30%, pois traz redução de50% nos gastos com a alvenaria e cai para a metade o tempo de construção.• Tijolo inteiro (25cm comprimento x 12,5cm largura x 6,25cm altura)• Canaleta (25cm comprimento x 12,5cm largura x 6,25cm altura)• Meio tijolo (12,5 cm comprimento x 12,5cm largura x 6,25cm altura)Economia» até 70% menos concreto e argamassa» até 50% menos ferroRapidez» diminui o tempo de construção em até 50%Facilidade» hidráulicas e elétricas embutidas dispensando a quebra de paredesLimpeza» obra mais limpa e sem entulhos
  17. 17. TIJOLO ECOLOGICO
  18. 18. BLOCO CÊRAMICOBloco Cerâmico são componentes construtivos utilizados emalvenaria (vedação, estrutural ou portante).Apresentam furos de variados formatos, paralelos a qualquer umdos seus eixos. São normalmente produzidos com argilas ricas em emjuta (tipo tagua) e argilas. A conformação ocorre por extrusão, onde amassa de argila é pressionada através do molde que dara a forma dasessão transversal. A coluna estrudada obtida passa por um cortador,onde se tem a dimensão do componente, perpendicular a sessãotransversal.Posteriormente os blocos são submetidos a secagem e a queima éfeita com temperatura que variam entre 900 °e 1100 ° .
  19. 19. BLOCO CÊRAMICO
  20. 20. BLOCO DE CONCRETOÉ uma mistura em proporções de cimento Portland (chamadode aglomerante), areia, água, brita (ou pedra britada) e aditivos,que tem como objetivo dar plasticidade ao betão .O principal constituinte do concreto é o cimento Portland, queresuta da transformação do calcário, e que é composto por umproduto chamado clínquer, formado por silicatos de cálcio.
  21. 21. BLOCO DE CONCRETO
  22. 22. BLOCO DE VIDROO tijolo de vidro é uma peça formada por parede dupla de vidro,com uma camada de ar rarefeito entre as mesmas.Conforme a textura das faces, pode-se obter efeitos visuaisdiversos entre dois ambientes, desde a transparência até atranslucidez.Por ser translúcido, permite a passagem de luz tornando oambiente mais aconchegante e saudável.
  23. 23. BLOCO DE VIDROAspectos positivos do tijolo de vidro:- propicia maior luminosidade ao ambiente interno economizandoenergia;- mantém a privacidade e a segurança da edificação;- é uma material de fácil manutenção e nunca exige pintura;- tem elevada resistência mecânica;- garante um visual moderno e está disponível em grande variedadede cores;- é um produto ecológico;- elevada resistência a ambientes agressivos;- resistência a alterações térmicas;- nenhum problema de condensação na parte interior do bloco;- leveza dos blocos: peso de 17 Kg/m2.
  24. 24. BLOCO DE VIDRO
  25. 25. Fachada 3D
  26. 26. Fachada
  27. 27. Planta Tipo
  28. 28. Planta Fundação
  29. 29. Planta Estrutural
  30. 30. Integrantes

×