Certificam que a obra abaixo está devidamente Registrada
Titulo : O POVOADO
Autor : Marco Aurelio Santos
Pseudônimo : MARC...
O POVOADO
Argumento para filme. Marco Aurélio Santos.
Primeiro tratamento:
Não seja você a Vitima. A injustiça cometida pe...
Fim do primeiro ato.
Três anos depois. 1971. Os assassinatos das mulheres não aconteceu mais. Parecia que a paz
voltava a ...
Um local de atendimento medico.
Personagens paralelos.
Dois policiais, Crianças, dois acompanhantes para o padre, um jorna...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

ARGUMENTO PARA FILME O POVOADO. MARCO AURELIO SANTOS ROTEIRISTA LOCUTOR

245 visualizações

Publicada em

A triste história de João Acácio da silveira;

Publicada em: Design
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
245
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ARGUMENTO PARA FILME O POVOADO. MARCO AURELIO SANTOS ROTEIRISTA LOCUTOR

  1. 1. Certificam que a obra abaixo está devidamente Registrada Titulo : O POVOADO Autor : Marco Aurelio Santos Pseudônimo : MARCO AURELIO ROTEIRISTA DADOS DO AUTOR rua Santa Cecilia,150,CASA-1 PARQUE SANTA CECILIA - SAO PAULO - SP 04862030 roteiristaaurelio@bol.com.br CPF:11191468879 Número do Registro: 137791106658062000 30/08/2013 - 22:08:38 Digitally signed by MARQUEI SOLUCOES INTERNET LTDA ME:04343779000107 DN: c=BR, st=DF, l=BRASILIA, o=ICP-Brasil, ou=Secretaria da Receita Federal do Brasil - RFB, ou=RFB e-CNPJ A3, ou=AR SERASA, cn=MARQUEI SOLUCOES INTERNET LTDA ME:04343779000107 Reason: Registro de Direito Autoral Date: 2013.09.09 12:11:00 -03'00'
  2. 2. O POVOADO Argumento para filme. Marco Aurélio Santos. Primeiro tratamento: Não seja você a Vitima. A injustiça cometida pelas pessoas do povoado, foi e sempre sera uma história de horror. Uma pequena região formado por pessoas simples, porém sempre honestas se deixando levar pela cólera ao ver moças de família sendo estrupadas e assassinadas. João Acácio da Silveira, seria o motivo de todo um cenário triste com várias mortes de culpados e inocentes. O povoado. A história de um inocente. A história de um culpado. Argumento . Personagens principais : João Acácio da Silveira ( Desconhecido e muito sério. Não possui documentos. Vaqueiro e pescador ) Coronel Assis de Cassia ( Dono da empresa de pesca e venda de peixes.) Jojô ( Pescador . Homem apaixonado pela moça Jassira.) Jandira ( Lavadeira de roupas. Mãe de família . Mulher invocada e fanática pela igreja. ) Padre Lazaro ( O padre da região. fiel a sua Igreja e princípios ) Delegado Sousa. ( Esperto e competente. Mas um pouco arrogante ) Ano de 1969. Em um povoado no interior. chega o pacato João Acácio da Silveira. Apenas com uma pequena trouxa e fumando cigarro de palha. Ao conhecer e conversar com Jojô, e outras pessoas, consegue emprego com o Coronel Assis, como pescador em um de seus barcos. Logo, João Acácio, passa a dormir em um barraco na própria cooperativa de Assis. Dias depois, a filha de Geraldo e Glória, um dos pescadores de Assis, aparece estrupada e morta. Claudiana. Encontrada na bera do rio. O delegado, Sousa, começa a investigar com seu assistente Rosano. O povo fica apavorado. com o passar dos dias, Tamires, Diana e Rosalina, também são encontradas em estado pavoroso. Estrupadas e mortas. As pessoas começam a desconfiar de João Acácio, por ser novo na região e misterioso. João, pretende ir embora do povoado mas é impedido por Jojo , coronel Assis e outros . Preso e amarrado sem o conhecimento do delegado Sousa, que ao tomar conhecimento, decide interrogar João, o encontrando já machucado de tanto apanhar pelos pescadores que exigem que ele confesse os crimes. Levado para delegacia, o pobre homem não estava livre. Ainda teria que confessar ser o assassino das moças. Sem sucesso, Sousa, decide soltá-lo. Logo, a lavadeira de roupas Jandira, tem a intuição sobre que João, é o violentador e passa a contar para todos na vila. Começaram então, a vigiar o misterioso impedido de partir. Dias depois, em seu barraco humilde, com muita fome, já que não estava mais pescando e nem recebendo comidas das mulheres lavadeiras e crentes da Igreja, João, escuta um grito feminino. Não suportando corre até o local entre as matas e encontra a filha de Jandira, Mônica, estrangulada. Todos ouviram os gritos. Liderados por Jojõ , a população chega no local do crime e encontram João Acácio, próximo a o cadáver de Mônica. Revoltados, todos arrastam o pobre pescador e o leva para uma área vazia. Começam então a espancar até a morte , João Acácio da Silveira.
  3. 3. Fim do primeiro ato. Três anos depois. 1971. Os assassinatos das mulheres não aconteceu mais. Parecia que a paz voltava a reinar entre as pessoas do povoado. O padre Lazaro, ainda realiza suas missas entre todos da vila. Mas a triste morte de João Acácio, lixado pela população é um tabu para todos. Rosivaldo e Clari, chegam na vila com propostas de montar um comercio pequeno mercado. começam a compartilhar com todos e passam a ser muito queridos entre o povoado. Semanas depois, começa o terror novamente. A filha de Loro, um pescador esposo de Zéfa, é achada morta e estrangulada. Lúcia, a moça que ajudava a mãe Zéfa a lavar roupas no rio, agora esta morta. A duvida entre todos é a seguinte : a morte de João, foi uma injustiça. Isso levou a todos ficar com peso de consciência e trabalho dobrado para o delegado Sousa. Para a surpresa de todos, as pessoas começaram a receber bilhetes dizendo : - Assassino de inocente ! O terror toma conta novamente . E piora quando Jojô , é encontrado morto com o seguinte recado : -- Esse é apenas o primeiro ! . Depois mais dois dos pescadores foram mortos a base de tiros e cada um com numeração no bilhete encontrado. O casal Rosivaldo e Clari, ficam apavorados e temem ser maldição e que alguém esta vingando a morte injusta de João Acácio. O delegado Sousa, recebe uma pista sobre o coronel Assis. Segundo o presidente da cooperativa andava muito nervoso e investigado pela policia local, ele é surpreendido visitando o local de uma de suas vitimas com a Mônica estrangulada. Na estratégia, o delegado Sousa e seu assistente ao lado de Rosivaldo, puderam escutar , Assis , confessar os crimes sozinho no local . O confesso do coronel, era aprova de que ele é que estrupa e matava as moças. Em estado de choque e muito nervoso, percebe a presença do delegado que o da a voz de prisão. A notícia corre entre o povoado e todos ficam surpresos e arrependidos pela crime contra Acácio, Três anos passados. Revolução e muita tristeza entre todos. Mas a duvida de Sousa e seu assistente Rosano, é que Assis, nega o crime contra Jojô e outros pescadores. Acaba deixando o delegado confuso e sem vontade de encerrar o caso. Quem matou os homens pescadores ? Já que Assis, era estrangulador de mulheres. Resposta que a policia terá de dar a todos e até para a imprensa que chegou ao local . Sem muito sucesso. Rosivaldo e Clari, decidem ir embora do povoado. Sorridentes, os dois irmãos de João Acácio, Saem rindo e com a sensação de vingança cumprida pela morte injusta de seu parente. História paralela em O povoado. O romance de Gustavo, professor da região por Janete, filha de Laurinda e o pescador e comerciante Antônio. Mas que Gustavo, ainda teria que enfrentar o rival Cesar , filho do dono de bar Algusto. Cesar, viverá tentando conquistar Laurinda que ama o professor. E o duelo dos dois. Cenários e locações : Uma simples delegacia para o delegado Sousa e seu assistente. int / ext Igreja do padre Lazaro. int / ext Barcos de pescas. Para a cooperativa de pescadores. Casas típicas do interior bem simples e sem luz elétrica, 1969. Riacho onde as lavadeiras de roupas cantam ao trabalhar. Casa simples onde servirá para o professor Gustavo dar aulas. int / ext Barraco de madeira onde o pobre João Acácio, viverá apenas som uma pequena cama. int / ext Um nine mercado para Rosivaldo e clari Dois bares na região.
  4. 4. Um local de atendimento medico. Personagens paralelos. Dois policiais, Crianças, dois acompanhantes para o padre, um jornalista, dois repórteres. Participação especial : Doutor Fernando de São Paulo. Médico clinico geral com dois agentes em o povoado.

×