Perfeição - ultimo capítulo

266 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Perfeição - ultimo capítulo

  1. 1. PERFEIÇÃO/ 070 - ÚLTIMO CAPÍTULO PÁG.: 01Recanto das Capítulo 070Letras PERFEIÇÃO novela de: Lucas Vinícius escrita por: Lucas Vinícius Participaram deste Capítulo: ADV CASTANHA JOANA ANGÉLICA JUAN ASTOLFO JÚLIO BARTOLOMEU JUREMA CÂNDIDA LEANDRO CARLA LENINHA CARMÉLIA LENON CLÁUDIO LISA CLEITON MARIA CONSTANTINO MARIZETE CRISTAL MIRELA DESIRRÉ MOURÃO ERMELITA NÉIA ESTER PEDRO JÚNIOR GEOVANE RAQUEL GIOVANNI ROSANA FÁTIMA SHIRLEY FRANCO SIMONE IARA TUPANAKÃ JECA ÚRSULA MORGANA
  2. 2. PERFEIÇÃO/ 070 - ÚLTIMO CAPÍTULO PÁG.: 02CENA 01. FAZENDA. BANHEIRO. INT. DIA.Continuação imediata do capítulo anterior. Muito ritmo! Esterse aproxima e com a arma apontada na cabeça de Lisa esegurando o bebê, diz: Muito Suspense! ESTER —— Eu hesitei muitas vezes em te matar. Hesitei em matar o babaca do Júlio. Muitas vezes eu pensei nisso tudo. De tonta, eu não matei. E deu no que deu: os dois pombinhos, Leandro e Lisa querendo ser felizes! Mas vao acabar em MERDA! LISA —— (abalada) Como é que você entrou aqui?! ESTER —— Pelas portas do fundo. Vê só a minha situação: Ester Dias Maltarolli, entrando pelos fundos de uma fazenda, prestes a tirar da vida do seu namorado Leandro, a outra: Lisa. LISA —— A outra na história é você! Matou sua própria sogra e quer se fazer de vítima?! ESTER —— (ri) A vítima nessa história toda fui eu! A Eunice, era uma preconceituosa. O Júlio é um preconceituoso, o babaca do Leandro é um preconceituoso... a sociedade é preconceituosa! Por isso eu matei... por isso eu cheguei aonde cheguei. LISA —— (abalada) Olha o seu estado, você tá louca! Você perdeu o juízo. Fugiu duas vezes. Pra quê? O que você quer conosco?! ESTER —— Eu queria matar é a Raquel. Mas creio que isso eu já fiz! (ri maquiavelicamente) Ah... adorei enfiar a faca nela. A uma hora dessas, a pobrezinha está morta. Mortinha da silva, enterrada! LISA —— Onde você pegou essa criança? ESTER —— A Eunice? A Eunice é minha filha. É filha do Leandro. LISA —— Você tá louca! O Leandro não tem filha nenhuma com você.
  3. 3. PERFEIÇÃO/ 070 - ÚLTIMO CAPÍTULO PÁG.: 03 ESTER —— (esbraveja) Mas era pra ter!!! Eu descobri que tava grávida dele!Baque; Lisa se espanta:CORTA PARA:CENA 02. CHÁCARA DE JECA. EXT. QUINTAL. DIA.Há uma grande mata pela fazenda. Vários animais também.Raquel vem da cozinha até lá fora, assustada. RAQUEL —— O que será que tá acontecendo lá naquele casamento? A Ester consegui impedir, será? Tensão.Ela olha pro lado e vê na garagem dois carros. O cinza deJeca e outro amarelo. Estrategicamente ela se aproxima docarro de Jeca. Depois, corre a abre o porta-malas. De lá,puxa uma caixa de ferramenta. Ela abre, rapidamente pega umaalicate: RAQUEL —— Não sou assassina, mas o João não ia deixar eu sair agora. Então...Ela corre até o carro dele e se agacha. Depois entra debaixodo carro e após segundos escutamos um barulho. Raquel sai ládebaixo toda suja de óleo e graxa. RAQUEL —— (se levanta) Eu não sou presa de um homem! Vá pro inferno, João!Ela corre até a caixa de ferramentas aberta e guarda oalicate. Depois, fecha a caixa e torna a guardar no porta-malas. Após isso, corre até o outro carro amarelo e entranele. Saindo em disparada rumos a Deus sabe onde. Close nocarro de Jeca.CORTA PARA:CENA 03. FAZENDA DO CASAMENTO. EXT. GRAMADO. DIA.Leandro está no altar, ao lado de Júlio, Joana e Cleiton. Opadre também está ali. Ele está nervoso. Do elenco, sentadonas cadeiras estão MIRELA, CÂNDIDA, ASTOLFO, CARLA, LENINHA,GEOVANE E LENON, DESIRRÉ. LEANDRO —— (p/ Júlio) Nossa, pai, tá demorando! JÚLIO —— (rindo) Filho, deixa eu te contar uma coisa: sua mãe, a Eunice, demorou 2 horas pra aparecer no casamento! LEANDRO —— (impressionado) Ave! JÚLIO —— Isso que é demora. A Lisa tá atrasadinha, digamos assim.CORTA PARA MIRELA.Mirela está sentada nas cadeiras, ao lado de Carla.
  4. 4. PERFEIÇÃO/ 070 - ÚLTIMO CAPÍTULO PÁG.: 04 MIRELA —— (surpresa, p/ Carla) Como é que é?! CARLA —— É! Ela foi embora! MIRELA —— Não é possível! A Mariana foi embora? Ela tava toda baixada de Nina, querendo se vingar de mim. Cadê todo o ódio dela? CARLA —— Pra mim aquilo não era ódio. Era amor. Ou inveja! Mas o importante é que ela foi. A Lilica ficou, mas a Lilica era uma espécie de pau-mandada, agora que a Mariana se foi, ela vai puxar o nosso saco. MIRELA —— (ri) Deus me livre. Prefiro adoecer a ter que virar amiga daquela cobra!CORTA PARA:CENA 04. FAZENDA DO CASAMENTO. BANHEIRO. INT. DIA.Continuidade da cena 01. Ester se aproxima de Lisa, que jáchora e com a arma em sua cabeça, diz: ESTER —— Fica tranquila, queridinha... eu não vou te matar! A única pessoa que vai morrer nessa história é o babaca do Leandro e o paizinho dele! LISA —— (chorando) Não!!!! O Leandro não! ESTER —— (séria) Cala a boca! Sim, são eles! Os imbecis da família Almeida! Já acabei com a Eunice, que quis se meter no caminho. Falta só eles. Mas eu vou te dizer... eu poupo a vida do Leandrinho caso ele queira ser feliz comigo. E com a Eunice, essa linda criancinha aqui! LISA —— (chora de raiva) Você é louca! Louca! ESTER —— Lisa...Ester vira-se e quando chegava até a porta, vira-se e dizpossessa: ESTER —— Feliz natal!Ela sai e bate a porta. Lisa em pânico. Escuta-se trancas naporta. LISA —— (desesperada) Não! Não!! Abre essa porta, Ester! Abreeeeee!Lisa corre e tenta forçar a fechadura. Em vão. Mas elainsiste e começa a bater na porta.CORTA PARA:
  5. 5. PERFEIÇÃO/ 070 - ÚLTIMO CAPÍTULO PÁG.: 05CENA 05. CASA DE MOURÃO. EXT. FACHADA. DIA. Música cômica.Mourão eufórico joga várias roupas de Ermelita portão afora.Ela, que está no quintal tenta catá-las e implorando praficar: ERMELITA —— (implorando) É natal, Mourão! Deixa eu ficar. Não faz isso comigo! MOURÃO —— (histérico) Olha pra mim e vê se eu tenho cara de que sustenta gorda falsa e folgada?! ERMELITA —— (choraminga) Por favor, Mourão... não me deixe ir pro viaduto. Aqueles mendigos, fedidos, cheirando a maconha... me deixe aqui! MOURÃO —— (ri) Ermelita, vá pro quinto dos infernos! Sua irmã tinha razão! Ninguém merece ter você por perto!Ele, ainda eufórico joga várias roupas. Acaba jogando até umferro de passar pro alto. A vizinhança curiosa se aproxima.Ermelita cata o que pode: ERMELITA —— (implora) Mourão... Mourãozinho... Eu te amo, homi! Não me deixe! MOURÃO —— Você ama o meu dinheiro! Some da minha vida, Ermelita! ERMELITA —— (chorando) Mas é véspera de natal... eu vou ficar pra rua, às moscas? MOURÃO —— Eu tenho dó é das moscas! Elas não merecem!Ermelita choramingando começa a pegar suas roupas, que voamuma a uma, por Mourão que joga-as: MOURÃO —— E Me faz um favor! Melhor, dois: finja que eu morri e... morra também, se possível! Olha, tem uma BR aqui pertinho onde você pode ficar. É! Tem mendigos gente fina, que trocam maconha por crack!Ele bate a porta de sua casa e Ermelita fica sem rumo. Elapega suas roupas do chão. ERMELITA —— Pleno natal?! (chorando) Desgraça! Desgraça, desgraça! Desgraça! Desgraça! (T) Eu queria achar o moleque filho duma cadela que filmou isso. Eu ia pegar ele e moer, até sair bosta dos ouvidos! (se levanta, histérica) Céus!
  6. 6. PERFEIÇÃO/ 070 - ÚLTIMO CAPÍTULO PÁG.: 06 Eu vou morar aonde agora?Choramingando, ela segura às mãos poucas roupas. É com estasque ela abre o portão e dali vai saindo, sobre a atenção detodos os moradores que observam. CAM congela nela. 1º INTERVALO COMERCIALCENA 06. FLORESTA DE SÃO PAULO. CASA DE ÍNDIO. INT. DIA. Sonoplastia: Música cômica,Na oca do Índio Tupanakã, tudo é simples. Simone senta nobanco feito de palha e madeira e toma uma xícara de chá deboldo, com receio. Shirley ao lado, de pé: SHIRLEY —— (sotaque) Oxe! Credo! Boldo! Por que raios esse índio fio duma égua pedisse pra gente “tumar” chá de boldo?! TUPANAKÃ —— (se aproxima) Tupanakã pedir pra moça tomar chá de boldo pra se sentir melhor da dor de barriga. SIMONE —— Hum... sei não, seu “Panatukã”, tá piorando o negócio aqui! SHIRLEY —— Cruzes! SIMONE —— Assim... eu jurava que o senhor, seu índio, ia fazer a gente em picadinho! (se levanta) (sensual) Ia comer a gente todinha! TUPANAKÃ —— Índio gostar de mulher negra e bonita. SIMONE —— (lisonjeada) Ai! “brigada”, seu “Panatukã”. Amei o elogio! SHIRLEY —— Oxe! E eu, num “sô” bonita, não?! TUPANAKÃ —— (p/ Shirley) Shirley é moça bonita mas índio gostar de Simone! SIMONE —— (lisonjeada) Ai! (gritinho) Seu “Panatukã” é demais! (T) Mas hoje, seu “Panatukã”, é dia do casamento duma outra pessoa que eu queria muito ir. Mas a uma hora dessa já deve ter acabado. Eu quero muito sair daqui! TUPANAKÃ —— Índio Tupanakã entender. Índio ter uma ideia. SIMONE —— (gritinho) Adoro! TUPANAKÃ —— Índio ter ideia para Simone ir na casamenta. SIMONE —— Oba! Que ideia?!Tupanakã assovia. É quando pra surpresa delas, vem dois
  7. 7. PERFEIÇÃO/ 070 - ÚLTIMO CAPÍTULO PÁG.: 07índios segurando um banco, pronto para pôr Simone e levar.Ela fica surpresa, mas feliz: SIMONE —— (surpresa) Ai! Que lindo! TUPANAKÃ —— Índio levar Simone até o cidade! SIMONE —— (lisonjeada) Eu aceito! Bora subir nesse troço! Adoro ser carregada por dois índios! Me põe aí, seu “Panatukã”!Tupanakã se aproxima e pega Simone no colo, de uma jeitoselvagem que ela pira e dá até um gritinho. Ele se aproxima ea põe no banco. Os dois índios seguram o banco com ela emcima. SIMONE —— (animada) Ui! Tô feito Popstar! SHIRLEY —— (descontente) Só se for Topstar de oca de índio, né, querida! Oxe! (p/ Tupanakã) Seu “Tupã” , e pra mim, o que tem? É um desse também? TUPANAKÃ —— Índio ter um coisa pra Shirley também. Índio mostrar.Tupanakã aponta o dedo. Quando Shirley olha tem um treco, umchilique. Ao ver um cavalo. SHIRLEY —— (desanimada) Eu vou ir de cavalo? Oxe, que desgraça!Simone ri. SIMONE —— Bora gente! (´p/ Tupanakã) Seu “Panatukã”, o senhor vem junto? TUPANAKÃ —— Índio ir junto. Mas índio voltar depois. SIMONE —— (animada) Então vamo gente! Shirley, pega teu burrinho e simbora!Shirley se aproxima do cavalo. Os índios começam carregarSimone em seu “trono”, que toda alegre canta.CORTA PARA:CENA 07. CASA DE MARIA. INT. SALA. DIA. Sonoplastia: Música Emocionante,Pedro Júnior, sozinho, fuça a árvore de natal que está ali.Na árvore, alguns presentes, que ele insiste em fuçar. Mariavem abrindo a porta e chegando. Ela ri ao ver ele tentandoboicotar o natal, deixa a porta aberta e se aproxima dofilho: MARIA —— Pedro! (ri) Tentando abrir presente escondido? PEDRO JR. —— (ri) Ah, você me pegou! (vira-se) Por que não posso abrir? É natal! MARIA —— (ri) Não, hoje é véspera de natal.
  8. 8. PERFEIÇÃO/ 070 - ÚLTIMO CAPÍTULO PÁG.: 08 Natal é amanhã. Mas os presentes a gente abre a meia-noite. PEDRO JR. —— Ah... queria abrir agora! MARIA —— Mas tem um presente que vai poder abrir agora. Melhor: ele já vem aberto. PEDRO JR. —— Um presente que já vem aberto? Então não é presente! MARIA —— É uma pessoa. Que você nunca viu. Mas o pedido que você fez ao papai-noel se realizou. PEDRO JR. —— (surpreso) Sério? MARIA —— Sério! (vira-se) Pode entrar.Emoção. Juan entra em direção a Pedro Júnior, que estátentando entender o que vê. Juan sorri. JUAN —— É um lindo garoto! PEDRO JR. —— (p/ Maria) É meu pa...? MARIA —— (emocionada) Sim, filho... ele é seu pai! Dá um abraço nele, dá! Vá...!Pedro Júnior corre e dá um abraço em Juan, que ri e beijafilho. EFEITO: CAM LENTA. Maria chora ali do lado,emocionada, vendo a cena.CORTA PARA:CENA 08. FAZENDA DO CASAMENTO. EXT. GRAMADO. DIA.Todos ansiosos. Leandro no altar trêmulo, de tanta espera. Aseu lado, Júlio, Rosana, Joana e Cleiton. Os convidados todosà espera, inclusive o padre no altar. LEANDRO —— Nossa, pai. Essa demora tá demais! JÚLIO —— Já tô começando a estranhar, filho. Baque.O que vem entrando no tapete não é Lisa... e sim Ester. Baqueenorme. Ela entra carregando uma arma, sorridente, com umacriança nos braços. Leandro, Júlio, Rosana, Joana e Cleitonveem primeiro e se chocam: LEANDRO —— (horrorizado) Ester?!!!Todos os convidados se viram e ficam horrorizados com a cena,surpresos. Ester caminha pelo tapete, tranquila, balançando aarma, sorrindo. JÚLIO —— (esbraveja) Essa louca!!!! Tirem ela daqui!Ester aponta a arma pra cabeça do bebê que ela carregava ediz: ESTER —— Melhor não fazerem isso! LEANDRO —— (assustado) Ester?! Cadê a Lisa?
  9. 9. PERFEIÇÃO/ 070 - ÚLTIMO CAPÍTULO PÁG.: 09 ESTER —— (ri) Sempre Lisa! A sua noivinha, seu borra-botas fedorento, está presa no banheiro chorando. É isso que ela sabe fazer: chorar! LEANDRO —— Você é louca! É uma débil mental. Doente! Que criança é essa?! ESTER —— (ri, vingativa) Nossa filhinha, Leandro... a EUNICE!Baque. Todos se chocam ao ouvir isso. LEANDRO —— Meu Deus... até onde vai a sua loucura? Até aonde?! De pensar que eu te beijei... que eu casei com você! ESTER —— Você me amava, Leandro. Até o maldito noivado você me amava. Mas nessa noivado, aparece duas cretinas pra estragar a minha vida: Raquel e Lisa! Uma eu já matei... (sorrindo) Raquel... ah, essa tá no céu! E a Lisa, essa não vale a pena! Porque hoje ela sai dessa fazenda VIÚVA!Baque. Todos se assustam com tamanha frieza de Ester. Closeem quase todos os convidados da festa.CORTA PARA:CENA 09. HOTEL DE SÃO PAULO. INT. RECEPÇÃO. DIA.Clima de despedida. Cristal abraça a Dona do Hotel. Ao lado,Angélica arruma várias malas. DONA DO HOTEL —— Cristal, minha querida... eu sei que fui meio preconceituosa. Homofóbica... peço perdão. Vocês duas ficaram tanto tempo aqui que acabaram se tornando minhas amigas. Então, eu peço perdão pelo que disse. CRISTAL —— (emocionada) Não tem que pedir perdão. Enquanto houver mundo haverá preconceito. Não esquenta. Dona Margarida, se você souber notícias dos meus pais, a Carmélia e o Bartolomeu, por favor, me avise por telegrama ou e- mail. DONA DO HOTEL —— Pode deixar. Mas eles a uma hora dessa já fugiram. CRISTAL —— (decepcionada) É. Infelizmente eu tive pais que não são exemplo pra
  10. 10. PERFEIÇÃO/ 070 - ÚLTIMO CAPÍTULO PÁG.: 010 ninguém. ANGÉLICA —— Vamos, Cristal? DONA DO HOTEL —— mas por que vocês não querem esperar os outros hóspedes voltarem? ANGÉLICA —— Queremos voltar pra Milão, d. Margarida. Acreditamos que lá é nossa casinha, é nosso mundo. Eu nasci aqui no Brasil também, mas amo a Itália. CRISTAL —— (vira-se) E lá vamos nos casar. E... ser feliz! Para todo o sempre!Angélica abraça Cristal. As duas iam se beijar, mas acabampor se abraçar apertado. CAM congela.CORTA PARA:CENA 10. AERO PORTO DE SÃO PAULO. INT. DIA.Continuidade do cap. Anterior. Carmélia e Bartolomeu estãogelados, apavorados diante do policial. CARMÉLIA —— (lamenta) Vamos ser presos, Barto. Me abraça! Me abraça, porque eu tô precisando! POLICIAL —— (confuso) Mas presos por quê? Eu vim perguntar de quem é esse casaco que esqueceram no banco que vocês tinham sentado.Carmélia e Bartolomeu se olham disfarçando. BARTOLOMEU —— O casaco, é? POLICIAL —— É! E essa história de prisão, meus senhores? Que história é essa? CARMÉLIA —— (rápida) Presa no sentida de ficar aqui em São Paulo, meu querido, saudosos e gentil policial. Esse sentido! Tendeu? POLICIAL —— Perfeitamente. (T) Bom, aqui está (entrega) e boa viagem pra vocês. CARMÉLIA —— (ri falsa) Obrigada. E bom trabalho pro senhor!O policial sai. Carmélia e Bartolomeu se olham e se aliviam: CARMÉLIA —— Jesus, que susto! Achei que íamos presos! BARTOLOMEU —— (aliviado) Eu também! CARMÉLIA —— Vamo zarpar daqui, antes que mais alguém venha interferir na nossa viagem!
  11. 11. PERFEIÇÃO/ 070 - ÚLTIMO CAPÍTULO PÁG.: 011Eles saem zarpados rumo ao corredor.CORTA RAPIDAMENTE PARA:CENA 11. AVIÃO. AINDA PARADO. INT. DIA.Vários passageiros se preparam para “voar”. Carmélia eBartolomeu vem entrando no avião. Eles disfarçam. Vão indo nocorredor. Quando veem um banco, se sentam. A surpresa vemquando se sentam e Bartolomeu vê a seu lado NÉIA. BARTOLOMEU —— (surpreso) Néia?! CARMÉLIA —— Néia? NÉIA —— (espantada) Vocês?!Ela tem um faniquito: NÉIA —— Vocês aqui?! CARMÉLIA —— Ué, querida, eu que pergunto. Estamos indo rumo a Argentina! NÉIA —— (horrorizada) Mas, mas, mas... eu achava que vocês iam ficar. Vocês disseram que iam ficar. BARTOLOMEU —— Mentimos pra você! NÉIA —— (p/ si, ferrada) Ai meu Deus! Mas eu mandei um fusquinha com algumas coisas pra vocês na antiga casa de vocês. Lascou! CARMÉLIA —— (espantada) Na antiga casa?! Sua anta, quem mora lá agora é a Úrsula Morgana!Todos entortam a boca encrencados:CORTA IMEDIATAMENTE PARA:CENA 12. ANTIGA CASA DE CARMÉ E BARTO. EXT. FACHADA. DIA.Úrsula corre em direção a um enorme fusca azul com um laço eo abraça. Sorrindo, ela diz a seu guarda-costas: ÚRSULA —— Mas que presente lindo! Tem remetente? SEGURANÇA —— Tem não,senhora. Um fusca “véio”desse! ÚRSULA —— Ah... será que é de mainha, lá na Paraíba? Vou ver. Vai que tem algumas coisas dentro!Ela abre o fusca com tudo. Quando vê por dentro tem um enormeurso de pelúcia. ÚRSULA —— Tem até um ursão!Ela pega o urso e tira-o de lá dentro. Chacoalha. É quandoescuta um “BIPE” várias vezes. Ela olha espantada pra seuguarda:
  12. 12. PERFEIÇÃO/ 070 - ÚLTIMO CAPÍTULO PÁG.: 012 ÚRSULA —— Ai meu São Cristóvão! Tem uma bomba aqui!Ela segura o urso. O bip acaba e... “POW”. Vê fogo eexplosão.CORTA PARA:CENA 13. FAZENDA DO CASAMENTO. GRAMADO. EXT. NOITE. ESTER —— (vingativa) Chega de chorumelas! Quem vai ser primeiro?! (aponta p/ Júlio) O pai... (p/ Leandro) ou o filho! LEANDRO —— Ester, abaixa essa arma. Você tá com uma criança no colo. Não é brincadeira! ESTER —— (ri) Cala a boca, Leandro! E começa a rezar pelos teus últimos dez segundos de vida! Babaca!Close. Ester engatilha a arma cuidadosamente e aponta praLeandro. Suspense. ROSANA —— (chorando) Ela vai atirar!Escuta-se dois tiros, um atrás do outro. Todos se olham,assustados, espantados. Quando de repente, vemos atrás deEster uma outra mão, com uma arma. Close. Ester ia caindo,com dois tiros no peito. Cândida corre e segura o bebê queEster estava nas mãos. Ester cai no chão, ainda de olhoaberto. Todos olham pra pessoa que atirou: RAQUEL. Ela seguraa arma : JÚLIO —— Raquel? RAQUEL —— (vingativa) Eu fiz o que queria fazer há muito tempo! Eu não podia deixar essa louca solta!Close em Ester. Escuta-se Lisa gritando e batendo na porta dobanheiro: LEANDRO —— (apressado) A Lisa!Leandro sai do altar e corre em direção ao banheiro. Júlio seaproxima de Raquel, que ainda segura a arma nas mãos: JÚLIO —— Nosso anjo salvador. RAQUEL —— Eu jamais seria um anjo, dr. Júlio. Eu errei muito nessa vida. Não é porque eu atirei na Ester que eu virei um anjo. Mas eu agora pretendo pagar pelos meus pecados longe de tudo que me fascina: o dinheiro. JÚLIO —— Do que você tá falando? RAQUEL —— Eu não quero mais essa vida pra mim.
  13. 13. PERFEIÇÃO/ 070 - ÚLTIMO CAPÍTULO PÁG.: 013 Eu lutei tanto pra ter uma coisa que não vai comigo quando a morte bater à minha porta: o dinheiro. Sonoplastia: Música triste. JÚLIO —— Que legal, você tá se redimindo. Está arrependida. RAQUEL —— Feliz natal, Júlio. Que você, a Rosana... o Leandro... a Lisa, e todos que vivem com vocês sejam muito felizes.Close em todos, surpresos e comovidos com a cena. Raquelvira-se e solta arma, que cai. Ela sai dali. Todos chocadosao mesmo tempo. O bebê nas mãos de Cândida chora. É nessahora que Leandro vem chegando com Lisa, que está assustada,segurando a cauda do vestido. Lisa se assusta: LISA —— Meu Deus! Mataram a Ester?! LEANDRO —— Não sei digo “Felizmente” ou “Infelizmente”. Mas quem matou tinha que matar, Lisa. A Raquel matou a Ester. LISA —— (chocada) O quê? Eu tô chocada! Não tem mais clima pra casar. LEANDRO —— Não vai haver mais casamento? A Ester não existe pra nós, meu amor. (sorridente) Ela é uma mosquinha perto do nosso amor.Lisa beija Leandro. Leninha se levanta. LENINHA —— Gente, escutem o que digo: vamo tocar esse casório! A Ester, que era minha amiga, morreu porque fez por merecer. É ou não é gente?!Todos confirmam. Leandro e Lisa sorriam. Escuta-se barulho deíndios cantando. JÚLIO —— O que é isso?Vê-se Simone chegando, em cima do seu “trono”, carregada pordois índios, cantando alegremente. Desirré ri, ao ver aamiga: SIMONE —— Fala aí, gente!Simone desce do seu trono e caminha até Desirré, junto deTupanakã: DESIRRÉ —— Que isso, Simone? SIMONE —— (rindo) Amiga, eu tive uma aventura selvagem, cê nem imagina!Ela vira-se e quando vê o corpo de Ester no chão tem um susto
  14. 14. PERFEIÇÃO/ 070 - ÚLTIMO CAPÍTULO PÁG.: 014enorme: SIMONE —— Uma defunta no casamento? É tradição? DESIRRÉ —— (abalada) Melhor não falarmos disso! SIMONE —— Eu e o “Panatukã” vamos assistir ao casamento. TUPANAKÃ —— Tupanakã gostar de festa.Corta. JÚLIO —— (p/ Leandro) Filho, nada vai impedira felicidade do casamento de vocês dois. Eu vou chamar umaambulãncia e vamos tocar o casamento. LEANDRO —— (sorrindo) Ótimo, pai!CORTA PARA:CENA 14. CHÁCARA DE JECA. EXT. GARAGEM. DIA.Jeca sai pra fora, encafifado com o sumiço de Raquel. JECA —— Aonde é que esse meteu essa garota?!Ele olha pro lado e não vê mais o carro amarelo. JECA —— Droga! Ela foi mesmo até o casamento do babaca do Leandro. (T) Eu voua trás dela, ela vai ver só!Ele corre até seu carro cinza. Suspense.Ele entra no carro. Não percebe nada de estranho. Fecha aporta e pisa no acelerador.CORTA PARA A SAÍDA DA FAZENDA.Há uma pista reta. O carro de Jeca sai em alta velocidade.Ele não percebe nada. Ele continua dirigindo tranquilo.Segundos depois, vem vindo outro carro a sua frente, devagar.Ele pisa no freio, só que percebe que não está dandoresultado: JECA —— (assustado) Ué! Vai! Droga!Ele se assusta. Continua a pisar e nada. O carro em altavelocidade se aproxima do outro. É quando ele grita ao verque seu carro se chocou contra o outro. Baque. O carro sedespedaça quando bate no outro da frente. CAM ÂNGULO DE CIMAvai afastando e mostra a gravidade do acidente.CORTA PARA:CENA 15. FAZENDA DO CASAMENTO. EXT. GRAMADO. DIA.Clima romântico. Todos os convidados de pé, batem palma praLisa, que entra linda, com o buquê na mão. O bebê nas mãos deCândida sorri pra Lisa. Leandro sorri no altar.CORTANDO: Lisa chega ao altar e pega nas mãos de Leandro,
  15. 15. PERFEIÇÃO/ 070 - ÚLTIMO CAPÍTULO PÁG.: 015ambos ficam de frente pro padre: PADRE —— Irmãos... estamos aqui hoje, reunidos para celebrar a cerimônia de casamento de Leandro Almeida Júnior e Lisa Aparecida. Um casal de jovens, que sob testemunhas de todos e de Deus sofreu e atravessou barreiras para estar aqui hoje, casando. E selando o amor. É com a minha honra, a minha sabedoria que hoje, com muito orgulho, eu pergunto a você, Leandro Almeida Júnior... você aceita Lisa Aparecida como sua legítima esposa? Para amá-la e respeitá-la, na saúde ou na doença, riqueza ou pobreza.. até que a morte os separe?Leandro sorri e diz: LEANDRO —— Sim! PADRE —— Lisa Aparecida, você aceita como seu legítimo esposo Leandro Almeida Júnior? Para amá-lo, respeitá-lo, na saúde ou na doença, na riqueza ou na pobreza... até que a morte os separe? LISA —— (emocionada) Mil vezes “sim”! PADRE —— (sorrindo) Então... eu os declaro marido e mulher! Podem ser felizes... e se Deus permitir PARA SEMPRE!Leandro vira-se pra Lisa. Os dois apaixonados se aproximamrosto a rosto e se beijam. Todos ali aplaudem.CAM mostra em detalhes os dois se beijando.CORTA PARA:CENA 16. FAZENDA DO CASAMENTO. EXT. OUTRO CANTO. DIA.Geovane caminha com Lenon, pelo gramado, felizes, de mãosdadas. Pra surpresa deles, vem chegando Leninha, triste. LENINHA —— Geovane. GEOVANE —— (vira-se) Leninha? LENINHA —— (se aproxima) Geovane, eu... queria te pedr desculpas. Pelo vexame na igreja. Pela falsa gravidez. GEOVANE —— É, você errou muito. LENINHA —— Mas você me ajudou muito. Mesmo não casando, você me fez aproximar da minha mãe. Perdoar ela. Hoje eu considero “pacas” a dona Desirré. E entendi que
  16. 16. PERFEIÇÃO/ 070 - ÚLTIMO CAPÍTULO PÁG.: 016 tudo que ela fez foi pro meu bem. GEOVANE —— (sorrindo) Fico feliz por você. LENINHA —— (p/ Lenon) E Lenon... esse seu nome, né? Menino, ai de você se não cuidar do meu Gê! Eu vou lá pros cafundós te pegar! LENON —— (ri) É, vamos pro Rio! LENINHA —— (p/ Geovane) Gê... eu sempre vou lembrar de você, nunca vou te esquecer. GEOVANE —— (ri) É, espero que bem! LENINHA —— Claro que bem! Mas como... (envergonhada) Como agora eu tô de olho no garçom aqui da festa, vou lembrar de você como um irmão!Geovane ri surpreso: GEOVANE —— (ri) Você tá de olho no garçom? LENINHA —— Tô! GEOVANE —— Poxa, que legal. E qual o nome dele? LENINHA —— Um nome que eu adoro: GEOVANNI, estrangeiro, baby!Todos riem: GEOVANE —— É meu xará!Leninha vira-se pro seu lado direito e vê Giovanni empilhandouns pratos na mesa. Ambos se olham e piscam, sorrindo.CORTA PARA:CENA 17. CLIPE. SÃO PAULO. EXT. PLANOS GERAIS. DIAS DEPOIS.Com música animada e imagens de SP no natal, Dias depois...CORTA PARA: SEQUÊNCIA DE CENAS.CENA 18. IGREJA DE SÃO PAULO. INT. DIA. Sonoplastia: Música Agitada.O padre dá os últimos dizeres e os noivos se beijam. O noivoque digo são CONSTANTINO e JUREMA. Ela toda linda de branco,beija com intensidade. Maria se levanta da cadeira pra baterpalma: MARIA —— (animada) Isso aí, Jurema! Sejafeliz, minha amiga!Close em Constantino e Jurema.CORTA PARA:CENA 19. IGREJA DE SÃO PAULO. EXT. FACHADA. DIA.
  17. 17. PERFEIÇÃO/ 070 - ÚLTIMO CAPÍTULO PÁG.: 017Várias mulheres reunidas na fachada. Jurema de costas, prontapra jogar o buquê: JUREMA —— O eu vou jogar, hein! Vou jogar! CONSTANTINO —— Joga logo, Jurema!Jurema joga o buquê. Pra surpresa, Maria é quem pega. Elafica surpresa. É quando vê Juan, ao lado sorrindo. Ele seaproxima: JUAN —— Quem sabe não é a oportunidade que tínhamos pra voltar a ser um casal? MARIA —— Será?Juan enche Maria de beijos.CORTA PARA:CENA 20. FÓRUM JUDICIÁRIO DE SP. INT. SALA ESPERA. DIA.Marizete aos nervos, ao lado de Castanha. MARIZETE —— Ai, doutor Castanha... não tenho chances de ganhar. Ninguém me apoiou. ADV. CASTANHA —— Isso é verdade, Marizete. A guarda do menino Bruno não poderá ser sua. MARIZETE —— (aflita) Infelizmente.Escuta-se em off: CLÁUDIO —— Quem disse que a Marizete vai perder a guarda! MARIA —— Não vai, não. Emoção.Surpresa, Marizete se vira e dá de cara com Cláudio e Mariasorrindo pra ela. MARIZETE —— (emocionada) Maria? Cláudio? CLÁUDIO —— (se aproxima) Eu tô aqui com você. E o Bruno, nosso filho, vai ir embora com a gente, se Deus quiser! MARIA —— (se aproxima, emocionada) Eu torço. E mãe... a gente tem nossas diferenças, quem não tem...? Mas eu acho que nósduas temos que prometer ao menos tentar, ser como mãe efilha! MARIZETE —— (chorando) Meu Deus! Filha...! Quanto eu espero por esse abraço!Emoção. Marizete corre e dá um apertado e longo abraço emmaria. Cláudio se junta e os três ficam abraçados. Castanhapuxa o enorme lenço no bolso e enxuga suas lágrimas.CORTA PARA:CENA 21. VIADUTO DE SÃO PAULO. EXT. DIA. Sonoplastia: Cômica.
  18. 18. PERFEIÇÃO/ 070 - ÚLTIMO CAPÍTULO PÁG.: 018Ermelita toda suja e enrolada a um cobertor segura umacartola, com algumas moedinhas. ERMELITA —— Oh pai... tô cansada de viver de moedas! Me ajuda... eu vou terminar a novela assim? Suja, fedida...? ao menos um homem podia aparecer, não acha?Ela balança a cartola querendo dinheiro. Uma moto vemestacionando ali. Um motoqueiro gordo, de óculos, roqueiro seaproxima: MOTOQUEIRO —— Aê, gorducha! ERMELITA —— Eu? MOTOQUEIRO —— Tem outra gorducha aqui? Cê sabe onde é a “casa dos motoqueiros”? ERMELITA —— (assanhadinha) Ui! Gostei! Sei não senhor, mas se quiser procuramos juntos! MOTOQUEIRO —— Eita! A gorda tá se achando! “Amonta” aí que eu vou lascar o “heavy- metal” pra nós ouvir! ERMELITA —— Ui! Amo metal!Ermelita joga a cartola pra cima e aos sorrisos monta namoto. Ela dá um sorriso pra CAM e animada diz: ERMELITA —— AO menos terminei com um homem! (sorrindo) MOTOQUEIRO —— Se segura, gorducha!O homem pisa no acelerador e eles somem em segundos. Ela seassusta:CORTA PARA:CENA 22. CURITIBA, PARANÁ. CEMITÉRIO. EXT. DIA.Em meio a tantos túmulos, vemos Mirela entrar toda de preto.Com um guarda-chuva, ela caminha. Depois de muito andar, achao túmulo com o seguinte dizer “PAULO MENDES – nascido em 1991– sepultado em 2012 / Mirela, que carregava consigo umramalhete de rosas vermelhas: MIRELA —— Eu nem pude me despedir de você, meu amor.Ela coloca o ramalhete por cima do túmulo (EFEITO CAM LENTA).Mirela derrama lágrimas sobre a rosa. MIRELA —— (emocionada) Eu queria que você estivesse aqui comigo. Mas é melhor que você descanse. Em paz. (T) Eu nunca vou te esquecer, Paulo. Nunca! O nosso amor vai ser eterno! Eu vou me lembrar de você todos os dias da minha vida...
  19. 19. PERFEIÇÃO/ 070 - ÚLTIMO CAPÍTULO PÁG.: 019Ela não consegue terminar de falar, apenas chora. CAM afastae congela.CORTA PARA:CENA 23. MANSÃO DE JÚLIO. EXT.FACHADA. DIA.Rosana põe várias malas no carro que está estacionado nafachada. Enquanto Júlio conversa com Lisa e Leandro. LEANDRO —— Pai, eu espero que o senhor não esqueça da gente, hein! E que volte logo! JÚLIO —— É, eu volto, sim. O mais breve possível. Mas eu vou ficar um bom tempo lá. Tirar as férias que eu tava precisando, sabe? LEANDRO —— (ri) Boas férias, pai! LISA —— (sorrindo) E bom namoro, né! Convide-nos pro casamento! JÚLIO —— (ri) Podem deixar. Assim que a Rosana disser “sim”, mando um e-mail daqueles bem exagerados e melosos pra vocês dois!Todos riem. Leandro abraça Júlio bem apertado, ambosemocionados: ROSANA —— (se aproxima) Lisa... querida, adorei te conhecer! LISA —— Eu também, Rosana. Me dá um abraço.Rosana abraça Lisa. CAM se afasta e mostra o clima deconfraternização e despedida.CORTA PARA:CENA 24. AERO PORTO DE SÃO PAULO. INT. DIA. Sonoplastia: Música Agitada.Raquel está de costas pra câmera. Ela arruma uma mala e estána fila para fazer o check-in. RAQUEL —— Rumo a Petrópolis, Raquelzinha querida!Ela pega o carrinho com as malas e caminha até o corredor. Équando esbarra em outro carrinho. A surpresa vem quando elavê a pessoa que estava empurrando o carrinho. RAQUEL —— (sorrindo surpresa) Franco?Franco se surpreende: FRANCO —— Raquel? RAQUEL —— Que surpresa boa te encontrar aqui! FRANCO —— Eu que digo. RAQUEL —— (p/ si) Aquela história de ser
  20. 20. PERFEIÇÃO/ 070 - ÚLTIMO CAPÍTULO PÁG.: 020 livre... vamos esquecer, né, Raquel... (sorrindo) E sua namorada? FRANCO —— Morreu! (ri) Brincadeira. Ela se separou de mim. Fugiu com um homem mais rico. RAQUEL —— (ri) O dinheiro estraga vidas! É bom te ver aqui! FRANCO —— Pra onde você tá indo? RAQUEL —— (sorri) Depende... pra onde você tá indo?Clima de paixão. Ambos se olham, sorrindo. Raquel não escondesua paixão.CORTA LENTAMENTE PARA:CENA 25. MANSÃO DE JÚLIO. INT. SALA. NOITE.A casa está enfeitada com o revéillon. Várias pessoas: Simonee o índio Tupanakã, Desirré, leninha, Giovanni (o garçom),Cândida e Astolfo caminham pela casa, tomando champanhe.Simone desfila com o seu índio, que sorri. Desirré morre derir. CÂNDIDA —— (p/ Astolfo) Um índio dentro da casa, gente! ASTOLFO —— (rindo) Taí uma prova de que amor não escolhe raça nem origem, meu amor.A contagem regressiva para 2013 começa, e Simone se dirige aocentro: SIMONE —— Aê gente! Em 10 segundos vamos entrar em 2013!Todos se preparam: TODOS —— 10... 09... 08...Leandro e Lisa, bem arrumados, elegantes. Ela finíssima, vemchegando ao centro. Eles ficam frente a frente, se olhandoapaixonadamente: LEANDRO —— Feliz ano novo, meu amor! LISA —— Feliz ano novo! E que venha 2013... mais um ano de luta, de dificuldade... DE VITÓRIAS! LEANDRO —— (sorrindo) E um ano de muito, mas muito amor. LISA —— Muito amor por você!Rosto a rosto se aproxima, enquanto a contagem para o novoamo está acabando. Eles beijam apaixonadamente. Os fogoscomeçam e alegram a chegada do novo, o ano de 2013... F I M

×