AUTOMAÇÃO DE PONTES
ROLANTES POR RÁDIO
FREQUÊNCIA
IFSP – INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO
...
Introdução
As Pontes Rolantes são utilizadas para transportar cargas e percorrer uma determinada distância no
interior de ...
Controle a Cabo
Geralmente estas pontes possuem um controle de comandos a cabo, que fica na mão do operador. Este cabo
de ...
Automação por RADIOFREQUÊNCIA
Atualmente existe um grande número de máquinas e equipamentos nas indústrias que estão
sendo...
Metodologia
O transmissor do sistema faz com que ao ser pressionada uma
tecla, um sinal seja emitido em direção ao recepto...
Metodologia
O segundo bloco do diagrama mostra o receptor que transfere os
sinais do controlador e inverte os sinais de fr...
Controle Remoto sem fio
Transmissor Portátil, foi desenvolvido para o projeto, porém pode ser utilizado outros tipos
de ma...
Controle Remoto Sem Fio
Os controles remotos são conhecidos por sua performance em matéria
de alcance e qualidade de trans...
Controle Remoto Sem Fio
Ao todo são 7 acionamento diferentes que serão enviados ao
receptor podendo apenas, pressionar um ...
Características Técnicas Principais
• Resistente a choques (quedas) e a temperatura elevada.
• Sistema automático de geren...
Velocidades de Operação
Utilizando-se de parâmetros padrão para operações de ponte rolante as funções serão executadas nas...
RECEPTOR
Programado para executar as funções descritas no organograma fluxograma, responsável
por receber os comandos de c...
RECEPTOR
No circuito foi utilizado um codificador de sinais (CI
74147), que possui 9 entradas e saída binária de 4
dígitos...
Objetivos
O projeto tem como objetivo, passar
mais segurança ao operador, evitando
acidentes, que causam mortes e perdas
m...
Resultados
 Foram gastos para o desenvolvimento do projeto o valor de R$ 240,00 com materiais e
equipamento para a confec...
Vantagens
▪ Segurança para o operador, podendo ficar mais distante
da carga elevada.
▪ Maior agilidade e redução de tempo ...
Conclusão
Conclui-se a importância de usufruirmos da tecnologia e
utilizar a automação a nosso favor colocando sempre a
se...
Referências
Bibliográficas
- DEMAGCRANES & Components, Disponível em:
http:// www.demagcranes.com.br/empresa.htm.
Acesso e...
Luis Varoli 1311255
Silas Freire 1311131
Yuri Alexander 131411X
IFSP – INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Automação de pontes rolantes por rádio freqüência

657 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
657
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
47
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Automação de pontes rolantes por rádio freqüência

  1. 1. AUTOMAÇÃO DE PONTES ROLANTES POR RÁDIO FREQUÊNCIA IFSP – INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL DISCIPLINA: HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO PROFESSOR: ALEXANDRE SAI171
  2. 2. Introdução As Pontes Rolantes são utilizadas para transportar cargas e percorrer uma determinada distância no interior de grandes pavilhões ou hangares.
  3. 3. Controle a Cabo Geralmente estas pontes possuem um controle de comandos a cabo, que fica na mão do operador. Este cabo de comando pode vir a se enroscar durante o seu trajeto ocasionando falhas devido a ruptura de um ou mais de seus fios, resultando num tempo de manutenção alto. Além disso, a existência do cabo de comando pode também representar um risco à segurança do operador, uma vez que este tem que caminhar junto da ponte rolante com a peça suspensa. Se um cabo de sustentação partir ou a peça simplesmente escapar, pode atingir o operador.
  4. 4. Automação por RADIOFREQUÊNCIA Atualmente existe um grande número de máquinas e equipamentos nas indústrias que estão sendo automatizados e o objetivo da proposta é de apresentar a melhoria que a automação traz com a utilização da rádio frequência no controle de pontes rolantes para ser adaptado em equipamentos com o controle a cabo, formados por um conjunto de vários fios chamados de “vias de controle”. Quando a ponte rolante passa a operar com controle remoto sem fio por radiofrequência, usando um receptor e um emissor de sinal para realizar as funções de operação, o tempo de manutenção diminui, e a segurança do operador aumenta, podendo ficar distante do equipamento em movimento.
  5. 5. Metodologia O transmissor do sistema faz com que ao ser pressionada uma tecla, um sinal seja emitido em direção ao receptor acoplado à ponte rolante que ativa um relé (interruptor eletromecânico) ligado ao comutador dos motores que se deseja operar. O primeiro bloco apresenta o controle manual, que possui controle de funções e acionamento de emergência. Sendo que através dele é realizada a emissão de sinais. Os botões podem ser acionados com um simples toque para ajustes de posicionamento e pressionamento contínuo para deslocamentos maiores. Já o botão de emergência, com um simples toque, bloqueia todas as demais funções. • fluxograma do projeto de uma ponte rolante operada por controle em radiofrequência.
  6. 6. Metodologia O segundo bloco do diagrama mostra o receptor que transfere os sinais do controlador e inverte os sinais de frequência em funções e as envia para os atuadores. Caso haja uma perda de sinal, emite-se um comando imediato do bloqueio das funções, semelhante ao obtido através do acionamento do botão de emergência. A função do multiplicador está relacionada ao movimento contínuo dos atuadores, ou função de repetição, utilizada para o deslocamento da ponte em distâncias maiores. O terceiro bloco refere-se aos atuadores que executam os comandos do controlador diretamente sobre os comutadores da ponte. • fluxograma do projeto de uma ponte rolante operada por controle em radiofrequência.
  7. 7. Controle Remoto sem fio Transmissor Portátil, foi desenvolvido para o projeto, porém pode ser utilizado outros tipos de materiais com formato ergonômico ( ideal, dentro dos padrões do sistema)
  8. 8. Controle Remoto Sem Fio Os controles remotos são conhecidos por sua performance em matéria de alcance e qualidade de transmissão, por não deixar a interferência de outra freqüência atuar na sua faixa de uso. A freqüência de operação do projeto será de 49 MHZ. É o transmissor do sistema, possui um teclado munido de seis botões de movimento mais o botão de emergência.
  9. 9. Controle Remoto Sem Fio Ao todo são 7 acionamento diferentes que serão enviados ao receptor podendo apenas, pressionar um botão por vez. A ponte não executará nenhum movimento, caso seja pressionado mais de um botão. Para que seja possível enviar a informação que o botão foi pressionado foi utilizado um codificador de sinal em um número binário e associá-lo para cada movimento. Ex.: Descer talha é enviado um sinal 001 para o próximo estágio que é a conversão paralela/serial (CI MC 145026), onde cada botão possui seu código de entrada, um equivalente decimal e o equivalente binário.
  10. 10. Características Técnicas Principais • Resistente a choques (quedas) e a temperatura elevada. • Sistema automático de gerenciamento das frequências. • Potência de saída: 10 mW. • Transmissão bidirecional. • Display com indicação gráfica da carga da bateria, status do equipamento e sinais de alerta. • Botão de emergência para parar o equipamento conforme norma EN 934. • Alcance aproximado do enlace é de 100 m. • Alta disponibilidade para o programa de manutenções. • Baterias podem ser recarregáveis de NiMH, totalmente livre de cádmio e mercúrio. • Utiliza-se uma frequência de operação de 433,1 - 434,75 MHz. • Possui o botão de comando com variação continua sem escalonamento e uma chave eletrônica como proteção contra uso indevido. (proteção IP 65) •Duas versões de transmissor de fácil manuseio para um comando preciso. •A carcaça é feita em material sintético, com proteção IP 65 e tem a antena integrada a esta. •A escolha da frequência é automática e a saída via relês.
  11. 11. Velocidades de Operação Utilizando-se de parâmetros padrão para operações de ponte rolante as funções serão executadas nas seguintes velocidades: Para elevação e descida: ▪ 0,4 metros por minuto ▪ 0,6 metros por minuto Para movimento transversal: ▪ 1,5 metros por minuto ▪ 6,0 metros por minuto Para movimento longitudinal: ▪ 10 metros por minuto ▪ 40 metros por minuto
  12. 12. RECEPTOR Programado para executar as funções descritas no organograma fluxograma, responsável por receber os comandos de controle remoto, decodificá-los e distribuir todos os sinais para o painel elétrico da ponte rolante. Permite controlar de 1 a 8 relés. Receptor de Sinal projetado para o comando dos relés.
  13. 13. RECEPTOR No circuito foi utilizado um codificador de sinais (CI 74147), que possui 9 entradas e saída binária de 4 dígitos. Sendo utilizada somente 7 entradas. As entradas são ativadas em nível baixo ou seja, quando o botão é pressionado deve enviar um sinal de nível 0 para a entrada do CI, e quando não estiver pressionado envia o sinal nível 1. (lógica inversa). Após ser convertido o sinal paralelo ao serial é enviado um comando para a atuação dos motores de movimentação da ponte. Diagrama do Receptor de Sinal Diagrama de Comando dos Motores
  14. 14. Objetivos O projeto tem como objetivo, passar mais segurança ao operador, evitando acidentes, que causam mortes e perdas materiais. eliminando a movimentação dos cabos e tendo uma visualização de toda a área de trabalho.
  15. 15. Resultados  Foram gastos para o desenvolvimento do projeto o valor de R$ 240,00 com materiais e equipamento para a confecção do mesmo. Onde foi suficiente para obter o resultado desejado de funcionamento do projeto.  Para a implantação de um sistema por radiofrequência em uma empresa estima-se um gasto de até R$8.000, incluindo a mão de obra para adaptação do sistema nas empresas que utilizam controle por cabo.  Apresenta um pequeno prazo de instalação, com eficiência, confiabilidade e segurança de operação.  Redução significativa no número de falhas durante a operação.
  16. 16. Vantagens ▪ Segurança para o operador, podendo ficar mais distante da carga elevada. ▪ Maior agilidade e redução de tempo na movimentação de cargas. ▪ Facilidades de manutenção preditiva, corretiva e preventiva. Desvantagem • Custo elevado em um primeiro momento, mas posterior ganho relacionado a segurança.
  17. 17. Conclusão Conclui-se a importância de usufruirmos da tecnologia e utilizar a automação a nosso favor colocando sempre a segurança em primeiro lugar, conseqüentemente trazendo maior economia e eficiência na industria.
  18. 18. Referências Bibliográficas - DEMAGCRANES & Components, Disponível em: http:// www.demagcranes.com.br/empresa.htm. Acesso em 26 março de 2008. - EVL Rádio Controles, Disponível em: http:// www.evlradiocontroles.com.br. Acesso em 26 abril de 2008. - IDOETA, Ivan Valeije. Elementos de Eletrônica Digital. 36. ed. São Paulo: Editora Érica, 1998. - MALVINO, Albert Paul, Eletrônica Vols 1 e 2, 4.ed. São Paulo: Editora Makron Books, 1997. - REIS, M. C. Instrumentos para Oficina Eletrônica. 7. ed. Caraguatatuba: Editora Letron, 2002.
  19. 19. Luis Varoli 1311255 Silas Freire 1311131 Yuri Alexander 131411X IFSP – INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL DISCIPLINA: HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO PROFESSOR: ALEXANDRE

×