Dados Pessoais

11.708 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.708
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
50
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dados Pessoais

  1. 1. Os meus dados são pessoais
  2. 2. <ul><li>Já deves ter reparado que andam sempre a pedir-te dados pessoais. E, se calhar vais dando, sem grande preocupação. Deves sempre perguntar: “ Quer saber o meu nº de telefone. OK. Para quê? </li></ul>
  3. 3. Ou achas que é só o nome e a morada? E sabes o que são os dados pessoais?
  4. 4. <ul><li>Dados pessoais são todas as informações que possam estar relacionadas contigo. </li></ul><ul><li>O teu e-mail é um dado pessoal, claro, mais ainda a respectiva password. Mas há muitos outros, desde do nome da tua banda favorita até á fotografia que pões no Hi5. É um dado pessoal o teu prato favorito ou quantas televisões tens em casa. </li></ul>
  5. 5. Noção de dados pessoais <ul><li>Desde que um nome esteja associado a qualquer tipo de informação (telefone, morada, gostos pessoais, estado de saúde, património financeiro, gravação de voz, fotografia, etc.) estamos perante dados pessoais. </li></ul><ul><li>Mesmo quando a informação não esteja visivelmente associada ao nome de uma pessoa, se for possível chegar à identificação dessa pessoa de forma indirecta, continuamos perante dados pessoais (matricula do carro, nº do aluno, nº do BI, endereço de e-mail). </li></ul>
  6. 6. Protecção de Dados Pessoais – um direito fundamental <ul><li>A protecção de dados pessoais é um direito fundamental, consagrada na constituição desde 1976. Portugal foi, aliás, o primeiro país europeu a inscrever na sua Lei Fundamental a protecção de dados pessoais. </li></ul>
  7. 7. A recolha de dados pessoais por parte de várias entidades <ul><li>Várias entidades publicas e privadas recolhem constantemente dados pessoais, seja de forma directa, junto da pessoa em causa, que fornece os seus dados pessoais (através do preenchimento de impressos, pelo telefone, pela Internet), seja de forma indirecta, indo buscar os dados a fontes de acesso público ou a bases de dados autorizadas. </li></ul>
  8. 8. A finalidade da recolha <ul><li>Os fins para que são recolhidos os dados pessoais devem ser legítimos, explícitos e determinados, não podendo os dados obtidos ser tratados posteriormente de forma incompatível com essas finalidades. </li></ul>
  9. 9. O Direito a ser informado <ul><li>Quando é solicitado alguém que se de os seus dados pessoais, a pessoa tem o direito de ser informada, de forma clara e transparente, da identificação da entidade que vai tratar os seus dados, da finalidade a que se destinam os dados, a que terceiros podem os seus dados ser eventualmente comunicados, quais os dados que devem obrigatoriamente ser fornecidos quais os facultativos, e de que forma poderá no futuro a pessoa exercer os direitos de acesso e rectificação relativamente aos seus dados pessoais. </li></ul>
  10. 10. A decisão de fornecer ou não os dados pessoais <ul><li>Excepto quando é imposto legalmente, compete a cada pessoa decidir se quer ou não fornecer os seus dados pessoais. Para estar devidamente habilitada a tomar uma decisão, a pessoa deverá ser informada sobre os propósitos do tratamento de dados e, em virtude disso, avaliar se os dados que lhe são pedidos são ou não pertinentes para os fins a que se destinam. Deste modo, ao fornecer os seus dados pessoais para serem processados, o titular dos dados consente no seu tratamento dentro das condições fixadas. </li></ul>
  11. 11. Elaborado por: <ul><li>Cláudia Silva, nº8, 9ºC </li></ul><ul><li>Miguel Henriques, nº20, 9ºC </li></ul>

×