Ciências naturais i

1.055 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.055
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
757
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ciências naturais i

  1. 1. ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO DIVISÃO DE LICENCIATURAS PLENAS PARCELADAS CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MÉDIO ARAGUAIA NÚCLEO PEDAGÓGICO DE VILA RICA-MTCURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: Ciência Naturas l DOCENTE: Dr. Pedro Martins Sousa ACADÊMICO: Jonaldo Vieira Nunes Jandir Luiz Cagliari Rosane da Rosa Geleski Wigna Silva de Melo Sousa Sileide Machado Lucio
  2. 2. O PROCESSO DE ABATE DE BOVINOS O Brasil detém o segundo maior rebanho debovinos do mundo, ficando atrás apenas da Isabel Cristina Lopes Dias Antonio Carlosíndia, muito embora esse país não utilize a pecuária Leal de Castrobovina com fins comerciais. Com o maior rebanhobovino comercial do mundo, o Brasil possui um efetivode animais de 200 milhões"SEGUNDO O INSTITUTOBRASILEIRO DE GEOGRAFI EESTATISTICA, 2010", superando, neste quesito, osrebanhos chinês e indiano, sendo também o maiorexportador de carne bovina. Cad. Pesq., São Luis, v. 18, n. especial, dez. 2011
  3. 3. Esse crescimento da produção animal para corte nopais se traduz no surgimento de um números crescente deabatedouros, seja de bovinos, suínos ou de aves. Aindustria de abate e processamento de carnes participa deforma relevante na atividade econômica brasileira, notocante ao volume de produção de exportação ecapacidade de geração de empregos.
  4. 4. Associado a isso, as indústria de alimentos eas agroindústrias geralmente produzem grandesquantidades de resíduos, não estando disponíveissistemas adequados de disposição, criandoproblemas ambientais. Nas indústrias de carne, osprocessos de abate são os principais contribuintespara os resíduos líquidos (NIETO, 2000).
  5. 5. A maioria dos estabelecimentos lança suas águasresiduárias diretamente em cursos d água que, se foremvolumosos e perenes, são capaz de autodepurar a cargarecebida sem maiores prejuízos. Porém, o quefreqüentemente acontece é que os rios são de pequenoporte, e como os efluentes possuem alta concentração dematérias orgânica, isto torna as águas receptorasimpróprias á vida aquática e aos vários usos de naturezaagrícola, comercial, ou recreativo ( RIBEIRO, 2010).
  6. 6. Em abatedouros, assim como em vários tipos deindústrias, o alto consumo de água acarreta grandes volumes deefluentes, considerando que 80 a 90% da água consumida sãodescarregadas como efluente líquido. Estes efluentescaracterizam-se principalmente por: alta carga orgânica, devidoá presença de sangue, gorduras, esterco, conteúdo estomacalnão-digeridos e conteúdo intestinal; flutuações de ph em funçãodo uso de agentes de limpeza ácidos e básicos; altos conteúdosde nitrogênios, fósforo, sal, e flutuações de temperaturas- uso daágua quente e fria (COMPANHIA DE TECNOLOGIA DESANEAMENTO AMBIENTAL, 2008).
  7. 7. O trabalho com produtos perecíveis faz com que os trabalhadorestenham de trabalhar muito rapidamente, sendo esta uma dascaracterísticas das condições de trabalho nas unidades frigoríficas enão permitindo que o trabalhador tenha controle sobre seu modotrabalhar. Nesses estabelecimentos, o trabalho é muito especializado equase todas as tarefas se realizam ao longo de linhas de produção nasquais a matéria- prima se desloca em trilhos ou transportadores aéreose cada trabalhador realiza apenas uma operação. Objetos cortante sãomanipulados em movimentos firmes e vigorosos que podem causarlesões do sistemas músculo-esquelético, principalmente pelapossibilidade dos animais reagirem de forma violentas inesperada(TAVOLARO et al., 2007).
  8. 8. Diante do presente trabalho destaca os principais problemasrelacionados ás condições de saúde ocupacional e ambientaldurante o processo de trabalho em abatedouros. Os primeirosrelatos de doenças ocupacionais em abatedouro e frigoríficosdatam de 1906. Desde esta época, a forma de organização daprodução neste setor evoluiu muito pouco. Depois darecessão que afetou a indústria da carne nos anos 70, osabatedouros se tornaram mais mecanizados e automatizados.A produção em massa foi implementada, com especializaçãodo maquinário, extensa divisão de tarefas, trabalho semi-qualificado e produção relativamente homogênea para oconsumo em grande escala. O número de acidentesocupacionais nos abatedouros, cuja média sempre foi maiordo que em outras indústria, aumentou em função datransformação e organização, processo e relações de trabalho(NOVEK, YASSI1990 E SPIEGEL).
  9. 9. Os abatedouros são locais úmidos, barulhento, comalta e baixa temperaturas se alternando dentro da mesmainstalação. As operações de abate e obtenção de carnesocorrem de forma seqüencial, como numa linha demontagem, na qual a velocidade de trabalho não édeterminada pelo individuo, mas pelo número de animaisque devem ser abatidos por intervalo de tempo (PARDI etal., 1993).
  10. 10. Além disso, O Brasil elenca alguns dos principaisfatores de risco á saúde dos trabalhadores nas atividades deprocessamento de carnes, como: realização de atividadefragmentadas, sujeitas á cadência imposta pelas máquinas epela organização da produção, com pressões de tempos;atividades, em sua maioria fixa e pouco variáveis, com ciclos detrabalho muito curtos, ocasionado alta repetitividade; posturasinadequada dos membros superiores, do tronco e da cabeça.Um grande número de tarefa nos frigoríficos exige atençãovisual de forma permanente; trabalho permanente em ambientefrio; exposição continua a níveis de ruído acima de 80 decibéis;condições insalubres como exposição á umidade e a agentesbiológicos.
  11. 11. Os critérios estabelecidos pelas Diretrizes para Programas degerenciamento Ergonômico para Empresas de abate e Processamentode Carnes recomendam a adoção das seguintes medidas hábeis áredução de doenças ocupacionais neste setor econômico: alteração navelocidade do processo produtivo; redução do número total de repetiçõespor trabalhador, por meio da redução dos níveis da produção, assimcomo a limitação de horas extras; pausas de recuperação de fadiga;aumento do número de empregados designados para realizar as tarefasmais criticas, especialmente em relação levantamento de objetospesados; rodízio de tarefas; número suficiente de empregados paraprodução e cobrir absenteísmo (OCCUPATIONAL SAFETY ANDHEALTH ADMINISTRATION, 2010).

×