RELATO DE EXPERIÊNCIA: FORMAÇÃOE ATUAÇÃO DO GRUPO DE PESQUISA: MORTE, TERMINALIDADE DA VIDA E DESENVOLVIMENTO HUMANO- UFJF...
INTRODUÇÃO   Devido a existência de uma distância entre o    profissional de saúde e a assistência    adequada diante da ...
OBJETIVO   Compreender os processos de morte e    morrer, conhecer as necessidades de    pacientes terminais e suas famíl...
DISCUSSÃO   Através de encontros semanais entre profissionais    da saúde, acadêmicos e docentes, o grupo debate    o pro...
CONSIDERAÇÕES FINAIS   A busca pela humanização do cuidado    percorre o caminho do conhecimento. Este    propicia aos pr...
   “As pessoas são como vitrais coloridos:    cintilam e brilham quando o sol está do lado    de fora, mas quando a escur...
REFERÊNCIAS   ANGERAMI-CAMON, V. A. (2002). Pacientes Terminais: Um    breve Esboço. In V. A. Angerami-Camon (Org.). Psic...
OBRIGADA!E-mail: laryssasampaio@yahoo.com.br
Apresentação sensai
Apresentação sensai
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação sensai

790 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
790
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
379
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação sensai

  1. 1. RELATO DE EXPERIÊNCIA: FORMAÇÃOE ATUAÇÃO DO GRUPO DE PESQUISA: MORTE, TERMINALIDADE DA VIDA E DESENVOLVIMENTO HUMANO- UFJF Cláudio Vitorino Pereira Laryssa Sampaio Silva Lívia Maria Lopes Ferreira Dr. Teresa Cristina Soares
  2. 2. INTRODUÇÃO Devido a existência de uma distância entre o profissional de saúde e a assistência adequada diante da finitude humana, foi criado um grupo de estudos a partir de inquietações a respeito do tema, composto por graduandos em enfermagem e profissionais da área de saúde.
  3. 3. OBJETIVO Compreender os processos de morte e morrer, conhecer as necessidades de pacientes terminais e suas famílias, ampliar o debate a respeito do processo de finitude entre os profissionais de saúde, além de estimular a individualização do plano de cuidados para amenizar o sofrimento de pessoas em estágio terminal e fornecer o alento psicológico aos familiares.
  4. 4. DISCUSSÃO Através de encontros semanais entre profissionais da saúde, acadêmicos e docentes, o grupo debate o processo da própria finitude a partir de experiências vivenciadas. Utiliza o embasamento teórico para sustentar discussões sobre o tema. Desenvolve pesquisas acadêmicas com intuito de contribuir positivamente para nossa formação profissional, para melhorar a qualidade do atendimento ao paciente terminal e seus familiares e acrescentar ao conhecimento científico.
  5. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS A busca pela humanização do cuidado percorre o caminho do conhecimento. Este propicia aos profissionais a capacidade de aceitar a morte de uma forma mais natural, para um cuidado integral e humanizado do paciente terminal e de seus familiares.
  6. 6.  “As pessoas são como vitrais coloridos: cintilam e brilham quando o sol está do lado de fora, mas quando a escuridão chega, sua verdadeira beleza é revelada apenas se existir luz no interior”.  Elisabeth Kübler – Ross
  7. 7. REFERÊNCIAS ANGERAMI-CAMON, V. A. (2002). Pacientes Terminais: Um breve Esboço. In V. A. Angerami-Camon (Org.). Psicologia Hospitalar: teoria e prática . São Paulo: Thomson. dying. New York: Touchstone, 1997]. KÜBLER-ROSS, Elisabeth (1969). On death and dying [ed. ut.: On death and KÜBLER-ROSS, Elisabeth. Roda da vida. Rio de Janeiro: Sextante,1998. PIETRUKOWICZ, Márcia Cristina Leal Cypriano. Apoio social e religião: uma forma de enfrentamento dos problemas de saúde. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) – Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2001.
  8. 8. OBRIGADA!E-mail: laryssasampaio@yahoo.com.br

×