SlideShare uma empresa Scribd logo

Psicologia e morte

A morte é um mistério que intriga o ser humano desde os primórdios. Ao longo do desenvolvimento, as formas de entendimento deste fato mudam, mas ainda há muito temor, A psicologia pode colaborar para a compreensão e a forma de lidar com a morte. Esta apresentação destina-se a profissionais da saúde que lidam com a morte em seu cotidiano.

1 de 15
Baixar para ler offline
Ana Patrícia Vargas Borges
Psicóloga
Mestre em Psicologia – UFBa.
Psicologia e
morte
O leito de morte de Filipe de Commines (detalhe). Manuscrito francês do século XVI 
Até o séc. XIX, a morte era algo público. O moribundo
pressentia a sua morte, ou alguém o advertia. O enfermo
presidia sua morte: despedia-se, confessava-se,
comungava, distribuía os bens, perdoava e era perdoado.
“Ciência y Caridad”, de Pablo Picasso (1897)
Até o século XVIII, a morte representava para a Medicina o fim da
doença assim como o fim da vida.
Após o século XIX, a relação entre morte, vida e doença passou a ser
pensada cientificamente, e a morte se tornou um instrumento para o
médico aprender sobre a vida e as causas das doenças e mortes.
Uma Família de Camponeses, de Louis la Main (1600-1610)
A partir do século XVII, o homem deixou de exercer
sozinho a soberania de sua própria vida e,
consequentemente, da sua própria morte, passando a
dividi-la com a família.
 Somente nos anos 1960 os pesquisadores em
ciências sociais atentaram para mudanças
significativas nas práticas e representações
relativas à morte e ao morrer.
Nos anos 1970 a pergunta era
POR QUE O SILÊNCIO A RESPEITO DA
MORTE??
 Exclusão da morte e de quem está morrendo:
aspectos fundamentais da Modernidade
(MENEZES 2004 apud FARAJ et al., 2013)
 Não falar sobre a morte ou sobre o processo de
morrer das pessoas próximas pode interferir no luto.

Recomendados

Morte E Luto No Contexto Hospitalar
Morte E Luto No Contexto HospitalarMorte E Luto No Contexto Hospitalar
Morte E Luto No Contexto HospitalarWashington Costa
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerEliane Santos
 
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3Cintia Colotoni
 
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Ana Hollanders
 
0506 Luto - Daniela
0506 Luto - Daniela 0506 Luto - Daniela
0506 Luto - Daniela laiscarlini
 
Aula 11 a morte e o luto2
Aula 11 a morte e o luto2Aula 11 a morte e o luto2
Aula 11 a morte e o luto2Futuros Medicos
 
O profissional da saúde diante da morte
O profissional da  saúde diante da morteO profissional da  saúde diante da morte
O profissional da saúde diante da morteMarian de Souza
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Psicologia hospitalar
Psicologia hospitalarPsicologia hospitalar
Psicologia hospitalar
 
Morte e luto
Morte e lutoMorte e luto
Morte e luto
 
01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx
01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx
01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
Preparar para a morte
Preparar para a mortePreparar para a morte
Preparar para a morte
 
Classificação
ClassificaçãoClassificação
Classificação
 
Finitude nossa de cada dia
Finitude nossa de cada diaFinitude nossa de cada dia
Finitude nossa de cada dia
 
Quem cuida do cuidador?
Quem cuida do cuidador?Quem cuida do cuidador?
Quem cuida do cuidador?
 
Aula Saúde Mental
Aula Saúde MentalAula Saúde Mental
Aula Saúde Mental
 
Eutanásia, distanásia e ortotanásia
Eutanásia, distanásia e ortotanásiaEutanásia, distanásia e ortotanásia
Eutanásia, distanásia e ortotanásia
 
Humanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagemHumanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagem
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Saúde do Idoso
Saúde do IdosoSaúde do Idoso
Saúde do Idoso
 
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEMBIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
 
Política nacional de humanização
Política nacional de humanizaçãoPolítica nacional de humanização
Política nacional de humanização
 
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na Saúde
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
 
éTica e enfermagem
éTica e enfermageméTica e enfermagem
éTica e enfermagem
 
Modulo I – psicologia no contexto da humanização
Modulo I – psicologia no contexto da humanizaçãoModulo I – psicologia no contexto da humanização
Modulo I – psicologia no contexto da humanização
 

Destaque

Como lidar com a morte
Como lidar com a morte Como lidar com a morte
Como lidar com a morte Felipe Cruz
 
Aula 3 - Comunicação, linguagem e relacionamento interpessoal
Aula 3 - Comunicação, linguagem e relacionamento interpessoalAula 3 - Comunicação, linguagem e relacionamento interpessoal
Aula 3 - Comunicação, linguagem e relacionamento interpessoalRenata Conversani
 
Enfermagem forense bibliografia
Enfermagem forense bibliografiaEnfermagem forense bibliografia
Enfermagem forense bibliografiaAlbino Gomes
 
Comunicacao interpessoal (1)
Comunicacao interpessoal (1)Comunicacao interpessoal (1)
Comunicacao interpessoal (1)damaceno87
 

Destaque (6)

Um estudo teorico sobre a morte
Um estudo teorico sobre a morteUm estudo teorico sobre a morte
Um estudo teorico sobre a morte
 
Como lidar com a morte
Como lidar com a morte Como lidar com a morte
Como lidar com a morte
 
Aula 3 - Comunicação, linguagem e relacionamento interpessoal
Aula 3 - Comunicação, linguagem e relacionamento interpessoalAula 3 - Comunicação, linguagem e relacionamento interpessoal
Aula 3 - Comunicação, linguagem e relacionamento interpessoal
 
Enfermagem forense bibliografia
Enfermagem forense bibliografiaEnfermagem forense bibliografia
Enfermagem forense bibliografia
 
Morte encefálica enfermagem farec
Morte encefálica   enfermagem farecMorte encefálica   enfermagem farec
Morte encefálica enfermagem farec
 
Comunicacao interpessoal (1)
Comunicacao interpessoal (1)Comunicacao interpessoal (1)
Comunicacao interpessoal (1)
 

Semelhante a Psicologia e morte

produção cientifica psicologia referente a morte.pdf
produção cientifica psicologia referente a morte.pdfprodução cientifica psicologia referente a morte.pdf
produção cientifica psicologia referente a morte.pdfAndressaMolina3
 
Minicurso - A Morte no ensino das Ciências da Vida (1ª aula)
Minicurso - A Morte no ensino das Ciências da Vida (1ª aula)Minicurso - A Morte no ensino das Ciências da Vida (1ª aula)
Minicurso - A Morte no ensino das Ciências da Vida (1ª aula)Mario Amorim
 
Apresentação sensai "Relato de experiência - Formação e atuação do Grupo de ...
Apresentação sensai  "Relato de experiência - Formação e atuação do Grupo de ...Apresentação sensai  "Relato de experiência - Formação e atuação do Grupo de ...
Apresentação sensai "Relato de experiência - Formação e atuação do Grupo de ...Laryssasampaio
 
Ciclos vitais finitude humana segunda aula
Ciclos vitais finitude humana segunda aulaCiclos vitais finitude humana segunda aula
Ciclos vitais finitude humana segunda aulaErasmo Ruiz
 
HISTÓRIA DA PSIQUIATRIA - CONTRIBUIÇÕES PARA O ESTUDO DA HISTÓRIA DA PSIQUIATRIA
HISTÓRIA DA PSIQUIATRIA - CONTRIBUIÇÕES PARA O ESTUDO DA HISTÓRIA DA PSIQUIATRIAHISTÓRIA DA PSIQUIATRIA - CONTRIBUIÇÕES PARA O ESTUDO DA HISTÓRIA DA PSIQUIATRIA
HISTÓRIA DA PSIQUIATRIA - CONTRIBUIÇÕES PARA O ESTUDO DA HISTÓRIA DA PSIQUIATRIASolangerubim111
 
O homem e sua eterna busca de sentido
O homem e sua eterna busca de sentidoO homem e sua eterna busca de sentido
O homem e sua eterna busca de sentidoRebecca Athayde
 
O que eh saude
O que eh saudeO que eh saude
O que eh saudeIvy Marins
 
Movimento Psicanalitico Brasileiro
Movimento Psicanalitico BrasileiroMovimento Psicanalitico Brasileiro
Movimento Psicanalitico BrasileiroAline Santos
 
A história da psicologia hospitalar
A história da psicologia hospitalarA história da psicologia hospitalar
A história da psicologia hospitalarAnderson Souza
 
125185642 o enfermeiro_e_a_morte
125185642 o enfermeiro_e_a_morte125185642 o enfermeiro_e_a_morte
125185642 o enfermeiro_e_a_mortePelo Siro
 
2010 Divaldo P. Franco na Europa-Viena
2010 Divaldo P. Franco na Europa-Viena2010 Divaldo P. Franco na Europa-Viena
2010 Divaldo P. Franco na Europa-VienaRose Moliterno
 
HISTORIA DA ENFERMAGEM fund 1.pdf
HISTORIA DA ENFERMAGEM fund 1.pdfHISTORIA DA ENFERMAGEM fund 1.pdf
HISTORIA DA ENFERMAGEM fund 1.pdfRodrigoBatista51924
 
HISTORIA DA ENFERMAGEM fund 1.pdf
HISTORIA DA ENFERMAGEM fund 1.pdfHISTORIA DA ENFERMAGEM fund 1.pdf
HISTORIA DA ENFERMAGEM fund 1.pdfRodrigoBatista51924
 
Psicanálise introdução aula 1..pptx
Psicanálise introdução aula 1..pptxPsicanálise introdução aula 1..pptx
Psicanálise introdução aula 1..pptxHellenFonsecadeSousa
 

Semelhante a Psicologia e morte (20)

produção cientifica psicologia referente a morte.pdf
produção cientifica psicologia referente a morte.pdfprodução cientifica psicologia referente a morte.pdf
produção cientifica psicologia referente a morte.pdf
 
Minicurso - A Morte no ensino das Ciências da Vida (1ª aula)
Minicurso - A Morte no ensino das Ciências da Vida (1ª aula)Minicurso - A Morte no ensino das Ciências da Vida (1ª aula)
Minicurso - A Morte no ensino das Ciências da Vida (1ª aula)
 
Sobre o Estudo da Morte
Sobre o Estudo da MorteSobre o Estudo da Morte
Sobre o Estudo da Morte
 
Apresentação sensai
Apresentação sensai Apresentação sensai
Apresentação sensai
 
Morte e Luto
Morte e Luto Morte e Luto
Morte e Luto
 
Apresentação sensai "Relato de experiência - Formação e atuação do Grupo de ...
Apresentação sensai  "Relato de experiência - Formação e atuação do Grupo de ...Apresentação sensai  "Relato de experiência - Formação e atuação do Grupo de ...
Apresentação sensai "Relato de experiência - Formação e atuação do Grupo de ...
 
Ciclos vitais finitude humana segunda aula
Ciclos vitais finitude humana segunda aulaCiclos vitais finitude humana segunda aula
Ciclos vitais finitude humana segunda aula
 
HISTÓRIA DA PSIQUIATRIA - CONTRIBUIÇÕES PARA O ESTUDO DA HISTÓRIA DA PSIQUIATRIA
HISTÓRIA DA PSIQUIATRIA - CONTRIBUIÇÕES PARA O ESTUDO DA HISTÓRIA DA PSIQUIATRIAHISTÓRIA DA PSIQUIATRIA - CONTRIBUIÇÕES PARA O ESTUDO DA HISTÓRIA DA PSIQUIATRIA
HISTÓRIA DA PSIQUIATRIA - CONTRIBUIÇÕES PARA O ESTUDO DA HISTÓRIA DA PSIQUIATRIA
 
O homem e sua eterna busca de sentido
O homem e sua eterna busca de sentidoO homem e sua eterna busca de sentido
O homem e sua eterna busca de sentido
 
Nise da silveira
Nise da silveiraNise da silveira
Nise da silveira
 
O que eh saude
O que eh saudeO que eh saude
O que eh saude
 
História da Enfermagem 2.pdf
História da Enfermagem 2.pdfHistória da Enfermagem 2.pdf
História da Enfermagem 2.pdf
 
Discursos sobre a morte
Discursos sobre a morteDiscursos sobre a morte
Discursos sobre a morte
 
Movimento Psicanalitico Brasileiro
Movimento Psicanalitico BrasileiroMovimento Psicanalitico Brasileiro
Movimento Psicanalitico Brasileiro
 
A história da psicologia hospitalar
A história da psicologia hospitalarA história da psicologia hospitalar
A história da psicologia hospitalar
 
125185642 o enfermeiro_e_a_morte
125185642 o enfermeiro_e_a_morte125185642 o enfermeiro_e_a_morte
125185642 o enfermeiro_e_a_morte
 
2010 Divaldo P. Franco na Europa-Viena
2010 Divaldo P. Franco na Europa-Viena2010 Divaldo P. Franco na Europa-Viena
2010 Divaldo P. Franco na Europa-Viena
 
HISTORIA DA ENFERMAGEM fund 1.pdf
HISTORIA DA ENFERMAGEM fund 1.pdfHISTORIA DA ENFERMAGEM fund 1.pdf
HISTORIA DA ENFERMAGEM fund 1.pdf
 
HISTORIA DA ENFERMAGEM fund 1.pdf
HISTORIA DA ENFERMAGEM fund 1.pdfHISTORIA DA ENFERMAGEM fund 1.pdf
HISTORIA DA ENFERMAGEM fund 1.pdf
 
Psicanálise introdução aula 1..pptx
Psicanálise introdução aula 1..pptxPsicanálise introdução aula 1..pptx
Psicanálise introdução aula 1..pptx
 

Último

DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...bibygmachadodesouza
 
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfamazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfdaianebarbosaribeiro
 
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfNR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfMariadeFtimaUchoas
 
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a RecuperaçãoVencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperaçãodouglasmeira456
 
Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptSegurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptRodineiGoncalves
 
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1MarciaFigueiredodeSo
 

Último (6)

DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
 
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfamazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
 
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfNR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
 
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a RecuperaçãoVencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
 
Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptSegurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
 
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
 

Psicologia e morte

  • 1. Ana Patrícia Vargas Borges Psicóloga Mestre em Psicologia – UFBa. Psicologia e morte
  • 2. O leito de morte de Filipe de Commines (detalhe). Manuscrito francês do século XVI  Até o séc. XIX, a morte era algo público. O moribundo pressentia a sua morte, ou alguém o advertia. O enfermo presidia sua morte: despedia-se, confessava-se, comungava, distribuía os bens, perdoava e era perdoado.
  • 3. “Ciência y Caridad”, de Pablo Picasso (1897) Até o século XVIII, a morte representava para a Medicina o fim da doença assim como o fim da vida. Após o século XIX, a relação entre morte, vida e doença passou a ser pensada cientificamente, e a morte se tornou um instrumento para o médico aprender sobre a vida e as causas das doenças e mortes.
  • 4. Uma Família de Camponeses, de Louis la Main (1600-1610) A partir do século XVII, o homem deixou de exercer sozinho a soberania de sua própria vida e, consequentemente, da sua própria morte, passando a dividi-la com a família.
  • 5.  Somente nos anos 1960 os pesquisadores em ciências sociais atentaram para mudanças significativas nas práticas e representações relativas à morte e ao morrer. Nos anos 1970 a pergunta era POR QUE O SILÊNCIO A RESPEITO DA MORTE??  Exclusão da morte e de quem está morrendo: aspectos fundamentais da Modernidade (MENEZES 2004 apud FARAJ et al., 2013)
  • 6.  Não falar sobre a morte ou sobre o processo de morrer das pessoas próximas pode interferir no luto.
  • 7. Produção científica na área da Psicologia referente à temática da morte 2000-2012 Ensino e morte Instituições de saúde e morte Família e morte Concepções sobre a morte Profissionais de saúde e morte Pulsão de morte.
  • 9. Família e morte • A morte de alguém do sistema familiar acarreta mudanças de papéis e das relações familiares, movimentando geracionalmente o sistema, lembrando da própria morte (HOHENDORFF; MELO, 2009). • O foco do trabalho do psicólogo é o processo do luto, o acompanhamento psicológico à família e ao paciente terminal (FARAJ et al., 2013). • No hospital, o psicólogo pode auxiliar a família na despedida, o que pode auxiliar a elaboração do luto, por possibilitar mudanças e resgates das relações familiares, • Isto também ajuda o próprio sujeito doente e a equipe de saúde (FARAJ et al., 2013).
  • 10. Ensino e morte Contribuições de Elizabeth KÜBLER-ROSS: Negação, raiva, barganha, depressão e aceitação. A temática da morte ainda carece de estudos. Kovács (2005) defende que a temática da educação para a morte abranja tanto para os profissionais de saúde quanto os leigos, por meio de discussão nas escolas, hospitais, grupos multidisciplinares, etc., a fim de minimizar o medo que assola as pessoas quando da iminência da morte.
  • 11. Profissionais de saúde e morte “O sofrimento só é intolerável quando ninguém cuida”. C. Saunders “Para cuidar da “pessoa inteira” é preciso estar presente como uma “pessoa inteira”; do contrário, a capacidade para compreender, responder e se relacionar torna-se limitada.” Rachel Naomi Remen
  • 12. Instituições de saúde e morte • Cuidados paliativos • Humanização
  • 13. “...Porque tudo que é vivo, morre...” Ariano Suassuna, Auto da Compadecida
  • 14. O significado da morte para adultos • A morte pode não ser um problema em si, mas o morrer traz implícito sofrimento, junto com sentimentos de isolamento, desamparo e desesperança • Morte física, mas também simbólica (perda de emprego, separações ) é cotidiano na vida dos adultos – imprevisível, incontrolável e inevitavelmente... • Enfrentá-la e compreendê-la pode nos ajudar a aprender e lidar melhor com cada mudança da vida (KÜBLER-ROSS, 1996). • As perdas (não somente a morte) na idade adulta podem levar à transformação, ao crescimento, à maturidade na plena acepção destas palavras