Dizjornal131

328 visualizações

Publicada em

Edição 131 Diz jornal

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
328
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dizjornal131

  1. 1. Niterói 23/05 a 06/06/15 www.dizjornal.com Edição Online Para Um Milhão e Oitocentos Mil Leitores Zona Sul, Oceânica e Centro de Niterói 16 Mil Exemplares Impressos D i r e t o r R e s p o n s á v e l: E d g a r d F o n s e c a Circula por 15 dias Página 03 RebeccaBraun–BelezaWagnerRaioldoWerner-photo–JulioCerino 2ª Quinzena Nº 131 de Maio Ano 06 de 2015 Diz: Todo Mundo Gosta A Lei Rouanet e Suas Contradições.
  2. 2. Niterói 23/05 a 06/06/15 www.dizjornal.com 2 Cultura Paulo Roberto Cecchetti prcecchetti@ig.com.br annaperet@gmail.com DIZ pra mim... (que eu conto) Anna Carolina Peret Edição na internet para Hum milhão e 800 mil leitores - A solenidade de posse do Cenáculo de História e Letras foi concorridíssima. A acadêmica Matilde Conti é a nova presidente, substituindo à Marcia Pessanha. - A Academia Niteroiense de Letras/ANL (Rua Visconde do Uruguai, nº 456 - Centro) promove sessão alusiva à Abo- lição da Escravatura, dia 13 de maio, 4ª feira, às 17 horas. O palestrante o será trovador e acadêmico Sávio Soares de Rota Alternativa D esde o primeiro filme que assisti do M. Night Shyamalan aprendi a res- peitá-lo. Lembro-me até das circuns- tâncias. Este cineasta indiano conquistou meu coração e minha atenção com “O Sexto Sen- tido”, e de lá pra cá, garante posição de des- taque na lista dos meus diretores prediletos. É notória a sua capacidade de fazer suspense de forma simples. Aliais, é na simplicidade que reside toda sua sofisticação. Shyamalan é arrojado por não precisar de muito substrato para ser encantador. A prova disso são filmes como “Corpo Fechado”, “Sinais”, “A Vila” e “O Último Mestre do Ar”, assinados por ele nos últimos anos. Pode parecer um pouco cedo, mas já estou ansiosa para ver seu mais novo trabalho, o qual só chegará aos cine- mas dia 29 de outubro deste ano. Chama-se “A Visita” (“The Visit”, no original) e todo o material já divulgado na Internet só corrobora a minha teoria de que este diretor está cada vez mais inspirado. Ao contar a história de um casal de irmãos que vão passar uns dias na casa dos avós, Shyamalan mostra que um tema corriqueiro pode dar margem a uma his- tória de arrepiar. Sim, eu sei que faltam mais de cinco meses para a estreia. Só que, como boa capricorniana que sou, também não nego a minha expectativa e eu desejo em ir logo ao cinema e me surpreender com mais esta obra! E, como disse acima, é muito bom saber que nossos diretores prediletos, em breve, esta- rão de volta às telonas. Além de Shyamalan, Woo- dy Allen lança “Irrational Man”, seu novo filme, no Brasil no dia 6 de agosto des- te ano. E, ainda melhor, é saber que ele vem mui- to bem acompa- nhado: Joaquin Phoenix e Emma Stone. Ladeado por estes dois atores que ado- ro, Allen encara a empreitada de contar a história de um pro- fessor desmotivado que encontra razões para seguir em frente graças a uma de suas alunas. A interação entre Phoenix e Stone surpreen- deu positivamente a todos e, de acordo com as primeiras expectativas, o filme será mais um grande sucesso do diretor. Eu mal pos- so esperar! A película, cujo título ainda não ganhou uma versão nacional, terá sua estreia no Festival de Cannes deste ano, porém, sem concorrer aos prêmios. E para quem acha que William Shakespeare é coisa do passado, errou! O drama “Mac- beth” está sendo rodado por grandes nomes do cinema como protagonistas: Marion Co- tillard e Michael Fassbender. Fassbender en- carna um general escocês, de total confiança do rei, chamado Macbeth. A questão é que bruxas farão profecias para o militar e ele di- vidirá as mesmas com a sua mulher. A am- bição, o poder, o desejo, enfim, sentimentos confusos subirão à cabeça e farão com que o até então “incorruptível” Macbeth reveja seus conceitos. É a prova incontestável de que a natureza humana é insaciável e sempre quer mais e mais... Quem dirige a trama é o dire- tor australiano Justin Kurzel, que afirmou re- centemente que seu filme será permeado de muita paixão e ambição. “Macbeth”, este ano, integra a seleção oficial do Festival de Cannes, concorrendo assim à Palma de Ouro. Para quem curtiu as adaptações de “O Có- digo Da Vinci” e “Anjos e Demônios” para o cinema, prepare-se! O diretor Ron Howard, juntamente com o sempre brilhante Tom Hanks estão trabalhando duro nas filmagens de “Inferno” (continuação da saga), que tem como base os romances do escritor ameri- cano Dan Brown. Mais uma vez, Hanks será Robert Langdon, um professor especialista em estudos da religião. Nas produções ante- riores, ele encarou a Opus Dei, o Priorado de Sião, os Illuminati, enfim, vários desafios. Agora, vai se envolver em conexões que o le- vam à obra de Dante Alighieri. O filme ainda conta com elenco riquíssimo: Omar Sy, Felici- ty Jones e Irrfan Khan. Eu li os livros e gosto do trabalho de Brown. E quando este se soma a nomes como Howard e Hanks, a fórmula é perfeita. A estreia está marcada apenas para 13 de outubro de 2016, porém, eu já estou sonhando com ela! E, lembrem-se, meus amigos: cinema é arte e cultura! Em um país contraditório como o nosso, que se auto intitula “pátria educado- ra”, porém, corta verbas para a educação, temos que nos virar para conseguir fontes inteligentes e acessíveis de cultura para nos nutrir. E que o cinema seja, para isso, uma rota alternativa! Até breve! Sousa. Vale conferir! - O escultor Albenzio vai expor seus trabalhos no Museu do Ingá (Rua Presidente Pedreira, nº 78 - Ingá), em junho do corrente ano. A curadoria é deste colunista. - Jerônimo Alves de Sou- za completou 83 anos – (bem vividos!) - este ano de 2015. Empresário do ramo de restaurantes e lanchonetes, inúmeras ve- zes premiado, ainda per- manece na ativa. Ele dirige com sua filha Vera Pini, o “Ponto Jovem”, concorridíssimo restaurante/lanchonete lo- calizado na Rua Miguel de Frias, em Icaraí. - A ASPI-UFF/Associação dos Professores Inativos da Uni- versidade Federal Fluminense (Rua Passo da Pátria, nº 19 - São Domingos) vem promovendo eventos culturais em sua sede. Mais informações: www.aspiuff.org.br ou tel.: 2622-1675. - O Teatro Popular Oscar Niemeyer (Rua Jornalista Rogério Coelho Neto - Centro) apresenta a peça “Othello – O Mou- ro de Veneza”. O clássico de Willian Shakespeare ganha nova montagem com jovens atores. Apresentações até 31 de maio nos horários: 21 h, sextas / 20 h, sábados / 19 h, domingos. Mais informações: 2613-2734. - A Galeria ICG apresenta a exposição “Dentro da Mata”, de Miguel Penha, até 06 de junho. Visitação: de 2ª a 6ª, das 15 às 20 h; sábados, das 11 às 16h. A curadoria é de Fabíola Mesquita e o Instituto Cultural Germânico/ICG (Av. Sete de Setembro, nº 131 – Icaraí).
  3. 3. Niterói 23/05 a 06/06/15 www.dizjornal.com 3 Documento dizjornal@hotmail.com Edição na internet para Hum milhão e 700 mil leitores A Lei Rouanet e Suas Contradições A Lei Rouanet, como também é conhecida (em homenagem a Sérgio Pau- lo Rouanet, secretário de cultura na época se de criação da lei), foi apro- vada em 1991, como Lei Federal de Incentivo à Cultura (Lei nº 8.313) e tem como objetivo de instituir políticas públicas para a cultura nacional, como o PRONAC - Programa Nacional de Apoio à Cultura. Nos primeiros artigos identifica-se a base, que é proteger, promover e valorizar as expressões da cultura nacional, através de um mecanismo político de incentivos fiscais, que possibilita empresas (pessoas jurídicas) A s pessoas físicas podem investir até 6% do Imposto de Renda a pagar. As empresas, (pessoas ju- rídicas) têm como limite 4%. Aparente- mente é pouco, mas em 2008 chegou-se a quantia de R$ 1 bilhão investidos em cultura. As controvérsias começaram quando sur- giram críticas de que o governo ao invés de investir diretamente em cultura, co- meçou a deixar que as próprias empresas decidissem qual forma de cultura merecia ser patrocinada. Fora investimentos utili- zados em projetos inexpressivos, resul- tando em desperdício de fundos com pes- soas inabilitadas para o exercício cultural. A outra grande questão é uma espécie de regra comum, em que as empresas, visando maior popularidade, somente “concedem” o financiamento para pesso- as famosas ou por influência política e so- cial. Ou seja: o iniciante de talento, mas, sem articulação ou fama, jamais conse- gue furar o “anteparo de prestígio” con- tribuindo para uma elitização dos fundos em questão. Recentemente surgiu uma polêmica entre o atual presidente da FUNARTE, Francis- co Bosco e a atriz Fernanda Torres, quan- do Francisco fez uma declaração que o seu pai, o compositor e cantor João Bos- co teve a “dignidade” de nunca usar este recurso, valendo-se da sua fama e pres- tígio. Fernanda não gostou do tom da afirmação, pois acredita que o benefício é para todos, independente quem seja. O marido de Fernanda Torres , o cineasta Andrucha Waddington, é simpatizante da prática de captação desses recursos da Lei. Francisco Bosco é da teoria que artistas, produtores, escritores famosos, já pos- suem a chance de serem patrocinados por empresas, diante da força do marketing que suas famas agregam. Defende uma “redemocratização e distribuição des- tes incentivos para projetos de qualida- de, mas sem acesso ou possibilidade de aportes financeiros. Se é incentivo, deve ser dirigido a quem mais precisa, Estes incentivos dirigidos aos famosos têm causado conflitos seguidos, como dois casos emblemáticos: o blog da can- tora Maria Betânia, que era um projeto a ser implantado, onde diariamente, du- rante um ano, ela recitaria poemas diver- sos. A verba requerida, e chegou a ter aprovação do projeto para captação, era algo em torno de um milhão e trezentos mil reais. Foi o bastante para criar uma imensa polêmica, por razões diversas, incluindo a consideração de o valor ser muito alto e que atenderia ao “deleite” da cantora em se “sustentar” com poesia. A discussão tomou rumos controversos e avaliações inteiramente questionáveis, para um lado, ou para o outro. Com tanta celeuma e desagradáveis comentários, re- sultou na desistência do projeto por parte da Maria Betânia. Agora, os canhões da internet se voltaram para atacar o compositor, cantor e ex-mi- nistro da Cultura, Gilberto Gil. O colunis- ta do blog R7 André Forastieri desanca a Preta Gil afirmando que a sua carreira não gera recursos e que tudo que faz desan- da. Faz insinuações e ilações que o ca- samento da Preta foi pago com recursos advindos das captações da Lei Rouanet. Entretanto, o fato do casamento ter sido um evento de ostentação e riqueza não prova que os recursos tenham esta ori- gem. Mas, é mais uma janela de conflito pela falta de transparência nesses proces- sos de captação de recursos calçados na Lei de incentivos. Obviamente, a intenção do Francisco Bosco não é demonizar a classe artísti- ca, como diz Fernanda Torres. Acredita- mos que esta postura do Francisco possa abrir um novo debate sobre a Lei e a sua aplicação prática, eliminando os véus dos apadrinhamentos e possibilite o ingresso de novos valores artísticos, ainda desco- nhecidos. O ideal seria criar uma comis- são de análise e acesso Os projetos seriam estudados e recebe- riam conceitos de viabilidade e exigências de execução. Isto feito, seriam feitas as captações, mas a produção e execução do projeto teria um monitoramento de ações de qualidade para evitar fracassos, disper- são e desperdício de recursos. A Lei carece de reformas e evitar contra- dições e conflitos. e cidadãos (pessoas físicas) aplicarem uma parte do IR (imposto de renda) em ações culturais. A lei objetiva educar todos a investirem em cultura. É a troca de parte do pagamento do imposto pelo patrocínio de eventos culturais, em todas as modalidades, (teatro, cinema, literatura, música, artes plásticas, etc). O patrocínio fomenta a cultura e traz prestigio, valorizando a marca das empresas junto ao público, ou a pessoa física, agregando valores de be- nemerência e participação social. Fernanda Torres e Andrucha Waddington Francisco Bosco Maria Betânia Casamento de Preta Gil
  4. 4. Niterói 23/05 a 06/06/15 www.dizjornal.com 4 Informes Expediente Edgard Fonseca Comunicação Ltda. Rua Otavio Carneiro 143/704 Niterói/RJ. Diretor Responsável: Edgard Fonseca Editor: Edgard Fonseca Registro Profíssional MT 29931/RJ Distribuição, circulação e logística: Ernesto Guadelupe Diagramação: Eri Alencar Impressão: Tribuna RJ Tiragem 16.000 exemplares Redação do Diz End: Rua Cônsul Francisco Cruz, nº 3 Centro - Niterói, RJ Tel: 3628-0552 | 36285252 | 9613-8634 Correspondência para Administração Rua Cônsul Francisco Cruz, nº 3 Centro - Niterói, - CEP 24.020-270 dizjornal@hotmail.com www.dizjornal.com Os artigos assinados são de integral e absoluta responsabilidade dos autores. D! Nutrição clara.petrucci@dizjornal.com | Instagram: Clara PetrucciEdição na internet para Hum milhão e 700 mil leitores A Correta Absorção do Zinco R ecentemente abordei sobre a impor- tância do zinco no nosso organis- mo. Além de exercer funções vitais como síntese de proteínas e metabolismo, está presente em mais de 200 enzimas do nosso corpo, sistema imunológico e ainda é um excelente antioxidante. Mas será que você esta absorvendo este mineral e muitos outros nutrientes? Podemos ingerir, digerir e não possuir a absorção adequada. A biodisponibilidade pode não estar ocorrendo de forma correta ou você está ingerindo junto com outro ali- mento que não permite a sua absorção. A ingestão de fibras associadas ao zinco pode acarretar uma má absorção do zinco. Quando ingerimos as fibras, elas melho- ram o movimento e o peristaltismo intesti- nal; entretanto, tudo que foi ingerido passa mais rápido pelo intestino e excretamos uma série de nutrientes que deveriam ser absorvidos ali. O zinco é uma molécula muito pequena e acaba ficando dispersa nesta complexidade. Por isso, se você suplementa este mineral, evite tomá-lo junto a uma refeição rica em fibras para não comprometer sua absorção. A questão é relativa ao zinco. Daí.. Nem tanto nem tão pouco. Uma dieta sem fibras é ruim. Nosso intestino “prende”. Já uma dieta muito rica, eu disse “muito rica”, em fibras deixa nosso intestino muito “rápido” e compromete a absorção de alguns nu- trientes. Procure um nutricionista; e antes de tudo lembre-se: equilíbrio, sempre! Waldenir Bragança na Academia Nacional de Medicina Exposição de Fotojornalistas A“Fotografia como documen- to social” está em exposição na Câmara de Vereadores de Ni- terói. São 28 fotos de repórteres fotográficos que retratam as nu- ances do regime militar brasileiro. Mostra do marechal Humberto de Alencar Castelo Branco, o primei- ro dos oficiais-generais a assumir a Presidência da República, até a recente descoberta do centro de torturas conhecido como “Casa da Morte de Petrópolis”, em 2013. Ela é organizada pelo fotojornalista Alcyr Cavalcanti, dirigente da Asso- ciação dos Repórteres Fotográficos e Cinematográficos (Arfoc) do Rio de Janeiro, e conta com trabalhos de Janckiel Gontzarowska, acom- panhando Castelo Branco; Aníbal Philot e os protestos em 1968; Jorge Peter e a posse do presidente José Sarney; e o próprio Alcyr com imagens do presidente dos Estados Unidos, Jimmy Carter, entre ou- tros. A exposição fica até o dia 29 de maio no hall de entrada da Câ- mara e pode ser vista as segundas e sextas-feiras de 9h às 17 horas. As terças, quartas e quintas até às 20 horas. O endereço é: Avenida Amaral Peixoto, 625, Centro, Ni- terói. Omédico, advogado, deputado, ex- prefeito de Niterói e presidente da Comissão da Terceira Idade da OAB, Waldenir de Bragança (foto) tomará pos- se como Honorário da Academia Na- cional de Medicina, no dia 28 de maio, às 18 horas, no anfiteatro Miguel Cou- to da Academia. (Av. General Justo, 365, 7º andar – Centro do Rio de Janeiro). A cerimônia será, sob a presidência de Pe- dro Novelino, comandante da ANM e será saudado pelo colega Omar da Rosa Santo. 61 Anos do Sindicato dos Jornalistas OSindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, que o se- diado em Niterói, festejou 61 anos de fundação em cerimô- nia na Câmara de Vereadores. O sindicato é presidido por Continentino Porto, que mantém gestão com signifi- cativos eventos para a clas- se. Na oportunidade foram homenageados antigos pre- sidentes, seguido de um co- quetel no saguão da Câmara. Continentino Porto e Dulce Tupy
  5. 5. Niterói 23/05 a 06/06/15 www.dizjornal.com 5 InternetLaio Brenner - dizjornal@hotmail.com Estar conectado hoje é um direito humano. Vinte anos atrás, quando pou- cos tinham esse privilégio, o Brasil e o mundo viam o nasci- mento do evento que mudaria tudo: a Internet. O acesso co- mercial à rede (antes reservada a universidades) foi o que permitiu o surgimento de enciclopédias abertas, ferramentas de comu- nicação em diferentes formatos, publicadores de notícias e do comércio eletrônico. No início, a internet era uma rede que ligava universidades ao redor do mundo. O Brasil, por exemplo, se conectava a outros países através de redes que par- tiam da Fapesp e da UFRJ. Foi na Conferência Rio-92 que o País teve sua primeira grande expe- riência online, conectando-se às redes acadêmicas dos EUA. Parabéns a Você! Nessas redes, surgiram então os chamados BBS, uma forma an- terior à web (www) que permitia comunicação via e-mail. Só em 1995 que provedores passaram a oferecer o acesso comercial a rede. Era o que faltava. Ban- cos, sites de notícias, empresas e organizações garantiram seu espaço na rede e registraram os primeiros domínios brasileiros. Pronto, estava criada a forma de comunicação que revolucionaria o mundo, quebrando fronteiras e disponilizando informações an- tes inacessíveis. Um verdadeiro “choque” para os mais desavi- sados, que levaram certo tempo até se adequarem a nova realida- de mundial. É fato que hoje é praticamente impossível viver sem estar co- nectado, até porque, grande parte das “necessidades” do homem moderno precisam de internet para serem reali- zadas. A internet chegou e trouxe consigo um mundo inteiro de novas possibilidades, aberto e acessível a quem quiser. Des- de apenas aproximar aqueles que estão distantes, a criar um novo e muito rentável merca- do de negócios. O que dizer dos “empresários” modernos que criaram empresas biblio- narias através da rede mundial de computadores? É até dificil pensar a vida do ho- mem do moderno sem o “Goo- gle”, o “Facebook”, entre ou- tras. Afinal, estamos tão acustumados a esse ritmo frenético de infor- mações que estar desconecta- do” é um verdadeiro caos; e tudo isso só foi possível graças a nossa amada web. Inté! ORAÇÃOASANTO EXPEDITO Festa 19 de abril. Comemora-se todo dia 19 Se vc. está com algum , precisa de , peça a Santo Expedito. Ele é o Santo dos Negócios que precisam de pronta solução e cuja invocação nunca é tardia. Problema Difícil e aparentemente sem Solução Ajuda Urgente ORAÇÃO Obrigado. : Meu Santo Expedito da Causas Justas e Urgentes, socorrei-me nesta hora de aflição e desespero. Intercedei junto ao Nosso Senhor Jesus Cristo! Vós que sois o Santo dos Aflitos, Vós que sois o Santo das Causas Urgentes, protegei-me, ajudai-me, Dai-me Força, Coragem e Serenidade. Atendei o meu pedido: (fazer o pedido) Ajudai-me a superar estas Horas Difíceis, protegei-me de todos que possam me prejudicar; Protegei minha família, atendei o meu pedido com urgência. Devolvei-me a Paz a Tranqüilidade Serei grato pelo resto da minha vida e levarei seu nome a todos que têm fé. Rezar 1 Padre Nosso,1 Ave Maria e Fazer o sinal da cruz. “para que os pedidos sejam atendidos é necessário que sejam justos”. Agradeço a Santo Expedito a Graça Alcançada.Santo Expedito Dr. Helder Machado Urologia Tratamento de Cálculo Renal a Raio Laser Rua Dr. Celestino, 26 Centro - Niterói. Tels:2620-2084 /2613-1747 Clínica Atendemos UNIMED eParticular Atendimento 24H pelo tels: 8840-0001e9956-1620
  6. 6. Niterói 23/05 a 06/06/15 www.dizjornal.com 6 Edgard Fonseca edgard.fonseca22@hotmail.com Edição na internet para Hum milhão e 700 mil leitores Crimes de Menores a Maior N ovamente, diante da mesma tecla, da mesma incerteza, da omissão e do desespe- ro. Está lá o corpo estendi- do no chão, outro cidadão diante da mesma cena muda do nosso desconsolo. Entre tantos, esfaquearam o mé- dico Jaime Gold, homem de bem, socialmente produtivo e querido por muitos. Seu crime foi ter uma bicicleta e ir passear na Lagoa Rodri- go de Freitas. Pagou com a vida de forma incompre- ensivelmente injusta e des- necessária. Não reagiu aos assaltantes, não os conhecia e nem lhes fez qualquer mal, Apenas estava lá, car- tão postal, num dos locais públicos mais bonitos do Rio de Janeiro e objeto de venda na imagem interna- cional da sede das Olimpí- adas 2016. Bandidos meninos, que pelo conjunto de deficiências e circunstâncias matam com mais açodamento que bandidos mais velhos, mais profissionais. Sempre temi mais os meninos que os homens. Eles são mais afoitos, irresponsáveis, têm mais insegurança e a determinação defensiva do mal. Matam com mais fa- cilidade e impensadamente, quando não utilizam “aditivos” como o crak. Morreu mais um. Iremos nos indignar, vociferar pelas Redes Sociais, e dizer que não dá mais. Bastou! Mas, bastou quando? Há muito tempo sabemos to- dos que os limites estão muito além das nossas tolerâncias, mas, continuamos os mesmos, procrastinando nossas reais so- luções, até a próxima tragédia, dias de novos lamentos, renovação dos choros e continuando a sermos os mesmos! Vamos pensar, analisar e pontuar o que pessoas comuns podem fazer para con- tribuírem para a mudança dessas circuns- tâncias. Vivemos atualmente a grande discus- são a respeito da redução da maiorida- de. Temos o Estatuto da Criança e do Adolescente, como uma espécie de sal- vo conduto e doutrina, anteparo contra os mais intempestivos que simplificam e reduzem questões, olhando para o pre- sente desconsiderando história, contex- to, raciocínio sociológico e humanismo. Entretanto, é chegada a hora de ampliar- mos a discussão, por razões inadiáveis. Redução da maioridade simplesmente, não vai resolver o problema. Iremos ape- nas mudar as práticas punitivas, sem ao menos questionarmos a nossa disponibi- lidade de logística, como aprimorar o nosso sistema carcerário. Não é possível pensar em mudanças sem um “conjunto de mudanças”. A verdade é que precisa ser encarada é que a sociedade (aí inseridas as autori- dades de todos os níveis) interpreta a punição, privação de liberdade, como continuidade e apartamento entre “bons e maus” indiscriminadamente. Temos que repensar sem pudor: temos uma imensa dívida social com as cama- das menos favorecidas (aí, leiam-se os pobres e miseráveis, privados de tudo, desde a sua fecundação. Já nasceram perdendo. Falar em outras possibilidades aqui é ironia). Entretanto, o mal já está feito e agora poderemos resolver o fu- turo, mas, aqueles indivíduos que fazer parte do “Grande Passivo Humano Bra- sileiro” deverão ser triados e receberão tratamentos diferenciados. Nem todo pobre é bandido, nem todo menor é as- sassino. Reduzir a maioridade indiscriminada- mente é um erro; geremos novos pro- blemas e é acima de tudo injusto. Temos que ter uma lei que diferencie os delitos. Um menor como este que matou o médi- co Jaime Gold, tem um histórico diferen- ciado. Ele está com 16 anos, mas, desde os 11, 12... Já praticava crimes violen- tos e enfrentava a polícia; (tem prisões por resistência e desacato) e usa faca como instrumento de defesa e ataque. É um criminoso de alta periculosidade. Não pode ser enquadrado na forma da lei existente. Não deve- ria ser protegido pelo atual estatuto. Vai ser recolhido mas, voltará às ruas facilmente e vai matar mais e mais... O que precisamos é de uma Lei para menores que diferencie os crimes e o histórico do crimi- noso. Um menino desse que esfaqueou médi- co Jaime Gold é caso grave, para não dizer perdido. Tem que ser contido. Deve ter pena relativa à maior idade. Esse não se inclui entre aqueles que a prisão é escola de criminalidade. Esse será professor. Ele é perverso e a psiquia- tria sabe bem os riscos que representa. Não é apenas um menino, é uma fera! E como tal, o tratamento deve ser diferenciado. Acho que poderíamos criar na Justiça, “Conselhos de Gestão e julgamento” para classificar em que código penal ele se enquadra. Haveria uma “Lei de Maioridade Flexível”. Para crimes de “gente grande” o menor vai respon- der à altura do delito e vai ter pena de “Gente Grande”. Somente assim corrigiríamos as distor- ções existentes, onde o menor é usado para a prática delituosa, ciente da impu- nidade. Precisamos de um país melhor e com uma nova juventude assistida. Teremos educação, saúde e oportuni- dades de emprego e ascensão. Assim poderemos ter um futuro mais ameno. Mas, saibam que crimes sempre exis- tirão, A natureza criminosa faz parte da espécie humana. Os perigosos que comprometem a integridade física e mental das pessoas, mesmo menores, deverão ser apartados de nós. Assim choraremos menos.
  7. 7. Niterói 23/05 a 06/06/15 www.dizjornal.com 7 Edição na internet para Hum milhão e 700 mil leitores Reforma Política AOAB terá no dia 25 de maio, a partir das 19 horas, encontro para discutir a Reforma Política. O convidado político é o deputado Federal Chico D’Ângelo (foto). A mediação será feita pelo advogado Rei- naldo Beyruth. Audiência Pública Sobre o CISP Buscando Soluções em Brasília Vereador Bruno Lessa procurou o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neses, em busca de apoio para o Diretório Regional de Niterói que pretende apresentar uma lista de candidatos a vereador com grandes chances de vitória e aumento da bancada. Com o objetivo de esclarecer dúvidas e agregar contri- buições, os vereadores Renato Cariello (PDT) e Bruno Lessa (PSDB), promovem no próximo dia 28 de maio, às 19h30minh, uma Audiência Pública sobre o CISP, que será o novo sistema de segurança a ser implantado em Niterói. Este Centro Integrado irá observar e nortear ações contra a violência urbana do município e tem o seu início de fun- cionamento previsto para julho próximo, Para Audiência foram convidados a debater o tema, representantes da segurança pública, Prefeitura Municipal e Ministério Público. Vereador Renato Cariello Menos um Jornalista Investigativo Ocorpo de Evanir José Metzker (foto), de 67 anos, foi localizado decapitado e já em avançado estado de decomposição em uma estrada na zona rural de Padre Pa- raíso, na Região do Vale do Jequitinhonha. O jornalista estava desaparecido desde a última quarta feira... Mais um jornalista investigati- vo é morto em Minas Gerais, como em todo Brasil. Posse do Novo Acadêmico Adiretoria da Academia Niteroiense de Letras está convidando para a Sessão Solene de Posse do novo acadêmico, An- tônio Alberto Araújo de Souza (foto), que ocupará a cadeira Nº 22, patronímica de Sebastião Eurico Gonçalves de Lacerda. Será às 17h do dia 17 de junho (quarta fei- ra) no Salão do Instituto Italiano di Cultura, na Avenida Presidente Roosevelt, 1.063 – São Francisco, Niterói. Será saudado pelo acadêmico Paulo Rober- to Cecchetti. Detran Sem Vistoria Épreciso que o Detran facilite a vida dos proprietários de veículos agilizando as vistorias. O sujeito paga tudo, de IPVA a DPVAT, mas não consegue agendar uma vistoria. Para motos, somente existe a possibilidade de vistoria em Nova Iguaçu ou Ilha do Governador. Quem mora em São Gonçalo e Niterói que se dane... Agora, a tal da Lei Seca deveria trocar de nome para Lei Vistoria. Eles estão na “fissura” da arrecadação e fazem blitz interessadas em documentos em dia. Faturam um horror!! Os bêbados... São menos importantes... Engarrafam a cidade para o governo apertar o cidadão que já enfrenta crise de tudo, incluindo confiança nos governos.
  8. 8. Niterói 23/05 a 06/06/15 www.dizjornal.com 8 Renda Fina Aniversariantes da Edição Eloah Tudenchlak Fátima Mader Marcelo Cruz Tetê Suzuki Vera Lucia Drumond Edição na internet para Hum milhão e 700 mil leitores Aniversário de Raissa Machado Fotos Sergio Gomes Raissa e Paulo Bagueira Milton Cunha e Raissa Machado Dudu Nobre ladeado pelos vereadores, Paulo Bagueira, Beto da Pipa e Paulo Henrique Raissa e ritmista Raissa Machado
  9. 9. Niterói 23/05 a 06/06/15 www.dizjornal.com 9 Conexões erisveltonsantana@gmail.com E! Games dizjornal@hotmail.com Jêronimo Falconi O Maior RPG de Todos os Tempos? B aseada em um romance po- lonês, a série "The Witcher", que nasceu no PC, passou pelo X360 em 2012, chegará aos consoles PS 4 e Xbox One. O terceiro jogo da fran- quia, "Wild Hunt" pro- mete ser o maior RPG já feito. Para isso, aposta em tecnologia de ponta, um roteiro digno de "Game of Thrones", atores fa- mosos e no capricho dos ambiciosos criadores: o game já foi adiado mais de uma vez para evitar as tí- picas falhas e 'bugs' de jogos desse porte. Em "Wild Hunt" você controla Geralt de Rivia, um feiticeiro, espécie de 'mutante' criado para ser um caçador de monstros. A saga continua de onde “The Witcher 2” terminou (mas uma boa sequência de flashback orienta os jogadores recém-che- gados), com os reis malignos destruídos e seus reinos em colapso. Livre das manipu- lações políticas, a jornada de Geralt é pes- soal. O bruxo vai atrás de um infame grupo chamado 'Wild Hunt', que espalha o terror por onde passa. Um detalhe importante: o mundo de "The Witcher 3" é vivo e reage às ações que Ge- ralt faz como as que ele deixa de fazer. Ao passar por uma cabana e ver bandidos ten- tando invadi-la, pode-se salvar os morado- res. Caso siga em frente, quando passar por ali novamente o dono poderá estar morto. As missões que ele passaria para Geralt ou as mercadorias que ele tinha para vender são perdidas. Além de caçar recompensas, punir bandi- dos e se envolver em pequenas aventuras, Geralt vai ter que lidar com uma ameaça muito maior, a tal 'Wild Hunt' que dá nome ao jogo. Um grupo de espíritos poderosos e maléficos (impossível não pensar nos Na- zgûl de "O Senhor dos Anéis") que assola os Reinos do Norte em busca de Ciri, uma garota ligada ao passado do feiticeiro. Ciri foi aprendiz de Geralt e possui, além do talento com a espada, uma habilidade mágica misteriosa - motivo pelo qual é per- seguida pela Wild Hunt. Em "The Witcher 3" o jogador vai controlar Ciri em certos momentos. A personagem terá cerca de 10 missões indepen- dentes das aventuras do bruxo. Com uma nova e mis- teriosa personagem ga- nhando destaque e a promessa de que "Wild Hunt" encerrará a trilogia de Geralt, fica a dúvida se o feiticeiro vai sobreviver a esse derradeiro capítulo da saga polonesa. Até a próxima!!! A Favela Avança * Ser ninguém da Prefeitura fizer algo e rá- pido, vão acabar fixando para sempre estas novas invasões (faveladas) aqui em Santa Rosa. O Beltrão já pode ser chamado de Favelão. Será que estão esperando passar o tempo para oferecerem “títulos de lega- lização”? Este PT só pensa nos votos que poderão ser trocados. Nós que pagamos IPTU não temos direitos. Só a obrigação de pagar... Avenida Sete de Setembro Qual é o problema da Avenida Sete, aqui em Icaraí? Qual a razão de bandido gostar tanto de atuar nesta rua? Toda hora alguém é assaltado, ladrão de bicicleta rouba cor- dão de alguém, roubam e furtam carros à vontade... E a Polícia que sabe destas ações? Deveria ficar de plantão, que significaria prender aos montes... Será que só nós percebemos esta estratégia? A Novela das Escolas de Samba O que está aí na foto é o re- trato dos restos da destruição das alegorias das Escolas de Samba de Nite- rói. A prefeitura está prometen- do ceder um novo lugar para ser o novo depósito da Liga. Os prejuízos, que dizem agora, de 700 reais, irão ser pagos pela construtora res- ponsável pela obra do quartel da Guarda Municipal. Vamos ver... Publiquem isso. Vai ser documento no futuro. A Saúde Agoniza Vocês viram o protesto nas Barcas contra a situação da Saúde em Niterói? Vocês não estão mostrando o caos da Saúde na cida- de. Estão com medo de sobrar para o se- cretário de Saúde do Estado, Felipe Peixo- to? Estou falando de Niterói. É a saúde do município que está ruim. Quero ver vocês publicarem... A Casa Ficou Pronta Falaram tanto. Fizeram tanta onda e aquela casa lá no alto do Morro da Viração, área de Preservação Ambiental, foi construída no peito e está pronta. E agora? Vão man- dar derrubar? Eu duvido. A prefeitura disse que embargou, que iria multar... No fim, está lá, ao arrepio da lei. Quem manda é o dinheiro...
  10. 10. Niterói 23/05 a 06/06/15 www.dizjornal.com 10 Fernando Mello - fmelloadv@gmail.com Fernando de Farias Mello Fachin no Supremo Tribunal Agora, estamos diante do novo Ministro do STF escolhido pela presidente Dilma. A escolha do Ministro pelo Presidente da República, claro, está na Constitui- ção. Assim como, lá nos Estados Uni- dos da América, também é escolhido pelo presidente. Dilma demorou-se demais na sua es- colha e acabou por indicar Luiz Edson Fachin. Todos nós esperamos por um nome que revele imparcialidade. Um nome que seja representativo das mais altas categorias do judiciário. Isso inclui advogados competentes (não neces- sariamente famosos), juízes, desem- bargadores ou Ministros do STJ. Competência, imparcialidade e exce- lência no saber jurídico são condições imprescindíveis. Temos um exemplo de escolha de Mi- nistro do STF que muitos não concor- dam até hoje. Foi o caso do Ministro Toffoli, considerada por muitos um escolha, digamos, não muito técnica. Dias Toffoli foi advogado da CUT e li que foi reprovado duas vezes no concurso para magistratura (o que, na verdade, de nada importa). Foi advo- gado do PT. Foi professor de Direi- to Constitucional em Brasília, depois subchefe da Secretaria vinculada à Presidência da Re- pública. Foi nome- ado advogado Ge- ral da União. Toffoli jamais es- creveu uma obra jurídica sequer e quando foi para o STF tinha apenas 41 anos. Jovem demais, muitos co- mentaram, já que para o cargo de Ministro do STF os “candidatos” de- veriam estar entre pessoas que tam- bém possuíssem a chamada “experi- ência de vida”. Portanto e com esse currículo, que em comparação aos outros mem- bros do STF é, no mínimo, enxuto de- mais, Dias Toffoli foi o escolhido, la- mentavelmente e provavelmente, pela sua amizade junto aos poderosos do PT. Uma pena que tenha sido, então, uma escolha eminentemente política. Imagino o dia-a-dia do Ministro To- ffoli, tendo que provar, para todos e a todo o momento, que é imparcial. Uma vida profissional horrorosa, na minha simplória opinião. Voltando ao indica- do por Dilma e recém aprovado na CCJ e no Senado, Fachin, apesar de possuir um currículo muito mais vultoso e de reconhecido saber jurídico, tem lá as suas simpatias com a política do PT, o que deixa a todos de cabelo em pé mais uma vez. Lula jamais gostou do judiciário, quan- do a sentença não lhe era favorável, claro. Lembra muito o Hugo Chaves. Será que o Fachin não levou esse fato em conta? Já vi muitos militantes do PT vocifera- rem contra sentenças e acórdãos do judiciário. Eles parecem, realmente, nutrir um reduzido respeito às leis. Fachin precisará provar sua total im- parcialidade ao defender a nossa Constituição no STF. É para isso que um Ministro está por lá, para em sín- tese defender a nossa Carta Magna. Imparcialidade nos julgamentos, au- sência de qualquer vínculo político, ser até legalista, pois as leis somente podem ser alteradas por outra prove- niente do Congresso, claro. Neste aspecto, o nosso Congresso é terrível, jogando muita matéria obs- cura no colo do Supremo, que acaba legislando, tarefa que não faz parte da sua condição constitucional. Assim, meus amigos, teremos que torcer para que Fachin esteja real- mente imbuído na tarefa de servir ao Judiciário e à sociedade sedenta pela aplicação real das leis. E que seja da maneira mais incrivelmente basilar e necessária: sendo imparcial. Fernando Mello, Advogado www.fariasmelloberanger.com.br e-mail: fmelloadv@gmail.com ATENÇÃO PARAA MUDANÇA Novos e-mails do Jornal Diz Redação dizjornal@hotmail.com | contato@dizjornal.com Editoria edgardfonseca22@hotmail.com DIZ EDITORA Edite seu e-book com o mínimo de dispêndio. Consulte-nos 21 3628-0552
  11. 11. Niterói 23/05 a 06/06/15 www.dizjornal.com Pela Cidade 11 Edição na internet para Hum milhão e 800 mil leitores Tomou posse no último dia 4 de maio no plenário da Câmara de Vereadores de Niterói a nova Comissão Executiva do Diretório Municipal de Niterói do PSDB. Para o man- dato foram eleitos, Silvio Lessa, presidente; Carlos Augusto Coimbra de Melo, vice-presidente; Marcia Pinho, secretário Geral; Pedro Pires, tesoureiro; 1º vogal, Igor Abdala e 2º vogal, Robson Chagas Resende. Como suplentes, Paulo Lemos de Almeida, Pedro Lomelino, Marta Menezes e Rafael Vollu. O PSDB de Niterói tem dado atenção especial à entrada de mulheres no partido através das ações do PSDB Mulher, presidido por Zezé Gomes, fato que propiciou o crescente número de ativistas e resultará numa expressiva nominata de candidatos a vereador com forte marca feminina. A Nova Executiva do PSDB Energia das Marés Com curadoria de Paulo Roberto Cecchetti, no Museu do Ingá, às 19h,será o vernis- sage da exposição “Energia das Marés” de Albenzio Almeida Alsquared. O período de exposição será de 12 de junho a 05 de julho. No dia 27 de junho, às 14h terá Visita Assistida. O Museu do fica na Rua Presidente Pedreira, 78, Ingá, Niterói. Notável Jurista 2014 No dia 15 de maio, o Clube dos Advogados de Niterói comemorou 31 anos de fundação em noite festiva na OAB Niterói. No ensejo promoveu homenagens às personalidades do mundo do Rio de Janeiro no evento “ Notável Jurista 2014”. A Associação dos Clubes dos Advogados do Estado do Rio de Janeiro, ACAERJ, pre- sidida por Reinaldo de Almeida, deu posse ao novo Conselho Deliberativo e Fiscal. A noite foi abrilhantada pelo cerimonial da jornalista Karla Simões e entre as perso- nalidades ilustreis estavam: o jurista Técio Lins e Silva, o desembargador Roberto Guimarães e o embaixador Sérgio Nogueira Lopes. O Dia do Poeta Por iniciativa do vereador Bruno Lessa (PSDB) foi aprovado em primeira e segunda discussão, com dispensa de interstício, o projeto de lei 38/2015 instituindo o “Dia do Poeta em Niterói”. A data será comemorada em 29 de março, dia de nascimento do jornalista, poeta e escritor Luís Antônio Pimentel. Divulgação PSDB Mulher O jurista Técio Lins e Silva, o desembargador Roberto Guimarães Poeta e escritor Luís Antônio Pimentel Divulgação Ullisses Franceschi
  12. 12. Niterói 23/05 a 06/06/15 www.dizjornal.com Em Foco 12 Edição na internet para Hum milhão e 800 mil leitores COMPERJ Debatido na Comissão de Educação OCentro de Integração do COMPERJ, mantido pela Petrobras em parceria com a Firjan, formou de 18 mil alunos, desde sua inauguração em 2007. A declaração foi dada pela Gerente de Comunicação e Estru- turação do COMPERJ, Aline Duarte, durante a audiência pública realizada pela Comissão de Educação da ALERJ. O presidente do colegiado, deputado Comte Bittencourt, explicou que o tema do encontro, “A formação profissional na área do COM- PERJ”, teve como objetivo fornecer ao Parla- mento dados sobre a política de formação e de qualificação desenvolvida pelas entidades a fim de atender a demanda de mão de obra do com- plexo. A reunião contou com a presença de representantes do CONLESTE, da SEEDUC, da FAETEC, da UPPES, do SEPE e da OAB. “Essa audiência é para verificar a existência de investimentos reais na área de Educação dos 14 municípios diretamente envolvidos com o com- plexo petroquímico. Precisamos nos certificar so- bre a capacitação de mão de obra para atender a demanda de profissionais para atuar, principalmente, no empreendimento. A ALERJ se coloca à disposição para contribuir no que for possível, principalmente diante das atuais perspectivas e dos novos arranjos produtivos locais” – explica Comte Bittencourt. Também presente à audiência, a representante da FIRJAN, Lu- ciana Junger, explicou que a unidade mantém atualmente cerca de 90 % de suas 17 salas ocupadas por aulas ministradas em três turnos. “Trabalhamos com os alunos tanto na teoria como na prática. Os números de nosso centro são expressivos. Só na construção civil, já capacitamos três mil profissionais que, atualmente, trabalham no complexo. Mantemos diálogo com o CON- LESTE para conhecer quais as demandas dos municípios por ele representado, a fim de levar os cursos até essas cidades. Estamos em con- versas avançadas com Itaboraí e São Gonçalo”, adiantou Luciana. Durante o encontro, o vice presidente da Fa- etec, Ubirajara Cabral, informou que a funda- ção já ofertou 133 mil vagas nos municípios de Guapimirim, Itaboraí, São Gonçalo e Magé e que a Escola Técnica Estadual Henrique Lage, em Niterói, oferece cerca de mil vagas/ano para cursos desenvolvidos em parceria com o COM- PERJ. Comte defende que a Fundação revise os cursos oferecidos em suas unidades, a fim de ampliar as possibilidades dos estudantes de receberem educação técnica em áreas que são demandas pelo complexo. “Considero pequena a articulação da FAETEC com a Petro- bras e com a FIRJAN. É preciso também estar mais próximo do CONLESTE, ouvindo suas demandas e se preparando para atendê-las. Espero da presidência da fundação uma parceria mais efetiva com essas entidades”, defende o deputado. Divulgação Deputados Comte Bittencourt e Waldeck Carneiro

×