UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA
ESCOLA DE DANÇA
IV SEMINÁRIO DE PESQUISA DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM
DANÇA/UFBA
“Políti...
IV SEMINÁRIO DE PESQUISA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DANÇA/UFBA
“Política em danç�:
O esvaziamento crítico”
CADERNO DE...
Reitora
Dora Leal Rosa
Vice-reitor
Luiz Rogério Bastos Leal
Diretora da Escola de Dança
Leda Muhana Iannitelli
Coordenador...
UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA
ESCOLA DE DANÇA
IV SEMINÁRIO DE PESQUISA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DANÇA/UFBA
“Polític...
Design Gráfico
Jacson do Espírito Santo
Editoração
Equipe da EDUFBA
Editores
Adriana Bittencourt
Daniela Amoroso
Lúcia Mat...
Apresentação
O IV Seminário de Pesquisa em Dança “Política em dança: o esva-
ziamento crítico” propõe a discussão de polít...
Editorial
Nesta IV edição do Seminário de Pesquisa, a temática propõe refletir
sobre a condição da dança enquanto ação pol...
outras Universidades que fazem parte do Seminário. Totalizam 47 co-
municações orais, 2 comunicações demonstrativas e 8 ap...
Resumos
CONFERÊNCIA DE ABERTURA: “Coreo-política e coreo-polícia: mobili-
zação, performance e contestação nas fissuras do...
10
Proposta pedagógica da dança afro na Escola Municipal
Malê Debalê
Alexandra da Paixão Damasceno de Amorim & Haialla Per...
11
Tanatológica na dança:
reflexão sobre regeneração, degeneração e biopoder
Ana Carolinha Frinhani
Orientadora: Profa. Dr...
12
não se caracteriza como ação disciplinadora, mas como necessidade:
implicada na natureza dos fenômenos como uma evidênc...
13
este aspecto, pretende-se partir de determinados conceitos enfocados
na pesquisa quanto à escrita do roteiro de AD de d...
14
acontecimento, já que a experiência estética é construída por tensões,
negociações e contaminações temporárias entre os...
15
Condições (in)visíveis
Bruna Roncari
Orientadora: Profa. Dra. Gilsamara Moura
Este artigo apresenta conexões transitóri...
16
O problema mente-corpo e algumas de suas implicações
políticas e sociais
Charlene Simão
Orientadora: Profa. Dra. Lenira...
17
por intermédio do SESu - Secretaria de Educação Superior, da CAPES
- Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal...
18
crítico, durante o chamado S.A.E. (Serviço de Atenção ao Espectador),
com o intuito de refletir sobre o espaço de parti...
19
Experimentando a alteridade na cópia em danças populares
brasileiras.
Daniela Maria Amoroso
Esse trabalho é proposto em...
20
problematizados no contexto da pesquisa acadêmica e artística em
dança. Ao considerar a capacidade de jogar como um pri...
21
Políticas culturais e mecanismos de fomento e a Dança na
Bahia
Fabio Luis Oliveira Monteiro
Orientadora: Profa. Dra. Gi...
22
projeto “Cartografias de micro e macropolíticas da dança em Salvador:
mapeamento dos campos da produção artística e de ...
23
dança? A obra supracitada propõe a criação compartilhada, observado
a tríade espectadores, obra e artista, das tensões ...
24
a conformidade social e analisam as reações das pessoas quando se está
diante da necessidade do outro em alguma situaçã...
25
fazer na contemporaneidade. Serão observadas as tensões geradas en-
tre ambos os grupos e como as decisões de cada um d...
26
Da visibilidade à hegemonia no campo da dança
contemporânea
Giltanei Amorim Paes
Orientadora: Profa. Dra. Jussara Seten...
27
universo da Capoeira Regional, pudemos estabelecer uma série de di-
álogos com sujeitos e ideias, que mediaram inferênc...
28
manifestações e nos processos de criação em rede ao buscarem um “en-
tre” lugar capaz de gerar possibilidades de existê...
29
aporte teórico autores como Strazacappa (2006), Marques (2003) e
Matos (2005), que abordam de forma geral o ensino da d...
30
A cinesfera de Laban e a dança na formação do
psicopedagogo: espaço de autonomia do corpo
Ivana Bittencourt
Orientadora...
31
Pretende-se identificar em Salvador as diferentes configurações de or-
ganizações socioculturais, redes, associações e ...
32
termo que provoca mudanças políticas na compreensão de corpo e os
desdobramentos de suas relações com a dança.
Palavras...
33
O processo de criação compartilhado:
dançando em coletivo
Lucas Valentim Rocha
Orientadora: Profa. Dra. Gilsamara Moura...
34
Movimentos da Dança em Camaçari e Lauro de Freitas
Lucia Matos (coord.); Teresa Oliveira; Jacson Espírito Santo; Manuel...
35
não, e também, é lugar de criticar e expor uma situação que merece
interferência critica. Minha intenção nessa apresent...
36
organização e soluções que o desvincula da condição de padrões e
regras para a condição de investigação, desdobra-se a ...
37
sentidos e mover contextos. Nesse sentido, percebe-se que as expe-
riências não se reduzem, nem se simplificam, mas ger...
38
da Escola: educando o olhar” foi criado em 2010 sob a coordenação da
professora Mestra Virgínia Maria Suzart Rocha, tem...
39
com Dança, o estudo propõe a análise das atuais formas de inserção
da Dança no Ensino Médio. Esta pesquisa de abordagem...
40
análise voltada para a videodança sugerida por Schulze (2012). A ima-
gem é percebida em três dimensões possibilitando ...
41
Brincar e dançar... É só começar
Michelle Lisboa Oliveira, Aline Teixeira Amado, Diana Magnavita Moura & Joselina
Araúj...
42
Dança Contemporânea no espaço público:
dispositivos de interatividade entre artistas e fruidores
Milianie Lage Matos
Or...
43
Dança digital na potência de uma biodança
Natalia Pinto da Rocha Ribeiro
Orientadora: Profa. Dra. Ludmila Martinez Pime...
44
Programação cultural como embrião para uma política para
a dança
Neila Cristina Baldi
Orientadora: Alexandra Cristina M...
45
A democratização falida da américa latina:
questões sobre públicos, acesso e distribuição de artes
contemporâneas
Nirly...
46
Análise das abordagens metodológicas para o ensino da
dança em projetos comunitários e em ONG’s de Lauro de
Freitas
Pam...
47
Escrita Metafórica:
uma operacionalidade simultânea de percepção,
comunicação e emancipação do corpo na dança
Patrícia ...
48
em processo coreográfico de dança contemporânea. O estudo se deu
através de pesquisa in lócus, na cidade de Cachoeira –...
49
Panorama da inserção da dança em projetos não
governamentais em Salvador e suas práticas pedagógicas
Renilda Bispo dos ...
50
e de dança que essa proposta gera no Ensino Médio, selecionaremos
duas escolas estaduais desse nível de ensino localiza...
51
mundo para levantar material a ser utilizado em suas montagens core-
ográficas. Hoje, muitos são os relatos de proposta...
52
investigação quando aponta a natureza indisciplinar do corpo e propõe
que os estudos sobre o corpo produzam novas metod...
53
na Educação Básica. Como proposta de corporificação do discurso que
enuncio, no que tange a avaliação mediadora como ce...
54
Assim, a dança pode ser resultado das sínteses transitórias das rela-
ções que constrói e pelas quais é construída. Des...
55
transgride (desde o nome) as regras de convívio e ocupação do espaço
urbano, pelo seu uso dessacralizador da segregação...
Caderno resumos iv_seminario_danca
Caderno resumos iv_seminario_danca
Caderno resumos iv_seminario_danca
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Caderno resumos iv_seminario_danca

1.056 visualizações

Publicada em

caderno de resumos IV Seminário PPGDança, Salvador, UFBA: 2013.

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.056
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Caderno resumos iv_seminario_danca

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE DANÇA IV SEMINÁRIO DE PESQUISA DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM DANÇA/UFBA “Política em danç�: O esvaziamento crítico” CADERNO DE RESUMOS 02 a 04 de Dezembro de 2013 Escola de Dança/ UFBA
  2. 2. IV SEMINÁRIO DE PESQUISA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DANÇA/UFBA “Política em danç�: O esvaziamento crítico” CADERNO DE RESUMOS Universidade Federal da Bahia
  3. 3. Reitora Dora Leal Rosa Vice-reitor Luiz Rogério Bastos Leal Diretora da Escola de Dança Leda Muhana Iannitelli Coordenadora do Programa de Pós-Graduação de Dança Lúcia Matos Comissão Científica Profa. Dra. Adriana Bittencourt Profa. Dra. Daniela Amoroso Profa. Dra. Fátima Daltro Profa. Dra. Fátima Wachowicz Profa. Dra. Gilsamara Moura Profa. Dra. Lúcia Matos Comissão Organizadora Gilsamara Moura (coord.) Daniela Amoroso Lúcia Matos Produzido com recursos oriundos do “Projeto de Qualificação do Programa de Pós-Graduação em Dança/UFBA, aprovado no edital 04/2013, Apoio a Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu, acordo Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior –CAPES e a Fundação de Amparo à pesquisa do Estado da Bahia - FAPESB.
  4. 4. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE DANÇA IV SEMINÁRIO DE PESQUISA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DANÇA/UFBA “Política em danç�: O esvaziamento crítico” CADERNO DE RESUMOS 02 a 04 de Dezembro de 2013 Escola de Dança/ UFBA
  5. 5. Design Gráfico Jacson do Espírito Santo Editoração Equipe da EDUFBA Editores Adriana Bittencourt Daniela Amoroso Lúcia Matos Edição PPGDança / Escola de Dança – Universidade Federal da Bahia Rua Adhemar de Barros, S/N. Ondina - Salvador FICHA CATALOGRÁFICA Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Dança/UFBA (4. : 2013 : Salvador, BA). Caderno de resumos [do] IV Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Dança/UFBA, Salvador, BA, 02 a 04 de dezembro de 2013 / Adriana Bittencourt, Daniela Amoroso, Lúcia Matos, editores. - Salvador: UFBA, 2013. 57 p. Tema: “Política em dança : o esvaziamento crítico”. ISSN 2316-9443 1. Dança - Congressos. I. Bittencourt, Adriana. II. Amoroso, Daniela. III. Matos, Lúcia. IV. Título. CDD - 792.8
  6. 6. Apresentação O IV Seminário de Pesquisa em Dança “Política em dança: o esva- ziamento crítico” propõe a discussão de política em seus múltiplos discursos, uma vez que o fazer crítico torna-se possível quando há posicionamentos, ações, pensamentos e práticas plurais que ge- ram contradições e tensionam os ambientes e as relações de poder. Interessa problematizar a condição política da dança em suas relações com os diferentes contextos. O Seminário está organizado nas seguintes mesas temáticas: Política em dança no contexto educacional; Política em dança no contexto artístico e cultural; Política em dança e propostas trans- disciplinares; e, Política em dança para a difusão e produção de conhecimento. Nesta edição temos a honra de recebermos para a conferência de abertura o prof. Dr. André Lepecki, (New York University) com o tema “Coreo-política e coreo-polícia: mobilização, performance e contes- tação nas fissuras do urbano”. Desejamos que este seja mais um espaço de compartilhamento de conhecimento e de encontros. Bom Seminário para todos. Comissão Organizadora
  7. 7. Editorial Nesta IV edição do Seminário de Pesquisa, a temática propõe refletir sobre a condição da dança enquanto ação política a partir de pesqui- sas e ações específicas que garantam sua sobrevivência como área de conhecimento. Discutir sobre o “lugar e o papel” de uma política em dança, sugere observar o entendimento de política em sua natureza conceitual, para então se pensar em ações particularizadas com suas distintas funções e setores que a representam. O viés, aqui apresen- tado, propicia estimular questionamentos que se inserem na reflexão crítica do próprio conceito como ação, uma vez que abre espaços para discutir os modos pelos quais a dança, exercita sua construção crítica diante de normas generalizantes e institucionalizadas com suas pri- vilegiadas premissas calcadas no consenso. Será que a conduta para a sua permanência se baseia numa construção cujo entendimento gera replicações uniformizadas numa redoma dos pseudos acordos? Parte-se do entendimento de que a crítica emerge pela diferença e, portanto, ocorre nos agenciamentos que explicitam os acordos, as congruências e incongruências dessa ação. As evidências da pluralida- de de se pensar o próprio tema, é que faz desse Seminário um ambiente abrangente e de complexidade. Assim, promove a percepção de modos de negociações e posicionamentos a partir de inserções particulares e coletivas no campo da dança, uma vez que expõe atuações profissio- nais, características e pesquisas diversificadas como desempenhos que podem gerar possibilidades de transformações para a área. O IV Seminário “Política em Dança: o esvaziamento crítico” ofe- rece a percepção de uma trajetória ao longo de quatro edições sobre a importância da ação acadêmico-artística, que tem como mote a produção de conhecimento em sua vertente diversificada, calcada no pensamento contemporâneo de dança. Este Caderno de Resumos agrega as palestras, comunicações, vin- culados a projetos de pesquisa de professores de professores desta e de
  8. 8. outras Universidades que fazem parte do Seminário. Totalizam 47 co- municações orais, 2 comunicações demonstrativas e 8 apresentações de pôsteres resultantes de pesquisas PIBIC/PIBID, contando com um público aproximadamente, de 200 pessoas. Aos participantes e autores que contribuíram com suas pesquisas e ideias, nossos agradecimentos e a expectativa de construção de um ambiente que se move pelos di- versos modos de se pensar a dança. Editoras
  9. 9. Resumos CONFERÊNCIA DE ABERTURA: “Coreo-política e coreo-polícia: mobili- zação, performance e contestação nas fissuras do urbano” Prof. Dr. André Lepecki* A conferência abordará de que modo “coreografia” pode ser usada simultaneamente como prática política e como enquadramento teórico que mapeia, de modo incisivo, performances de mobilidade e mobili- zação em cenários urbanos de contestação.  Tomando como ponto de partida práticas artísticas que implicam diretamente as tensões sociais que formam e performam as fissuras do urbano, minha proposta é que tais práticas revelam coreo-policiamentos sutis que (pre)definem o espaço urbano como imagem do consenso neo-liberal. *Professor Associado no Department of Performance Studies, New York University.DoutorpelaNewYorkUniversity(2000)éautorde Exhausting Dance: performance and the politics of movement (2006), traduzido atualmente em 9 línguas. Coordenador editorial das antologias, Of the Presence of the Body (2004); The Senses in Performance (com Sally Banes, 2007); Planes of Composition: dance, theory and the glob- al (com Jen Joy, 2009); e Dance (2012). Foi bolsista de pós-graduação das Fundações Gulbenkian e Luso-Americana; Investigador de Pós- Graduação no Instituto Nacional de Investigação Científica / Centro de Estudos de Sociologia, Universidade Nova de Lisboa. Em 2009 foi Fellow do Instituto de Altos Estudos “Interweaving Performance Cultures” na Freie Universität, Berlin. Palestras de destaque incluem: Gauss Seminar at Princeton University, Brown University, University of California Davis, University of California Santa Cruz, University of Basel, UFRJ, ISCTE, Museo Reina Sofia, Hayward Gallery, Haus der Kulturen der Welt, Berlin. Foi curador do festival IN TRANSIT, na Haus der Kulturen der Welt, Berlin em 2008 e 2009. Co-curador do arquivo Dance and Visual Arts, para a exposição MOVE: choreographing you, Hayward Gallery. Premiado pela Associação Internacional de Críticos de Arte (EUA) em 2008 por “Best Performance 2007” pela direção de “18 Happenings in 6 Parts” de Allan Kaprow. No segundo semestre de 2013, é Professor Convidado no Curso de Pós-Graduação da Escola de Comunicação da UFRJ, com uma bolsa CAPES/PVE.
  10. 10. 10 Proposta pedagógica da dança afro na Escola Municipal Malê Debalê Alexandra da Paixão Damasceno de Amorim & Haialla Pereira de Souza No campo educacional, a lei 10.639 torna obrigatório o ensino da his- tória e cultura africana. A Dança Afro é uma importante manifestação artístico-cultural que valoriza a cultura negra e as matrizes africanas. Existem alguns blocos afros em Salvador-BA, vinculados a escolas municipais. Assim, o presente texto tem como objetivo identificar a concepção curricular da Dança Afro no projeto político-pedagógico (PPP) da Escola Municipal Malê Debalê. Trata-se de um estudo de caso que utilizou da análise documental e entrevista para coleta de informa- ções. Como instrumento de análise dos resultados utilizou-se a análise de conteúdo. A proposta pedagógica da Escola Municipal Malê Debalê é voltada para introdução de ritmos e movimentos corporais, conscien- tização da cultura negra, símbolos e saberes elaborados e desenvolvidos na quadra da sede do bloco. As aulas buscam valorizar a mulher e o homem negro numa visão política, histórica e cultural. Atualmente ocorrem duas vezes na semana a partir de demandas advindas dos alunos aliando atividades coreográficas com experiências teóricas interdisciplinares sobre temas que remetem a cultura negra. Conclui- se que no PPP da Escola Municipal Malê Debalê há uma preocupação que se materializa de aplicação do processo de ensino-aprendizagem da história e cultura africana numa experiência vivida valendo-se da Dança Afro como importante e principal estratégia didático-peda- gógica para tratar sobre este conhecimento partindo desde um viés físico-biológico do corpo até um viés sócio-histórico-cultural. Palavras-Chave: Dança; Dança Afro; Currículo; Ensino Fundamental.
  11. 11. 11 Tanatológica na dança: reflexão sobre regeneração, degeneração e biopoder Ana Carolinha Frinhani Orientadora: Profa. Dra. Ludmila Pimentel Tomando como referencia o texto “Tanatopolítica (O ciclo de Ghenos)” do livro “Bios: biopolítica e filosofia”, no qual Roberto Espósito (2010) discorre sobre a biopolítica nazi préviamente interpretada por Michael Foucalt, reflete-se nesse artigo sobre uma possível tanatológica segui- da pela dança em algumas instâncias. O que se propõe aqui é construir um diálogo entre regeneração, degeneração e biopoder na dança e ain- da pensá-la como uma estrutura mutável que se movimenta dentro de uma conjuntunra específica, podendo passar por estados tanto de exceção quanto de norma, desconstruindo-se e reconstruindo-se das mais diversas maneiras possíveis. Palavras-Chave: Tanatopolítica; Degeneração; Regeneração; Dança. A restrição como condição de possibilidade de novas organizações Adriana Bittencourt & Aline Vallim Esse artigo explora uma nova hipótese sobre a noção de restrição, ao se tecer no âmbito do dissenso, quando a entende como condição de possibilidade, distanciando-a de uma habitual aplicação calcada em ações de controle e de limite. Tal posicionamento propicia uma tensão quando reconhece seu emprego atrelado a domínio e inserido numa lógica de mecanismos disciplinadores. É o corpo rendido às simula- ções geradas nas relações entre informação e contexto, renunciando a sua autonomia como tributo as hierarquias de poder.  A restrição, assim, tende a construir uma espécie de padrão em seus tratos pela instrução, delineada na previsibilidade e na consequência, no requi- sito de resultados prévios. Utilizada como estratégia de controle, se configura via regras que regem condutas. Em outro viés, a restrição
  12. 12. 12 não se caracteriza como ação disciplinadora, mas como necessidade: implicada na natureza dos fenômenos como uma evidência da pró- pria existência.  Sua condição de possibilidade se faz exatamente num desdobrar de um continuum de seleções e adaptações, o que permite compreende-la como possibilidade de outros modos de organização. Nessa face, que se apresenta contrária em sua concepção, a crítica se manifesta ao se distanciar de uma compreensão já estabilizada para provocar a percepção da vinculação entre a aparência e a restrição. Não se define e nem se limita as ações dos sujeitos, mas se apresenta como característica de existência. Tem-se, aqui, uma ação política, pelo seu caráter de oposição ao consenso, ao lançar um enunciado que emerge pelo risco, já que se indicia subsidiado pelo anseio da transformação. Palavras-Chave: Restrição; Possibilidade; Dança; Política. Por uma poética da audiodescrição de dança: uma proposta para a cena da obra Pequetitas Coisas Entre Nós Mesmos Ana Clara Santos Oliveira. Orientadora: Profa. Dra. Fátima Daltro Campos de Castro. A proposta surge como reflexão da pesquisa de Mestrado no que tan- ge a problematização da condição política da audiodescrição de dança (AD de dança) no contexto artístico e cultural brasileiro com ênfase em dois aspectos. O primeiro, diz respeito à obrigatoriedade da AD de dança nos espaços de arte/cultura como direito garantido pela legis- lação brasileira direito este, ainda invisível na contemporaneidade. O segundo refere-se às Normas Internacionais de Audiodescrição que foram apresentadas na pesquisa como contraditórias e não específicas para a dança, mas seguidas como regras universalizantes nos âmbitos locais. A ideia é construir um pensamento crítico olhando para a lei 10.098 (BRASIL, 2000) para discutir a falta de cumprimento nos es- paços de arte/cultura, bem como levantar discursos sobre as regras estabelecidas nas Normas ainda aplicadas com fidelidade no Brasil. Para
  13. 13. 13 este aspecto, pretende-se partir de determinados conceitos enfocados na pesquisa quanto à escrita do roteiro de AD de dança, através do entendimento de recriação/transcriação de Campos (1992) e, das epis- temologias do Sul de Santos (2002). A cena da obra Pequetitas Coisas Entre Nós Mesmos (2011), do Grupo X de Improvisação em Dança, que nutriu na busca de uma Poética da AD de dança para a construção dos primeiros parâmetros no roteiro através do “Dicionário Laban” de Rengel (2003), com a cocriação do público-alvo a partir do fazer da dança, sobretudo do fazer improvisacional, permitirá pensar mais profundamente acerca do que se pode denominar de uma política em AD de dança. Palavras-chave: Audiodescrição; Dança; Deficiência Visual; Cocriação. Estética do acontecimento: corpo, intersemiose e risco como agente compositivo Anderson Marcos da Silva Orientadora: Profa. Dra. Adriana Bittencourt Machado Neste artigo, pretende-se desenvolver relações entre conceitos da termodinâmica de não equilíbrio e processos de criação em dança. A partir da fundamentação na irreversibilidade do tempo e com a com- preensão de que a instabilidade impulsiona a evolução dos sistemas, a dança pode ser pensada como emergência em um espaço-tempo de sucessivas (inter)semióses, visto que sua constituição seria resultante de acordos provisórios entre corpo e ambiente em busca de metaes- tabilidades. Quando não há a pretensão da previsão ou da repetição nos processos criativos e as escolhas estéticas e políticas se dão de forma contextual, o caráter autorreferencial do signo estético é poten- cializado, de modo que a obra se torna, explicitamente, signo de si e fenômeno. Tais referenciais permitem concluir que, nas configurações em que as coerências são criadas em tempo real, o risco pode se tornar agente compositivo. Nestes casos, a dança parece se afastar dos códi- gos e dos modelos pré-estabelecidos e poderia se configurar como um
  14. 14. 14 acontecimento, já que a experiência estética é construída por tensões, negociações e contaminações temporárias entre os diferentes sistemas de signos que a constituem. Palavras-Chave: Dança; Estética; Intersemiose; Risco. O ensino da dança na Escola Municipal Malê Debalê (Poster) Andréia Soares & Bruno de Jesus Orientadora: Profa. Ms. Virgínia M. S. Rocha Este relato de experiência refere-se ao trabalho desenvolvido no ano de 2012 pelos discentes da UFBA e bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação a docência – PIBID Dança/ UFBA. Teve como local de trabalho e estudos a Escola  Municipal Malê Debalê, realizado com crianças de idades entre 04 e 13 anos. Os bolsistas partilharam experiências de dança, relacionando com as interferências e modifi- cações que a dança pode reverberar no corpo, biopsicossocial, sob a supervisão da docente Maira Di Natale e da Coordenação da professora Virgínia M. Suzart Rocha/UFBA.Um dos focos da pesquisa dos bolsistas realizada neste espaço escolar é despertar nestas crianças a consciência corporal desta anatomia humana assim como as reverberações que as ações destes corpos interferem, modificam e colaboram com o meio social. Utilizando metodologia dialógica e participativa, tendo como base pedagógica para o desenvolvimento e coerência do processo, teo- rias do educador Paulo Freire, dentre outros autores que corroboraram com a pesquisa. Tivemos como resultados importantes desta pesquisa a percepção da importância do planejamento dialógico para prática docente, a necessidade de buscar autores que contribuam para desen- volvimento da pesquisa; percebemos também que as crianças tinham um sentimento de pertencimento a um grupo e “empoderamento” quando percebe que é inteligente e produz cultura, dentre outros resultados. Palavras-Chave: Corpo; Dança; Educação.
  15. 15. 15 Condições (in)visíveis Bruna Roncari Orientadora: Profa. Dra. Gilsamara Moura Este artigo apresenta conexões transitórias entre conceitos, ações e fragmentos de diálogos produzidos em laboratórios teórico-práti- cos, realizados com outros alunos do Mestrado em Dança da UFBA. Aponta algumas oposições – ser/ter, visível/invisível, homem/mulher – como pontos de tensão de condições de existência subjetiva. Alude ao devir-mulher como linha de fuga, e a estratégias de envolvimento em processos criativos como possibilidade de desestabilização dessas posições, buscando outras visibilidades, formas de ver/ouvir/tocar a dança, e abrindo acesso mutuo entre corpos. Palavras-Chave: Visível/Invisível; Devir-Mulher; Potências de Ação. Filosofia e artes performáticas Carmen Paternostro Numa reviravolta de perspectiva assinalo com esse resumo um desejo de abordar o problema do esvaziamento crítico através do reencanta- mento da crítica. A revitalização da produção crítica como elemento propulsionador seria o ponto de partida. Em muitas ocasiões o objeto da crítica deixa de ser um sistema organizado para ser apreciado e pas- sa para uma categoria inferior sujeitado a enxurradas de associações de materiais semânticos manipulados por excessiva subjetividade. O advento de experiências pós-modernas trouxe a perspectiva de se tra- balhar na cena refletindo critica e intermediamente, democratizando e reencantando a critica para uma análise que reconhece a necessidade de olhares múltiplos. O olhar crítico reencanta-se no espírito da ma- téria contemplada. Palavras-Chave: Crítica; Reencantamento; Subjetividade; Pós-Modernidade.
  16. 16. 16 O problema mente-corpo e algumas de suas implicações políticas e sociais Charlene Simão Orientadora: Profa. Dra. Lenira Peral Rengel O presente artigo estabelece uma relação entre o dualismo que sepa- ra corpo e mente e algumas de suas reverberações políticas e sociais. Inicialmente, aborda como um problema ontológico a divisão cor- po-mente. Através dos estudos do filósofo Paul Churchland explica essa divisão, por meio de teorias dualistas da mente como o dualis- mo de substância e o dualismo de propriedade. Investiga os primeiros vestígios da separação corpo-mente e chega à conclusão de que esse dualismo é aceito pela maioria das pessoas, por motivos religiosos ou não. Em seguida, o trabalho investiga quais implicações políticas e so- ciais que o problema ontológico corpo-mente pode gerar. Para isso, traça um paralelo entre alguns aspectos dos conceitos de Biopolítica e de Tanatopolítica, discutidos a partir do filósofo Roberto Esposito e, a desvalorização de um corpo apartado de sua mente. Analisa tam- bém de que modo a divisão corpo-mente reverbera em outros modos dualistas de entender o corpo utilizando textos de Cristine Greiner e Denise Najmanovich. Por fim propõe que, por meio de estudos cogni- tivos, que entendem mente e corpo sempre como composição de um organismo, será possível não apenas superar o dualismo corpo-mente como repensar e modificar suas implicações políticas e sociais. Palavras-Chave: Dualismo; Corpo-Mente; Política; Sociedade. A atuação do PIBID/Dança em escolas da rede pública de Salvador Clarice Contreiras Este artigo relata a experiência das atividades do PIBID-Dança em cin- co escolas da rede pública de Salvador. O Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência, instituído pelo Ministério da Educação,
  17. 17. 17 por intermédio do SESu - Secretaria de Educação Superior, da CAPES - Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - e do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE, promove uma articulação entre a educação superior (licen- ciaturas) e as secretarias estaduais e municipais de educação a favor da melhoria do ensino nas escolas públicas de todo o país. O programa possibilita a inserção e o contato do licenciando nas escolas da rede estadual e municipal de ensino. O sub-projeto “Arte Fora dos Muros da Escola: educando o olhar” criado em 2010 sob a coordenação da professora Mestra Virgínia Maria Suzart Rocha, tem como foco a ati- vidade sistemática de apreciação estética e a inserção da Dança como prática educacional para os educandos do ensino fundamental e médio das escolas envolvidas. A metodologia utilizada neste relato é o estudo qualitativo, de natureza exploratória e descritiva visando o registro das atividades realizadas nas escolas. O projeto PIBID eleva, questiona e redimensiona a qualidade de ensino oferecido aos educandos da rede pública de ensino e a prática dos educadores das escolas envolvidas. Portanto, a reflexão sobre as ações da supervisão nas escolas favorece a importante articulação teóricoprática, a formação dos licenciandos, a prática docente e o aprendizado escolar além de contribuir para a inserção da dança como área de conhecimento. Palavras-Chave:  Dança; Formação Profissional; Educação; PIBID. Artista-obra-público: reflexão, discurso e visibilidade na dança contemporânea Claudia Góes Muller (UFU) Ao longo do processo de HELP! I need somebody, trabalho artístico da autora, estreado em 2013, um físico apontou: - Este espetáculo deveria estrear no mundo quântico. Ao que acrescentou: - á foi comprovado que, no mundo das partículas (moléculas, átomos e partículas subatô- micas), não há como observá-las sem interferir em sua composição e organização. Em dado momento de HELP!, o público ocupa o lugar de
  18. 18. 18 crítico, durante o chamado S.A.E. (Serviço de Atenção ao Espectador), com o intuito de refletir sobre o espaço de partilha e crítica do espec- tador. No presente artigo, pretendo discutir as políticas do encontro e de participação presentes na interseção obra-público-artista em dança contemporânea: de que modo a produção artística neste campo torna-se (in)acessível ao público e como considerar, no processo e na construção da obra, os seus próprios modos de visibilidade e de cons- trução de discurso crítico. Palavras-Chave: Público; Dança Contemporânea; Discurso Crítico; Compartilhamento. Improvisação em dança: padrão como sobrevivência, memória como atualização, ruptura como desafio Claudinei Sevegnani Orientadora: Profa. Dra. Fátima Daltro A improvisação pode ser entendida como um sistema evolutivo onde se operam processos de troca e de transformação de informações en- tre corpo e ambiente que a fazem evoluir na duração do tempo. As memórias são um dos substratos de atualizações e refazimentos de movimentos, constituindo espaços de pesquisa para compreender que o que dançamos hoje não é resultado de um progresso – no senti- do de melhoria, portanto, carregado de aspectos de valoração –, mas sim no sentido de evolução, quando não existe uma noção de meta a ser atingida, e sim de processos que acontecem ao longo do tempo e que permitem transformações. A improvisação, numa perspectiva de processo evolutivo, encontra na memória sua base de continuidade e de permanência. A ruptura de padrão instaura possibilidades de so- brevivência através de ações reflexivas e críticas sobre os modos de constituição da improvisação e das memórias do corpo. Palavras-Chave: Improvisação em Dança; Memória; Psicologia Cognitiva; Processos Evolutivos.
  19. 19. 19 Experimentando a alteridade na cópia em danças populares brasileiras. Daniela Maria Amoroso Esse trabalho é proposto em formato de comunicação demonstrativa que tem como objetivo problematizar o entendimento de memória corporal a partir da cópia de passos de danças populares brasileiras. A questão em jogo, ou seja, da cópia como procedimento, tensiona a necessidade da pesquisa de campo geralmente assumida como meto- dologia para as criações em danças brasileiras. O que aconteceria se criássemos a partir de imagens? A reflexão crítica sobre o pertenci- mento, experiência, alteridade e legitimidade do intérprete vem à tona. A alteridade na dança pode sim ser experimentada pela citação e pela cópia (Launay, 2012), de modo que quando tentamos copiar um passo, jeito de dançar, modo de fazer, técnica de corpo (Mauss) estamos em alteridade ao experimentar o gesto do outro. E, quando propomos trazer a cópia/citação para a cena, tratamos de memória re- significada e que assume em cena os seus próprios desvios e limites. Nesse sentido, a noção totalizadora de memória e de identidade é de- sestabilizada no processo de busca em ‘ser o outro’ através da cópia e revela a memória como fluxo de interpretações. Metodologicamente, os vídeos serão exibidos como modo de apreensão das techniques du corps (Mauss) e a cópia e/ou citação pretende ser realizada em tempo real a partir de extratos de vídeo dessas mesmas danças. Palavras-Chave: Cópia; Alteridade; Memória; Imagem; Danças Populares. Jogo como dispositivo de profanação – uma articulação de princípios para prática da dança. Denise Torraca Soares Orientadora: Profa. Dra. Lenira Peral Rengel Para discutir política em dança, optou-se por abordar aspec- tos que integram mecanismos de ação do palhaço e que vem sendo
  20. 20. 20 problematizados no contexto da pesquisa acadêmica e artística em dança. Ao considerar a capacidade de jogar como um princípio de ação na palhaçaria se articula o conceito de profanação de Giorgio Agamben (2007), no qual o jogo é integrado à discussão como uma nova dimensão do “uso” que especialmente as crianças conferem a humanidade. De tal modo, a potência política do palhaço está no exercício de alterida- de implicado em sua prática, que se desenvolve a partir da capacidade de jogar com aquilo que, em geral, tornamos socialmente indisponí- vel. Potência, no entanto, é aqui compreendida como capacidade de agir, de afetar e ser afetado pelo outro (KÁSPER, 2004). A prática des- tes princípios no processo artístico em dança pode contribuir para o questionamento de valores – ou padrões – que se propagam indiscri- minadamente atuando num plano político muito sutil. Palavras-Chave: Profanação; Potência Política; Dança. Política, dança e o esvaziamento da crítica Fabiana Dultra Britto Pensar a política em dança é pensar suas condições de resistência à força reiterativa das hegemonias constituídas e suas armadilhas de apropriação do pensamento critico pela inversão dos polos de refe- rência combativa (Rancière). Esse artigo se propõe a refletir sobre a situação acrítica por que passa a institucionalização dos sistemas de produção artística e teórica em dança, tomando a relação da dança com a universidade como sintoma do que chamaremos de parado- xo da coplasticidade – que tanto expressa o triunfo da cientificidade como valor artístico quanto a ascenção da categoria estética como parâmetro de qualificação científica – ressaltando a responsabilidade da pesquisa acadêmica como fator dissensual aos modismos, capaz de desestabilizar discursos hegemônicos, consensuais e homogeneizantes responsáveis pela manutenção do status quo, próprios aos contextos apaziguados. Palavras-Chave: Política; Dança; Dissenso; Crítica.
  21. 21. 21 Políticas culturais e mecanismos de fomento e a Dança na Bahia Fabio Luis Oliveira Monteiro Orientadora: Profa. Dra. Gilsamara Moura O artigo proposto tem por objetivo fazer reflexões sobre as políticas públicas para a dança, desenvolvidas pelo Governo do Estado da Bahia, no período de 2007 a 2010, que corresponde ao primeiro mandato do Governo Jaques Wagner. Serão exploradas, para tanto, os estudos sobre o entendimento de Cultura e de Políticas Públicas dos pesqui- sadores Isaura Botelho, Teixeira Coelho e Alexandre Barbalho, para, a partir destes,  encontrar pontos de tensão entre o que se entende por política pública e as diretrizes e ferramentas governamentais que fo- ram postas em prática. A partir do levantamento bibliográfico feito dentro do PPGDança, este artigo irá relacionar estudos sobre Cultura e Políticas Culturais num viés crítico e colaborar com a pesquisa que o autor está desenvolvendo no Mestrado Acadêmico em dança, onde busca trazer à tona relações sobre as implicações que os mecanismos de fomento para a cultura, e mais especificamente para a dança, nos processos criativos. O autor acredita que as políticas culturais podem limitar o trabalho de criação dos artistas comprometendo os processos criativos e, por consequência, as obras. Palavras-Chave: Dança; Cultura; Políticas Públicas; Editais. Grupos de Dança em Salvador: mapeamento de grupos profissionais,  amadores e de seus modos organizativos Bolsista IC: Fabio Santos Silva Orientador: Profa. Dra. Lúcia Matos O presente estudo, com foco num levantamento de grupos profis- sionais e amadores de dança em Salvador, refere-se a pesquisa de Iniciação Científica (PERMANECER - PROAE-UFBA) vinculada ao
  22. 22. 22 projeto “Cartografias de micro e macropolíticas da dança em Salvador: mapeamento dos campos da produção artística e de formação” coor- denado pela profa. Dra. Lúcia Matos e desenvolvido no âmbito do grupo de pesquisa PROCEDA – Processos Corporeográficos e Educacionais em Dança. Tem como objetivo realizar a primeira etapa de um levan- tamento dos agentes da dança (grupos profissionais e amadores) que atuam em Salvador, selecionado um grupo para análise de seu modo de organização. Para tanto, nesta fase da pesquisa, aplicaremos um formulário visando a coleta de dados para a criação de um cadastro dos agentes da dança atuantes no campo artístico no município de Salvador.  A partir desse panorama, escolheremos um desses grupos identificados para analisar sua forma organizativa. Assim, espera-se conhecer a particularidade desse grupo de dança e articular esse cená- rio com discussões sobre o campo de atuação das políticas culturais e educacionais  para a Dança. Palavras-Chave: Dança; Salvador; Grupos; Mapeamento. Investigando possibilidades de criação: experiência entre o Grupo X de Improvisação em dança e as lavadeiras do Alto das Pombas Fatima Daltro & Maria Carolina Leite Esta comunicação tem como escopo investigar os processos de criação da obra “No Jardim de Fulaninhas”, a partir da análise das estratégias e jogos coreográficos utilizados pelo grupo x de improvisação em dança junto ás mulheres da lavanderia de Alta das Pombas. Investiga e ex- plora os assuntos do cotidiano social para a criação de poéticas para dança aproveitando a ambiência local. O espaço é observado do pon- to de vista de sua construtibilidade e de sua inerente mobilidade ao sofrer a intervenção do corpo/movimento. No jardim das fulaninhas, perguntamos... o que do outro nos afeta e como o afetamos? Como o corpo aproveita, elimina e transforma algumas ideias que foram sen- do criadas “juntas” e que servem de ações para a composição em/de
  23. 23. 23 dança? A obra supracitada propõe a criação compartilhada, observado a tríade espectadores, obra e artista, das tensões e intencionalidades que são criadas através das relações espaço temporais entre eles e que são aproveitadas como mote durante a cena. Para falar das relações es- paços temporais e dança, dialogaremos com Lucrécia Ferrara (2010) e Laurence Louppe (2012), estabelecendo pontes com as discussões so- bre o autor, salientadas por Foucault (1999), bem como a possibilidade de abertura e posicionamento crítico do espectador sob o ponto de vis- ta de Ranciérè (2010). Palavras-Chaves: Espaços Urbanos; Autoria e Coautoria; Grupo X de Improvisação em Dança. A Dança e as estratégias cognitivas no vídeo-instalação ‘E você, vê?’ Fatima Wachowicz, Aline Amado & Clara Matos Orientadora: Profa. Dra. Fatima Wachowicz O presente trabalho faz parte do projeto de pesquisa ‘Investigações cognitivas em práticas criativas’, vinculado à Linha de Pesquisa Experimental em Estudos Cognitivos do Movimento, Grupo Corponectivos, da Escola de Dança da Universidade Federal da Bahia. A pesquisa investiga processos criativos cênicos em dança aliados aos estudos da psicologia cognitiva e neurociências. Propõe-se o estudo das interfaces entre a dança e o campo das ciências cognitivas para ampliar as estratégias de análise e conhecimento da maneira como movimentos humanos são processados. A pesquisa teórico-prática le- vou a realização e filmagem da performance, ocorrida no campus da UFBA – Praça das Artes, tendo como resultado o vídeo-instalação “E você, vê?”. O experimento revisita o efeito bystander (Latané & Nida, 1981; Davidoff, 2001) e o “efeito corda invisível”, estudos procedentes da psicologia cognitiva (Matlin, 2002; Matlin & Foley, 1997), propondo novas reflexões aos estudos da área de dança. Destacam-se conteúdos trazidos por Latané e Nida (1981), e por Davidoff (2001), que abordam
  24. 24. 24 a conformidade social e analisam as reações das pessoas quando se está diante da necessidade do outro em alguma situação de emergência. Em outro momento foi realizada a performance do “efeito corda invisível”, que revela que o cérebro humano faz inferências sobre as informações processadas, levando o observador a confiar na existência de um ob- jeto, através do comportamento e atitude do outro. O experimento do vídeo-instalção “E você, vê?” investiga a percepção do público que interagiu no processo da filmagem da performance, concluindo o tra- balho que posteriormente foi apresentado no Painel Performático da Escola de Dança/UFBA em março/2013 e em agosto/2013. Palavras-Chave: Corpo; Vídeo-Instalação; Percepção; Cognição. Tensões políticas na discussão entre tradição e contemporaneidade sobre o fazer da dança Fernando Davidovitsch Orientadora: Profa. Dra. Lenira Peral Rengel O presente artigo é parte de uma pesquisa acadêmica sobre o trabalho artístico-coreográfico “Rikud Vira-Lata” (Rikud significa dança, em hebraico), de autoria própria. Propostas de investigações sobre novos/ outros modos de fazer a dança israelita, visando possibilidades dialó- gicas entre tradição e contemporaneidade, foram ideias motoras para o processo investigativo artístico neste trabalho de dança. Tal obra core- ográfica, que já vem sendo apresentada há dois anos, tem encontrado grande dificuldade de inserção nos ambientes onde se produzem dança israelita, não conseguindo acessar o público apreciador desta expres- são de arte. Identifica-se nesta situação uma política de imunização nestes lugares onde acontecem os eventos e festivais relativos a esta forma de expressão de dança. Assim, este texto coloca em evidência como as atitudes político-críticas na dança estão implicadas tanto em grupos sociais que valorizam nas tradições populares o grau de preser- vação em seu modo de fazer, quanto em outros grupos que propõem trabalhar com tradições populares, tendo como foco o diálogo deste
  25. 25. 25 fazer na contemporaneidade. Serão observadas as tensões geradas en- tre ambos os grupos e como as decisões de cada um deles são soluções político-críticas que, a partir de seus respectivos pontos de vistas, vão em defesa das danças tradicionais e os seus fazeres coreográficos Palavras-Chave: Políticas do Chão; Imunização; Contemporaneidade; Danças Tradicionais. Human Connection Project/Dança-Ufba Gilsamara Moura Tomando como ponto de partida a noção de “bios midiático” (Sodré, 2002), a presente proposta procura refletir acerca da informação enquanto disseminadora de experiências e ações, não reduzindo a comunicação a uma visão midiacêntrica, porém tendo seu enfoque voltado para as questões da sociabilidade. Nesse sentido, espaciali- dade e corporalidade integram o panorama das relações intertextuais (Ferrara, 2008) levando em conta a utilização de diferentes mídias. A proposta desta pesquisa é observar a espacialidade e a corporalidade seguindo os fundamentos teóricos dos autores citados, tendo como es- tudo de caso o Human Connection Project/ Dança- UFBA, como célula de um projeto maior, organizado em parcerias, envolvendo a princípio: um professor especialista em estudos interculturais da Universidade de Harvard; uma pesquisa de pós-doutoramento; 11 universidades bra- sileiras; uma videoartista; e uma equipe de comunicação. Durante 12 meses de pesquisa e experimentação podemos indagar que os estudos da espacialidade e da corporalidade constituem o que Sodré (2002:258) aponta como a práxis (teoria e prática integradas) do pesquisador, en- trelaçando conhecimento e imaginação criativa não apenas como algo concebível, mas também socialmente realizável. Palavras-Chave: Espacialidade; Corporalidade; Human Connection Project.
  26. 26. 26 Da visibilidade à hegemonia no campo da dança contemporânea Giltanei Amorim Paes Orientadora: Profa. Dra. Jussara Setenta O desenvolvimento da dança enquanto área de conhecimento tem soli- citado a artistas, estudantes e pesquisadores o aprofundamento crítico de diversas questões que emergem na atualidade. Ao pensar sobre os ambientes de legitimação da dança, os programas de financiamento para sua produção e difusão, os mercados de trabalho e a relação que estes tecem com os agentes da dança (artistas, produtores, críticos, curadores, etc.) torna-se fundamental atentar para as reverberações políticas que surgem de tais negociações. Diante dessa realidade, essa pesquisa, em desenvolvimento junto ao Programa de Pós-graduação em dança, sob orientação da professora Drª Jussara Sobreira Setenta, pergunta como a busca por visibilidade pelos artistas do campo da dança contemporânea têm gerado ambientes que tendem a pensa- mentos hegemônicos, contrariando paradigmas contemporaneos que dizem respeito à heterogeneidade de saberes e fazeres. Palavras-Chave: Visibilidade; Mercado; Dança Contemporânea; Hegemonia. M’bolumbümba: a Capoeira Regional sob uma perspectiva contemporânea Guilherme Bertissolo & Lia Gunter Sfoggia Esta apresentação enfocará a pesquisa experiencial sobre a articula- ção entre movimento e música em m’bolumbümba: entre o corpo e o berimbau, uma obra de dança e música realizada colaborativamen- te pelos autores. A pesquisa que resultou nessa composição enfocou um contexto onde movimento e música não são categorias concei- tuais distintas: a Capoeira Regional. Partimos de uma noção de corpo que compreende a dança como um ambiente relacional, nutrido pelo diálogo contínuo e aberto com seu contexto. Através da imersão no
  27. 27. 27 universo da Capoeira Regional, pudemos estabelecer uma série de di- álogos com sujeitos e ideias, que mediaram inferências no domínio da experiência. Foram formalizadas quatro noções de um arcabouço conceitual, que veiculou aspectos de movimento e música em uma articulação complexa, e possibilitou a criação do universo poético do espetáculo: ciclicidade, “incisividade”, circularidade e “surpre- endibilidade”.Discutiremos os desdobramentos que possibilitaram a incursão formal da pesquisa recentemente concluída no âmbito de Doutorado no Programa de Pós-Graduação de Música da Universidade Federal da Bahia. Partiremos de noções como a aplicação de metá- foras conceituais e esquemas imagéticos baseados na experiência do corpo (mente incorporada e cognição), bem como a Análise Laban/ Bartenieff de Movimento e discussões acerca do corpo contemporâ- neo. Abordaremos a obra m’bolumbümba: entre o corpo e o berimbau, como uma resposta ao campo de possibilidades criativas oriundas da experiência no contexto pesquisado, onde os conceitos foram aferidos, possibilitando a mobilização de ideias, materiais e processos relacio- nados ao contexto da Capoeira Regional. Palavras-Chave: Composição; Capoeira; Sistema Laban/Bartenieff de Análise do Movimento. “Entre” a ação e a indignação: por uma biopolitca corpomídia Iara Cerqueira Linhares de Albuquerque Esse artigo propõe refletir a questão autoral nas redes digitais a partir da Teoria corpomídia e das leituras aos autores Manuel Castells, Nikolas Rose e Paolo Virno nos processos criativos no mundo onoff line. Os mecanismos utilizados na internet para a circulação de informação, e espaço de produção de conexões múltiplas e mestiças, instigam a reflexão sobre os processos criativos. Ações em dança de forma com- partilhada estimulam discursos e manifestações, ampliam caminhos e intersecções na qual articulações geram novas compreensões des- sas relações virtuais. Parece existir uma paridade na organização das
  28. 28. 28 manifestações e nos processos de criação em rede ao buscarem um “en- tre” lugar capaz de gerar possibilidades de existência e atuação como aspectos constitutivos nas relações pontuais e provisórias que carac- terizam a dinâmica nos processos evolutivos. Mas como não se tornar imune num universo coletivo, em expansão e com códigos próprios de comunicação? A hipótese é a de que ao discorrer corpomídia como uma biopolítica de resistência o corpo nada mais é do que uma manifestação do tipo de comunicação em curso com os ambientes, consequente um pensamento ao mesmo tempo de participação e colaboração. O obje- tivo é pensar o autor nesse “entre’” lugar, capaz de deflagrar ações e constituir movimentos enquanto fluxo de conexões e associações em correlações permanentes. O diálogo que se propõe entre arte e ciên- cia visam a estender e ampliar o entendimento sobre criação em redes digitais como um fenômeno complexo que se apresenta com suas es- pecificidades, ampliando-se o discurso nesse campo e fortalecendo de maneira estratégica sua continuidade. Palavras-Chave: Corpomídia; Biopolítica; Rede; Processos Criativos. A dança no ensino não formal em Salvador: o cenário das academias de Dança e suas propostas metodológicas Idaiane Moraes Gonçalves Orientadora: Profa. Dra. Lúcia Matos Este um subprojeto faz parte da proposta marco “O Mapeamento dos campos artísticos e de formação em Dança: O município de Salvador”, coordenado pela Professora Lucia Matos e desenvolvido no âmbito do PROCEDA. Esta pesquisa de Iniciação Científica, que ora encontra-se em fase inicial, visa realizar um levantamento preliminar das acade- mias de dança de Salvador e, posteriormente, selecionar três unidades de análise para que se possa verificar suas propostas artístico-educa- tivas e metodológicas, bem como verificar a presença de profissionais de Dança formados pela Universidade. Para tanto, usaremos como
  29. 29. 29 aporte teórico autores como Strazacappa (2006), Marques (2003) e Matos (2005), que abordam de forma geral o ensino da dança no âmbi- to formal e não-formal. Palavras-Chave: Dança; Salvador; Mapeamento. Dança contemporânea e a produção do informe como processo anti-hegemônico? Isaura Tupiniquim Orientadora: Profa. Dra. Fabiana Dultra Britto Este trabalho pretende discutir os conceitos de heterogeneidade, ho- mogeneidade e informe a partir do autor Georges Bataille, a fim de observar a ocorrência destes na produção contemporânea em dan- ça. Como parte de uma pesquisa sobre os processos transgressores da dança, esse estudo vem colaborar com a compreensão das escolhas e suas implicações na produção estética e de conhecimento na dan- ça contemporânea como processo anti-hegemônico. O heterogêneo, nesse sentido, não seria nem positivo, nem negativo, mas aquilo que no processo de homogeneização da produção da arte surge por excrescências, secreções - o informe. As propostas de dança contem- porânea se dão em grande parte no campo discursivo atravessadas por conceitos e atualizados ao seu contexto, assumindo a condição teóri- ca de produzir questões e crítica. Nesse sentido é possível recorrer a conceitos como heterogeneidade, numa estratégia de abordagem da diferença e singularidade dos corpos como forma subversiva de atu- ação, em contraposição a práticas homogeneizantes da dança. Sendo assim, como a dança contemporânea tem tangenciado esses conceitos na sua produção estética – discursiva? E considerando a transgressão poderíamos apontar a relação entre o conceito de forma/informe ba- tailliano e a atual política em dança? Palavras-Chave: Dança Contemporânea; Heterogeneidade; Informe.
  30. 30. 30 A cinesfera de Laban e a dança na formação do psicopedagogo: espaço de autonomia do corpo Ivana Bittencourt Orientadora: Profa. Dra. Lenira Rengel O presente estudo visa apresentar as contribuições da Dança na for- mação do psicopedagogo por meio da Arte do Movimento de Laban, dando ênfase à Cinesfera. Entenda-se Cinesfera como o espaço que nos envolve, onde acontece o movimento e como lugar de concepção de mundo, de reflexão, de ação – (RENGEL, 2003). A partir de encontros, realizados com um grupo de estudantes do curso de Psicopedagogia da Faculdade São Bento da Bahia, nos quais a “dança de Laban” é parte do processo crítico-mediador, verifica-se suas percepções na rela- ção corpo, espaço e movimento. Por meio disso o artigo busca refletir sobre a Cinesfera na formação do psicopedagogo como lugar de auto- nomia e liberdade do movimento, do entendimento/ação do corpo; na autoria do pensamento (FERNANDEZ, 2001); nas ações motivadoras de uma aprendizagem crítico-reflexiva (NEWLOVE e DALBY, 2011), que satisfazem uma necessidade, um desejo (PRESTON-DUNLOP, 2008) e os vínculos produzidos na apreensão do conhecimento (VISCA, 2010). Palavras-Chave: Dança; Cinesfera; Psicopedagogo; Aprendizagem Crítico-Reflexiva. A Dança e sua articulação em rede no município de Salvador Jacson do Espirito Santo Orientadora: Profa. Dra. Lúcia Matos Esta pesquisa tem como objeto de análise a identificação das instâncias de representação da dança e articuladores no município de Salvador, tendo como foco as redes, associações, fóruns e suas atuações na cons- trução de políticas públicas para a Dança. Essa pesquisa está vinculada a pesquisa coordenada pela professora Lúcia Matos, a qual visa mapear os campos de formação e de produção artística da Dança, em Salvador.
  31. 31. 31 Pretende-se identificar em Salvador as diferentes configurações de or- ganizações socioculturais, redes, associações e agentes culturais que atuam na área da Dança, tanto no campo da educação quanto da pro- dução artística. Entender as articulações desses artistas/profissionais, o perfil desses representantes, suas práticas e formas de articulação é um dos objetos dessa pesquisa. Sendo assim, não se trata de um ma- peamento estanque para a identificação de formas de organzação da sociedade civil e de seus potenciais ativismos políticos, pretende-se contribuir para o entendimento ampliado sobre a atuação transdisci- plinar e de natureza colaborativa dessas organizações e como se tecem suas ações nos campos educacioanis e da produção artística em Dança. Palavras-chave: Dança; Arte e Educação; Política Cultural, Redes Colaborativas Movimento: repensar o termo para readequá-lo para estudos atuais em dança Jussara Braga Bastos Orientadora: Profa. Dra. Lela Queiroz O presente artigo busca apresentar o movimento como elemento cen- tral de discussão. Com as recentes descobertas das ciências cognitivas sobre como o corpo aprende, conhece e age no mundo, pretendemos aqui apresentar como o conhecimento é construído na experiência e de modo único a cada corpo através do movimento. Para isso teremos como base o entendimento de embodiment, que leva em consideração que a cognição tem seu início no e pelo corpo, a noção de corporaliza- ção de Clélia Queiroz (2011) e entendimento de percepção-ação de Alva Nöe (2004), tecendo relações com a dança. Assim, buscamos eviden- ciar a necessidade de rever o entendimento tradicionalista do termo “movimento” para se discutir dança atualmente no intuito de fazer entender que movimentos intrínsecos do organismo, não vistos a olho nu nem demarcados com um início, um meio e um fim, também são movimentos. Discutiremos aqui uma modificação de entendimento do
  32. 32. 32 termo que provoca mudanças políticas na compreensão de corpo e os desdobramentos de suas relações com a dança. Palavras-Chave: Dança; Movimento; Corporalização/Embodiment. Processos Cognitivos; Percepção-Ação. Canônicas metamorfoses da área de conhecimento Dança Lígia Maria Louduvino Martins (ULBRA) Orientadora: Anette Lubisco Lopes (ULBRA) A consolidação da Lei de Diretrizes e Bases 9394/96 e a implementação dos Parâmetros Curriculares Nacionais, no que diz respeito ao ensino das artes, foram fatores preponderantes na legitimação das linguagens artísticas, principalmente cênicas, na escola. A presença da dança no currículo escolar culminou na necessidade de professores com forma- ção específica para ministrar esta disciplina, impulsionando a criação de mais licenciaturas em dança. O Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais – REUNI na útima década possibilitou um novo momento de expansão do ensino superior federal. O objetivo geral deste artigo foi contextualizar a for- mação em dança no ensino superior do Brasil. Os objetivos específicos foram mapear os cursos existentes, analisar a legislação e contextua- lizar as disciplinas específicas de dança. Como metodologia adotou-se uma pesquisa bibliográfica e qualitativa. Averiguando pressupostos das Diretrizes Curriculares Nacionais e suas (in)flexibilizações em bre- ves espaços reservados à indicadores e ao projeto político pedagógico na consolidação dos currículos de dança no país. Nestas seis décadas de história de dança sendo pensadas nos aquedutos do conhecimento científico no Brasil, observa-se o constante aprimoramento do diálo- go entre a formação do educador e do papel das disciplinas específicas de dança. Na polifonia das reflexões/dançadas, agentes e instituições, sendo modificados e modificando este sistema, transformam esta trajetória na legitimação da dança enquanto área de conhecimento específica. Palavras-Chave: Arte; Ensino; Sociedade.
  33. 33. 33 O processo de criação compartilhado: dançando em coletivo Lucas Valentim Rocha Orientadora: Profa. Dra. Gilsamara Moura. Este trabalho busca discutir especificidades do processo de cria- ção compartilhado, com foco na Dança. Entretanto, as questões aqui apontadas extrapolam os limites desta área de conhecimento tocando em assuntos que perpassam outros processos criativos. Estaremos nos referindo a algumas características que tornam o exercício da coletivi- dade uma política de fortalecimento das potências criativas dos sujeitos em processo e, ao mesmo tempo, um desafio constante em favor da comunidade. A primeira questão que discutiremos, relaciona-se com a noção de inacabamento do processo de criação, no sentido de que parece incongruente falar de ponto de origem e de ponto final quan- do nos referimos a tais processos. Esta é uma questão observada pela professora Cecília Salles e que nos serve como detonadora para pensar um processo de criação no gerúndio. A segunda parte do trabalho dis- cutirá as noções de autonomia e colaboração a partir do ponto de vista de alguns teóricos como Edgard Morin, Paulo Freire, Christine Greiner e Stefen Nachmanovich. Por fim, e não obedecendo, necessariamente, uma ordem cronológica, estaremos tratando das relações de hierar- quia e autoria, conceitos sempre presentes no cotidiano de artistas que se permitem experienciar processos colaborativos. Diante da impossi- bilidade de tratar sobre tais questões sem observar como se configuram as relações de poder nos processos colaborativos, incluiremos nesta discussão os conceitos de biopotência, biopoder e imunização, trata- dos por Roberto Esposito no livro Bios: bipolítica e filosofia. Palavras-Chave: Criação; Colaboração; Autonomia; Poder. 
  34. 34. 34 Movimentos da Dança em Camaçari e Lauro de Freitas Lucia Matos (coord.); Teresa Oliveira; Jacson Espírito Santo; Manuela Reis; Pamela Santana; Ticiana Pereira & Uildemberg Cardeal Esta comunicação refere-se aos resultados parciais da pesqui- sa “Mapeamento dos campos artístico e de Formação em Dança em dois Municípios da Região Metropolitana de Salvador (RMS): Lauro de Freitas e Camaçari”, a qual encontra-se em fase de conclusão e é desenvolvida no âmbito do grupo de pesquisa PROCEDA – Processos Corporeográficos e Educacionais em Dança e coordenado por Lúcia Matos. Além dos dados da pesquisa macro, apresentaremos os resul- tados obtidos com os três planos de trabalho de Iniciação Científica, realizadas entre 2011-2013,  tendo sido dois efetivados em Camaçari (Dança na cidade do Saber; formação cidadã em dança) e um em Lauro de Freitas (o ensino da dança em projetos comunitários). Também abordaremos aspectos relacionados ás ações vinculadas ao projeto de extensão Redanças: redes colaborativas em dança como ação política (2011 - 2012), o qual gerou dois planos de trabalho em Camaçari e dois em Lauro de Freitas. Com esse cenário, apresentaremos as tensividades existentes entre as políticas públicas educacionais e culturais propos- tas para a Dança e a heterogeneidade das micro-realidades dessa área nos municípios de Lauro de Freitas e Camaçari. Por essa via, os resul- tados desta pesquisa pretendem apresentar mapas flutuantes dessas conjunturas e abordar algumas estratégias geradas pelos agentes de dança desses municípios para a produção e a formação em Dança. Palavras-Chave: Dança; Formação; Produção Artística; Camaçari; Lauro de Freitas Eu não sou cachorra: Manifesto Elétrico para quando a dança se faz burra Ludmila Pimentel Um manifesto é lugar de demonstrarmos nossa indignação, nossas idéias políticas e ideológicas, sejam panfletárias ou não, retóricas ou
  35. 35. 35 não, e também, é lugar de criticar e expor uma situação que merece interferência critica. Minha intenção nessa apresentação é fazer uso desse espaço para construir meu manifesto elétrico e expor o atual es- tado da arte que se encontra o corpo feminino na cultura brasileira e baiana; analisando e refletindo sobre como a dança produz situações escabrosas de atentado ao corpo feminino com a aprovação cultural local e internacional. Não proponho que toda dança seja burra, seria intransigente (e burra) se assim o fizesse, proponho que nos confrontemos com os di- versos protocolos sociais e da própria classe artística de dança que a encarcera em seus territórios restritos de atuação profissional. A dança é burra quando oversexualiza corpos, quando oprime toda uma nova geração sujeita a ser apenas peitos e bundas e não pessoas, a dança é burra quando aprova que o corpo seja objeto manipulável de uma cultura machista e equivocada intelectualmente, é burra quando não se engendra nos campos da performance para questionar o papel do corpo, quando se confina no palco italiano e/ou em estilos, a dança é burra quando apenas “dociliza” os corpos através de alguma técnica, ou quando não se engendra em novos territórios de atuação. A dança é burra quando torna o corpo feminino somente cor-de-rosa, submisso e escravo contemporâneo. Palavras-Chave: Corpo; Dança; Manifesto. A imprevisibilidade em processos criativos de dança: Quem move o que move? Ludmila Veloso Orientadora: Profa. Dra. Adriana Bittencourt O presente artigo parte de uma pesquisa em estado inicial no Programa de Mestrado em Dança da UFBA-2013 que determina estudar o cor- po nos processos de criação em dança onde a imprevisibilidade opera como parâmetro para criação. Tendo como fundamentação a ideia de que o corpo mediante o não previsto, o inusitado, gera modos de
  36. 36. 36 organização e soluções que o desvincula da condição de padrões e regras para a condição de investigação, desdobra-se a seguinte proble- mática: As danças que lidam com a imprevisibilidade como parâmetro para criação propiciam o exercício da autonomia? De quais modos? A imprevisibilidade em processos criativos de dança: Quem move o que move? desdobra-se sinalizando como o corpo no e pelo mover testa acordos com o inusitado em ações investigativas. Vem tratar os processos criativos em dança como maneira de os corpos, ao movi- mentarem ideias-pensamentos, construírem uma reflexão crítica para com seus posicionamentos. É um jeito de fazer dança que não está des- colado do modo como o corpo (con)vive no mundo que assim aposta na ideia da dança como ação política. O fazer artístico como pensamento do corpo que compartilha pelo e no mover inquietações, dúvidas e co- nhecimentos tecidos na relação sujeito e ambiente. Palavras-Chave: Imprevisibilidade; Corpo; Processos Criativos; Autonomia. Ambiguidade e complexidade – possibilidades de fazer dança Mabile Borsato Orientadora: Profa. Dra. Adriana Bittencourt Esta proposta nasce da percepção de que há comportamentos e espa- ços cristalizados na dança que se distanciam dos processos de ensino e aprendizagem pela experiência. Acredita-se então, que os modos onde há hierarquia de poder nas relações de aprendizado e que sobrepõem a experiência, podem ser subvertidos pela ambiguidade e  pela com- plexidade, uma vez que as mesmas operam contemplando a diferença como experiência singular de cada corpo. Ao procurar pela mobilida- de e flexibilidade de distintos modos de fazer e solucionar do corpo nos processos de ensino e aprendizagem, bem como pela promoção do entrelaçamento entre perspectivas de diferentes sujeitos e diferentes contextos, busca-se a realização da dança como um espaço de per- cepções híbridas capaz de inventar, transformar, aprimorar, ampliar
  37. 37. 37 sentidos e mover contextos. Nesse sentido, percebe-se que as expe- riências não se reduzem, nem se simplificam, mas geram uma nova tessitura entre o conhecido e o desconhecido, entre o convencional e o inovador, entre a ordem e a desordem. A possibilidade de situar a ambiguidade e a complexidade como um sinal de reconhecimento para a construção de lógicas de conduta e operacionalidades em dança incide como princípio norteador da auto-observação e do autoco- nhecimento e permite que outros modos de ensinar e aprender sejam inventados.  Esse enfoque traz a percepção de que o conhecimento é construído em intercâmbios entre os participantes e que nada é li- near ou rígido no processo de aprendizagem. O conhecimento, nessa perspectiva, ocorre na percepção das urgências do momento, pelas correlações possíveis e por ações não determinadas. Palavras-Chave: Ensino; Aprendizagem; Complexidade e Ambiguidade. A atuação do PIBID/Dança em escolas da rede pública de Salvador Maira Di Natali Coordenação PIBID: Profa. Ms. Virgínia Maria Suzart Rocha Este artigo objetiva relatar a experiência das atividades do PIBID- Dança em cinco escolas da rede pública de Salvador. O Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência - PIBID/UFBA, institu- ído pelo Ministério da Educação, por intermédio do SESu - Secretaria de Educação Superior, da CAPES - Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - e do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE, promove uma articulação entre a educação superior (por meio das licenciaturas) e as secretarias estaduais e municipais de educação a favor da melhoria do ensino nas escolas públicas de todo o país. Desta forma, o programa possibilita a inserção do licenciando nas escolas da rede estadual e municipal de ensino proporcionando ao graduando o contato com o ambiente esco- lar ainda enquanto universitário. O sub-projeto “Arte Fora dos Muros
  38. 38. 38 da Escola: educando o olhar” foi criado em 2010 sob a coordenação da professora Mestra Virgínia Maria Suzart Rocha, tem como foco central a atividade sistemática de apreciação estética e a inserção da Dança como prática educacional para os educandos do ensino fundamental e médio das escolas envolvidas. Essa prática está inserida no componen- te curricular Arte na forma de aulas regulares em algumas das escolas ou como Oficinas de Dança em turno oposto. O resultado de todo o trabalho desenvolvido por este projeto pode ser observado na quali- dade dos trabalhos apresentados a partir da troca de saberes entre os graduandos, futuros profissionais, os professores supervisores nas es- colas, profissionais já em atuação no cotidiano escolar e a coordenação do projeto. A metodologia utilizada neste relato é o estudo qualitativo, de natureza exploratória e descritiva visando o registro das atividades realizadas nas escolas. O projeto PIBID eleva, questiona e redimensio- na a qualidade de ensino oferecido aos educandos da rede pública de ensino e a prática dos educadores das escolas envolvidas. Portanto, a reflexão sobre as ações da supervisão nas escolas favorece a importante articulação teóricoprática, a formação dos licenciandos, a prática do- cente e o aprendizado escolar além de contribuir para a inserção da dança como área de conhecimento. Palavras-Chave: Dança; Escola Pública; Formação Profissional; Educação; PIBID. A Dança nas escolas de Ensino Médio da rede pública estadual de Salvador Marilia Nascimento Curvelo Este estudo teve como objetivo discutir a presença/ausência da dan- ça nas escolas de Ensino Médio da rede pública estadual de Salvador. Apoiado nos documentos oficiais para o Ensino Médio, federais e esta- duais, em autores que discutem de forma crítica esta etapa da educação básica, nas entrevistas com gestores, professores, coordenadores e es- tudantes de dança de três escolas da rede pública estadual, assim como na experiência da autora como docente que atua nesse nível de ensino
  39. 39. 39 com Dança, o estudo propõe a análise das atuais formas de inserção da Dança no Ensino Médio. Esta pesquisa de abordagem qualitativa se configurou como uma pesquisa exploratória (GIL, 2008) que realizou um levantamento preliminar da inserção da Dança no Ensino Médio da rede estadual, tendo sido identificadas três escolas que, com seus gestores, alunos e professores, se tornaram três unidades de análise, cujos dados foram triangulados com a análise documental e o referen- cial teórico. Os dados revelam que existem poucas iniciativas de dança nas escolas de Ensino Médio da rede estadual em Salvador, e que estes são pequenos focos de resistência para o ensino da Dança nesse nível de educação. Essas proposições permanecem na (in)visibilidade do Sistema Educacional, que estimula a hierarquização dos saberes, não favorece a sua inserção na matriz curricular das escolas e nem o re- conhecimento dessa linguagem artística como área de conhecimento. Palavras-Chave: Ensino da Arte; Dança; Ensino Médio; Escola Pública; Salvador. Um Olhar Sobre Maya Deren em Dimensões Maurício Barbosa Lima (Bolsista PIVIC) Orientação: Prof. Dr. Guilherme Barbosa Schulze (UFPB) Uma “nova realidade” ao subverter, transformar e resignificar ima- gens. Um espelho passa a ser mais que somente um instrumento no qual podemos ver nossa própria imagem. Quando Maya coloca frag- mentos de um espelho no mar, está sugerindo um tensionamento de seu sentido cotidiano, ampliando as possibilidades de leitura. Coreograficamente, para que essa subversão de significados aconteça, Maya Deren recorre, por exemplo, a uma movimentação corporal não- cotidiana, a enquadramentos de câmera que não apenas testemunha, mas também “dança” juntamente com o interprete, e à montagem que potencializa esse tensionamento de significados. Deslocamos o conceito de encenação do campo do teatro, a fim de ler a cineasta ucraniana como uma encenadora cinematográfica. Para compreender um pouco mais o trabalho de Maya Deren, utilizamos uma proposta de
  40. 40. 40 análise voltada para a videodança sugerida por Schulze (2012). A ima- gem é percebida em três dimensões possibilitando algumas percepções sobre determinado trabalho. Palavras-chave: Maya Deren; Videodança; Subversão da Realidade. Um primeiro olhar sobre a dança nas escolas de João Pessoa-PB Michelle Aparecida Gabrielli (UFPB) Em 1996 é promulgada a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) 9.394/96, que apresenta a obrigatoriedade do ensino de Arte em toda a Educação Básica. Posteriormente, o Ministério da Educação (MEC) difundiu nas escolas os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN’s) com o intuito de orientar os professores e garantir a coerência de políticas educacionais que propiciem melhor qualidade de ensino para a Educação Básica. Como a LDB não explicita as diferentes lin- guagens artísticas que compõem o ensino de Arte, os PCN’s auxiliam neste entendimento, sinalizando para as seguintes áreas de conheci- mento: Dança, Teatro, Artes Visuais e Música. Contudo, ainda hoje, há dificuldades em efetivar estas linguagens artísticas como área de conhecimento na escola. Assim, esta pesquisa (em andamento) bus- ca analisar a realidade supracitada junto à cidade de João Pessoa-PB. Em um primeiro olhar, percebeu-se que algumas escolas, públicas e privadas, possuem aulas específicas de Dança e/ ou das demais lingua- gens artísticas; outras - municipais e estaduais - oferecem o ensino da Dança de forma extracurricular por meio do “Projeto Mais Educação” (proposta de educação integral do Ministério da Educação); mas, a maioria não possui aulas de Dança. Neste sentido, contribui-se com essa discussão através de reflexões acerca da “entrada” e “efetivação” da Dança na escola, buscando compreender também o perfil dos pro- fissionais que atuam com esta linguagem em João Pessoa. Palavras-Chave: Dança; Arte; Escola; João Pessoa-PB.
  41. 41. 41 Brincar e dançar... É só começar Michelle Lisboa Oliveira, Aline Teixeira Amado, Diana Magnavita Moura & Joselina Araújo dos S. Neta Orientadoras: Virginia M. S. Rocha (coordenadora de área do Pibid Dança/UFBA); Maria de Fátima Carvalho (supervisora do Pibid Dança/UFBA) O pôster apresenta o relato das experiências das bolsistas do Programa de Iniciação à Docência – PIBID/UFBA, na área de Dança, decorridas no período de agosto de 2012 a setembro de 2013, na Escola Municipal Osvaldo Cruz, dedicada ao Ensino Fundamental I e parceira do progra- ma. Tendo como supervisora a professora Maria de Fátima Carvalho, e como coordenadora PIBID-Dança/UFBA a professora Virgínia Maria Suzart Rocha. Cada bolsista de iniciação à docência desenvolveu um plano de atividades, onde suas propostas para atuação na Escola par- ceira são frutos de suas motivações e experiências pessoais, estando em consonância com a proposta da coordenação PIBID-Dança: “Arte fora dos muros da escola”, e com a proposta da supervisão da Escola: “Dança cidadã”. As atividades desenvolvidas pelas bolsistas foram ba- seadas na Arte circense e suas derivações corporais contemporâneas; Jogos Cooperativos com elementos da Dança contemporânea; e exer- cícios que estimulam a percepção espacial por meio de preparação corporal de aquecimento e alongamento. Tais atividades visam, dentre outros, potencializar os processos cognitivos a partir da motricidade; promover o sentimento de pertencimento a um grupo; despertar a consciência corporal e trabalhar valores de cooperação, afetividade e espírito coletivo em contraponto aos valores de individualismo e com- petitividade, já tão alicerçados pela teia capitalista de produção. Palavras-Chave: Arte; Dança; Educação; Cidadania.
  42. 42. 42 Dança Contemporânea no espaço público: dispositivos de interatividade entre artistas e fruidores Milianie Lage Matos Orientadora: Profa. Dra. Leda Maria Muhana Iannitelli Este artigo se propõe mapear alguns dispositivos de interatividade entre artistas e fruidores engendrados com o Projeto Macaco Nú, um trabalho de Dança Contemporânea no espaço público, realizado pela autora desse artigo, entre os meses de agosto a outubro (2013), nas cidades de Manaus/AM, Rio Branco/AC e Salvador/BA. Sua temática ignitora problematiza o processo de apropriação de terras e espaços urbanos pelo Estado e por interesses privados de uma economia lu- crativa, empenhos do capitalismo contemporâneo, que expropria a população local, produzindo a gentrificação do ambiente. Ao realizar uma imersão na cultura amazonense, residindo por três semanas em Manaus/AM, as experiências com a cultura local e o intercâmbio com dois artistas locais engendraram uma ação de dança em um espaço público escolhido durante o processo compositivo (Praça da Polícia). Foi selecionado e organizado dispositivos que gerassem reflexões e sensibilizações na relação entre indivíduos, ambiente e cultura, rela- cionando-os aos projetos urbanísticos voltados para a Copa Mundial 2014 e as atuais manifestações sociais no Brasil. Os dispositivos orga- nizados pelos dançarinos e os dispositivos utilizados pelos fruidores, aqueles possíveis de serem captados, através de entrevistas e captação de áudio com gravador durante a ação, serão analisados a partir das considerações do filósofo italiano Agamben, como uma das diversas proliferações de processos de subjetivação. E a interatividade será analisada a partir do conceito de Empatia Cinestésica, que estuda o movimento corporal, principalmente na dança, e sua percepção pelo público, abordado por Susan Foster - Universidade da Califórnia em Los Angeles. Palavras-Chave: Interatividade; Dispositivos e Dança.
  43. 43. 43 Dança digital na potência de uma biodança Natalia Pinto da Rocha Ribeiro Orientadora: Profa. Dra. Ludmila Martinez Pimentel Este artigo pretende fomentar um debate político entre ciência, ca- pital e arte. Para este fim, propõe a dança digital também como uma categoria de biodança, uma inspiração em Espósito, bios e dança, não a dança da vida, mas a dança que considera e subjetiva a vida que lhe expressa, potencializando essa vida enquanto sujeito de ações, ainda que não haja sempre vida humana ali expressa no momento do seu acontecimento. A dança digital pode ser uma dança que respeita a vida ou biodança, porque ao menos na sua criação foi produzida por uma relação do humano com uma tecnologia digital, esta que em várias ins- tâncias atravessa a vida mesmo em necessidades rotineiras e possibilita outra de si mesma. O aparato tecnológico poderia ser considerado um dispositivo de excesso do biopoder, quando Flusser nos adverte que existe um limite de atuação sobre ele, uma liberdade ilusória, já que este aparato tem uma programação prévia, pensada em uma lógica de mercado, para padronizar o funcionamento e os resultados do seu uso. Nesta dança se manifesta comportamentos do seu tempo, contudo pode por isso também servir a uma lógica de mercado, em um exces- so de poder da indústria tecnológica. A questão que se coloca, é como a dança digital pode subverter este domínio posto através de progra- mações prévias, sem a participação artística. Contudo, Louppe propõe que o bailarino não siga modelos, mesmo corporais, que descubra o seu potencial específico, a sua forma única de fazer arte, a sua poética. Palavras-Chave: Dança Digital; Biodança; Programação e Subversão.
  44. 44. 44 Programação cultural como embrião para uma política para a dança Neila Cristina Baldi Orientadora: Alexandra Cristina Moreira Caetano O presente artigo é resultado da pesquisa desenvolvida na Especialização em Gestão Cultural pelo Senac-DF, defendida em julho passado. O trabalho discute formas de viabilizar a criação e manuten- ção de uma programação cultural permanente para o Centro de Dança do Distrito Federal e fazer com que esta seja o embrião de uma po- lítica pública para a dança naquela Unidade da Federação. Criado na década de 1990, o espaço é destinado à pesquisa, ensaios e cursos de dança. Até 2010, sua ocupação se dava por um edital público. Desde 2011, a seleção dos projetos é feita por ordem de chegada. Não existe um projeto de programação para o espaço e este trabalho apresenta esta formulação. Para tanto, foi feito um diagnóstico do funcionamen- to do local, abrangendo seu contexto histórico e social, e formuladas ações, com programação orçamentária, bem como com proposição de parcerias. No Distrito Federal, apesar de haver conselheiros na área de dança, não há, de fato, uma política para o setor. Quando o Estado não propõe ações culturais para uma área ou quando propõe ações isola- das, sem planejamento, sem direcionamento, também fez uma opção política. Partindo deste pressuposto, o trabalho propõe ações para o espaço, pensando sob o ponto de vista de cultura em três dimensões: simbólica (fazer criativo), cidadã (democratização do acesso) e eco- nômica (desenvolvimento do setor). A ideia é que esta programação fomente as três dimensões  culturais da dança, e, deste modo, possa ser usada como embrião para uma política cultural para a dança no Distrito Federal. Palavras-Chave: Dança; Política Cultural; Gestão.
  45. 45. 45 A democratização falida da américa latina: questões sobre públicos, acesso e distribuição de artes contemporâneas Nirlyn Seijas Orientador: Prof. Dr. Carlos Bonfim Este artigo toma como referência fundamental o capítulo III: Artistas, Intermediarios e Públicos, Inovar ou democratizar? do livro Culturas Híbridas do Néstor García Canclini, para compor uma discussão sobre as tentativas de popularização e democratização das artes contempo- râneas no Brasil com extensão à América Latina. Trazendo exemplos de diversas linguagens das artes, experiências profissionais da autora e as reflexões de Canclini, geramos um diálogo sobre os públicos, so- bre as estratégias de distribuição de artes e por último reflexões sobre possíveis novas tentativas que estão começando a ocupar a produtores e artistas nos últimos anos.Quão próximos ou distantes estamos das políticas das classes dominantes aqui nomeadas? Temos conseguido caminhos intermediários, micropolíticas ou modos de resistências que nos diferenciem destas lógicas elitistas de manejar as artes e a cultura? As estratégias que temos usado nos últimos anos tem nos reposiciona- do frente ao problema da distribuição dos bens culturais? Este artigo estará focado na questão dos públicos, a democratização e a problemá- tica da relação que as artes contemporâneas continuam estabelecendo com seus consumidores. Apresentaremos reflexões que questionam e traçam o caminho que percorremos, de uma política feita só para al- guns a políticas que procuram modificar a distribuição destes produtos artísticos. Sem dúvida o Brasil é exemplo de uma formulação de políti- cas que procuram transitar caminhos mais complexos a respeito. Palavras-Chaves: Democratização; Públicos;  Mediação Cultural.
  46. 46. 46 Análise das abordagens metodológicas para o ensino da dança em projetos comunitários e em ONG’s de Lauro de Freitas Pamela Rinaldi Orientadora: Profa. Dra. Lúcia Matos O presente estudo, refere-se a pesquisa de Iniciação Científica (PIBIC- CNPQ) vinculada ao projeto “Mapeamento dos campos artístico e formação em dança em dois municípios da Região Metropolitana de Salvador (RMS): Lauro de Freitas e Camaçari (ano II)” coordenado pela profa. Dra. Lúcia Matos e desenvolvido no âmbito do grupo de pes- quisa PROCEDA. A realização da pesquisa foi identificar a presença da dança em projetos comunitários e ong’s em Lauro de Freitas, apli- cação do formulário da pesquisa macro, referente ao mapeamento, posteriormente foram selecionados dois projetos comunitários, Lauro Flava Crew, (grupo de breakdance, dança pertencente à cultura hip hop) e AMAB- Associação de Moradores de Areia Branca. Para coleta de dados foram realizadas visitas in loco, identificando os docentes, realizando observações de aulas e entrevistas com os instrutores/mo- nitores de dança destes espaços. Os dados da pesquisa apresentam que os dois projetos selecionados possuem diferentes abordagens e meto- dologias no ensino da dança, cujos dados foram articulado com autores como Gohn (2006), Matos (2005) Marques (2003) e Libâneo(2006). Para o grupo de dança de rua, o aprendizado é por via de compartilha- mentos, diferente das práticas tradicionais comumente encontradas, onde o professor se centraliza como detentor de todo o conhecimento. Em ambos os grupos o ensino é dado por meio da cópia do movimento, percebendo a técnica como produto do processo, no entanto, ambos os projetos relatam uma preocupação com a formação cidadã, forman- do indivíduos e propiciando “resgates”, afastando os participantes de problemáticas sociais, como criminalidade e vícios. Palavras-Chave: Mapeamento; Dança; Ensino.
  47. 47. 47 Escrita Metafórica: uma operacionalidade simultânea de percepção, comunicação e emancipação do corpo na dança Patrícia Cruz Ferreira (UFBA) Orientadora: Profa. Dra. Lenira Peral Rengel (UFBA) A dança, assim como em nosso cotidiano, é permeada de objetos – imagens, palavras, pessoas, movimentos, entre outros, que se efetivam significativamente como ambientes de representação, organiza- ção, disseminação e apresentação das informações. Nesse universo, o corpo, em todos os seus aspectos e modos de operar, desempenha um importante papel cognitivo na estruturação das linguagens en- quanto leituras sígnicas verbais e não verbais do mundo: textos do procedimento metafórico do corpo (LAKOFF e JOHNSON, 1999, 2002; RENGEL, 2007). Dançarino e espectador comunicam signos reali- zados e constantemente atualizados com o entorno, compondo uma escrita metafórica. Perceptualmente, ambos selecionam, percorrem e descobrem espaços sensíveis. A proposta é refletir que tal operaciona- lidade metafórica - enquanto um modo de relação com o mundo - é uma postura crítico-política em que se evidencia a emancipação do corpo na dança concomitante a compartilha do espaço cênico. Ação que possibilita reorganizar informações habituadas aos entendimen- tos dicotômicos como passividade/atividade; olhar/agir; e o dualismo corpo/mente. Palavras-Chave: Dança; Escrita Metafórica do Corpo; Comunicação; Emancipação. Samba no Pé: o corpo-samba enquanto estratégia de composição em dança contemporânea Quenia Borges Rebouças dos Santos Orientadora: Profa. Dra. Daniela Amoroso Este estudo de Iniciação Científica/ PIBIC foi realizado na cidade de Salvador, utilizando como referência a tradução de danças populares
  48. 48. 48 em processo coreográfico de dança contemporânea. O estudo se deu através de pesquisa in lócus, na cidade de Cachoeira – Recôncavo Baiano, e laboratórios de criação coreográfica realizados na comuni- dade de Terreiro Ilê Asé Yá Dé, com crianças, jovens, adultas e idosas, moradores da Rua 11 de Agosto – Federação. O samba de roda foi esco- lhido como base dessa pesquisa, a partir dele criou-se novas estratégias para processos coreográficos contemporâneo, a exemplo do processo coreográfico Vem Sambá, Capoeirá. Palavras-Chave: Danças do Brasil; Samba; Contemporaneidade e Tradição. Composição em Dança: entrecruzamentos teórico-práticos Renata Roel Orientadora: Profa. Dra. Jussara Setenta Este artigo apresenta ideias em desenvolvimento acerca do estu- do de mestrado realizado no Programa de Pós-Graduação em Dança na Universidade Federal da Bahia, que busca pistas para entender a composição em dança considerando o engendramento nas práticas formativas no campo da dança que acontecem no trânsito teórico -prático, dentro e fora da universidade entendendo, que tais ações dispõem-se num constante exercitar de práticas continuadas para construção de saberes. Para tanto, observa-se processos e articulações que possibilitam a construção e composição de pensamentos e práticas na dança contemporânea, especificamente na improvisação e nos des- dobramentos compositivos. Faz-se articulações com autor sociólogo Richard Sennett (2009) a partir das discussões apresentadas no livro “O Artífice” onde nos instiga a expandir esta reflexão no que diz res- peito ao intelectual e ao manual e também relacionar com a noção de autonomia a partir das discussões levantadas por Hakim Bey (2011) em TAZ – zona autônoma temporária. Palavras-Chave: Dança Contemporânea; Composição; Formação.
  49. 49. 49 Panorama da inserção da dança em projetos não governamentais em Salvador e suas práticas pedagógicas Renilda Bispo dos Santos Orientadora: Profa. Dra. Lúcia Matos O presente estudo, visa identificar a inserção da dança no ensino não formal em Salvador, em projetos não-governamentais, refere-se a pesquisa de Iniciação Científica (PIBIC – FAPESB - UFBA) vinculada ao projeto “Cartografias de micro e macropolíticas da dança em Salvador: mapeamento dos campos da produção artística e de formação” coor- denado pela profa. Dra. Lúcia Matos e desenvolvido no âmbito do grupo de pesquisa PROCEDA – Processos Corporeográficos e Educacionais em Dança. Este plano, ora em fase inicial de execução, tendo como aporte o conceito de aprendizagem (Ausubel, 1980), a pedagogia da autono- mia (Freire, 2002) e os processos educacionais em dança (Matos, 2010; Strazacappa, 2011); pretende identificar projetos não governamentais de Salvador, que desenvolvem atividades de dança, em sua atuação, no intuito de selecionar duas propostas pedagógicas em Dança que apon- tam serem práticas significativas nesse cenário. Palavras-Chave: Ensino da Dança; Salvador; Mapeamento. A Dança no Ensino Médio do Estado de São Paulo: concepções de currículo, corpo e dança Rivelino Martins Orientadora: Profa. Dra. Lúcia Matos A presente pesquisa, ora em andamento no Mestrado em Dança (PPGDANÇA-UFBA), pretendeanalisaraPropostaCurriculardoEstado de São Paulo direcionada para o ensino da Arte/Dança, no Ensino Médio. Nesse contexto, os conteúdos de dança são oferecidos como parte integrante da área de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias e articulam-se com os conteúdos das demais linguagens artísticas e a ação da mediação cultural. Para analisarmos as concepções de corpo
  50. 50. 50 e de dança que essa proposta gera no Ensino Médio, selecionaremos duas escolas estaduais desse nível de ensino localizadas na região de São José do Rio Preto. Partindo do entendimento de que essa proposta curricular não aborda as linguagens artísticas como área de conheci- mento e que sua visão transversal pode gerar uma polivalência da ação docente, esta investigação pretende problematizar essa concepção de currículo de Artes e analisar as compreensões de dança e corpo que se fazem presentes nos discursos dos alunos e docentes.  Palavras-Chave: Currículo; Ensino Médio; Dança; São Paulo. Arranjos do tempo re-des-cobertos em dança Rosa Cristina Primo Gadelha (UFC) Investigar, a partir de um levantamento de obras, artistas, teorias e de processos laboratoriais de experimentação e criação, questões teóri- cas e técnicas cuja centralidade seja a construção dramatúrgica e seus dispositivos ligados à temporalidade e corporeidade dançante. O su- porte teórico principal a ser utilizado se refere à ontologia da diferença desenvolvida pelo filósofo Gilles Deleuze; e com ele, outros pesquisa- dores com análises próximas e afins. Palavras-Chave: Tempo; Dança; Corpo. Criação Artística, Pesquisa Etnográfica e Universidade Sandra R. O. Santana Há um bom tempo, a incursão etnográfica tem servido ao trabalho de elaboração artística, e, em particular, ao universo da dança. Desde a Dança Moderna de Doris Humphrey, Ruth Saint-Dênis e Catherine Dunham, que os profissionais revelam preocupações antropológicas e vão ao campo em busca de dados concretos, e decerto, inspirado- res. Pina Baush, mais adiante, com o seu projeto de residências que desenvolveu entre as décadas de 1980/1990, visitou localidades do
  51. 51. 51 mundo para levantar material a ser utilizado em suas montagens core- ográficas. Hoje, muitos são os relatos de propostas artísticas da dança pós-moderna e da Performance que se utilizam desse expediente para subsidiar o trabalho de criação. Em minha prática artística, ao servir- me de elementos da capoeira angola brasileira, tenho refletido mais detalhadamente sobre essa relação: etnografia – pesquisa/criação ar- tística. Decididamente, não considero serem incompatíveis a pesquisa estética contemporânea, caracteristicamente desconstrutivista como o sabemos, com o trabalho de descrição etnográfica, de caráter antro- pológico, ou seja, que visa o entendimento da estrutura e das relações singulares dos contextos sócio-culturais humanos. Ao contrário, ten- do a acreditar que desse encontro – e a história nos tem dado exemplos claros – surgem elaborações significativas seja no campo das artes, como também, na esfera da pesquisa acadêmica. Estarei, portanto, expondo, na presente comunicação, algumas reflexões relacionadas à relação entre criação coreográfica contemporânea e pesquisa de cará- ter etnográfico no âmbito da Universidade baiana. Palavras-Chave: Criação Artística; Pesquisa; Etnografia; Universidade. Indisciplina do corpo na escola: a dança como potencializadora da aprendizagem escolar Sílvia Azevêdo Sousa Orientadora: Profa. Dra. Fátima Wachowicz O presente trabalho objetiva problematizar como a dança pode po- tencializar uma ampliação na aprendizagem escolar nas experiências pedagógicas em escolas do Ensino Básico. Para contribuir com essa investigação buscou-se realizar uma revisão de pesquisas teóri- cas para dialogar com alguns autores como Foucault (1983; 1987), na maneira como o autor trata as questões do corpo em ambientes insti- tucionais, o adestramento dos corpos e o controle do tempo, e também as ações impositivas das codificações sociais sobre jovens e crianças. Em estudos mais recentes Greiner (2010; 2011), corrobora com nossa
  52. 52. 52 investigação quando aponta a natureza indisciplinar do corpo e propõe que os estudos sobre o corpo produzam novas metodologias de pes- quisa. A criança em seu processo de letramento transita entre cultura letrada e não letrada, passando da linguagem não verbal para verbal. Para articular as pesquisas, sugere-se ainda Miranda (1979), por con- siderar a fala e a transmissão oral tão importante quanto o movimento expressivo da criança. E finalmente, a relação entre corpo, movimen- to e conhecimento, sugerida nos estudos de Lakoff e Johnson (2012), pois os autores apontam que os processos de conceituação ocorrem pela relação com a motricidade. Diante desses pressupostos, preten- de-se ampliar o estudo e desenvolver a pesquisa de Mestrado que está em andamento, dando continuidade ao estudo monográfico sobre Mediações Educacionais em Dança como parte dos processos cog- nitivos do corpo, concluído há um ano (SOUSA, 2012). Espera-se que esta pesquisa contribua tanto para sujeitos envolvidos no processo e também para abertura de novos diálogos na produção acadêmica entre Dança e Educação. Palavras-Chave: Dança; Corpo; Aprendizagem e Escola. O professor na cena da avaliação mediadora em dança: processos de corporificação Thiago Santos de Assis (UESB) O presente artigo traz desdobramentos da pesquisa de mestrado inti- tulada “Avaliação da Aprendizagem em Aulas de Dança: um trânsito entre o dito e o feito em escolas municipais de Salvador”, apresentada ao Programa de Pós-graduação em Dança da Universidade Federal da Bahia, cujo objetivo foi analisar a Dança no contexto das escolas mu- nicipais, identificando a tessitura de sentidos que é direcionada para a avaliação no processo de ensino-aprendizagem. No presente texto, lanço um enfoque específico na concepção de uma avaliação mediadora em Dança, contrapondo-a ao modelo da avaliação classificatória, ain- da, muito deflagrada nos processos educacionais da Dança, sobretudo,
  53. 53. 53 na Educação Básica. Como proposta de corporificação do discurso que enuncio, no que tange a avaliação mediadora como certeza-transitória para os processos pedagógicos da Dança, apresento aspectos do cons- tructo teórico da Experiência da Aprendizagem Mediada, proposta pelo professor Reuven Feuerstein, promovendo deslocamentos interteóri- cos para o campo da Dança. Os critérios de mediação postulados por Feuerstein aqui são traduzidos como orientações metodológicas que auxiliam o artista-docente do campo da Dança a pisar sobre os solos movediços da avaliação da aprendizagem. Por considerar que as ideias empreendidas neste artigo se configuram como pontos de abordagem inicial para pensar em uma pedagogia da mediação em Dança, com foco na avaliação enquanto como componente da ação pedagógica, é que direciono este primeiro exercício de reflexão para os quatro critérios de mediação, apresentados na teoria da Experiência da Aprendizagem Mediada, a saber: 1. Mediação da Intencionalidade e Reciprocidade; 2. Mediação do Significado; 3. Mediação da Transcendência; 4. Mediação da Modificabilidade Cognitiva. Espera-se que este texto possa con- tribuir com uma reflexão crítico-analítica no que concerne à prática pedagógica do Professor de Dança no ato de gerenciar os processos de ensino-aprendizagem, sobretudo, no fazer-elaborar da avaliação. Palavras-Chave: Dança; Processos Educacionais; Avaliação da Aprendizagem; Mediação. Processos de co-adaptação: Dança contemporânea em casas Thulio Guzman Orientadora: Profa. Dra. Jussara Setenta Este artigo tem como principal objetivo levantar questões que surgem a partir de propostas artísticas de dança realizadas em casas. Os deslo- camentos que estas propostas realizam nos permitem discutir o lugar da arte na produção cultural atual, o lugar do espectador e do artista, entre outras questões que emergem destes trânsitos. O corpo aqui será compreendido como inacabado e em constan- te processo de co-adaptação com os ambientes pelos quais transita.
  54. 54. 54 Assim, a dança pode ser resultado das sínteses transitórias das rela- ções que constrói e pelas quais é construída. Desse modo, os lugares do seu acontecimento modificam o corpo e suas danças. Neste estudo apresento estes deslocamentos propostos pelos processos de criação de dança contemporânea: “Dança contemporânea á domicilio” de Claudia Müller e “1000 casas” do Núcleo do Dirceu, a partir do cru- zamento de informações disponíveis, tais como: sinopses, blogs, imagens, depoimentos, vídeos, entre outros rastros possíveis. Para isto é possível perceber as obras, não apenas no ato do seu comparti- lhamento com o público, mas também nas múltiplas informações que configuram estes processos. Palavras-Chave: Co Adaptação; Dança Contemporânea; Casas. Dança como campo de ativismo político: O Bicho Caçador Verusya Santos Correia Este artigo pretende mostrar que as danças criadas como manifesta- ções populares de grupos sociais espontaneamente organizados, que ocorrem na rua e se baseiam nas suas experiências cotidianas dos es- paços públicos em que vivem, produzem um tipo de transgressão das normas tanto de organização urbanística quanto da dinâmica sócio -urbana vigente e da própria prática artística coreográfica, na medida em que subvertem a lógica segregatória e espetacular que se impõe atualmente como modelo hegemônico de cidade, de arte e inclusive de corporalidade (Britto e Jacques, 2008). O objeto tomado para análise é a manifestação anual do Bicho Caçador, criada e realizada pelos habitantes do bairro Porto de Trás, na cidade de Itacaré (BA). Partindo da minha própria experiência de coreógrafa mobilizada por questões de segregação social, o estudo se desenvolve articulando depoimentos coletados e dados históricos contextuais, com as noções de coimplicação entre corpo e ambien- te (Britto, 2008), corpografia urbana (Britto e Jacques, 2008, 2010) e profanação (Agamben, 2007), para mostrar como o Bicho Caçador
  55. 55. 55 transgride (desde o nome) as regras de convívio e ocupação do espaço urbano, pelo seu uso dessacralizador da segregação espacial, sócio-e- conômica e étnico-cultural vigentes na cidade.O que poderia querer dizer: profanar a dança? Será então, uma das possibilidades as inova- ções na forma de representação e reinvidicações deste campo? Pretende-se, desse modo, sugerir que a dança pode ser um tipo de ação crítica, de desvio ou resistência aos modelos hegemônicos de pensamento e comportamento promotores da espetacularização – pa- pel que denominaremos de ativismo político. Palavras-Chave: Dança; Ambiente Urbano; Coimplicação; Ativismo Político. Alteridade e autonomia: um outro discurso da dança Vivian Vieira Peçanha Barbosa (UFU) Com os temas da inclusão, da diversidade e da tolerância ocupando lu- gar de destaque, seja no rigor do meio acadêmico ou no cotidiano e na mídia, torna-se relevante propor uma reflexão mais profunda sobre a relação dialética entre as forças do coletivo e a lógica do fortalecimen- to da individualidade. Ao considerarmos que a experiência da dança se dá, quase que exclusivamente, dentro de processos coletivos, como dar destaque à autonomia e à singularidade de cada indivíduo? E, ao mesmo tempo, como dar destaque à singularidade e à individualida- de, sem perder de vista a inserção do indivíduo em um corpo coletivo? Tendo como norte a Teoria Crítica de Theodor Adorno, passando pe- las reflexões de Jacques Rancière e pelo pensamento de Rudolf Laban, entre outros autores, percorremos as projeções dos conceitos de auto- nomia e alteridade para meditar sobre a dança, quem a produz, ensina e aprende e também como podem se dar tais processos. Pretendemos, assim, discutir os conceitos de autonomia e alteridade para pensarmos a dança e a invenção de novas corporeidades e modos de comparti- lhamento de experiências que levem a outros discursos artísticos e formativos, de não-identidade e de inadequação. Palavras-Chave: Dança; Alteridade; Autonomia.

×