Produção gráfica - Aula 03 Tipos De Impressao II

40.497 visualizações

Publicada em

Processos de Impressão

Publicada em: Turismo
2 comentários
20 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Olá Daniel, creio que a ilustração que designa o processo de Flexografia na pag. 11 está errado, essa que está sendo usada representa o processo de Rotogravura.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Estou gostando muito dos slides.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
40.497
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
636
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.338
Comentários
2
Gostaram
20
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Produção gráfica - Aula 03 Tipos De Impressao II

  1. 1. Processo de impressão Tipografia - “Squash” na borda das imagens visível somente com o uso de lente e um suave relevo no suporte de impressão, provocado pela pressão direta das matrizes sobre a sua superfície. (Camada do filme “lendo certo” – só no relevo seco que a camada deve ficar “lendo errado”). D.R.C
  2. 2. Processo de impressão Tipografia D.R.C
  3. 3. Processo de impressão Offset - O offset é um dos processos de impressão mais utilizados desde a segunda metade do século XX. Ele garante boa qualidade para médias e grandes tiragens, além de imprimir em praticamente todos os tipos de papéis além de alguns tipos de plástico (especialmente o poliestireno). O offset faz uma impressão indireta: a matriz (um cilindro com uma chapa metálica que possue a imagem a ser gravada) passa por um rolo de tinta, que por sua vez “gruda” na imagem da chapa e em seguida a matriz transfere a imagem para um outro cilindro coberto com borracha (a blanqueta) que por sua vez imprime no papel. Ou seja, a matriz imprime na blanqueta que imprime no papel. D.R.C
  4. 4. Offset D.R.C
  5. 5. Processo de impressão Offset - Bordas das imagens bem definidas e áreas chapadas com as cores bem definidas e uniformes. (Camada do filme “lendo errado”). D.R.C
  6. 6. Rotogravura A imagem a ser impressa é gravada na superfície do cilindro; esta é então entintada, removendo-se a seguir todo o excesso, deixando a tinta apenas nas cavidades gravadas. O plástico ou papel pressionado sobre a chapa retira a tinta das cavidades, recebendo a imagem. Pode se imprimir neste sistema a partir de chapas curvas, projetadas para envolver o cilindro, ou então diretamente no próprio cilindro, que recebe a gravação. Na rotografia a área a ser impressa está em baixo relevo. Para a impressão, toda superfície da chapa entintada e depois raspada com uma lâmina de aço flexível, chamada raspadeira, faca ou racla, deixando a tinta apenas nas cavidades. D.R.C
  7. 7. Rotogravura Este tipo de impressão é mais usado em plásticos flexíveis tais como, sacos e sacolas, e é feito em máquinas rotativas que podem ser alimentadas por folhas ou bobinas. As principais características da rotogravura são: Impressão de alta qualidade e alta tiragem em preto e branco, ou em cores. Qualidade uniforme. Pretos mais ricos e gama mais ampla de tonalidade em relação a todos os outros processos. Mais econômico nas altas tiragens, e competitivo nas pequenas. Chapas e cilindros duram mais, porém custam mais. Pode imprimir diversos tipos de superfície, porém em superfícies mais lisas consegue-se melhor qualidade. D.R.C
  8. 8. Processo de impressão Rotogravura - Serrilhado nas bordas das áreas chapadas, provocado pela conformação das imagens nos alvéolos, e recomposição parcial dos meios tons da imagem contínua, nas áreas das cores intermediárias. (Camada do filme “lendo certo”). D.R.C
  9. 9. Processo de impressão Flexografia - É uma forma de impressão com chapa em relevo, feita de borracha ou resina especifica (cyrel, flexolit) confeccionada a partir do molde de uma forma tipográfica. Usa uma tinta de secagem rápida, porém as máquinas são compostas com sistema de secagem, geralmente por circulação de ar quente . D.R.C
  10. 10. Flexografia A área a ser impressa está em relevo, quando a superfície é entintada, a área ao redor, sendo mais baixa não recebe tinta e, portanto não imprime. A tinta é transferida do clichê diretamente para o suporte (papel, plástico) por meio de pressão. A chapa de impressão é flexível, e pode ser montada sobre os cilindros de chapa com fita adesiva dupla face. Pode imprimir sobre papel, celofane, folhas metálicas e plásticos. No caso de termoplásticos é praticamente usado em flexíveis, tais como sacos e sacolas plásticas. A impressão flexográfica tem qualidade inferior a off-set, e rotogravura, porém de alta velocidade. D.R.C
  11. 11. Flexografia - Forte “squash” nas bordas das imagens, em geral visível sem necessidade do uso de lentes, e eventual aparecimento de manchas irregulares nas áreas chapadas. (Camada do filme “lendo certo”). D.R.C
  12. 12. Serigrafia Serigrafia ou silk-screen é um processo de impressão no qual a tinta é vazada - pela pressão de um rodo ou puxador - através duma tela preparada. A tela, normalmente de seda ou nylon, é esticada num bastidor de madeira ou aço. Os pontos escuros da matriz ficam vazados na tela, e os pontos claros (ou de outra cor) são impermeabilizados por uma emulsão fotossensível ou uma película recortada. O que diferencia a serigrafia dos outros sistemas, é que a tinta tem que atravessar a tela para poder chegar ao substrato (funciona como uma peneira), ficando na tela as áreas de grafismo (imagens) quot;vazadasquot;, permitindo que a tinta passe para o substrato. As áreas de contra-grafismo são impermeáveis à tinta, ficando o substrato sem tinta nessas regiões. D.R.C
  13. 13. Serigrafia A camada de tinta geralmente é sensível ao tato e apresenta um serrilhado borrado nas bordas das imagens, originário da trama do material de produção das matrizes (telas de nylon, arame ou similares). (Camada do filme “lendo certo”). D.R.C
  14. 14. Serigrafia D.R.C
  15. 15. Serigrafia D.R.C
  16. 16. Tampografia É o procedimento técnico que utiliza tampões flexíveis para transferir um filme de tinta indelével de uma placa gravada (clichê) diretamente sobre a superfície de um objeto, sejam quais forem a sua forma e as suas dimensões e o material do qual ele for feito. As superfícies dos objetos podem ser, por sua vez, tanto planas quanto esféricas, convexas, côncavas, apresentarem irregularidades inclusive acentuadas ou serem lisas ou ásperas. (Camada do filme “lendo errado”). D.R.C
  17. 17. Tampografia A impressão a tampão pode ser efetuada sobre objetos de materiais diversos como plástico, vidro, cerâmica, madeira, metal, etc..., com o único cuidado de usar tintas específicas para cada material. É utilizada para imprimir, marcar, gravar, decorar, proteger e colar. Consente a reprodução dos traços mais finos com nitidez, mesmo em varias cores, imprimindo molhado sobre molhado. D.R.C
  18. 18. Tampografia D.R.C
  19. 19. A Gráfica Dentro do setor industrial a gráfica é a responsável pela industrialização de impressos. Os impressos são instrumentos de comunicação. Apesar da idéia ser redundante, é bom salientar que a gráfica não produz conteúdo; ela apenas transfere o conteúdo para o papel. Não é papel da gráfica criticar, retificar ou alterar o conteúdo de um impresso. Nesta seção trataremos da estrutura de uma empresa gráfica através de seus departamentos. D.R.C
  20. 20. A Gráfica D.R.C
  21. 21. A Gráfica Atendimento: Departamento responsável pelo relacionamento comercial da gráfica com seus consumidores. É através das informações fornecidas pelos clientes que o atendimento especifica as características de produção do trabalho que irá ser impresso ou orçado. Orçamento: Departamento responsável pelo levantamento dos custos de produção de um serviço gráfico. Este setor não forma nem gerencia política de preços; estas são incumbências da direção comercial da empresa. Para fazer um orçamento é necessário que o consumidor informe: formato, nº de cores, quantidade, substrato (papel) e acabamento. D.R.C
  22. 22. Gerenciamento de banco de dados: Arte: Projeto gráfico: Realizado em vários softwares disponíveis no mercado como Corel, Quark, PageMaker, Freehand, Ilustrator, Indesign. É no projeto gráfico que se define as formas, cores e o conteúdo do impresso gráfico. D.R.C
  23. 23. Gerenciamento de banco de dados: Digitalização de imagens: O processo de digitalização de imagens é feito pelo Scanner de alta resolução. D.R.C
  24. 24. Gerenciamento de banco de dados: Retoque de imagem: O Retoque de imagens é feito atravéz de softwares como o Photoshop. Neste software é possível alteras cores, suavizar contrastes, retiras sujeiras etc. Prova de cor de alta resolução: As provas de cor podem ser divididas em duas categorias: As digitais e as analógicas. Nas digitais as provas podem ser obtidas por vários processos, os mais conhecidos são jato de tinta (Oris) ou Laser. Todas dependem de calibração para servirem de prova de impressão. D.R.C
  25. 25. Pré-impressão: Montagem: Saída de fotolitos: Os filmes de fotolitos hoje são gerados em uma máquina de imgeseter. Com um laser queima-se um acetato emulsionado com foto sensibilizantes nas áreas que contenham grafismo. Saida de CTP: CTP ou Computer to plate é o processo no qual o equipamento de CTP sensibiliza uma chapa sem a necessidade de fotolito. Revelação de fotolitos Montagem e imposição de imagens (página) Prova de fotolitos Cópias de contatos de fotolitos D.R.C
  26. 26. Cópia: Gravação das matrizes Revelação das matrizes Provas de matrizes Impressão: Acertos Tinteiro Papel Registro Pinça D.R.C
  27. 27. Lavagem de máquina Troca de cores de impressão Fim de expediente Impressão Controle de variação tonal Alimentação Virar o Papel Esvaziar a apanhação D.R.C
  28. 28. Pós-impressão: Dados variáveis Impressão eletrostática de informações variáveis. Endereços, valores, código de barras para cobrança são algumas das possibilidades de impressão. Carnês, extratos de banco, contas de serviço público, mala direta, relatórios e etiquetas personalizadas são algumas das aplicações deste processo. Hot stamp Aplicação de prata ou ouro brilhante. Este recurso é usado para destacar uma informação no impresso (logomarcas). D.R.C
  29. 29. Verniz UV ou base d'água Camada protetora de verniz tem como finalidade proteger o impresso da abrasividade do manuseio. Pode ser usado, quando localizado em uma parte específica do impresso, para destacar uma informação (fotos e textos importantes). Base d'água: De uso obrigatório quando se trata de embalagem para produtos alimentícios ou de higiene pessoal. Corte e vinco Plastificação ou laminação Numeração Mecânica ou tipográfica a numeração tem por objetivo controlar as folhas impressas quando em uso no encomendante. Notas fiscais, blocos e talões são alguns exemplos de aplicação.
  30. 30. Acabamento mecânico: Dobra paralela ou em cruz Acoplamento ( contraplacar ) Procedimento utilizado para unir duas ou mais folhas de papel. Quebra-cabeça, bolacha de cerveja, displays utilizam este mecanismo para ganhar rigidez. Intercalação: União de cardernos onde um caderno é colocado dentro do outro. Este procedimento é usado na produção de revista com grampo. Alceamento Costura Grampo Mina bina (cola de lombadas) Corte trilateral (Revistas e Livros) Acabamento manual: Embalagem: Logística: Expedição: D.R.C

×