Regimento Interno Câmara Municipal de Bom Jardim - MA

192 visualizações

Publicada em

Regimento Interno Câmara Municipal de Bom Jardim - MA

Publicada em: Governo e ONGs
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
192
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Regimento Interno Câmara Municipal de Bom Jardim - MA

  1. 1. ESTADO DO MARANHÃO (í4?x ; ?y1 ; x RA »MUNM ? íífííã DE Bmw/ x: . _«i'xfãg'fv? ;_âiííííü*vííã í A ¡ “ REGIMENTO INTERNO
  2. 2. ll l1i x 1tç1 l 1 l 11 ll al_ ll_ ll 11-11 111 illtttllttiit ll it kÉwW&&“$ww% Titulo I ç _ l Disposições Preliminares . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . ... ... .. . ... ... ... ... ... . . . Capítulo I Da sede (art.1° 32°) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . ... ... ... .. . .¡ . ... ... .. . ... ... . . .O1 Capitulo-II- * ' * _Da Instalaçãoe Posse (art. 3°). ... _. . ... ... ... ... ... ... ... . . , . ... ... ... ... ... ... .. . ... ... ... ... ... ... .. . .01 Capítulo A V _ç Da Eleiçãoida Mesa (art. 4° e (w) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . que Título II - Dos Órgãos da Câmara . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . . Capítulo I Da Mesa Diretora 'Seçãol . _ D-i-sposições Preliminares (art.7°) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . ._. .. ... ... .. . Ç . ... ... ... ... _.03_ SeçãoTII _ ' ' Da Presidência (art. 1o a 11) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . .04 Seção 'II-I 7 _ D0 Vice i- Presidente (art. §1¡2) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . ... . . ... . _.06 Seção' 11V i o " e i . DajSecretarin (art.13 2115); .. ... ... ... ... ... ... ... ... ... . ... ... ... ... ... ... ... ... . . ... Capítulo II Das Comissões Seção I Disposições Gerais (art.16 a 19) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. O7 ' Seção II , ; ' Das-Comissões Pennanenteis (art. 20 a 22) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... . ... ... ... ... ... ... .. _.08 Seção' III' i z Das Comissões Temporáriase SuasCompetênoias (art. 23) . ... ... ... ... .. . ... .. O9 . Subseção I Das Comissões Parlamentares de Inquérito (art. 24 a 26) . ... ... ... ... ... ... .. O9 Subseção II i ' V Das Comissões de Representação (art. 27) . ... ... ... ... ... ... ... ... .. . ... ... ... .. . . l 0 Seção-IV V Do Órgão Diretivo das Comissões (art. 28 a 30) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . ..'10 Seção V Das Vagas (an. 31) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. ll Seção VI Das Reuniões (art. 32 a 34) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . .ll Seção VII Dos Prazos (art. 35 a 40) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . .12 Titulo III - Dos Vereadores
  3. 3. 1111.1111. -ttltltlltttttt 11. t t e' ttttittttttl Capítulo I Da Licença (art. 41) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . .13 Capítulo II " ' i " Da Vacância (art. 42 a 44) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. ; . ... ... ... .. . .13 Capítulo III Da Convocação do Suplente (art. 45 a 46) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ..14 Capítulo IV _. ç __ _ Do Decoro Parlamentar (art. 47 2151) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . , .15 Capítulo V Dos Líderes (art. 52 a 56) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. Titulo IV - Das Sessões Capítulo I Disposições preliminares (art. 57 a 64) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. _.17 Capítulo II i Das Sessões-Ordinárias Sessão I Do Pequeno Expediente (art. 65 a 68) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . . 18 Sessão II Do Grande Expediente (art. 69) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ..19) Sessão III DeoOrdem do Dia (art.70 a 73) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . .;. ...20 Sessão) IV Expediente Final (art.74) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. n20 Sessão V Das Atas (art.75 a 76) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ..20 Titulo V - Das Proposições Capítulo I . Disposições Gerais (art. 77 a 88)' . ... .. . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . .*. ç.. ... .21 Capítulo II Da Tramitação (art. 84 a 86) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ..22 Capítulo III Dos Projetos (art. 57 a 90) . ... ... ... .. .. ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . .22 Capítulo IV Das Moções (an. 91 a 93) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . .23 Capítulo V Das Indicações (art. 94 a 95) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ..24 Capítulo VI Dos Requerimentos Sessão I Disposições Preliminares (art. 96 a 97) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ..24 Sessão II . Sujeitos a despacho do Presidente (art. 98 a 99) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . .24
  4. 4. tttttiiiiitttttittitttttiittttttttttttttl tt t 11 lt Sessão III Sujeitos à Deliberação do Plenário (art. 100 a 102) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... _.25 Capítulo VII ç Das Emendas (art. 103 a 106) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . .~. _. . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ..25 Titulo VI - Da Participação da Sociedade Civil Capítulo I Da Iniciativa Popular de Lei (art. 107) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ..26 Capítulo II Das Participações e representações e outras. formas de participação (art. 108 a 110) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ..26 Capítulo III Da Audiência Pública (art. 1 l 1) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . .27 Titulo VII - Das Discussões e Deliberações Capítulo I Das Discussões Sessão I Disposições Gerais (an. 112 a 114) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ..27 Sessão II Dos Apartes (art. 115) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. _27 Sessão III Dos Prazos (art. 116) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . .28 Sessão IV , .' ' Do Adiamento (art. 117) . ... ... . . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . .28 Sessão V D0 Encerramento (art. 11-8) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . .28 Sessão VI Da Proposição Emendada Durante a discursão (art. 119) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ..28 Capítulo II Da Votação Sessão I Disposições Gerais (art. 120 a 125) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ..28 Sessão II Dos Processos de Votação (art. 126 a 129) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . _.29 Sessão III Do Encaminhamento (art. 130) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . _.30 Sessão IV Do Destaque (art. 131 a 133) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . .30 Capítulo III Da Redação Final (art. 134 a 139) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . .30
  5. 5. - r* Capitulo IV _ , . Da Urgência (art. 140 a 143) . ... ... ... ... ... ... . . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . _31 Titulo VIII ' / - Da Elaboração Legislativa Especial Capitulo I Dos Projetos com Iniciativa do Prefeito com solicitação de urgência (art. 144) . ... _.31 Capitulo II ç Do Veto (art. 145 a 147) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . , .32 Capítulo III l Do Plano plurianual, Diretrizes Orçamentárias e Orçamento Anual (art. 148 a j ” 149) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ..32 Capitulo IV 1 _ Dos Projetos de Remuneração e Subsídio (art. 150) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... _.33 › A Capitulo V Da Tomada de Contas do Prefeito e da Fiscalização (art, 151 a 156) . ... ... ... ... ... ... . _.33 e ^ Titulo IX - Do Regimento Interno _ Capítulo I Das Questões de Ordem (art. 157) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ,.33 Capitulo II Das Reclamações (art. 158) . ... ... ... ... . . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . .34 Capitulo III Da Reforma do Regimento Interno (art. 159 a 160) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . , .34 Titulo X - Da Posse do Prefeito e do Vice-Prefeito (art, 161) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . .34 Titulo XI l - Da Convocação e do Comparecimento das autoridades (art. 162 a 163) . ... ... ... ... ... ... . , .35 P Titulo XII - Das Disposições Finais (art. 164 a 171) . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ,.35
  6. 6. ll. , A 11 1111 11 11111111111 1111 ll tllttttittt . ttittttttt tttttttitttl ESTADO DO MARANHÃO CÂMARA MUNICIPAL DE BOM JARDIM ANTONIO OTÁVIO DE OLIVEIRA Presidente MISAEL SANTOS SOUSA Vice-Presidente BERNARDO LUIS DE ANDRADE 1° Secretário FRANCISCO SOARES DE MELO 2° Secretário
  7. 7. 1 11 11 11 -11111111 _11111 111111 111111111111111 1 A MESA DA CÂMARA MUNICIPAL DE BOM JARDIM no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o Projeto de Resolução n°. 001/93, aprovados nos seus turnos regimentais, RESOLVE promulgar a seguinte: " RESOLUÇÃO LEGISLATIVA N°_ 18/94 DISPÕE sobre o Regimento Interno da Câmara Municipal de Bom Jardim_ TÍTULO I Disposições Preliminares CAPITULO I Da Composição e da Sede Art. 1° - A Câmara Municipal é composta de Vereadores, representantes do Povo do Município de Bom Jardim, eleitos na forma da lei, para uma legislação de quatro anos. Art. 2° - A Câmara Municipal funciona na sede do Município de Bom Jardim. Parágrafo Unico - A Câmara Municipal por motivo de convivência pública e deliberação da maioria de seus membros, poderá reunir-se em qualquer outro local dentro da área de circunscrição do Municipio. CAPÍTULO II Da Instalação e Posse Art. 3° - No primeiro ano de cada legislatura, os que tenham sido eleitos vereadores reunír-se-ão em seção preparatória às 10:00 horas, do dia 1° de janeiro, independentemente de convocação. . ' § 1° - Assumirá _a direção dos' trabalhos o Vereador que haja exercido mais recentemente e em caráter efetivo, respectivamente, a presidência, Vice-presidência, 1° Secretaria ou 2° Secretaria. Na falta de todos, a presidência será ocupada pelo Vereador que tiver obtido a maior votação entre os presentes, na qual assinará também a direção dos trabalhos da segunda sessão preparatória da mesa. § 2° - Aberta a sessão, o Presidente convidará um Vereador de qualquer partido para ocupar o( lugar de Secretário e procederá ao recolhimento dos diplomas dos eleitos e de suas respectivas declarações de bens. § 3° - Examinadas e decididas as dúvidas, se as houver o Presidente, de pé, com todos os presentes, proferirá o seguinte compromisso: PROMETO CUMPRIR A CONSTITUIÇÃO FEDERAL, A CONSTITUIÇÃO ESTADUAL E A LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO, OBSERVAR AS LEIS, DESEMPENHAR O MANDATO QUE ME FOI CONFIADO E TRABALHAR PELO PROGRESSO DO MUNICÍPIO E PELO BEM ESTAR DO SEU POVO. “Ato continuo, feita a chamada, cada vereador, de pé, declararár” ASSIM O PROMETO. § 4° - O conteúdo do compromisso e ritual de sua prestação não poderá ser modificados, nem o compromissando poderá ser empossado através de procurador. § 5° - O Vereador empossado posteriormente prestara compromisso em seção e junto à mesa, exceto durante o recesso parlamentar, quando o fará perante o Presidente. § 6° - Salvo motivo de força maior ou enfermidade devidamente comprovados, a posse deverá ocorrer no prazo de quinze dias contados:
  8. 8. 1111 11111 11111111 11111 I - da primeira sessão preparatória da legislatura; II - da diplomação, se eleito vereador durante a legislatura; III - da ocorrência do fato que enseja, por convocação do Presidente; §, 7° - O prazo estabelecido no parágrafo anterior poderá ser prorrogado por igual período, a requerimento do interessado. § 8° - Não se considera investido no mandato de vereador quem deixar de prestar o compromisso regimental. § 9° - Tendo prestado compromisso uma vez o suplente de vereador será dispensado de fazê-lo em convocações subsequentes. § 10° - No ato da posse o Vereador deverá desincompatibilizar-se e aprender a respectiva declaração de bens, devendo fazê-lo também no término do mandato, sendo ambas transcritas em livro próprio, resumidas em ata divulgadas para o conhecimento público. CAPÍTULO III Da Eleição da Mesa Art. 4° - na segunda seção preparatória, às 11:00 horas do dia 1° de janeiro, sob a direção de quem dirigiu os trabalhos da primeira sessão preparatória, realizar-se-á a eleição do Presidente, Vice-Presidente e Secretários da Mesa, para um mandato de dois anos, vedada a recondução para o mesmo cargo na eleição seguinte, ainda que na legislatura subsequente_ Art. 5° - A eleição dos membros da Mesa far-se-á por escrutínio secreto, exigida a maioria absoluta dos votos em primeiro escrutínio; não sendo alcançado este “quorum”, será exigida a maioria simples de votos sem segundo escrutínio, presentes as maioria absoluta de Vereadores, observadas as seguintes exigências e formalidades: I - registro, junto a Mesa, individualmente, de candidatos previamente escolhidos pelas bancadas dos partidos ou Blocos Parlamentares; II ~ cédula impressa ou datilogafada contendo apenas o nome do votado e o cargo a que concorre; 1 III- chamada dos vereadores para votação; IV - colocação em cabine indevassável, das cédulas em sobrecartas rubricadas e entregues pelo Presidente, de modo que fique resguardado o sigilo do voto; V - colocação da sobrecarta pelo próprio votante em uma a vista do Plenário; VI- votação e apuração, para cada cargo, separadamente, na ordem estabelecida no artigo 7°, § 1° deste Regimento; VII - acompanhamento dos trabalhos de apuração por dois Vereadores de paridos diferentes, convidados pelo presidente. VIII - retirada das sobrecartas por um dos escrutinadores que as contará e, veriñcada a coincidência do seu número com o dos volantes, as abrirá e retirará as cédulas, procedendo à leitura dos nomes e cargos; IX - eleição do candidato mais idoso em caso de empate; X - proclamação, pelo Presidente, do resultado final e posse imediata dos eleitos, Parágrafo Único - Na composição da Mesa será assegurada, tanto quanto possivel, a representação proporcional dos partidos ou Blocos Parlamentares com assento na Câmara Municipal.
  9. 9. 1 1 1 Art. 6° - No ultimo dia de sessão legislativa ordinária de cada legislatura, realizar-se-á a eleição da Mesa Diretora deve ser empossada no dia 1° de janeiro do ano seguinte. ' TÍTULO II Dos Órgãos da Câmara _CAPÍTULO I Da Mesa Diretora Seção I Disposições Preliminares Art. 7° - A mesa e' o órgão de direção dos trabalhos de legislativos e dos serviços administrativos da Câmara Municipal_ § 1° - A Mesa compõe-se de Presidente, Vice-Presidente, 1° e 2° Secretário. § 2° - substitui o Presidente no caso de impedimento e sucede-lhe no de vaga, o Vice-Presidente_ § 3° - No caso de substituição e sucessão de Secretários será aplicado o dispositivo do parágrafo anterior. § 4° - A convite do Presidente, qualquer vereador poderá exercer as funções dos Secretários, quando se verificar a ausência ou impedimento dos titulares. § 5° - O Presidente não poderá fazer parte da liderança nem de Comissões Permanentes ou Temporária. § 6° - As funções da Mesa somente cessarão: I - durante a legislatura, pela renúncia do membro ou afastamento nos termos do art_ 24. § 5° da Lei Orgânica do Município; ou ainda eleição e posse dos membros correspondentes da nova Mesa; II - ao findar-se a legislatura. Art. - Declarado vago qualquer cargo por ato da Mesa, na forma dos §§ 2° e 3° do art. 7°, será ele preençhido mediante eleição dentro. de cinco sessões, observadas as disposições do Art. 5° e seus incisos_ I A dirigir todos os serviços da Câmara Municipal durante as sessões legislativas e nos seus interregnos e tomar as providências necessárias à regularidade dos trabalhos legislativos; Il - dar parecer sobre as proposições que visem modificar o regimento Interno; III - adotar medidas adequadas para promover e valorizar o Poder Legislativo e resguardar o seu conceito perante o Povo; IV - conferir aos seus membros atribuições ou encargos referentes aos serviços legislativos e administrativos; V - adotar as providências cabíveis, por solicitação do interessado, para a defesa judicial ou extrajudicial do Vereador conta a ameaça ou prática de ato atentatório ao livre exercício e das prerrogativas constitucionais do mandato do Parlamentar; VI - declarar a perda do mandato do Vereador, de oficio ou mediante provocação de qualquer de seus membros ou part.
  10. 10. 111 ll ll 1111 _QL L1 ; Tí 11111111111 1 VII - deliberar sobre requerimento de licença dos vereadores; VIII - encaminhar ao Poder Executivo os requerimentos de informações; IX - nomear os membros das Comissões Permanentes e Temporárias; X - propor, privativamente, à Câmara Municipal, Projeto de resolução dispondo sobre sua organização, funcionamento, regime jurídico de pessoal, criação, transformação ou extinção de cargos, empregos e funções e fixação da respectiva remuneração; _ XI - prover os cargos e funções dosiservidores administrativos da Câmara Municipal, bem como conceder licença, aposentadoria e vantagens devidas aos servidores, ou colocá-los em disponibilidade; XII - enviar ao Prefeito Municipal ate' o dia 1° de março, as contas do exercício anterior; XIII - elaborar e encaminhar ao prefeito Municipal, até 31 de agosto, após aprovação pelo plenário, à proposta parcial do orçamento da Câmara, para ser incluído no Orçamento Geral, prevalecendo, na hipótese de não ser aprovada pelo plenário, a proposta elaborada pela Mesa; XIV ~ determinar a abertura de sindicância ou instaurar inquéritos administrativos; XV - apresentar a Câmara, na sessão de encerramento do ano legislativo, relatórios dos trabalhos. Parágrafo Único r A Mesa decidirá sempre pela maioria de seus membros. Seção II Da Presidência Art, 10 - O Presidente e o representante da Câmara Municipal quando ela houver de se pronunciar coletivamente e o supervisor dos seus trabalhos e da sua ordem nos termos deste Regimento. Art_ ll - São atributos do Presidente, além das expressas nesse Regimento ou que decorram da Natureza de suas funções ou prerrogativas: I - quanto às sessões da Câmara: ' a) presidir, abrir, suspender, levantar, e encerra-las; b) manter a ordem, cumprir e fazer cumprir este Regimento; c) conceder a palavra aos Vereadores; d) chamar atenção do orador ao se esgotar o tempo a que tem direito, bem com interrompe-lo quando se desviar da questão, falar contra o vencido ou faltar à consideração à Câmara Municipal ou a qualquer um de seus membros e, em caso de insistência, retirar-lhe a palavra; e) convidar o Vereador para retirar-se do recinto do Plenário quando perturbar a ordem; f) decidir soberanamente as questões de ordem e as reclamações;
  11. 11. 1111112011; 11711 1 1 ll 11 11,11 1111 11 1111 111 11 111 ll ll 11111 I . T1111 l lllL 1111111111, 111 g) anunciar a ordem do dia e o número de Vereadores presentes; h) submeter à discussão e a votação a matéria para isso destinada, estabelecendo o ponto da questão que será objeto de votação; i) anunciar o resultado de votação; j) anunciar a ordem do dia da sessão seguinte; k) convocar sessões extraordinárias, solenes e prCparatÓrÍaS, DOS termos deste Regimento; l) participar das votações em Plenário, quando a matéria exigir o “quónim” de maioria absoluta ou dois terço dos membros da Câmara para sua aprovação; m) desempatar as votações em Plenário, exceto no caso de escrutínio secreto. ll 4 quanto as proposições: a) distribuir proposições e processos às Comissões; b) deixar de aceitar qualquer proposição que não esteja devidamente formalizada e em termos alheios à competência da Câmara Municipal, claramente inconstitucional ou antirregimental; c) determinar a retirada de proposição da ordem do dia, nos termos desse Regimento; d) declarar prejudicada qualquer proposição que assim deva ser considerada, nos termos desse Regimento; III 4 quanto às Comissões: a) declarará a perda do lugar dos membros da Comissão, na conformidade regimental; b) resolver definitivamente recursos contra decisões do Presidente e de Comissão, em questão de ordem por este resolvida; c) convocar reunião extraordinária ou conjunta de missão para apreciar proposições em regime de urgência; d) presidir asrreuniões dos ? residentes de Comissão. IV 4 quanto a Mesa: a) presidir suas reuniões e tomar parte nas deliberações com direito a voto; b) 'distribuir a seus membros matéria que dependa de parecer, lixando-lhe o respectivo prazo. V 4 quanto à competência geral: a) interpretar e fazer cumprir o Regimento, Intemo; b) promulgar as Resoluções e Decretos Legislativos, bem como as leis que tenham sido sancionada no prazo legal ou as cujo o veto tenha sido rejeitado pela Câmara e não tenha sido promulgadas pelo Prefeito Municipal, mandando publica-las, bem como aos atos da Mesa; c) apresentar ao Plenário, até o dia 20 (vinte) de cada mês o balanço relativo aos recursos recebidos e as despesas realizadas; d) requisitar o numerário destinado às despesas da Câmara; e) designar comissões especiais nos termos regimentais, observadas as indicações partidárias; f) mandar prestar informações por escrito e expedir certidões requeridas para defesa de direito e esclarecimento de situações; g) declarar a vacância dos cargos de prefeito, Vice-Prefeito e Vereador nos casos previsto em lei;
  12. 12. tlttttttttttt h) realizar audiências públicas com entidades da sociedade civil e com membros da comunidade; 'i i) assinar, previamente, a correspondência destinada ao Presidente da República, aos Governadores do Estado e Distrito Federal, aos Presidentes das Assembleias, Legislativas, aos Presidentes dos Tribunais, aos Ministros, aos Secretários de Estado e aos chefes de Governos Estrangeiros e Prefeitos Municipais; j) substituir o Prefeito nos termo da Lei Orgânica do Município; k) convocar extraordinariamente a Câmara Municipal, nos termos da Lei Orgânica do Município; l) dar posse aos Vereadores nos termos desse Regimento: § 1° - Para tomar parte em qualquer discursão, o Presidente transmitirá a presidência ao seu substituto e não a reassumirá enquanto se debater a matéria a que se propôs discutir. § 2° - O Presidente poderá, em qualquer fase dos trabalhos, da sua cadeira, fazer ao Plenário comunicação de interesse da Câmara Municipal ou do Município. V Seção III Do Vice - Presidente Art. 12 - Ao Vice-Presidente incumbe substituir o Presidente sem suas ausências ou impedimentos, além de: I - promulgar e fazer publicar obrigatoriamente as resoluções e os Decretos Legislativos sempre a que o Presidente, ainda que se ache em exercício, deixar de fazê- lo no prazo estabelecido; II - promulgar e fazer publicar, obrigatoriamente, as leis quando o Prefeito Municipal e o Presidente da Câmara, sucessivamente tenham deixado de fazê-lo, sob pena de perda do mandato de membro da Mesa. § 1° - Sempre que tiver de se ausentar do Município por mais de cinco dias úteis o Presidente passará o exercício da presidência ao Vice-Presidente. § 2° - À hora do início dos trabalhos da sessão, não se achando o Presidente no recinto, será ele substituído, sucessivamente, pelo Vice-Presidente e Secretários, segundo a numeração ordinal, ou na falta destes, pelo Vereador mais idoso, procedendo- se da mesma fonna quando tiver necessidade de deixar' sua cadeira. Seção IV Da Secretaria Art. 13 - São atribuições do 1° Secretário: I ~ assinar a correspondência oficial da Câmara Municipal, que seja privativa do Presidente; II- assinar as atas, resoluções e decretos da Mesa; HI - assinar junto com o Presidente, a lista de presença, dos Vereadores; IV - proceder a leitura de expediente constante da seção; V - fazer chamada dos Vereadores; VI - registrar em livro próprio, os procedentes firmados na aplicação do Regimento Interno. Art. 14 - São atribuições do 2° Secretário: I -lavrar as atas das sessões e efetuar a leitura das mesmas ao inicio da seção;
  13. 13. Í; .-. ~ ~ mas, resoluções e decretos da mesa; Ill! -mmuegr-se do livro de inscrições dos oradores; IV - controlar e assinar a lista de presença dos vereadores V ~ Fazer a inscrição dos oradoresna pauta dos trabalhos; Art. 15 - Compete ainda, ao 2° Secretário auxiliar o Secretário e substitui-lo nos impedimentos legais ou ausência; CAPITULO II Das Comissões Seção I Disposições Gerais Art. 16 - As Comissões da Câmara Municipal são: I ~ permanentes, as que subsistem através das lelislatura e tem por finalidade apreciar assuntos de proposições submetidas ao exame e sobre elas deliberar ou emitir parecer, além de outras consignadas na Lei Orgânica e neste Regimento; Il - especiais as que se extinguem com o termino da leitura ou, antes dela, quando preenchido o fim especial a que destinam. Art. 17 ~ Assegurar-se-á nas Comissões Permanentes e temporárias, tanto quanto possível, a representação proporcional dos Partidos, a qual se define como o número de lugares a eles reservados em cada Comissão. § 1° - A representação dos Partidos obter-se-á dividido-se o número de Vereadores pelo número de membros de cada comissão e o número de Vereadores de cada Partido ou bloco parlamentares pelo quociente alcançado no primeiro casofO inteiro do quonciente final, denominado quociente partidário, representará o número. De lugares que o Partido ou Bloco Parlamentar terá direito em cada missão. § 2° - As vagas não preenchidas, uma vez aplicado o critério do parágrafo anterior, serão destinadas aos Partidos que possuírem o quociente partidário exigido para ter pelo menos representante na Çomissão. O preenchimento de tais vagas dar-se por acordo dos Partidos' interessados dentro de cinco dias, esgota este prazo, se não houver acordo, o Presidente, de ofício, fará respectivas indicações. Art. 18 ~ Cada Comissão Permanente terá três membros Parlamentares e um suplente. Art. 19 - Os membros das Comissões Permanentes ou temporárias serão nomeados pelo Presidente da Câmara MunicipaLmediante indicação dos Líderes de Partidos ou Bloco Parlamentanressalvada a hipótese do § 2° do art.17 § 1 ~ Os lideres farão a indicação dentro ao prazo de quinze dias, contados ao Inicio da sessão legislativa ou da apresentação do requerimento de constituição de co- missão temporáriaDecorrido esse prazo sem indicação, o presidente da Câmara Municipal indicará os membros das comissõespbservado o disposto no art. 17 § 2° - O suplente de Vereador não poderá ser eleito Presidente de Comissão. § 3° - As modificações numéricas que venham a ocorrer nas bancadas dos Partidos ou Bloco Parlamentar, que importem em da modificação da proporcionalidade na composição das Comissões.
  14. 14. lift lilll tlttt H jtltttt 1111 ltt lili 11 Seção II Das Comissões Permanentes e sua Competência Art. 20 - Iniciados os trabalhos da primeira e da terceira sessões legislativa, a mesa providenciará a organização das comissões permanentes, dentro do prazo improrrogável de quinze dias. Art. 21 - As Comissões Permanentes são as seguintes: I - Comissão de Constituição e Justiça, segurança, administração e Redação Final: Il - Comissão de Orçamento, Finanças e Fiscalização; III- Comissão de Educação, Cultura, Saúde, Trabalho e Ação Social; IV - Comissão de Transportes, Comunicação, Energia, Obras Públicas, Turismos e Meio Ambiente; Art. 22 - Caberá as Comissões Permanentes, observada a competência definida nesse Regimento: I - dar parecer sobre as proposições referentes aos assuntos de sua especialização; Il- realizar audiências com entidades da sociedade civil; III - solicitar o depoimento de qualquer autoridade ou cidadão, desde que *assim requeira o interesse público; ' 1V - receber petições, reclamações, apresentações ou queixas de qualquer pessoa contra atos das autoridades públicas municipais; V - emitir parecer em programas ou planejamento ~ sobre obras públicas; VI - convocar Secretários Municipais ou ocupantes de cargos que lhe for equivalente para prestar, pessoalmente, informações sobre assuntos previamente determinados, importando em crime de responsabilidade a ausência sem justificação adequada; VII - encaminhar, através da Mesa, requerimentos escritos de informações aos Secretários Municipais. § 1° - À Comissão de Constituição e Justiça, Segurança, Administração e Redação Final compete manifestar-se sobre: a) aspecto constitucional, legal, juridico, regimental e de técnica legislativa das proposições sujeitas à apreciação da Câmara; b) pedidos de licença do Prefeito e Vice-Prefeito para se ausentarem do Município, na forma da Lei Orgânica; c) perda de mandato de Vereador, na forma da legislação em vigor; d) organização politico-administrativo do Município; e) política municipal; f) redação final das proposições; g) direitos e garantias fundamentais; li) segurança pública; í) denominação de estabelecimentos ou próprios públicos; j) instituição de data comemorativa ou oficialização de eventos festivos, assim como sua inclusão no calendário turístico; k) declaração de utilidade pública de entidades civis; § 2° - À Comissão de Orçamento Finanças e Fiscalização compete manifestar-se sobre:
  15. 15. a) sistema financeiro municipal; b) divida pública do Município; J c) sistema tributários municipal; d) tributação, arrecadação, fiscalização é empréstimos; e) prestação de contas; ' f) fixação de remuneração do Prefeito, Vice g) politica e atividade industrial, comercial e agrícolas; § 3° - À Comissão de Educação, Cultura, Saúde, Tratamento e Ação Social compete manifestar-se sobre: a) educação e sistema de ensino; b) cultura, patrimônio e manifestações culturais; c) esporte laser; d) ciência e tecno tecnológica; e) defesa, assistência e educação sanitária; f) saneamento urbano; g) ações e serviços de saúde públ h) política salarial do municipio; i) regime jurídico dos servidores municipais; j) politica de ação social; _ § 4° - À Comissão de Transportes, Comunicação, Turismo e Meio-Ambiente compete manifestar-se sobre: a) politica e desenvolvimento urbano e rural; b) transporte em geral; c) serviços e obras públicas; d) politica habitacional; 3 e) cessão ou concessão de bens imóveis; f) cessão ou concessão de serviços públicos; sistema municipal de meio ambiente e de defesa ecológica; g) h) politica de desenvolvimento do turismo e exploração de atividades e do serviço turístico. -Prefeito e Vereadores; logia, política, desenvolvimento e pesquisa cientifica e ica e campanhas de saúde; Energia, Obras Públicas, Seção III Das Comissões Temporárias e sua competência Art. 23 - As Comissões Temporárias são: l - parlamentares de inquéritos: II ~ de representação. Subseção l Das Comissões Parlamentares de Inquérito querimento de um terço de seus Art. 24 ~ A Câmara Municipal, a re urar fato determinado, j . membros, constituirá Comissão Parlamentar de Inquérito para ap *g1 por prazo definido. - § 1° - Dependerá de deliberação do Plenário e criação de comissão Parlamentar de Inquérito, se o respectivo requerimento não estiver subscrito por um aço dos membros da Câmara Municipal.
  16. 16. § 2° - Considera-se fato determinado o acontecimento de relevante interesse para a vida pública e ordem constitucional legal, econômica social do Município. que de criação de Comissão Parlamentar de Inquérito. estiver caracterizado no requerimento " °° - Não poderão funcionar, concomitantemente, mais de três Comissões g . a Parlamentares de ln uérito, Salvo deliberação da Câmara Municipal. q . . § 4° - O prazo de funcionamento de Comissão Parlamentar de Inquérito, poderá ogáveis por mais de sessenta dias. ser de até cento e vinte dias, prorr § 5° - Apresentado o requerimento á Mesa, não serão perm 'i retirada de assinaturas. A § 6° - O requerimento de criação de Comissão Parlamentar de Inquérito, definirá o número de membros titulares e suplentes que não será inferior a três, nem superior a i , ' quatro e um suplente, cujo preenchimento dar-se-á na forma do art. 17 e seus parágrafos. Art. 25 « A Comissão Parlamentar de Inquérito, com poderes de investigação es judiciais, terá competência para, especialmente: diligências que jugam conveniente, ouvir indiciados, inquirir informações, documentos de órgãos ou entidades da e tomar depoimento de qualquer autoridade municipal; de seus membros ou funcionários requisitados para a gências necessárias ao seu trabalho, dando prévio itidas a inclusão ou lis_ im. , próprios das autoridad l - determinar as * _ testemunhas, requisitar i , ç administração pública municipal ¡ II » incurnbir qualquer 'ç l realização de sindicâncias ou dili conhecimento à Mesa; Ill - desloca-se para qualquer ponto do territó investigações e audiências públicas. Paragrafo Unico ~ As Comissões Parlamentares de Inquérito se subsidiariamente, das normas contidas no *Código do Processo Civil. Art. 26 ~ Ao termino dos trabalhos a Comissão aprese circunstanciado que será encaminhado: l - à Mesa, para as providências regimentais que a proposição convier; Il ~ ao Ministério Público, com cópia da documentação para que promova a adas e adote as medidas responsabilidade civil ou criminal das infrações apur decorrentes de sua função institucional; III ~ ao Poder Executivo, para adotar as providencias saneadoras de caráter disciplinar e administrativo; IV - á Comissão Permanente que tenha maior pertinência com a matéria, a qual incumbirá a fiscalização do atendimento prescrito no inciso anterior. r dos incisos Il e III a remessa será feita pelo Parágrafo Unico - Nos casos Presidente da Câmara Municipal no prazo de cinco dias. rio municipal para realização de valerão, ntará relatório Subseção ll Das Comissões de Representação Representação tem por finalidade representar a Art. 27 ~ As Comissões de das pela Mesa ou a requerimento de Câmara Municipal em atos externos. Serão constitui ' qualquer Vereador, com aprovação do Plenário. Parágrafo Único ~ A nomeação dos resp l, a representação proporcional dos p ectivos membros as segurará, tanto artidos ou Blocos Parlamentares. quanto possíve Seção IV Do órgão diretivo das Comissões
  17. 17. ll t t' v r; lltlllltll l . . 28 - As Comissões reunir-se-ão dentro de cinco dias seguintes à sua 5:3'* i para eleição do Presidente. . . . .. . _:. L . à 1° - O mandado do Presidente de Comissão permanente se trata de dois anos e : mandato de Presidente de Comissão temporária será pelo termo de duração de respectiva Comissão. § 2° - A eleição de que trata o caput deste artigo deve ser convocada pelo membro mais idoso da Comissão. § 3° - Enquanto não for eleito o Presidente, a Comissão será dirigida pelo membro mais idoso. § 4° - Se, por qualquer motivo, o Presidente deixar de fazer parte da Comissão leição para escolha do sucessor, salvo se sucedido pelo membro ou renunciar ao cargo, proceder-se-á nova e faltar menos de três meses para o término do biênio, quando será mais idoso. Art. 29 - Ao Presidente da Comissão compete: l ~ determinar o horário das reuniões ordinárias, dando ciência à Mesa; Il - convocar reuniões extraordinárias, de oficio ou requerimento da matéria dos membros da Comissão; III- presidir as reuniões da Comissão e nelas manter a ordem; IV - dar conhecimento a Comissão da matéria recebida bem como dos relatores designados; V - designar Relatores e distribuir-lhes a matéria sobre que devam emitir parecer; VI ~ conceder a palavras aos membros da Comissão e aos que solicitarem nos tennos deste Regimento, advertindo aqueles que se exaltar no decorrer dos debates; VII - submeter çs votos as questões sujeitas à' Comissão e proclamar o resultado da votação; VIII- assinar pareceres e convidar os demais membros e fazê-lo: Parágrafo Único ~ O Presidente poderá funcionar como Relator e terá voto nas deliberações da Comissão, além do voto de desempate, quando for o caso. Art. 30 ~ Dos atos e deliberações do Presidente caberá recursos de qualquer membro para o Presidente da Câmara Municipal. Seção V Das Vagas Art. 31 » A vaga na comissão verificar-se-á em decorrência do término do mandato, de renuncia e de falecimento. § 1° - Além dos casos estabelecidos neste Regimento, perderá, automaticamente, o lugar na Comissão, o membro que deixar de comparecer a três reuniões ordinárias consecutivas, salvo motivo de força maior aceito pela Comissão. § 2° - O Vereador que perde o lugar na Comissão, a ela não poderá retornar na : iesma sessão legislativa. Seção VI Das Reuniões
  18. 18. *õtíiãlliulittçtelqigpnãçqg, p Art. 32 - As Comissões reunir-se-ão, ordinariamente, no edificio da Câmara Municipal um vez por semana, em dia e hora fixados. .. Art. 33 - As reuniões extraordinárias serão anunciadas com a devida antecedência, designando-se o dia, hora local. Art. 34 - As reuniões das Comissões serão públicas, salvo deliberação em contrário. Parágrafo Unico - Somente os Vereadores poderão assistir as reuniões secretas. Seção VII Dos Prazos Art. 35 - As Comissões terão os seguintes prazos para emissão de parecer, salvo as exceções previstas neste Regimento: l - três dias, quando se tratar de matéria em regime de urgência; h II- cinco dias, quando se tratar de matéria em regime de prioridade; _III - inte dias, quando se tratar de matéria em regime de tramitação ordinária. . 36 - Encaminhar a materia a omissão, e quatro horas, exceto para as em regime de urgência, quando a nomeação será CD < (D ›-i N m (D ›-s 'D Ê CD N O O H 2 53°» O H D- FD Fi »i O § 1° - O Presidente poderá a requerimento do Relator conceder-lhe prorrogação de até a metade dos prazos previstos no art. 35, exceto se a proposição estiver em regime de urgência. § 2° - Esgotado o prazo destinado ao Relator, o Presidente da Comissão avocará a proposição ou designará outro membro para relatá-la no prazo improrrogável de vinte e quatro horas. Art. 37 - No desenvolvimento dos trabalhos as Comissões observarão as seguintes normas: V , I - lido o parecer; será ele imediatamente submetido à discussão; Il - durante a discussão poderá usa da palavra qualquer membro da Comissão respectiva, por dez minutos improrrogáveis. Aos demais Vereadores será permitido falar por cinco minutos, sendo que estes não terão direito a voto; III - encerrada a discussão proceder-se-á a votação do parecer, que se aprovado em todos os seus termos, será tido como da Comissão, assinando-o os membros presentes; IV - o parecer não acolhido pela Comissão constituirá voto em separado; V - para efeito de contagem, os votos serão considerados: a) favoráveis: - pelas conclusões; - com restrições; - em separado, não divergentes das conclusões. ll - contrários: - vencidos; - em separado, divergentes das conclusões. Art. 38 - A vista de proposições nas Comissões respeitará os seguintes prazos: I~ um dia, nos casos em regime de urgência; II- dois dias, nos casos em regime de prioridade; III -três dias, nos casos de tramitação ordinária. § 1° - Quando ocorrer mais de Lim pedido de vista, e Comissão. sta será conjunta e na
  19. 19. iImninun~ um. .. § 2° - l . uu algum membro da Comissão retiver em seu poder papéis a ela pertencentes, o ' idente da Comissão comunicarão fato ao Presidente da Câmara Municipal e 'seus n. : o prazo máximo de vinte e quatro horas para devolução e, se não - o Presidente da Câmara Municipal determinar a perda do lugar da C Parágrafo Único - Concluídos os trabalhos de apreciação de proposição de forma oonclusiv-a nas Comissões, será ela encaminhada ao Presidente da Câmara Municipal para inclusão na ordem do dia. Art. 40 - Das reuniões das Comissões lavrar-se-ão atas com o sumário do que durante nelas tiver ocorrido. Título III Dos Vereadores Capitulo l Da Licença Art. 41 - O Vereador poderá obter licença para: l e desempenhar missão temporária de caráter diplomático ou cultural; II -tratamento de saúde; III - tratar, sem remuneração, de interesses particulares, desde que o afastamento , não ultrapasse a cento e vinte dias por sessão legislativa; * 1V - investir-se nos cargos referidos no art. 44, III da Lei Orgânica. » § 1° - Salvo nos casos de prorrogação da seção legislativa ou de convocação extraordinária da Câmara Municipal, não se concederão as licenças referidas nos incisos II e III, durante os periodos de recesso constitucional. § 2° - Suspender-se-á a contagem do prazo: de licença que se haja iniciado anteriormente ao encerramento de cada semiperíodos, exceto quando tenha havido a assunção do suplente. _ ' § 3° - A licença será concedida pela Mesa, exceto na hipótese do inciso l, quando caberá ao Plenário decidir. § 4° - A licença dependerá de requerimento fundamentado, dirigido ao Presidente da Câmara Municipal, o qual será lido na primeira seção após o seu recebimento e deliberação pela Mesa dentro de quarenta e oito horas. § 5° - O Vereador que se licenciar, com assunção do suplente, no caso do inciso II, não poderá reassumir o mandado antes de findo o prazo superior a cento e vinte dias, ou de suas prorrogações. § 6° - Em caso de incapacidade civil julgada por sentença de interdição ou comprovada através de perícia médica passada por junta médica nomeada pela Mesa da Câmara Municipal, será o Vereador suspenso do exercicio do mandato, sem perda da remuneração, enquanto durar os seus efeitos; Capítulo II Da Vacância . i, Art. 42 ~ As vagas na Câmara Municipal verificar-se-ão em virtude de o
  20. 20. É titü ilttlttttttt ÍÍ - renuncia: Íii - perda do mandato. An. 43 - A declaração de renúncia do Vereador deve ser dirigida, por escrito, à Mesa e independente de aprovação da Câmara Municipal, mas somente se tornará írretrataxel depois de lida em sessão Plenária, quando o ato será tornado efetivo. ° ° - Considera-se também haver renunciado: s l e o Vereador que não prestar compromisso no prazo estabelecido neste Regimento; II - o Suplente que, convocado, não se apresentar para entrar em exercício no prazo regimental; § 2° - A Vacância, nos casos de renúncia, será declarada e, sessão pelo Presidente. Art. 44 - Perde o mandato o Vereador: l - que infringir qualquer das proibições constantes do art. 42 da Lei Orgânica; II- cujo procedimento for declarado incompatível com o decoro parlamentar; III - que deixar de comparecer, 'em cada sessão legislativa ordinária, à terça parte das sessões ordinárias da Câmara Municipal, salvo licença ou missão autorizada; IV e que perder ou tiver suspensos os direitos políticos; V - quando decretar a Justiça Eleitoral, nos casos previstos da Legislação Federal; VI- que sofrer condenação criminal em sentença transitada em julgado. § 1° - Nos casos dos incisos l, II e VI, a perda do mandato será decidida pela Câmara Municipal, em escrutínio secreto e maioria absoluta de votos, mediante aprovação da Mesa ou do Partido com representação na Câmara, assegurada ampla defesa. § 2° - Nos casos previstos nos incisos III, e IV, a perda do mandato será declarada pela Mesa, de ofício ou mpdiante provocação de qualquer Vereador ou de partido com representação na Câmara Municipal, assegurada ampla defesa. § 3° - A representação nos casos dos incisos l, II e VI, será encaminha à Comissão de Constituição e Justiça, Segurança, Administração e Redação Final, observada as seguintes normas: _ I ~ recebida e processado na Comissão, será fornecida cópia da representação ao Vereador, que terá o prazo de oito dias para apresentar defesa escrita e indicar provas; II ~ se a defesa não for apresentada, o Presidente da Comissão nomes a defensor dativo para oferece-la no mesmo prazo; III - apresentada a defesa a Comissão procederá às diligências e à instrução probatória que entender necessárias, finda as quais proferirá parecer no prazo de cinco dias, concluído pela procedência da representação ou pelo arquivamento desta, procedente a representação, a Comissão oferecerá, também, Projeto de Decreto no sentido de perda do mandato; IV ~ o parecer da Comissão de Constituição e Justiça, Segurança, Administração e redação Final, uma vez lido no expediente será incluído na Ordem do Dia. Capítulo Ill Da Convocação do Suplente Art. 45 - A Mesa convocará, no prazo de quarenta e oito horas, o suplente de vereador, nos casos de:
  21. 21. i , t i i i l , ill ll, _ ll. il ll 4a. . ll “t il , ll ll l if i i it ti t, i t, tl 'll l, ll , t t, til I - concorrência de vaga; ç Il - investidura do titular nas funções definidas no art.44 § 3 da Lei Orgânica; III - licença para tratamento de saúde, desde que o prazo seja superior a cento e vinte dias, vedada a soma de periodo para licenças esse efeito, entendendo-se a convocação por todo o período da licença e da suas prorrogações. § 1° - Assiste ao Suplente que for convocado o direito de se declarar impossibilitado de assumir o exercício do mandato, dando ciência por escrito à Mesa, que convocará o suplente imediato. § 2° - Ressalvada a hipótese de doença comprovada na forma do art. 44 § 3 bem como de estar investidos nos cargos de que trata o art. 47, § 1° , da Lei Orgânica, o Suplente que convocado, não assumir o mandato no período fixado no art. 3, § 6°, III, perde o direito à suplência, sendo convocado o Suplente imediato. Art. 46 - Ocorrendo vaga a mais de quinze meses do termino do mandato e não havendo suplente, o Presidente Comunicará o fato à Justiça Eleitoral para proceder a eleição. Capítulo IV Do Decoro Parlamentar Art. 47 » o vereador que descumprir os deveres inerentes a seu mandato, ou praticar ato que afete sua dignidade estará sujeito ao processo e às medidas disciplinares deste Regimento, que poderá definir outras informações e penalidades, entre estar as seguintes: I - censura; II - perda temporária do exercício do mandato, cão excedente de trinta dias; III - perda do mandato; § 1° - Considera-se atentatório ao decoro Parlamentar usar em discurso ou l proposição, de expressões que coriñgurem crimes contra a honra ou contentar incitarnento à prática de-crimes. § 2° - É incompatível com o decoro Parlamentar: l ~ o abuso das prerrogativas constitucionais asseguradas a membro da Câmara Municipal; II - a percepção de vantagens indevidas; Ill ~ a pratica de irregularidades graves no desempenho do mandato ou de encargos dele decorrentes. Art. 48 - A censura será verbal ou escrita: § 1° - a censura verbal será aplicada em sessão ou reunião, pelo Presidente da Câmara quando não caiba penalidade mais grave, ao Vereador que: I ~ inobservar os deveres inerentes ao mandato ou preceitos deste Regimento. § 2° - A censura escrita será aplicada pela Mesa, ao Vereador que: I - considera-se incurso na sanção da perda temporária. GD
  22. 22. ' +1! motivos justiñcado, a seis sessões ordinárias consecutivas, ou dez ii I i dasessões legislativas, ou extraordinárias ÍlI-paticar transgressão grave ou reiterada aos preceitos do Regimento Interno. q. §i 1° -Nos casos dos incisos l e HI, a penalidade será aplicada pelo Plenário, em escrutínio secreto e maioria simples, presentes a maioria absoluta, assegurada ampla defesa ao infrator. " § 2° - Na hipótese do inciso II, a Mesa aplicará, de ofício o máximo da penalidade, assegurada ampla defesa. Art. 50 - A perda do mandato aplicar-se-á nos casos e na forma prevista no art. 44 e seus parágrafos. Art. 51 - Quando no curso de uma que ofenda a sua honorabilidade, poderá pe mande apurar a veracidade da arguição e o cabimento da cen improcedência da acusação. discussão, um Vereador for acusado de ato dir ao Presidente da Câmara Municipal que sura ao ofensor no caso de Capítulo V Dos Líderes Art. 52 - os vereadores são agrupados por representações partidárias ou blocos parlamentares, cabendo-lhes escolher o respectivo Líder. § 1° - Líder e o porta-voz de uma representação partidária ou bloco parlamentar. § 2° - As representações partidárias deverão indicar à Mesa, dentro de dez dias do inicio da sessão legislativa, os respectivos Líderes, em documento subscrito pela maioria absoluta dos seus integrantes. Enquanto não for feita a indicação, a Mesa considerará como Líder o Vereador mais idoso da respectiva representação. Art. 53 - É de competência do Líder, além de outras atribuições que lhe confere este Regimento: A , I - fazer uso da palavra, em caráter excepcional, salvo durante a Ordem do Dia, ou quando não houver 'orador na Tribuna, pelo prazo nunca superior a cinco minutos, para tratar de assuntos relevante do Partido ou Bloco Parlamentar; 'II' '- indicar os membros da bancada no horário destinado ao gande expediente, para falarem na parte destinada a mesma; Ill - encaminhar a votação de qualquer Plenário, para orientar sua bancada, por tempo não superior a cinco apartes; IV - indicar Vice-Líderes, na proporção de quatro Vereadores, para substitui-los nas faltas, ausências ou impedimentos; V - indicar a Mesa os membros da bancada para compor as Comissões Ve, quando for o caso, substitui-los; Art. 54 - As representações de dois ou mais Partidos desde que totalizem um quarto dos membros da Câmara Municipal, poderão constituir Bloco Parlamentar para ' defesa dos objetivos comuns. Art. 55 - As reuniões d ' realizar-se-ão por proposta de qualquer deles ou por inici "MmicipaL cabendo a este presidir essas reuniões. proposição sujeita à deliberação do minutos, proibido e Líderes para tratar de assunto de interesse geral, ativa do presidente da Câmara
  23. 23. Lttiitiittttttl tiiittttltti Parágrafo Único -' Nas reuniões não terão direito aos lideres de Bloco Parlamentares. Art. 56 - O Prefeito Municipal poderá indicar vereador para exercer a liderança do Governo. Título IV Das Sessões Capítulo I Disposições Preliminares Art. 57 ~ As sessões serão: l - preparatórias, as que precedem a inauguração dos trabalhos no inicio da primeira e da terceira sessão legislativa cada legislatura; II - inaugurais, as que instalem solenemente os trabalhos de cada sessão legislativa; III - ordinárias, as de qualquer sessão legislativa realizadas nos dias uteis e horário prefixados; IV - extraordinárias, as realizadas em dias ou horas versos dos prefixados para as ordinárias; V e solenes, as realizadas para posse do Prefeito e Vice-Prefeito, e quando destinadas a comemorações ou homenagens. Art. 58 ~ As sessões realizar-se-ão às quintas-feiras início às 17:30 horas, à sextas-feiras, 19:30 horas. Parágrafo Único - As sessões ordinárias compõem-se dentro partes: l - Pequeno Expediente; II- Grande Expediente; III- Ordem do Dia; _ I IV - Expediente Final. ' Art. 59 ~ A sessão extraordinária com duração de quatro horas, será destinada exclusivamente a discussão e votação de matéria constantes da Ordem do Dia. § 1° - A sessão extraordinária será convocada, de oñcio ou por deliberação do Plenário, a requerimento de qualquer Vereador. § 2° - sempre que for convocada sessão extraordinária, o Presidente comunica- lo-á aos Vereadores em sessão, por ofício, telegrama ou telefone, se for o caso. § 3° - Serão remuneradas, no máximo, cinco sessões extraordinárias por mês. Art. 60 - As comemorações e _ homenagens só poderão ser realizadas ou prestadas pela Câmara Municipal, mediante deliberação do Plenário. Art. 61 ~ As sessões serão públicas, mas excepcionalmente poderão ser secretas, quando assim deliberar o Plenário. Art. 62 - A sessão poderá ser suspensa: I « por conveniência da ordem; Il ~ por falta de quórum para votação se não houver matéria a ser discutida; III- para acordo das lideranças presentes em Plenário; § 1° - Na hipótese do inciso II deste artigo, de quinze minutos e persistindo a falta de quórum, passar-se-á a seguinte da sessão. § 2° - A suspensão da sessão não termina a prorrogação do tempo da fase da sessão.
  24. 24. en, ii; Art. 63 4 A sessão poderá ser levantada antes de fmdar a hora a ela destinada, n os seguintes casos: I 4 tumulto grave; _ II 4 homenagem á memória de pessoas falecidas no exercício de Presidente ou Vice-Presidente da República, Presidente do Senado federal, Presidente da Câmara dos deputados, Presidente do Supremo Tribunal Federal, Governador e Vice-Govemador do estado, Senador do Tribunal Federal pelo Estado do Maranhão, Deputado à Assembleia Legislativa, Presidente do tribunal de Justiça, Prefeito, Vice-Prefeito Vereador a Câmara Municipal de Bom Jardim. III 4 quando presentes menos de uma quarto de seus membros; IV 4 por acordo das Lideranças presentes em Plenário; Art. 64 4 Para manutenção da ordem, observar-se-ão as seguintes regras: I 4 durante a sessão somente os Vereadores podem permanecer no Plenário, os ex-parlamentares e os funcionários da Câmara Municipal cujas funções estejam diretamente ligadas à sessão plenária; II 4 não serão permitidas conversações que perturbem os trabalhos; III 4 o orador deverá falar da tribuna, a menos que o Presidente permita o contrário; IV 4 ao falar da Bancada, o orador, em nenhum caso, poderá faze-la de costa para a Mesa; V 4 a nenhum Vereador será permitido falar sem que lhe haja sido dado a palavra, ou permanecer na tribuna antieregimentalmente; V1 4 qualquer Vereador, ao falar, dirigirá a palavra ao Presidente ou a Câmara Municipal de modo geral; VII 4 referindo-se, em discurso, a colega, o Vereador deverá preceder seu nome do tratamento de Senhor ou de Vereador; VIII 4 dirigindo-se a qualquer colega, o Vereador dar-lhe-á o tratamento de Excelência; IX 4 nenhum Vereador poderá referir-se a Câmara Municipal ou a qualquer de seus membros e, de modo geral, a qualquer representante do poder público, de forma descortês ou injuriosa; X 4 o orador não deve ser interrompido, salvo concessão deste, para levantar questões de ordem ou para aperta-lo e no caso de comunicação importante que o Presidente tiver de fazer; Xl 4 a qualquer pessoa e' vedado fumar no recinto do Plenário. Capítulo II Das Sessões Ordinárias Seção l Do Pequeno Expediente Art. 65 4 À hora do início da sessão, os membros e os Vereadores ocuparão seus lugares.
  25. 25. t tttt t t ttttt ttttt , till tttttttt t it t i i i tt tt rtti ff DEUS EM NOME DO POVO BOX CARDIX, DECLARO ABERTA A SESSÃO, Em caso contrário, aguardará durante quinze minutos, deduzindo o prazo do retardamento do tempo destinado ao pequeno Expediente, persistir a falta de quórum, o Presidente declarará que não pode haver sessão. § 2° - não havendo sessão por falta de número, o Presidente separará os papéis constante do expediente para tramitação [. ..] de leitura. Art. 66 4 O Pequeno Expediente terá a duração máxima de sessenta minutos. Art. 67 4 Iniciar os Trabalhos o 2° Secretário fará leitura da ata da sessão anterior, que será submetida a aprovação do plenário. § 1° - Para retificar a ata, o vereador poderá falar outra vez, pelo prazo de cinco minutos, cabendo ao 2° Secretário presente os esclarecimentos necessários, e quando, apesar deles o Presidente reconhecer a procedência da retificação, será essa consignada ata seguinte. Da decisão do Presidente caberá recurso ao Plenário. § 2° - Em seguida à leitura da ata, o 1° Secretário concederá a leitura da matéria do expediente, constando de proporções, ofícios, representações, petições e outros documentos de interesse do Plenário. § 3° - Concluída a leitura da ata e dos papéis de expediente, a Mesa dará a palavra aos Vereadores previamente inscritos ou, na falta destes, aos que solicitarem para versarem assunto de livre escolha, não podendo o orador exceder o prazo de cinco minutos, proibido apartes. Q" X Art. 68 4 As proposições e papéis deveram ser entregues à Mesa, até o momento @da instalação dos trabalhos, para leitura o consequente encaminhamento. P Parágrafo Único 4 Quando a entrega verificar-se posteriormente, ñgurarão no expediente da sessão ordinária seguinte. Seção II Do Grande Expediente Art. 69 4 Esgotado o tempo ; reservado ao pequeno expediente, passar-se-á ao Grande Expediente que _terá duração dÍe noventa minutos. § 1° - O Grande Expediente se destina aos oradores inscritos ou na falta destes aos que a solicitarem, cabendo ao Primeiro orador trinta minutos e aos seguintes será destinado o tempo proporcional dos Partidos ou Blocos Parlamentares. § 2° - As inscrições dos oradores do Grande Expediente serão feitas do seguinte modo: a) do primeiro orador, pelo próprio Vereador em livro especial; b) dos demais oradores, por indicação do respectivo [. ..]; § 3° - O Vereador só poderá inscrever-se como primeiro orador, uma vez em cada duas semanas, sendo-lhe facultado, porém permutar ou ceder ordem de inscrição, através de comunicação à Mesa. § 4° - Na ausência do orador inscrito, poderá representa-lo, no ato da cessão ou da permuta, o seu Líder. Seção III Da Ordem do Dia Art. 70 4 Declara aberta a ordem do Dia, o Presidente terá conhecimento da existência da matéria constante da pauta a que será submetida à discursão e votação.
  26. 26. , i t, tl ll. . ll l % § 1° - A ausência às votações equipara-se, para todos os efeitos à ausência às sessões, ressalvadas a que se verificar titulo de abstenção ou obstrução parlamentar, assim entendida a que for comunicada pelo respectivo Líder à Mesa. § 3° - sempre que ocorre a votação nominal, mencionar-se-ão os nomes dos votantes e seus votos. . Art. 71 4 A Ordem do Dia será organizada pelo Presidente da Câmara Municipal e anunciada ao encerrar os Trabalhos da Sessão anterior. § 1° - A proposição entrará em Ordem do Dia desde que em condições regimentais, na seguinte ordem: I 4 redação final; II 4 único turno; III 4 segunda votação; IV 4 primeira votação; V 4 proposição que independam de parecer, mas dependam de apreciação do Plenário. § 2° - A ordem estabelecida no Parágrafo anterior, somente poderá ser interrompida ou alterada nos seguintes casos: I 4 para posse de Vereador; II 4 em caso de aprovação de requerimento de: a) preferencia; b) adiamento; c) retirada da Ordem do Dia; d) inversão da pauta. Art. 72 4 Dentro de cada grupo de matéria da Ordem do Dia observar-se-ão a seguinte disposição das proposições a saber: I 4 projeto de lei complementar; II 4 projeto de lei; a III 4 projeto de decreto legislativo; IV 4 projeto de resolução; i V 4 moção; IV -- requerimento. Art. 73 4 O espelho da ordem do Dia será distribuído em avulsos aos Vereadores, antes da sessão e assinalará, obrigatoriamente: 14 de quem é a iniciativa; 114 discussão a quem estar sujeita; III 4 respectiva ementa; IV a conclusão dos pareceres, se favoráveis, contrários, com Substitutivos, emendas ou Subemendas. Seção IV Expediente Final Art. 74 4 Esgotada a Ordem do Dia, seguir-se-á o expediente Final pelo tempo restante da sessão, quando a palavra será concedida aos Vereadores inscritos, ou na falta iestes, aos que a solicitarem, para versar assunto de livre escolha, cabendo a cada dez minutos, no máximo, permitido apartes.
  27. 27. Seção V Das Atas Art. 75 4 De cada sessão da Câmara lavrar-se-á ata resumida, contendo os nomes dos Vereadores presentes e dos ausentes, bem assim exposição suscinta dos trabalhos, a fim de ser lida na _sessão seguinte. _ § 1° - A ata será levada ainda que não haja sessão por falta de número e, nesse caso, além do expediente despachado serão mencionados os nomes dos Vereadores presentes e dos ausentes. § 2° - A ata da última sessão de cada sessão legislativa ou de convocação será lida com qualquer número antes de encerrada a sessão. § 3° - A ata da sessão secreta será lavrada pelo 2° Secretário e aprovada pelo Plenário, antes do encerramento da sessão, assinada pela Mesa e fechada com lacre em invólucro datado e rubricado por dois Secretários. Título V Das Proposições Capitulo 1 Disposições Gerais Art. 77 4 Proposição é toda matéria sujeita a deliberação da Câmara Municipal e constituir-se-ão em: I 4 Projeto de Lei Complementar; II - Projeto de Lei Ordinária; III - Projeto de Decreto Legislativo; IV - Projeto de Resolução; V 4 Moção; V1 4 Indicação; , _ I VII 4 Requerimento; '” § 1° - Cada Projeto deverá conter simplesmente a enunciação da vontade legislativa; § 2° - Nenhum artigo poderá conter duas ou mais matérias diversas. Art. 78 4 As proposições idênticas ou versando matérias, correlatas serão anexadas a mais antiga, desde que seja possível o exame em conjunto. Art. 79 4 não se admitirão proposições que: 14 contenham assuntos alheios à competência privada da Câmara Municipal; II 4 deleguem a outro Poder, competências privativas da Câmara Municipal; III 4 forem flagrantemente antirregimentais; IV 4 contenham expressões ofensivas a quem quer que seja; V 4 forem manifestamente inconstitucionais; Art. 80 4 Nos casos em que as assinaturas de uma proposição sejam necessárias ao seu trâmite, estas não poderão ser retiradas após a entrega da proposição à Mesa. _ Art. 81 4 Quando, por extravio, não for possível o andamento de qualquer 'M' ¡roposição, a Mesa a reconstituirá por meios ao seu alcance. Art. 82 4 finda a legislatura arquivar-se-ão todas as proposições, salvo as: I 4 de autoria do Poder Executivo; II -já aprovadas em primeiro tumo; 1 m 4 de iniciativa popular.
  28. 28. il ll 11113 , / r' ; "7°, Art. 83 4 A matéria constante de Projeto de Lei rejeitado somente poderá j constituir objeto de novo projeto na mesma sessão legislativa, mediante proposta da ; fi g' maioria dos membros da Câmara Municipal. f. ? f? í. ? z? regime de [. ..]; ' I 4 regime de urgência: a) pedidos de licença do Prefeito e do Vice-Prefeito; b) projetos de iniciativas do Prefeito Municipal, com Solicitação de urgência; c) matéria assim reconhecida pelo Plenário; _J d) necessidade imprevista, em caso de calamidade pública. II 4 regime de prioridade: a) os projetos de lei que se destinem a regulamentar dispositivo da Lei Orgânica; b) alteração ou reforma do Regimento Interno; c) projetos com prazo determinado; "À d) projetos de codificação; e) denuncia contra o Prefeito, o Vice-Prefeito e Secretários “'- Municipais. r Parágrafo Unico 4 Serão de tramitação ordinária as propostas não abrangidas neste artigo. ja¡ Art. 85 4 Os projetos, uma vez entregues à Mesa, serão lidos no Pequeno Expediente para conhecimento dos Vereadores e depois incluídos em pauta para ~ recebimentos de emendas. Parágrafo 1° - A pautaserá: l ' I 4 um dia para as proposições em regime de urgência. II 4 dois' dias para as proposições em regime de prioridade; III 4 três dias para as proposições em regime de tramitação ordinária. Art. 86 4 Instruídos com pareceres das Comissões Técnicas os projetos serão incluídos na Ordem do Dia, observados os seguintes critérios: -f-J I 4 obrigatoriamente, na primeira sessão ordinária ou extraordinária a ser realizada, os em regime de urgência; fed, II 4 obrigatoriamente, dentro de três Sessões ordinárias, os em regime de , _ prioridade; Ill 4 dentro de dez dias, os regimes de tramitação ordinária. Capítulo III A _Dos Projetos ~ _ ' _ A, Art. 87 4 A Camara Municipal exerce sua funçao legislativa por via de projetos de lei, de decreto legislativo ou de resolução. Art. 88 4 Destinam-se os projetos: 14 de lei a regular as matérias de competência do Poder Legislativo, com Sansão do Prefeito Municipal; i II 4 de decreto legislativo a regular, com eficiência de lei, matéria de Z_ competência exclusiva da Câmara Municipal, sem sanção do Prefeito Municipal, e** tais como: *J* a) prestação de contas dos Poderes Municipais; É¡ Lí-'Ê
  29. 29. b) fixação de remuneração dos Vereadores, do Prefeito e do Vice- Prefeito; c) sustação de atos normativos do Poder Executivo que exorbitam do Poder regulamentar; i ' Prefeito; d) licença para missão. III 4 os projetos de resolução destinam-se a regulamentar matéria de caráter político, processual ou administrativo sobre que a Câmara Municipal deva pronunciar- se em casos concretos tais como: a) matéria de natureza regimental; b) conclusão de Comissão Parlamentar de Inquérito; c) assuntos de economia interna e dos serviços administrativos; d) conclusão sobre as petições, representações ou reclamações da sociedade civil; e concessão de título de cidadania. Art. 89 4 A iniciativa dos projetos de lei caberá, nossa termos da Lei Orgânica e deste Regimento Interno: I 4 à Mesa; II 4 às Comissões; III 4 aos Vereadores; IV 4 ao Prefeito Municipal; V 4 aos cidadãos. ¡ Art. 90 4 Os , projetos deverão ser divididos em artigos numerados, redigidos de forma concisa e clara, precedidos Sempre respectiva ementa. é Capítulo IV _ Das Moções Art. 91 4 Moção é a proposição em que é sugerida a manifestação da Câmara Municipal sobre determinado assunto, apelando protestando ou aplaudido. Parágrafo Unico 4 A moção deverá ser redigida com clareza e precisão, concluindo necessariamente, pelo texto que será objeto de apreciação. Art. 92 4 Lida no Pequeno Expediente, será imediatamente encaminhada à comissão de Constituição e Justiça, Segurança, Administração e Redação Final, para o competente parecer. Art. 93 4 Não se admitirá moção: 1 4 de apoio ou solidariedade aos Poderes da União. dos Estados e dos Municipios; ll 4 quando o objetivo por ela visado possa ser atingido através de indicação. GD
  30. 30. tttt lltttttttlt a Capítulo V Das Indicações Art. 94 Indicação é proposição em que e sugerida aos Poderes da União, do Estado e do Município, medida de interesse público que não caiba em moção ou projeto de iniciativa da Câmara Municipal. Deve ser redigido com clareza e precisão, concluindo pelo texto a ser transmitido. Parágrafo Único ~ Lida no pequeno Expediente, o presidente a encaminhará independente de parecer e de deliberação do Plenário. Art. 95 - No caso de entender o Presidente que determinada indicação não deve ser encaminhada, dará conhecimento da decisão ao autor, se este insistir no encaminhamento, o presidente de Câmara Municipal a enviará à comissão de constituição e justiçasegurança, 'administração e redação ñnaLParágrafo único- se contrário será arquivada. Capítulo VI Dos Requerimentos Seção I Disposições Preliminares Art. 96 ~ Os requerimentos assim se classiñcam: I - quando à competência para decidi-los; a) sujeito a despacho do Presidente; b) sujeito a deliberação do Plenário; II- quanto a forma; a) verbais; b) escritos. Art. 97 Os requerimentos independem de parecer das comissões, salvo deliberação da Câmara. ¡ . Seção II Sujeitos a Despacho do Presidente Art. 98 » Será verbal e despachado imediatamente pelo presidente, o requerimento que solicite: I - a palavra; . II ~ permissão para falar sentado; III - posse de Vereador; IV - leitura, pelo 1° Secretário, de qualquer matéria sujeita ao conhecimento do Plenário; V - retirada de requerimento apresentado sobre proposição constante da Ordem do Dia; VI- veri ticação de votação: VII - intormações sobre a ordem dos trabalhos ou sobre a ordem do Dia; VIII - verificação de presença, quando evidente a falta de quórum. Art. 99 a Será escrito, despacho pelo Presidente, ouvida a Mesa, o requerimento que solicite: l - audiência de Comissão, quando formulado por qualquer Vereador; ll - informações sobre os atos administrativos da Câmara Municipal;
  31. 31. III - inclusão, em Ordem do Dia, de proposição em condições regimentais de nela figurar; IV - designação de Relator especial para proposição com prazo para parecer esgotado nas Comissão; V -licença a Vereador para tratamento de saúde; VI - Votos de aplausos, regozijo, louvor ou congratulações por ato público ou acontecimento de alta significação. desde_ que não implique apoio ou solidariedade aos Poderes; VII ~ voto de censura; VIII - manifestação por motivo de luto nacional ou de pesar por falecimento de autoridades, altas personalidades ou pessoas da comunidade; IX - retirada pelo autor de proposição sem parecer; X ~ informações sobre atos dos Poderes. Seção IH Sujeitos à Deliberação do Plenário Art. 100 Será verbal, não sofrerá discursão e depende de deliberação do Plenário, o requerimento que solicite: I - prorrogação do tempo da sessão; II - votação por determinado processo. Art. 101 ~ Será escrito, não sofrerá discursão e depende de deliberação do Plenário, o requerimento que solicite: I - constituição de Comissão de Representação; II - preferencia; III - encerramento de discussão; IV ~ retirada_ pelo autor, de proposição com parecer favorável; V - destaque. E Art. 102 ~ Éàerá escrito, sofrerá discussão e dependerá de deliberação do Plenário, o requerimento que solicite: I - constituição de Comissão Parlamentar de Inquérito, ou do não formalizado nos termos do art. ll deste Regimento. II- urgência: III - sessão extraordinária, solene ou secreta; IV - convocuçfio de Secretário Municipal; V adiamento da discussão. Capítulo VII Das Emendas Art. 103 lí. : . .enda e' proposição apresentada como assessor de outra. An. 104 : emendas podem ser: l- aditiva e : - que faz acréscimo à proposição; Il ~ Supresst "L1, é a que erradica parte da proposição; Ill - modítíeativa. e a que 'altera em parte a proposição sem a modificar substancialmente; l' f CIíí; ^Zí. i. : ibstitutira c a sueedfinea da proposição do seu todo; GD
  32. 32. í í lllll , i liil . li ll , ill ttttt t lilil l il . l tl , ill l iiiiittiiit V - aglutinativa é a que resulta da fusão de outras subemendas e destas com a proposição por transação tendente à aproximação dos respectivos objetivos. § 1° - Admitir-se-á subemenda a emenda apresentada em missão à outra emenda. § 2° - Não serão admitidas emendas ou subemendas que não tenham relação direta com a proposição principal. Art. 105 - Não serão admitidas emendas que impliquem no aumento de despesa: I - nos projetos de iniciativa exclusiva do Prefeito ressalvado o disposto no art. 105, §§ 2° e 3° da Lei Orgânica. II - nos projetos sobre organização dos serviços administrativos da Câmara Municipal. Art. 106 ~ As proposições poderão receber emendas: I - em pauta, pelo Vereador; II - na Comissão, pelo Relator designado; III - na discussão, com o apoiamento de um terço dos membros da Câmara Municipal. Da Iniciativa Popular de Lei Art. l07 ~ A iniciativa popular pode ser exercida pela apresentação à Câmara Municipal de projeto de lei subscrito por no mínimo cinco por cento dos eleitores de Distrito ou Bairro é que deverá ser apreciado no prazo máximo de sessenta dias, obedecidas as seguintes condições: I - a assinatura de cada eleitor poderá ser acompanhado de seu nome completo legível, endereço e dados identificadores de seu título eleitoral; II - as listas de assinaturas serão organizadas em formulários padronizados pela Mesa da Câmara Mtmicipal; III - será lícito a entidade da sociedade civil patrocinar a apresentação de projetos de lei de iniciativa popular, responsabilizando-se, inclusive, pela coleta de assinaturas; IV - o projeto será instruído com documento hábil da Justiça Eleitoral, quanto ao contingente de eleitores alistados no Município, aceitando-se, para esse fim, os dados referentes ao ano anterior, e não disponíveis outros mais recentes; V ~ o projeto será protocolizado perante o gabinete do Presidente, que verificará se foram cumpridas as exigências constantes da Lei Orgânica do Município para sua apresentação; VI - o projeto de lei da iniciativa popular terá a mesma tramitação dos demais, integrado sua numeração geral; VII - nas Comissões e no Plenário, poderá usa da palavra para discutir o projeto de lei, pelo prazo de vinte minutos, o primeiro signatário, ou quem este indicar quando da apresentação; VIII - cada objeto de lei deverá circunscreve-se a um mesmo assunto, podendo caso contrário, ser desdobrado pela Comissão de Constituição e Justiça, Segurança, .irirninisnação e Redação Final, em proposição autônomas, para tramitação em seçarado; IX - não se rej eitará, liminarmente, projeto de lei de iniciativa popular por vícios ie Çnzuagem. lapsos ou imperfeições de técnica legislativa, incumbindo à Comissão de P ' “ ' Segurança, Administração e Redação Final, escoimá-lo de vícios c: L1 __ 1 Í m Ó (U É l-F F4 n . m L_ç for-nais para regular sua tramitação;
  33. 33. i tutti l, l ísií' X - a Mesa designará Vereador para exercer, em relação ao projeto de lei de iniciativa popular, os Poderes ou atribuições conferidos por este Regimento ao autor de proposição, devendo a escolha recair sobre quem tenha sido com sua anuência; previamente indicado com essa finalidade pelo primeiro signatário do projeto. Capítulo Il p_ Das Petições e Representações E outras Formas de Participação Art. 108 - As partições, reclamações ou representações de qualquer pessoa fisica ou jurídica com ato ou omissão de autoridades e entidades públicas ou imputados a membros da Casa, serão recebidas e examinadas pela Comissão ou Pela Mesa, respectivamente deste que: I - encaminhadas por escrito, vedado o anonimato dos autores; II - o assunto envolva matéria de sua competência. Parágrafo único- O membro da comissão a que for distribuída o processo, exaurida a fase de instruçãmapresentará relatório na conformidade do art. 26, no que couber, do qual se dará ciência aos interessados. Art. 109 - A participação da sociedade civil poderá, ainda, ser exercida através de oferecimento de pareceres técnicos, exposições e propostas oriundas de entidade cientificas e culturais, de associações e sindicatos e demais instituições representativas. Art. 110 - A contribuição da sociedade civil será examinada por Comissão cuja a área de atuação tenha pertinência com a matéria contida no documento recebido. Capítulo III Da Audiência Pública Art. lll - Cada comissão poderá realizar reunião de audiência pública com entidades da sociedade civil para instituir matéria legislativa em trâmite, bem como para tratar de assuntos de interesse público relevante, atinente a sua área de atuação, mediante proposta de qualquer membro ou a pedido da entidade interessada. Parágrafo Único - Aprovada a reunião de audiência pública a Comissão selecionará para serem ouvidas, as autoridades, as pessoas interessadas e os especialistas ligados às entidades participantes, cabendo ao presidente da Comissão expedir os convites. Título VII Das Discussões e Deliberações Capítulo I Das Discussões Sessão I Disposições Gerais l 12 Discussão e' a fase dos Trabalhos destinados ao debate em Plenários. § '° - A discussão será feita sobre o conjunto da proposição e das emendas, se CD ízcvuver.
  34. 34. lttt itiiiitlt l ililtlil lili iititi l iitittt l 'il tl _lllñ n' a: .. it § 2° ~ O Presidente, mediante deliberação do Plenário, poderá anunciar o debate por títulos, capítulos, seções ou grupos de artigos. Art. 113 - Somente será objeto de discussão a proposição constante da Ordem do Dia. Art. 114 ~ Os Projetos de Lei serão submetidos a duas discussões e votações e as demais proposições terão uma discussão e votação. Seção II Dos Apartes Art. 115 - Aparte é a interrupção breve e oportuna para indagação ou esclarecimento relativo à matéria em debate. § 1° - O Vereador só poderá apartear o orador se lhe solicitado e obtiver permissão, devendo permanecer de pé ao faze-lo. § 2° - O aparte não poderá ultrapassar de dois minutos. § 3° - Não será admitido aparte: I ~ à palavra do Presidente; II - paralelo a discurso; III- no encaminhamento de votação. Seção III Dos Prazos Art. 116 - São assegurados ao Vereador os seguintes prazos para discussão de proposição, durante a Ordem do Dia: I - vinte minutos, para discussão de Projetos; II- dez minutos, para discussão de redação final; IIII ~ dez minutos, para discussão de requerimentos e moções; IV - cinco minutos para encaminhamento. Seção IV Do Adiamento Art. 117 - Sempre que um Vereador julgar conveniente o adiamento da discussão de qualquer proposição poderá requere-lo por escrito, obedecidas as seguintes condições: I - o requerimento deve ser apresentado antes do encerramento da discussão da proposição cujo adiamento se requer; II - prefixar o prazo de adiantamento que não poderá exceder de cinco dias; III - não estar em proposição em regime de urgência. Seção V Do Encerramento Art. 118 - O encerramento da discussão de proposição em Ordem do Dia dar-se- : nas seguintes condições: l - pela ausência de oradores; II - decurso de prazo regimental; lII - a requerimento de qualquer Vereador, ouvido o Plenário.
  35. 35. itiitiiiiii 'i i t i t t tt lilll _l tittt sl a. : ttti t Seção VI Da Proposição Emendada Durante a Discussão Art. 119 ~ Encerrada a discussão do Projeto, com emendas, a matéria irá às Comissões que devam apreciar na conformidade da respectiva competência. Parágrafo Unico - Lido o Parecer, a matéria estará em condições de figurar em Ordem do Dia. Capítulo II Da Votação Sessão I Disposições Gerais Art. 120 - Salvo disposição constitucional ou previstas na Lei Orgânica em contrário, as deliberações da Câmara Municipal serão tomadas por maioria simples, presente a maioria absoluta de seus membros. Art. 121 - A votação será realizada logo após o encerramento da discussão. § 1° - A declaração do Presidente de que a matéria estar em votação constitui o seu termo inicial. § 2° - Iniciando o Processo de votação, será concluído independentemente do tennino da sessão que será considerada prorrogada para essa finalidade. Art. 122 - O Vereador presente não poderá de escusar-se de votar, deverá, porém, abster-se de fazê-lo, quando se trata de matéria em causa própria. Parágrafo Único - O Vereador que se atingido pela disposição deste artigo, comunicá-lo-á à Mesa, e a sua presença será havida, 'para efeito de quórum, como voto em branco. ° Art. 123 - É licito o Vereador, depois da votação a descoberto, enviar à Mesa, para ser inserida na ata dos trabalhos, declaração escrita de voto, feita em termo conciso e sem alusões pessoais, sendo permitido lê-la em Plenário, mais proibido fazer qualquer comentário a respeito, na ocasião. Art. 124 - Os projetos que recebem parecer contrario da Comissão de Constituição e Justiça, Segirança, Administração e Final, serão objeto de uma discussão e votação prévia, apenas quando a constitucionalidade e legalidade. Parágrafo Único - Os projetos que recebem parecer contrario de todas as Comissões competentes serão tidos como rejeitados. Art. 125 - A determinação de quórum será feita do seguinte modo: I - maioria absoluta; al em composição par da Câmara Municipal, obter-se-á dividindo-se o número de Vereadores por dois e acrescentando-se uma unidade; b» em composição ímpar da Câmara Municipal, obter-se-á acrescentando-se uma unidade ao número de Vereadores e dividindo o resultado por dois; II - um terço: ^~ dividindo-se por três o número de Vereadores, se este for múltiplo de três; 'r “rescentando-se uma ou duas unidades ao número de Vereadores, se este for »Lux m** › ; lo de três e dividir por três.
  36. 36. III - dois terço obter-se-á multiplicando por dois o resultado obtido segundo os critérios estabelecidos no inciso anterior. Seção II Dos Processos de Votação 126 - São três os processos de votação: I - simbólico; II - nominal; III ~ escrutínio secreto. Parágrafo Único - Escolhido um processo de votação, outro não será admitido, tanto para a matéria principal quanto para as emendas ou subemendas a ela referentes. Art. 127 ~ pelo processo simbólico, o Presidente ao anunciar a votação de qualquer matéria, convidará os Vereadores que votarem a favor, permanecerem sentados e proclamara o resultado manifestado dos votos anunciando o nome dos Vereadores que votaram contra. Parágrafo Único ~ Se algum Vereador tiver duvida quanto ao resultado, pedirá imediatamente verificação de votação que será feita pelo processo de votação nominal. Art. 128 - A votação nominal dar-se-á a requerimento de qualquer Vereador, ouvido o Plenário e far-se-á pela lista dos Vereadores que serão chamados pelo 1° Secretário e responderão SIM ou NÃO, segundo sejam favoráveis ou contrários, ao que se estiver votando. § 1° - À medida que o 1° Secretário proceder a chamada o 2° Secretário anotará as respostas a as repetirá em voz alta. § 2° - Terminada a chamada será realizada nova chamada dos Vereadores cuja ausência tenha sido verificada. _ › § 3° - Enquanto não for proclamado o resultado da votação pelo Presidente, será lícito ao Vereador obter da Mesa o registro do seu voto. § 4° - O Vereador poderá retificar o seu voto, devendo fazê-lo antes de proclamado o resultado da votação. § 5° - será transcrito na ata dos trabalhos a relação dos Vereadores que votaram contra ou a favor, bem como dos ausentes. § 6° - Somente serão aceitas reclamações, quanto ao resultado da votação, antes de ser anunciada a discursão de nova matéria. Art. 129 - A votação será por escrutínio secreto somente quando assim exigir a Lei Orgânica do Município e normas previstas neste Regimento. Seção III Do Encaminhamento Art. 130 - Logo que seja anunciada a votação, será assegurada às Bancadas, por um de seus membros, falar apenas uma vez, pelo prazo de cinco minutos, a fim de esclarecer a respectiva Bancada sobre a orientação a seguir, ou declarar a posição do Partido sobre a matéria em questão. Seção IV Do Destaque
  37. 37. , t. u lili _l v a : i _a l iiitiiiiitt 7¡ "J Art. 131 - Salvo disposição em contrário, as proposições serão votadas em globo. _ç § 1° - O Plenário poderá conceder destaque de parte ou partes do texto da proposição, para sua votação. Art. 132 - As emendas, entre as quais se consideram as de Comissão, serão votadas em grupo, conforme tenham parecer favorável ou contrário. § 1° - Nos casos em que houver em relação às emendas, pareceres _divergentes das Comissões, serão votadas uma a uma, salvo deliberação em contrário. § 2° - O Plenário poderá conceder o requerimento de qual quer Vereador, que a votação das emendas se faça destacamento, uma a uma. Art. 133 - pedido de destaque deverá ser feito antes de anunciar a votação. Capítulo III Da Redação Final Art. 134 - Concluída a votação com aprovação de emendas, será o Projeto encaminhado à comissão de constituição e Justiça, Segurança, Administração e Redação Final, para redigir o vencido. § 1° - Excetuam-se do disposto neste artigo o Projeto de Lei do Plano Plurianual; de Diretrizes Orçamentária e do Orçamento Anual, cuja redação final competirá à Comissão de Orçamentos, Finanças e Fiscalização, além do Regimento Intemo, cuja Redação Final competirá à Mesa Diretora. Art. 135 - A Redação Final será elaborada de acordo com os seguintes prazos: I - um dia, para os projetos em regime de urgência; II ~ cinco dias, para os projetos em regime de'prioridade; III- dez dias, para os projetos de tramitação ordinária. Art. 136 - Concluída a redação final do projeto, este será incluído em Ordem do Dia, para votação em único tumo. Art. 137 - Aprovada a redação fmal dos projetos de lei serão eles encaminhados em autógrafo à sanção, pelo Presidente da Câmara Municipal. Art. 138 - Quando, após a aprovação da redação final e até a expedição do autógrafo, verificar-se inexatidão do texto, o Presidente da Câmara procederá a respectiva correção da qual dará conhecimento ao Plenário. Art. 139 - Os projetos de decreto e de resolução serão promulgados dentro de três dias após a aprovação da redação final. Capítulo IV Da Urgência 140 - Urgência é a dispensa de exigências ou formalidades regimentais, que determinada proposição seja, de logo, considerada, até sua decisão final. § 1° - Não serão dispensados os seguintes requisitos: 1 - pareceres das Comissões; Il w quórum para deliberação; :Lt 1-11 - Aprovado o requerimento de urgência, o Presidente da Câmara providenciará r. inclusão da proposição em Ordem do Dia da primeira sessão ordinária ou extraordinária que se realizar.
  38. 38. xr i tj tt , ll ll_ ll. ll , L ím lll ll t_ i i1 t “il ii; "tl, ll 7 x 1 Art. 142 ~ Se não houver parecer, o Presidente suspenderá a sessão pelo tempo necessário para que a comissão ou comissões em conjunto proñram seus pareceres. Art. 143 - Encerrada à discussão com emendas, serão elas imediatamente” distribuídas às comissões. O parecer sobre as emendas, poderá ser dado verbalmente. Parágrafo Único - A proposição em regime de urgência só caberá emendas da maioria absoluta dos membros da câmara. Título VIII Da Elaboração Legislativa Especial Capítulo I Dos Projetos de Iniciativa do Prefeito Com Solicitação de Urgência Art. 144 ~ O prefeito poderá solicitar que os projetos de sua iniciativa tramitem regime de urgência. § 1° - A solicitação poderá ser feita depois de inciativas de tramitação do projeto, caso em que o regime se aplicará a partir daí. § 2° - Se a Câmara Municipal não deliberar em até (trinta dias) o projeto será incluído em Ordem do Dia, até que se ultime sua votação. Capítulo II Do veto Art. 145 - Recebido o veto, este será imediatamente despachado para a Comissão de Constituição e Justiça, Segurança, Administração e Redação Final, que terá cinco dias para emitir seu parecer. Art. 146 - Dentro de trintas dias, contados do recebimento da comunicação do veto, a Câmara Municipal sobre ele” decidirá em escrutínio secreto e sua rejeição só ocorrerá pelo voto da maioria absoluta dos Vereadores, em única votação. § l°'- Esgotado o prazo estabelecido pelo caput deste artigo, sem deliberação, o veto será incluído na ordem do dia da reunião imediata, sobrestadas as demais, até sua votação final, ressalvando os projetos de iniciativa do Prefeito Municipal, com solicitação de urgência. § 2° - se o veto não for mantido, será a proposição de lei enviada ao Prefeito Municipal para promulgação. § 3° - Se, dentro de quarenta e oito horas, o Projeto não for promulgado, o Presidente da Câmara promulgará, e, se este não o fazer em igual prazo, caberá ao Vice- Presidente fazê-lo. § 4° - Áantido o veto, dar-se-á ciência do fato ao prefeito Municipal. 147 - A votação não versará sobre o veto, mas sobre a parte vetada sim os “e aprox-arem o projeto ou a parte vetada, rejeitado o veto e não os que rejeitarem 0 ; refere ou a parte vetada, mantendo o veto. Capítulo III Do Plano Plurianual, Diretrizes Orçamentárias E Orçamento Anual ®
  39. 39. il, i, , r_it ll , kl J ç Art. 148 - Os projetos de lei relativos ao Plano Plurianual, de Diretrizes Orçamentárias e o Orçamento Anual, Serão apreciados pela Comissão de Orçamento, Finanças e Fiscalização, na forma deste regimento. Art. 149 - Os do Plano Plurianual, de Diretrizes Orçamentárias e o Orçamento Anual, após darem entrada na Câmara Municipal serão lidos e encaminhados á Comissão de Orçamento, Finanças e Fiscalização. § 1° - A comissão de Orçamento, Finanças e Fiscalização terá o prazo de vinte dias para apresentar seu parecer. § 2° - As emendas aos projetos referidos no capítulo deste artigo serão apresentadas na Comissão dentro de seis dias do recebimento dos projetos. § 3° - Após decorrido o prazo previsto no § 1°, o projeto será incluído em Ordem do Dia, para primeira discussão e votação. § 4° - Os Vereadores poderão requerer a votação em Plenário, das emendas aprovadas ou rejeitadas na Comissão. § 5° - Concluída a primeira votação, o projeto retornará á Comissão de Orçamento, Finanças e fiscalização, para recebimento de emendas durante dois dias, não sendo aceitas as já rejeitadas em primeira discussão. § 6° - A Comissão de Orçamento, Finanças e Fiscalização deverá discutir dentro de cinco dias as emendas apresentadas. § 7° - Após decorrido o prazo do § 6°, o projeto será incluído em Ordem do Dia para segimda discussão e votação. § 8° - Se o projeto for aprovado com emendas caberá à Comissão de Orçamento, Finanças e fiscalização elaborar a redação Final para posterior apreciação do Plenário. ? Capítulo v ' Dos Projetos de Remuneração e Subsídios Art. 151 - À Comissão de Orçamento, Finanças e Fiscalização incumbe elaborar no último ano de cada legislatura, projeto de decreto fixando a remuneração, representação e ajuda de custo do Prefeito, Vice-Prefeito e membros do Poder Legislativo, para vigorar a partir da legislação subsequente, obedecidos os parâmetros estabelecidos pela Emenda Constitucional Federal n° 001/92 e dispositivo de Lei Orgânica do Município. Capítulo V Da Tomada de Contas do Prefeito e da Fiscalização Art. 151 - A Câmara municipal examinará e julgará as contas do Prefeito, 75:15:05 ao exercicio anterior, na forma do que determina a 'Lei Orgânica do u _, ~,. _. a . .___-i_. x. 152 - Recebido o processo de prestação de contas, com o parecer prévio da tie ie Contas competente, este será lido no Pequeno Expediente e encaminhado à 3155;: ie Orçamento, Finanças e Fiscalização. ?J «fo Único - O Relator terá o prazo de trinta dias para apresentar parecer 'r i * r * - "cjeto de decreto legislativo.
  40. 40. Art. 153 ~ As contas do Município ficarão à disposição de qualquer contribuinte, _na sede da Câmara Municipal, durante setenta dias a partir de 15 de abril de cada exercício no horário de funcionamento da Câmara Municipal em local de fácil acesso. Art.154 - O julgamento das contas do Municipio dar-se-á no prazo de sessenta dias após o seu recebimento. Art. 155 - Se as contas forem rejeitadas o processo será encaminhado à = Comissão de Constituição e Justiça, segurança, Administração e Redação Final, para que indique, através de projeto de Decreto Legislativo as providencias a serem tomadas. Art. 156 - Somente por deliberação de dois terço da Câmara Municipal deixará de prevalecer o parecer prévio da Corte de Contas competente. Titulo 1X Do regimento interno Capitulo l Das Questões de Ordem Art. 157 - Considera-se questão de ordem toda dúvida sobre a interpretação deste regimento na sua prática ou relacionada com a Lei Orgânica. § 1° - Durante a Ordem do dia somente poderá levantar da questão de ordem atinente à matéria que nela figure. § 2° - Nenhum Vereador poderá exceder o prazo de três rriinutos para formular questão de ordem, nem falar sobre a mesma mais de uma vez. § 3° - Suscitada uma questão de ordem, sobre ela poderá falar um Vereador que contra argumente as razões invocadas pelo autor. § 4° - Se o Vereador não indicar, inicialmente, as disposições em que se assentam sua questão de ordem, anunciando-as, o Presidente interromperá, determinando a exclusão da ata, das palavras por ele 'pronunciadas § 5° - O Vereador que quiser comentar, criticar a decisão do presidente ou contra ela protestar poderá fazê-lo na sessão seguinte, tendo preferência para uso da palavra, durante dez minutos à hora do Grande Expediente. § 6° - O Vereador poderá recorre da decisão do Presidente para o Plenário, sem efeito suspensivo de sua decisão, ouvindo-se a Comissão de Constituição e Justiça, segurança, Administração e Redação Final, que terá o prazo de uma sessão ordinária. Lido o parecer da Comissão o recurso será submetido ao Plenário, na sessão seguinte. § 7° - Na hipótese do parágrafo anterior, o Vereador, com apoiamento de um terço dos presentes, poderá requerer que o Plenário decida, de imediato, sobre o efeito suspensivo do recurso. § 8° - As decisões sobre questão de ordem serão registradas em livro especial precedido de indice remissivo. Capitulo ll Das Reclamações An. 158 - Em qualquer fase da sessão da Câmara municipal ou de reunião de Comissão, poderá ser usada a palavras para reclamação. § 1° - O uso da palavra em caso de sessão da Câmara, destina-se exclusivamente a reclamriação quanto à observância de expressão disposição Regimental ou relacionada com o funcionamento administrativo da Câmara Municipal.

×