Tereos apresentacao 3_t13_port

165 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
165
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
52
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tereos apresentacao 3_t13_port

  1. 1. Tereos Internacional Resultados do Terceiro Trimestre 2012/13 São Paulo – 15 de fevereiro de 2013
  2. 2. 1. Destaques de Mercado 2. Destaques Trimestrais 3. Resultados por Segmento Operacional 4. Fluxo de Caixa e Posição de Dívida 5. Prioridades 6. Perspectivas 1 2 3 4 5 6
  3. 3. 10 15 20 25 30 35 40 Moagem de Cana-de-Açúcar no Brasil (MT) 0 100 200 300 400 500 600 700 Fonte: UNICA e Estimativas da Companhia -10% Preço Mundial do Açúcar Bruto (US$ ¢/lb) Fonte: BLOOMBERG +5% Açúcar: Estabilização dos Preços Mundiais entre 18-20 US$ ¢/lb1 3 Impacto Climático no Brasil  2011/12: primeira quebra na produção de cana-de-açúcar nos últimos 10 anos (-10%)  2012/13: recuperação da produção (+5%)  Queda seguida pela estabilização do preço mundial do açúcar bruto entre 18-20 US$ ¢/lb  A perspectiva de outro excedente global de açúcar em 2012/13 (entre 6-7 Mt) está pressionando os preços atualmente
  4. 4. Base Anual: +31% Base Anual: +38% 100 120 140 160 180 200 220 240 260 280 300 Trigo Milho Fonte: MATIF Preços dos Cereais Europeus (€/t) Amido: Preços dos Cereais Abaixo do Pico, Mas Ainda em Níveis Historicamente Elevados 4 1  Alta volatilidade de preços deverá manter-se como principal característica do mercado de cereais  Embora ligeiramente abaixo do pico de dezembro de 2012, os preços continuam fortalecidos pela expectativa de condições climáticas desafiadoras nos principais países produtores (Reino Unido, França, região do Mar Negro e Argentina)  Relação estoque/consumo permanece em níveis relativamente baixos (milho 13% e trigo 27%)  Demanda por amido e derivados para o setor de alimentos permanece estável na Europa
  5. 5. Fonte : Cepea Esalq Fonte : Bloomberg Preços do Etanol – Estado de SP (R$/litro) Etanol: Preços em Baixa na Europa e nos EUA, Embora Estáveis no Brasil Preços do Etanol - FOB Rotterdam & CBOT 5 1 0,50 1,00 1,50 2,00 2,50 3,00 Hydrous AnhydrousHidratado Anidro 1 1,5 2 2,5 3 3,5 350 400 450 500 550 600 650 700 750 800 €/m3 FOB Rotterdam T2 Ethanol CBOT USD/Gal. FOB Rotterdam T2 Etanol CBOT Mercado de Etanol Brasileiro  Brasil ultrapassou os EUA como o maior exportador de etanol do mundo, tendo em vista o impacto dos preços elevados dos cereais na produção norte-americana  Aumento nos preços da gasolina na refinaria em 6,6% e retorno da mistura de etanol de 20% para 25% devem trazer suporte ao consumo de etanol Mercados de Etanol Europeu e Norte-Americano  Queda no consumo de etanol neste trimestre na Europa, resultado da demanda tradicionalmente menor no inverno  Nos EUA, o preço do etanol seguiu o preço do milho, com queda de 16% desde o início de agosto  Perspectiva de longo prazo para o mercado europeu de etanol limitada pela intenção da UE de limitar a utilização de etanol de 1ª geração a 5% de mistura (7% para França)
  6. 6. 3T 2012/13 – Receita Líquida Receita Líquida Recorde Devido aos Maiores Volumes dos Segmentos de Amido & Adoçantes e Cana-de-Açúcar 6 Receita Líquida (Em R$ milhões) 2 1.820 1.965 +124 +33 (18) +6 3T 2011/12 Moeda Volume Preço & Mix Outros 3T 2012/13 1.820 1.965 (17) +45 +138 (21) 3T 2011/12 Brasil Oceano Índico Amido Europa Etanol Europa 3T 2012/13  Aumento da receita devido à boa performance industrial e comercial nos segmentos de Amido & Adoçantes e cana-de-açúcar, mas:  Situação mista de preços: maiores preços no segmento Álcool & Etanol e para isoglucose, mas menores preços de açúcar e etanol no Brasil  Volume de etanol na Europa com forte queda devido ao impacto do início difícil da produção de glúten no funcionamento geral da Tereos BENP (capacidade utilizada inferior a capacidade nominal)  Efeito positivo de perímetro e cambial
  7. 7. 3T 2012/13 – EBITDA Ajustado Impacto Positivo do Segmento de Cana-de-Açúcar Compensado por Maiores Custos de Cereais e Baixa Significativa da Contribuição do Segmento Álcool & Etanol 7 Margem 14,5% EBITDA Ajustado (Em R$ milhões) Margem 14,9% 2 271 +34 +19 (4) (38) +2 284 3T 2011/12 Brasil Oceano Índico Amido Europa Etanol Europa Holding 3T 2012/13  Alta no EBITDA Ajustado no trimestre devido aos maiores volumes no segmento de cana-de-açúcar, efeito positivo de preços em determinados produtos (etanol & álcool na Europa, isoglucose) e efeito positivo de mix na Ilha da Reunião…  … mais do que compensando menores preços de açúcar e etanol no Brasil, aumento no preço de compra dos cereais e baixa significativa da contribuição da atividade de álcool e etanol na Europa em razão da baixa utilização da capacidade na Tereos BENP
  8. 8. 91 151 115 99 143 40 40 3T 11/12 4T 11/12 1T 12/13 2T 12/13 3T 12/13 8 +1,3% YoY +57,5% YoY +31,1% YoY Cana-de-Açúcar Brasil – Produção & Vendas Moagem Superior em Razão de Melhores Rendimentos e Safra Extendida (Término na Metade de Dezembro) +107,7% YoY 3 Processamento de Cana-de-Açúcar (MM t) Vendas de Etanol (‘000 m³) Vendas de Açúcar (‘000 t) Vendas de Energia (‘000 MWh) 2,6 4,7 8,1 5,4 3T 11/12 4T 11/12 1T 12/13 2T 12/13 3T 12/13 375 249 251 401 380 3T 11/12 4T 11/12 1T 12/13 2T 12/13 3T 12/13 90 86 50 182 118 43 57 30 3T 11/12 4T 11/12 1T 12/13 2T 12/13 3T 12/13  Moagem  Recuperação no volume de cana-de-açúcar: 18,2 milhões de toneladas processadas (+12%)  5,4 milhões de toneladas no 3T 12/13 (+107,7% em base anual)  Melhora nos rendimentos de 70 t/ha para 84 t/ha nesta safra, no entanto menor ATR (135 kg/ton vs. 138 kg/ton no último ano)  55 mil hectares plantados em 2012/13 (25% expansão e 75% renovação)  Flexibilidade do parque industrial com maior foco na produção de açúcar:  Açúcar: 1,5 milhão de toneladas 64% do mix vs. 62% no último ano  Etanol: 529.000 m³ 36% do mix  Progresso na cogeração  Alta de 31% nas vendas trimestrais de energia própria, com parte da energia vendida a preços mais elevados no mercado spot  Crescimento esperado de energia própria de 50% nas vendas para a safra 2013/14 Vendas Próprias Trading Vendas Próprias Trading
  9. 9. 593 577 (50) +6 (21) +64 (15) 3T 2011/12 Preço & Mix Volume Preço & Mix Volume Outros * 3T 2012/13 Cana-de-Açúcar Brasil – 3T Financeiro Volumes Maiores Compensando Menores Preços de Açúcar e Etanol * inclui Cogeração, Produtos Agrícolas, Hedging e Revenda de Etanol Números Chave Em R$ milhões 3T 2012/13 3T 2011/12 Variação Receita 577 593 -3% Lucro Bruto 87 118 -26% Margem Bruta 15,1% 19,9% EBITDA 153 129 +19% Margem EBITDA 26,5% 21,7% EBITDA Ajustado 146 112 +30% Margem EBITDA Ajustado 25,3% 18,9% 9 Receita Líquida (Em R$ milhões) Açúcar Etanol 3  Açúcar: 64,0% da receita líquida total • Volumes aumentraram 1,5% para 380.000 toneladas • Preços dimuiram 8,0% ano a ano para 971,5 R$/t  Etanol: 26,6% da receita líquida total • Volume próprio vendido aumentou 10% para 143,000 m3 • Preços diminuíram 14,1% em base anual para 1.074,2 R$/m3  Cogeração: Receita de energia própria somou R$20,3 milhões (+102,0%) (1) Tereos Internacional aloca tratos culturais como custo. Se os tratos culturais fossem alocados como investimento, o EBITDA Ajustado seria de R$199,4 milhões.  EBITDA Ajustado: R$146 milhões • Melhora no EBITDA devido a uma redução de custos caixa devido ao período de safra extendida e a um aumento no volume de energia vendida • Aumento de 640 pontos base na margem EBITDA Ajustado para 25,3% • Margem EBITDA Ajustado1 incluindo tratos culturais como depreciação: 34,6%
  10. 10. Cana-de-Açúcar África/Oceano Índico – Produção e 3T Financeiro Outro Trimestre com Boa Performance 10 Receita por Produto Números Chave Em R$ milhões 3T 2012/13 3T 2011/12 Variação Receita 281 236 +19% Lucro Bruto 100 55 +83% Margem Bruta 35,7% 23,3% EBITDA 84 69 +23% Margem EBITDA 30,0% 29,1% EBITDA Ajustado 85 66 +29% Margem EBITDA Ajustado 30,3% 28,1% 3 +0,2% YoY Processamento de Cana-de-Açúcar (’000 t) Vendas de Açúcar (‘000 t) -3,4% YoY 1.173 43 116 1.267 1.176 3T 11/12 4T 11/12 1T 12/13 2T 12/13 3T 12/13 89 77 67 76 86 3T 11/12 4T 11/12 1T 12/13 2T 12/13 3T 12/13 Açúcar Ilha da Reunião 35% Açúcar Moçambique 21% Trading e outros 44%  Moagem de Cana-de-Açúcar • Safra maior em Moçambique (Produção anual: 730.000 tons, +4,5%) embora os rendimentos tenham sido afetados por condições climáticas (seca) e problemas de irrigação • Na Ilha da Reunião, moagem ligeiramente inferior no ano devido a seca, no entanto um ATR melhor contribuiu para o aumento na produção de açúcar  Receita líquida +19% em base anual • Maior preço de açúcar em ambas divisões e aumento no volume em Moçambique  EBITDA Ajustado • Aumento de 29% no EBITDA Ajustado, apesar de custos de pessoal mais elevados em Moçambique e aumento de custos de cana-de-açúcar na Ilha da Reunião
  11. 11. Segmento de Cereais – Produção e Vendas Volume Maior de Amido & Adoçantes, Mas Volume de Álcool & Etanol Impactados por Dificuldades na Produção de Glúten na Tereos BENP 11 Processamento de Cereais (‘000 t) Vendas de Amido e Adoçantes (‘000 t) -3,6% YoY +5,1% YoY Vendas de Co- produtos (‘000 t) -1,1% YoY Vendas de Etanol e Álcool (‘000 m3) -24,0% YoY Amido & Adoçantes Etanol & Álcool Vendas Próprias Trading 3 Amido & Adoçantes Etanol & Álcool 678 710 723 744 698 220 214 209 224 168 3T 11/12 4T 11/12 1T 12/13 2T 12/13 3T 12/13866898 924 932 968 392 433 450 444 412 3T 11/12 4T 11/12 1T 12/13 2T 12/13 3T 12/13 109 134 110 109 72 62 61 70 51 58 3T 11/12 4T 11/12 1T 12/13 2T 12/13 3T 12/13 130 171 194 180 159 204 210 217 237 215 66 62 60 66 52 3T 11/12 4T 11/12 1T 12/13 2T 12/13 3T 12/13 267270 272 277 303  Moagem no 3T: -3,6% em base anual • Amido & Adoçantes: +5,1% Resiliência no consumo de amido & adoçantes na Europa Efeito de perímetro positivo com a aquisição de Haussimont • Álcool & Etanol: -24,0% Paralizações colaterais de produção devido a dificuldades técnicas na linha de glúten da Tereos BENP (operando abaixo da capacidade instalada)
  12. 12. Amido & Adoçantes – 3T Financeiro Melhora na Receita Devido a Bons Volumes de Vendas e Maior Perímetro Números Chave Em R$ milhões 3T 2012/13 3T 2011/12 Variação Receita 843 705 +20% Lucro Bruto 141 122 +16% Margem Bruta 16,8% 17,2% EBITDA 50 57 -11% Margem EBITDA 6,0% 8,0% EBITDA Ajustado 52 56 -7% Margem EBITDA Ajustado 6,2% 8,0% 12 Receita Líquida (Em R$ milhões) +19,6% 3  Receita Líquida: R$843 milhões, alta de 19,6% • Crescimento orgânico de vendas (+1,8%) e efeito positivo de perímetro (Haussimont +3,2%) • Outras receitas impactadas por maiores vendas de energia e serviços prestados  EBITDA Ajustado: R$52 milhões, queda de R$4 milhões • Impacto positivo do aumento de volumes e do preço da isoglucose não compensaram a alta nos custos de matéria-prima e energia 705 843 +71 +37 (3) +33 3T 2011/12 Moeda Volume Preço & Mix Outros 3T 2012/13
  13. 13. Álcool & Etanol Europa – 3T Financeiro Menor Nível de Produção na Tereos BENP Resultou em Queda de Volume e de Rentabilidade 13 Receita Líquida (Em R$ milhões) Receita por Produto Números Chave Em R$ milhões 3T 2012/13 3T 2011/12 Variação Receita 265 286 -8% Lucro Bruto 13 64 -79% Margem Bruta 5,0% 22,2% EBITDA 3 40 -94% Margem EBITDA 1,0% 14,0% EBITDA Ajustado 3 40 -94% Margem EBITDA Ajustado 1,0% 14,1% 3 Etanol vendas próprias 51%Etanol trading 37% Co-produtos e outros 12% 286 265 +29 (74) +27 (3) 3T 2011/12 Moeda Volume Preço & Mix Outros 3T 2012/13  Receita Líquida: R$265 milhões, queda de 8% • Queda de volumes (-23,8%) principalmente devido a paralizações colaterais na produção • Maior preço de etanol (+9,0% em base anual) e melhor preço médio de coprodutos devido a introdução do glúten  EBITDA AJustado: R$3 millhões, queda de 94% • Aumento significativo dos preços da matéria-prima comprada a preço de mercado • Maior custo unitário de energia em base anual
  14. 14. 14 Reconciliação do Fluxo de Caixa do 3T Continuidade dos Investimentos nos Principais Segmentos Fluxo de Caixa Em R$ milhões 3T 2012/13(1) EBITDA Ajustado 284 Capital de giro (133) Outros operacionais (incluindo imposto pago) (35) Fluxo de Caixa Operacional (116) Juros (63) Dividendos pagos e recebidos - Investimentos (247) Aumento de capital - Outros 29 Fluxo de Caixa Livre (164) Impacto cambial (43) Aquisição e impacto de perímetro - Variação da Dívida Líquida (207) 4  Fluxo de Caixa Necessidade sazonal de caixa principalmente relacionada ao pico da safra para o segmento de cana-de-açúcar (aumento de estoque)  Investimento Brasil: R$102 milhões Principalmente alocado para (i) o programa de plantio; (ii) equipamentos para cogeração; e (iii) custos de manutenção com o início do período da entressafra Cereais: R$109 milhões Principalmente alocado para (i) o projeto de amido no Brasil; (ii) a expansão da capacidade do segmento de amido & adoçantes; e (iii) a diversificação de produtos na Tereos BENP (glúten / dextrose) (1) Dívida líquida em 30 de setembro de 2012 atualizada para incluir o aumento de capital de R$212 milhões da Pbio na Guarani
  15. 15. Dívida Aumento Devido ao Capital de Giro, Investimento Contínuo e Efeito Cambial  Dívida Líquida/EBITDA Ajustado: 4,0x, estável comparado a 3,8x em setembro de 2012(1) 15 Dívida Em R$ milhões 31/12/2012 31/03/2012 Variação Circulante 2.257 1.291 967 Não-circulante 2.196 2.384 -188 Custos amortizados (20) (25) 5 Total da Dívida Bruta 4.453 3.650 783 Em € 1.812 1.402 412 Em USD 1.793 1.652 140 Em R$ 783 557 226 Outras moedas 65 64 - Caixa e Equivalente de Caixa (678) (624) -54 Dívida Líquida Total 3.755 3.026 729 Partes Relacionadas 35 17 18 Dívida Líquida Total + Partes Relacionadas 3.790 3.043 747 4 Variação Cambial 31 /12/2012 31/03/2012 Variação USD/R$ 2,0462 1,8218 +12,3% € / R$ 2,6949 2,4295 +10,9% (1) Dívida líquida em 30 de setembro de 2012 atualizada para incluir o aumento de capital de R$212 milhões da PBio na Guarani
  16. 16. BRASIL  Continuar os esforços para mecanização agrícola, automação das fábricas e melhoria de processos  Expandir as vendas de eletricidade (1.200 Gwh em 2015)  Fortalecer a posição com a Petrobras ÁFRICA/OCEANO ÍNDICO  Explorar o potencial agrícola de Moçambique  Confirmar o papel fundamental da cana-de-açúcar na Ilha da Reunião e valorizar as competências do Grupo  No Brasil: reforçar a competitividade de custo para lidar com as condições atuais macroeconômicas  Participar do desenvolvimento de um mercado em crescimento Prioridades: Cana-de-Açúcar 16 5
  17. 17.  Adaptar-se aos níveis mais elevados de preço e volatilidade dos cereais  Expandir a presença em mercados emergentes (Brasil/China)  Adaptar o mix de produtos e o parque industrial aos altos níveis de preço e volatilidade dos cereais  Ajustar a produção de glúten e a participação de etanol na Lillebonne (conversão da unidade para indústria alimentícia)  Desenvolver vendas de amido & adoçantes em mercados emergentes Prioridades: Cereais 17 5
  18. 18. 18 Perspectivas6  Cana-de-Açúcar  Brasil: melhor perspectiva para cana-de-açúcar e cogeração • Recuperação de 10% na produção de cana-de-açúcar na safra 2013/14 (moagem acima de 20 milhões de toneladas) • Investimentos em cogeração nos permitindo dobrar a venda de energia em 2013/14 • Mistura de anidro retornará a 25% em 1 de maio de 2013 e provavelmente absorverá uma parte significativa da produção adicional de cana-de-açúcar na safra 2013/14 • Aumento do preço da gasolina na refinaria (+6,6% em 31 de janeiro) também suportará o consumo de etanol  Oceano Índico: dinâmica comercial positiva deve continuar  Cereais  Europa: diversificação para lidar com os preços mais altos dos cereais • Aumento de preços foram repassados aos clientes em rodada de negociação ocorrida em dezembro • Volumes na Tereos BENP não deverão atingir níveis normalizados neste ano fiscal • Preços de cereais devem permanecer altos e voláteis  Mercados Emergentes: projetos greenfield em execução • Brasil: produção da unidade a base de milho na Syral-Halotek com início previsto para 1S 2013/14 • China: obra progredindo na unidade Dongguan construção de planta a base de trigo com início previsto para 2014
  19. 19. 19 Relações com Investidores Telefone: +55 (11) 3544-4900 ri@tereosinternacional.com

×