Revista espirito livre_041_agosto2012

933 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
933
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revista espirito livre_041_agosto2012

  1. 1. Blender nas Universidades Pág 43 Animação 2D com Blender Pág 45 Direito ao anonimato Pág 64 Software Livre e EAD Pág 77 E muito maishttp://revista.espiritolivre.org | #041 | Agosto 2012
  2. 2. licençaEspírito Livre · Agosto/2012 02
  3. 3. Editorial Uma mensagem para o leitor No passado, o desenvolvimento e criação paleta de cores irá usar. Agora para osde peças gráficas, objetos, jogos e anima- leigos, o buraco é bem mais embaixo.ções com o uso de ferramentas de 3 dimen- E para quem não quer gastar, sem abrirsões, ou simplesmente 3D era restrito a mão da qualidade, uma excelente opção pa-poucos usuários. As ferramentas disponíveis ra a produção 3D, desenvolvimento de ga-eram caras, funcionaram em sistemas opera- mes, animações e outros é o Blender, quecionais específicos, o seu manuseio era com- está sendo tratada com bastante atençãoplexo e o hardware necessário para usar tais nesta edição (agradecimento especial aoferramentas deveria esbanjar performance. Cadunico que nos ajudou bastante naO tempo passou e algumas coisas mudaram produção desta edição). Seu código é abertoneste cenário. Comecemos então pelo fim... e tem pacotes para diferentes sistemas ope- A primeira coisa que eu penso que mudou racionais, algo nem sempre comum com ou-drasticamente do passado para o presente é tras soluções "comerciais".que para se produzir algo de qualidade, não A facilidade de termos um Blender a nossadependemos unicamente de um super com- mão, bastando um simples "apt-get installputador. Claro, que, se tivermos um a nossa blender" (para os usuários Debian, Ubuntu edisposição, a produção do que quer que seja derivados) já nos possibilita estar diante deacelerará. Porém este não é mais um grande uma ótima ferramenta sem muito esforço.problema, tendo em vista que notebooks Agora, se você irá descobrir o Rembrandttem poder de processamento invejáveis, e que há dentro de você, isto são outros qui-para o uso regular de uma ferramenta de 3D, nhentos...bastante aceitável, inclusive. Um abraço forte a todos e até mais! O grau de complexidade, bom... confessoque não notei tantas mudanças na última dé- João Fernando Costa Júniorcada. Artistas são artistas, não interessa qual EditorDiretor Geral Colaboradores desta ediçãoJoão Fernando Costa Júnior Carlisson Galdino, Carlos Eduardo Mattos da Cruz (Cadunico), Cícero Moraes, Ivan Paulos Tomé, João Fernando Costa Júnior,Editor Marcos André Amaral, Renato Monteiro, Ricardo Graça, RogerJoão Fernando Costa Júnior Resmini, Ryan Cartwright, Sidney Moraes Júnior, Thais Maulli, Vitor Balbio e Walter Capanema.RevisãoVera Cavalcante e João Fernando Costa Júnior Contato Site: http://revista.espiritolivre.orgArte e Diagramação Email: revista@espiritolivre.orgHélio José S. Ferreira e João Fernando Costa Júnior Telefone: +55 27 8112-4903Jornalista Responsável ISSN Nº 2236031XLarissa Ventorim CostaES00867JP O conteúdo assinado e as imagens que o integram, são de inteira responsabilidade de seusCapa respectivos autores, não representando necessariamente a opinião da Revista Espírito LivreCarlos Eduardo Mattos da Cruz e de seus responsáveis. Todos os direitos sobre as imagens são reservados a seus respectivos proprietários.Espírito Livre · Julho/2012 03
  4. 4. su m á ri o ⁄⁄ edição agosto 2012 03 EDITORIAL 45 ANIMAÇÃO 2D NO BLENDER por João Fernando Costa Júnior por Ricardo Graça 05 NOTÍCIAS 53 VISUALIZAÇÃO ARQUITETÔNICA COM SOFTWARES por João Fernando Costa Júnior LIVRES por Vitor Balbio 06 CARTAS 57 PASSEIO VIRTUAL VEGETAL por vários autores por Roger Resmini 07 PROMOÇÕES 60 WARNING ZONE - Nº 40 por vários autores por Cárlisson Galdino 09 BLENDER 3D: O QUE É E O QUE 64 O DIREITO AO ANONIMATO FAZ por Walter Aranha Capanema por Cícero Moraes 13 ENTREVISTA COM SIDNEY 75 DEUS E A TECNOLOGIA MORAES JÚNIOR por Renato Cesar Monteiro por Cadunico 18 ENTREVISTA COM IVAN 77 SOFTWARE LIVRE E EAD PAULOS TOMÉ por Thais Maulli por Cadunico 23 CRIANDO DADOS COM 80 QUADRINHOS BLENDER por Ryan Cartwright por Cadunico 30 CONVERTENDO FOTOGRAFIAS 83 AGENDA EM UM 3D DE QUALIDADE por vários autores por Cícero Moraes 43 BLENDER 3D NAS UNIVERSIDADES por Marcos André AmaralEspírito Livre · agosto/2012 04
  5. 5. notíciasNotíciaspor João Fernando Costa Júnior Conheça o ambiente desktop Razor- Vokoscreen - Gravador de telasqt baseado em FFMpeg O Razor-qt é umambiente desktopavançado e fácil deusar, rápido e base-ado em Qt, adapta-do para usuáriosque valorizam asimplicidade, velo- Vokoscreen é uma aplicação paracidade e uma inter- GNU/Linux que pode gravar vídeo da nossaface intuitiva. O Razor-qt contém todos os área de trabalho. Útil para criar um vídeocomponentes principais de um ambiente tutorial ou compartilhar detalhes do nossodesktop completo, incluindo um painel, um ambiente de trabalho, Vokoscreen fornecelançador de aplicativos, um centro de Con- uma interface gráfica simples para gerenci-figurações e Sessões. Ficou interessado? ar facilmente as várias características/pre-Saiba mais aqui. ferências. Pode-se “capturar” a webcam, todo o desktop, a janela principal ou o am- Você sabe o que é o CDTC ? biente de trabalho. Conheça-o aqui. O CDTC é uma plata-forma que abriga HGM-Hudnet: Conky com informa-diversos cursos ções do sistema e tempogratuitamente. Possuí- HGM-Hudnet é um tema interessantemos hoje mais de 200 para Conky que fica posicionado no cantocursos, sendo ofertada superior direito60 turmas por semana da sua área deentre dois sites, tendo trabalho e ofere-cada site cerca de ce mais do que o25.000 alunos, dispos- tempo e a datatos em mais de 1400 da informaçãocidades brasileiras. em nosso siste-Atualmente existem ma em um estiloaproximadamente 3200 empresas privadas semi-circularque usam o CDTC para formação de seus muito bonito. Entre as informações emempregados, 1800 instituições públicas tempo real fornecido pelo HGM-Hudnetque obtém no projeto CDTC o apoio neces- são: status do consumo da bateria, da me-sário para a qualificação dos seus trabalha- mória, disco, CPU, conexão e também adores. Saiba mais aqui. temperatura climáticas em graus Celsius da nossa localização. Saiba como instalá-lo aqui.Espírito Livre · Agosto/2012 05
  6. 6. coluna do leitorColuna do leitor Esta seção reune os últimos comentários, nhando novos leitores a cada edição. Leio emensagens, e-mails e sugestões que recebemos indico com força!de nossos leitores. Elexsandro Santos - Quebrangulo/AL A Revista Espirito Livre traz um diferencial Revista muito interessante, completa eque são as noticias para um público bem es- sempre com novidades.pecífico e interessado. Mateus Filipe Pereira - Colatina/ES Guilherme T. Carlos - Campinas/SP Uma revista que traz diversos temas com Ótima fonte de informações sobre softwa- a realidade digital, Busca atualizar os leitoresre livre. com o avanço da tecnologia na era digital. Ivan Brasil Fuzzer - Erechim/RS Flávio Medina - Guararema/SP Uma revista interessante de grande utili- O envolvimento de vários profissionais (edade tanto para a comunidade software livre não somente desenvolvedores) com Softwa-quanto para as pessoa que se interessem pe- re Livre e que contribuem para a revista sólo assunto tanto academicamente ou corpo- enriquece o conteúdo e contribui muito pararativamente. a disseminação e conhecimento do SL. Para Wellton Oliveira - Ponta Grossa/PR mim, a revista é nota 10. Marcelo Rosa Suzuki - São José dos Uma revista que admiro pelo fato de man- Campos/SPter vivo a liberdade de escolha no mundo dainformática. Acho ótima a revista, acompanho todas as José H. Marcati Júnior - Itapira/SP edições e sempre divulgo com meus colegas e alunos. É a revista que estava faltando no Brasil! Gerson Damke - Santa Maria/RSMuito boa! Samuel A. Rodrigues - Riacho Fundo Excelente publicação em relação a ques-II/DF tão do SL no Brasil! Sou iniciante no tema e busco estudar a relação entre Tecnologia e É uma ótima revista, acompanho desde Direito.sua primeira edição. Bernardo D. Barcelos - Vitória/ES Jéfer Benedett Dorr - Curitiba/PR Ótima revista! Várias matérias interessan- Se você lê a revista Espírito Livre, você tes. Não deixo de ler uma. E sempre reco-não precisa ler mais nada a respeito de mendo para alguém que goste de Linux!Software Livre, sendo parada obrigatória pa- Parabéns!ra os entusiasta do Se você lê a revista Espí- Erick da Silva Moraes - Santos/SPrito Livre, não precisa ler mais nada arespeito de Software Livre, sendo parada É uma revista muito abrangente com umaobrigatória para os entusiastas. Sempre linguagem de fácil entendimento.abordando assuntos atuais de maneira clara Roberto Carlos Pereira Junior - Beloe objetiva a revista vem crescendo e ga- Horizonte/MGEspírito Livre · agosto/2012 06
  7. 7. promoçõesPromoções Sorteio de kits de CD e DVD. Sorteio de associações para o clube. Clique aqui para concorrer! Clique aqui para concorrer! Sorteio de kits 10% de desconto contendo 2 nos cursos da botons e 1 Tempo Real adesivo. Eventos. Inscreva­se aqui! Inscreva­se aqui.Relação de ganhadores de sorteios anteriores: Ganhadores da promoção Clube do Hacker: Ganhadores da promoção PASL.NET.BR: 1. Walter Nascimento Barroso ­ Boa Vista/RR 1. José Wagner Alves da Cruz ­ Aracaju/SE 2. Erick da Silva Moraes ­ Santos/SP 2. Márcio Sancho ­ Limoeiro/PE 3. Bernardo Dantas Barcelos ­ Vitória/ES 3. Filipe Araújo ­ Jundiaí/SP 4. Roberto Carlos Pereira Junior ­ Belo Horizonte/MG 5. Nelson Martins Ferreira ­ Mesquita/RJ Ganhadores da promoção Virtuallink: 1. Wagner Roberto Massi ­ São Paulo/SP 2. Welber Cândido Silva ­ Brasília/DF 3. Cleiton Almeida ­ Franca/SP 4. Eliphas Levi Guimarães de Siqueira ­ Lorena/SP 5. Vinícius Garcia de Oliveira ­ Caratinga/MGEspírito Livre · agosto/2012 07
  8. 8. capa · blender 3D: o que é e o que fazBlender 3D:o que é e o que fazpor Cícero MoraesS egundo BRITO (2010 p. 15), Blender é um software de modela-gem e animação 3D de có-digo aberto. Ele está sob a serir imagens, rotacionar e redimensionar objetos, im- portar tabelas e até outros arquivos para dentro do do- cumento. mos uma série de arquivos externos, escrevemos tex- tos em 3-D dentre outras inúmeras possibilidades. Existem uma série de ca-licença GNU-GPL, que per- Com os editores de ima- racterísticas interessantes emite a qualquer pessoa ter gens acontece a mesma si- de coisas bacanas que po-acesso ao código-fonte do tuação. Nós criamos dem ser executadas noprograma para que possa imagens, alteramos ima- Blender.fazer melhorias, contanto gens prontas, mudamos co- Obs. : Todos os exemplosque disponibilize tais me- res, inserimos textos, mostrados a seguir foram fei-lhorias à comunidade. importamos alguns tipos de tos pelo criador desse materi- Para facilitar as coisas, arquivo externos, mudamos al. No site do Blender e outrosvamos pensar nos editores. as dimensões, rotação e as- especializados no assunto háTemos editores de textos sim por diante. efeitos mais sofisticados e quecomo o LibreOffice, que nos O Blender é uma espécie exemplificam mais ampla-permite dentre outras coi- de editor 3-D. Nele nós cria- mente o uso das ferramentas.sas, escrever textos, forma- mos cenas, objetos, altera- Imagens com maior qualidadetar esses textos, alterar as mos as propriedades desse e alguns vídeos podem ser en-cores das letras, seus tama- objeto, como as cores, di- contrados no site www. cicero-nhos, ordem de escrita, in- mensões, rotação. Importa- moraes. com. br.Espírito Livre · Agosto/2012 09
  9. 9. capa · blender 3D: o que é e o que fazModelagemFunciona como uma ferra-menta de modelagem parapropósitos gerais. Seja nacriação de maquetes, ambi-entes internos, mascotes,humanoides e até objetosmecânicos.AnimaçãoDesde animações simples,como deslocamento e rota-ções, até a articulação de Figura 1personagens e simulações MODELAGEMde fluídos, tecidos, corposrígidos e etc.Simulação de pelos ecabeloA imagem ao lado mostrauma esfera partículas tipoHair, ou seja, cabelo. Foi ati-vado o Hair Dynamics, quepossibilita dar movimentoaos fios quando o corpoprincipal (esfera) é anima- Figura 2 ANIMAÇÃOdo. Uma característica inte-ressante do Hair no Blenderé que você pode penteá-loem tempo real. Isso mes-mo! Você conta com ferra-mentas que além de Figura 3pentear os cabelos virtuais, SIMULAÇÃO DE PELOS E CABELOStambém os enrola, corta efaz crescer. É como ser umcabeleireiro com poderes Simulação de tecidos podemos atestar a qualida-extras. Permite simular toda a sorte de do efeito criado com a lã A partícula Hair pode ser de tecidos, como algodão, e sua deformação combina-usada também para simular cotton, couro e afins. da com a do tecido.grama e mesmo reagir com Na figura 4, o modifica- Os cálculos de deforma-outros elementos, como dor de tecido ou Clothe, co- ção do tecido, bem comovento, personagens cami- mo é conhecido, foi dos outros modificadoresnhando ou corpos rígidos combinado com o Hair, para semelhantes são feitos au-que eventualmente colidi- criar o efeito de couro com tomaticamente. Na figura 5,rão com ela. lã. foi colocada uma esfera que Quando visto de perto, levanta o tecido pelo meio.Espírito Livre · Agosto/2012 10
  10. 10. capa · blender 3D: o que é e o que faz O tecido também poderáreagir com forças externas,como o vento. É muito fácilcriar, por exemplo, aqueleefeito de bandeira tremu-lando ao vento, tão solicita-do em materiais depublicidade.Simulação de fluídosAtravés do modificadorFluid você poderá simular lí-quidos como água, mel eóleo (pré-configurados) e Figura 4 SIMULAÇÃO DE TECIDOSoutros mediante a alteraçãoda configuração dos dadosdo fluído.Outros simuladores emodificadoresO Blender ainda conta comsimuladores específicos defumaça e gases, explosão,corpos rígidos (tijolos, domi-nós), corpos flexíveis (bor-racha), turbulência,magnetismo e afins. Cruzando-se um efeitocom outro, como por exem-plo, o Explode com o Smokechega-se a resultados sur-preendentes. A necessidadee a criatividade são os doismotores básicos de um tra- Figura 5balho bem-feito. QUALIDADE DO EFEITO CRIADO COM A LÃ Figura 6 SIMULAÇÃO DE FLUÍDOSEspírito Livre · Agosto/2012 11
  11. 11. capa · blender 3D: o que é e o que fazMotor de Jogos(Game Engine)O Game Engine é um módu-lo do Blender que permite acriação de jogos e aplica-ções 3D interativas. Com ele podem ser feitosjogos de naves, de tiros emprimeira pessoa, RPGs eafins. Como ilustrado aci-ma, pode ser usado paraapresentações em temporeal na área de arquitetura,tanto em ambientes inter-nos decorados como parafachadas e grandes empre-endimentos. Como o Blender 2.5x ain-da está sendo desenvolvi-do, é cedo para tratar deassuntos como interopera- Figura 7 GAME ENGINEbilidade (importers & expor-ters) e Python script, duasoutras características mar-cantes do programa. Felizmente existem mui-tas ferramentas que por sísó garantem a possibilidadede execução de bons traba-lhos e diversão garantida.Fonte: http://va. mu/cEn6C ÍCERO M ORAES3D artist and animatorautodidata. É um dosgrandes entusiastas doBlender no país. Jáescreveu dezenas deartigos online eimpressos, lidos no Brasil eno mundo. Vencedor do Prêmio TVCA de Figura 8Propaganda e Vídeo de 2006, esteve entre IMAGENS 3D INTERATIVASos finalistas no concurso Cannes YoungLions, promovido pelo YouTube em 2009. Jápalestrou em diversos eventos deinformática, como a Latinoware,BlenderPRO, SolivreX, Filsol e o II Ermac.Espírito Livre · Agosto/2012 12
  12. 12. capa · entrevista: sidney moraes júnior EN TREVISTA Sidney Moraes Júnior "O Blender é omelhor software 3D" O artista 3D e animador Sidney Moraes Jr, aka mangojambo, 33, é casado e mora em Londrina no Paraná. Ele estudou Design Gráfico na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) em Curitiba. Como designer de produto trabalhou inicialmente na Techvisa; na BDDB Agência de Publicidade foi designer gráfico; no Cartoon Pro Estúdio de Animação e no Blender Institute desenvolveu a atividade de character animator e atualmente é Lead Artist da Oniria Produtora de Software. por CadunicoEspírito Livre · Agosto/2012 13
  13. 13. capa · entrevista: sidney moraes júniorE SPÍRITO LIVRE Fale um pouco de você esua trajetória até chegar no mercado3D.M ORAES J ÚNIOR Eu estudei Design Gráfico naPUC-PR, e desde então trabalhei desenvol-vendo marca, tipos e papelaria. Tive um con-tato com o Blender em 1999, com o grandeGustavo Mattos, o qual me ensinou o básicopara começar. Na época havia pouquíssimainformação e tutoriais. O pouco conhecimen-to e intimidade com a internet e a língua in-glesa na época colaborava com a dificuldadetambém. Tive a oportunidade de trabalharem uma empresa de design de produto, Te-chvisa, no qual se usava muito o Blender pa-ra apresentar produtos em vídeo paraclientes. Em outras agências de publicidadecomo a BDDB, cheguei a usar 3D esporadi-camente, voltando com força no Yo Frakie daBlender Institute em 2008, animando emMaya um episódio da Turminha Querubimpara o Estúdio Cartoon Pro e, chegando aosdias atuais, trabalhando na Oniria Produtorade Software como Lead Artist, desenvolven-do personagens e cenários para simulado-res, jogos e vídeos.E SPÍRITO LIVRE Conte-nos como foi a expe-riência na produção das animações dojogo Yo Frankie da Blender Foundation.M ORAES J ÚNIOR Foi simplesmente sensacio- personagens do jogo e rever as animações jánal! Eu tinha acabado de chegar da Escócia criadas! Como assim? Eu revendo animaçãono qual passei um tempo como missionário de outro artista?? Estava nas nuvens com es-e voltei sem grana nenhum. De volta para ta oportunidade, porém era um trabalho nãocasa e sem emprego. Em um desafio, a equi- remunerado. Eu topei da mesma maneira. Foipe do YoFrankie selecionou 4 de 100 anima- um ano difícil: minha esposa trabalhando emções de personagens enviadas para eles e loja de Shopping center para sustentar a casauma delas era a que eu havia animado! Até enquanto eu ficava no meu computador ani-então não havia feito nada em animação de mando personagens! Ninguém sabia na épo-personagens e fiquei deslumbrado por ter si- ca, mas mal tínhamos dinheiro para nosdo um dos escolhidos. Na sequência coloca- alimentar e pagar as contas. Pensei em de-ram outro personagem e pediram para sistir, mas graças a minha esposa que meanimar a vontade vários cycles: wlak, idle, apoiou todo o tempo e deu seu voto de fé erun, etc. não perdi tempo e comecei animar confiança, me fez ir até o fim. Após o Yo Fran-como um louco. Após uma angustiante se- kie ficou fácil arrumar trabalho com estemana de espera por uma resposta, recebo o portfólio. E posso dizer que hoje estou ondee-mail sendo convidado para animar todos os estou e trabalho no que gosto por causa daEspírito Livre · Agosto/2012 14
  14. 14. capa · entrevista: sidney moraes júniorminha decisão de participar no projeto YoFrankie em 2008.E SPÍRITO LIVRE Porque escolher o Blendercomo principal ferramenta 3D?M ORAES J ÚNIOR Escolhi na época pois gosta-va da filosofia do Software Livre e o Blenderera o melhor Software Livre 3D na época.Hoje escolho ele por ser o melhor software3D, ponto. Por causa do conhecimento queganhei, cheguei a receber proposta e fazerum trabalho de animação de personagemem Maya. Engraçado que sempre usei Blen-der e usar Maya foi traumático na época! ção e uma base em lógica de programaçãoAchava o programa muito desorganizado, ajuda bastante. Saber programar, melhornada fazia sentido naquela interface. Exata- ainda! A lógica ajuda a definir melhor comomente o que falavam da interface antiga do sua configuração de contraints irá funcionar.Blender. Mas foi uma excelente experiência. Programar poderia resolver ainda coisas deAprendi a entender os prós e contras de ca- forma mais fácil que um emaranhado de bo-da um. Mas, mesmo assim, ainda prefiro o nes. E, por fim, ter experiência em animaçãoBlender para o meu trabalho, pois consigo ajuda a entender o que é melhor para o ani-resultados muito profissionais em tempo re- mador, apesar que vai muito também deduzido. Maya é fantástico, mas, para mim, preferências. Nem sempre o que o riggerBlender ainda é melhor. quer é o melhor para o animador. Por isso não se apegue ao seu rig setup, como o todoE SPÍRITO LIVRE Como foi sua atuação na poderoso. Discussões entre rigger a anima-série Turminha Querubim pela Cartoon dor sobre controladores e formas de comoPro Studios Softwares? se deve funcionar um rig podem ser acalora-M ORAES J ÚNIOR Fui chamado para animar um das!episódio do projeto. Foi muito bacana, poistive que aprender um pouco de Maya, o sufi- E SPÍRITO LIVRE E o projeto Portinari? Po-ciente para animar personagens, apenas is- deria dar uma palhinha para os leito-so. A técnica é muito parecido de um res?programa para outro, por isso foi mais sim- M ORAES J ÚNIOR Em uma palavra: desafiador!ples. Senti falta do Action Editor, ferramen- Este foi um freelance no qual tive que mon-tas como Copy Pose, Mirror Pose e "Fake IK" tar a maior parte de todo uma animação deque já vem por padrão no Blender. Mas foi 30 segundos, criar, riggar, animar, renderi-uma experiência engrandecedora e o pesso- zar e compor todos os shots. Isso usando oal do estúdio é simplesmente show! Com is- Blender 2.5 alpha! http://va.mu/cHDL O se-to pude olhar diferente para o Blender, gundo foi utilizado também o Beta das ver-entender as vantagens e pontos fracos. To- sões com Camera Tracking para compormar decisões diferentes. filme com personagens 3D. http://va.mu/cHDM O que posso dizer é queE SPÍRITO LIVRE O que é preciso estudar não se consegue fazer nada disso sozinho,para que artistas façam um bom setup por isso nem todo o crédito é meu. No pri-de personagem? meiro tive a ajuda do Romulo Jordão e no se-M ORAES J ÚNIOR Ter experiência com anima- gundo do Reberson Alves, dois grandesEspírito Livre · Agosto/2012 15
  15. 15. capa · entrevista: sidney moraes júniorartistas 3D. E ter outras pessoas no projetoajuda a ter uma visão diferenciadas, novasidéias e tirar muito peso dos ombros de umaúnica pessoa. Dividir para conquistar!E SPÍRITO LIVRE Qual o seu papel na Produ-tora de Games e Simuladores Oniria?M ORAES J ÚNIOR Atualmente sou o Artista Li-der na Oniria, no qual gerencio uma equipede artistas e designers para desenvolver ar-te para os simuladores, jogos e vídeos, en-volvendo na maioria das vezes estudos edesenvolvimento de novas técnicas e tecno-logias. É difícil ver um lugar que reuna tan- com áreas muito distintas, como animaçãotos talentos como a Oniria hoje em dia, de personagem, composição FX, render rea-incluindo principalmente os programadores lista, cenário para jogos, etc. Só posso dizerde lá. Mas uma coisa posso dizer com certe- um pouco melhor da minha área: quer criarza e falsa modéstia: não tem ninguém me- jogos? Estude e MUITO! Dedique 4 anos dalhor que nós nas jogatinas do almoço em sua vida recluso da sociedade estudando ar-CTF, capture the flag, no Teeworlds - Instagib te, 3D, animação e até mesmo programa-Mod! E o desafio está lançado! ção, pois também é frustrante para um artista não conseguir fazer um mínimo deE SPÍRITO LIVRE Qual, na sua opinião, a programação para testar algumas coisas doprincipal vantagem do Blender no mer- jogo ou protótipo do jogo. Essa será sua fa-cado de jogos? culdade pessoal, mesmo que faça design deM ORAES J ÚNIOR A principal vantagem é o ca- jogos. E o estudo não acabará aos 4 anos,samento redondo do Blender com a Unity! pois sempre tem coisa nova para aprender,Muitas pessoas hoje tem usado o Blender e mas ficará mais fácil com o tempo. Quatroa versão free da Unity. É realmente um con- anos parece muito, mas passa voando e, nojunto poderoso, incluindo outros software de final, você será um artista em tanto!suporte a arte como Gimp, Photoshop, Inks-cape e Illustrator. A exportação dos modelos E SPÍRITO LIVRE Fale de sua parceria comdo Blender para FBX, o tipo de arquivo su- VTCOM.portado pela Unity, é simplesmente fantásti- M ORAES J ÚNIOR Pela necessidade do merca-co! As Actions já vão todas separadas do, foi montado em Londrina a proposta docorretamente e com os nomes corretos. Só primeiro curso de design de jogos, onde adeixo o seguinte conselho técnico: apaguemideia é ensinar o aluno design de jogo, con-o script de importação direta do .blend nacepts, Arte 3D, uso e produção na ferramen-pasta da Unity, o Unity-BlenderToFBX.py. Vai ta Blender, produção e programação napor mim: importar direto do .blend dá muita Unity e Deploy do jogo na Apple Store. Todosdor de cabeça e assim você evita importa- os professores são profissionais que traba-ções indevidas. lham nas respectivas áreas e sabem os ma- cetes e dicas de certos caminhos noE SPÍRITO LIVRE Quem quiser entrar neste desenvolvimento de um jogo. A turma é tra-mercado, quais conhecimentos que es- tada como uma equipe de trabalho, onde éte profissional precisa dominar? gerenciado tarefas e software para versiona-M ORAES J ÚNIOR Bom, é um mercado grande, mento do projeto, assim como ocorre em umEspírito Livre · Agosto/2012 16
  16. 16. capa · entrevista: sidney moraes júniorestúdio de jogos, além de dicas durante o der um pouquinho mais desse nosso cami-curso de como se portar como um desenvol- nho profissional que tanto amamos. Não évedor indie de jogos e suas ferramentas pa- fácil e nem tudo são flores, mas ver seu pro-ra organização. jeto finalizado é uma realização incrível! Quem quiser me contactar pode fazê-lo peloE SPÍRITO LIVRE Mestre mangojambo, o es- email moraesjunior @gmail.com, e terei pra-paço da revista está aberto para suas zer em responder, tirar dúvidas, conversar,considerações finais. Muito obrigado tomar uma cerveja ou jogar qualquer jogopor nos ceder esta entrevista. multiplayer (Teeworlds?) para descontrair!M ORAES J ÚNIOR Eu que agradeço a oportuni-dade e espero ter feito a diferença para de- Um abração para todos e fiquem comcisões de algum leitor. Muitas vezes ficamos Deus.bitolados em nosso trabalho e esquecemosque uma conversa como essa pode mudar einspirar outras pessoas a encontrar e enten-Espírito Livre · Agosto/2012 17
  17. 17. capa · entrevista: ivan paulos tomé EN TREVISTA Ivan Paulos ToméQuando comecei no Blender, em 2006, a única infra estrutura de quedispúnhamos era o site Blender Brasil. De lá pra cá, muita coisa mudou...Mais conhecido com “Grey” ou“greylica”, seu nick registrado nas salas de bate papo edesenvolvimento do Blender, Ivan Paulos Tomé é considerado hoje um dos veteranosdo Blender no Brasil. É o precursor de muitos projetos relacionados à infraestrutura do software, tanto educacional, como de promoção do uso da plataforma. por CadunicoEspírito Livre · Agosto/2012 18
  18. 18. capa · entrevista: ivan paulos toméE SPÍRITO LIVRE Como e quando você co- foram ações sensacionalistas nem passosmeçou no Blender? maiores que a perna, isso é uma caracte-I VAN PAULOS TOMÉ Em meados de 2006, rística muito interessante da comunidade.quando queria fazer um filme, e descobri Hoje temos artistas, professores, fazendasas muitas barreiras que haviam, principal- de renderização, estúdios de jogos usandomente as financeiras. Encontrei o Blender o Blender, arquitetos, universidades equando pesquisei sobre softwares livres de muitas boas sementes germinando e mos-animação gráfica, e foi paixão a primeira trando bons frutos. Eu tenho uma pequenavista! fazenda exclusiva para usuários Blender. Há muitos artistas novos dos quais já souE SPÍRITO LIVRE O que o atraiu mais no fã, e outros que servem até hoje de inspi-software? ração, como Mango, Cícero, Kemuel, Ga-I VAN PAULOS TOMÉ Desde aquela época, o non, Ricardo 3D, dentre outros.Blender já era tido como o melhor dossoftwares livres de animação 3D, a vivên-E SPÍRITO LIVRE E como você se envolveucia comunitária foi outro fator chave... nas tarefas de infraestrutura, digo, como você se envolveu com o desen-E SPÍRITO LIVRE Qual a infraestrutura na volvimento do software?época para uso do software? I VAN PAULOS TOMÉ Inicialmente, encomen-I VAN PAULOS TOMÉ Quando comecei no dei os manuais da versão 2.32, que naBlender, em 2006, a única infra estrutura época, eram difíceis de serem comprados,de que dispúnhamos era o site Blender depois, acabei tentando o primeiro projetoBrasil. De lá pra cá, muita coisa mudou... de tradução dos manuais oficiais em 2007, foi um grande fiasco (risos), recebi R$E SPÍRITO LIVRE Como é a infraestrutura 10,00 reais de um colega que acabei de-hoje? volvendo. Essa foi a primeira tentativa,I VAN PAULOS TOMÉ Hoje, percebemos que mas não foi somente frustrante, percebitudo o que foi feito desde aquela época, foi que era necessária uma atitude mais fortepensado em termos de continuidade, não para que acontecesse, e em 2009, eu jáEspírito Livre · Agosto/2012 19
  19. 19. capa · entrevista: ivan paulos toméconhecia melhor os manuais da então ver-são 2.4x. Resolvi que era o momento dedar um passo corajoso, até por que a opor-tunidade de aprendizado com a tarefa eramuito atraente. Na Blender Pro de 2009,dei minha palavra de que traduziria os ma-nuais, para depois ver o que aconteceria, ede lá pra cá, coisas lindas floresceram. Oenvolvimento com o desenvolvimento doBlender só me trouxe coisas boas, amigosfiéis, boas oportunidades de trabalho ecrescimento profissional. Fui a diversoseventos e visitei diversas Universidadesensinando Blender.E SPÍRITO LIVRE Qual a situação dos ma-nuais hoje?I VAN PAULOS TOMÉ Fui requisitado no come-ço de 2012 a não investir mais tempo nosmanuais da 2.49b, mas sempre que possí-vel, e quando algum colega pode, eu o ori-ento para as correções. Agora estoutrabalhando exclusivamente na versão2.6x, na base, em inglês, e sou um dos ad-ministradores oficiais da wiki da FundaçãoBlender. Outros colegas estão cuidando datradução, como Elton “ArteEN”, SamuelArataca, dentre outros...E SPÍRITO LIVRE E a Interface em Portu-guês?I VAN PAULOS TOMÉ Ahh, essa deu trabalho! Já estamos criando conteúdo com a interfa-(risos) Mas também foi um grande prazer! ce traduzida.Comecei no final de julho de 2012 e termi-nei na versão 2.64, em outubro. O projeto E SPÍRITO LIVRE E o que é o projeto “Ba-começou com uma mão do Daniel Tavares, nana”?Dalai Felinto e recebeu auditorias e revi- I VAN PAULOS TOMÉ Tudo começou por causasões de outros colegas. O Dalai Felinto au- da Blender Pro, o trabalho de anos de pes-dita a interface comigo sempre que pode. soas como Luis Retondaro, Gustavo Mattos,Mantenho a tradução da Interface do Blen- Gustavo Fernandez, Erick Henrique e Arnal-der para o Português do Brasil oficialmen- do Barreto, em conjunto com a comunida-te, e sou coautor da Interface do Blender de, acabou trazendo o Ton Rosendaal parapara o Português de Portugal junto com o Brasil em 2011. Em uma conversa dePaulo Martins. Gosto muito dos meus ami- quase 4 horas em intervalos picados, elegões do “Além-mar”, como carinhosamente me disse que precisava resolver a questãoos chamo. A tradução da interface é robus- de materiais didáticos para uso em sala deta, confiável e usa os termos sancionados. aula, para que as pessoas pudessemEspírito Livre · Agosto/2012 20
  20. 20. capa · entrevista: ivan paulos toméaprender Blender, e também guiar os pro- E SPÍRITO LIVRE Você pode falar algo parafissionais na certificação, mas que fosse quem está chegando no Blender?um produto acessível, relativamente barato I VAN PAULOS TOMÉ Venham, com todo oe com bom mantenimento. amor no coração de que dispuserem, muitaNo mesmo dia, topei o desafio e respondi a vontade de estudar, dedicação para cola-ele “Estamos juntos!”. borar, e tudo será retribuído e recompen-Escolhi o codinome “Banana” já em 2011, sado. O Blender - as pessoas que o fazem,por ser Brasileiro e por que o mascote do valem muito!Blender é representado por um macaco, aSuzanne. E SPÍRITO LIVRE E como as pessoas en- tram em contato com você?E SPÍRITO LIVRE Como você define o pro- I VAN PAULOS TOMÉ Eu passo os dias no IRC,jeto Banana? Há datas definidas? em canais como #blenderbrasil, #blen-I VAN PAULOS TOMÉ O projeto Banana pode derwiki, #blendercoders, #blendereducati-ser definido como“Livros técnicos e didáti- on e #blender por estar em contato diretocos para o ensino Blender, para estudan- com o pessoal da Fundação Blender. Astes, professores e BFCTs”. Há algumas pessoas também podem usar o meu e-datas definidas, pois a parte técnica já está mail, greylica@gmail.com sem problemas.estruturada e funcional, usando somente Há outros, mas esse é o que mais vejo.softwares livres. O conteúdo técnico foitransportado da wiki da Fundação Blenderpara o novo sistema, e os ajustes terminamem 6 de fevereiro. Após 23 de abril, estáprevisto o anúncio do primeiro “Alfa” doprojeto. O lançamento oficial está previstopara Novembro de 2013.Espírito Livre · Agosto/2012 21
  21. 21. capa · criando dados com blenderCriando dados comBlenderNeste tutorial aprenda a modelar um dado 3D usando somente texturasPor Cadunico01 Com o Blender 2.57 03 Se o cubo mudou deaberto, clique com o botão cor, sinal que esta tudo indodireito do mouse em cima bem.do cubo. 04 Para facilitar o traba- 02 Vá na aba de materi- material para face 01 . lho, vamos renomear este ais, que se localiza a direita, e escolha uma cor difusa de sua preferência, no meu ca- so eu escolhi a vermelha.Espírito Livre · Agosto/2012 23
  22. 22. capa · criando dados com blender05 O próximo passo é criar as 06 Se você fez tudo certooutras 5 faces do dado. Vamos o cubo deverá ter esta apa-criar sub materiais dentro deste rência.material.Na parte inferior da área de tra-balho, mudaremos do modulode objetos, para o modulo de 07 Troque o modo de se-edição. leção de vértice para face. 10 Voltando ao editor de 09 Clique CTRL + A para adicionar o sub material, e materiais, clique no + para08 O cubo deve ficar com deselecionar todasdireito do depois clique no botão New. e com o botão as facesesta aparência. mouse clique sobre a face da frente. 11 Selecione agora outra cor difusa de sua preferência, no meu caso escolhi azul claro.Espírito Livre · Agosto/2012 24
  23. 23. capa · criando dados com blender 13 Agora o cubo deverá ter esta apa- rência. 14 Mude o12 Clique no botão Assign para aplicar o nome face 02 . paramaterial a face selecionada.15 Repita todo o processo com as outrasfaces, no final o cubo deve estar como ve-mos nas imagens acima.16 Com todos os materiais já aplicados nas faces do cubo agora vamos construir os la-dos do dado, primeiro teremos as imagens da textura.Espírito Livre · Agosto/2012 25
  24. 24. capa · criando dados com blender17 Depois as imagens de relevo e transparência. Uma coisa muito interessante no Blen- valores. Já o Blender é diferente ele lê ader é que ele trata tanto o relevo quanto a porcentagem de transparência da imagem.transparência diretamente no canal Alpha Neste caso as bolinhas brancas estão comda imagem. Para outros sistemas 3D o pre- o valor 255 no alpha, totalmente opaco e oto estaria representando 0% de opacidade fundo preto com valor 184 que equivale aou relevo e o branco 100% e qualquer vari- 72% de opacidade.ação de cinza seria a progressão destes 218 Agora, o próximo pas-so é fazer a mudança domodulo de edição, para omodulo de objetos. 19 Na aba de materiais selecione o face 01 . 20 Na aba de textura mo- difique o Type de None para Image or Movie . 22 Escolha a 21 Na aba imagem desejada clique e clique no botão Open Image . Image em Open .Espírito Livre · Agosto/2012 26
  25. 25. capa · criando dados com blender 25 Na aba Image clique no botão Open . 24 Selecione o segundo canal de textura. Clique no botão New, mude o Type. 26 Selecione a imagem de opacidade e relevo que tenha relação com a ima- gem de textura acima sele- cionada, neste caso foi selecionado a face 01 do dado, então a imagem de opacidade e relevo deve ser a 01 também. Clique em23 Na aba Mappingtroque o Projection . 27 Na aba Mapping troque o Projection .Espírito Livre · Agosto/2012 27
  26. 26. capa · criando dados com blender 28 Na aba Influence desmarque a opção Color e selecio- ne Alpha e Norm . Alpha vai controlar a opacidade da face do dado e Norm ou Normal vai controlar o relevo. Em Norm adicione este valor 29 Voltando a aba Materiais ative o Transparency troque para Raytrace e ajuste para 0 (zero) valor de Alpha . Com isto o material vai assumir os valores de opacidade da textura.Espírito Livre · Agosto/2012 28
  27. 27. capa · criando dados com blender 32 Vá na aba de textura clique em30 Agora ative o Mirror. e repita todo o processo.Ajuste o valor de Reflectiviem 0.130. 31 Selecione o material face 02. C ARLOS E DUARDO M ATTOS DA C RUZ (C ADUNICO) Atua como designer a mais de vinte anos e a mais de cinco anos33 Quando todas as faces do cubo estiverem texturiza- utiliza somente softwaredas a imagem deve ficar mais ou menos como na figura livre em suas criações. Membro dos grupos LINUERJ, Debian-RJ e SL-RJ. É o idealizadorao lado. e responsável pelo GNUGRAF, o primeiro evento de computação gráfica com software livre do Brasil (http://gnugraf. org). Nas horas vagas é oEspero que tenham gostado do tutorial e até uma próxi- criador das capas da Revista Espírito Livrema! desde sua 8ª edição.Espírito Livre · Agosto/2012 29
  28. 28. capa · convertendo fotografias em um 3D de qualidadeConvertendo fotografiasem um 3D de qualidadepor Cícero MoraesUma de minhas diversões é portar uma solução fechada parauma alternativa de código livre. Posso citar como exemplo mais recente o tutorialque escrevi sobre como criar video tutoriais no Linux, uma alternativa aoCamtasia. Nesse tutorial explanei basicamente como capturar a tela com oFFMPEG e como editar o vídeo no Kdenlive. Algumas pessoas indagaram acercado “excesso” de passos, pois no Camtasia tudo é feito de uma só vez. Oprograma captura, edita, grava, coloca efeitos e toda uma série de soluções all-in-one. De fato, existem aqueles que apreciam softwares com esse estilo detrabalho, mas mesmo tratando-se – aparentemente de um programa, ele é naverdade um conjunto deles. Tanto é, que um módulo captura e outro edita. Nomeu caso em particular, aprecio entender parte a parte do processo. Acredito queum bom profissional é aquele que vive a sua profissão e não se incomoda emestudar um pouco mais para chegar a um bom resultado seja lá o que pretendafazer. Não me incomodo então em abrir uma série de programas queindividualmente fazem bem o seu papel. Mas isso é uma opinião pessoal, nãopretendo nem trazer milhares de seguidores ao meu lado, tampouco vilipendiarsoftwares proprietários. Esse artigo abrangerá uma solução com “excesso” depassos, frente a aparente praticidade de uma solução proprietária.Espírito Livre · Agosto/2012 30
  29. 29. capa · convertendo fotografias em um 3D de qualidadeDescrevendo o Processo matos, muito deles legíveis no Blender, on-Tudo começou quando ao ler uma matéria de os cabelos poderiam ser colocadosna web, me deparei com um programa posteriormente. Ao estudar o 123D Catchchamado 123D Catch, da Autodesk. Num eu fazia pesquisas paralelas para encontrarprimeiro momento não acreditei que aquilo uma alternativa opensource a esse progra-era possível. Imagine só, tirar uma série de ma. Depois de muita pesquisa, muita com-fotografias com uma câmera simples, envi- pilação e uma dose pesada de frustração,ar essa série de fotografias pela internet e achei o blog do Open Source Photogram-receber de volta uma malha 3D… um esca- metry de Pierre Moulon, um desenvolvedorneamento tridimensional de um conjunto da tecnologia SfM. Eu havia conseguido fa-de imagens! zer algumas reconstruções utilizando Baixei o binário e para o meu espanto software aberto, mas isso envolvia um es-ele rodou no Wine. Tirei fotografias do meu forço tremendo, pois além de ter que com-rosto, do rosto dos familiares, do carro, dos pilar uma série de bibliotecas e programas,móveis, das árvores, das pedras… enfim, era necessário fazer uma fase do processode tudo o que estava próximo, seja de dia, em cada um deles. Como eu citei logo noseja de noite. A cada teste eu ficava mais e início, apetece a mim, grandemente,mais maravilhado e ia aos poucos “pegan- aprender sobre os processos… mas issodo o jeito da coisa”. A minha conclusão foi tem um limite.a de que essa era uma ferramenta muitoútil para modeladores 3D, pois poupava aeles uma série de trabalho, caso desejas-sem virtualizar alguns modelos.Exemplo de uma reconstrução feita no 123D Catchcom posterior tratamento no Blender 3D É evidente que a técnica tinha uma sériede limitações, como por exemplo, não re-construir os cabelos de uma pessoa. Mas Exemplo de utilização do Osm-Bundler, um conjunto deesse problema é facilmente contornável, scripts Pythn para PMVS2, Bundler e Swiftpois o 123D Catch exportava em vários for-Espírito Livre · Agosto/2012 31
  30. 30. capa · convertendo fotografias em um 3D de qualidade No site do Pierre encontrei algumas aplicações já compiladas, bem como o link parauma interface gráfica para o conjunto de ferramentas utilizadas na reconstrução open-source. Essa GUI era um pacote oferecido na distribuição ArcheOS, voltada para arqueó-logos e o mais legal é que uma das coisas que mais me chamou a atenção dareconstrução tridimensional a partir de fotos era a possibilidade de criar museus virtuais! Baixei a ISO do distro (que era de 32 bits) e rodei a dita GUI no meu computador. Foi“pá e bola! ” Depois de tudo o que eu havia estudado, compilado e digitado na linha decomando, aquilo foi como cair em uma cadeira de rei e receber os melhores quitutes doreino diretamente na boca. PPT GUI no ArcheOS rodan- do no Virtualbox A base da interface gráfica é o Python Photogrammetry Tools, uma série de scripts queautomatiza o funcionamento do escaneamento por fotografias utilizando PMVS2, Bundlere Swift. Cada um tem um papel, como levantar os pontos das fotografias, colocar numespaço tridimensional, gerar o modelo e simplificar o modelo para conversão em malha. Essa conversão é feita posteriormente, porque o PPT cria uma nuvem de pontos. Essanuvem é importada no Meshlab para que uma malha seja reconstruída através de um al-goritmo conhecido como Poison. E é aqui que mora uma grande desvanta-gem da solução aberta frente ao 123D Catch.Esse último faz a reconstrução da nuvem depontos em uma malha e além disso, tambémutiliza as fotografias tiradas para criar umatextura que é mapeada no modelo. Isso dáum aspecto muito realista ao trabalho, comovimos no busto logo no início do artigo.Espírito Livre · Agosto/2012 32
  31. 31. capa · convertendo fotografias em um 3D de qualidade Etapas da reconstrução de uma nuvem de pontos no Meshlab No caso do Meshlab o máximo que se chega perto de uma textura é quando manda-mos pintar as faces (quadradinhos que formam o modelo) do objeto com as cores de su-as vértices (pontos que são a base dos quadradinhos). Slide de uma apresentação do Arc-Team realizada na Archeofoss Itália Depois de trocar algumas informações via e-mail com o pessoal do ArcheOS acabei fa-zendo uma parceria nas pesquisas que eles desenvolvem. Em uma delas até reconstruí aface de um italiano medieval, lançando mão de um crânio adquirido via PPT. Ao modelar a face do antigo italiano, desenvolvi-me bastante na arte do mapeamentoEspírito Livre · Agosto/2012 33
  32. 32. capa · convertendo fotografias em um 3D de qualidadeno Blender. Percebi que as ferramentas do chamado UV mapping são excelentes e quan-do bem empregadas podem se tornar uma ferramenta rapidamente aplicável no mapea-mento de qualquer superfície 3D, seja ela complexa ou não. Em uma das últimas conversas que tive com os desenvolvedores do ArcheOS, pedi aele se não tinha alguma outra reconstrução por foto de uma peça de museu e ele me dis-se que tinha, mas que as fotos foram tiradas sem flash (nem pensar usá-los dentro deum museu daqueles) e que a reconstrução, por conta disso, não fora tão boa como pode-ria. Pensei que seria uma boa oportunidade de testar minha nova técnica e disse que nãohavia problema, que ele poderia me enviar a nuvem de pontos jutamente com as fotosutilzadas em sua reconstrução. Mesmo se tratando de uma reconstrução feita a partir de fotografia feitas em um am-biente escuro, ao abrir a nuvem de pontos no Meshlab percebi que se tratava de um ex-celente trabalho. Ao converter a nu-vem em uma malhalogo ficou evidenteque seria necessáriofazer uma simplifica-ção posterior, pois onúmero de faces es-tava muito alto.Espírito Livre · Agosto/2012 34
  33. 33. capa · convertendo fotografias em um 3D de qualidade Para ter uma referência posterior de modo a avaliar a qualidade da técnica, será feitauma comparação entre o método de pintura pela cor das vértices e o de mapeamentopor imagem no Blender. Ao importar no Blender o modelo reconstruído também importei a nuvem de pontossem o tratamento que o PPT dá no final, excluindo os pontos mais longínquos ou incon-gruentes.Espírito Livre · Agosto/2012 35
  34. 34. capa · convertendo fotografias em um 3D de qualidade A questão é que alguns desses pontos que são apagados no processo de limpeza danuvem pontos são justamente aqueles que armazenam os pontos de vista da câmera aotirar as fotos do objeto, como vemos nos pontos alaranjados da imagem acima. Com os pontos devidamente localizados, o próximo passo é posicionar as câmera queservirão de base para o mapeamento por imagem.Espírito Livre · Agosto/2012 36
  35. 35. capa · convertendo fotografias em um 3D de qualidade O problema é que ainda não tive tempo de estudar a documentação e ver como os da-dos da câmera são repassados ao PPT. Assim, eu tenho a posição da câmera, mas não te-nho a informação de para onde ela aponta e qual é a sua abertura. Veja que o modeloestá um pouco deslocado em relação a fotografia. Felizmente não é difícil configurar a câmera no Blender, pois podemos rotacioná-la. Temque alterar o ponto ao qual fixamos. Para refinar a perspectiva, basta alterar manualmenteo valor da distância focal.Espírito Livre · Agosto/2012 37
  36. 36. capa · convertendo fotografias em um 3D de qualidade Antes de passarmos para o próximo screenshot, é necessário que você esteja a par decomo funciona a projeção de mapa no Blender. Imagine que temos uma malha 3D de umrosto e duas fotografias para mapeá-lo. Uma de frente e uma de lado. Ao projetarmos aimagem da frente (Front) pela frente, ela acaba se estendendo até ao fundo e a parte detrás da cabeça fica com olhos… assustador! Ao rotacionarmos a cabeça, percebemos quealgumas áreas (com o X vermelho) não ficaram agradáveis. Quando projetamos a foto delado (Side), a parte da frente com o X não fica agradável. A saída (Final A) é selecionar asregiões de interesse de cada uma das projeções (B) para que o mapeamento fique o maiscoerente com a malha 3D (C). Voltando a esfinge, ao projetar o mapeamento pela fotografia fica bastante difícil dever que o objeto a esquerda é a cena e não uma fotografia como na direita. A projeção fi-cou boa porque a imagem está com o mesmo ponto de vista da câmera.Espírito Livre · Agosto/2012 38
  37. 37. capa · convertendo fotografias em um 3D de qualidade Ao orbitar a cena a esquerda fica flagrante que a projeção funcionou bem apenas emalgumas regiões da parte frontal. Uma vez que a imagem foi projetada e há uma série de câmeras que serão posiciona-das posteriormente, é necessário criar um mapa que receberá as  regiões de interesse detodas as câmeras, como foi explanado no infográfico com o rosto humano logo acima. Ti-Espírito Livre · Agosto/2012 39
  38. 38. capa · convertendo fotografias em um 3D de qualidadeve a idéia de pintar a regição de interesse utilizando o ponto de vista da câmera, assimsomente as partes certas seriam ativadas e gravadas na textura final. Veja que ao pintar pelo ponto de vista da câmera apenas as áreas que ficam visíveissão pintadas. Outras câmeras são posicionadas e as projeções vão cobrindo a superfície da esfingepouco a pouco.Espírito Livre · Agosto/2012 40
  39. 39. capa · convertendo fotografias em um 3D de qualidade Até que uma volta completa é feita pelas câmeras cobrindo todas as áreas visíveis. Fe-lizmente não é necessário fazer a projeção de todas as fotografias tiradas, apenas algu-mas delas já fazem a projeção em toda a superfície, tornando assim o trabalho maisprático e menos cansativo. Ao colocarmos lado a lado as malhas texturizadas vemos como a técnica de mapea-mento com imagem mostra-se mais coerente com as necessidades do modelo em ques-tão.Espírito Livre · Agosto/2012 41
  40. 40. capa · convertendo fotografias em um 3D de qualidade Evitei utilizar o termo “técnica superior” por que ele estaria incorreto. A técnica depintura pela cores dos vértices costuma funcionar muito bem em modelos mais comple-xos, onde o mapeamento por projeção poderia não ser a melhor pedida. Para finalizar ainda pode-mos aplicar um modificadordo Blender chamado Dis-placement. Com ele au-mentamos acidentamos umpouco mais o relevo da su-perfície, como vemos namalha sem textura a es-querda. A direita temos acena renderizada com aajuda do Nodes. O resultadosegue abaixo, nas imagensda galeria: http://va.mu/Zulh . Espero que tenha apreci-ado. C ÍCERO M ORAES Um grande abraço e até a próxima! 3D artist and animator autodidata. É um dos grandes entusiastas do Blender no país. Já escreveu dezenas de__Fonte: http://www. ciceromoraes. com. br/?p=463 artigos online e impressos, lidos no Brasil e no mundo. Vencedor do Prêmio TVCA de Propaganda e Vídeo de 2006, esteve entre os finalistas no concurso Cannes Young Lions, promovido pelo YouTube em 2009. Já palestrou em diversos eventos de informática, como a Latinoware, BlenderPRO, SolivreX, Filsol e o II Ermac.Espírito Livre · Agosto/2012 42
  41. 41. capa · blender 3D nas universidadesBlender 3Dnas universidades www.sxc.hupor Marcos André Amaral O Blender é um software consagrado nomundo da computação gráfica, mas não muito conhecidoem outras áreas e no meio acadêmico vem ganhandoespaço para as mais diversas aplicações. Comoentusiasta desta ferramenta comecei a disseminar parameus colegas e professores o que era o Blender e o queera possível ser feito com ele. Nos trabalhos acadêmicosde computação sempre que possível usava o Blender eobtinha bons resultados, principalmente na parte gráficapelo fato do Blender ter uma Game Engine e facilitarmuito a manipulação de objetos 2D e 3D em tempo real.Espírito Livre · Agosto/2012 43
  42. 42. capa · blender 3D nas universidades Com o passar do tempo elementos. Tem uma Game ferramenta, farto materialos colegas começaram a se Engine e uma Engine Física, didático na web, qualidadeinteressar pela ferramenta que é utilizada para criação gráfica e robustez doe comecei a ministrar pales- de jogos, simulador de software.tras e oficinas de Blender fluídos, dentre outros. Minha opinião é que osno campus, primeiramente Com esse poder nas educadores procurem novasos alunos eram da compu- mãos os alunos passaram a ferramentas como o Blen-tação mas aos poucos, alu- usar o Blender sempre que der para fomentar o conhe-nos de outras áreas, como possível em seus trabalhos, cimento multidisciplinar dosmatemática, física e de ou- o que esta trazendo uma alunos, pois o profissionaltras engenharias compare- qualidade a mais, agregan- de hoje precisa ter conheci-ciam e me procuravam para do novos conhecimentos e mentos de várias áreas pa-saber mais sobre essa ferra- técnicas de desenvolvimen- ra ser bem sucedido em ummenta que “faz tudo”. to tecnológico. mundo cada vez mais com- Mas o que o Blender tem, Como bolsista no labora- petitivo.que atende as mais diver- tório de Automação e Robó-sas áreas acadêmicas? tica Inteligente (NAUTEC) Ele é um verdadeiro Cani- estamos adotando o Blen-vete Suíço da computação! der para a criação de simu-Com ele é possível, fazer lação de ambientes 3D paramodelos 3D e animações. Automação e Robótica, pro- M ARCOS ANDRÉPossui um ambiente de totipagem de Robôs e visão AMARALprogramação em Python computacional nos diversos Atualmente faz mestrado no curso deScript , que permite dar experimentos e projetos de Pós-graduação emasas a imaginação para pesquisa. Os benefícios de Modelagem Computacional da FURGfazer o que quiser. Sua usar essa ferramenta são (Fundação Universidade do Rio Grande),interface é toda inúmeros como: velocidade cidade do Rio Grande estado do Rio Grande do Sul. Formado em Sistemas paracustomizável, permitindo de desenvolvimento, facili- Internet pela Faculdade Atlântico Sul – Rioalterar e adicionar novos dade de uso, gratuidade da GrandeEspírito Livre · Agosto/2012 44
  43. 43. capa · animação 2D no blender www.sxc.huAnimação 2Dno BLENDERpor Ricardo GraçaEspírito Livre · Agosto/2012 45
  44. 44. capa · animação 2D no blender Produzir animações, seja no Brasil, ou em qualquer outro lugar do mundo, requerconhecimento vasto sobre vários processos e algum equipamento para certas etapas.Porém, hoje em dia, com a evolução e o barateamento dos computadores pessoais,acompanhado de ferramentas livres, tudo se torna mais motivador. O Blender é uma dasferramentas livres que atende a produção de animações 3D. No entanto, com a utilizaçãode alguns recursos pouco explorados, podemos criar animações 2D. Quais recursos utilizar, do próprio Blender, para criar as animações 2D? O Blender im-porta arquivos de extensão SVG, que podem ser gerados no Inkscape, mantendo inclusi-ve as cores dos objetos criados. A vantagem deste arquivo SVG é o fato de ser umarquivo vetorial, onde os pontos podem ser editados no próprio Blender. A outra possibilidade, que utilizo, é gerar arquivos PNG a partir do Inkscape, Gimp, Kri-ta, ou de qualquer outra ferramenta gráfica. Nesse caso, é preciso habilitar o ADDON“Image to Planes”, que nada mais é do que habilitar a importação de arquivos PNG dire-tamente para o Blender. Uma atenção é necessária para esta etapa, pois a primeira coisaa se entender é que, na verdade, o Blender importa a imagem como uma textura vincu-lada a um plano, daí o nome “Image to Planes”, ou seja, “imagem para Plano”. Para habilitar o ADDON, é preciso entrar em USER PREFERENCES , localizada no menuFILE > USER PREFERENCES . (Figura 1) Fig. 1Espírito Livre · Agosto/2012 46
  45. 45. capa · animação 2D no blender Outra atenção é requerida no momento de importar a imagem desejada, pois algumasopções são importantes para se manter a transparência da imagem, sombras geradas ourecebidas. Essas opções encontram-se como mostradas nas figuras abaixo: Fig. 2 Após habilitar o ADDON, a opção de importar imagens como planos fica disponível nomenu FILE > IMPORT > IMAGES AS PLANES Fig. 3 As opções que necessitam estar habilitadas, são: SHADELESS, USE ALPHA,PREMULTIPLY, Z TRANSPARENCY, USE IMAGE DIMENSIONSEspírito Livre · Agosto/2012 47
  46. 46. capa · animação 2D no blender Com a imagem importada, precisamos ajustar o Blender para uma cena 2D. Para isso,primeiramente avisamos ao Blender de que a camera tem que apontar para baixo, parao chão, ou melhor, para o eixo Z. Isso se torna necessário porque o Blender, ao Importara imagem, ou as imagens como planos, depositam-nas voltadas para o eixo Z; ou seja, écomo se estivessem pousados no “chão” da cena. Fig. 4 Imagem importada, porém, só é mostrado o plano que contém a imagem(textura). Para ajustarmos a câmera apontando para o “chão”, creio ser mais simplesprimeiramente escolhermos a visualização a partir do topo (tecla 7 do teclado numérico)ou através do menu VIEW > TOP VIEW. Depois de escolhida a visualização, avisamos acâmera que esta se posicionará a partir desta localização. Para tal utilizamos o atalhoCTRL+ALT+0 . Câmera posicionada a partir do eixo Z. Fig. 5Espírito Livre · Agosto/2012 48
  47. 47. capa · animação 2D no blender A última etapa é visualizar a imagem (aplicada como textura) vinculada ao plano quejá pode ser visto pousado no “chão”. Para visualizar a imagem aplicada como textura,utilizamos o atalho ALT+Z, ou selecionamos a opção “texture” , no menu DROPDOWN quepode ser visto na mesma imagem acima. Após escolher a visualização como textura, aimagem será mostrada no plano. Veja abaixo na Figura 6: Fig. 6 Imagem aplicada a um plano com a opção IMAGE TO PLANES . Note a borda laranja quedelimita a área do plano utilizado. Com todas as imagens na cena sendo visualizadas, os objetos já podem ser animados.Outros recursos como utilização de ARMATURE para animar personagens 2D e astexturas como sequencias de imagens para criar bibliotecas de objetos, sãofundamentais para utilizar o Blender como solução de ferramenta para animação 2D.Cabe assistir ao vídeo tutorial de 38 minutos que disponibilizei no canal Grita!http://grita.ricolandia.com. Na mesma postagem, encontram-se os arquivos-fontes doBlender e do Inkscape para que possam ser estudados. A Figura 7 mostra um exemplo de utilização de Fig. 7 ARMATURE - hierarquia de ossos - no BlenderEspírito Livre · Agosto/2012 49
  48. 48. capa · animação 2D no blender Fig. 8 Personagem já com ARMATURE (hierarquia de ossos) para animação. Além da animação de uma cena, geralmente precisamos de pós-produção para um“refino” na equalização de cores, efeitos, etc.. Para tal existe o módulo de composição doBlender, ou NODES. Fig. 9 Um bom exemplo de utilização do recurso NODES, é para criar borragem demovimento (vector blur), por ser mais rápido que o borrão de movimento calculado pelomotor do Blender.Espírito Livre · Agosto/2012 50
  49. 49. capa · animação 2D no blender O Blender é uma solução completa paraa produção de animações 3D e 2D, que, RICARDO G RAÇA Comunicação e Idiomasjuntamente com outras ferramentas como sócio ME. Seus trabalhos e projetos autorais LTDA diretor da RMEAudacity, Gimp, Inkscape, Synfig e são voltados para cultura e educação, atravésKdenlive, forma um estúdio completo para das áreas formatação de projetos. Ricardoweb, oficinas e de vídeo, ilustração, animação,todo tipo de produção audiovisual. Um bom acredita que a democratização de conteúdo,exemplo é o projeto www.minimarte.com, cultura e acesso,ricolandia. com.novas oportunidades na sociedade. Site: http://www. podem geraronde propomos uma série animadatotalmente produzida com os recursosdessas ferramentas. Está vendo este espaço em branco?! Sua empresa poderia estar ocupando-o. Entre em contato conosco e saiba como ajudar a manter a Revista Espírito Livre. revista@espiritolivre.orgEspírito Livre · Agosto/2012 51
  50. 50. visualização arquitetônica com softwares livresVisualizaçãoArquitetônica comSoftwares Livrespor Vitor Balbio Nos próximos 3 anos, o uma delas a de CG (Compu-Brasil será o foco do tação Gráfica).mundo com dois dos Não é de hoje que ouvi-principais eventos mos falar de programasesportivos: a copa do CAD para auxílio computa-mundo e as olimpíadas, que cional em projetos de enge-invariavelmente gerará nharia e arquitetura.Porém,emprego e renda em nos últimos 15 anos, com odiversas áreas, Uma delas – avanço e a popularizaçãoa construção civil, move um da CG e os sistemas de ren-dos maiores setores de derização fotorealísticos, di-indústria e serviços no versas empresas apostaramBrasil. Com crescimento de em um outro tipo de merca-4% previsto para 2013 em do aplicado à construção ci-um cenário de crise interna- vil, o de visualizações 3Dcional o setor de construção com fins ilustrativos/publici-civil carrega consigo diver- tários ao invés dos dese-sas indústrias e empresas nhos técnicos de projetoprestadoras de serviços, das aplicações CAD.Espírito Livre · Agosto/2012 53
  51. 51. visualização arquitetônica com softwares livres Nesse sentido, destacam-se duas principais verten-tes: Renderização Fotore-alística e VisualizaçõesInterativas 3D.RenderizaçãoFotorealísticaAplicando as mesmas técni-cas utilizadas para a criaçãodas maiores produções deHollywood, renderizaçõesfotorealística de interior eexterior permitem prever oureconstruir com extrema Imagem 1exatidão visual a aparência Renderização de interior (© Cogumelo Softworks)de um ambiente ou constru-ção após a sua finalização.Com essa tecnologia é pos-sível apresentar tanto ima-gens quanto vídeos aosfuturos inquilinos de um re-sidencial ou um financiadorem busca de projetos porexemplo.VisualizaçõesInterativas 3DAo longo dos últimos 10anos, a indústria de jogosdigitais tornou-se uma dasmaiores do mundo e trouxea popularização da tecnolo- Imagem 2gia de renderização em Ambientes interativos 3D (© Cogumelo Softworks)tempo real. Atualmentegrande parte dos sistemascomputacionais de uso do- phones que vêm ganhando utiliza-se dessas ferramen-méstico possui poder com- grande importância na in- tas como um meio de atrairputacional para exibição dústria de games. Essa po- clientes que agora podemdesse tipo de aplicação. Is- pularização abriu caminho não apenas ver o resultadoso se reflete em aparelhos ao surgimento de diversas final de um ambiente apóscomo tablets e smart- aplicações dessa tecnologia o término da obra, como nas mais inusitadas áreas, também, experimentar a desde educação à simula- sensação de navegar e in- ções científicas. A área de teragir com estes ambien- arquitetura e engenharia tes.Espírito Livre · Agosto/2012 54
  52. 52. visualização arquitetônica com softwares livresSoftwares Livresna produção deVisualizaçõesArquitetônicasVelho conhecido da comuni-dade Open Source o Blen-der (www. blen der. org)desponta como a principalferramenta para desenvolvi-mento de Renderizações eVisualizações Interativas 3Datualmente. Com uma sóli-da estrutura de modela-gem, texturização, ilumina- Imagem 3ção e renderização além de Blender 2.65diversos renderizadores ex-ternos proprietários e livrese uma Game Engine (Con-junto de ferramentas neces-sárias para a criação degames e ambientes interati-vos 3D) própria o Blender éatualmente a melhor solu-ção Open Source para cria-ção de Visualizaçõesarquitetônicas em geral. Uma das principais atua-lizações do software no últi-mo ano foi a inclusão doCycles render. Cycles é umrenderizador build-in basea-do em raytrace unbiasedassim como outros do mer-cado como Indigo Render e Imagem 4o Vray RT (ambos proprietá- Cycles render ­ Node Editorrios porém com suporte to-tal e parcial ao Blenderrespectivamente), apesar em CPU quanto em GPU CU- Cycles ainda tem espaçode recente o Cycles se mos- DA, porém ainda sem previ- para diversas melhorias etrou nesses últimos meses são de suporte total à optimizações como novosuma robusta ferramenta pa- OpenCL o que no momento algoritmos de resolução dora renderização fotorealísti- limita o uso de todo seu po- raytrace ou filtros denoise eca para arquitetura, tanto tencial àqueles que possu- seu futuro é extremamenteem interiores quanto em ex- em GPU Nvidia. Apesar de promissor.teriores. possuir impressionantes Outro ponto importante é O Cycles trabalha tanto tempos de renderização, o que o Cycles utiliza inte-Espírito Livre · Agosto/2012 55
  53. 53. visualização arquitetônica com softwares livresgralmente o node editor co-mo principal editor de ma-teriais. É possível mixar avontade shaders, texturas,informações da cena comoposição da tela do objeto eaté mesmo escrever sha-ders customizados em OSL(Open Shader Language) aspossibilidades são infinitas.Diversos sites como owww.blendswap.com aindadisponibilizam bibliotecasde materiais de graça parautilização. Imagem 5 Para a área de Visualiza- Ambientes interativos 3D (© Cogumelo Softworks)ções Interativas a BlenderGame Engine surge comouma das melhores soluçõesfree e a melhor soluçãoOpen Source do mercado. sional em ferramentas A Blender Game Engine acessíveis e de qualidadeutiliza a própria viewport e como o Blender. Algumasinterface do Blender como escolas já estão iniciando VITOR B ALBIO Compu-IDE para produção de ga- turmas de Cycles no Rio de é graduadoLaSalle RJ é tação pela emmes e outros diversos tipos Janeiro e diversos cursos sócio-proprietário dade aplicações interativas 3D online vêm surgindo como Cogumelotrabalha comA o Softworks. empresatornando-o uma suíte com- uma solução para atender a desenvolvimento de visua-pleta para a criação desse essa demanda. Esse é um lizaçõesfins como Militar,interativas para di- 3D estáticas etipo de aplicação. versos momento empolgante para Engenharia e Entretenimento. Arquitetura, Com um mercado aqueci- aproveitar as oportunidades Para mais informações entre em contatodo cada vez mais pessoas e entrar de cabeça nesse ou acesse nosso site: www.cogumelosoftworks.combuscam qualificação profis- mercado. vitorbalbio@cogumelosoftworks. comEspírito Livre · Agosto/2012 56
  54. 54. capa · passeio virtual vegetalPASSEIO VIRT UAL VEGETAL www.sxc.hupor Roger Resmini O“PASSEIO VIRTUAL VEGETAL” é um projeto que consistena criação de uma biblioteca digital de espécies vegetais que possamser analisadas tridimensionalmente possibilitando a interação destasespécies com o usuário através de um passeio virtual. As espécies ve-getais são baseadas em espécies e ambientes semelhantes aos domundo real, inicialmente existentes na Universidade Federal de MatoGrosso, campus de Rondonópolis (UFMT/CUR). O objetivo inicial doprojeto é suprir a necessidade de cursos como engenharia agrícola eambiental e biologia, de um estudo mais dinâmico e prático de espéci-es vegetais, principalmente endêmicas, possibilitando a proliferação decertas espécies no ambiente escolhido, por exemplo, trazendo-as deforma virtual para a sala de aula (aplicação em educação) ou simulan-do eventos de reflorestamento, por exemplo (aplicação em pesquisa).Espírito Livre · Agosto/2012 57
  55. 55. capa · passeio virtual vegetalINTRODUÇÃO mulação de reflorestamento tos que permitam melhorEste documento relata os de uma região de cerrado visualização. Ainda há a in-primeiros passos do projeto devastada pela ação do ho- tenção de acrescentar ao“PASSEIO VIRTUAL VEGE- mem e simulação de recu- passeio virtual um modoTAL”. O projeto é dividido peração da encosta de um onde se possa acompanharem duas fases: modelagem rio urbano que corta a cida- o desenvolvimento de umae texturização das espécies de de Rondonópolis-MT. espécie específica e interfe-e simulação de eventos am- rir neste processo atravésbientais. IMPLEMENTAÇÃO de diferentes variáveis co- Segundo Teixeira (2011), Inicialmente, para o desen- mo incidência do sol, tipoa digitalização de um objeto volvimento do ambiente 3D de solo, chuva, entre ou-pode ser entendida como a é a criação da biblioteca tros.construção de um modelo que contenha as espécies ecomposto por um conjunto os cenários digitalizados. EXEMPLOS DAdiscreto de amostras, per- Para buscar um maior nível PRIMEIRA FASEmitindo o armazenamento e de realidade, a digitalização A primeira modelada foio processamento desse ob- tridimensional dessas varie- iniciada pelo Ipê Amarelo,jeto por um computador. dades vegetais é baseada planta típica de Mato Gros- Portanto a modelagem em uma serie de imagens so e Mato Grosso do Sul, Fi-das espécies é a primeira originais da mesma em alta gura 1 .fase do trabalho, seguido resolução que servirão co-pela texturização das mes- mo base para a estruturamas. Ao todo, a biblioteca da espécie em questão. Es-digital terá em torno de vin- sas imagens também sãote espécies vegetais. Esta utilizadas como textura pa-quantidade de espécies é ra as plantas e para o cená-suficiente para representar rio através de mapeamento.um bioma. Rondonópolis es- Quando possível, busca-tá situada em uma posição se a visualização in loco daprivilegiada por se consti- espécie, o que permite uma Figurae1galhos de um Ipê Amarelo Cauletuir de uma zona de transi- melhor interpretação dasção de três biomas: imagens e resulta em maioramazônico, do pantanal e fidelidade do trabalho final. A primeira espécie mo-do cerrado. Neste trabalho Para finalizar o processo de delada completamenteapenas espécies do bioma digitalização, ainda busca- (textura e folhas) foi a Em-do pantanal serão modela- se a aprovação de um pro- baúba , Figura 2 .das e texturizadas. fissional da área, a fim de Após a criação da biblio- apontar falhas não notadasteca digital, a segunda fase no objeto digitalizado.do projeto será realizada: si- Quanto ao passeio virtu-mulações. A princípio, duas al, a proposta é criar umsimulações serão feitas: si- ambiente de fácil navega- ção e de uma interação que permita conhecer melhor a espécie estudada. Será pos- sível orbitar, aproximar, Figura 2 afastar e outros movimen- EmbaúbaEspírito Livre · Agosto/2012 58
  56. 56. capa · passeio virtual vegetal Outra espécie modelada CONCLUSÃO E TRABA- REFERÊNCIAScompleta foi o Coqueiro, Fi- LHOS FUTUROS REVISTA DA MADEIRA , 91 º edição.gura 3 . O projeto Passeio virtual ve- Digitalização em 3D para sistemas getal está sendo realizado agroflorestais. por alunos do curso de Sis- Disponível em http://va. mu/cE43, temas de Informação da acesso em 04 de Novembro de 201 2. UFMT/CUR. Projeto que ain- da está na fase inicial e es- TEIXEIRA, THIAGO. , Digitalização 3D tá focado na criação de de plantas por imagem para análise uma biblioteca de espécies de arquitetura e fenótipo. EmbrapaFigura 3 vegetais digitais. Neste pro- Informática Agropecuária, 201 1 .Coqueiro cesso foi definida a utiliza- ção do software de A Figura 4 , mostra um modelagem 3D Blender (naexemplo de como ficará o versão 2.49), para a criaçãoambiente. de modelos digitais. Está sendo utilizada uma versão desatualizada do software devido à ausência de al- guns plugins relevantes pa- ra o processo. Para gerar as imagens também é utiliza- do o renderizador internoFigura 4Ambiente do Blender. O Blender foi ROGER RESMINI escolhido pelo fato de ser é Mestre em pela Computação A Figura 5 , mostra um um software livre e que Universidade Federalexemplo de modelagem de concentra uma grande ri- Fluminense (UFF),faz onde atualmentefolha do Ipê Amarelo. queza de recursos profissio- Doutorado em nais. Computação. É professor assistente na Com a biblioteca digital Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Conhece o Blender desde 2007 criada, outras simulações quando utilizou-o no seu trabalho de serão possíveis, abrindo conclusão de curso.por computação gráfica, preferencialmente Se interessa possibilidades de simular redes de sensores, inteligência artificial e outros eventos que possam software livre. Atualmente tem trabalhado com análise de imagens médicas, ser necessários. mineração de dados e visão computacional.Figura 5Modelagam de folha do Ipê AmareloEspírito Livre · Agosto/2012 59
  57. 57. warning zone · episódio 41 No episódio anterior, foi apresentado um resumo de tudo o que aconteceu até hoje em Warning Zone. Nele, o Grupo Satã planejava sequestrar o prefeito de Stringtown. Episódio 41 No quarto de um hospital, Darrel aguarda que Pandora desperte. A televisão ligada na novela. A bala que atingiu a Stormdancer felizmente não causou muito estrago, mas No Hospital o médico pediu sua internação por cautela. Pandora: Oi? Darrel: Oi, amor. Acordou! Como se sente? Pandora: Ah... Normal, eu acho. Só tou cansadinha. por Cárlisson Galdino Darrel: Que bom. Vamos ter que melhorar nosso equipamento. Desse jeito não dá certo. Pandora: Ai, queria ir pra casa... Queria que esse pesadelo todo terminasse...Espírito Livre · Agosto/2012 60

×