O AVIVAMENTO COMEÇA BRISTOL, 1739 Diário, 15 de março – “Durante minha estadia em Londres, fui muito requisitado, entre no...
DIÁRIO, MARÇO DE 1739 <ul><li>Sábado dia 31 – À noite cheguei a Bristol e encontrei o Sr. Whitefield lá. A princípio tive ...
DIÁRIO, ABRIL E MAIO DE 1739 <ul><li>Domingo, 8 – Às sete da manhã preguei para quase mil pessoas em Bristol(...) </li></u...
DIÁRIO, 1739 – A MULTIDÃO CRESCE <ul><li>Quinta, 14 – “Fui com o Sr. Whitefield a Blackheath, onde acredito, haviam de doz...
ESTRANHO PÚLPITO <ul><li>Domingo, 6 de junho de 1742 – Cheguei às seis e encontrei uma congregação que Epworth nunca viu i...
SINTOMAS <ul><li>AS PESSOAS “RECEBIAM” A REMISSÃO DOS PECADOS. </li></ul><ul><li>ERAM “CONFORTADAS”. </li></ul><ul><li>“ F...
A TEOLOGIA DO AVIVAMENTO WESLEYANO <ul><li>Atividade de Deus em Cristo = Causa de nossa salvação. </li></ul><ul><li>Ativid...
A MISSÃO DO METODISMO <ul><li>Ministério de misericórdia para com os pobres : educação de crianças; alimento aos necessita...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Hist Mov Wesl 3

609 visualizações

Publicada em

Avivamento Inglês Século XVIII John Wesley líder do movimento.

Publicada em: Educação, Turismo, Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
609
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
44
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Hist Mov Wesl 3

  1. 1. O AVIVAMENTO COMEÇA BRISTOL, 1739 Diário, 15 de março – “Durante minha estadia em Londres, fui muito requisitado, entre nossa sociedade em Fetter Lane e muitas outras, onde era continuamente chamado para expor...(...) recebi uma carta do Sr Whitefield e outra do Sr. Seward, para vir a BRISTOL sem demora...”
  2. 2. DIÁRIO, MARÇO DE 1739 <ul><li>Sábado dia 31 – À noite cheguei a Bristol e encontrei o Sr. Whitefield lá. A princípio tive conflito interior com a estranha forma de pregar nos campos, como ele me mostrou no domingo. Sempre muito firme na questão de ordem e decência, que quase acreditei que as almas só se salvariam dentro de uma igreja”. </li></ul>
  3. 3. DIÁRIO, ABRIL E MAIO DE 1739 <ul><li>Domingo, 8 – Às sete da manhã preguei para quase mil pessoas em Bristol(...) </li></ul><ul><li>À tarde quase cinco mil estavam em Rose Green (do outro lado de Kingswood). Fiquei no meio deles e proclamei em nome do Senhor: ( João 7:38). </li></ul><ul><li>Terça, 17 – Às cinco da tarde estava em uma pequena sociedade no Back Lane (...) o peso das pessoas fez o piso ceder(...) </li></ul><ul><li>Maio, terça 8 – (...) preguei Cristo para quase mil almas. </li></ul><ul><li>Quarta, 9 – Compramos um pedaço de terra perto do jardim da S. James, na Horse Fair, Bristol, designado para construirmos uma sala grande o bastante para conter tanto as sociedades das Ruas Nicholas e Baldwin(...) Sábado lançamos a pedra fundamental...” </li></ul>
  4. 4. DIÁRIO, 1739 – A MULTIDÃO CRESCE <ul><li>Quinta, 14 – “Fui com o Sr. Whitefield a Blackheath, onde acredito, haviam de doze a quinze mil pessoas.Ele me surpreendeu dando-me a oportunidade de pregar em seu lugar(...) </li></ul><ul><li>Domingo, 17 – Às sete preguei in Upper Moorfields para ( acredito) seis ou sete mil pessoas(...) Às cinco preguei em Kennington Commom para cerca de quinze mil pessoas (Isaías 45:22). </li></ul><ul><li>Domingo, 24 – ( Caiu do cavalo) “mas preguei sem dor para seis ou sete mil pessoas(...)” </li></ul>
  5. 5. ESTRANHO PÚLPITO <ul><li>Domingo, 6 de junho de 1742 – Cheguei às seis e encontrei uma congregação que Epworth nunca viu igual. Fiquei em pé no lado leste da igreja, SOBRE A TUMBA DE MEU PAI e proclamei : “O Reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça e paz e alegria no Espírito Santo” ( Rm. 14:17) </li></ul>
  6. 6. SINTOMAS <ul><li>AS PESSOAS “RECEBIAM” A REMISSÃO DOS PECADOS. </li></ul><ul><li>ERAM “CONFORTADAS”. </li></ul><ul><li>“ FULMINADAS” </li></ul><ul><li>“ FERIDAS PELA ESPADA DO ESPÍRITO” </li></ul><ul><li>“ TOMADAS DE FORTES DORES” </li></ul><ul><li>“ FERIDAS NO CORAÇÃO” </li></ul><ul><li>“ CAIAM DE JOELHOS” </li></ul><ul><li>( ISTO ACONTECIA MAIS NOS PEQUENOS GRUPOS) </li></ul>
  7. 7. A TEOLOGIA DO AVIVAMENTO WESLEYANO <ul><li>Atividade de Deus em Cristo = Causa de nossa salvação. </li></ul><ul><li>Atividade de Deus em nós = “uma confiança real que o homem tem de que Cristo o amou e morreu por ele” ( Condição exigida para nossa salvação). </li></ul><ul><li>Fé que deve gerar uma mudança no crente = Não apenas ser tido como justa, mas se tornar justa ( santificada ou santa) </li></ul>
  8. 8. A MISSÃO DO METODISMO <ul><li>Ministério de misericórdia para com os pobres : educação de crianças; alimento aos necessitados, fornecimento de lã. </li></ul><ul><li>Ministério nas prisões : quem estava com pena de morte decretada. Levantavam dinheiro para suas obras. Até as publicações serviam para levantar fundos. </li></ul><ul><li>Marcas distintivas de um metodista: “o amor a Deus e o amor ao próximo” </li></ul>

×