SlideShare uma empresa Scribd logo
Declaração sobre as manifestações em solidariedade ao povo palestino
Desde o dia 10 de outubro, diversos setores da sociedade civil brasileira estão se
organizando contra o genocídio palestino em curso há mais de um mês. Genocídio
esse que ultrapassa qualquer número de guerra recente, resultando no assassinato
de 160 crianças ao dia, número monstruoso que reflete o processo de ocupação e
apartheid, massacre e destruição criminosa de Gaza.
Como trabalhadores/as do campo e da cidade, sindicatos, organizações políticas,
juventude, movimentos antirracistas, antiLGBTIfobia, movimentos de mulheres
organizadas, imigrantes, refugiados/as, judeus antissionistas e a imensa
comunidade de ascendência árabe do país, não poderíamos estar alheios/as a uma
luta de mais de 75 anos do povo palestino contra a colonização, ocupação e
apartheid, que agora vê seu episódio mais sangrento desde a Nakba, a catástrofe
palestina em 1948, que ocasionou a expulsão de mais de 800 mil palestinos de suas
terras − que hoje são milhões pelo mundo − à base da imensa violência da limpeza
étnica, típica de projetos coloniais. Ao redor do mundo, somos solidários aos
trabalhadores, movimentos de judeus antissionistas, juventude e população que
estão parando portos, aeroportos e carregamentos viários que abastecem Israel e
alimentam o genocídio vindos dos EUA, Bélgica, Austrália e outros países.
Estamos nas ruas para demonstrar nossa solidariedade ao povo palestino; pelo fim
do genocídio e massacre de uma população de mais de 2.3 milhões de pessoas;
assim como pela população da Cisjordânia que enfrenta diariamente prisões,
ocupações de suas terras e ataques de Israel, ocasionando destruição e
assassinatos. E em solidariedade à população palestina do Estado de Israel,
submetida a 65 leis racistas e agora sob repressão e criminalização ainda mais
brutais, evidenciando que a motivação primeira e última de Israel é o racismo, o
apartheid e o projeto colonial de ocupação da Palestina.
Exigimos cessar-fogo imediato, revogação dos acordos Brasil-Israel, inclusive com
medidas diplomáticas a exemplo do que fizeram Bolívia, Colômbia, Chile, Honduras,
Irlanda, África do Sul, entre outros, fim do bloqueio à Gaza, ajuda humanitária
imediata para o povo palestino sem a expulsão e limpeza étnica de seus territórios e
que Israel seja julgado em tribunais internacionais através dos comandantes dessas
ações; assim como ser o responsável por financiar a reconstrução de todo o
patrimônio social destruído em Gaza, campos de refugiados e Cisjordânia.
Repudiamos qualquer tentativa de criminalizar as manifestações como se fossem
“antissemitas” ou “pró-terrorismo”. Convocamos os meios de comunicação a
procurarem a organização das marchas para quaisquer informações.
As organizações, a partir da manifestação de domingo (5º ato,12/11), são livres para
levar suas bandeiras representativas, desde que também portem símbolos e
bandeiras da Palestina. Nesse sentido, gostaríamos de ressaltar a insatisfação da
comunidade árabe e palestina e dos movimentos que estão incansavelmente
organizando as manifestações de apoio ao povo palestino com as atitudes do PCO
– Partido da Causa Operária –, partido que não faz parte da organização dos atos,
não representa seus interesses, mas adota uma postura desrespeitosa, de impor ao
movimento pautas e bandeiras que não são suas. Nossa organização procurou seus
representantes para apresentar as bandeiras que nos unem, mas teve como
resposta uma atitude contraditória e concorrente ao ato.
Lembramos que as ruas são espaços livres de ocupação no país e não podemos
nos responsabilizar nem ser responsabilizados por quem as ocupa e com quais
bandeiras. Somos, sim, responsáveis pelas manifestações organizadas por esse
coletivo de organizações em unidade de ação abaixo relacionado e quem mais
apoie sair às ruas com essas reivindicações já expostas.
Julgamos fundamental essa declaração, pois, de forma alguma, a nossa justa
solidariedade ao povo palestino pode ser criminalizada ou ter seus objetivos
desviados por desinformação dos meios de comunicação ou entidades e grupos
particulares. Repudiamos também episódios como o que ocorreu com o Padre Júlio
Lancellotti, incansável representante da luta por justiça social no Brasil. Da mesma
forma, queremos alertar e estamos atentos para que narrativas, interpretações e/ou
atos islamofóbicos ou antissemitas não sejam associados às manifestações
organizadas por nós.
Estamos nas ruas para denunciar a nova Nakba, o assassinato de milhares de
pessoas, a expulsão forçada de mais de um milhão de pessoas, a destruição de
cidades inteiras. Trata-se de uma luta justa, pelo direito de autodeterminação de um
povo que em pleno 2023 é ocupado, massacrado e desumanizado mundialmente
pelo sionismo, ideologia colonizadora que orienta o Estado de Israel em aliança com
o imperialismo, a partir, em particular, dos interesses econômicos e políticos dos
EUA.
Gostaríamos também de convocar e incentivar os meios de comunicação que
acompanhem as manifestações, isoladas e não documentadas pela grande mídia.
No dia 4 de novembro, na cidade de São Paulo, tivemos mais de 20 mil pessoas,
mostrando que, mesmo com essa ausência de cobertura e direito à voz nos grandes
meios, estamos ganhando importantes setores da opinião pública para condenar
atos que jamais deveriam ser tolerados por governos, mídia e qualquer setor da
sociedade civil.
Reafirmamos, portanto, a Palestina Livre, fim do genocídio, cessar-fogo imediato e
fim do bloqueio à Gaza são nossa referência e representam nosso ato.
Por fim, deixamos nosso calendário de manifestações, atividades e contatos para
quaisquer dúvidas e solicitações.
- 17/11 - Mobilização Mundial pela Palestina
- 20/11 - Marcha da Consciência Negra
- 25/11 - Festival Palestina Livre (12h-20h) - Galpão Elza Soares
- 29/11 - Grande Marcha em Solidariedade à Palestina
- 03/12 - Marcha de Imigrantes e Refugiados
Contatos:
Soraya Misleh +5511976631907
Rafael Soriano +5511941967747
Assinam:
Frente Palestina São Paulo
MST
Fórum Latino Palestino
Cebrapaz
Caminho Revolucionário Palestino Alternativo
Samidoun
Associação Islâmica de São Paulo
Campo Progressista Árabe
Vozes Judaicas por Libertação
AIP - Assembleia Internacional dos Povos
ALBA Brasil
Campanha Global pelo Retorno à Palestina
CMP
Comitê da Palestina Democrática
Corrente Socialismo ou Barbárie
CSP - Conlutas
CST
CTB
CUT-SP
DAP - Diálogo e Ação Petista
Estudantes em Solidariedade ao Povo Palestino - ESPP PUC / ESPP USP
Fórum Popular de Saúde de SP
Já Basta
Juntos
Juventude Revolução - PT/SP
Mandata Ativoz - PSOL/Osasco
Marcha Mundial de Mulheres
MES/PSOL
Movimento Brasil Popular
Movimento em Defesa da Reconstrução Revolucionária do PCB - PCB-RR
Manifesto Coletivo
MTD
MTST
Organização Comunista Internacionalista (Esquerda Marxista) - seção brasileira da Corrente Marxista
Internacional
PCdoB
PCR/UJR
PSTU - Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado
Rebeldia - Juventude da Revolução Socialista
Revolução Socialista/PSOL
RUA
Sementes Revolucionárias
Sindicato dos Metroviários e Metroviárias de São Paulo
Sindicato dos Químicos - SP
SINDSEP SP
SINPEEM
UEE - União Estadual dos Estudantes
UJC - União da Juventude Comunista
UJS - União da Juventude Socialista
UNE - União Nacional dos Estudantes
Unidos Pra Lutar
UP - Unidade Popular pelo Socialismo
UPES – União Paulista dos Estudantes de São Paulo

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Declaração-sobre-as-manifestações-em-solidariedade-ao-povo-palestino.15.11.pdf

A cor da pele
A cor  da peleA cor  da pele
Movimento Negro
Movimento NegroMovimento Negro
Movimento Negro
Aline Dantas
 
Mauri Consciência Negra
Mauri Consciência NegraMauri Consciência Negra
Mauri Consciência Negra
AlieteFG
 
Brasil: Declaração da Assembleia dos Movimentos Sociais
Brasil: Declaração da Assembleia dos Movimentos SociaisBrasil: Declaração da Assembleia dos Movimentos Sociais
Brasil: Declaração da Assembleia dos Movimentos Sociais
Crónicas del despojo
 
MANUAL SejaAntirracista.pdf manual para estabelecer cidadãos antirracistas
MANUAL SejaAntirracista.pdf manual para estabelecer cidadãos antirracistasMANUAL SejaAntirracista.pdf manual para estabelecer cidadãos antirracistas
MANUAL SejaAntirracista.pdf manual para estabelecer cidadãos antirracistas
NdiaOliveira43
 
Movimento negro brasil
Movimento negro  brasilMovimento negro  brasil
Movimento negro brasil
Rômulo Fernando
 
Tese Reconquistar UNE 47-CONUNE-2001
Tese Reconquistar UNE 47-CONUNE-2001Tese Reconquistar UNE 47-CONUNE-2001
Tese Reconquistar UNE 47-CONUNE-2001
Guilherme Ribeiro
 
Sociologia unidade VI
Sociologia unidade VISociologia unidade VI
Sociologia unidade VI
joao paulo
 
Movimento LGBT brasileiro: a questão da visibilidade na construção de um suje...
Movimento LGBT brasileiro: a questão da visibilidade na construção de um suje...Movimento LGBT brasileiro: a questão da visibilidade na construção de um suje...
Movimento LGBT brasileiro: a questão da visibilidade na construção de um suje...
Fábio Fernandes
 
Dossiê
DossiêDossiê
Dossiê
comiteiv
 
Movimento negro mundial
Movimento negro mundialMovimento negro mundial
Movimento negro mundial
Rômulo Fernando
 
federal reserve
federal reservefederal reserve
federal reserve
Sandro Suzart
 
O movimento negro brasileiro no Brasil Republicano
O movimento negro brasileiro no Brasil RepublicanoO movimento negro brasileiro no Brasil Republicano
O movimento negro brasileiro no Brasil Republicano
Universidade das Quebradas
 
Pequeno manual antirracista
Pequeno manual antirracistaPequeno manual antirracista
Pequeno manual antirracista
Jornal do Commercio
 
Jornal a chibata.docx (4) (1)
Jornal a chibata.docx (4) (1)Jornal a chibata.docx (4) (1)
Jornal a chibata.docx (4) (1)
ROSOCIOLOGIA
 
Atualidades enem 2015
Atualidades enem 2015Atualidades enem 2015
Atualidades enem 2015
joaocarlosphbg3
 
Desigualdade racial no Brasil.ppsx
Desigualdade racial no Brasil.ppsxDesigualdade racial no Brasil.ppsx
Desigualdade racial no Brasil.ppsx
Gabriel Maia
 
Desigualdade racial no Brasil
Desigualdade racial no BrasilDesigualdade racial no Brasil
Desigualdade racial no Brasil
GABRIELMAIA99
 
Etnia, gênero, minorias 2020
Etnia, gênero, minorias 2020Etnia, gênero, minorias 2020
Etnia, gênero, minorias 2020
firminomaissociologiafilosofia2019
 
Movimento negro lei do caô
Movimento negro lei do caôMovimento negro lei do caô
Movimento negro lei do caô
Atividades Diversas Cláudia
 

Semelhante a Declaração-sobre-as-manifestações-em-solidariedade-ao-povo-palestino.15.11.pdf (20)

A cor da pele
A cor  da peleA cor  da pele
A cor da pele
 
Movimento Negro
Movimento NegroMovimento Negro
Movimento Negro
 
Mauri Consciência Negra
Mauri Consciência NegraMauri Consciência Negra
Mauri Consciência Negra
 
Brasil: Declaração da Assembleia dos Movimentos Sociais
Brasil: Declaração da Assembleia dos Movimentos SociaisBrasil: Declaração da Assembleia dos Movimentos Sociais
Brasil: Declaração da Assembleia dos Movimentos Sociais
 
MANUAL SejaAntirracista.pdf manual para estabelecer cidadãos antirracistas
MANUAL SejaAntirracista.pdf manual para estabelecer cidadãos antirracistasMANUAL SejaAntirracista.pdf manual para estabelecer cidadãos antirracistas
MANUAL SejaAntirracista.pdf manual para estabelecer cidadãos antirracistas
 
Movimento negro brasil
Movimento negro  brasilMovimento negro  brasil
Movimento negro brasil
 
Tese Reconquistar UNE 47-CONUNE-2001
Tese Reconquistar UNE 47-CONUNE-2001Tese Reconquistar UNE 47-CONUNE-2001
Tese Reconquistar UNE 47-CONUNE-2001
 
Sociologia unidade VI
Sociologia unidade VISociologia unidade VI
Sociologia unidade VI
 
Movimento LGBT brasileiro: a questão da visibilidade na construção de um suje...
Movimento LGBT brasileiro: a questão da visibilidade na construção de um suje...Movimento LGBT brasileiro: a questão da visibilidade na construção de um suje...
Movimento LGBT brasileiro: a questão da visibilidade na construção de um suje...
 
Dossiê
DossiêDossiê
Dossiê
 
Movimento negro mundial
Movimento negro mundialMovimento negro mundial
Movimento negro mundial
 
federal reserve
federal reservefederal reserve
federal reserve
 
O movimento negro brasileiro no Brasil Republicano
O movimento negro brasileiro no Brasil RepublicanoO movimento negro brasileiro no Brasil Republicano
O movimento negro brasileiro no Brasil Republicano
 
Pequeno manual antirracista
Pequeno manual antirracistaPequeno manual antirracista
Pequeno manual antirracista
 
Jornal a chibata.docx (4) (1)
Jornal a chibata.docx (4) (1)Jornal a chibata.docx (4) (1)
Jornal a chibata.docx (4) (1)
 
Atualidades enem 2015
Atualidades enem 2015Atualidades enem 2015
Atualidades enem 2015
 
Desigualdade racial no Brasil.ppsx
Desigualdade racial no Brasil.ppsxDesigualdade racial no Brasil.ppsx
Desigualdade racial no Brasil.ppsx
 
Desigualdade racial no Brasil
Desigualdade racial no BrasilDesigualdade racial no Brasil
Desigualdade racial no Brasil
 
Etnia, gênero, minorias 2020
Etnia, gênero, minorias 2020Etnia, gênero, minorias 2020
Etnia, gênero, minorias 2020
 
Movimento negro lei do caô
Movimento negro lei do caôMovimento negro lei do caô
Movimento negro lei do caô
 

Declaração-sobre-as-manifestações-em-solidariedade-ao-povo-palestino.15.11.pdf

  • 1. Declaração sobre as manifestações em solidariedade ao povo palestino Desde o dia 10 de outubro, diversos setores da sociedade civil brasileira estão se organizando contra o genocídio palestino em curso há mais de um mês. Genocídio esse que ultrapassa qualquer número de guerra recente, resultando no assassinato de 160 crianças ao dia, número monstruoso que reflete o processo de ocupação e apartheid, massacre e destruição criminosa de Gaza. Como trabalhadores/as do campo e da cidade, sindicatos, organizações políticas, juventude, movimentos antirracistas, antiLGBTIfobia, movimentos de mulheres organizadas, imigrantes, refugiados/as, judeus antissionistas e a imensa comunidade de ascendência árabe do país, não poderíamos estar alheios/as a uma luta de mais de 75 anos do povo palestino contra a colonização, ocupação e apartheid, que agora vê seu episódio mais sangrento desde a Nakba, a catástrofe palestina em 1948, que ocasionou a expulsão de mais de 800 mil palestinos de suas terras − que hoje são milhões pelo mundo − à base da imensa violência da limpeza étnica, típica de projetos coloniais. Ao redor do mundo, somos solidários aos trabalhadores, movimentos de judeus antissionistas, juventude e população que estão parando portos, aeroportos e carregamentos viários que abastecem Israel e alimentam o genocídio vindos dos EUA, Bélgica, Austrália e outros países. Estamos nas ruas para demonstrar nossa solidariedade ao povo palestino; pelo fim do genocídio e massacre de uma população de mais de 2.3 milhões de pessoas; assim como pela população da Cisjordânia que enfrenta diariamente prisões, ocupações de suas terras e ataques de Israel, ocasionando destruição e assassinatos. E em solidariedade à população palestina do Estado de Israel, submetida a 65 leis racistas e agora sob repressão e criminalização ainda mais brutais, evidenciando que a motivação primeira e última de Israel é o racismo, o apartheid e o projeto colonial de ocupação da Palestina. Exigimos cessar-fogo imediato, revogação dos acordos Brasil-Israel, inclusive com medidas diplomáticas a exemplo do que fizeram Bolívia, Colômbia, Chile, Honduras, Irlanda, África do Sul, entre outros, fim do bloqueio à Gaza, ajuda humanitária imediata para o povo palestino sem a expulsão e limpeza étnica de seus territórios e que Israel seja julgado em tribunais internacionais através dos comandantes dessas ações; assim como ser o responsável por financiar a reconstrução de todo o patrimônio social destruído em Gaza, campos de refugiados e Cisjordânia. Repudiamos qualquer tentativa de criminalizar as manifestações como se fossem “antissemitas” ou “pró-terrorismo”. Convocamos os meios de comunicação a procurarem a organização das marchas para quaisquer informações. As organizações, a partir da manifestação de domingo (5º ato,12/11), são livres para levar suas bandeiras representativas, desde que também portem símbolos e bandeiras da Palestina. Nesse sentido, gostaríamos de ressaltar a insatisfação da comunidade árabe e palestina e dos movimentos que estão incansavelmente organizando as manifestações de apoio ao povo palestino com as atitudes do PCO – Partido da Causa Operária –, partido que não faz parte da organização dos atos, não representa seus interesses, mas adota uma postura desrespeitosa, de impor ao
  • 2. movimento pautas e bandeiras que não são suas. Nossa organização procurou seus representantes para apresentar as bandeiras que nos unem, mas teve como resposta uma atitude contraditória e concorrente ao ato. Lembramos que as ruas são espaços livres de ocupação no país e não podemos nos responsabilizar nem ser responsabilizados por quem as ocupa e com quais bandeiras. Somos, sim, responsáveis pelas manifestações organizadas por esse coletivo de organizações em unidade de ação abaixo relacionado e quem mais apoie sair às ruas com essas reivindicações já expostas. Julgamos fundamental essa declaração, pois, de forma alguma, a nossa justa solidariedade ao povo palestino pode ser criminalizada ou ter seus objetivos desviados por desinformação dos meios de comunicação ou entidades e grupos particulares. Repudiamos também episódios como o que ocorreu com o Padre Júlio Lancellotti, incansável representante da luta por justiça social no Brasil. Da mesma forma, queremos alertar e estamos atentos para que narrativas, interpretações e/ou atos islamofóbicos ou antissemitas não sejam associados às manifestações organizadas por nós. Estamos nas ruas para denunciar a nova Nakba, o assassinato de milhares de pessoas, a expulsão forçada de mais de um milhão de pessoas, a destruição de cidades inteiras. Trata-se de uma luta justa, pelo direito de autodeterminação de um povo que em pleno 2023 é ocupado, massacrado e desumanizado mundialmente pelo sionismo, ideologia colonizadora que orienta o Estado de Israel em aliança com o imperialismo, a partir, em particular, dos interesses econômicos e políticos dos EUA. Gostaríamos também de convocar e incentivar os meios de comunicação que acompanhem as manifestações, isoladas e não documentadas pela grande mídia. No dia 4 de novembro, na cidade de São Paulo, tivemos mais de 20 mil pessoas, mostrando que, mesmo com essa ausência de cobertura e direito à voz nos grandes meios, estamos ganhando importantes setores da opinião pública para condenar atos que jamais deveriam ser tolerados por governos, mídia e qualquer setor da sociedade civil. Reafirmamos, portanto, a Palestina Livre, fim do genocídio, cessar-fogo imediato e fim do bloqueio à Gaza são nossa referência e representam nosso ato. Por fim, deixamos nosso calendário de manifestações, atividades e contatos para quaisquer dúvidas e solicitações. - 17/11 - Mobilização Mundial pela Palestina - 20/11 - Marcha da Consciência Negra - 25/11 - Festival Palestina Livre (12h-20h) - Galpão Elza Soares - 29/11 - Grande Marcha em Solidariedade à Palestina - 03/12 - Marcha de Imigrantes e Refugiados
  • 3. Contatos: Soraya Misleh +5511976631907 Rafael Soriano +5511941967747 Assinam: Frente Palestina São Paulo MST Fórum Latino Palestino Cebrapaz Caminho Revolucionário Palestino Alternativo Samidoun Associação Islâmica de São Paulo Campo Progressista Árabe Vozes Judaicas por Libertação AIP - Assembleia Internacional dos Povos ALBA Brasil Campanha Global pelo Retorno à Palestina CMP Comitê da Palestina Democrática Corrente Socialismo ou Barbárie CSP - Conlutas CST CTB CUT-SP DAP - Diálogo e Ação Petista Estudantes em Solidariedade ao Povo Palestino - ESPP PUC / ESPP USP Fórum Popular de Saúde de SP Já Basta Juntos Juventude Revolução - PT/SP Mandata Ativoz - PSOL/Osasco Marcha Mundial de Mulheres MES/PSOL Movimento Brasil Popular Movimento em Defesa da Reconstrução Revolucionária do PCB - PCB-RR Manifesto Coletivo MTD MTST Organização Comunista Internacionalista (Esquerda Marxista) - seção brasileira da Corrente Marxista Internacional PCdoB PCR/UJR PSTU - Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado Rebeldia - Juventude da Revolução Socialista Revolução Socialista/PSOL RUA Sementes Revolucionárias Sindicato dos Metroviários e Metroviárias de São Paulo Sindicato dos Químicos - SP SINDSEP SP SINPEEM UEE - União Estadual dos Estudantes UJC - União da Juventude Comunista UJS - União da Juventude Socialista UNE - União Nacional dos Estudantes Unidos Pra Lutar UP - Unidade Popular pelo Socialismo UPES – União Paulista dos Estudantes de São Paulo