Dorothea Lange
BiografiaDorothea Margaretta Nutzhorn, nasceu em1895, na cidade de Hoboken, New Jersey, nosEUA, ela foi vítima de paralisia...
BiografiaDepois de mais de uma década fazendo retratos de estúdio, Dorothea não mais resistiu ao"chamado das ruas" e começo...
Farm Security AdministrationOrgão criado em 1935, pelo presidente americanoFranklin Roosevelt, para ajudar a população deá...
Tipos de imagens ela faziaFoto documental da grandedepressão da década de 30Mais conhecida por tirarfotos de trabalhodores...
Mãe MigranteDorothea Lange denunciou as condições de vida naszonas rurais dos EUA, de uma forma inflexivelmentedireta, docu...
Sobre Mãe Migrante"Eu vi aquela mãe faminta e desesperada e foi como seme puxasse por um ímã. Eu não me lembro como euexpl...
CâmeraGraflex Series DFotografar pelo reflexoda imagem - evitandoparalaxe
Trechos da entrevista com Richard K. Dorothea  Lange Doud em NY em 22 de maio de 1964Eu era jovem e me perguntava como eu ...
EntrevistaAlgo que eu sempre acrediteié na importância visual dasfotos que as pessoas comunsvêem, mas não reconhecem.Há ex...
EntrevistaNão perturbo,modifico ou tentocorrigi-lo, apenas quero representarcomo parte de seu ambiente, e suasraízes nele e...
Refugiados da seca de PolkNovembro de 1936. "refugiados da seca de Polk, Missouri.Aguardando a abertura de colheita de lar...
Fazendeiro de IndependenceMaio de 1939. "Entre Tulare e Fresno em EUA 99.Fazendeiro de Independence, Kansas, na estrada de...
Refugiados de AbileneAgosto de 1936. Seca refugiados de Abilene, no Texas, após as colheitas daCalifórnia como trabalhador...
Dorothea Lange (1895-1965).Seu trabalho rendeu-lhe uma bolsa Gu*enheim em 1941, mas a Segunda Guerra Mundialtrouxe uma rup...
Dados do trabalhoUniversidade do V do Itajaí                 aleDisciplina: Fotografia DocumentalProfessor: Marcelo JuchemA...
Alexandre Belém[http://veja.abril.com.br/blog/sobre-imagens/mulheres/dorothea-lange/][http://oseculoprodigioso.blogspot.co...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Dorothea lange trabalho final

1.622 visualizações

Publicada em

Publicada em: Arte e fotografia, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.622
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • Dorothea lange trabalho final

    1. 1. Dorothea Lange
    2. 2. BiografiaDorothea Margaretta Nutzhorn, nasceu em1895, na cidade de Hoboken, New Jersey, nosEUA, ela foi vítima de paralisia infantil, oque a deixou manca pelo resto da vida. Maisde uma vez, Dorothea afirmou que isto adeixou mais sensível em relação ao so"imentoalheio, aspecto fundamental no seu trabalho.Encorajada pelo fotógrafo Arnold Genthe,que lhe deu a primeira câmara, Dorotheacomeçou como autodidata e mais tarde estudoufotografia na Columbia University.Profissionalmente, começou comofotofinalizadora, passou a fotografar como"eelancer, e finalmente montou seu próprioestúdio em 1919, em Berkeley, na Califórnia.
    3. 3. BiografiaDepois de mais de uma década fazendo retratos de estúdio, Dorothea não mais resistiu ao"chamado das ruas" e começou a documentar o povo de San Francisco. Isto a levou para oCentro de Reabilitação Rural da Califórnia e depois para Farm Security Administration(FSA), onde juntamente com seu futuro marido, Paul Taylor, fotografou as ondas de migrantesrurais vítimas das péssimas condições econômicas da época.As fotos de Dorothea Lange diferenciavam-se basicamente pela sua postura de honestidade semartifícios. Eram homens e mulheres pobres e desempregados, na maior parte das vezes semesperanças, mas continuava sempre presente a dignidade, até mesmo um certo orgulho interior,que se revelava sem pudor para as lentes de Dorothea, mostrando inequívoca empatia entrefotógrafo e fotografado. Até hoje suas imagens são consideradas fiel retrato dos EUA pós-depressão.
    4. 4. Farm Security AdministrationOrgão criado em 1935, pelo presidente americanoFranklin Roosevelt, para ajudar a população deáreas rurais que foram afetadas pela GrandeDepressão de 1929. A FSA existiu até 1949 e,para documentar a vida das famílias e cidades,teve uma divisão fotográfica onde se formaramalguns profissionais que se tornariam clássicos,como Walker Evans, Carl Mydans, GordonParks e a própria Dorothea Lange. O acervo daFSA é considerado um dos mais importantesregistros da vida americana do começo do séculoXX.
    5. 5. Tipos de imagens ela faziaFoto documental da grandedepressão da década de 30Mais conhecida por tirarfotos de trabalhodoresmigrantes em condiçõesprecárias nos EUAEla capturava o físicoemocional e aparência daspessoas.
    6. 6. Mãe MigranteDorothea Lange denunciou as condições de vida naszonas rurais dos EUA, de uma forma inflexivelmentedireta, documentou a pobreza amarga dos trabalhadoresmigrantes e das suas famílias. Uma das fotografias maisfamosas do projeto FSA é Mãe Migrante, o retrato deuma trabalhadora que migrou da Califórnia com os seustrês filhos. Esta imagem, extremamente concentrada erigorosamente composta, fez de Dorothea Lange umícone da fotografia socialmente comprometida.
    7. 7. Sobre Mãe Migrante"Eu vi aquela mãe faminta e desesperada e foi como seme puxasse por um ímã. Eu não me lembro como euexpliquei a minha presença ou a minha câmera, mas eume lembro que ela não me perguntou nada. Eu fiz cincofotos, trabalhando cada vez mais perto da mesmadireção. Eu não perguntei seu nome ou sua história. Elame disse sua idade, 32 anos. Ela disse que vendeu o asrodas de seu carro para comprar comida. Estavasentada naquela cabana com os filhos reunidos em tornodela, e pareciam pensar que minhas fotos poderiamajudá-la, então ela iria me ajudar. Houve algumareciprocidade nesse processo. "
    8. 8. CâmeraGraflex Series DFotografar pelo reflexoda imagem - evitandoparalaxe
    9. 9. Trechos da entrevista com Richard K. Dorothea Lange Doud em NY em 22 de maio de 1964Eu era jovem e me perguntava como eu ia me manter nestemundo. As mulheres costumavam trabalhar como professoras"para ter algo para viver", mas eu acho que é uma atitudedesagradável em uma pessoa jovem, e eu não gostei. Um diaeu decidi que ia ser um fotógrafa. Nunca tive uma câmeramas eu só sabia que era o que eu queria, talvez eu tenha sidouma dessas sortudas que sabem o que quer ser, sem questioná-la, porque até então eu não sabia nada sobre fotografia.
    10. 10. EntrevistaAlgo que eu sempre acrediteié na importância visual dasfotos que as pessoas comunsvêem, mas não reconhecem.Há excelentes fotografias quedescansam nas gavetas, fotosde membros da família quenunca foram analisados sobuma perspectiva diferente dopessoal.
    11. 11. EntrevistaNão perturbo,modifico ou tentocorrigi-lo, apenas quero representarcomo parte de seu ambiente, e suasraízes nele e, acima de tudo tentarmostrá-lo como tendo umadeterminada posição, passados oupresentes.
    12. 12. Refugiados da seca de PolkNovembro de 1936. "refugiados da seca de Polk, Missouri.Aguardando a abertura de colheita de laranja temporadaem Portervi)e, Califórnia. "
    13. 13. Fazendeiro de IndependenceMaio de 1939. "Entre Tulare e Fresno em EUA 99.Fazendeiro de Independence, Kansas, na estrada de choppingalgodão tempo. Ele e sua família foram na Califórnia por seis
    14. 14. Refugiados de AbileneAgosto de 1936. Seca refugiados de Abilene, no Texas, após as colheitas daCalifórnia como trabalhadores migrantes. Disse o pai: "As melhores pessoas nomundo vive no Texas, mas eu simplesmente não consigo fazer nada lá. Váriosanos de seca.
    15. 15. Dorothea Lange (1895-1965).Seu trabalho rendeu-lhe uma bolsa Gu*enheim em 1941, mas a Segunda Guerra Mundialtrouxe uma ruptura e um redirecionamento nas fotos de Dorothea. Trabalhando para aWar Relocation Agency e para o Office of War Information, entre 1942 e 1945 passou adocumentar os nipo-americanos forçados a viver em campos de concentração na Califórnia.Uma fase não menos importante de sua obra, mas convenientemente "esquecida" por muitosde seus compatriotas.Problemas de saúde mantiveram Dorothea afastada das câmaras depois da guerra, e sóvoltou à ativa no meio dos anos cinqüenta, quando entrou para a equipe da prestigiadarevista Life. Até sua morte em 1965, viajou pelo mundo na companhia do marido,fotografando principalmente a América do Sul, a Ásia e o Oriente Médio
    16. 16. Dados do trabalhoUniversidade do V do Itajaí aleDisciplina: Fotografia DocumentalProfessor: Marcelo JuchemAlunos: Aline Silveira - Thiago Guedert - ViniciusRodrigues
    17. 17. Alexandre Belém[http://veja.abril.com.br/blog/sobre-imagens/mulheres/dorothea-lange/][http://oseculoprodigioso.blogspot.com/2006/04/lange-dorothea-fotografia.html][http://www.burburinho.com/20040411.html][http://theselvedgeyard.wordpress.com/2009/12/06/photography-of-dorothea-lange-an-american-archive-hard-times/]

    ×