SlideShare uma empresa Scribd logo
Maria Alberta Menéres
Maria Alberta Menéres
Natural de Vila Nova de Gaia, onde nasceu a 25/8/1930, Maria
Alberta Rovisco Garcia Menéres licenciou-se em Ciências
Histórico-Filosóficas na Faculdade de Letras de Lisboa. Poetisa,
escritora e professora, foi ainda funcionária da RTP. Estreou-se na
poesia com o livro Intervalo, publicado em 1952. Colaborou em várias
publicações de que salientamos: «Jornal do Fundão», «Diário de
Notícias», «Cadernos do Meio-Dia», «Távola Redonda».
Maria AIberta Menéres é uma das mais destacadas figuras da
literatura infantil portuguesa, à qual tem dedicado muito do
seu saber e talento.
A sua obra é vasta neste domínio e atravessada
por histórias originais, recolha tradicional,
versão de obras clássicas, teatro infantil e poesia
para crianças.
“E Ulisses, existiu? E Homero,
existiu?
E o Sol, existe? E a Lua,
existe?
Quem foi Homero?
Homero foi o primeiro grande poeta grego cuja obra chegou
até nós. Viveu no séc. VIII a.C, período coincidente com
o ressurgimento da escrita na Grécia. Consagrou o género
épico com as obras Ilíada e Odisséia.
Quem foi Ulisses?
Odisseu (na Grécia) ou Ulisses (em Roma) é um
personagem da Ilíada e da Odisseia de Homero.
É a personagem principal dessa última obra. Ulisses é
uma figura à parte em Troía. É um dos mais ardilosos guerreiros de toda a
epopéia grega em Troía, e mesmo depois dela, quando do seu longo retorno ao
seu reino, Itaca, uma das numerosas ilhas gregas.
Herói grego, Ulisses era Rei de Ítaca e filho de Laerte. A princípio, cortejou
Helena, mas, em vista do grande número de pretendentes, acabou por auxiliar
Tíndaro, pai adoptivo de Helena, na escolha do pretendente. Essa escolha recaiu
sobre Menelau, tendo o itacense então casado com Penélope. Daí a amizade
existente entre Menelau, seu irmão Agamemnon e Ulisses.
Da união com Penélope nasceu Telêmaco, seu
querido filho, do qual teve de se apartar muito
cedo para lutar
ao lado de outros gregos em Tróia. Foi um dos
elementos mais atuantes no cerco de Tróia, no
qual se destacou principalmente por sua
prudência e astúcia.
Durante a citada guerra, muitas batalhas os gregos venceram a conselho
de Ulisses, sendo este mesmo um grande guerreiro, apesar de sua baixa
estatura (algumas lendas diziam mesmo que era anão). Tentou em vão
convencer Aquiles a cessar sua ira contra Agamemnon, sem obter
sucesso.
Um de seus mais famosos ardis foi ajudar na construção de um cavalo de
madeira, que permitiu a entrada dos exércitos gregos na
cidade.
A presença dos deuses na obra é constante. Uma parte dos deuses está do
lado dos troianos, outra parte está do lado dos gregos (aqueus)
Apolo, Afrodite, Ares….do lado dos Troianos.
Atena , Hera e Zeus do lado dos gregos
Os Gregos eram politeístas, isto é, adoravam vários deuses, acreditando que
esses deuses tinham forma humana, embora fossem mais belos e poderosos
que os homens, imortais e possuidores de poderes mágicos.
Os deuses gregos revelavam também qualidades e defeitos semelhantes aos
dos seres humanos: apaixonavam-se, sofriam, conheciam aventuras e
desventuras e os Gregos falavam deles como se fossem pessoas: contavam a
história da sua vida, as suas lutas, sentimentos...
Ao conjunto das histórias maravilhosas da vida dos deuses e heróis gregos
chama-se mitologia.
Mitologia grega
Para os Gregos, os deuses eram descendentes da terra - Gaia - e do céu -
Urano - e tinham grandes semelhanças com os homens. Pensavam que
eram governados por um rei, Zeus, senhor do universo, dos trovões e da
chuva. Vivia no Monte Olimpo com a sua mulher, a deusa Hera, protectora
do casamento, e com os filhos: Ares, deus da guerra, Hermes, deus dos
comerciantes e dos ladrões, Afrodite, nascida da espuma do mar, deusa do
amor, Atena (também chamada Minerva), deusa da inteligência e da razão,
feia mas sábia, imaginada como uma guerreira, porque também
representava a arte da guerra e a vitória.
Irmãos de Zeus, mas que não viviam no Monte Olimpo, eram Poseidon, deus
do mar, e Hades, senhor dos Infernos, mundo subterrâneo, reino dos
mortos. Outros deuses importantes eram Dionísio, deus do vinho e da
embriaguês, Hestia, deusa do lar e Hefestos, filho de Hera, deus do fogo e
dos metais.
Para os Gregos, cada deus tinha um determinado domínio de acção. Aos
deuses mais importantes eram construídos grandes templos e grandes
santuários em sua honra, tendo chegado aos dias de hoje vestígios de
muitos deles.
Acreditava-se na altura que os deuses seriam bondosos e compreensivos
para com os humanos se estes lhes oferecessem as suas colheitas,
sacrifícios de animais ou dádivas em ouro e prata. Para além disso,
faziam-se também em sua honra festas, jogos e festivais, que se
realizavam anualmente ou de quatro em quatro anos.
A maioria dos Gregos não acreditava na existência de uma vida para
além da morte e, portanto, achava mais importante pedir aos deuses
protecção na vida terrena.
No entanto, acreditavam que a almas dos mortos passavam a vaguear
como sombras num mundo subterrâneo, escuro, o reino de Hades ou
dos Infernos, sem esperança de se poderem libertar.
A vida no Olimpo era muito agradável, os deuses passavam a maior
parte do tempo em banquetes e a ouvir música tocada por Apolo na
sua lira e cantada pelas musas. No entanto, muitas vezes, os deuses
ausentavam-se do Olimpo para descer à Terra, onde ajudavam os
heróis mortais a saírem vitoriosos das suas aventuras.
O Monte Olimpo é o ponto mais alto de toda a Grécia com uma
altitude de 2 917 m.
Na antiga Grécia foi considerado a casa dos deuses importantes.
Segundo reza a história a entrada para o Olimpo fazia-se através de
um portão feito de nuvens, isto talvez se possa atribuir ao facto de o
cume da montanha, devido à sua altitude, estar sempre coberto de
Gregos Romanos Deuses - simbologia
Zeus Júpiter Pai dos deuses, filho de Cronos e de Reia. A esposa de Zeus foi sua irmã Hera. Era
representado como homem forte e barbado, de aspecto majestoso, com um raio na mão
sobre uma águia.
Afrodite Vénus Filha de Zeus e Dione. É a deusa do amor e da beleza. Hefesto recebeu-a como esposa, mas
esta, incapaz de lhe ser fiel, procurou o amor de Ares, de quem teve Eros. Amou também
Hermes, Dioniso, Anquises (de quem teve Eneias) e Adónis. Símbolos: a pomba, a romã, o
cisne e a murta.
Ares Marte Deus da guerra, presente em todos os combates. Era representado como um guerreiro
completamente armado, acompanhado por um galo. Fiel apaixonado de Vénus.
Apolo Febo Deus das Artes. O deus mais venerado depois de Zeus. Identifica-se com o Sol - daí ser
chamado também Febo (brilhante) - e o ciclo das estações do ano.
Instrumento- lira. Deus da profecia, da medicina e da arte do arco-e-flecha
(mitologia greco-romana posterior: deus do Sol)
Artemis Diana Filha de Zeus e de Leto, irmã de Apolo. Deusa da caça e da castidade, é representada num
coche, tirada por corças, armada de arco e aljava com setas e uma meia-lua sobre a cabeça.
Atena Minerva Deusa da Sabedoria e da guerra justa, possuía uma disposição pacífica, representando a
preponderância da razão e do espírito sobre o impulso irracional. Deusa protectora de
Atenas e outras cidades da Ática. Acredita-se que ela era originalmente a deusa-serpente
de Creta. Imagem guerreira, com capacete, lança, escudo e couraça.
Eolo … Deus dos ventos
Poseídon Neptuno Deus dos mares, era filho de Cronos, deus do tempo, e Réia, deusa da fertilidade e irmão de
Zeus e Hades . É representado como um homem forte, de barbas brancas, com um tridente
na mão e acompanhado de golfinhos e outros animais marinhos.
Hefestos Vulcano Deus do fogo. Patrono dos ferreiros e dos artesãos em geral, é responsável, segundo a lenda,
pela difusão da arte de usar o fogo e da metalurgia. Era geralmente representado como um
homem de meia-idade, barbado, vestido com uma túnica sem mangas e com um gorro sobre
o cabelo desgrenhado.
ATENA
Artemis Apolo
cronos Eolo
Zeus Hades
Hermes
Afrodite Eros Ares
Minerva
Prometeu
Vulcano
Vénus
Poseidon
Grandes aventuras esperam
Ulisses...

Vamos descobrir …
A história de Ulisses, rei de Ítaca, desenvolve-
se nos seguintes espaços:
Ulisses vivia numa ilha grega que se chamava Ítaca, com a sua mulher Penélope
e o seu filho Telémaco. Era um rei diferente, que gostava de caçar e conversar
com o seu povo. De espírito irrequieto e aventureiro, quando estava em casa
só pensava em ir ao encontro de aventuras, do desconhecido pois o que o
entusiasmava era o mar... só o mar... o mar... Só o mar
Quando o príncipe Páris raptou a bela rainha Helena de Tróia, Ulisses não quis ir
para a guerra e fingiu estar louco para não ir. Mas....lá foi com os seus
guerreiros, pensando alegremente que iam ter uma vitória fácil e, em
breve, regressariam ao reino.
Em Ítaca
O cerco e ataque a Tróia
O cerco e a guerra de Tróia duraram 10 anos....
Dez anos sem os Gregos verem a Pátria, a família... já ninguém
sabia suportar a saudade, o esforço de manter um cerco
durante tanto tempo. Aquilo não podia continuar assim!
Ulisses teve a ideia de construir um enorme cavalo de pau, assente
num estrado com rodas para se poder deslocar. Dentro da
barriga do cavalo esconderam-se alguns homens. O cavalo foi
deixado, como oferta, às portas da cidade de Tróia. Os outros
Gregos fingiram que se retiravam.
Passados 4 dias, os Troianos convenceram-se que os Gregos
tinham mesmo partido. Abriram, devagarinho, as portas da
cidade e levaram para o meio da praça o cavalo, começando a
festejar a vitória.
Durante a madrugada, quando os Troianos estavam a descansar,
os Gregos saíram de dentro do cavalo, abriram as portas da
cidade aos companheiros e destruíram, completamente, Tróia.
Início da viagem de regresso
que vai durar outros 10 anos
Cheios de saudades os Gregos meteram-
se nos barcos e dirigiram-se para as
suas terras. (Ulisses) reuniu-se com
quarenta valentes marinheiros e lá
foram num belo navio em direção a
Ítaca...Agora em pleno mar, Ulisses só
pensa em regressar à pátria...Os deuses,
furiosos, intervieram sob a forma de
uma estranha corrente submarina que
os ia levando para onde eles não
queriam ir.
A corrente não abrandava
nunca. Aumentava....aumentava....au
mentava
Na terra dos Ciclopes
Começaram a avistar terra: era uma ilha onde o navio
calmamente aportou.
Mas havia entre eles um que era mais forte do que todos
...mais cruel do que todos... mais bravo do que todos e que
era o
terror de todos.
Chamava-se Polifemo e tinha um mau génio horrível,
zangava-se por tudo e por nada e depois dava murros para
a
esquerda murros para
a direita..."
Depois de frustrarem as intenções que Polifemo tinha de
comer os homens, conseguiram fugir da gruta, agarrados
às barrigas das ovelhas, depois de terem cegado o gigante.
Ilha de Éolia
A viagem de Ulisses continuou e aportaram na ilha da Eólia.
Foram bem recebidos e o rei ofereceu-lhes um saco feito de
pele de boi onde tinha metido todos os ventos do mundo à
exceção de Zéfiro, a brisa suave. Mas avisou-o do grande
perigo que seria se alguém abrisse o saco pois os ventos
soltar-se-iam....
Os marinheiros, curiosos por saber o que o saco continha,
abriram-no às escondidas de Ulisses.
os ventos...revolveram os mares agitaram as
nuvens revolveram os mares agitaram as
nuvens espalharam a chuva acenderam a terrível
tempestade e Ulisses acordou no meio da maior confusão
de que jamais houve memória!
Ilha de Circe
Cansado e desiludido, Ulisses chegou a uma
nova ilha. Estranhou não ver os seus
marinheiros mas encontrou Euríloco: soube
então que naquela ilha vivia uma
lindíssima feiticeira, Circe, que ao dar de
beber aos homens um licor, os
transformava em animais e os marinheiros
eram agora...porcos!
A deusa Minerva deu-lhe a erva da vida que
o livraria da má sorte. Depois de muito
tempo e do arrependimento de Circe
seguiu os seus conselhos: dirigir-se à ilha
dos Infernos e falar com Tirésias, o profeta
que lhe daria novas da sua família. Falou-
lhe também do perigo de ouvir os cânticos
das sereias....
E lá foram eles,
"entre onda e onda, em azul e verde, de
contente coração".
No Reino dos Infernos
Nesta ilha apenas havia desolação e as sombras, as
almas vagueando...
Cérbero, o cão de três cabeças, o cão que dorme com
os olhos abertos, guarda a gruta. Ulisses apenas
comunica com as sombras a quem oferecer carne de
uma ovelha negra que Circe lhe dera.
E vê a mãe que ele ainda imaginava viva e lhe fala
dos perigos que ameaçam a sua família e do
estratagema que Penélope arranjara para adiar os
seus pretendentes: de noite desmancha a teia que
tece durante o dia.
E vê Tirésias que lhe confirma a confusão que reina em
Ítaca.
E vê Tântalo, um homem que fora cruel em vida e que
agora cumpre o seu castigo: metido numa lagoa, quando
vai beber a água escoa-se; quando tenta apanhar os frutos
ao seu alcance eles escapam-se-lhe
E vê Sísifo, que fora um rei desumano e cujo castigo era
empurrar um rochedo que rolava constantemente.
Incapaz de suportar tanta desolação, Ulisses e os
marinheiros afastaram-se daquele lugar.
Mar das Sereias
Aproximando-se do mar das Sereias os marinheiros
quiseram colocar cera nos seus ouvidos mas Ulisses,
teimoso, não o permitiu e insistiu em ser amarrado a um
mastro.
"Quero ouvir o canto das sereias. Dizem que elas encantam
os marinheiros com a sua bela voz e eu quero sentir esse
encantamento."
E o cântico chorava suavíssimo, violentíssimo,
vindo de dentro das ondas, de dentro das
cores, de dentro
do vento. E Ulisses sofria pavorosamente
E os marinheiros continuavam a remar,
a remar, a remar, a remar, a remar, a remar, a
remar, a remar, a remar, a remar...
No final Ulisses parecia um velho, cheio de
sangue e suor.
E continuam e passam junto de dois enormes
rochedos um era como enorme boca
e outro como tremenda mão
e houve um naufrágio e ficou só, único
sobrevivente do último naufrágio.
Na terra dos Feácios
Desmaia e perde a memória quando
alcança as praias de uma nova ilha.
É recebido por Nausica, a filha do rei
Alcino e da rainha Arete. Está na
Córcira, a terra dos Feácios. depois de
contar a sua história parte para Ìtaca.
E dorme. E dorme.
Regresso a casa
Os marinheiros depositam-no adormecido numa praia e
partem. Quando acorda, entristecido por se encontrar de
novo sozinho, vê Minerva que lhe diz estar na sua terra.
Transforma-o num "mendigo roto, velho e triste em quem
ninguém reconheceria o valente, belo e manhoso Ulisses".
Na casa de Eumeu encontra Telémaco e revela-lhe quem
é. Estabelecem um plano.
De manhã é reconhecido pelo seu velho cão, Argus que
morre de emoção e por Euricleia que, ao lavar os pés
daquele mendigo reconheceu uma estranha e profunda
cicatriz que só Ulisses tinha...
Com a ajuda de Telémaco derrota os pretendentes de
Penélope... perante um povo entusiasmado, um
Telémaco orgulhoso e Penélope que o abraçava para
nunca mais deixar...
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nomes coletivos.doc
Nomes coletivos.docNomes coletivos.doc
Nomes coletivos.doc
Elza Melo
 
Os nomes comuns, próprios e colectivos
Os nomes comuns, próprios e colectivosOs nomes comuns, próprios e colectivos
Os nomes comuns, próprios e colectivos
becevadeira
 
Os PIRATAS de Manuel António Pina
Os PIRATAS de  Manuel António PinaOs PIRATAS de  Manuel António Pina
Os PIRATAS de Manuel António Pina
Maria Viegas
 
Oracoes subordinadas-ficha-correccao
Oracoes subordinadas-ficha-correccaoOracoes subordinadas-ficha-correccao
Oracoes subordinadas-ficha-correccao
José Monteiro
 
Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)
Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)
Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)
FranciscoSilva772
 
A Inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho
A Inaudita Guerra da Avenida Gago CoutinhoA Inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho
A Inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho
Paula Oliveira Cruz
 
Swoosh 9 evaluation tests
Swoosh 9   evaluation testsSwoosh 9   evaluation tests
Swoosh 9 evaluation tests
Liliana Rodrigues
 
Classe dos determinantes
Classe dos determinantesClasse dos determinantes
Classe dos determinantes
Matilde Castanho
 
DigCompEdu: competencia digital dos educadores
DigCompEdu: competencia digital dos educadoresDigCompEdu: competencia digital dos educadores
DigCompEdu: competencia digital dos educadores
Andreia Inamorato dos Santos
 
Quantificadores & Adjetivos
Quantificadores & AdjetivosQuantificadores & Adjetivos
Quantificadores & Adjetivos
Adriana Silva
 
Modificadores
ModificadoresModificadores
Modificadores
gracacruz
 
Recursos expressivos com exercícios
Recursos expressivos com exercíciosRecursos expressivos com exercícios
Recursos expressivos com exercícios
Fernanda Monteiro
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
Ana Barreiros
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
Susana Sobrenome
 
Diálogo verbos introdutores
Diálogo verbos introdutoresDiálogo verbos introdutores
Diálogo verbos introdutores
abrigada
 
Formação de palavras
Formação de palavrasFormação de palavras
Formação de palavras
Margarida Tomaz
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
Bárbara Minhoto
 
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Inês Moreira
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
Cláudia Cardoso
 
Acnd sinteses descritivas
Acnd sinteses descritivasAcnd sinteses descritivas
Acnd sinteses descritivas
Sandra Evt
 

Mais procurados (20)

Nomes coletivos.doc
Nomes coletivos.docNomes coletivos.doc
Nomes coletivos.doc
 
Os nomes comuns, próprios e colectivos
Os nomes comuns, próprios e colectivosOs nomes comuns, próprios e colectivos
Os nomes comuns, próprios e colectivos
 
Os PIRATAS de Manuel António Pina
Os PIRATAS de  Manuel António PinaOs PIRATAS de  Manuel António Pina
Os PIRATAS de Manuel António Pina
 
Oracoes subordinadas-ficha-correccao
Oracoes subordinadas-ficha-correccaoOracoes subordinadas-ficha-correccao
Oracoes subordinadas-ficha-correccao
 
Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)
Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)
Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)
 
A Inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho
A Inaudita Guerra da Avenida Gago CoutinhoA Inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho
A Inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho
 
Swoosh 9 evaluation tests
Swoosh 9   evaluation testsSwoosh 9   evaluation tests
Swoosh 9 evaluation tests
 
Classe dos determinantes
Classe dos determinantesClasse dos determinantes
Classe dos determinantes
 
DigCompEdu: competencia digital dos educadores
DigCompEdu: competencia digital dos educadoresDigCompEdu: competencia digital dos educadores
DigCompEdu: competencia digital dos educadores
 
Quantificadores & Adjetivos
Quantificadores & AdjetivosQuantificadores & Adjetivos
Quantificadores & Adjetivos
 
Modificadores
ModificadoresModificadores
Modificadores
 
Recursos expressivos com exercícios
Recursos expressivos com exercíciosRecursos expressivos com exercícios
Recursos expressivos com exercícios
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
Diálogo verbos introdutores
Diálogo verbos introdutoresDiálogo verbos introdutores
Diálogo verbos introdutores
 
Formação de palavras
Formação de palavrasFormação de palavras
Formação de palavras
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
Acnd sinteses descritivas
Acnd sinteses descritivasAcnd sinteses descritivas
Acnd sinteses descritivas
 

Semelhante a Ulisses powerpoint_ introdução e resumo.ppt

Ulisses
UlissesUlisses
Deuses e mitos
Deuses e mitosDeuses e mitos
Deuses e mitos
reginacampos
 
Mitologia grega
Mitologia gregaMitologia grega
Mito e Religião na Grécia Antiga.pdf
Mito e Religião na Grécia Antiga.pdfMito e Religião na Grécia Antiga.pdf
Mito e Religião na Grécia Antiga.pdf
LidianeLill2
 
Mitologia Grega
Mitologia GregaMitologia Grega
Mitologia Grega
ariirodriguees
 
Mitologia.ppt
Mitologia.pptMitologia.ppt
Mitologia.ppt
GabrielGonalvesNogue1
 
Ulisses 6º b
Ulisses 6º bUlisses 6º b
Ulisses 6º b
Ana Paula Carlão
 
Mitologia anastasia nadia
Mitologia anastasia nadiaMitologia anastasia nadia
Mitologia anastasia nadia
anajguedes
 
Gênero Textual Epopeia - texto cavalo de troia
Gênero Textual Epopeia -  texto cavalo de troiaGênero Textual Epopeia -  texto cavalo de troia
Gênero Textual Epopeia - texto cavalo de troia
Jomari
 
12 deuses do olimpo na mitologia grega
12 deuses do olimpo na mitologia grega12 deuses do olimpo na mitologia grega
12 deuses do olimpo na mitologia grega
João Medeiros
 
Mitologia
MitologiaMitologia
Mitologia
babydewe
 
Mitologia
MitologiaMitologia
Mitologia
babydewe
 
Mitologia grega
Mitologia gregaMitologia grega
Mitologia Grega - Deuses e Seres Mitológicos
Mitologia Grega - Deuses e Seres MitológicosMitologia Grega - Deuses e Seres Mitológicos
Mitologia Grega - Deuses e Seres Mitológicos
Rita Rocha
 
Deuses
DeusesDeuses
Deuses
vaniasousajf
 
Deuses
DeusesDeuses
Deuses
vaniasousajf
 
Deuses gregos
Deuses gregosDeuses gregos
Deuses gregos
Raffa Adassa
 
Apresentação 1
Apresentação 1Apresentação 1
Apresentação 1
Ronaldonuna
 
Deuses e heróis na Grécia
Deuses e heróis na GréciaDeuses e heróis na Grécia
Deuses e heróis na Grécia
Profª Bruna Morrana
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
Alex J. Eger
 

Semelhante a Ulisses powerpoint_ introdução e resumo.ppt (20)

Ulisses
UlissesUlisses
Ulisses
 
Deuses e mitos
Deuses e mitosDeuses e mitos
Deuses e mitos
 
Mitologia grega
Mitologia gregaMitologia grega
Mitologia grega
 
Mito e Religião na Grécia Antiga.pdf
Mito e Religião na Grécia Antiga.pdfMito e Religião na Grécia Antiga.pdf
Mito e Religião na Grécia Antiga.pdf
 
Mitologia Grega
Mitologia GregaMitologia Grega
Mitologia Grega
 
Mitologia.ppt
Mitologia.pptMitologia.ppt
Mitologia.ppt
 
Ulisses 6º b
Ulisses 6º bUlisses 6º b
Ulisses 6º b
 
Mitologia anastasia nadia
Mitologia anastasia nadiaMitologia anastasia nadia
Mitologia anastasia nadia
 
Gênero Textual Epopeia - texto cavalo de troia
Gênero Textual Epopeia -  texto cavalo de troiaGênero Textual Epopeia -  texto cavalo de troia
Gênero Textual Epopeia - texto cavalo de troia
 
12 deuses do olimpo na mitologia grega
12 deuses do olimpo na mitologia grega12 deuses do olimpo na mitologia grega
12 deuses do olimpo na mitologia grega
 
Mitologia
MitologiaMitologia
Mitologia
 
Mitologia
MitologiaMitologia
Mitologia
 
Mitologia grega
Mitologia gregaMitologia grega
Mitologia grega
 
Mitologia Grega - Deuses e Seres Mitológicos
Mitologia Grega - Deuses e Seres MitológicosMitologia Grega - Deuses e Seres Mitológicos
Mitologia Grega - Deuses e Seres Mitológicos
 
Deuses
DeusesDeuses
Deuses
 
Deuses
DeusesDeuses
Deuses
 
Deuses gregos
Deuses gregosDeuses gregos
Deuses gregos
 
Apresentação 1
Apresentação 1Apresentação 1
Apresentação 1
 
Deuses e heróis na Grécia
Deuses e heróis na GréciaDeuses e heróis na Grécia
Deuses e heróis na Grécia
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 

Último

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
alphabarros2
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 

Último (20)

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 

Ulisses powerpoint_ introdução e resumo.ppt

  • 2. Maria Alberta Menéres Natural de Vila Nova de Gaia, onde nasceu a 25/8/1930, Maria Alberta Rovisco Garcia Menéres licenciou-se em Ciências Histórico-Filosóficas na Faculdade de Letras de Lisboa. Poetisa, escritora e professora, foi ainda funcionária da RTP. Estreou-se na poesia com o livro Intervalo, publicado em 1952. Colaborou em várias publicações de que salientamos: «Jornal do Fundão», «Diário de Notícias», «Cadernos do Meio-Dia», «Távola Redonda». Maria AIberta Menéres é uma das mais destacadas figuras da literatura infantil portuguesa, à qual tem dedicado muito do seu saber e talento. A sua obra é vasta neste domínio e atravessada por histórias originais, recolha tradicional, versão de obras clássicas, teatro infantil e poesia para crianças.
  • 3. “E Ulisses, existiu? E Homero, existiu? E o Sol, existe? E a Lua, existe?
  • 4. Quem foi Homero? Homero foi o primeiro grande poeta grego cuja obra chegou até nós. Viveu no séc. VIII a.C, período coincidente com o ressurgimento da escrita na Grécia. Consagrou o género épico com as obras Ilíada e Odisséia.
  • 5. Quem foi Ulisses? Odisseu (na Grécia) ou Ulisses (em Roma) é um personagem da Ilíada e da Odisseia de Homero. É a personagem principal dessa última obra. Ulisses é uma figura à parte em Troía. É um dos mais ardilosos guerreiros de toda a epopéia grega em Troía, e mesmo depois dela, quando do seu longo retorno ao seu reino, Itaca, uma das numerosas ilhas gregas. Herói grego, Ulisses era Rei de Ítaca e filho de Laerte. A princípio, cortejou Helena, mas, em vista do grande número de pretendentes, acabou por auxiliar Tíndaro, pai adoptivo de Helena, na escolha do pretendente. Essa escolha recaiu sobre Menelau, tendo o itacense então casado com Penélope. Daí a amizade existente entre Menelau, seu irmão Agamemnon e Ulisses.
  • 6. Da união com Penélope nasceu Telêmaco, seu querido filho, do qual teve de se apartar muito cedo para lutar ao lado de outros gregos em Tróia. Foi um dos elementos mais atuantes no cerco de Tróia, no qual se destacou principalmente por sua prudência e astúcia. Durante a citada guerra, muitas batalhas os gregos venceram a conselho de Ulisses, sendo este mesmo um grande guerreiro, apesar de sua baixa estatura (algumas lendas diziam mesmo que era anão). Tentou em vão convencer Aquiles a cessar sua ira contra Agamemnon, sem obter sucesso. Um de seus mais famosos ardis foi ajudar na construção de um cavalo de madeira, que permitiu a entrada dos exércitos gregos na cidade.
  • 7. A presença dos deuses na obra é constante. Uma parte dos deuses está do lado dos troianos, outra parte está do lado dos gregos (aqueus) Apolo, Afrodite, Ares….do lado dos Troianos. Atena , Hera e Zeus do lado dos gregos Os Gregos eram politeístas, isto é, adoravam vários deuses, acreditando que esses deuses tinham forma humana, embora fossem mais belos e poderosos que os homens, imortais e possuidores de poderes mágicos. Os deuses gregos revelavam também qualidades e defeitos semelhantes aos dos seres humanos: apaixonavam-se, sofriam, conheciam aventuras e desventuras e os Gregos falavam deles como se fossem pessoas: contavam a história da sua vida, as suas lutas, sentimentos... Ao conjunto das histórias maravilhosas da vida dos deuses e heróis gregos chama-se mitologia. Mitologia grega
  • 8. Para os Gregos, os deuses eram descendentes da terra - Gaia - e do céu - Urano - e tinham grandes semelhanças com os homens. Pensavam que eram governados por um rei, Zeus, senhor do universo, dos trovões e da chuva. Vivia no Monte Olimpo com a sua mulher, a deusa Hera, protectora do casamento, e com os filhos: Ares, deus da guerra, Hermes, deus dos comerciantes e dos ladrões, Afrodite, nascida da espuma do mar, deusa do amor, Atena (também chamada Minerva), deusa da inteligência e da razão, feia mas sábia, imaginada como uma guerreira, porque também representava a arte da guerra e a vitória. Irmãos de Zeus, mas que não viviam no Monte Olimpo, eram Poseidon, deus do mar, e Hades, senhor dos Infernos, mundo subterrâneo, reino dos mortos. Outros deuses importantes eram Dionísio, deus do vinho e da embriaguês, Hestia, deusa do lar e Hefestos, filho de Hera, deus do fogo e dos metais.
  • 9. Para os Gregos, cada deus tinha um determinado domínio de acção. Aos deuses mais importantes eram construídos grandes templos e grandes santuários em sua honra, tendo chegado aos dias de hoje vestígios de muitos deles. Acreditava-se na altura que os deuses seriam bondosos e compreensivos para com os humanos se estes lhes oferecessem as suas colheitas, sacrifícios de animais ou dádivas em ouro e prata. Para além disso, faziam-se também em sua honra festas, jogos e festivais, que se realizavam anualmente ou de quatro em quatro anos. A maioria dos Gregos não acreditava na existência de uma vida para além da morte e, portanto, achava mais importante pedir aos deuses protecção na vida terrena.
  • 10. No entanto, acreditavam que a almas dos mortos passavam a vaguear como sombras num mundo subterrâneo, escuro, o reino de Hades ou dos Infernos, sem esperança de se poderem libertar. A vida no Olimpo era muito agradável, os deuses passavam a maior parte do tempo em banquetes e a ouvir música tocada por Apolo na sua lira e cantada pelas musas. No entanto, muitas vezes, os deuses ausentavam-se do Olimpo para descer à Terra, onde ajudavam os heróis mortais a saírem vitoriosos das suas aventuras. O Monte Olimpo é o ponto mais alto de toda a Grécia com uma altitude de 2 917 m. Na antiga Grécia foi considerado a casa dos deuses importantes. Segundo reza a história a entrada para o Olimpo fazia-se através de um portão feito de nuvens, isto talvez se possa atribuir ao facto de o cume da montanha, devido à sua altitude, estar sempre coberto de
  • 11. Gregos Romanos Deuses - simbologia Zeus Júpiter Pai dos deuses, filho de Cronos e de Reia. A esposa de Zeus foi sua irmã Hera. Era representado como homem forte e barbado, de aspecto majestoso, com um raio na mão sobre uma águia. Afrodite Vénus Filha de Zeus e Dione. É a deusa do amor e da beleza. Hefesto recebeu-a como esposa, mas esta, incapaz de lhe ser fiel, procurou o amor de Ares, de quem teve Eros. Amou também Hermes, Dioniso, Anquises (de quem teve Eneias) e Adónis. Símbolos: a pomba, a romã, o cisne e a murta. Ares Marte Deus da guerra, presente em todos os combates. Era representado como um guerreiro completamente armado, acompanhado por um galo. Fiel apaixonado de Vénus. Apolo Febo Deus das Artes. O deus mais venerado depois de Zeus. Identifica-se com o Sol - daí ser chamado também Febo (brilhante) - e o ciclo das estações do ano. Instrumento- lira. Deus da profecia, da medicina e da arte do arco-e-flecha (mitologia greco-romana posterior: deus do Sol) Artemis Diana Filha de Zeus e de Leto, irmã de Apolo. Deusa da caça e da castidade, é representada num coche, tirada por corças, armada de arco e aljava com setas e uma meia-lua sobre a cabeça. Atena Minerva Deusa da Sabedoria e da guerra justa, possuía uma disposição pacífica, representando a preponderância da razão e do espírito sobre o impulso irracional. Deusa protectora de Atenas e outras cidades da Ática. Acredita-se que ela era originalmente a deusa-serpente de Creta. Imagem guerreira, com capacete, lança, escudo e couraça. Eolo … Deus dos ventos Poseídon Neptuno Deus dos mares, era filho de Cronos, deus do tempo, e Réia, deusa da fertilidade e irmão de Zeus e Hades . É representado como um homem forte, de barbas brancas, com um tridente na mão e acompanhado de golfinhos e outros animais marinhos. Hefestos Vulcano Deus do fogo. Patrono dos ferreiros e dos artesãos em geral, é responsável, segundo a lenda, pela difusão da arte de usar o fogo e da metalurgia. Era geralmente representado como um homem de meia-idade, barbado, vestido com uma túnica sem mangas e com um gorro sobre o cabelo desgrenhado.
  • 16. A história de Ulisses, rei de Ítaca, desenvolve- se nos seguintes espaços:
  • 17. Ulisses vivia numa ilha grega que se chamava Ítaca, com a sua mulher Penélope e o seu filho Telémaco. Era um rei diferente, que gostava de caçar e conversar com o seu povo. De espírito irrequieto e aventureiro, quando estava em casa só pensava em ir ao encontro de aventuras, do desconhecido pois o que o entusiasmava era o mar... só o mar... o mar... Só o mar Quando o príncipe Páris raptou a bela rainha Helena de Tróia, Ulisses não quis ir para a guerra e fingiu estar louco para não ir. Mas....lá foi com os seus guerreiros, pensando alegremente que iam ter uma vitória fácil e, em breve, regressariam ao reino. Em Ítaca
  • 18. O cerco e ataque a Tróia O cerco e a guerra de Tróia duraram 10 anos.... Dez anos sem os Gregos verem a Pátria, a família... já ninguém sabia suportar a saudade, o esforço de manter um cerco durante tanto tempo. Aquilo não podia continuar assim! Ulisses teve a ideia de construir um enorme cavalo de pau, assente num estrado com rodas para se poder deslocar. Dentro da barriga do cavalo esconderam-se alguns homens. O cavalo foi deixado, como oferta, às portas da cidade de Tróia. Os outros Gregos fingiram que se retiravam. Passados 4 dias, os Troianos convenceram-se que os Gregos tinham mesmo partido. Abriram, devagarinho, as portas da cidade e levaram para o meio da praça o cavalo, começando a festejar a vitória. Durante a madrugada, quando os Troianos estavam a descansar, os Gregos saíram de dentro do cavalo, abriram as portas da cidade aos companheiros e destruíram, completamente, Tróia.
  • 19. Início da viagem de regresso que vai durar outros 10 anos Cheios de saudades os Gregos meteram- se nos barcos e dirigiram-se para as suas terras. (Ulisses) reuniu-se com quarenta valentes marinheiros e lá foram num belo navio em direção a Ítaca...Agora em pleno mar, Ulisses só pensa em regressar à pátria...Os deuses, furiosos, intervieram sob a forma de uma estranha corrente submarina que os ia levando para onde eles não queriam ir. A corrente não abrandava nunca. Aumentava....aumentava....au mentava
  • 20. Na terra dos Ciclopes Começaram a avistar terra: era uma ilha onde o navio calmamente aportou. Mas havia entre eles um que era mais forte do que todos ...mais cruel do que todos... mais bravo do que todos e que era o terror de todos. Chamava-se Polifemo e tinha um mau génio horrível, zangava-se por tudo e por nada e depois dava murros para a esquerda murros para a direita..." Depois de frustrarem as intenções que Polifemo tinha de comer os homens, conseguiram fugir da gruta, agarrados às barrigas das ovelhas, depois de terem cegado o gigante.
  • 21.
  • 22. Ilha de Éolia A viagem de Ulisses continuou e aportaram na ilha da Eólia. Foram bem recebidos e o rei ofereceu-lhes um saco feito de pele de boi onde tinha metido todos os ventos do mundo à exceção de Zéfiro, a brisa suave. Mas avisou-o do grande perigo que seria se alguém abrisse o saco pois os ventos soltar-se-iam.... Os marinheiros, curiosos por saber o que o saco continha, abriram-no às escondidas de Ulisses. os ventos...revolveram os mares agitaram as nuvens revolveram os mares agitaram as nuvens espalharam a chuva acenderam a terrível tempestade e Ulisses acordou no meio da maior confusão de que jamais houve memória!
  • 23. Ilha de Circe Cansado e desiludido, Ulisses chegou a uma nova ilha. Estranhou não ver os seus marinheiros mas encontrou Euríloco: soube então que naquela ilha vivia uma lindíssima feiticeira, Circe, que ao dar de beber aos homens um licor, os transformava em animais e os marinheiros eram agora...porcos! A deusa Minerva deu-lhe a erva da vida que o livraria da má sorte. Depois de muito tempo e do arrependimento de Circe seguiu os seus conselhos: dirigir-se à ilha dos Infernos e falar com Tirésias, o profeta que lhe daria novas da sua família. Falou- lhe também do perigo de ouvir os cânticos das sereias.... E lá foram eles, "entre onda e onda, em azul e verde, de contente coração".
  • 24. No Reino dos Infernos Nesta ilha apenas havia desolação e as sombras, as almas vagueando... Cérbero, o cão de três cabeças, o cão que dorme com os olhos abertos, guarda a gruta. Ulisses apenas comunica com as sombras a quem oferecer carne de uma ovelha negra que Circe lhe dera. E vê a mãe que ele ainda imaginava viva e lhe fala dos perigos que ameaçam a sua família e do estratagema que Penélope arranjara para adiar os seus pretendentes: de noite desmancha a teia que tece durante o dia.
  • 25. E vê Tirésias que lhe confirma a confusão que reina em Ítaca. E vê Tântalo, um homem que fora cruel em vida e que agora cumpre o seu castigo: metido numa lagoa, quando vai beber a água escoa-se; quando tenta apanhar os frutos ao seu alcance eles escapam-se-lhe
  • 26. E vê Sísifo, que fora um rei desumano e cujo castigo era empurrar um rochedo que rolava constantemente. Incapaz de suportar tanta desolação, Ulisses e os marinheiros afastaram-se daquele lugar.
  • 27. Mar das Sereias Aproximando-se do mar das Sereias os marinheiros quiseram colocar cera nos seus ouvidos mas Ulisses, teimoso, não o permitiu e insistiu em ser amarrado a um mastro. "Quero ouvir o canto das sereias. Dizem que elas encantam os marinheiros com a sua bela voz e eu quero sentir esse encantamento." E o cântico chorava suavíssimo, violentíssimo, vindo de dentro das ondas, de dentro das cores, de dentro do vento. E Ulisses sofria pavorosamente
  • 28. E os marinheiros continuavam a remar, a remar, a remar, a remar, a remar, a remar, a remar, a remar, a remar, a remar... No final Ulisses parecia um velho, cheio de sangue e suor. E continuam e passam junto de dois enormes rochedos um era como enorme boca e outro como tremenda mão e houve um naufrágio e ficou só, único sobrevivente do último naufrágio.
  • 29. Na terra dos Feácios Desmaia e perde a memória quando alcança as praias de uma nova ilha. É recebido por Nausica, a filha do rei Alcino e da rainha Arete. Está na Córcira, a terra dos Feácios. depois de contar a sua história parte para Ìtaca. E dorme. E dorme.
  • 30. Regresso a casa Os marinheiros depositam-no adormecido numa praia e partem. Quando acorda, entristecido por se encontrar de novo sozinho, vê Minerva que lhe diz estar na sua terra. Transforma-o num "mendigo roto, velho e triste em quem ninguém reconheceria o valente, belo e manhoso Ulisses".
  • 31. Na casa de Eumeu encontra Telémaco e revela-lhe quem é. Estabelecem um plano. De manhã é reconhecido pelo seu velho cão, Argus que morre de emoção e por Euricleia que, ao lavar os pés daquele mendigo reconheceu uma estranha e profunda cicatriz que só Ulisses tinha... Com a ajuda de Telémaco derrota os pretendentes de Penélope... perante um povo entusiasmado, um Telémaco orgulhoso e Penélope que o abraçava para nunca mais deixar...
  • 32. FIM