SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ
DEPARTAMENTO DE AGRIMENSURA
CURSO DE ENSINO MÉDIO TÉCNICO INTEGRADO EM AGRIMENSURA

JANAÍNA KARLING
NAIARA CRISTIANE ROHLING
RAFAELA WESSLING OENING

CRIACIONISMO X EVOLUÇÃO DE LAMARCK

TRABALHO DE BIOLOGIA

PATO BRANCO
2013
JANAÍNA KARLING
NAIARA CRISTIANE ROHLING
RAFAELA WESSLING OENING

CRIACIONISMO X EVOLUÇÃO DE LAMARCK

Trabalho elaborado para a disciplina de
Biologia, do Curso Técnico Integrado em
Agrimensura, da Universidade Tecnológica
Federal do Paraná – Câmpus Pato Branco,
como

requisito

de

nota

parcial

para

avaliação do 2° bimestre.
Orientador Professor Dr. Giovana Faneco
Pereira

PATO BRANCO
2013
Sumário
1. INTRODUÇÃO .................................................................................................................... 4
2. CRIACIONISMO ................................................................................................................. 5
2.1 O QUE É? ...................................................................................................................... 5
2.2 RELIGIÕES ................................................................................................................... 5
3. EVOLUÇÃO DE LAMARCK ............................................................................................. 7
3.1 RESUMINDO AS IDEIAS DE LAMARCK ................................................................ 8
3.2 EXEMPLOS UTILIZADOS POR LAMARCK ........................................................... 9
3.2.1 AVES PERNALTAS ............................................................................................. 9
3.2.2 TAMANDUÁ ........................................................................................................... 9
3.2.3 GIRAFA ................................................................................................................ 10
4. COMPARAÇÃO ENTRE CRIACIONISMO E EVOLUCIONISMO .......................... 10
5. CONSIDERAÇÕES FINAIS ........................................................................................... 12
6. REFERÊNCIAS ................................................................................................................ 13
4

1. INTRODUÇÃO
A discussão sobre como se originou a vida na Terra, e o próprio planeta
Terra, sempre foi motivo de muita polêmica, principalmente motivada pela rixa entre
religiosos e cientistas. Cada grupo tem uma ideia distinta sobre como tudo começou.
Os religiosos creem em Deus e os cientistas têm várias teorias sobre a evolução do
planeta e a vida (o que não envolve Deus).
Ambas as teorias tem seus furos, e situações inexplicáveis, mas isso não é
motivo para nem um dos lados admitir qualquer falha na sua crença, só é motivo
para a interminável briga continuar.
Neste trabalho vamos abordar justamente esse assunto, mostrando os dois
lados da moeda, a discussão será entre os Criacionistas e entrea primeira das
teorias da evolução das espécies, a teoria de Lamarck.
5

2. CRIACIONISMO

2.1 O QUE É?
Criacionismo é a crença que explica a origem do Universo, do planeta Terra e
de todas as formas de vida através da criação de Deus. Esta crença tem como base
às explicações que fazem parte do livro de Gênesis (Velho Testamento da Bíblia
Sagrada).

2.2 RELIGIÕES
O criacionismo faz parte da base de crenças de três importantes religiões
monoteístas do mundo: judaísmo, cristianismo e islamismo.
O Criacionismo ou Teoria Criacionista está relacionado com a ancestral
polêmica gerada pela discussão entre Ciência, Filosofia e Religião, sobre as origens
do universo, definição da vida, a origem do homem, o seu destino e sua evolução.
Esta, por sua vez, procura dar sua versão sobre tal questão, do ponto de vista
religioso.
Além de defender a teoria de que todos os seres vivos existentes foram criados
por um ou mais entes inteligentes,possui uma maior recepção em todo o planeta,
fazendo oposição à teoria evolucionista, fruto de pesquisas científicas.
Não há, porém, uma única teoria criacionista, pois cada uma está relacionada
conforme a religião e o livro sagrado que é utilizado. Segundo a mitologia grega, o
homem seria produto dos trabalhos de Epimeteu, que teria gerado o Homem repleto
de imperfeições, sem vitalidade, a partir de um modelo de barro. Compassivo, seu
irmão Prometeu, com o sacrifício próprio, roubou o fogo dos deuses para trazer à
Humanidade a vida tão desejada.
O Cristianismo tem sua própria teoria explicativa, narrada na Bíblia, seu livro
sagrado. Segundo esta religião, o homem foi criado por Deus, logo após a gênese
dos céus e da terra, também a humanidade foi modelada no barro, nesta versão ela
ganha a vida através do sopro divino, exalado em suas narinas. Variam as
argumentações feitas a partir dessas crenças, mas muitas delas apresentam várias
afinidades. O Gênesis, primeiro livro do Antigo Testamento, por exemplo, narra a
origem do mundo e do Homem com metáforas e símbolos muito semelhantes com
os das narrativas mesopotâmicas.
6

Mesmo o Criacionismo sendo uma teoria essencialmente religiosa, ela está
adquirido contornos mais filosóficos, com discussões sobre a independência da
matéria imortal, a série de emanações do Ser Divino e a criação.
Há vários mitos que tentam explicar a existência humana. Através da fantasia,
estes buscam justificar a vida, a história humana, tudo que acontece na nossa volta
e que não conseguimos entender. Pesquisadores do século XIX pensavam que a
crença em uma entidade divina superior, que criou tudo que existe, era uma
conquista do homem em uma fase cultural mais elevada, porém, recentemente
descobriu-se que povos africanos primitivos, bem como das ilhas do norte do Japão,
América, Austrália central e em várias outras partes do mundo, já cultivavam essa
mesma fé.
Ignora-se a natureza dessa entidade, mas algumas religiões tomam uma visão
antropomórfica deste ser – associam o Criador à imagem e semelhança do Homem,
fisicamente e emocionalmente. Esta criação se dá através da voz ou do pensamento
deste ente. As histórias, mesmo sendo diferentes, de uma cultura para outra,
encontra-se sempre algo em comum.
De modo geral, as ideias criacionistas, estendem a interferência divina além do
ato criador. Deus, segundo a filosofia judaico-cristã, intervém diretamente no plano
da matéria e provoca, por exemplo, o dilúvio, assim como inspira Noé a construir sua
arca e a conduzir nela diversos pares de animais, que povoarão o mundo novo.
Atualmente o Criacionismo está mais voltado à crença do protestantismo
norte-americano. O Brasil tem se esforçado para introduzir a teoria criacionista de
Ciências, embora suas referências explícitas ainda sejam inconstitucionais. Seus
adeptos tentam revestir essas teses sob o título de “análise crítica da evolução”,
para burlar a Constituição. Outras religiões aceitam algumas ideias de cunho mais
científico, como os seis dias relativos à duração do ato criador, interpretados como
seis eras geológicas, enquanto os considerados fundamentalistas abominam essa
concepção.
A teoria criacionista pode dividir os individuos em evolucionistas oupuros. Os
criacionistas evolucionistas, aceitam as teorias evolucionistas e ao mesmo tempo
acreditam que essas teorias descrevem o método como Deus criou todas as coisas,
acreditam também que a Bíblia e outros livros sagrados dão margem a uma
combinação da evolução, origem da vida e criação dizendo que Deus deu origem à
7

vida, mas permitiu que ela evoluísse.Os criacionistas puros, tem a visão somente na
criação divina, e mais nada.

3. EVOLUÇÃO DE LAMARCK
Jean-Baptiste Lamarck foi um respeitável naturalista francês, refutou as ideias
criacionistas e fixistas da época, afirmando que todas as espécies inclusive o ser
humano, descendiam de diferentes espécies preexistentes. Suas ideias eram
consideradas revolucionárias, ele acreditava que os seres vivos tinham uma
tendência para um melhoramento constante e contínuo rumo à perfeição. Ele criou
em 1802 o termo biologia, e publicou sua teoria da evolução no ano em que Darwin
nasceu 1809. Lamarck admitia que:
 As transformações decorrentes do uso ou não do órgão dos seres vivos eram
transmitidas aos seus descendentes: "Lei do uso e desuso".
 A necessidade de uma nova característica num ambiente em mudança
determinava o seu aparecimento, e essa característica passava às gerações
seguintes. Resumindo:"O meio provoca mudanças nos organismos, visando à
adaptação".
A principal crítica que o Lamarckismo recebeu se refere aos caracteres
adquiridos. Sob a influência das condições do meio e pelo uso e não uso dos
órgãos, as características adquiridas são alterações de caráter individual e não
evolutivo. É preciso distinguir a adaptação individual, que ocorre sem alteração do
genótipo, e a adaptação evolutiva, que implica sempre em uma modificação
hereditária, transmitida aos organismos que constituem uma população.
O biólogo alemão August Weismann (1834-1914) pôs por terra a afirmação
lamarckista de que "a necessidade faz o órgão", isto é, "transmissão dos caracteres
adquiridos". Durante vinte gerações Weismann cortou a cauda de camundongos que
nasciam em seu laboratório. Nas gerações seguintes, todos os animais nasciam
com a cauda novamente. Se o Lamarckismo estivesse correto, os camundongos
descendentes teriam perdido ou reduzido sua cauda.
8

3.1RESUMINDO AS IDEIAS DE LAMARCK

Mudanças Ambientais

Novas necessidades

Novos hábitos de vida

Mudanças no organismo

Transmissão das características adquiridas aos descendentes

Adaptação da espécie ao longo das gerações

Uso

Desuso

Desenvolvimento

Atrofia
9

3.2 EXEMPLOS UTILIZADOS POR LAMARCK
3.2.1 AVES PERNALTAS
As aves aquáticas tornaram-se pernaltas devido ao
esforço que faziam no sentido de esticar as pernas,
para evitar molhar as
penas durante a busca
pelo alimento.

Fonte:
http://megagamex5.blogspot.com.br/2013/07/
quem-e-lamarck.html

http://jornaldocolecionador.blogspot.com.br/2011/04/um
a-vez-flamingo-sempre-flamingo.html

3.2.2 TAMANDUÁ
A língua comprida do tamanduá teria
se desenvolvido como uma melhoria para a
sua alimentação já que ele usa a sua
língua para buscar formigas no interior dos
formigueiros.
Fonte: http://www.infoescola.com/mamiferos/tamandua-bandeira/

Foto: Fabiano Ribas/
Fonte: Assessoria de Imprensa – Gramadozoo
10

3.2.3 GIRAFA
Segundo

Lamarck,

inicialmente as girafas tinham o
pescoço curto, e se alimentavam
de uma vegetação rasteira, com
o tempo essa vegetação foi
reduzida,

então

as

girafas

tiveram que ir buscar o seu

Fonte: http://bioquiel.blogspot.com.br/2011/10/das-mutacoes-darwin.html

alimento nas árvores. O esforço que elas
faziam para alcançar os galhos altos das
árvores, fez com que o pescoço delas
começasse a se alongar, logo isso foi
passado para os descendentes, assim
todos passaram a ter pescoço longo.

Fonte:http://evolucaoespeciesmarinhas.blogspot.com.br/2010/03/teoriade-lamarck.html

4. COMPARAÇÃO ENTRE CRIACIONISMO E EVOLUCIONISMO
Criacionismo

X

O homem e os demais seres vivos são

Deus criou o homem e os demais
seres vivos já na forma atual há

X

menos de 10 mil anos.

Noé a tempo de se salvarem do

X

confirmaram que a extinção de espécies
também faz parte do processo evolutivo.

Deus teria criado todos os seres

intenção.

transformação que remonta há milhões de

Os fósseis e sua datação remota

dilúvio.

vivos seguindo um propósito e uma

resultado de uma lenta e gradual

anos.

Os fósseis são animais que não
conseguiram embarcar na Arca de

Evolucionismo

As transformações evolutivas são resultado
X

de mutações genéticas aleatórias expostas
à seleção natural pelo ambiente.
11

O homem não é descendente dos primaras

O homem foi feito a imagem e
semelhança de Deus e, portanto,

X

não descende de primatas.

atuais, mas tem uma relação de
parentesco. Ambos descendem de um
ancestral comum já extinto.
Seres vivos com ciclo de vida mais curto

Não há como comprovar a hipótese
evolutiva em laboratório e, portanto,

comprovam a evolução por seleção e
X

ela não é científica.

adaptação, como no caso de populações
de bactérias resistentes a determinados
antibióticos.

A Segunda Lei da Termodinâmica
demonstra que os sistemas tendem
naturalmente à entropia

A Segunda Lei da Termodinâmica não se
X

vivos.

(desorganização).

Os seres vivos são complexos, mas longe

A perfeição dos seres vivos
comprova a existência de um Criador X
inteligente.

de serem perfeitos. O apêndice humano é
um exemplo de estrutura residual sem
função.
A Evolução não caminha sempre para a

Mesmo admitindo a Evolução, ela só

maior complexidade. Insetos atuais são

poderia ser de origem divina por
caminhar sempre no sentido da

aplica a sistemas abertos, coo os seres

X

maior complexidade e do

mais simples que seus ancestrais já
extintos. Nem sempre evolução significa
melhoria, apenas maior adaptação ao meio

aperfeiçoamento biológico.

ambiente.
Aspectos fundamentais envolvendo a

A origem da vida ainda não é
explicada de modo satisfatório pelos
evolucionistas.

origem da vida ainda precisam ser mais
X

bem esclarecidos, mas o método científico
e não dogmático é o caminho mais
adequado para atingir esses objetivos.

Tabela 1- Comparação entre Criacionismo e Evolucionismo.
Fonte:http://revistaepoca.globo.com/Epoca/0,6993,EPT884203-1664-9,00.html
12

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS
Com este trabalho pode- se ver que a teoria de Lamarck já foi rejeitada, mas
também não pode- se desconsiderar a importância que ela teve para começar-se a
pensar em evolucionismo, hoje sua teoria pode parecer aos olhos de muitos, boba
ou primitiva, mas e se Lamarck não tivesse feito nada? E se todo mundo se
contentasse com o criacionismo? Isso sim é primitivo. Não se está desmerecendo a
teoria criacionista, a questão é que deve- se pensar além, "fora da caixa". É para
isso que as teorias da evolução funcionam, para explorar outras possibilidades, e
SE?
Também percebe- se com os conteúdos apresentados aqui, que alguns
criacionistas são extremamente conservadores, mas em contra ponto a isso alguns
poucos já começam a aceitar novas concepções, abrindo caminhos para as
possibilidades, e isso é a chave de tudo, para que haja a "paz" entre os criacionistas
e os evolucionistas deve-se haver essa comunicação, junção das ideias, para tentar
buscar respostas.
13

6. REFERÊNCIAS
http://www.ensino.alexanderfleming.com.br/figuras/projensfund58/Disciplinas/2009/C
iencias/3Bim/Fernanda/Agosto/teorias%20darwin%20e%20lamarck.pdf
http://s3.amazonaws.com/ppt-download/evolucionismoxcriacionismo-111126115147phpapp01.ppt?response-contentdisposition=attachment&Signature=2zrOqKpyuZB1somcAJy8H9Czxog%3D&Expires
=1378756516&AWSAccessKeyId=AKIAIW74DRRRQSO4NIKA
http://www.infoescola.com/filosofia/criacionismo/
http://www.brasilescola.com/historiag/criacionismo.htm
http://www.molwick.com/pt/evolucao/595-teorias-origem-do-homem.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

QUIZ DE HISTÓRIA
QUIZ DE HISTÓRIAQUIZ DE HISTÓRIA
QUIZ DE HISTÓRIA
Isabel Aguiar
 
Origem do universo e a evolução humana
Origem do universo e a evolução humanaOrigem do universo e a evolução humana
Origem do universo e a evolução humana
Douglas Barraqui
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
Andrea Barreto
 
A evolucao do ser humano 6-ano
A evolucao do ser humano 6-anoA evolucao do ser humano 6-ano
A evolucao do ser humano 6-ano
Lucas Degiovani
 
Origem da humanidade
Origem da humanidadeOrigem da humanidade
Origem da humanidade
Zé Knust
 
Prova biomas 7º ano Zeferino ADAPTADA 01.docx
Prova biomas 7º ano Zeferino ADAPTADA 01.docxProva biomas 7º ano Zeferino ADAPTADA 01.docx
Prova biomas 7º ano Zeferino ADAPTADA 01.docx
EduardoCerchi2
 
Cruzadinha de História (A ocupação humana na América)
Cruzadinha  de História  (A ocupação humana na América)Cruzadinha  de História  (A ocupação humana na América)
Cruzadinha de História (A ocupação humana na América)
Mary Alvarenga
 
Atividade de Ciências IV bimestre 7º ano
Atividade de Ciências IV  bimestre    7º anoAtividade de Ciências IV  bimestre    7º ano
Atividade de Ciências IV bimestre 7º ano
Mary Alvarenga
 
Gabarito calor e temperatura
Gabarito   calor e temperaturaGabarito   calor e temperatura
Gabarito calor e temperatura
professoraludmila
 
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema SolarAula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
Leonardo Kaplan
 
Primeiros Povoadores da América
Primeiros Povoadores da AméricaPrimeiros Povoadores da América
Primeiros Povoadores da América
edna2
 
Água - Lista de exercícios - 6º ano
Água - Lista de exercícios - 6º anoÁgua - Lista de exercícios - 6º ano
Água - Lista de exercícios - 6º ano
NAPNE
 
EvoluçãO Humana
EvoluçãO HumanaEvoluçãO Humana
EvoluçãO Humana
ecsette
 
Prova 7º ano - 1º bimestre - 2010 - SME
Prova 7º ano - 1º bimestre - 2010 - SMEProva 7º ano - 1º bimestre - 2010 - SME
Prova 7º ano - 1º bimestre - 2010 - SME
Leonardo Kaplan
 
Atividade sobre a evolução do homem 6º ano
Atividade sobre a evolução do homem 6º anoAtividade sobre a evolução do homem 6º ano
Atividade sobre a evolução do homem 6º ano
Prefeitura Municipal de São Leopoldo
 
Prova 7 ano carla 3 bimestre
Prova 7 ano carla 3 bimestreProva 7 ano carla 3 bimestre
Prova 7 ano carla 3 bimestre
Atividades Diversas Cláudia
 
A ocupação humana na América
A ocupação  humana na América    A ocupação  humana na América
A ocupação humana na América
Mary Alvarenga
 
01 os primeiros habitantes da américa
01   os primeiros habitantes da américa01   os primeiros habitantes da américa
01 os primeiros habitantes da américa
Ciências Humanas e Suas Tecnologias
 
Taxonomia - Estudo Dirigido
Taxonomia - Estudo DirigidoTaxonomia - Estudo Dirigido
Taxonomia - Estudo Dirigido
Andrea Barreto
 
Lista de exercícios recuperação 7 ano ciências
Lista de exercícios recuperação 7 ano ciênciasLista de exercícios recuperação 7 ano ciências
Lista de exercícios recuperação 7 ano ciências
FERNANDO DE LIMA SIQUEIRA
 

Mais procurados (20)

QUIZ DE HISTÓRIA
QUIZ DE HISTÓRIAQUIZ DE HISTÓRIA
QUIZ DE HISTÓRIA
 
Origem do universo e a evolução humana
Origem do universo e a evolução humanaOrigem do universo e a evolução humana
Origem do universo e a evolução humana
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
 
A evolucao do ser humano 6-ano
A evolucao do ser humano 6-anoA evolucao do ser humano 6-ano
A evolucao do ser humano 6-ano
 
Origem da humanidade
Origem da humanidadeOrigem da humanidade
Origem da humanidade
 
Prova biomas 7º ano Zeferino ADAPTADA 01.docx
Prova biomas 7º ano Zeferino ADAPTADA 01.docxProva biomas 7º ano Zeferino ADAPTADA 01.docx
Prova biomas 7º ano Zeferino ADAPTADA 01.docx
 
Cruzadinha de História (A ocupação humana na América)
Cruzadinha  de História  (A ocupação humana na América)Cruzadinha  de História  (A ocupação humana na América)
Cruzadinha de História (A ocupação humana na América)
 
Atividade de Ciências IV bimestre 7º ano
Atividade de Ciências IV  bimestre    7º anoAtividade de Ciências IV  bimestre    7º ano
Atividade de Ciências IV bimestre 7º ano
 
Gabarito calor e temperatura
Gabarito   calor e temperaturaGabarito   calor e temperatura
Gabarito calor e temperatura
 
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema SolarAula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
 
Primeiros Povoadores da América
Primeiros Povoadores da AméricaPrimeiros Povoadores da América
Primeiros Povoadores da América
 
Água - Lista de exercícios - 6º ano
Água - Lista de exercícios - 6º anoÁgua - Lista de exercícios - 6º ano
Água - Lista de exercícios - 6º ano
 
EvoluçãO Humana
EvoluçãO HumanaEvoluçãO Humana
EvoluçãO Humana
 
Prova 7º ano - 1º bimestre - 2010 - SME
Prova 7º ano - 1º bimestre - 2010 - SMEProva 7º ano - 1º bimestre - 2010 - SME
Prova 7º ano - 1º bimestre - 2010 - SME
 
Atividade sobre a evolução do homem 6º ano
Atividade sobre a evolução do homem 6º anoAtividade sobre a evolução do homem 6º ano
Atividade sobre a evolução do homem 6º ano
 
Prova 7 ano carla 3 bimestre
Prova 7 ano carla 3 bimestreProva 7 ano carla 3 bimestre
Prova 7 ano carla 3 bimestre
 
A ocupação humana na América
A ocupação  humana na América    A ocupação  humana na América
A ocupação humana na América
 
01 os primeiros habitantes da américa
01   os primeiros habitantes da américa01   os primeiros habitantes da américa
01 os primeiros habitantes da américa
 
Taxonomia - Estudo Dirigido
Taxonomia - Estudo DirigidoTaxonomia - Estudo Dirigido
Taxonomia - Estudo Dirigido
 
Lista de exercícios recuperação 7 ano ciências
Lista de exercícios recuperação 7 ano ciênciasLista de exercícios recuperação 7 ano ciências
Lista de exercícios recuperação 7 ano ciências
 

Destaque

Criacionismo x evolucionismo
Criacionismo x evolucionismoCriacionismo x evolucionismo
Criacionismo x evolucionismo
Elisa Dos Santos Cardoso
 
Criacionismo x evolucionismo
Criacionismo x evolucionismoCriacionismo x evolucionismo
Criacionismo x evolucionismo
Neiriberto Camilo Gallo Júnior
 
Do fixismo ó Evolucionismo
Do fixismo ó EvolucionismoDo fixismo ó Evolucionismo
Do fixismo ó Evolucionismo
Nere Limia
 
Apresentacao sesc-dawkins
Apresentacao sesc-dawkinsApresentacao sesc-dawkins
Apresentacao sesc-dawkins
mar_verdesmares
 
Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisa  Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisa
Professor de Química
 
Evolução - Especiação
Evolução - EspeciaçãoEvolução - Especiação
Evolução - Especiação
3a-manha
 
Lamarck
LamarckLamarck
Lamarck
carcara7
 
Lamark
LamarkLamark
Lamark
Pepa Flores
 
Evolução ( Lamarck e darwin)
Evolução ( Lamarck e darwin)Evolução ( Lamarck e darwin)
Evolução ( Lamarck e darwin)
Gisele A. Barbosa
 
Fixismo e Evolucionismo
 Fixismo e Evolucionismo Fixismo e Evolucionismo
Fixismo e Evolucionismo
elvira.sequeira
 
Evolução das espécies.
Evolução das espécies.Evolução das espécies.
Evolução das espécies.
Brenno Miranda
 
A evolução do ser humano - História 6º ano
A evolução do ser humano - História 6º anoA evolução do ser humano - História 6º ano
A evolução do ser humano - História 6º ano
Fábio Paiva
 
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
Jaqueline Sarges
 
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia JuniorElementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
Secretaria de Educação do Maranhão e Imagética Consultoria e Design
 

Destaque (15)

Criacionismo x evolucionismo
Criacionismo x evolucionismoCriacionismo x evolucionismo
Criacionismo x evolucionismo
 
Criacionismo x evolucionismo
Criacionismo x evolucionismoCriacionismo x evolucionismo
Criacionismo x evolucionismo
 
Do fixismo ó Evolucionismo
Do fixismo ó EvolucionismoDo fixismo ó Evolucionismo
Do fixismo ó Evolucionismo
 
Apresentacao sesc-dawkins
Apresentacao sesc-dawkinsApresentacao sesc-dawkins
Apresentacao sesc-dawkins
 
Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisa  Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisa
 
Evolução - Especiação
Evolução - EspeciaçãoEvolução - Especiação
Evolução - Especiação
 
Lamarck
LamarckLamarck
Lamarck
 
Lamark
LamarkLamark
Lamark
 
Evolução ( Lamarck e darwin)
Evolução ( Lamarck e darwin)Evolução ( Lamarck e darwin)
Evolução ( Lamarck e darwin)
 
Fixismo e Evolucionismo
 Fixismo e Evolucionismo Fixismo e Evolucionismo
Fixismo e Evolucionismo
 
Evolução das espécies.
Evolução das espécies.Evolução das espécies.
Evolução das espécies.
 
Bingo. ¿QUÉ HORA ES?
Bingo. ¿QUÉ HORA ES?Bingo. ¿QUÉ HORA ES?
Bingo. ¿QUÉ HORA ES?
 
A evolução do ser humano - História 6º ano
A evolução do ser humano - História 6º anoA evolução do ser humano - História 6º ano
A evolução do ser humano - História 6º ano
 
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
 
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia JuniorElementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
 

Semelhante a Criacionismo x Evolução de Lamarck

Claudia aparecida alves criação x evolução
Claudia aparecida alves   criação x evoluçãoClaudia aparecida alves   criação x evolução
Claudia aparecida alves criação x evolução
Aristoteles Rocha
 
Origem da vida 2
Origem da vida 2Origem da vida 2
Origem da vida 2
WILSONBEZERRADESOUZA
 
A origem da humanidade
A origem da humanidadeA origem da humanidade
A origem da humanidade
ViniciusGomes153
 
biologia teoria da evolução.pptx
biologia teoria da         evolução.pptxbiologia teoria da         evolução.pptx
biologia teoria da evolução.pptx
Nome Sobrenome
 
SLIDE - A ORIGEM DOS SERES HUMANOS.pptx
SLIDE - A ORIGEM DOS SERES HUMANOS.pptxSLIDE - A ORIGEM DOS SERES HUMANOS.pptx
SLIDE - A ORIGEM DOS SERES HUMANOS.pptx
EEMAS
 
2005 dezgmo espiritodormenomineralespiritismoeciencia
2005 dezgmo espiritodormenomineralespiritismoeciencia2005 dezgmo espiritodormenomineralespiritismoeciencia
2005 dezgmo espiritodormenomineralespiritismoeciencia
Cristiane Santos
 
Teoria do Criacionismo
Teoria do CriacionismoTeoria do Criacionismo
Teoria do Criacionismo
Alícia Saad
 
Livro 407
Livro 407Livro 407
Livro 407
familiaestagio
 
Módulo VIII - Darwin e a Igreja Católica
Módulo VIII - Darwin e a Igreja CatólicaMódulo VIII - Darwin e a Igreja Católica
Módulo VIII - Darwin e a Igreja Católica
Bernardo Motta
 
lohana major major.pptx
lohana major major.pptxlohana major major.pptx
lohana major major.pptx
LinoReis1
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Apostila6 (1)
Apostila6 (1)Apostila6 (1)
Apostila6 (1)
tiagaoc1
 
P1. UMA QUESTÃO PROFUNDA
P1. UMA QUESTÃO PROFUNDAP1. UMA QUESTÃO PROFUNDA
P1. UMA QUESTÃO PROFUNDA
Ariel Roth
 
O ensino do criacionismo nas aulas de ciências, a perspectiva dos professores...
O ensino do criacionismo nas aulas de ciências, a perspectiva dos professores...O ensino do criacionismo nas aulas de ciências, a perspectiva dos professores...
O ensino do criacionismo nas aulas de ciências, a perspectiva dos professores...
André Roubles de Castilho
 
Biogeografia.pdf
Biogeografia.pdfBiogeografia.pdf
Biogeografia.pdf
ValdemiroNhantumbo
 
A Origem do Ser Humano - 6º Ano (2018)
A Origem do Ser Humano - 6º Ano (2018)A Origem do Ser Humano - 6º Ano (2018)
A Origem do Ser Humano - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Processos evolutivos
Processos evolutivosProcessos evolutivos
Processos evolutivos
Gilvan Serafim-Filho
 
Resenha filosofia da religião e filosofia da ciência
Resenha filosofia da religião e filosofia da ciênciaResenha filosofia da religião e filosofia da ciência
Resenha filosofia da religião e filosofia da ciência
Paulo Pereira
 
Resumo Teorias Evolutivas Lamarck Darwin e Neodarwinismo.pdf
Resumo Teorias Evolutivas Lamarck Darwin e Neodarwinismo.pdfResumo Teorias Evolutivas Lamarck Darwin e Neodarwinismo.pdf
Resumo Teorias Evolutivas Lamarck Darwin e Neodarwinismo.pdf
MARCELARUBIAGAVA
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
3a-manha
 

Semelhante a Criacionismo x Evolução de Lamarck (20)

Claudia aparecida alves criação x evolução
Claudia aparecida alves   criação x evoluçãoClaudia aparecida alves   criação x evolução
Claudia aparecida alves criação x evolução
 
Origem da vida 2
Origem da vida 2Origem da vida 2
Origem da vida 2
 
A origem da humanidade
A origem da humanidadeA origem da humanidade
A origem da humanidade
 
biologia teoria da evolução.pptx
biologia teoria da         evolução.pptxbiologia teoria da         evolução.pptx
biologia teoria da evolução.pptx
 
SLIDE - A ORIGEM DOS SERES HUMANOS.pptx
SLIDE - A ORIGEM DOS SERES HUMANOS.pptxSLIDE - A ORIGEM DOS SERES HUMANOS.pptx
SLIDE - A ORIGEM DOS SERES HUMANOS.pptx
 
2005 dezgmo espiritodormenomineralespiritismoeciencia
2005 dezgmo espiritodormenomineralespiritismoeciencia2005 dezgmo espiritodormenomineralespiritismoeciencia
2005 dezgmo espiritodormenomineralespiritismoeciencia
 
Teoria do Criacionismo
Teoria do CriacionismoTeoria do Criacionismo
Teoria do Criacionismo
 
Livro 407
Livro 407Livro 407
Livro 407
 
Módulo VIII - Darwin e a Igreja Católica
Módulo VIII - Darwin e a Igreja CatólicaMódulo VIII - Darwin e a Igreja Católica
Módulo VIII - Darwin e a Igreja Católica
 
lohana major major.pptx
lohana major major.pptxlohana major major.pptx
lohana major major.pptx
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Apostila6 (1)
Apostila6 (1)Apostila6 (1)
Apostila6 (1)
 
P1. UMA QUESTÃO PROFUNDA
P1. UMA QUESTÃO PROFUNDAP1. UMA QUESTÃO PROFUNDA
P1. UMA QUESTÃO PROFUNDA
 
O ensino do criacionismo nas aulas de ciências, a perspectiva dos professores...
O ensino do criacionismo nas aulas de ciências, a perspectiva dos professores...O ensino do criacionismo nas aulas de ciências, a perspectiva dos professores...
O ensino do criacionismo nas aulas de ciências, a perspectiva dos professores...
 
Biogeografia.pdf
Biogeografia.pdfBiogeografia.pdf
Biogeografia.pdf
 
A Origem do Ser Humano - 6º Ano (2018)
A Origem do Ser Humano - 6º Ano (2018)A Origem do Ser Humano - 6º Ano (2018)
A Origem do Ser Humano - 6º Ano (2018)
 
Processos evolutivos
Processos evolutivosProcessos evolutivos
Processos evolutivos
 
Resenha filosofia da religião e filosofia da ciência
Resenha filosofia da religião e filosofia da ciênciaResenha filosofia da religião e filosofia da ciência
Resenha filosofia da religião e filosofia da ciência
 
Resumo Teorias Evolutivas Lamarck Darwin e Neodarwinismo.pdf
Resumo Teorias Evolutivas Lamarck Darwin e Neodarwinismo.pdfResumo Teorias Evolutivas Lamarck Darwin e Neodarwinismo.pdf
Resumo Teorias Evolutivas Lamarck Darwin e Neodarwinismo.pdf
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 

Mais de naiararohling

Mídia na era vargas
Mídia na era vargasMídia na era vargas
Mídia na era vargas
naiararohling
 
A formação da classe operária inglesa
A formação da classe operária inglesaA formação da classe operária inglesa
A formação da classe operária inglesa
naiararohling
 
A revolução Francesa - Albert Soboul
A revolução Francesa - Albert SoboulA revolução Francesa - Albert Soboul
A revolução Francesa - Albert Soboul
naiararohling
 
Pedagogia Nova
Pedagogia NovaPedagogia Nova
Pedagogia Nova
naiararohling
 
SIG e Meio Ambiente
SIG e Meio Ambiente SIG e Meio Ambiente
SIG e Meio Ambiente
naiararohling
 
Atestado
AtestadoAtestado
Atestado
naiararohling
 
Aerofotogrametria
AerofotogrametriaAerofotogrametria
Aerofotogrametria
naiararohling
 
Problemas e Hispóteses de Pesquisas
Problemas e Hispóteses de PesquisasProblemas e Hispóteses de Pesquisas
Problemas e Hispóteses de Pesquisas
naiararohling
 
A Sociologia de Durkheim e a Sociologia alemã de Max Weber
A Sociologia de Durkheim e a Sociologia alemã de Max WeberA Sociologia de Durkheim e a Sociologia alemã de Max Weber
A Sociologia de Durkheim e a Sociologia alemã de Max Weber
naiararohling
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
naiararohling
 
Resumo do livro Sherlock Holmes- Um Estudo em Vermelho
Resumo do livro Sherlock Holmes- Um Estudo em VermelhoResumo do livro Sherlock Holmes- Um Estudo em Vermelho
Resumo do livro Sherlock Holmes- Um Estudo em Vermelho
naiararohling
 
Resenha do filme Mauá
Resenha do filme MauáResenha do filme Mauá
Resenha do filme Mauá
naiararohling
 
Sistemas de Referência Terrestre
Sistemas de Referência TerrestreSistemas de Referência Terrestre
Sistemas de Referência Terrestre
naiararohling
 
Sensoriamento Remoto
Sensoriamento RemotoSensoriamento Remoto
Sensoriamento Remoto
naiararohling
 

Mais de naiararohling (14)

Mídia na era vargas
Mídia na era vargasMídia na era vargas
Mídia na era vargas
 
A formação da classe operária inglesa
A formação da classe operária inglesaA formação da classe operária inglesa
A formação da classe operária inglesa
 
A revolução Francesa - Albert Soboul
A revolução Francesa - Albert SoboulA revolução Francesa - Albert Soboul
A revolução Francesa - Albert Soboul
 
Pedagogia Nova
Pedagogia NovaPedagogia Nova
Pedagogia Nova
 
SIG e Meio Ambiente
SIG e Meio Ambiente SIG e Meio Ambiente
SIG e Meio Ambiente
 
Atestado
AtestadoAtestado
Atestado
 
Aerofotogrametria
AerofotogrametriaAerofotogrametria
Aerofotogrametria
 
Problemas e Hispóteses de Pesquisas
Problemas e Hispóteses de PesquisasProblemas e Hispóteses de Pesquisas
Problemas e Hispóteses de Pesquisas
 
A Sociologia de Durkheim e a Sociologia alemã de Max Weber
A Sociologia de Durkheim e a Sociologia alemã de Max WeberA Sociologia de Durkheim e a Sociologia alemã de Max Weber
A Sociologia de Durkheim e a Sociologia alemã de Max Weber
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 
Resumo do livro Sherlock Holmes- Um Estudo em Vermelho
Resumo do livro Sherlock Holmes- Um Estudo em VermelhoResumo do livro Sherlock Holmes- Um Estudo em Vermelho
Resumo do livro Sherlock Holmes- Um Estudo em Vermelho
 
Resenha do filme Mauá
Resenha do filme MauáResenha do filme Mauá
Resenha do filme Mauá
 
Sistemas de Referência Terrestre
Sistemas de Referência TerrestreSistemas de Referência Terrestre
Sistemas de Referência Terrestre
 
Sensoriamento Remoto
Sensoriamento RemotoSensoriamento Remoto
Sensoriamento Remoto
 

Último

A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 

Último (20)

A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 

Criacionismo x Evolução de Lamarck

  • 1. UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE AGRIMENSURA CURSO DE ENSINO MÉDIO TÉCNICO INTEGRADO EM AGRIMENSURA JANAÍNA KARLING NAIARA CRISTIANE ROHLING RAFAELA WESSLING OENING CRIACIONISMO X EVOLUÇÃO DE LAMARCK TRABALHO DE BIOLOGIA PATO BRANCO 2013
  • 2. JANAÍNA KARLING NAIARA CRISTIANE ROHLING RAFAELA WESSLING OENING CRIACIONISMO X EVOLUÇÃO DE LAMARCK Trabalho elaborado para a disciplina de Biologia, do Curso Técnico Integrado em Agrimensura, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Câmpus Pato Branco, como requisito de nota parcial para avaliação do 2° bimestre. Orientador Professor Dr. Giovana Faneco Pereira PATO BRANCO 2013
  • 3. Sumário 1. INTRODUÇÃO .................................................................................................................... 4 2. CRIACIONISMO ................................................................................................................. 5 2.1 O QUE É? ...................................................................................................................... 5 2.2 RELIGIÕES ................................................................................................................... 5 3. EVOLUÇÃO DE LAMARCK ............................................................................................. 7 3.1 RESUMINDO AS IDEIAS DE LAMARCK ................................................................ 8 3.2 EXEMPLOS UTILIZADOS POR LAMARCK ........................................................... 9 3.2.1 AVES PERNALTAS ............................................................................................. 9 3.2.2 TAMANDUÁ ........................................................................................................... 9 3.2.3 GIRAFA ................................................................................................................ 10 4. COMPARAÇÃO ENTRE CRIACIONISMO E EVOLUCIONISMO .......................... 10 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS ........................................................................................... 12 6. REFERÊNCIAS ................................................................................................................ 13
  • 4. 4 1. INTRODUÇÃO A discussão sobre como se originou a vida na Terra, e o próprio planeta Terra, sempre foi motivo de muita polêmica, principalmente motivada pela rixa entre religiosos e cientistas. Cada grupo tem uma ideia distinta sobre como tudo começou. Os religiosos creem em Deus e os cientistas têm várias teorias sobre a evolução do planeta e a vida (o que não envolve Deus). Ambas as teorias tem seus furos, e situações inexplicáveis, mas isso não é motivo para nem um dos lados admitir qualquer falha na sua crença, só é motivo para a interminável briga continuar. Neste trabalho vamos abordar justamente esse assunto, mostrando os dois lados da moeda, a discussão será entre os Criacionistas e entrea primeira das teorias da evolução das espécies, a teoria de Lamarck.
  • 5. 5 2. CRIACIONISMO 2.1 O QUE É? Criacionismo é a crença que explica a origem do Universo, do planeta Terra e de todas as formas de vida através da criação de Deus. Esta crença tem como base às explicações que fazem parte do livro de Gênesis (Velho Testamento da Bíblia Sagrada). 2.2 RELIGIÕES O criacionismo faz parte da base de crenças de três importantes religiões monoteístas do mundo: judaísmo, cristianismo e islamismo. O Criacionismo ou Teoria Criacionista está relacionado com a ancestral polêmica gerada pela discussão entre Ciência, Filosofia e Religião, sobre as origens do universo, definição da vida, a origem do homem, o seu destino e sua evolução. Esta, por sua vez, procura dar sua versão sobre tal questão, do ponto de vista religioso. Além de defender a teoria de que todos os seres vivos existentes foram criados por um ou mais entes inteligentes,possui uma maior recepção em todo o planeta, fazendo oposição à teoria evolucionista, fruto de pesquisas científicas. Não há, porém, uma única teoria criacionista, pois cada uma está relacionada conforme a religião e o livro sagrado que é utilizado. Segundo a mitologia grega, o homem seria produto dos trabalhos de Epimeteu, que teria gerado o Homem repleto de imperfeições, sem vitalidade, a partir de um modelo de barro. Compassivo, seu irmão Prometeu, com o sacrifício próprio, roubou o fogo dos deuses para trazer à Humanidade a vida tão desejada. O Cristianismo tem sua própria teoria explicativa, narrada na Bíblia, seu livro sagrado. Segundo esta religião, o homem foi criado por Deus, logo após a gênese dos céus e da terra, também a humanidade foi modelada no barro, nesta versão ela ganha a vida através do sopro divino, exalado em suas narinas. Variam as argumentações feitas a partir dessas crenças, mas muitas delas apresentam várias afinidades. O Gênesis, primeiro livro do Antigo Testamento, por exemplo, narra a origem do mundo e do Homem com metáforas e símbolos muito semelhantes com os das narrativas mesopotâmicas.
  • 6. 6 Mesmo o Criacionismo sendo uma teoria essencialmente religiosa, ela está adquirido contornos mais filosóficos, com discussões sobre a independência da matéria imortal, a série de emanações do Ser Divino e a criação. Há vários mitos que tentam explicar a existência humana. Através da fantasia, estes buscam justificar a vida, a história humana, tudo que acontece na nossa volta e que não conseguimos entender. Pesquisadores do século XIX pensavam que a crença em uma entidade divina superior, que criou tudo que existe, era uma conquista do homem em uma fase cultural mais elevada, porém, recentemente descobriu-se que povos africanos primitivos, bem como das ilhas do norte do Japão, América, Austrália central e em várias outras partes do mundo, já cultivavam essa mesma fé. Ignora-se a natureza dessa entidade, mas algumas religiões tomam uma visão antropomórfica deste ser – associam o Criador à imagem e semelhança do Homem, fisicamente e emocionalmente. Esta criação se dá através da voz ou do pensamento deste ente. As histórias, mesmo sendo diferentes, de uma cultura para outra, encontra-se sempre algo em comum. De modo geral, as ideias criacionistas, estendem a interferência divina além do ato criador. Deus, segundo a filosofia judaico-cristã, intervém diretamente no plano da matéria e provoca, por exemplo, o dilúvio, assim como inspira Noé a construir sua arca e a conduzir nela diversos pares de animais, que povoarão o mundo novo. Atualmente o Criacionismo está mais voltado à crença do protestantismo norte-americano. O Brasil tem se esforçado para introduzir a teoria criacionista de Ciências, embora suas referências explícitas ainda sejam inconstitucionais. Seus adeptos tentam revestir essas teses sob o título de “análise crítica da evolução”, para burlar a Constituição. Outras religiões aceitam algumas ideias de cunho mais científico, como os seis dias relativos à duração do ato criador, interpretados como seis eras geológicas, enquanto os considerados fundamentalistas abominam essa concepção. A teoria criacionista pode dividir os individuos em evolucionistas oupuros. Os criacionistas evolucionistas, aceitam as teorias evolucionistas e ao mesmo tempo acreditam que essas teorias descrevem o método como Deus criou todas as coisas, acreditam também que a Bíblia e outros livros sagrados dão margem a uma combinação da evolução, origem da vida e criação dizendo que Deus deu origem à
  • 7. 7 vida, mas permitiu que ela evoluísse.Os criacionistas puros, tem a visão somente na criação divina, e mais nada. 3. EVOLUÇÃO DE LAMARCK Jean-Baptiste Lamarck foi um respeitável naturalista francês, refutou as ideias criacionistas e fixistas da época, afirmando que todas as espécies inclusive o ser humano, descendiam de diferentes espécies preexistentes. Suas ideias eram consideradas revolucionárias, ele acreditava que os seres vivos tinham uma tendência para um melhoramento constante e contínuo rumo à perfeição. Ele criou em 1802 o termo biologia, e publicou sua teoria da evolução no ano em que Darwin nasceu 1809. Lamarck admitia que:  As transformações decorrentes do uso ou não do órgão dos seres vivos eram transmitidas aos seus descendentes: "Lei do uso e desuso".  A necessidade de uma nova característica num ambiente em mudança determinava o seu aparecimento, e essa característica passava às gerações seguintes. Resumindo:"O meio provoca mudanças nos organismos, visando à adaptação". A principal crítica que o Lamarckismo recebeu se refere aos caracteres adquiridos. Sob a influência das condições do meio e pelo uso e não uso dos órgãos, as características adquiridas são alterações de caráter individual e não evolutivo. É preciso distinguir a adaptação individual, que ocorre sem alteração do genótipo, e a adaptação evolutiva, que implica sempre em uma modificação hereditária, transmitida aos organismos que constituem uma população. O biólogo alemão August Weismann (1834-1914) pôs por terra a afirmação lamarckista de que "a necessidade faz o órgão", isto é, "transmissão dos caracteres adquiridos". Durante vinte gerações Weismann cortou a cauda de camundongos que nasciam em seu laboratório. Nas gerações seguintes, todos os animais nasciam com a cauda novamente. Se o Lamarckismo estivesse correto, os camundongos descendentes teriam perdido ou reduzido sua cauda.
  • 8. 8 3.1RESUMINDO AS IDEIAS DE LAMARCK Mudanças Ambientais Novas necessidades Novos hábitos de vida Mudanças no organismo Transmissão das características adquiridas aos descendentes Adaptação da espécie ao longo das gerações Uso Desuso Desenvolvimento Atrofia
  • 9. 9 3.2 EXEMPLOS UTILIZADOS POR LAMARCK 3.2.1 AVES PERNALTAS As aves aquáticas tornaram-se pernaltas devido ao esforço que faziam no sentido de esticar as pernas, para evitar molhar as penas durante a busca pelo alimento. Fonte: http://megagamex5.blogspot.com.br/2013/07/ quem-e-lamarck.html http://jornaldocolecionador.blogspot.com.br/2011/04/um a-vez-flamingo-sempre-flamingo.html 3.2.2 TAMANDUÁ A língua comprida do tamanduá teria se desenvolvido como uma melhoria para a sua alimentação já que ele usa a sua língua para buscar formigas no interior dos formigueiros. Fonte: http://www.infoescola.com/mamiferos/tamandua-bandeira/ Foto: Fabiano Ribas/ Fonte: Assessoria de Imprensa – Gramadozoo
  • 10. 10 3.2.3 GIRAFA Segundo Lamarck, inicialmente as girafas tinham o pescoço curto, e se alimentavam de uma vegetação rasteira, com o tempo essa vegetação foi reduzida, então as girafas tiveram que ir buscar o seu Fonte: http://bioquiel.blogspot.com.br/2011/10/das-mutacoes-darwin.html alimento nas árvores. O esforço que elas faziam para alcançar os galhos altos das árvores, fez com que o pescoço delas começasse a se alongar, logo isso foi passado para os descendentes, assim todos passaram a ter pescoço longo. Fonte:http://evolucaoespeciesmarinhas.blogspot.com.br/2010/03/teoriade-lamarck.html 4. COMPARAÇÃO ENTRE CRIACIONISMO E EVOLUCIONISMO Criacionismo X O homem e os demais seres vivos são Deus criou o homem e os demais seres vivos já na forma atual há X menos de 10 mil anos. Noé a tempo de se salvarem do X confirmaram que a extinção de espécies também faz parte do processo evolutivo. Deus teria criado todos os seres intenção. transformação que remonta há milhões de Os fósseis e sua datação remota dilúvio. vivos seguindo um propósito e uma resultado de uma lenta e gradual anos. Os fósseis são animais que não conseguiram embarcar na Arca de Evolucionismo As transformações evolutivas são resultado X de mutações genéticas aleatórias expostas à seleção natural pelo ambiente.
  • 11. 11 O homem não é descendente dos primaras O homem foi feito a imagem e semelhança de Deus e, portanto, X não descende de primatas. atuais, mas tem uma relação de parentesco. Ambos descendem de um ancestral comum já extinto. Seres vivos com ciclo de vida mais curto Não há como comprovar a hipótese evolutiva em laboratório e, portanto, comprovam a evolução por seleção e X ela não é científica. adaptação, como no caso de populações de bactérias resistentes a determinados antibióticos. A Segunda Lei da Termodinâmica demonstra que os sistemas tendem naturalmente à entropia A Segunda Lei da Termodinâmica não se X vivos. (desorganização). Os seres vivos são complexos, mas longe A perfeição dos seres vivos comprova a existência de um Criador X inteligente. de serem perfeitos. O apêndice humano é um exemplo de estrutura residual sem função. A Evolução não caminha sempre para a Mesmo admitindo a Evolução, ela só maior complexidade. Insetos atuais são poderia ser de origem divina por caminhar sempre no sentido da aplica a sistemas abertos, coo os seres X maior complexidade e do mais simples que seus ancestrais já extintos. Nem sempre evolução significa melhoria, apenas maior adaptação ao meio aperfeiçoamento biológico. ambiente. Aspectos fundamentais envolvendo a A origem da vida ainda não é explicada de modo satisfatório pelos evolucionistas. origem da vida ainda precisam ser mais X bem esclarecidos, mas o método científico e não dogmático é o caminho mais adequado para atingir esses objetivos. Tabela 1- Comparação entre Criacionismo e Evolucionismo. Fonte:http://revistaepoca.globo.com/Epoca/0,6993,EPT884203-1664-9,00.html
  • 12. 12 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Com este trabalho pode- se ver que a teoria de Lamarck já foi rejeitada, mas também não pode- se desconsiderar a importância que ela teve para começar-se a pensar em evolucionismo, hoje sua teoria pode parecer aos olhos de muitos, boba ou primitiva, mas e se Lamarck não tivesse feito nada? E se todo mundo se contentasse com o criacionismo? Isso sim é primitivo. Não se está desmerecendo a teoria criacionista, a questão é que deve- se pensar além, "fora da caixa". É para isso que as teorias da evolução funcionam, para explorar outras possibilidades, e SE? Também percebe- se com os conteúdos apresentados aqui, que alguns criacionistas são extremamente conservadores, mas em contra ponto a isso alguns poucos já começam a aceitar novas concepções, abrindo caminhos para as possibilidades, e isso é a chave de tudo, para que haja a "paz" entre os criacionistas e os evolucionistas deve-se haver essa comunicação, junção das ideias, para tentar buscar respostas.