SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
Professor Jailton
Adjunto adnominal
 é o termo da oração que sempre se refere a um substantivo
que funciona como núcleo de um termo, a fim de
determiná-lo, indeterminá-lo ou caracterizá-lo.
adj. adn. adj. adn. adj. adn. adj. adn. adj: adn.
Os dois primeiros colocados disputarão a medalha de ouro.
Diferença entre adjunto adnominal e
complemento nominal
Em alguns casos, quando o adjunto adnominal vem introduzido
por preposição, pode ser confundido com o complemento nominal.
Para que não haja equívocos, observe o seguinte:
1. Se o termo introduzido por preposição estiver ligado a adjetivo
ou advérbio, será - sem dúvida alguma - complemento
nominal, pois, como vimos, o adjunto adnominal refere-se
sempre a um substantivo:
compl. nominal
Era favorável ao divórcio.
adjetivo
compl. nominal
Depôs favoravelmente ao réu.
advérbio
2. Se o termo introduzido por preposição estiver ligado a substantivo,
será:
a) adjunto adnominal, se tiver sentido ativo:
adj. adn.
A resposta do aluno foi satisfatória.
(O aluno deu a resposta: sentido ativo.)
b) complemento nominal, se tiver sentido passivo:
compl. nominal
A resposta ao aluno foi satisfatória.
(O aluno recebeu a resposta: sentido passivo.)
adj. adn. compl. nominal
As reclamações do técnico aos jogadores tinham fundamento.
(O técnico fez as reclamações: sentido ativo; os jogadores receberam as reclamações: sentido
passivo.)
Morfossintaxe do adjunto adnominal
O adjunto adnominal pode ser representado por:
a) artigo:
O menino chegou.
b) numeral adjetivo:
Dois meninos chegaram.
Morfossintaxe do adjunto adnominal
O adjunto adnominal pode ser representado por:
c) pronome adjetivo:
Aqueles meninos chegaram.
d) pronome pessoal oblíquo (equivalendo a pronome possessivo):
adj. adn.
Roubaram- me os documentos.
(= Roubaram os meus documentos.)
adj. adn.
Nem te reconheci a voz.
(Nem reconheci a tua voz.)
Morfossintaxe do adjunto adnominal
O adjunto adnominal pode ser representado por:
e) adjetivo:
Meninos tristes chegaram.
f) locução adjetiva:
Meninos do interior chegaram.
g) oração subordinada:
O homem que trabalha progride.
Adjunto adverbial
Adjunto adverbial é o termo da oração que se liga a um verbo, com ou sem
preposição, a fim de indicar uma circunstância qualquer.
adj. adv. adj. adv.
O inverno chegou cedo. Os viajantes chegaram a São Paulo.
verbo verbo
adj. adv.
Os estudantes leram o livro na biblioteca.
verbo
O adjunto adverbial pode também estar ligado a adjetivos ou advérbios, para lhes
intensificar o sentido:
adj. adv. adj. adv.
Flávia é muito estudiosa. Aristides fala muito bem.
adjetivo advérbio
Classificação dos adjuntos adverbiais
Embora a Nomenclatura Gramatical Brasileira (NGB) não apresente uma classificação dos
adjuntos adverbiais, é comum classificá-los de acordo com as inúmeras circunstâncias que
expressam. Vejamos as mais comuns:
lugar: Moro em São Paulo.
finalidade: Estudou para a prova.
tempo: Cheguei cedo.
condição: Nada se consegue sem muito trabalho.
modo: Falava bem.
concessão: Nada conseguiu apesar de tanto esforço.
instrumento: Cortou-se com a faca.
companhia: Saiu com os amigos.
intensidade: Falavam muito.
negação: Ele nunca viaja nas férias.
meio: Ele veio de ônibus.
afirmação: O juiz certamente condenará o réu.
assunto: Falavam sobre política.
dúvida: Talvez ele se candidate ao cargo de governador.
causa: Morreu de tuberculose.
Morfossintaxe do adjunto adverbial
O adjunto adverbial será representado por um advérbio,
por uma locução ou expressão adverbial. Também pode
ser expresso por uma oração, que receberá o nome de
oração subordinada adverbial.
Cheguei quando eram 10 horas.
Aposto
Aposto é o termo da oração colocado junto a um nome (ou
pronome) que o antecede, com a função de explicar,
especificar, enumerar, resumir este nome.
Entre o aposto e o nome a que ele se refere normalmente há
uma pausa, marcada na escrita por sinal de pontuação. No
exemplo a seguir, a função do aposto é explicar (aposto
explicativo):
aposto
Lúcia, aluna do nono ano, foi bem na prova.
nome
No próximo caso, a função do aposto é enumerar (aposto
enumerativo):
nome aposto
Na despensa havia os seguintes produtos: açúcar, café,
sal, macarrão e óleo.
Com a função de resumir (aposto resumitivo ou
recapitulativo), temos o seguinte exemplo de aposto:
Eletrodomésticos, joias, dinheiro, documentos, tudo
foi roubado.
Quando a função do aposto é especificar, normalmente não
há pausa e, consequentemente, não há sinal de pontuação
entre ele e o nome especificado. A esse tipo de aposto dá-se o
nome de aposto especificativo:
aposto
A cidade de São Paulo apresenta altos índices de poluição
ambiental.
aposto
Compraram os presentes na rua Direita.
aposto aposto
Compraram salsicha Sadia e margarina Doriana.
nome nome
 Observe que o aposto especificativo é representado por um
nome próprio que determina um nome comum. 0 aposto
estabelece com o nome a que se refere uma relação de
equivalência.
Morfossintaxe do aposto
O aposto tem função substantiva na oração, o que significa que seu núcleo será
representado por um substantivo ou por uma palavra com valor de substantivo:
aposto
O Brasil, maior país da América do Sul, apresenta inúmeros contrastes.
núcleo: substantivo aposto
Algumas pessoas, idosos e gestantes, têm atendimento prioritário.
núcleos: palavras com valor de substantivo
O aposto pode também ser representado por uma oração subordinada, que receberá
o nome de oração subordinada substantiva apositiva:
Desejamos apenas isto: que o novo milênio traga a paz.
or. sub. subs. Apositiva
Queremos somente uma coisa: encerrar o ano com saúde.
or. sub. subs. Apositiva
Vocativo
Vocativo é o termo da oração cuja função é a de chamar ou interpelar um
interlocutor, real ou imaginário.
 O vocativo é um termo independente dentro da oração. Não faz parte nem do
sujeito, nem do predicado; por isso, não pertence a nenhum dos grandes grupos de
termos da oração (termos essenciais, termos integrantes e termos acessórios).
 Na escrita, deve vir sempre separado por sinal de pontuação (vírgula ou ponto de
exclamação) e, quando se quer enfatizá-lo, costuma-se precedê-lo pela interjeição
de chamamento ó.
 Quanto à posição, o vocativo pode vir no início, no meio ou no final da frase:
vocativo
"Xará, um rio pode ser o riso líquido das crianças ou as lágrimas secas dos velhos."
(Lourenço Diaféria)
vocativo
"- Muito bom dia, senhora, que nesta janela está (...)" (João Cabral de Melo Neto)
vocativo
"Gosto muito de você, leãozinho." (Caetano Veloso)
Morfossintaxe do vocativo
Como se refere a um ser, o vocativo é representado por um
substantivo ou pronome substantivo.
Gabriela, feche todas as janelas que está começando a
chover.
Como é agradável e espantosa a sua história, maninha." (Livro
das mil e uma noites)
Você, não fique aí parado, volte imediatamente para o seu
lugar.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a termos_acessorios_e_vocativo.pdf

Português
PortuguêsPortuguês
Português
sufia1
 
[Trabalho_de_Portoguês]
[Trabalho_de_Portoguês][Trabalho_de_Portoguês]
[Trabalho_de_Portoguês]
Danny_9
 
Estrutura e formação das palavras 1 bimestre
Estrutura e formação das palavras 1 bimestreEstrutura e formação das palavras 1 bimestre
Estrutura e formação das palavras 1 bimestre
rafaelcef3
 
Aula 12
Aula 12Aula 12
Aula 12
gsbq
 
Sujeito e predicado
Sujeito e predicadoSujeito e predicado
Sujeito e predicado
ricardo melo
 
Aula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°p
Aula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°pAula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°p
Aula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°p
Viviane Oliveira
 

Semelhante a termos_acessorios_e_vocativo.pdf (20)

Advérbios
AdvérbiosAdvérbios
Advérbios
 
Funções sintáticas
Funções sintáticasFunções sintáticas
Funções sintáticas
 
Adj adnominal e compl nominal
Adj adnominal e compl nominalAdj adnominal e compl nominal
Adj adnominal e compl nominal
 
Português
PortuguêsPortuguês
Português
 
08 - Termos da oração
08 - Termos da oração08 - Termos da oração
08 - Termos da oração
 
Plural dos substantivos
Plural dos substantivosPlural dos substantivos
Plural dos substantivos
 
[Trabalho_de_Portoguês]
[Trabalho_de_Portoguês][Trabalho_de_Portoguês]
[Trabalho_de_Portoguês]
 
Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.
 
Sintaxe Volume 1
Sintaxe Volume 1Sintaxe Volume 1
Sintaxe Volume 1
 
4561c1db-8ef9-4adc-8cf8-e8fbca63677b.pptx
4561c1db-8ef9-4adc-8cf8-e8fbca63677b.pptx4561c1db-8ef9-4adc-8cf8-e8fbca63677b.pptx
4561c1db-8ef9-4adc-8cf8-e8fbca63677b.pptx
 
4561c1db-8ef9-4adc-8cf8-e8fbca63677b 2.pptx
4561c1db-8ef9-4adc-8cf8-e8fbca63677b 2.pptx4561c1db-8ef9-4adc-8cf8-e8fbca63677b 2.pptx
4561c1db-8ef9-4adc-8cf8-e8fbca63677b 2.pptx
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
 
Funções sintáticas ao nível da frase
Funções sintáticas ao nível da fraseFunções sintáticas ao nível da frase
Funções sintáticas ao nível da frase
 
Estrutura e formação das palavras 1 bimestre
Estrutura e formação das palavras 1 bimestreEstrutura e formação das palavras 1 bimestre
Estrutura e formação das palavras 1 bimestre
 
3361550df8a92b19_Portugues6.pdfkjfkgjkjhgi
3361550df8a92b19_Portugues6.pdfkjfkgjkjhgi3361550df8a92b19_Portugues6.pdfkjfkgjkjhgi
3361550df8a92b19_Portugues6.pdfkjfkgjkjhgi
 
Aula 12
Aula 12Aula 12
Aula 12
 
Funções sintáticas
Funções sintáticasFunções sintáticas
Funções sintáticas
 
Sujeito e predicado
Sujeito e predicadoSujeito e predicado
Sujeito e predicado
 
Aula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°p
Aula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°pAula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°p
Aula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°p
 
Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2
 

Último

Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
LeandroLima265595
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 

Último (20)

Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 

termos_acessorios_e_vocativo.pdf

  • 2. Adjunto adnominal  é o termo da oração que sempre se refere a um substantivo que funciona como núcleo de um termo, a fim de determiná-lo, indeterminá-lo ou caracterizá-lo. adj. adn. adj. adn. adj. adn. adj. adn. adj: adn. Os dois primeiros colocados disputarão a medalha de ouro.
  • 3. Diferença entre adjunto adnominal e complemento nominal Em alguns casos, quando o adjunto adnominal vem introduzido por preposição, pode ser confundido com o complemento nominal. Para que não haja equívocos, observe o seguinte: 1. Se o termo introduzido por preposição estiver ligado a adjetivo ou advérbio, será - sem dúvida alguma - complemento nominal, pois, como vimos, o adjunto adnominal refere-se sempre a um substantivo: compl. nominal Era favorável ao divórcio. adjetivo compl. nominal Depôs favoravelmente ao réu. advérbio
  • 4. 2. Se o termo introduzido por preposição estiver ligado a substantivo, será: a) adjunto adnominal, se tiver sentido ativo: adj. adn. A resposta do aluno foi satisfatória. (O aluno deu a resposta: sentido ativo.) b) complemento nominal, se tiver sentido passivo: compl. nominal A resposta ao aluno foi satisfatória. (O aluno recebeu a resposta: sentido passivo.) adj. adn. compl. nominal As reclamações do técnico aos jogadores tinham fundamento. (O técnico fez as reclamações: sentido ativo; os jogadores receberam as reclamações: sentido passivo.)
  • 5. Morfossintaxe do adjunto adnominal O adjunto adnominal pode ser representado por: a) artigo: O menino chegou. b) numeral adjetivo: Dois meninos chegaram.
  • 6. Morfossintaxe do adjunto adnominal O adjunto adnominal pode ser representado por: c) pronome adjetivo: Aqueles meninos chegaram. d) pronome pessoal oblíquo (equivalendo a pronome possessivo): adj. adn. Roubaram- me os documentos. (= Roubaram os meus documentos.) adj. adn. Nem te reconheci a voz. (Nem reconheci a tua voz.)
  • 7. Morfossintaxe do adjunto adnominal O adjunto adnominal pode ser representado por: e) adjetivo: Meninos tristes chegaram. f) locução adjetiva: Meninos do interior chegaram. g) oração subordinada: O homem que trabalha progride.
  • 8. Adjunto adverbial Adjunto adverbial é o termo da oração que se liga a um verbo, com ou sem preposição, a fim de indicar uma circunstância qualquer. adj. adv. adj. adv. O inverno chegou cedo. Os viajantes chegaram a São Paulo. verbo verbo adj. adv. Os estudantes leram o livro na biblioteca. verbo O adjunto adverbial pode também estar ligado a adjetivos ou advérbios, para lhes intensificar o sentido: adj. adv. adj. adv. Flávia é muito estudiosa. Aristides fala muito bem. adjetivo advérbio
  • 9. Classificação dos adjuntos adverbiais Embora a Nomenclatura Gramatical Brasileira (NGB) não apresente uma classificação dos adjuntos adverbiais, é comum classificá-los de acordo com as inúmeras circunstâncias que expressam. Vejamos as mais comuns: lugar: Moro em São Paulo. finalidade: Estudou para a prova. tempo: Cheguei cedo. condição: Nada se consegue sem muito trabalho. modo: Falava bem. concessão: Nada conseguiu apesar de tanto esforço. instrumento: Cortou-se com a faca. companhia: Saiu com os amigos. intensidade: Falavam muito. negação: Ele nunca viaja nas férias. meio: Ele veio de ônibus. afirmação: O juiz certamente condenará o réu. assunto: Falavam sobre política. dúvida: Talvez ele se candidate ao cargo de governador. causa: Morreu de tuberculose.
  • 10. Morfossintaxe do adjunto adverbial O adjunto adverbial será representado por um advérbio, por uma locução ou expressão adverbial. Também pode ser expresso por uma oração, que receberá o nome de oração subordinada adverbial. Cheguei quando eram 10 horas.
  • 11. Aposto Aposto é o termo da oração colocado junto a um nome (ou pronome) que o antecede, com a função de explicar, especificar, enumerar, resumir este nome. Entre o aposto e o nome a que ele se refere normalmente há uma pausa, marcada na escrita por sinal de pontuação. No exemplo a seguir, a função do aposto é explicar (aposto explicativo): aposto Lúcia, aluna do nono ano, foi bem na prova. nome
  • 12. No próximo caso, a função do aposto é enumerar (aposto enumerativo): nome aposto Na despensa havia os seguintes produtos: açúcar, café, sal, macarrão e óleo. Com a função de resumir (aposto resumitivo ou recapitulativo), temos o seguinte exemplo de aposto: Eletrodomésticos, joias, dinheiro, documentos, tudo foi roubado.
  • 13. Quando a função do aposto é especificar, normalmente não há pausa e, consequentemente, não há sinal de pontuação entre ele e o nome especificado. A esse tipo de aposto dá-se o nome de aposto especificativo: aposto A cidade de São Paulo apresenta altos índices de poluição ambiental. aposto Compraram os presentes na rua Direita. aposto aposto Compraram salsicha Sadia e margarina Doriana. nome nome  Observe que o aposto especificativo é representado por um nome próprio que determina um nome comum. 0 aposto estabelece com o nome a que se refere uma relação de equivalência.
  • 14. Morfossintaxe do aposto O aposto tem função substantiva na oração, o que significa que seu núcleo será representado por um substantivo ou por uma palavra com valor de substantivo: aposto O Brasil, maior país da América do Sul, apresenta inúmeros contrastes. núcleo: substantivo aposto Algumas pessoas, idosos e gestantes, têm atendimento prioritário. núcleos: palavras com valor de substantivo O aposto pode também ser representado por uma oração subordinada, que receberá o nome de oração subordinada substantiva apositiva: Desejamos apenas isto: que o novo milênio traga a paz. or. sub. subs. Apositiva Queremos somente uma coisa: encerrar o ano com saúde. or. sub. subs. Apositiva
  • 15. Vocativo Vocativo é o termo da oração cuja função é a de chamar ou interpelar um interlocutor, real ou imaginário.  O vocativo é um termo independente dentro da oração. Não faz parte nem do sujeito, nem do predicado; por isso, não pertence a nenhum dos grandes grupos de termos da oração (termos essenciais, termos integrantes e termos acessórios).  Na escrita, deve vir sempre separado por sinal de pontuação (vírgula ou ponto de exclamação) e, quando se quer enfatizá-lo, costuma-se precedê-lo pela interjeição de chamamento ó.  Quanto à posição, o vocativo pode vir no início, no meio ou no final da frase: vocativo "Xará, um rio pode ser o riso líquido das crianças ou as lágrimas secas dos velhos." (Lourenço Diaféria) vocativo "- Muito bom dia, senhora, que nesta janela está (...)" (João Cabral de Melo Neto) vocativo "Gosto muito de você, leãozinho." (Caetano Veloso)
  • 16. Morfossintaxe do vocativo Como se refere a um ser, o vocativo é representado por um substantivo ou pronome substantivo. Gabriela, feche todas as janelas que está começando a chover. Como é agradável e espantosa a sua história, maninha." (Livro das mil e uma noites) Você, não fique aí parado, volte imediatamente para o seu lugar.