SlideShare uma empresa Scribd logo
E Comunicação
     Os telemóveis
OS TELEMÓVEIS




Os telemóveis tornaram-se parte integrante do nosso
quotidiano. Hoje em dia, é difícil concebermos o mundo sem
eles. O impacto dos telemóveis na sociedade actual é
portanto inegável, as suas implicações em termos de
transformação da vida social são inseparáveis.
O USO DOS TELEMÓVEIS


O primeiro telemóvel a ser lançado foi em 1973 pela marca
“Motorola” , chama-se “Dyna-tac”. Pesava 2,5 kilos, tinha um
tempo de conversação de 35 minutos. As suas características
de funcionamento eram apenas conversação.

O uso dos telemóveis pelos portugueses:

Em média 74% dos portugueses utiliza os telemóveis e pelo
menos cada um desses possui um telemóvel. Os restante de
11,3% tem mais de um telemóvel.

 Tendo em conta esta elevada taxa de penetração, vejamos as
diferenças no interior dos grupos etários.
O USO DOS TELEMÓVEIS

 No grupo de adultos entre os 25 e os 44 anos, 40% possui um
telemóvel contra 10% dos mesmos, que não tem. Acima dos 65
anos 8,5% tem um telemóvel, contra 45% que não tem, esta relação
é inversamente proporcional no que respeita à posse de telefone
fixo.

 A relação da posse do telemóvel com a escolaridade dos adultos é
directamente proporcional: quanto mais escolaridade se tem, maior
é o número de pessoas com telemóvel com 91,1%, de entre os que
não sabem ler nem escrever, apenas 1% têm telemóvel. Telemóveis
já não são símbolos de "status" social. Hoje em dia são bens
comuns e de grande utilidade para muitos. Não são propriamente
baratos mas também não são muito dispendiosos. Isto no caso dos
modelos de gamas baixas e médias, os topos de gama são
extremamente mais caros, mas muitos deles fazem e têm as
mesmas funções que de gama média e média/alta.
O USO DOS TELEMÓVEIS



 Crianças: usam o telemóvel para jogos.
 Jovens/adolescentes: utilizam o telemóvel para escrever
    mensagens, para ouvir musica e conversar.
 Adultos: necessitam do telemóvel para comunicar através de
  voz e mensagens.
 Idosos: limitam-se atender e efectuar chamadas.
A práTIcAS SOcIAIS
             Telemóveis, media e sociabilidades

Quem possui telemóvel, assiste com mais frequência a filmes, passa mais
tempo a ouvir rádio, lê jornais por mais de duas horas por dia (práticas de
consumo de media e forte intensidade)
  O telemóvel na sociedade portuguesa é um instrumento essencialmente
utilizado e percepcionado como facilitador da gestão da vida pessoal,
familiar e social – 60% utiliza-o para saber como estão amigos e familiares.
A maioria dos utilizadores de telemóvel desconhece os níveis de radiação
do seu aparelho, preocupando-se mais com questões estéticas ou
tecnológica quando tem de escolher um modelo.
O alerta é mais perigoso quando estão em causa as crianças, aconselhando
a moderação no uso do telemóvel "porque a parte cerebral e as defesas
imunitárias ainda estão a desenvolver-se".
EVOLUçõES fUTUrAS nO USO DOS TELEMÓVEIS
       E AS SUAS cOnSEqUêncIAS.
  Das inúmeras investigações até hoje divulgadas relativamente aos
  perigos dos telemóveis, não obstante os seus resultados por vezes
  contraditórios, retira-se uma conclusão importante, ainda não
  existem provas cabais das consequências do uso dos telemóveis na
  saúde humana, não porque estas não existam, mas porque só
  depois de 10 anos de utilização, começam a registar-se eventuais
  danos no organismo humano. No entanto, há um ponto em que
  parece que todos os cientistas estão de acordo, as crianças e jovens
  com menos de 20 anos correm perigo imediato por causa das
  perturbações causadas ao desenvolvimento normal.

  As lesões podem vir a ser ainda mais frequentes no futuro, quando
  uma nova geração de viciados em aparelhos electrónicos chegar à
  idade adulta. Os jovens, que hoje passam várias horas a escrever
  SMS, têm uma grande facilidade em recuperar de problemas físicas,
  mas o mesmo não vai acontecer quando ficarem mais velhos porque
  vai se notar uma maior fragilidade no corpo humano.
DIfErEnTES fOrMAS DO USO DA LíngUA E
 rESpEcTIVOS SíMbOLOS E cÓDIgOS nAS
    TEcnOLOgIAS DE InfOrMAçãO E
            cOMUnIcAçãO.
O telemóvel é agenda; lista de contactos; arquivo de ficheiros;
rádio; despertador; calculadora; relógio e consola de jogos. O
impacto dos telemóveis na sociedade actual é portanto inegável.
 O escrevente juvenil passou a utilizar entre eles um código que
investe em sinais e risonhos, que considera de maior prestigio
no acto de comunicar, entre as quais, frequentemente, a
informação que domina a língua que esta omnipresente nas
suas actividades preferidas, o inglês, ex. Amigos 4 ever.
 A prática comunicativa através do telemóvel é influenciada pelo
contexto social em que é utilizado, ao poder ser activado em
qualquer parte do mundo (roaming) e a qualquer momento, o
telemóvel passou a assumir um papel social activo.
  Deixou de ser um dispositivo que permite comunicar, par se
tornar numa ferramenta de interacção social.
USAnDO AS VárIAS LIngUAgEnS DOS MEIOS
   TEcnOLÓgIcOS cOM OS TELEMÓVEIS.

 Estas são formas coloquiais, certo, mas é justamente para
 representar estas formas que as Línguas-de-Telemóvel foram
 e estão a ser inventadas, como escrita alternativa.
 A palavra-chave aqui é “alternativa”. O Português-de-
 Telemóvel representa um tipo de escrita para um tipo de
 oralidade. Também aqui não se trata da “Língua”, trata-se de
 uma forma específica dela com área de uso delimitada. Cada
 registo de língua tem a sua gíria própria e as suas regras
 gramaticais, factos bem documentados tanto para a oralidade
 como para a escrita. Novos códigos de escrita como este estão
 a ser alvo de interesse e investigação científica, gerados pelo
 que possam vir a revelar-nos sobre intuições de seres
 humanos alfabetizados à cerca de formas escritas de línguas.
OS cOMpOnEnTES prIncIpAIS DE UM
            TELEMÓVEL.




O telemóvel e constituído por cabos de dados, antena,
bateria, displays, cartão sim, leds, carcaça, teclado, auricular,
entre outros componentes como também carregador e
memoria ,ecrã de cristais líquidos e também placa de circuitos
integrados.
OS cOMpOnEnTES prIncIpAIS DO TELEMÓVEL
                 gSM
 Originalmente, Groupe Special Mobile é uma tecnologia móvel e o padrão
 mais popular para telefones celular do mundo. Telefones GSM são usados
 por mais de um bilião de pessoas em mais de 200 países. A omnipresença
 do sistema GSM faz com que o roaming internacional seja muito comum
 através de "acordos de roaming" entre operadoras de telefonia móvel. O
 GSM diferencia-se muito dos seus antecessores sendo que o sinal e os
 canais de voz são digitais, o que significa que o GSM é visto como um
 sistema de telefone celular de segunda geração (2G). O GSM possui uma
 série de características que o distinguem dentro do universo das
 comunicações móveis. Nascido nos anos 80 e fruto de uma cooperação
 sem precedentes dentro da Europa, o sistema partilha elementos comuns
 com outras tecnologias utilizadas em telemóveis, como a transmissão ser
 feita de forma digital e a utilizar células (como funciona um telemóvel).Do
 ponto de vista do consumidor, a vantagem-chave do GSM são os serviços
 novos com baixos custos. Por exemplo, a troca de mensagens de texto foi
 originalmente desenvolvida para o GSM. A performance dos celulares é
 muito similar, mas apesar disso o sistema GSM tem mantido
 compatibilidade com os telefones GSM originais. No mesmo tempo, o
 sistema GSM continua a desenvolver-se com o lançamento do sistema
 GPS.
O TELEMÓVEL

                           GPRS:

O GPRS - General Packet Rádio Serviço é uma tecnologia que
aumenta as taxas de transferência de dados nas redes GSM
existentes. Esta permite o transporte de dados por pacotes
(Comutação por pacotes). Sendo assim, o GPRS oferece uma taxa
de transferência de dados muito mais elevada que as taxas de
transferência das tecnologias anteriores, que usavam comutação por
circuito, que eram em torno de 12kbps. Já o GPRS, em situações
ideais, pode ultrapassar a marca dos 170kbps. No entanto na
prática, essa taxa está em torno dos 40 kbps.
O TELEMÓVEL 3g
    Terceira geração de padrões e tecnologias de telefonia móvel,
substituindo o 2G. As tecnologias 3G permitem às operadoras da rede
oferecerem a seus usuários uma ampla gama dos mais avançados
serviços, já que possuem uma capacidade de rede maior por causa de
uma melhora na eficiência espectral. Entre os serviços, há a telefonia por
voz e a transmissão de dados a longas distâncias, tudo em um ambiente
móvel. Normalmente, são fornecidos serviços com taxas de 5 a 10
Megabits por segundo. As redes 3G permitem telefonia móvel de longo
alcance e evoluíram para incorporar redes de acesso à Internet em alta
velocidade e video-telefonia. A característica mais importante da
tecnologia móvel 3G é suportar um número maior de clientes de voz e
dados, especialmente em áreas urbanas, além de maiores taxas de
dados a um custo incremental menor que na 2G.Ela utiliza o espectro de
radiofrequência em bandas identificadas, fornecidas pela UTI para a
Terceira Geração de serviços móveis IMT-2000, e depois licenciadas
para as operadoras. Permite a transmissão de 384 kbits/s para sistemas
móveis e 2 Megabits/s para sistemas estacionários. Espera-se que tenha
uma maior capacidade de usuários e uma maior eficiência espectral, de
forma que os consumidores possam dispor de roaming global entre
diferentes redes 3G.
prESEnçA DE OnDAS
             ELEcTrOMAgnÉTIcAS
São ondas formadas por campos eléctricos e magnéticos oscilantes
que se propagam na velocidade da luz.
No aspecto electromagnético podemos ter desde ondas mais curtas
(bastante energéticas) até as mais longas (pouco energéticas).
A radiação electromagnética ocorre naturalmente no Universo e, como
tal, sempre esteve presente na Terra.
      O nosso Sol, por exemplo, é a fonte (natural) de radiação
electromagnética mais intensa a que estamos expostos. Por outro
lado, o crescimento tecnológico, as mudanças no comportamento
social e nos hábitos de trabalho (próprios de uma sociedade em
evolução) criaram um ambiente crescentemente exposto a outras
fontes de radiação electromagnética. Estas fontes foram criadas
artificialmente pelo homem e são, por exemplo, as antenas dos
sistemas de telecomunicações, a linhas de alta tensão, os aparelhos
eléctricos etc.
cArAcTEríSTIcAS gErIAS DAS OnDAS
       ELEcTrOMAgnÉTIcAS VELOcIDADE,
          frEqUêncIA E AMpLITUDE.
  O campo eléctrico está representado com cor azul, e o campo
magnético com cor vermelha. Estes campos evoluem no espaço
como uma onda, daí a designação de “onda electromagnética”. Uma
onda electromagnética pode ser criada por uma corrente eléctrica
variável no tempo.




Comprimento de onda, e frequência:
A onda electromagnética apresenta um padrão que se repete
enquanto se propaga. O comprimento desse padrão de repetição no
espaço designa-se por comprimento de onda, medindo-se em metros
[m].
cArAcTEríSTIcAS gErIAS DAS OnDAS
 ELEcTrOMAgnÉTIcAS VELOcIDADE,
     frEqUêncIA E AMpLITUDE
 A frequência representa o número de ciclos da onda num
ponto do espaço em cada segundo, medindo-se em Hertz
[Hz].
 O comprimento de onda e a frequência estão interligados
entre si, através da velocidade de propagação da luz.

Amplitude
A amplitude dá uma medida da intensidade dos campos,
medindo-se no caso do campo eléctrico em Volt por metro [V/
m], e do campo magnético em Ampère por metro [A/m]. A
densidade de potência vem expressa em Watt por metro
quadrado [W/m2], medindo a potência transportada pela onda
por unidade de área.
cArAcTEríSTIcAS gErIAS DAS OnDAS
       ELEcTrOMAgnÉTIcAS VELOcIDADE,
          frEqUêncIA E AMpLITUDE.
    Direcção e velocidade de propagação:
    Em espaço aberto, as ondas electromagnéticas propagam-se em linha
    recta com velocidade c próxima de 300 000 km/s. Na vizinhança de
    obstáculos, como o relevo do terreno, espelhos de água, construções,
    etc... a direcção de propagação pode ser alterada por reflexão, ou por
    difracção
    A reflexão ou a difracção sofridas por uma onda electromagnética, em
    geral modificam também a sua amplitude, mas não alteram a frequência.
    Modificam ainda a polarização da onda.

    Polarização:
    O campo eléctrico oscila sobre uma direcção vertical, designada por
    polarização vertical (PV); em alternativa, é possível escolher
    convenientemente a orientação da fonte de forma a ter o campo
    eléctrico a oscilar sobre uma direcção horizontal, designada por
    polarização horizontal (PH). A esta orientação espacial dos campos
    electromagnéticos dá-se o nome de polarização.
 
cArAcTEríSTIcAS DAS prIncIpAIS
            rADIAçõES

                     Ondas de Rádio

"Ondas de rádio" é a denominação dada às ondas
desde frequências muito pequenas, até 1012 Hz ,
acima da qual estão os raios infravermelhos.
As ondas de rádio são geradas por osciladores
electrónicos instalados geralmente num lugar alto,
para atingir uma maior região. Logo o nome "ondas de
rádio" inclui as microondas, as ondas de TV, as ondas
curtas, as ondas longas e as próprias bandas de AM e
FM. Ondas de rádio propriamente ditas :As ondas de
rádio propriamente ditas, que vão de 104 Hz a 107
Hz, têm comprimento de onda grande, o que permite
que elas sejam reflectidas pelas camadas ionizadas
da atmosfera superior (ionosfera)*.
Raios X
                     Os raios X foram descobertos, em 1895, pelo
                     físico alemão Wilhelm Röntgen. Os raios X têm
                     frequência alta e possuem muita energia. São
                     capazes de atravessar muitas substâncias embora
                     sejam detidos por outras, principalmente pelo
                     chumbo.
                     Esses raios são produzidos sempre que um feixe
                     de electrões dotados de energia incide sobre um
                     obstáculo material. A energia cinética do feixe
                     incidente é parcialmente transformada em energia
                     electromagnética, dando origem aos raios X.
                     Os raios X são capazes de impressionar uma
                     chapa fotográfica e são muito utilizados em
                     radiografias, já que conseguem atravessar a pele
                     e os músculos da pessoa, mas são retidos pelos
                     ossos.


Os raios X são também bastante utilizados no tratamento de
doenças como o câncer. Têm ainda outras aplicações: na pesquisa
da estrutura da matéria, em Química, em Mineralogia e outros
ramos.
Raios Gama
As o a e c m g tic s c m fre uê ia a im d d s ra s X
      nd s le tro a né a o        q nc     c a a o        io
re e e o no ed ra sg m (g
  cbm       m e io a a ).
Os ra s g s o p d
      io    ã ro uzid s p r d s g ç o na l o a
                      o o e inte ra ã       tura u rtific l d
                                                          ia e
e m nto ra io c s
 le e s d a tivo .
Um m te l ra io c
       a ria d a tivo p d e itir ra s g d nte m
                       oe m        io    ura     uito te p , a
                                                        m o té
a ir um fo am ise tá l.
 ting     a rm a s ve
Ra s g d a e rg p d m s r o s rva o ta b m no ra s
   io      e lta ne ia o e e b e d s m é                 s io
c s ic s q a e a a a o fe te s e g nd q ntid d
 ó m o ue ting m lta tm s ra rre tre m ra e ua a e
p rs g o
 o e und .

                             Os raios g podem causar graves
                             danos às células, de modo que os
                             cientistas que trabalham em
                             laboratório de radiação devem
                             desenvolver métodos especiais
                             de detecção e protecção contra
                             doses excessivas desses raios.
TrAbALHO rEALIZADO

pOr:     Ana Marques; Rui Ferreira;
       Isabel Correia e Rui Fernandes




                        13 de Maio 2009

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

NG5-Vantagens e Desvantagens Do TelemóVel
NG5-Vantagens e Desvantagens Do TelemóVelNG5-Vantagens e Desvantagens Do TelemóVel
NG5-Vantagens e Desvantagens Do TelemóVel
AT
 
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
joaokota
 
Telemóvel
TelemóvelTelemóvel
Telemóvel
Leonel Lopes
 
A história do telefone
A história do telefoneA história do telefone
A história do telefone
Vera Carvalho
 
C.L.C. 5 - Telemóveis
C.L.C. 5 - TelemóveisC.L.C. 5 - Telemóveis
C.L.C. 5 - Telemóveis
I.Braz Slideshares
 
A Evolução Do Telefone
A Evolução Do TelefoneA Evolução Do Telefone
A Evolução Do Telefone
Turma Efa S2
 
História do Telemóvel
História do TelemóvelHistória do Telemóvel
História do Telemóvel
Supremu
 
Trabalho sobre os Telemoveis
Trabalho sobre os TelemoveisTrabalho sobre os Telemoveis
Trabalho sobre os Telemoveis
cef1
 
Telemovel Stc
Telemovel StcTelemovel Stc
Telemovel Stc
carlaafaria
 
Reflexão da dr4 do clc 5
Reflexão da dr4 do clc 5Reflexão da dr4 do clc 5
Reflexão da dr4 do clc 5
joaokota
 
A história do telefone
A história do telefoneA história do telefone
A história do telefone
Vera Carvalho
 
STC 5
STC 5STC 5
CLC 5
CLC 5CLC 5
STC NG5 DR4 Filipa
STC NG5 DR4 FilipaSTC NG5 DR4 Filipa
STC NG5 DR4 Filipa
Alberto Casaca
 
STC5
STC5STC5
Ng1 Dr1 Electrodomésticos Trabalho Josefa
Ng1 Dr1   Electrodomésticos   Trabalho JosefaNg1 Dr1   Electrodomésticos   Trabalho Josefa
Ng1 Dr1 Electrodomésticos Trabalho Josefa
Alfredo Garcia
 
Utilização do telemóvel
Utilização do telemóvelUtilização do telemóvel
Utilização do telemóvel
efa1
 
Trabalho de clc ng5 dr2
Trabalho de clc ng5 dr2Trabalho de clc ng5 dr2
Trabalho de clc ng5 dr2
estreitoformaefas
 
S.T.C. 7 - Todos diferentes/Todos iguais
S.T.C. 7 - Todos diferentes/Todos iguaisS.T.C. 7 - Todos diferentes/Todos iguais
S.T.C. 7 - Todos diferentes/Todos iguais
I.Braz Slideshares
 
Utilização das tic no âmbito profissional2
Utilização das tic no âmbito profissional2Utilização das tic no âmbito profissional2
Utilização das tic no âmbito profissional2
José Guimarães
 

Mais procurados (20)

NG5-Vantagens e Desvantagens Do TelemóVel
NG5-Vantagens e Desvantagens Do TelemóVelNG5-Vantagens e Desvantagens Do TelemóVel
NG5-Vantagens e Desvantagens Do TelemóVel
 
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
 
Telemóvel
TelemóvelTelemóvel
Telemóvel
 
A história do telefone
A história do telefoneA história do telefone
A história do telefone
 
C.L.C. 5 - Telemóveis
C.L.C. 5 - TelemóveisC.L.C. 5 - Telemóveis
C.L.C. 5 - Telemóveis
 
A Evolução Do Telefone
A Evolução Do TelefoneA Evolução Do Telefone
A Evolução Do Telefone
 
História do Telemóvel
História do TelemóvelHistória do Telemóvel
História do Telemóvel
 
Trabalho sobre os Telemoveis
Trabalho sobre os TelemoveisTrabalho sobre os Telemoveis
Trabalho sobre os Telemoveis
 
Telemovel Stc
Telemovel StcTelemovel Stc
Telemovel Stc
 
Reflexão da dr4 do clc 5
Reflexão da dr4 do clc 5Reflexão da dr4 do clc 5
Reflexão da dr4 do clc 5
 
A história do telefone
A história do telefoneA história do telefone
A história do telefone
 
STC 5
STC 5STC 5
STC 5
 
CLC 5
CLC 5CLC 5
CLC 5
 
STC NG5 DR4 Filipa
STC NG5 DR4 FilipaSTC NG5 DR4 Filipa
STC NG5 DR4 Filipa
 
STC5
STC5STC5
STC5
 
Ng1 Dr1 Electrodomésticos Trabalho Josefa
Ng1 Dr1   Electrodomésticos   Trabalho JosefaNg1 Dr1   Electrodomésticos   Trabalho Josefa
Ng1 Dr1 Electrodomésticos Trabalho Josefa
 
Utilização do telemóvel
Utilização do telemóvelUtilização do telemóvel
Utilização do telemóvel
 
Trabalho de clc ng5 dr2
Trabalho de clc ng5 dr2Trabalho de clc ng5 dr2
Trabalho de clc ng5 dr2
 
S.T.C. 7 - Todos diferentes/Todos iguais
S.T.C. 7 - Todos diferentes/Todos iguaisS.T.C. 7 - Todos diferentes/Todos iguais
S.T.C. 7 - Todos diferentes/Todos iguais
 
Utilização das tic no âmbito profissional2
Utilização das tic no âmbito profissional2Utilização das tic no âmbito profissional2
Utilização das tic no âmbito profissional2
 

Destaque

Geração dos computadores
Geração dos computadoresGeração dos computadores
Geração dos computadores
IEFP-Porto
 
Trabalho: o meu telemóvel
Trabalho: o meu telemóvelTrabalho: o meu telemóvel
Trabalho: o meu telemóvel
Francisco Silva
 
Henry
 Henry Henry
Henry
Henry Maia
 
História da Internet
História da InternetHistória da Internet
História da Internet
absbidua
 
Processadores 4° geração
Processadores 4° geraçãoProcessadores 4° geração
Processadores 4° geração
Valdeir Frizzera
 
A EvoluçãO Do Computador De 1990 Até Os Dias De Hoje
A EvoluçãO Do Computador De 1990 Até Os Dias De HojeA EvoluçãO Do Computador De 1990 Até Os Dias De Hoje
A EvoluçãO Do Computador De 1990 Até Os Dias De Hoje
SOL RIBEIRO
 
A história da internet
A história da internetA história da internet
A história da internet
Cristy Tofaleanu
 
Trabalho 3 geração de computadores
Trabalho 3 geração de computadoresTrabalho 3 geração de computadores
Trabalho 3 geração de computadores
Willian88
 
O TelemóVel E A Sua EvoluçãO
O TelemóVel E A Sua EvoluçãOO TelemóVel E A Sua EvoluçãO
O TelemóVel E A Sua EvoluçãO
pipinha84
 
História dos computadores
História dos computadoresHistória dos computadores
História dos computadores
rabidus
 
Geração dos Computadores
Geração dos ComputadoresGeração dos Computadores
Geração dos Computadores
Ricardo Andrade
 
4ª geração de computadores
4ª geração de computadores4ª geração de computadores
4ª geração de computadores
alexm98
 
A história e evolução do computador
A história e evolução do computadorA história e evolução do computador
A história e evolução do computador
xixpto
 
História do Computador
História do ComputadorHistória do Computador
História do Computador
Heronides Araújo
 
Evolução do Computadores
Evolução do ComputadoresEvolução do Computadores
Evolução do Computadores
Sandra120593
 
Geração dos Computadores
Geração dos ComputadoresGeração dos Computadores
Geração dos Computadores
Janielson Lima
 
A Historia da Internet
A Historia da InternetA Historia da Internet
A Historia da Internet
pipa_Filipa
 
EvoluçãO Do TelemóVel
EvoluçãO Do TelemóVelEvoluçãO Do TelemóVel
EvoluçãO Do TelemóVel
Cidadania e Profissionalidade
 
História da Internet
História da InternetHistória da Internet
História da Internet
publicidadepitagoras
 
Segunda geração de computadores (1955 1964)
Segunda geração de computadores (1955 1964)Segunda geração de computadores (1955 1964)
Segunda geração de computadores (1955 1964)
Thaís Santos
 

Destaque (20)

Geração dos computadores
Geração dos computadoresGeração dos computadores
Geração dos computadores
 
Trabalho: o meu telemóvel
Trabalho: o meu telemóvelTrabalho: o meu telemóvel
Trabalho: o meu telemóvel
 
Henry
 Henry Henry
Henry
 
História da Internet
História da InternetHistória da Internet
História da Internet
 
Processadores 4° geração
Processadores 4° geraçãoProcessadores 4° geração
Processadores 4° geração
 
A EvoluçãO Do Computador De 1990 Até Os Dias De Hoje
A EvoluçãO Do Computador De 1990 Até Os Dias De HojeA EvoluçãO Do Computador De 1990 Até Os Dias De Hoje
A EvoluçãO Do Computador De 1990 Até Os Dias De Hoje
 
A história da internet
A história da internetA história da internet
A história da internet
 
Trabalho 3 geração de computadores
Trabalho 3 geração de computadoresTrabalho 3 geração de computadores
Trabalho 3 geração de computadores
 
O TelemóVel E A Sua EvoluçãO
O TelemóVel E A Sua EvoluçãOO TelemóVel E A Sua EvoluçãO
O TelemóVel E A Sua EvoluçãO
 
História dos computadores
História dos computadoresHistória dos computadores
História dos computadores
 
Geração dos Computadores
Geração dos ComputadoresGeração dos Computadores
Geração dos Computadores
 
4ª geração de computadores
4ª geração de computadores4ª geração de computadores
4ª geração de computadores
 
A história e evolução do computador
A história e evolução do computadorA história e evolução do computador
A história e evolução do computador
 
História do Computador
História do ComputadorHistória do Computador
História do Computador
 
Evolução do Computadores
Evolução do ComputadoresEvolução do Computadores
Evolução do Computadores
 
Geração dos Computadores
Geração dos ComputadoresGeração dos Computadores
Geração dos Computadores
 
A Historia da Internet
A Historia da InternetA Historia da Internet
A Historia da Internet
 
EvoluçãO Do TelemóVel
EvoluçãO Do TelemóVelEvoluçãO Do TelemóVel
EvoluçãO Do TelemóVel
 
História da Internet
História da InternetHistória da Internet
História da Internet
 
Segunda geração de computadores (1955 1964)
Segunda geração de computadores (1955 1964)Segunda geração de computadores (1955 1964)
Segunda geração de computadores (1955 1964)
 

Semelhante a Telemoveis Rui E Bela

Dr1 hugo torres
Dr1 hugo torresDr1 hugo torres
Dr1 hugo torres
IEFP-Porto
 
Telemoveis
TelemoveisTelemoveis
Telemoveis
colefas
 
Comunicações rádio
Comunicações rádioComunicações rádio
Comunicações rádio
Raquel Silva
 
E V O L UÇ A O D O S T E L E M O V E I S
E V O L UÇ A O  D O S  T E L E M O V E I SE V O L UÇ A O  D O S  T E L E M O V E I S
E V O L UÇ A O D O S T E L E M O V E I S
Cidadania e Profissionalidade
 
O TelemóVel E A Sua EvoluçãO
O TelemóVel E A Sua EvoluçãOO TelemóVel E A Sua EvoluçãO
O TelemóVel E A Sua EvoluçãO
pipinha84
 
Novas tecnologias clc5
Novas tecnologias clc5Novas tecnologias clc5
Novas tecnologias clc5
mariajose1965
 
A revolução dos telemóveis
A revolução dos telemóveisA revolução dos telemóveis
A revolução dos telemóveis
albetizacardoso
 
De Antonio Meucci e Graham Bell à Tecnologia 3G - Telefone, Uma Evolução da C...
De Antonio Meucci e Graham Bell à Tecnologia 3G - Telefone, Uma Evolução da C...De Antonio Meucci e Graham Bell à Tecnologia 3G - Telefone, Uma Evolução da C...
De Antonio Meucci e Graham Bell à Tecnologia 3G - Telefone, Uma Evolução da C...
Atitude Digital
 
Arquitetura celular arm
Arquitetura celular armArquitetura celular arm
Arquitetura celular arm
Carlos Magno
 
Tic1
Tic1Tic1
EvoluçãO Do TelemóVel
EvoluçãO Do TelemóVelEvoluçãO Do TelemóVel
EvoluçãO Do TelemóVel
Cidadania e Profissionalidade
 
Evolução Do Telemóvel
Evolução Do  TelemóvelEvolução Do  Telemóvel
Evolução Do Telemóvel
Cidadania e Profissionalidade
 
EvoluçãO Do TelemóVel
EvoluçãO Do TelemóVelEvoluçãO Do TelemóVel
EvoluçãO Do TelemóVel
Cidadania e Profissionalidade
 
Telecomunicações
TelecomunicaçõesTelecomunicações
Telecomunicações
Sofia Pais
 
Silvia. Isabel.TelemóVel
Silvia. Isabel.TelemóVelSilvia. Isabel.TelemóVel
Silvia. Isabel.TelemóVel
guesteec9b07
 
Telefonia Móvel
Telefonia MóvelTelefonia Móvel
Telefonia Móvel
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Stc actividade 3 comunicações rádio
Stc actividade 3 comunicações rádioStc actividade 3 comunicações rádio
Stc actividade 3 comunicações rádio
Jose Simoes
 
O funcion..
O funcion..O funcion..
O funcion..
Henry Maia
 
O funcion..
O funcion..O funcion..
O funcion..
Henry Maia
 
Tecnologia 1 g, 2g e 3g
Tecnologia 1 g, 2g e 3gTecnologia 1 g, 2g e 3g
Tecnologia 1 g, 2g e 3g
Bárbara Pessata
 

Semelhante a Telemoveis Rui E Bela (20)

Dr1 hugo torres
Dr1 hugo torresDr1 hugo torres
Dr1 hugo torres
 
Telemoveis
TelemoveisTelemoveis
Telemoveis
 
Comunicações rádio
Comunicações rádioComunicações rádio
Comunicações rádio
 
E V O L UÇ A O D O S T E L E M O V E I S
E V O L UÇ A O  D O S  T E L E M O V E I SE V O L UÇ A O  D O S  T E L E M O V E I S
E V O L UÇ A O D O S T E L E M O V E I S
 
O TelemóVel E A Sua EvoluçãO
O TelemóVel E A Sua EvoluçãOO TelemóVel E A Sua EvoluçãO
O TelemóVel E A Sua EvoluçãO
 
Novas tecnologias clc5
Novas tecnologias clc5Novas tecnologias clc5
Novas tecnologias clc5
 
A revolução dos telemóveis
A revolução dos telemóveisA revolução dos telemóveis
A revolução dos telemóveis
 
De Antonio Meucci e Graham Bell à Tecnologia 3G - Telefone, Uma Evolução da C...
De Antonio Meucci e Graham Bell à Tecnologia 3G - Telefone, Uma Evolução da C...De Antonio Meucci e Graham Bell à Tecnologia 3G - Telefone, Uma Evolução da C...
De Antonio Meucci e Graham Bell à Tecnologia 3G - Telefone, Uma Evolução da C...
 
Arquitetura celular arm
Arquitetura celular armArquitetura celular arm
Arquitetura celular arm
 
Tic1
Tic1Tic1
Tic1
 
EvoluçãO Do TelemóVel
EvoluçãO Do TelemóVelEvoluçãO Do TelemóVel
EvoluçãO Do TelemóVel
 
Evolução Do Telemóvel
Evolução Do  TelemóvelEvolução Do  Telemóvel
Evolução Do Telemóvel
 
EvoluçãO Do TelemóVel
EvoluçãO Do TelemóVelEvoluçãO Do TelemóVel
EvoluçãO Do TelemóVel
 
Telecomunicações
TelecomunicaçõesTelecomunicações
Telecomunicações
 
Silvia. Isabel.TelemóVel
Silvia. Isabel.TelemóVelSilvia. Isabel.TelemóVel
Silvia. Isabel.TelemóVel
 
Telefonia Móvel
Telefonia MóvelTelefonia Móvel
Telefonia Móvel
 
Stc actividade 3 comunicações rádio
Stc actividade 3 comunicações rádioStc actividade 3 comunicações rádio
Stc actividade 3 comunicações rádio
 
O funcion..
O funcion..O funcion..
O funcion..
 
O funcion..
O funcion..O funcion..
O funcion..
 
Tecnologia 1 g, 2g e 3g
Tecnologia 1 g, 2g e 3gTecnologia 1 g, 2g e 3g
Tecnologia 1 g, 2g e 3g
 

Mais de stordehistoria

Computador Vanessa
Computador VanessaComputador Vanessa
Computador Vanessa
stordehistoria
 
Parque Nacional
Parque NacionalParque Nacional
Parque Nacional
stordehistoria
 
O Computador Stc,Clc
O Computador Stc,ClcO Computador Stc,Clc
O Computador Stc,Clc
stordehistoria
 
Os computadores
Os computadoresOs computadores
Os computadores
stordehistoria
 
O Computador
O ComputadorO Computador
O Computador
stordehistoria
 
Evolução dos Computadores
Evolução dos ComputadoresEvolução dos Computadores
Evolução dos Computadores
stordehistoria
 

Mais de stordehistoria (6)

Computador Vanessa
Computador VanessaComputador Vanessa
Computador Vanessa
 
Parque Nacional
Parque NacionalParque Nacional
Parque Nacional
 
O Computador Stc,Clc
O Computador Stc,ClcO Computador Stc,Clc
O Computador Stc,Clc
 
Os computadores
Os computadoresOs computadores
Os computadores
 
O Computador
O ComputadorO Computador
O Computador
 
Evolução dos Computadores
Evolução dos ComputadoresEvolução dos Computadores
Evolução dos Computadores
 

Último

said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Shakil Y. Rahim
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdfO livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
dataprovider
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
MiriamCamily
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
ALEXANDRODECASTRODOS
 
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdfEXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
eltinhorg
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
MarcoAurlioResende
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdfSequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
marcos oliveira
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 

Último (20)

said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdfO livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
 
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
 
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdfEXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdfSequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 

Telemoveis Rui E Bela

  • 1. E Comunicação Os telemóveis
  • 2. OS TELEMÓVEIS Os telemóveis tornaram-se parte integrante do nosso quotidiano. Hoje em dia, é difícil concebermos o mundo sem eles. O impacto dos telemóveis na sociedade actual é portanto inegável, as suas implicações em termos de transformação da vida social são inseparáveis.
  • 3. O USO DOS TELEMÓVEIS O primeiro telemóvel a ser lançado foi em 1973 pela marca “Motorola” , chama-se “Dyna-tac”. Pesava 2,5 kilos, tinha um tempo de conversação de 35 minutos. As suas características de funcionamento eram apenas conversação. O uso dos telemóveis pelos portugueses: Em média 74% dos portugueses utiliza os telemóveis e pelo menos cada um desses possui um telemóvel. Os restante de 11,3% tem mais de um telemóvel. Tendo em conta esta elevada taxa de penetração, vejamos as diferenças no interior dos grupos etários.
  • 4. O USO DOS TELEMÓVEIS No grupo de adultos entre os 25 e os 44 anos, 40% possui um telemóvel contra 10% dos mesmos, que não tem. Acima dos 65 anos 8,5% tem um telemóvel, contra 45% que não tem, esta relação é inversamente proporcional no que respeita à posse de telefone fixo. A relação da posse do telemóvel com a escolaridade dos adultos é directamente proporcional: quanto mais escolaridade se tem, maior é o número de pessoas com telemóvel com 91,1%, de entre os que não sabem ler nem escrever, apenas 1% têm telemóvel. Telemóveis já não são símbolos de "status" social. Hoje em dia são bens comuns e de grande utilidade para muitos. Não são propriamente baratos mas também não são muito dispendiosos. Isto no caso dos modelos de gamas baixas e médias, os topos de gama são extremamente mais caros, mas muitos deles fazem e têm as mesmas funções que de gama média e média/alta.
  • 5. O USO DOS TELEMÓVEIS  Crianças: usam o telemóvel para jogos.  Jovens/adolescentes: utilizam o telemóvel para escrever mensagens, para ouvir musica e conversar.  Adultos: necessitam do telemóvel para comunicar através de voz e mensagens.  Idosos: limitam-se atender e efectuar chamadas.
  • 6. A práTIcAS SOcIAIS Telemóveis, media e sociabilidades Quem possui telemóvel, assiste com mais frequência a filmes, passa mais tempo a ouvir rádio, lê jornais por mais de duas horas por dia (práticas de consumo de media e forte intensidade) O telemóvel na sociedade portuguesa é um instrumento essencialmente utilizado e percepcionado como facilitador da gestão da vida pessoal, familiar e social – 60% utiliza-o para saber como estão amigos e familiares. A maioria dos utilizadores de telemóvel desconhece os níveis de radiação do seu aparelho, preocupando-se mais com questões estéticas ou tecnológica quando tem de escolher um modelo. O alerta é mais perigoso quando estão em causa as crianças, aconselhando a moderação no uso do telemóvel "porque a parte cerebral e as defesas imunitárias ainda estão a desenvolver-se".
  • 7. EVOLUçõES fUTUrAS nO USO DOS TELEMÓVEIS E AS SUAS cOnSEqUêncIAS. Das inúmeras investigações até hoje divulgadas relativamente aos perigos dos telemóveis, não obstante os seus resultados por vezes contraditórios, retira-se uma conclusão importante, ainda não existem provas cabais das consequências do uso dos telemóveis na saúde humana, não porque estas não existam, mas porque só depois de 10 anos de utilização, começam a registar-se eventuais danos no organismo humano. No entanto, há um ponto em que parece que todos os cientistas estão de acordo, as crianças e jovens com menos de 20 anos correm perigo imediato por causa das perturbações causadas ao desenvolvimento normal. As lesões podem vir a ser ainda mais frequentes no futuro, quando uma nova geração de viciados em aparelhos electrónicos chegar à idade adulta. Os jovens, que hoje passam várias horas a escrever SMS, têm uma grande facilidade em recuperar de problemas físicas, mas o mesmo não vai acontecer quando ficarem mais velhos porque vai se notar uma maior fragilidade no corpo humano.
  • 8. DIfErEnTES fOrMAS DO USO DA LíngUA E rESpEcTIVOS SíMbOLOS E cÓDIgOS nAS TEcnOLOgIAS DE InfOrMAçãO E cOMUnIcAçãO. O telemóvel é agenda; lista de contactos; arquivo de ficheiros; rádio; despertador; calculadora; relógio e consola de jogos. O impacto dos telemóveis na sociedade actual é portanto inegável. O escrevente juvenil passou a utilizar entre eles um código que investe em sinais e risonhos, que considera de maior prestigio no acto de comunicar, entre as quais, frequentemente, a informação que domina a língua que esta omnipresente nas suas actividades preferidas, o inglês, ex. Amigos 4 ever. A prática comunicativa através do telemóvel é influenciada pelo contexto social em que é utilizado, ao poder ser activado em qualquer parte do mundo (roaming) e a qualquer momento, o telemóvel passou a assumir um papel social activo. Deixou de ser um dispositivo que permite comunicar, par se tornar numa ferramenta de interacção social.
  • 9. USAnDO AS VárIAS LIngUAgEnS DOS MEIOS TEcnOLÓgIcOS cOM OS TELEMÓVEIS. Estas são formas coloquiais, certo, mas é justamente para representar estas formas que as Línguas-de-Telemóvel foram e estão a ser inventadas, como escrita alternativa. A palavra-chave aqui é “alternativa”. O Português-de- Telemóvel representa um tipo de escrita para um tipo de oralidade. Também aqui não se trata da “Língua”, trata-se de uma forma específica dela com área de uso delimitada. Cada registo de língua tem a sua gíria própria e as suas regras gramaticais, factos bem documentados tanto para a oralidade como para a escrita. Novos códigos de escrita como este estão a ser alvo de interesse e investigação científica, gerados pelo que possam vir a revelar-nos sobre intuições de seres humanos alfabetizados à cerca de formas escritas de línguas.
  • 10. OS cOMpOnEnTES prIncIpAIS DE UM TELEMÓVEL. O telemóvel e constituído por cabos de dados, antena, bateria, displays, cartão sim, leds, carcaça, teclado, auricular, entre outros componentes como também carregador e memoria ,ecrã de cristais líquidos e também placa de circuitos integrados.
  • 11. OS cOMpOnEnTES prIncIpAIS DO TELEMÓVEL gSM Originalmente, Groupe Special Mobile é uma tecnologia móvel e o padrão mais popular para telefones celular do mundo. Telefones GSM são usados por mais de um bilião de pessoas em mais de 200 países. A omnipresença do sistema GSM faz com que o roaming internacional seja muito comum através de "acordos de roaming" entre operadoras de telefonia móvel. O GSM diferencia-se muito dos seus antecessores sendo que o sinal e os canais de voz são digitais, o que significa que o GSM é visto como um sistema de telefone celular de segunda geração (2G). O GSM possui uma série de características que o distinguem dentro do universo das comunicações móveis. Nascido nos anos 80 e fruto de uma cooperação sem precedentes dentro da Europa, o sistema partilha elementos comuns com outras tecnologias utilizadas em telemóveis, como a transmissão ser feita de forma digital e a utilizar células (como funciona um telemóvel).Do ponto de vista do consumidor, a vantagem-chave do GSM são os serviços novos com baixos custos. Por exemplo, a troca de mensagens de texto foi originalmente desenvolvida para o GSM. A performance dos celulares é muito similar, mas apesar disso o sistema GSM tem mantido compatibilidade com os telefones GSM originais. No mesmo tempo, o sistema GSM continua a desenvolver-se com o lançamento do sistema GPS.
  • 12. O TELEMÓVEL GPRS: O GPRS - General Packet Rádio Serviço é uma tecnologia que aumenta as taxas de transferência de dados nas redes GSM existentes. Esta permite o transporte de dados por pacotes (Comutação por pacotes). Sendo assim, o GPRS oferece uma taxa de transferência de dados muito mais elevada que as taxas de transferência das tecnologias anteriores, que usavam comutação por circuito, que eram em torno de 12kbps. Já o GPRS, em situações ideais, pode ultrapassar a marca dos 170kbps. No entanto na prática, essa taxa está em torno dos 40 kbps.
  • 13. O TELEMÓVEL 3g Terceira geração de padrões e tecnologias de telefonia móvel, substituindo o 2G. As tecnologias 3G permitem às operadoras da rede oferecerem a seus usuários uma ampla gama dos mais avançados serviços, já que possuem uma capacidade de rede maior por causa de uma melhora na eficiência espectral. Entre os serviços, há a telefonia por voz e a transmissão de dados a longas distâncias, tudo em um ambiente móvel. Normalmente, são fornecidos serviços com taxas de 5 a 10 Megabits por segundo. As redes 3G permitem telefonia móvel de longo alcance e evoluíram para incorporar redes de acesso à Internet em alta velocidade e video-telefonia. A característica mais importante da tecnologia móvel 3G é suportar um número maior de clientes de voz e dados, especialmente em áreas urbanas, além de maiores taxas de dados a um custo incremental menor que na 2G.Ela utiliza o espectro de radiofrequência em bandas identificadas, fornecidas pela UTI para a Terceira Geração de serviços móveis IMT-2000, e depois licenciadas para as operadoras. Permite a transmissão de 384 kbits/s para sistemas móveis e 2 Megabits/s para sistemas estacionários. Espera-se que tenha uma maior capacidade de usuários e uma maior eficiência espectral, de forma que os consumidores possam dispor de roaming global entre diferentes redes 3G.
  • 14. prESEnçA DE OnDAS ELEcTrOMAgnÉTIcAS São ondas formadas por campos eléctricos e magnéticos oscilantes que se propagam na velocidade da luz. No aspecto electromagnético podemos ter desde ondas mais curtas (bastante energéticas) até as mais longas (pouco energéticas). A radiação electromagnética ocorre naturalmente no Universo e, como tal, sempre esteve presente na Terra. O nosso Sol, por exemplo, é a fonte (natural) de radiação electromagnética mais intensa a que estamos expostos. Por outro lado, o crescimento tecnológico, as mudanças no comportamento social e nos hábitos de trabalho (próprios de uma sociedade em evolução) criaram um ambiente crescentemente exposto a outras fontes de radiação electromagnética. Estas fontes foram criadas artificialmente pelo homem e são, por exemplo, as antenas dos sistemas de telecomunicações, a linhas de alta tensão, os aparelhos eléctricos etc.
  • 15. cArAcTEríSTIcAS gErIAS DAS OnDAS ELEcTrOMAgnÉTIcAS VELOcIDADE, frEqUêncIA E AMpLITUDE. O campo eléctrico está representado com cor azul, e o campo magnético com cor vermelha. Estes campos evoluem no espaço como uma onda, daí a designação de “onda electromagnética”. Uma onda electromagnética pode ser criada por uma corrente eléctrica variável no tempo. Comprimento de onda, e frequência: A onda electromagnética apresenta um padrão que se repete enquanto se propaga. O comprimento desse padrão de repetição no espaço designa-se por comprimento de onda, medindo-se em metros [m].
  • 16. cArAcTEríSTIcAS gErIAS DAS OnDAS ELEcTrOMAgnÉTIcAS VELOcIDADE, frEqUêncIA E AMpLITUDE A frequência representa o número de ciclos da onda num ponto do espaço em cada segundo, medindo-se em Hertz [Hz]. O comprimento de onda e a frequência estão interligados entre si, através da velocidade de propagação da luz. Amplitude A amplitude dá uma medida da intensidade dos campos, medindo-se no caso do campo eléctrico em Volt por metro [V/ m], e do campo magnético em Ampère por metro [A/m]. A densidade de potência vem expressa em Watt por metro quadrado [W/m2], medindo a potência transportada pela onda por unidade de área.
  • 17. cArAcTEríSTIcAS gErIAS DAS OnDAS ELEcTrOMAgnÉTIcAS VELOcIDADE, frEqUêncIA E AMpLITUDE. Direcção e velocidade de propagação: Em espaço aberto, as ondas electromagnéticas propagam-se em linha recta com velocidade c próxima de 300 000 km/s. Na vizinhança de obstáculos, como o relevo do terreno, espelhos de água, construções, etc... a direcção de propagação pode ser alterada por reflexão, ou por difracção A reflexão ou a difracção sofridas por uma onda electromagnética, em geral modificam também a sua amplitude, mas não alteram a frequência. Modificam ainda a polarização da onda. Polarização: O campo eléctrico oscila sobre uma direcção vertical, designada por polarização vertical (PV); em alternativa, é possível escolher convenientemente a orientação da fonte de forma a ter o campo eléctrico a oscilar sobre uma direcção horizontal, designada por polarização horizontal (PH). A esta orientação espacial dos campos electromagnéticos dá-se o nome de polarização.  
  • 18. cArAcTEríSTIcAS DAS prIncIpAIS rADIAçõES Ondas de Rádio "Ondas de rádio" é a denominação dada às ondas desde frequências muito pequenas, até 1012 Hz , acima da qual estão os raios infravermelhos. As ondas de rádio são geradas por osciladores electrónicos instalados geralmente num lugar alto, para atingir uma maior região. Logo o nome "ondas de rádio" inclui as microondas, as ondas de TV, as ondas curtas, as ondas longas e as próprias bandas de AM e FM. Ondas de rádio propriamente ditas :As ondas de rádio propriamente ditas, que vão de 104 Hz a 107 Hz, têm comprimento de onda grande, o que permite que elas sejam reflectidas pelas camadas ionizadas da atmosfera superior (ionosfera)*.
  • 19. Raios X Os raios X foram descobertos, em 1895, pelo físico alemão Wilhelm Röntgen. Os raios X têm frequência alta e possuem muita energia. São capazes de atravessar muitas substâncias embora sejam detidos por outras, principalmente pelo chumbo. Esses raios são produzidos sempre que um feixe de electrões dotados de energia incide sobre um obstáculo material. A energia cinética do feixe incidente é parcialmente transformada em energia electromagnética, dando origem aos raios X. Os raios X são capazes de impressionar uma chapa fotográfica e são muito utilizados em radiografias, já que conseguem atravessar a pele e os músculos da pessoa, mas são retidos pelos ossos. Os raios X são também bastante utilizados no tratamento de doenças como o câncer. Têm ainda outras aplicações: na pesquisa da estrutura da matéria, em Química, em Mineralogia e outros ramos.
  • 20. Raios Gama As o a e c m g tic s c m fre uê ia a im d d s ra s X nd s le tro a né a o q nc c a a o io re e e o no ed ra sg m (g cbm m e io a a ). Os ra s g s o p d io ã ro uzid s p r d s g ç o na l o a o o e inte ra ã tura u rtific l d ia e e m nto ra io c s le e s d a tivo . Um m te l ra io c a ria d a tivo p d e itir ra s g d nte m oe m io ura uito te p , a m o té a ir um fo am ise tá l. ting a rm a s ve Ra s g d a e rg p d m s r o s rva o ta b m no ra s io e lta ne ia o e e b e d s m é s io c s ic s q a e a a a o fe te s e g nd q ntid d ó m o ue ting m lta tm s ra rre tre m ra e ua a e p rs g o o e und . Os raios g podem causar graves danos às células, de modo que os cientistas que trabalham em laboratório de radiação devem desenvolver métodos especiais de detecção e protecção contra doses excessivas desses raios.
  • 21. TrAbALHO rEALIZADO pOr: Ana Marques; Rui Ferreira; Isabel Correia e Rui Fernandes 13 de Maio 2009